COVID-19 no mundo: Brasil ultrapassou a barreira de 550.000 mortes

O Brasil aparece como o segundo país do mundo com mais mortes por covid-19. Foto: PL.

O número de mortes por covid-19 no Brasil subiu para 550.502 na segunda-feira após a soma de 578 nas últimas 24 horas, informou o Ministério da Saúde.

O boletim diário da carteira também indicava que foram notificadas 18.999 infecções no mesmo período e o total subiu para 19 milhões de 707 662, desde que a primeira foi notificada em fevereiro de 2020.

A atualização também observou que o estado de São Paulo continua sendo o epicentro da pandemia no país, concentrando 137.273 vidas perdidas e quatro milhões de 3.549 infectados.

De acordo com os governos estaduais, entre domingo e segunda-feira houve um ligeiro aumento no número de infecções (+ 4,28 por cento) e óbitos diários (21,4), em relação às 24 horas anteriores.

A média móvel de casos nos últimos sete dias foi de 45.117 infectados e 1.107 óbitos.

Após enfrentar uma segunda onda de contaminações pela doença no início do ano, as curvas de vencimento e os casos positivos no país apresentam tendência de queda há semanas, atribuída por especialistas e autoridades ao avanço da vacinação.

Estatísticas oficiais revelam que o Brasil aplicou 134,2 milhões de imunizantes, sendo 96,3 milhões na primeira dose e 37,9 milhões na segunda ou apenas uma.

Até o momento, o gigante sul-americano conseguiu imunizar 18% de seus habitantes com duas porções em um único pedido, que no total são cerca de 212 milhões.

Ainda no dia, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) cancelou definitivamente o estudo clínico da Covaxin, a vacina indiana anti-Covid-19, solicitada pela empresa nacional Precisa Medica, representante do laboratório indiano Bharat Biotech.

‘A decisão (de cancelamento) foi tomada após uma avaliação técnica de que o fim da autorização da empresa Precisa para representar a vacina no país inviabiliza o cumprimento da regulamentação quanto à realização de estudos clínicos’, relatou o órgão regulador.

A Bharat Biotech rompeu seu vínculo com o Precisa na semana passada, depois que o Ministério da Saúde informou que não tinha intenção de comprar a Covaxin porque as doses contratadas são suficientes para imunizar a população brasileira.

Atualmente o Brasil aparece como o segundo país do mundo com mais mortes por covid-19, atrás dos Estados Unidos, e o terceiro em infectados, atrás da nação do norte e da Índia.

(Com informações das agências)

ONU: Mais de 40 milhões de pessoas são vítimas da escravidão moderna

Hoje as mulheres e meninas representam 71% dos mais de 40 milhões de pessoas vítimas da escravidão, avaliou o secretário-geral da ONU, António Guterres, em mensagem publicada por ocasião do Dia Internacional pela Abolição do Escravidão, que acontece no dia 2 de dezembro.

Guterres ressaltou que esse fenômeno não é uma questão de história. Atualmente, manifesta-se sob várias formas: servidão baseada na descendência, trabalho forçado, trabalho infantil, servidão doméstica, casamento forçado, servidão por dívida, tráfico de pessoas para fins de exploração, incluindo exploração sexual e exploração sexual. recrutamento forçado de crianças em conflitos armados.

Grupos pobres e marginalizados, em particular minorias étnicas e raciais, povos aborígenes e migrantes; assim como mulheres e meninas, eles são afetados pelas formas contemporâneas de escravidão de "uma forma desproporcional", disse o comunicado.

O Secretário-Geral da ONU apelou aos Estados membros, à sociedade civil e ao setor privado para que façam um esforço coletivo e ponham fim a estas “práticas abomináveis”. Além disso, solicitou apoio para identificar, proteger e empoderar vítimas e sobreviventes, inclusive contribuindo para o Fundo Fiduciário Voluntário das Nações Unidas para combater as formas contemporâneas de escravidão.

(Com informações da RT)

Remessa de gasolina iraniana que já havia sido vendida para Caracas confiscada pelos EUA.

Cuba salva, enquanto os EUA. calúnia.

Autor:  | internet@granma.cu

“O altruísmo de nossos profissionais de saúde incomoda o império que, em vez de abordar a grave situação de seus cidadãos infectados, desencadeia uma campanha de descrédito contra a colaboração médica cubana”, afirmou o Presidente da República de Cuba em 28 de julho. , Miguel Díaz-Canel Bermúdez, durante sua palestra no Encontro de Líderes, 30 anos após a criação do Fórum de São Paulo.

Podemos assumir estas afirmações do presidente cubano como uma digna denúncia das constantes calúnias contra nosso país, as mesmas que agora são apoiadas com “advertências” pelo Assessor de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Mauricio Claver-Carone, que “alertou” o Panamá sobre a possível contratação de médicos cubanos.

Segundo a Prensa Latina, em declarações telefônicas de Miami, Claver-Carone anunciou a viagem de uma delegação dos Estados Unidos, chefiada pelo também Conselheiro de Segurança Robert O’Brien, que se reunirá na próxima segunda-feira com o Presidente do Panamá, Laurentino Cortizo, e terá na agenda “vários anúncios sobre questões de saúde, desenvolvimento econômico, segurança nacional e segurança financeira”.

A mesma fonte assegura que esta visita foi tornada pública poucas horas depois que o presidente do Istmo disse a jornalistas que o governo estava tentando chegar a um acordo para a contratação de médicos cubanos, com o objetivo de fortalecer e apoiar os profissionais de saúde panamenhos. , exausto por seu intenso trabalho no confronto com COVID-19.

Em sua mensagem pública, Claver-Carone insistiu na campanha do governo de seu país contra a prestação de serviços internacionais de saúde na Ilha e expressou que tal mensagem é “a qualquer governo que esteja pensando em contratar médicos junto ao governo cubano”. esclareceu o jornal La Estrella de Panamá.

Apesar das advertências intervencionistas do Conselheiro de Segurança dos Estados Unidos, ninguém poderá ofuscar a solidariedade de Cuba, que salvou milhares de vidas com a entrega de mais de 40 brigadas do contingente contra desastres naturais e graves epidemias, Henry Reeve, que colaborou em mais de 30 países. Essas verdades, embora queiram silenciá-las, já fazem parte da história.

“Os EUA tentarão fazer com que seus interesses comerciais prevaleçam sobre os da UE”

A China se fortalece como parceira latino-americana diante da inação dos EUA.

O negócio de armas dos EUA

O número de mortes por coronavírus na América Latina e no Caribe ultrapassa 200.000

Até agora, mais de 200.000 pessoas morreram de coronavírus na América Latina e no Caribe, com o Brasil e o México representando quase três quartos dessas mortes, segundo uma contagem da AFP.

El número de muertes por coronavirus en América Latina y el Caribe supera lаs 200.000

O número de mortos na região atingiu 200.212 de um total de 4.919.054 casos confirmados. Em pouco mais de um mês, o número total de mortos dobrou.

A América Latina é a segunda região mais afetada do mundo em termos de mortes por covid-19 depois da Europa, que registrou 210.425 mortes e 3.189.322 casos.

Depois do Brasil e do México, os países mais afetados da América Latina são Peru, Colômbia e Chile.

A OMS estende a emergência global pela covid-19.

Retirado do RT

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estendeu nesta sexta-feira o estado de emergência de saúde pública de importância internacional (ESPII) devido à pandemia de coronavírus.

De acordo com um comunicado da organização, a decisão foi tomada após a reunião on-line que o diretor geral, Tedros Adhanom Ghebreyesus, manteve com os membros e conselheiros do Comitê de Emergência da OMS.

Para o Comitê de Emergência, a reunião desta sexta-feira foi a quarta. Os especialistas devem se reunir na próxima vez em três meses, de acordo com Ghebreyesus.

Enquanto isso, no dia do evento, a OMS registrou um novo registro diário de 19 casos covid-19 em todo o mundo: 292.527 infecções em 24 horas. No mesmo dia, o saldo oficial da pandemia subiu para 668.910 pessoas.

%d bloggers like this: