Posts Tagged With: Políticas em andamento

Políticas em andamento, diálogo sem acordos: Colômbia celebra um mês de protestos contra o governo de Duque

Em meio à agitação social, a controversa reforma tributária foi aprovada e a companhia financeira estatal foi criada.

Políticas en marcha, diálogo sin acuerdos: Colombia cumple un mes de protestas contra el Gobierno de Duque

Protesto contra o governo em Bogotá, Colômbia, 27 de novembro de 2019.
Carlos Jasso / Reuters
Há um mês, milhões de colombianos saíram às ruas para protestar contra o que chamavam de “pacote” do governo de Iván Duque, dada a proximidade de reformas tributárias, trabalhistas e previdenciárias, além de aumentos nas tarifas de eletricidade.

Aquele primeiro dia de protesto veio à luz do desconforto dos colombianos contra as políticas do atual governo e as dívidas históricas do Estado. Em quase todas as cidades do país, houve mobilizações massivas.

Protesto contra o governo em Bogotá, Colômbia, 21 de novembro de 2019.
Luisa Gonzalez / Reuters
Desde então, os protestos não pararam. Embora em um nível mais baixo, mas ainda massivamente, os colombianos se reúnem para marchar, fazer concertos, estrelar cacerolazos, realizar reuniões de organizações sociais, entre outras atividades.

Exige
As especificações do Comitê Nacional do Paro, que foi o organizador das manifestações contra Duke, incluem:

Oposição à reforma tributária. De acordo com o descontentamento, busca reduzir impostos sobre grandes multinacionais e empresas e impor mais encargos à classe média e aos trabalhadores.
Oposição à reforma trabalhista. Segundo os anunciantes do desemprego, o objetivo é destruir a estabilidade no emprego, um salário mínimo de 75% para os jovens, salário diferencial por região, contratação por horas e eliminação do salário mínimo.
Oposição à reforma do sistema público de administração de pensões. Eles ressaltam que ela procura converter o administrador de pensões colombiano Colpensiones em um fundo privado e elimina a pensão como um direito de todos os trabalhadores.
Oposição ao que eles chamavam de “Tarifazo”, com o qual eles procuram aumentar as taxas de energia elétrica em até 35%.

Protesto contra o governo em Bogotá, Colômbia, 22 de novembro de 2019.
Luisa Gonzalez / Reuters
Além de rejeitar essas medidas, que se enquadram no chamado “pacote”, a lista de requisitos do Comitê Nacional de Parada também se refere a:

Acabar com a corrupção. Segundo o comitê de desemprego “50 bilhões de pesos são roubados a cada ano (cerca de 17.000 milhões de dólares).
Aumento do salário mínimo em 8,1%, para que ele suba para um milhão de pesos (US $ 300) com o subsídio de transporte incluído.
Implementação dos acordos de paz alcançados entre o governo colombiano e as antigas forças armadas revolucionárias da Colômbia (FARC).
Fim da impunidade por assassinatos de líderes sociais e políticos locais.
Cumprimento de promessas feitas a organizações indígenas, sindicais e estudantis nos dias anteriores de protesto.
Oposição à criação de uma companhia financeira estatal que, segundo eles, afetará 17.000 trabalhadores na Colômbia e afetará 16 empresas estatais.
Repressão e mortes do Estado
Essas manifestações foram caracterizadas por repetidas queixas de uso excessivo da força pela polícia.

Em um protesto antigovernamental em Bogotá, eles pedem a dissolução da ESMAD, 4 de dezembro de 2019.
Juan Barreto / AFP
Em 22 de novembro, o ministro da Defesa da Colômbia, Carlos Holmes Trujillo, confirmou a morte de três pessoas no dia do dia anterior.

Conforme detalhado, duas pessoas morreram em Buenaventura e uma em Candelaria, departamento de Valle del Cauca. O primeiro caso ocorreu durante “com a intenção de saquear” um shopping durante a noite, onde a força pública foi “enfrentá-lo”.

Mas uma das mortes que mais causou tumulto foi a de Dilan Cruz, um jovem que morreu na segunda-feira, 25 de novembro, depois de ter sido reprimido dois dias antes em um protesto em Bogotá, por membros do Esquadrão Riot (ESMAD).

A autópsia revelou que foi um homicídio. O jovem de 18 anos foi atingido por um projétil do tipo “saco de feijão”, disparado por uma espingarda de 12 calibres, uma arma convencional usada pela ESMAD.

Também houve casos como Cristian Rodolfo Rodríguez, que perdeu um olho depois de ser ferido durante as ações da ESMAD em um protesto em frente à Universidade Nacional de Bogotá.

A Procuradoria Geral da República também abriu uma investigação para a prisão de dois jovens pela polícia durante protestos contra o governo, e eles foram transportados em carros não identificados.

Diálogo
Com essas demandas e diante do crescente descontentamento, o governo colombiano concordou em dialogar. No entanto, ele abriu o que chamou de “Grande Conversa Nacional” para incluir vários setores, incluindo negócios.

O Comitê Nacional de Diálogo exigiu uma mesa de diálogo separada e, após quase duas semanas de discussão, o Governo concordou em ter um espaço exclusivo para negociações com os manifestantes.

O diálogo não avançou muito desde então. Em uma primeira instância, o comitê apresentou uma petição de 13 pontos, na qual, além de incluir suas demandas iniciais, foram contempladas a purificação da Polícia e a dissolução da ESMAD.

Essa folha, nesta semana passada, foi mais precisa. Os organizadores dos protestos entregaram ao Executivo um documento com 13 capítulos, nos quais 104 pontos a serem discutidos estão divididos. Demandas como a nacionalização total do Ecopetrol, a proibição de ‘fracking’ (método de extração não convencional de óleo), a eliminação do uso de glifosato na erradicação de culturas ilegais, a retomada do diálogo com o Exército de Libertação Nacional foram adicionadas (ELN) ea modificação da doutrina militar e da política de segurança e defesa.

Proteste contra Duque ao chegar ao bairro Aguablanca, Cali, Colômbia, 6 de dezembro de 2019.
Luis Robayo / AFP
Diego Molano, secretário-geral da Presidência e responsável pelo diálogo, disse que alguns pontos dos pedidos deixam as “órbitas constitucionais”. E ele deixou claro: “O Estado não pode ser negociado aqui”.

Portanto, no momento, o diálogo continua sem acordos; Pelo menos foi o caso até a sexta reunião da mesa de negociações, realizada nesta semana.

O “pacote” segue seu curso
O executivo omitiu algumas das demandas dos manifestantes e as políticas anunciadas foram continuadas.

Por exemplo, em 25 de novembro, através do Decreto 211 de 2019, o Governo materializou a criação da participação financeira do estado, que chamou de Grupo Bicentenário.

Protesto contra a reforma tributária, fora do Congresso em Bogotá, Colômbia, 16 de dezembro de 2019.
Juan Barreto / AFP
Outro caso foi a aprovação, no início de 20 de dezembro, da reforma tributária, apesar da importante rejeição social. As principais críticas são de que esse regulamento contempla generosas isenções para grandes capitais enquanto luta contra trabalhadores durante todo o ano, em troca de baixos salários.

Por outro lado, um anúncio positivo para os manifestantes é que o senador Antonio Sanguino apresenta um projeto de lei para dissolver a ESMAD.

RT

Continuar a ler

Categories: # América Latina, # Argentina, #Canadá, #Caracas, #Colombia, Grupo de Lima, #Jorge Arreaza, #Perú, #venezuela, #China#EEUUDonald TrumpFondo Monetario Internacional (FMI)Ivan Duque, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Trump, @Trump, antilatinoamericana agenda geopolítica belicista e Donad Trump alinhados, Bruno Rodríguez Parrilla, Colombia, Cuba, Detenciones, Diálogos de Paz, Ejército de Liberación Nacional (ELN), Iván Duque Márquez, Política, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, Donald Trump, Donald Trump,, Donald Trump, Estados Unidos, FORA TRUMP, relações bilaterais, o governo Donald Trump, Trump, Trump Google, Uncategorized | Etiquetas: , , , , | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: