Posts Tagged With: Demolida resposta que o embaixador chinês na Bolívia ao jornalista colombiano-americano.

Demolida resposta que o embaixador chinês na Bolívia ao jornalista colombiano-americano.

Por: Huang Yazhong.

Fico profundamente chocado com as declarações da jornalista colombiana americana Patricia Janiot, reproduzida no editorial do jornal boliviano de 29 de março, em cujos comentários se argumenta que “o governo chinês tem dívidas pendentes com o mundo”.

Arrogancia y prejuicio perjudican la lucha internacional contra el COVID-19

A primeira coisa que me surpreende é que, em um artigo tão curto, há muitas informações falsas. É compreensível que este famoso jornalista não consiga decifrar os nomes do presidente e primeiro-ministro chinês, o fato inquestionável é que nenhum dos dois líderes disse o que o jornalista citou. O primeiro caso desse novo tipo de coronavírus foi confirmado em 27 de dezembro de 2019; Três dias depois, a China notificou a OMS e o mundo inteiro sabia disso. Nesse sentido, as alegações de Patricia Janiot de que a China “ocultou” a epidemia por dois meses são questionáveis.

Da mesma forma, o ex-repórter da CNN mal podia esperar para descrever os chamados problemas de qualidade dos kits de diagnóstico chineses na Espanha, sem mencionar ao leitor que a situação já havia sido revertida. Não apenas a China esclareceu que os kits não foram fornecidos pelo governo, mas também o próprio fabricante esclareceu que não se tratava de um problema de qualidade, devido ao seu uso incorreto. É evidente que essa jornalista popular não tem conhecimento da China ou do que está acusando, baseando suas palavras em notícias falsas que não mostram credibilidade.

Mais assustador que a ignorância é preconceito. A China é o primeiro país do mundo a enfrentar o novo coronavírus e controlá-lo com sucesso. Desde o início, a China tomou medidas decisivas de bloqueio e controle, mobilizando urgentemente 42.000 médicos com 170.000 respiradores para a cidade de Wuhan, oferecendo ajuda médica; da mesma forma, construiu rapidamente hospitais de emergência que podem acomodar dezenas de milhares de leitos. Até agora, a China passou uma semana contínua quase sem transmissão interna. Dos 82.421 pacientes confirmados, 75.612 se recuperaram. De um bebê recém-nascido com 17 dias, a um homem idoso de mais de cem anos, ninguém foi abandonado.

Até hoje, as pessoas que ainda culpam o governo chinês por sua “má reação à epidemia” têm muita coragem, ou melhor, um grande preconceito, porque nenhum país ousa dizer que fará melhor do que a China. e como o provérbio espanhol, DE DITO A FATO, HÁ MUITO TRUQUE. A epidemia tem sido um grande teste de governança e moralidade para os governos do mundo. A China conteve a epidemia com sucesso quando o vírus infectou menos de 0,006% da sua população.

O sucesso da China não é apenas técnico, mas também moral, porque nossa prioridade é salvar vidas, não custos econômicos. Além disso, a Organização Mundial da Saúde, sendo a autoridade de maior prestígio nesse campo no mundo, através de seu Diretor-Geral, Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, elogiou a luta da China contra a epidemia COVID-19 como um Modelo global que ajudou a economizar mais de dois meses de tempo precioso para todos.

É uma pena que nem todos os países tenham aproveitado o tempo valioso que a China ganhou com tanto esforço e custo. Devo salientar que alguns meios de comunicação ocidentais, cheios de preconceitos, como os expressados ​​pela senhora Patricia Janiot, geraram grandes e enganosos equívocos. Rumores de que “os chineses comem morcegos” ou que “o governo chinês não tem capacidade de combater a epidemia” levaram muitos países a acreditar que essa epidemia não teria nada a ver com eles mesmos ou que poderia derrotá-la. facilmente.

No entanto, os fatos são dolorosos, já que as pessoas comuns têm uma perspectiva melhor, à medida que mais e mais pessoas estão pedindo aos seus governos que aprendam com a experiência bem-sucedida da China contra a epidemia, mais e mais países adotam medidas eficazes como o confinamento das cidades e a construção de hospitais móveis, que na época foram declarados “uma violação dos direitos humanos” e “o estabelecimento de campos de concentração” por esses meios de comunicação ocidentais. Portanto, não sei qual a opinião da sra. Patricia Janiot sobre o colapso desse “duplo padrão”.

O “duplo padrão” também é aplicado na suposta “teoria da responsabilidade”. Enquanto este novo vírus é estudado, muitos especialistas questionam se ele se originou na China. Esta é uma questão científica que deve ser deixada para os cientistas responderem por meio de pesquisas sólidas. É muito irracional e especulativo que esta questão esteja sendo politizada.

As doenças infecciosas em larga escala são um dos principais desafios que a humanidade enfrenta na era da globalização. Nosso inimigo é o vírus, não um país específico. Nesse sentido, de acordo com a lógica desse jornalista, quem seria o responsável pela gripe H1N1? Quem seria responsável pela AIDS, Ebola, Gripe Aviária ou Dengue? Incluindo a gripe espanhola que ela mencionou, ela se originou no Kansas, nos Estados Unidos, e não na Espanha. E como são compensadas as perdas dos desastres humanos que igualmente afetaram o mundo, como a crise das hipotecas subprime e a crise da dívida européia?

A China é um grande país com responsabilidade e, naturalmente, desempenhará seu papel devido na luta global contra a pandemia. De fato, a China fez mais contribuições do que qualquer outro país do mundo. A China foi a primeira a identificar esse novo vírus, o primeiro a realizar o seqüenciamento genético e publicá-lo em todo o mundo. Sem essa divulgação desinteressada e transparente desses dados importantes, como outros países poderiam realizar pesquisa e desenvolvimento de kits de diagnóstico e vacinas?

De fato, a China já começou a testar vacinas em humanos, com o pesquisador Chen Wei sendo a primeira pessoa a se injetar no experimento. Essa é a responsabilidade dos chineses! Não sei se a China se tornará o primeiro país a produzir vacinas em massa, mas tenho certeza de que, enquanto a China existir, algumas grandes empresas ocidentais não poderão monopolizar a produção dessa vacina e vendê-la a um preço alto.

Atrevo-me a garantir que, se a China realmente anunciar que as vacinas seriam fornecidas gratuitamente ao mundo inteiro, como Patricia Janiot insistia, todas as empresas biofarmacêuticas ocidentais privadas que desenvolvem vacinas dia e noite não hesitarão em interromper esse importante trabalho desesperado. sem remuneração.

Com a melhoria da situação interna da epidemia, a China começou a apoiar ativamente o mundo inteiro. A China fez doações para 89 países e está trabalhando horas extras para produzir suprimentos médicos de emergência para o mundo inteiro. A Fábrica Mundial está se tornando uma Farmácia Mundial. Se pessoas como Patricia Janiot não gostam de kits e respiradores da China, eles não os usam, mas não devem tirar a esperança de sobrevivência dos outros.

Como mencionei anteriormente em uma entrevista à mídia boliviana, a luta contra a nova epidemia de coronavírus é um sério desafio para o mundo, o exemplo bem-sucedido da China trouxe esperança ao mundo e mostra que essa epidemia pode ser superável. No entanto, as palavras erradas do povo, como Patricia Janiot, não apenas estigmatizam a China, mas também estão sufocando essa esperança.

Em um momento crítico como esse, quando o mundo precisa trabalhar em conjunto para superar a epidemia, essa arrogância e preconceito só causa resultados venenosos e enganosos, aos quais devo apontar de maneira exata e pública, ela merece a atenção e a vigilância de todos os leitores.

Categories: #China#EEUU#Iran#Nicaragua.barco hospital naval Arca de la Paz, #salud, China, Colombia, epidemia, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Profesionales e la Salud, Uncategorized | Etiquetas: , , , , | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: