Posts Tagged With: #Luis Almagro

Pastores religiosos, novo disfarce de alguns contra-revolucionários

A extrema direita dos Estados Unidos recorre a qualquer recurso para manter viva a guerra da mídia anticubana, com o objetivo de questionar nossa governabilidade.

Desde detratores e falsificadores, oportunistas e vítimas fabricadas, incluindo líderes sociais questionados e artistas de valor duvidoso, até pretensos justos que emergem como “apóstolos” e “pastores” para fazer da religião uma das maneiras de obter reconhecimento prévio para emigrar para o exterior. a terra de seus senhores ou viagens a diferentes países em busca de uma vida confortável, além de outros privilégios e grandes fortunas. Continuar a ler

Categories: Uncategorized | Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

A OEA ENTRE OS TERRORISTAS DE MIAMI

fb_img_1588949531672

M. H. Lagarde

Diante do dilema de obedecer a seus superiores em Washington ou salvaguardar o prestígio quase inexistente da Organização que ele supostamente dirige, Luis Almagro optou pelo primeiro e não hesitou em blasfemar nada menos que “A Catedral das Fofocas” que ele lidera de Miami, o influenciador Alex Otaola. Continuar a ler

Categories: Uncategorized | Etiquetas: , , , , , | Deixe um comentário

Crônica da Itália

Painelistas regulares em campanhas orquestradas pelo governo dos EUA. EUA contra Cuba, Almagro, Rosa María Paya, entre outros bonecos sem seu próprio pensamento ou projeto de país para a Grande Ilha das Antilhas, recebem apenas desafios do público que assistiu ao último show anticubano de Miami. Diante de tantas palavras inacreditáveis ​​e sem argumentos sólidos, para atacar a colaboração médica cubana, uma verdade infinita é imposta: os médicos cubanos salvam e salvam vidas em todo o mundo. Eles sempre estarão lá, onde é mais necessário. Continuar a ler

Categories: Uncategorized | Etiquetas: , , , , | Deixe um comentário

Bolívia: todas as estradas levam ao Almagro

Por Alejandra Dandan

Na manhã de sábado, 9 de domingo e 10 de novembro, um dos dois observadores argentinos convidados a participar da Auditoria da Organização dos Estados Americanos na Bolívia recebeu uma ligação. A OEA disse a ele que divulgaria os resultados preliminares do relatório originalmente programado para a terça-feira 12. O argentino, Gerónimo Ustarroz, não concordou com a decisão ou com a metodologia de verificação de dados implementada pela agência para avaliar o escrutínio. do processo eleitoral. E ele disse isso.

Nesta semana, o chefe da OEA, Luis Almagro, acusou Ustarroz e o outro argentino enviado à observação, Santiago Eguren, como espiões. Ambos haviam sido oficialmente convidados pela OEA para a Bolívia e eram responsáveis ​​por explicá-lo: recebiam passagens pagas, alojavam-se em hotéis e compartilhavam esses dias com os observadores da agência. O convite original incluía Jorge Landau, chefe veterano dos procuradores do Partido Justicialista Argentino. Landau não pôde viajar porque as eleições haviam acabado de ocorrer no país e ele ainda estava seguindo os procedimentos. Ustarroz viajou do PJ nacional e, em vez disso, juntou-se a Eguren, da província de Buenos Aires, ambos do espaço que levou Alberto Fernández e Cristina Fernández de Kirchner à presidência.

Dias estranhos se passaram em La Paz. A auditoria começou em 1º de novembro. E a OEA ainda era vaiada pelas multidões nas ruas. No interior, diante dos observadores, a agência havia prometido entregar uma série de quatro relatórios para entender o que eles fariam. Os relatórios incluíam um relatório de especialistas sobre as atas certificadas do exame de 20 de outubro, um relatório de computador, cadeia de custódia e metodologia de contagem. Mas a OEA não entregou os relatórios. É por isso que Ustarroz disse nos dias de hoje que eles eram cegos e não lhes deu informações. Mais tarde, descobriram que um dos eixos do relatório preliminar incluiria um desafio de 1.500 registros (tabelas) dos 34.551 em jogo. A OEA propôs uma metodologia de comparação com uma comparação de 1.500 minutos de escrutínio provisório, mas isso também era um problema: o escrutínio provisório havia sido contestado pela agência.

Quando a noite chegou das 9 às 10, os argentinos não estavam dispostos a apoiar o relatório. Houve desconforto. Como essa mídia sabia, eles tentaram convencê-los a fazê-lo. Eles os tocaram, como explicam na lógica das negociações políticas. Esses tópicos eram insistentes. Mas, finalmente, ambos retornaram a Buenos Aires e entregaram à equipe de Alberto Fernández um documento com um desafio para essa auditoria.

Ustarroz disse parte disso em declarações públicas: «A OEA fez uma auditoria que emitiu uma decisão preliminar, apressou-a e as consequências estão à vista. Agora, se estão em algo tão rude quanto acusar Santiago e eu de espiões, os relatórios técnicos me fazem duvidar ».

As dúvidas, de fato, explicam por que eles não aprovaram o relatório. Mas por que Almagro falou sobre espiões? Por que o chefe da OEA saiu para acusá-los? Ele falou sobre eles? Havia outros argentinos na delegação?

Se foram, pode-se pensar que o uruguaio procurou um álibi antes de uma eventual divulgação do relatório dos dois advogados, o que contradiz o feito pela agência. Mas suas vozes são tão importantes?

Embora já tenha havido outros relatórios muito críticos sobre o relatório da OEA, pode-se pensar que tem a vantagem de ser feito por dois dos observadores que participaram da auditoria como convidados. Mas há outras dúvidas em aberto.

A OEA não entregou o relatório final. Ele lançou apenas uma versão preliminar. Por que ele ainda não fez isso? A missão consistia de uma equipe de 36 especialistas e auditores de 18 nacionalidades, incluindo: advogados eleitorais, estatísticos, especialistas em informática, especialistas em documentos, caligrafia, cadeia de custódia e organização eleitoral, segundo a própria agência. O grupo de especialistas e auditores chegou à Bolívia em 31 de outubro e iniciou suas atividades em 1º de novembro. Todos eles aprovaram o relatório? Que eram? Que disseram?

Evo Morales acaba de pedir uma Comissão da Verdade para revisar os resultados das eleições de 20 de outubro. O golpe foi concluído com a intervenção das Forças Armadas que o obrigaram a renunciar ao golpe do Twitter do chefe da OEA, que desde o dia das eleições questionava publicamente a metodologia do país enquanto o messiânico Luis Fernando Camacho agitava as redes com ameaças. de desemprego na rua. Agora, com os mortos, tanques caçando oponentes e um presidente de fato que fala sobre revolução, Evo Morales exige o que é feito em qualquer investigação criminal: retornar à cena do crime.

O presidente disse que tem dois relatórios de agências independentes que mostram que não houve fraude. Os dois relatórios mais importantes dessa linha se encontraram há dez dias. Um é do americano Michigan Walter Mebane, especialista em fraudes eleitorais. E outro do CEPR, Centro de Pesquisa Política e Econômica, que reúne acadêmicos em torno dos nomes de dois ganhadores do Nobel. Um terço do Centro Estratégico Latino-Americano de Geopolítica (CELAG) foi adicionado a esse relatório. Todos discutem os resultados preliminares da auditoria que exigiram a repetição das eleições.

Mebane se concentrou no debate sobre fraudes. Ele disse que as evidências podem indicar fraude em 274 das mais de 34.000 mesas, número habitual em outras eleições, e que, se forem tomadas, o resultado do triunfo de Evo Morales por mais de dez pontos de diferença com Carlos Mesa não muda. O segundo e o terceiro relatórios concentram-se nos dados provisórios da conta (não vinculativos) e na conta final. Eles trabalham no debate que foi aberto pela interrupção do escrutínio no dia das eleições: o ponto em que a OEA se opôs com maior ênfase. Eles explicaram que a interrupção foi planejada e que havia sido repetida nas eleições anteriores.

No referendo constitucional de 2016, o Tribunal Superior Eleitoral realizou uma conferência de imprensa às 18h15, onde anunciou resultados preliminares com 81,2% dos processos processados.
Por ocasião do referendo regional de 2016, o TSE publicou resultados preliminares às 19h30, com um nível de processamento entre 66,7 e 100% dos minutos, de acordo com cada jurisdição.
Nas eleições judiciais de 2017, foram divulgados resultados preliminares às 21h30, com 80% dos procedimentos processados, apoiados pela Missão de Especialistas Eleitorais da OEA.

E o fato importante é que não houve variações entre o escrutínio provisório e o final.

O que houve, no entanto, foi uma manipulação da informação. Havia versões diferentes sobre os motivos da interrupção. O governo disse que faltava o fardo dos lugares mais distantes e mais pobres, números que manteriam as diferenças. Além disso, o sistema havia planejado essa interrupção porque era realizada em cada eleição. E que o sistema falhou. A OEA trabalhou nessas hipóteses e incluiu outra de acordo com a qual a conta havia sido interrompida quando os números da oposição diminuíram a diferença com o partido no poder. A continuidade do escrutínio oficial mostrou que não era esse o caso. Mas o CELAG disse que, adotando essa hipótese, a OEA tentou introduzir uma dedução falsa na opinião pública: a de fraude e manipulação de dados sem levar em consideração as características demográficas dos votos da população que estava faltando.

O ponto importante é que a acentuação da OEA – a interrupção – liquefeito o mais importante: o resultado de um exame definitivo.

Nesse sentido, vale a pena voltar a uma imagem e informação.

Twitter de Luis Almagro após a saída de Evo Morales. Ele não queria enquadrar os eventos como um golpe, mas também questionou novamente o processo eleitoral.

É por todas essas dúvidas que o CELAG acaba de exigir que a OEA divulgue a auditoria final. E o nome das pessoas que fizeram isso. E posições dissidentes. Sim houve. O coordenador do CELAG, Alfredo Serrano, afirma: «Solicitamos informações precisamente sobre quem são os signatários do relatório, porque não há transparência nesse sentido. A primeira resposta que a OEA não nos disse praticamente nada, agora fizemos uma segunda apresentação para ver se elas nos fornecem informações precisas ».
A primeira decisão da OEA

Talvez valha uma contribuição. Uma das primeiras cenas do momento zero deste debate: dia das eleições. A avaliação foi realizada um dia após as eleições pelo Observatório da Democracia do Parlamento do Mercosul (ODPM).

O Parlasul é a única organização regional em que ainda vivem os parlamentares da oposição e governo da Venezuela, representantes do Brasil de Jair Bolsonaro, da oposição e governo argentinos, do Paraguai e Bolívia. A agência foi uma das primeiras a se pronunciar categoricamente contra o que definiu como golpe civil-militar na Bolívia, em uma votação com 44 votos a favor e 4 contra. Quatro parlamentares viajaram para La Paz como observadores para as eleições gerais: Alexander Andreatta do Brasil, Mario Metaza da Argentina e dois da direita do Paraguai, José Torres da Associação Nacional Republicana e Pedro Duré do Partido Liberal Radical Autêntico.

Todos assinaram um documento de consenso no qual não se opuseram, não votaram ou analisaram e parabenizaram as autoridades. Eles entregaram o relatório na segunda-feira 21, perante o Tribunal Superior Eleitoral e em uma reunião na qual todos os membros das representações diplomáticas do mundo enviados como observadores foram. E todos os representantes expressaram a mesma posição. Todos, exceto a OEA, que, para surpresa dos participantes, não foi naquele dia na sala.

“Todas as organizações que estavam lá não se opuseram ao processo eleitoral e não detectaram nenhuma anomalia exatamente nesse processo”, explica Mario Metaza, o parlamentar da Frente da Vitória da Argentina que integrou a delegação, explica El Rohe à Lua. «Quanto ao resultado, não nos pronunciamos porque tudo ainda estava para ser visto sem uma definição, mas foi feita uma observação sobre o motivo da interrupção da contagem e foram observadas questões do lento escrutínio do órgão judicial plurinacional, mas eram muito menores, nada que você possa pensar que possa haver fraude ».

As eleições gerais de 20 de outubro foram realizadas com a presença dos seguintes auditores:

OEA 91
22 da Uniore (União Interamericana de Organizações Eleitorais)
2 da UE (União Europeia)
ODPM 4 – Parlasur
3 do Parlamento Europeu
97 representantes diplomáticos credenciados
9 da Chancelaria Britânica

A missão chegou à Bolívia seis dias antes das eleições de 20 e permaneceu até a noite da segunda-feira 21, pelo menos a do Mercosul. A última reunião foi realizada na segunda-feira, 21, às 14 horas, e foi exposta em voz alta.

O Parlasul ponderou sobre o comparecimento dos cidadãos às urnas, o horário de funcionamento e a tranquilidade do dia. Depois que a conta foi interrompida, eles introduziram um ponto menor nas conclusões e nas recomendações que sugeriram melhorar o sistema de verificação para as próximas eleições. Em vez disso, chamaram a atenção para a disseminação dos dados que a oposição estava fazendo no mesmo dia, e saiu cedo para dizer que havia vencido porque a chance do segundo turno foi aberta.

Conclusões:

O dia das eleições em 20 de outubro culminou com sucesso, onde a população boliviana demonstrou um comportamento exemplar de maneira pacífica e democrática. Ocorreu dentro dos parâmetros democráticos universalmente aceitos, marcados por um processo eleitoral plural, representando um sucesso do ponto de vista da operação do processo eleitoral.
Entretanto, expressamos nossa preocupação com os comentários e expressões preocupantes dos candidatos antes mesmo da conclusão e publicação dos resultados preliminares do sistema TREP (transmissão eletrônica de dados), sem reconhecimento oficial. As eleições gerais, por tudo o que a comissão pôde verificar e testemunhar, podem deixar perguntas antes desses anúncios pelos diferentes candidatos.

Na interrupção da contagem, no ponto três dos quatro únicos que escreveram, ele explicou o seguinte:

Embora tenha ocorrido uma falha operacional do TREP na contagem dos votos, adiando a publicação dos resultados preliminares, foi possível perceber que a disputa era calma e a população a assistia, nenhum inconveniente foi observado na rota em que os representantes do ODPM compareceram .

E então eles disseram:

Assim, parabenizamos todos os atores políticos da Bolívia, os membros do conselho, policiais e oficiais que se apresentarão durante todo o processo eleitoral e instamos os candidatos a aguardarem os resultados oficiais divulgados pelo EPO.

A participação nessa reunião, no entanto, não foi fácil. Os comissários sofreram ataques dos grupos mais violentos mobilizados contra o MAS.

Metaza e o resto ficaram no hotel Real Plaza de Convenciones, sede de outras delegações e escrutínio oficial. Nos dias anteriores, realizaram visitas oficiais e reuniões de treinamento no Sistema Eletrônico de Transmissão de Dados, conhecido pelo acrônimo TREP, comparável para os argentinos com o sistema de transmissão implementado pelo governo de Mauricio Macri, com o SmartMatic para o PASO e geral. de 2019.

“Os observadores receberam a apresentação e explicação dos aspectos operacionais, tecnológicos e regulatórios gerais – eles revisaram – que demarcam as eleições gerais. Este treinamento foi abrangente, claro, relevante e oportuno ».

Durante a semana, eles viram duas situações que chamaram sua atenção. A primeira foram as perguntas feitas pela mídia local: elas já foram questionadas sobre fraudes em uma agenda que trabalhava com essa hipótese como eixo das eleições. A segunda, as declarações do principal candidato da oposição, Carlos Mesa. Também com a hipótese de fraude, ele garantiu que, se Morales vencesse as eleições, não conheceria os resultados.

A delegação continuou com a agenda. Ele fez os treinamentos. E no dia das eleições, ele visitou várias escolas. Na escola Agustín Aspiazo, o vice-presidente Álvaro García Linera votou. Metaza diz que desde o início ele foi atingido por certos movimentos que ele finalmente entendeu quando o vice-presidente entrou. Uma multidão correu para gritar com ele e eles o teriam usado, diz ele, se ele não tivesse chegado com uma equipe de guardiões. “Nunca vi uma situação de violência em um vice-presidente no dia das eleições”, disse o parlamentar.

Naquele dia, eles estavam em três outras escolas com a situação sempre normal. Aqui está um exemplo:

Unidade Educacional Evita Perón – Às 10h45, todas as mesas foram montadas. 23 mesas foram contadas. Percebeu-se uma tabela de informações com delegados treinados com acesso ao APP (Aplicativo Móvel) de informações do EPO. A acessibilidade ainda era precária. Percebeu-se também que os júris do painel eram muito comprometidos e treinados. Foi verificada a alta presença dos delegados dos partidos e / ou alianças políticas no recinto da época. Havia um número significativo de pessoas com dificuldades de locomoção que tiveram problemas para acessar suas tabelas correspondentes porque as características físicas do local dificultavam o acesso. Não há rampas para pessoas com deficiência e muitas das mesas estavam no andar de cima, acessíveis apenas por escadas.

Aos 20 anos, a delegação observou os primeiros resultados com um exame provisório de 80%, com vantagem para Evo Morales, oito dos dez pontos necessários para evitar o segundo turno. Naquele momento, o cálculo foi interrompido. Os observadores foram informados de que o atraso era devido à saturação, uma hipótese que não está descartada hoje em dia associada a hackers, e porque o ônus dos procedimentos internos havia sido complicado.

Nesse contexto, eles ouviram Mesa comemorar a vitória cedo. E, paralelamente, os protestos cresceram na rua até chegar à sede do hotel. Até então, os grupos cívicos de Camacho foram mobilizados e aqueles que responderam a Mesa tentaram atacar o hotel.

“Estávamos lá dentro e eles estavam vindo sobre nós”, diz Metaza. A segurança conseguiu deter os que estavam do lado de fora, mas os observadores tiveram que trocar de roupa, tirar os coletes de identificação e credenciais. E no dia seguinte foram enviados por uma porta de emergência, caminhando três quarteirões para não serem reconhecidos, indo a um combi e indo ao Tribunal entregar os relatórios.

As mobilizações para o hotel Plaza.

Naquela tarde, após a entrega do relatório, eles foram chamados da Embaixada da Argentina em La Paz para avisar que Evo se encontraria com todos os observadores no dia seguinte. Naquela noite, porém, eles ligaram novamente para cancelar a reunião.

Como foi afirmado, a OEA não estava na reunião daquela tarde diante do Tribunal Superior Eleitoral. Hoje Metaza ainda está surpreso. Mas talvez seja o suficiente para voltar aos tweets.

Dia 20

Foi o último tweet do dia. Ou seja, quando a reunião de observadores foi realizada no Tribunal Superior Eleitoral, a OEA já tinha uma avaliação diferente. O resto é história conhecida.

Categories: Uncategorized | Etiquetas: , , , , , | Deixe um comentário

Especialista argentino que ingressou na Comissão da OEA observa um tratamento estranho do relatório de auditoria na Bolívia

“Participei especificamente do trabalho de campo. Eu estava no Tribunal Eleitoral de La Paz e dependia do Tribunal Superior Eleitoral que examinava os votos dos bolivianos no exterior, que por razões logísticas não foram enviados para o resto do departamento ”, disse Gerónimo Javier Ustarroz, um dos meios de comunicação argentinos. dos especialistas daquele país que participaram da Comissão de Auditoria Eleitoral da OEA na Bolívia Continuar a ler

Categories: Uncategorized | Etiquetas: , , , | Deixe um comentário

Jorge Majfud exige que Luis Almagro renuncie à OEA por seus “abusos insistentes de funções”

Milhões de pessoas de todo o mundo se reúnem para apoiar o escritor uruguaio Jorge Majfud, que escreveu uma carta pública exigindo a renúncia de Luis Almagro.

Sr. Luis Almagro, secretário da Organização dos Estados Americanos (OEA): Continuar a ler

Categories: Uncategorized | Etiquetas: , , , | Deixe um comentário

Luis Almagro financia provocação anticubana em frente à Embaixada #Cuba em Washington

Resultado de imagen de Luis Almagro Cuba

Por Scarlett Lee

O secretário-geral da OEA, Luis Almagro, é abertamente o principal financiador da campanha nos Estados Unidos a favor da libertação do contra-revolucionário José Daniel Ferrer García, atualmente preso não por sua “posição política”, mas pela prática do crime. de ferimentos graves contra o cidadão Sergio García González. Continuar a ler

Categories: Contrarrevolución, José Daniel Ferrer, Uncategorized | Etiquetas: , , , , , | Deixe um comentário

Resultados de uma reunião em Miami, para a qual alguns contra-revolucionários cubanos pretendiam viajar.

Continuar a ler

Categories: Uncategorized | Etiquetas: , , , , , , , , | Deixe um comentário

Os Estados Unidos insistem em organizar e preparar grupos contra a Revolução Cubana.

Por Arthur González.

No hay policias ni represion contra ellos.

Apesar do colapso sofrido por 60 anos, os Estados Unidos persistem na criação de uma contra-revolução em Cuba, com o sonho de derrubar o sistema socialista que lhes causa tanta irritação.

Foi o presidente Dwight Eisenhower quem ordenou à CIA que fabricasse grupos de “oposição” para encerrar a nascente Revolução Cubana e foi incorporada no 1º Programa de Ações Secretas, aprovado em 17 de março de 1960, que afirma: Continuar a ler

Categories: Uncategorized | Etiquetas: , , , , , | Deixe um comentário

Eles manipulam os leitores com notícias falsas contra Cuba.

Por Arthur González.

 

 

Os Estados Unidos têm uma estratégia bem definida contra países que não são do seu gosto, entre eles Cuba, que é vítima de uma guerra total, incluindo a mídia, com o objetivo de demonizar seu governo revolucionário.

A partir do mesmo ano de 1959, quando a Revolução Popular liderada por Fidel Castro triunfou, os ianques lançaram campanhas de imprensa contra o processo cubano, não ao gosto de Washington, como asseguraram em 1958, durante a reunião do Conselho de Segurança, a Diretor da CIA e do presidente Dwight Eisenhower: “É necessário evitar a vitória de Castro”. Continuar a ler

Categories: Uncategorized | Etiquetas: , , , , , , | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: