Opep adverte europeus: não há alternativa ao petróleo russo

Barris de petróleo produzidos pela OPEP.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) alerta os países europeus que seria impossível substituir o petróleo russo.

O secretário-geral da OPEP, Mohammed Barkindo, alertou os membros da União Europeia (UE) que as sanções atuais e futuras à Rússia podem causar uma das piores crises globais de abastecimento de petróleo da história, conforme noticiou segunda-feira a agência de notícias britânica, Reuters .

Conversas entre representantes da OPEP e da UE foram realizadas na capital austríaca, Viena, em meio a pedidos para que a organização aumente a produção de petróleo e imponha mais sanções contra o petróleo russo.

“Dadas as perspectivas atuais de demanda, seria quase impossível substituir uma perda de volume dessa magnitude”, acrescentou.

Durante a reunião, Barkindo rejeitou os comentários dos representantes europeus sobre a responsabilidade da organização em garantir o equilíbrio no mercado de petróleo e indicou que a atual volatilidade do mercado se deve a “fatores não fundamentais” fora do controle da OPEP. , o que não poderia aumentar a produção de petróleo.

A Rússia exportou cinco milhões de barris por dia em 2020, metade desse valor foi destinado à Europa. Não está claro quem poderia assumir esse vácuo. A Arábia Saudita é o país com mais espaço para aumentar a produção, mas Riad se absteve na votação das Nações Unidas para expulsar a Rússia do Conselho de Direitos Humanos.

Em 8 de março, o presidente dos EUA, Joe Biden, declarou a proibição das importações de petróleo russo em seu país. O próprio presidente dos EUA admitiu que a proibição da importação de energia da Rússia vai acarretar “custos” para os americanos, pois provoca um aumento notável no preço do combustível.

Por sua vez, a Rússia tem alertado repetidamente sobre as consequências catastróficas das sanções energéticas contra Moscou. Nesse contexto, o vice-primeiro-ministro da Rússia, Alexander Novak, alertou em 7 de março que um barril de petróleo pode ultrapassar US$ 300 ou mais, se os EUA e a UE proibirem as importações de petróleo russo.

rth/mkh

HispanTV

Ações ocidentais alimentam crises em todo o mundo, diz Zakharova

Moscou, 27 de março (SANA) A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, disse hoje que as manipulações políticas ocidentais servem apenas para alimentar crises em todo o mundo.

Em seu canal Telegram, a porta-voz classificou de “vil” a declaração do comissário de Política Externa e de Segurança da União Europeia, Josep Borrell, de que as ações do Ocidente podem empurrar a Rússia para a China e causar desequilíbrios.

“Eu não confiaria neles para equilibrar as rodas de um carro, muito menos geopolítica… suas manipulações vis só levam a mais crises no mundo”, disse ele.

Resumo do dia: Exigem que #UE evite ser cúmplice da ação imperialista contra #Cuba

O eurodeputado espanhol Manu Pineda na quinta-feira na França descreveu os membros do Parlamento Europeu que apresentaram uma resolução contra Cuba por supostas violações dos direitos humanos como bons servidores dos Estados Unidos.

“As únicas violações dos direitos humanos que Cuba sofre são os mais de 60 anos de bloqueio criminoso imposto pelos Estados Unidos, e que nem sequer mencionas”, disse ele em sessão plenária do Parlamento Europeu, forçado pelo terceiro tempo nos últimos anos, meses para “examinar” a ilha por iniciativa de parlamentares de direita.

O membro do Grupo de Esquerda (GUE / NGL) chamou os promotores do novo texto de alunos talentosos de Joseph Goebbels (ministro da Propaganda nazista), porque repetem a mesma mentira mil vezes na esperança de que a considerem verdadeira.

Em Cuba não existe detenção arbitrária, tortura e desaparecimento. Os que estão presos são por terem cometido um crime, como em qualquer estado de direito, sublinhou ao desqualificar os critérios definidos por deputados como Leopoldo López (Partido Popular Europeu).

Pineda sublinhou que na maior das Antilhas existe uma Revolução que coloca o ser humano no centro da ação política, social e económica, sem comercializar direitos, “como se faz nesta parte do mundo”.

Isso faz de Cuba um exemplo de respeito aos direitos humanos, com a menor taxa de mortalidade infantil da América Latina, um país onde não há crianças dormindo na rua ou morrendo de fome, que com suas próprias vacinas já protegia 90% da população, o primeiro na América e o segundo no mundo, afirmou.

“Longe do que dizem seus patrões (os Estados Unidos), Cuba é uma democracia participativa, com raízes profundas, na qual os cidadãos propõem diferentes candidatos, e em votação livre e secreta elegem seus representantes, a quem a cada ano são responsáveis ​​e a quem eles podem revogar ”, sentenciou.

O eurodeputado insistiu no plenário do Parlamento Europeu sobre a posição servil dos promotores da resolução e assegurou que na nação antilhana eles sabem bem o que estão a enfrentar.

“Aquela cidade sabe o que é ser o cassino dos Yankees, e agora que tem sua soberania e independência em suas mãos, continuará a defendê-la com o grito de Pátria ou Morte, Venceremos! E ela o fará Até a vitória para sempre “, acrescentou.

No início do Parlamento Europeu, os direitistas Dita Charanzová, Hermann Tertsch e López não esconderam o objetivo de torpedear o Acordo de Diálogo Político e Cooperação entre Cuba e a União Européia, alguns deles inclusive pedindo sua suspensão.

Também a deputada portuguesa Sandra Pereira considerou hoje a nova resolução promovida contra Cuba no Parlamento Europeu uma tentativa de obstar à normalização das relações entre a ilha e a União Europeia (UE).

Podem mudar o nome dos debates ou o título da resolução, mas os objetivos são os mesmos, interferir neste processo enquadrado no Acordo de Cooperação e Diálogo Político Cuba-UE e questionar opções de desenvolvimento, conquistas., A soberania e independência do país caribenho, ele alertou aqui.

Pereira questionou que o Parlamento Europeu aborda pela terceira vez nas suas últimas 6 sessões plenárias alegadas violações dos direitos humanos, que também atribuiu à pretensão de esconder o impacto do bloqueio norte-americano aplicado à nação antilhana, política de Washington que descreveu como contrário à Carta das Nações Unidas e aos direitos humanos.

O parlamentar do Grupo de Esquerda GUE / NGL defendeu o diálogo e a cooperação entre a ilha e a UE, com igualdade de direitos, respeito mútuo e sem interferências.

Exigimos mais uma vez daqui o fim do bloqueio criminoso e expressamos solidariedade ao povo cubano, exemplo de soberania, resistência e luta, sublinhou.

Além destes pronunciamentos, o eurodeputado grego Lefteris Nikolau-Alavanos exigiu hoje que a União Europeia (UE) se abstivesse de ser participante na intervenção imperialista que enfrenta Cuba e expressou solidariedade para com a ilha e a sua Revolução. Europeu que a UE explora o assunto dos direitos humanos para atacar o país caribenho e patrocinar abertamente agentes que lideraram uma recente operação desestabilizadora contra Cuba, financiada pelo exterior.

Nikolau-Alavanos interveio num debate promovido no Parlamento Europeu por parlamentares de extrema direita para atacar a maior das Antilhas e impedir o seu Acordo de Diálogo Político e Cooperação com a UE, terceiro fórum deste tipo orquestrado nas últimas seis sessões plenárias .

Hoje continuam o plano de intervenção imperialista dos Estados Unidos, da máfia anticubana e de uns poucos na ilha, alertou o membro do Partido Comunista da Grécia.

Segundo o eurodeputado, a resposta combativa do povo cubano, as suas massivas manifestações de apoio à Revolução e a solidariedade internacional frustram os planos de Washington e dos seus seguidores na Europa.

O crime mais vil contra os direitos deste povo é o bloqueio que lhe é imposto há quase 60 anos, e as mais de 240 sanções ditadas por Donald Trump, mantidas por Joe Biden, uma política que priva meios, bens e serviços essenciais , relatado.

Nikolau-Alavanos exigiu o fim do cerco econômico, comercial e financeiro e ratificou a solidariedade com a nação antilhana.

“Cuba vai ganhar, os planos de intervenção não vão passar”, declarou.

Em algumas das intervenções, os promotores da hostilidade à ilha demonstraram um total desconhecimento de sua realidade, com menções a alegados assassinatos extrajudiciais, torturas e até campos de trabalhos forçados, e ecoaram o pedido de sanções e suspensão do Acordo de Diálogo Político e Cooperação.

Um critério comum a esses parlamentares de direita foi a denúncia da existência de presos políticos no país caribenho.

Em Cuba não existe detenção arbitrária, nem tortura, nem desaparecimento de quem está encarcerado por ter cometido um crime, como em qualquer estado de direito, afirmou Pineda no debate.
Cubanos na França condenam manobra parlamentar contra sua pátria

O Coordenador dos Cubanos Residentes na França repudiou quinta-feira o debate agendado no Parlamento Europeu contra a ilha com denúncias em matéria de direitos humanos, postura que qualificou de ingerência, neocolonialista e caluniosa.

Em comunicado, também condenou que esta cruzada seja levada a cabo no Parlamento Europeu pela terceira vez nas últimas seis sessões plenárias, promovida por deputados de extrema direita.

Mais uma vez, os elementos reacionários do Parlamento Europeu desempenham o triste papel de lacaios de uma política ditada pelos Estados Unidos e instigada pela extrema direita com sede em Miami, advertiu.

Segundo os cubanos ligados ao Coordenador, o verdadeiro objetivo do novo debate com mentiras sobre os direitos humanos no país caribenho é dificultar a implementação de seu Acordo de Diálogo Político e Cooperação com a União Européia (UE).

Procuram alargar o cerco criminoso que se impõe à ilha, sublinham no texto.

Da mesma forma, rejeitaram que com o debate manipulado seus promotores ignorem o impacto do bloqueio contra Cuba, “vilmente intensificado pelo anterior presidente da Casa Branca (Donald Trump) e reforçado com 243 medidas que o atual governo cubano mantém impunemente antes do mundo, Joseph Biden ”.

Eles também desconhecem o sucesso da maior das Antilhas no enfrentamento da pandemia Covid-19, com mais de 83% da população com um esquema completo de vacinação, incluindo crianças.

Em relação à campanha, o Coordenador defendeu as relações entre Cuba e a UE com base nos princípios do Direito Internacional e na Carta das Nações Unidas.
Várias vozes na França condenam o debate do Parlamento Europeu contra Cuba

Legisladores, associações de solidariedade e forças políticas somaram suas vozes na França nesta quinta-feira à rejeição de uma nova cruzada no Parlamento Europeu para atacar Cuba com a questão dos direitos humanos como instrumento de ataque.

O presidente do Grupo de Amizade França-Cuba na Assembleia Nacional francesa, François-Michel Lambert, dirigiu uma carta ao Parlamento Europeu apelando aos eurodeputados para não se prestarem à manobra desta quinta-feira, com a qual, considerou, aquele fórum se torna mais subordinado aos interesses americanos.

Na carta, ele descreveu como obsessão as ações promovidas por alguns parlamentares, que em suas iniciativas e resoluções ignoram o bloqueio imposto pelos Estados Unidos à ilha há 60 anos, intensificado pelo governo de Donald Trump com medidas mantidas por seu sucessor, Joe Biden.

Da mesma forma, questionou que também desconhecem o impacto da política de Washington sobre os próprios empresários e cidadãos europeus, aludindo à extraterritorialidade do bloqueio.

Também não dizem que em Cuba 90 por cento da população está vacinada contra o COVID-19 e que seus produtos imunizarão centenas de milhões de pessoas em todo o mundo, disse o deputado Lambert.

A maior das Antilhas – continuou – participa da luta contra o terrorismo internacional, garante a igualdade de gênero, não tem políticas contra os homossexuais e consegue educação e saúde gratuitas para todos, um nível de progresso social que alguns países europeus estão muito atrás. .

As associações de solidariedade Cuba Si França e França Cuba também condenaram a manobra no Parlamento Europeu e ratificaram seu apoio à ilha e sua Revolução.

Cuba Si France redigiu uma carta pública para estabelecer sua posição, documento enviado ao presidente do Parlamento Europeu, David-Maria Sassoli, e ao alto representante da União Europeia para as Relações Exteriores e Política de Segurança, Josep Borrell.

Esta nova ação insere-se na guerra pouco convencional travada contra a ilha há décadas e visa prejudicar a sua imagem tendo como pretexto os direitos humanos, denunciou.

A organização classificou o debate desta quinta-feira como um flagrante ato de violação dos princípios de não ingerência e respeito à soberania.

É também uma manobra cínica, que tenta desacreditar um país reconhecido pela sua solidariedade com outros povos, e se soma às agressões dos Estados Unidos e à intenção de impor uma mudança de regime, através do incentivo e financiamento dos contra-revolucionários, àqueles que tentam se apresentar como defensores dos direitos humanos e presos políticos, afirmou.

Por sua vez, a França Cuba expôs os argumentos utilizados pelos eurodeputados de direita para promover o debate no Parlamento Europeu, apresentando como vítimas cidadãos que recebem fundos para responder aos interesses do governo dos Estados Unidos de inverter a ordem interna e desestabilizar o país caribenho .

Em nota, a associação destacou que a ilha tem sido a única nação latino-americana “analisada” no Parlamento Europeu em suas últimas sessões plenárias, o que confirma a manipulação da questão dos direitos humanos e a duplicidade de critérios de quem a utiliza para fins políticos. Da mesma forma, concordou em condenar que os debates e resoluções promovidos para atacar a maior das Antilhas marginalizam deliberadamente as consequências do bloqueio e os sucessos cubanos no enfrentamento da pandemia.

A manobra de hoje no Parlamento Europeu também provocou a condenação do Pólo do Renascimento Comunista na França, que o descreveu como uma interferência grosseira nos assuntos internos de Cuba.

Atacam um país soberano da ONU que, apesar das péssimas condições impostas pelo bloqueio dos Estados Unidos, lidera a América Latina e os países do Sul em pesquisa biomédica, saúde e educação, e dá ao planeta um exemplo de luta contra a COVID-19 com suas próprias vacinas, ele enfatizou.

Publicado em :

Eurodiputado llama serviles de EEUU a promotores de texto anticubano

Eurodiputado llama serviles de EEUU a promotores de texto anticubano

El eurodiputado español Manu Pineda calificó este jueves en Francia de buenos servidores de Estados Unidos a los miembros del Parlamento Europeo que presentaron en ese foro una resolución contra Cuba sobre alegadas violaciones de los derechos humanos.Radio Ciudad del Mar

Parlamento Europeo

Eurodiputada portuguesa denuncia en Parlamento Europeo intento de afectar diálogo Cuba-UE

Estrasburgo, 16 dic. La eurodiputada portuguesa Sandra Pereira consideró hoy la nueva resolución promovida contra Cuba en el Parlamento Europeo un intento de obstaculizar la normalización de relaciones entre la isla y la Unión Europea (UE). Pueden cambiar el nombre de los debates o el título de la resolución, pero los objetivos son los mismos, … Sigue leyendo Eurodiputada portuguesa denuncia en Parlamento Europeo intento de afectar diálogo Cuba-UELa Voz de Cabaiguán

Também em CubaMinrex

#Chile e #Venezuela: mensagens diferentes

Por Atilio Borón

Domingo viu duas eleições importantes. Na Venezuela, o desempenho normal e a presença de quase todos os fragmentos da oposição constituem um sucesso extraordinário para o Governo Bolivariano, assim como um obstáculo de difícil digestão para os golpistas e desestabilizadores protegidos por Washington e os burocratas reacionários do União. Europeia.

No Chile, o segundo turno contava com os neonazistas José Antonio Kast, do Partido Republicano, e Gabriel Boric, candidato da coalizão Aprovar Dignidade (Frente Ampla e Partido Comunista). O que não se previa era que o candidato de Pinochet obtivesse a primeira minoria relativa, quando todas as pesquisas apontavam Boric como vencedor, embora longe da maioria absoluta.

Ao contrário da Venezuela, no Chile foram convocadas eleições para eleger o presidente, deputados (155) e 27 senadores, além dos vereadores regionais.

O cenário ora traçado nos permite apenas fazer algumas conjecturas sobre o que poderá acontecer no segundo turno previsto para 19 de dezembro. Os antecedentes históricos dizem que de 1990 até o presente os candidatos que venceram no primeiro turno também o fizeram no ballottage.

Se esses números se confirmarem, pode-se dizer que estamos diante de um verdadeiro terremoto político. Não apenas pela vitória de Kast no primeiro turno, mas também porque nenhum dos três partidos que dominaram a vida política chilena desde o fim da ditadura: a UDI, a Renovação Nacional e os Democratas Cristãos, estará presente com seus próprios candidatos na segunda volta.

Pode-se, sem dúvida, falar de um fim de ciclo, em um contexto em que o povo chileno tenta, pela primeira vez em sua história, elaborar uma constituição de caráter democrático. A incerteza gerada pelo desempenho eleitoral da extrema direita lança sombras espessas sobre a viabilidade de um propósito tão nobre.

Na Venezuela, este domingo foi a 29ª eleição desde que Hugo Chávez Frías assumiu a Presidência da República em 2 de fevereiro de 1999. Apesar disso, a oposição recalcitrante ao Chavismo controlado remotamente de Washington e Bruxelas não parou de estigmatizar, nem por um momento, o Governo Bolivariano como uma ditadura, comparável aos que devastaram a América Latina nos anos 1970.

Como não lembrar as sábias palavras de Eduardo Galeano ao afirmar “Hugo Chávez é um ditador, porém, é um ditador curioso. Ele ganhou oito eleições em cinco anos ”? Nessas eleições regionais, o Governo Bolivariano colocou em jogo, de acordo com o que a Constituição determina, nada menos que 23 governadores e 335 prefeitos.

Se a presença da oposição é um número positivo, outro indicador muito eloquente será o grau de participação eleitoral. Deve-se levar em conta que a partir de 1984 a votação deixou de ser obrigatória devido a um acordo entre as duas principais forças políticas da época: a Ação Democrática e a Democracia Cristã.

Uma cifra próxima a 50% seria saudada com alegria, tanto na Venezuela quanto no Chile, dado o papel dissuasor da pandemia Covid-19 e, na Venezuela, os estragos do bloqueio.

Claro, enquanto este país foi praticamente invadido por inúmeras missões de observação eleitoral, com a aprovação do governo de Maduro; Enviadas pela União Européia, o Carter Center, numerosos especialistas da ONU e de outras organizações regionais da América Latina e da África, no Chile essas missões chamam a atenção senão pela ausência devido ao reduzido número de seus contingentes.

De qualquer forma, quando for feita a recontagem definitiva dos resultados da “megaeleição” venezuelana (senão antes) choverão críticas dos guardiões eternos das democracias, tentando nublar o processo eleitoral e justificar novos ataques ao Governo bolivariano.

No entanto, o veredicto nas urnas deve ser um poderoso dissuasor para aqueles que, em Washington e Bruxelas, apostaram durante anos numa criminosa “mudança de regime” no país caribenho.

É improvável que adotem uma linha política diferente, porque Washington está absolutamente em jogo com a “recuperação” da Venezuela, a qualquer custo. Os próximos dias nos darão uma orientação do que está por vir nos dois países.

Nenhuma penalidade por ser um aliado dos Estados Unidos

Aliados e subordinados aos Estados Unidos podem matar, violar todos os direitos humanos, não combater a fome e a pobreza, deixar doentes e crianças sem proteção da família ao seu destino, que nunca serão sancionados pela Comissão de Direitos Humanos da ONU, Parlamento Europeu, OEA e quantas organizações existem para supostamente combater tais violações. Continuar a ler “Nenhuma penalidade por ser um aliado dos Estados Unidos”

FAO, União Europeia e Cuba iniciam programa para apoiar segurança alimentar sustentável

A fim de apoiar o desenvolvimento de sistemas alimentares resilientes e sustentáveis, aumentando a produção de alimentos diversos e saudáveis ​​que respondem à demanda local, foi oficialmente iniciado em Havana um novo programa conjunto entre o Ministério da Agricultura ( MINAG) e a União Européia, com o apoio da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Continuar a ler “FAO, União Europeia e Cuba iniciam programa para apoiar segurança alimentar sustentável”

#Europa deve exigir que #EEUU termine o bloqueio: carta do coordenador francês de solidariedade com #Cuba a Federica Mogherini

O coordenador francês de solidariedade com Cuba acaba de publicar a seguinte carta dirigida à liderança da União Europeia.

Carta aberta a Madame Federica Mogherini, aos deputados europeus, ao governo francês, aos líderes políticos e aos parlamentares franceses Continuar a ler “#Europa deve exigir que #EEUU termine o bloqueio: carta do coordenador francês de solidariedade com #Cuba a Federica Mogherini”

União Europeia no Reino Unido: “Nós não inventamos o Brexit”

O bloco alertou que não é responsável por quaisquer consequências decorrentes da decisão tomada por Londres no referendo de 2016

Brexit

LONDRES, 22 de setembro. – O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, hoje responsabilizou o governo britânico pelo que acontece na fronteira irlandesa, caso o Reino Unido deixe a aliança sem acordo em 31 de outubro, destaca RT . Continuar a ler “União Europeia no Reino Unido: “Nós não inventamos o Brexit””

Organizações de solidariedade pedem ao Conselho Europeu que apoie Cuba contra o bloqueio dos EUA

Organizações de solidariedade européia com Cuba condenaram o bloqueio e a crescente agressividade dos Estados Unidos contra a ilha, conforme relatado pela Associação Nacional da Amizade Itália-Cuba (ANAIC) em Roma. Continuar a ler “Organizações de solidariedade pedem ao Conselho Europeu que apoie Cuba contra o bloqueio dos EUA”

Díaz-Canel recebeu Federica Mogherini

Miguel Díaz-Canel Bermúdez recebeu na segunda-feira Federica Mogherini por ocasião de sua visita oficial ao nosso país. Foto: Estudos da Revolução.

O presidente dos Conselhos de Estado e Ministros, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, recebeu nesta segunda-feira o Alto Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança e o Vice-Presidente da Comissão Européia, Exmo. Sra. Federica Mogherini, por ocasião de sua visita oficial ao nosso país. Continuar a ler “Díaz-Canel recebeu Federica Mogherini”

%d bloggers like this: