GuillermoFrancella relata seu encontro com Fidel: “Ele me disse a melhor frase que ouvi em anos”

Esta semana Guillermo Francella visitou Migue Granados no primeiro programa da terceira temporada de Playroom (ESPN 3). Ali e diante das perguntas do filho de Pablo Granados, o protagonista de Granizo contou anedotas hilárias que viveu ao longo de sua carreira. Assim, o ator se concentrou no momento em que conheceu Fidel Castro, durante uma visita que fez a Havana.

“Quem moveu a palavra para te conhecer?”, quis saber Granados depois que Guillermo relembrou um encontro divertido com Diego Armando Maradona. “Foi muito forte quando vi Fidel Castro. Em 2003 fui a Cuba porque Poné a Francella, o ciclo de humor que fiz em 2001-2002 funcionou muito em toda a América Latina e principalmente em Havana”, começou por contar o humorista.

“Lembro que antes de viajar todos me diziam: ‘Olha, você não vai poder andar, hein’ e eu tive que ir ao Festival Internacional do Novo Cinema Latino-Americano em Havana. Fui com Adrián Suar e Luis Scalella… E dito e feito, quando cheguei percebi que ele era como um Chefe de Estado”, lembrou Guillermo. Assim, Francella lembrou que estava hospedado como hóspede no Hotel Nacional, considerado o edifício mais luxuoso da capital cubana. Chegando ao aeroporto, ele disse que havia uma grande delegação esperando por ele especialmente. “Foi muito, muito, muito forte”, ele descreveu seus sentimentos hoje, ainda surpreso com a recepção calorosa.

“Eu ia de sábado a sábado e sempre me diziam: ‘El Comandante quer ver você’, mas nunca vieram me procurar'”, disse Francella. “O Comandante viu Poné a Francella?”, quis saber Migue, que não acreditava no que ouviu de seu convidado. “De manhã ele acordou com o VHS para ver Poné a Francella e se divertiu muito”, disse Guillermo e esse foi o pé para lembrar, enfim, como foi seu tão esperado encontro com Castro.

“Foi inesquecível. Vieram me buscar porque era o último dia, eu já estava com a mala pela metade e estava na piscina do hotel. Eu vejo um cara fajina entrar e eu digo: ‘O que aconteceu?’ Eles se aproximam de mim e me dizem: ‘Sr. Francella, o Comandante quer vê-lo.’ Tomei um banho rápido e disse ‘Olha, o avião sai…’. “Não se preocupe, não sai”, eles me disseram”, recordou Francella com seu humor característico.

“Eu vi e foi muito forte. Ele me disse a melhor frase que ouvi em anos e me emocionou muito: ‘Você sabe o que significa fazer um povo feliz? Você faz meu povo feliz. Foi algo inesquecível. Fiquei uma hora e um pouco com ele”, disse o comediante.

Francella lembrou que o encontro com o presidente cubano era às 6 da tarde e que Fidel lhe perguntou o que queria beber. Ao que o argentino respondeu: “Não sei, um refrigerante”. “Você é abstêmio?”, perguntou o cubano. “Não, comandante, mas são seis horas”, respondeu Guillermo. Então, Castro sugeriu tomar um mojito. “Ele me trouxe um lampião com rum… bebi três, era assim, com os dentes de fora”, lembrou ele, sob o riso de Granados.

Guillermo disse ainda que o cubano lhe deu uma caixa de charutos Cohiba Lanceros, considerados os melhores do mundo. E também, um rum “extraordinário e delicioso”, ele descreveu. “Foi uma conversa a sós em que ele me perguntou muitas coisas e sobre minha família. Nada se falava de política, pouco ou nada”, encerrou Francella.

Guillermo Francella é o protagonista de “Granizo”, sucesso de audiência na Netflix.

En video, Poné a Francella

(Tomado de Infobae

Chernobyl em nossa memória

Foto: Archivo de Granma

Fidel havia concebido um programa de assistência médica e reabilitação para as vítimas da exposição à radiação da usina nuclear danificada. Quase todos eram ucranianos e alguns russos e bielorrussos

Autor: Elson Concepción Pérez

Como jornalista, em várias ocasiões visitei grupos de crianças ucranianas afetadas pelo acidente nuclear de Chernobyl em Tarará, uma praia a leste de Havana.

Fidel havia concebido um programa de assistência médica e reabilitação para as vítimas da exposição à radiação da usina nuclear danificada. Quase todos eram ucranianos e alguns russos e bielorrussos.

Também pude constatar a admiração e gratidão a Fidel, em nome das famílias desses menores, a quem o Comandante em Chefe visitou em várias ocasiões, depois de ter recebido o primeiro grupo nas escadas do avião que os levou ao nosso país . Assinou o boné verde azeitona e deu-o a uma rapariga ucraniana, perguntou a médicos e gestores sobre todo o programa de cuidados para menores, as suas patologias mais comuns e sobre a evolução durante a sua estadia na Ilha.

Milhares de cubanos participaram do programa e mais de 25.457 pessoas, incluindo 21.378 crianças, receberam atendimento médico especializado.

Nosso país colocou suas instituições de saúde ao seu serviço, e mais de 300 crianças com doenças hematológicas, principalmente leucemia, foram tratadas, 136 com diferentes tumores, e foram realizadas 14 operações cardíacas complexas, dois transplantes de rim, seis transplantes de medula óssea, entre outros … muitos outros tratamentos.

Tudo foi feito de graça, como expressão de amor e solidariedade, atributos que contrastam com aqueles que hoje enviam milhares de toneladas de armas para a Ucrânia, país que se tornou refém da política hegemônica dos EUA. uu. e a OTAN, para enfrentar a Rússia.

Em 2 de abril de 2010, por ocasião do 20º aniversário do Programa de Atenção às Crianças afetadas pela radiação da usina nuclear de Chernobyl, em cerimônia em Havana, o ex-presidente ucraniano Leonid Kuchma reconheceu Fidel como a maior inspiração por um trabalho humano que significasse a atenção a esses menores ucranianos.

Na ocasião, Kuchma anunciou a entrega a Fidel da Ordem de Mérito de Primeiro Grau, e ao então Presidente Raúl Castro, a Ordem do Príncipe Yaroslav, o Sábio, de Primeiro Grau.

Ele impôs distinções a médicos, diplomatas e colaboradores que contribuíram para o sucesso deste programa, tudo para salvar a vida de crianças e jovens, aqueles que levarão para sempre em seus corações a marca indelével da amizade entre os povos da Ucrânia e Cuba.

Hoje, quando esse país vive tempos difíceis em uma guerra provocada pelos Estados Unidos e pela OTAN, aqueles momentos de lágrimas e alegria das crianças que vieram com seus parentes do país distante, a quem Cuba deu parte do que tinha, chegam a mente. , para salvar suas vidas.

Recordamos aqueles ucranianos em momentos como hoje, e junto com eles pedimos que a guerra termine e que esse país se junte à comunidade internacional sem aspirações de guerra e com um caráter neutro que não deve mudar, por mais que os promotores do ódio e o confronto, ou seja, o governo dos Estados Unidos e a OTAN, querem levá-lo pelo caminho errado, refém de suas políticas expansionistas.

Granma

Fidel: Por que os Estados Unidos temem o exemplo de Cuba?

Convidamos você a assistir a este pequeno vídeo onde Fidel explica por que os EUA temem o exemplo da revolução cubana.

As veias da América Latina sangram novamente

Por Professor dos Anjos

Dois processos opostos, mas com a mesma origem, estão abalando a revolta na América Latina, o golpe de estado na Bolívia e a revolta maciça dos povos contra a versão mais selvagem do capitalismo. Continuar a ler “As veias da América Latina sangram novamente”

Fidel Castro, Líder em Excelência

Para Fidel Castro, ficou muito claro o caminho a ser seguido para mudar a face da miséria e da expropriação que a região parecia e ainda pratica. A conquista da unidade e da integração foi fundamental em sua visão estratégica e deu continuidade às propostas de importantes líderes da independência, como Simón Bolívar e José Martí.

25 de novembro na vida de Fidel

Fidel, el 25 de noviembre de 1976.

Fidel, em 25 de novembro de 1976. Foto retirada do site Fidel Soldier of Ideas.

Em 25 de novembro, na vida do comandante em chefe, Fidel Castro, foi marcado por eventos diferentes, entre os quais, por exemplo, a partida para Cuba a bordo do iate Granma em 1956 e, vinte anos depois, ele Foi apresentada a primeira medalha “XX Aniversário das Forças Armadas Revolucionárias”. O Cubadebate e o site Fidel Soldier of Ideas convidam você para um passeio nesta data. Continuar a ler “25 de novembro na vida de Fidel”

Mnoal, em defesa do multilateralismo e da paz

Mnoal, en defensa del multilateralismo y la paz

A XVIII Cúpula de Chefes de Estado será em outubro no Azerbaijão

Por Laydis Milanés

O Movimento Não-Alinhado (NAM) está atrás das Nações Unidas, o maior fórum de consultas políticas do mundo. Sob seus princípios de cooperação, respeito à diversidade, soberania e integridade territorial das nações, desempenha um papel importante no quadro geopolítico internacional. Continuar a ler “Mnoal, em defesa do multilateralismo e da paz”

Un 26 en tiempo presente

Por Graziella Pogolotti

Por razones tácticas, los asaltos a los cuarteles Moncada y Carlos Manuel de Céspedes se programan en los días del carnaval santiaguero. El movimiento en las calles y la presencia de visitantes de todas las partes de la actividad de los conspiradores que preparan la acción. Con el triunfo de la Revolución. Continuar a ler “Un 26 en tiempo presente”

Fórum de São Paulo fortalecerá solidariedade com a Venezuela

O XXV Encontro do Fórum de São Paulo reforçará as manifestações de apoio e solidariedade com a Venezuela, diante dos ataques permanentes dos Estados Unidos e seus aliados, disse hoje o líder Adán Chávez. Continuar a ler “Fórum de São Paulo fortalecerá solidariedade com a Venezuela”

Lembre-se de Playa Girón, John Bolton (Parte I)

Por Miguel Angel García Alzugaray

Foto: Tomada de Radio Rebelde

Editorial: Rebelde de rádio tomado

“A história da agressão da Baía dos Porcos é não só um importante evento histórico e resultou não apenas em uma grande vitória da Revolução Cubana e em uma grande derrota do imperialismo, mas também, durante a invasão, foi proclamada a caráter socialista da Revolução Cubana “. Fidel Castro, discurso proferido em 19 de abril de 1991. Continuar a ler “Lembre-se de Playa Girón, John Bolton (Parte I)”

%d bloggers like this: