Após o incêndio.

#TerrorismoContraCuba #EstadosUnidos #SubversiónContraCuba MafiaCubanoAmericana

Nem os EUA nem a União Europeia têm a autoridade moral para questionar Cuba.

#CubaPorLaPaz #EEUUBloquea #CubaViveYTrabaja #UniónEuropea #RevoluciónCubana

Autor: Redacción Internacional | internacionales@granma.cu

Cuba denunciou na segunda-feira as declarações de interferência do Secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, e do Alto Representante da União Europeia (UE), Josep Borrell, sobre o vandalismo que teve lugar na ilha a 11 de Julho de 2021, como resultado de uma operação dos media e de um golpe suave para subverter a ordem no país.

Foto tirada da Internet

“Rejeitamos os comentários do Secretário de Estado norte-americano, que confirmam o envolvimento directo do governo norte-americano nas tentativas de subverter a ordem e a paz em Cuba, em violação do direito internacional”, disse Bruno Rodríguez Parrilla, membro do Gabinete Político do Partido Comunista de Cuba e Ministro dos Negócios Estrangeiros, no Twitter.

A reacção do ministro dos Negócios Estrangeiros seguiu-se a uma mensagem publicada na mesma rede social por Blinken, na qual expressou o apoio da Casa Branca aos manifestantes, e escreveu: “instamos o regime cubano a respeitar as suas vozes”.

Num outro tweet, Rodríguez Parrilla também rejeitou as declarações de Borrell, acrescentando que “à UE falta a autoridade moral para fazer juízos de valor sobre a realidade cubana”.

“Deve preocupar-se com os seus próprios problemas e com as frequentes violações dos direitos humanos nos seus estados membros”, salientou o chefe da diplomacia cubana.

As referências de Borrell à interferência não mencionam as causas dos acontecimentos e evitam a responsabilidade do governo dos EUA na sua ocorrência.

O Primeiro Secretário do Comité Central do Partido Comunista de Cuba e Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, na véspera do 11 de Julho, salientou que a data era uma celebração do “desmantelamento de um golpe de Estado vandalista”, e confirmou que as pessoas perseguidas criminalmente por estes actos tinham gozado de todas as garantias constitucionais.

Cuba agradece ao mundo pela sua solidariedade contra o bloqueio.

#PuentesDeAmor #ElCaminoEsLaPaz #CubaViveYTrabaja #CubaNoEstaSola #EEUUBloquea #ElBloqueoEsReal #EliminaElBloqueo

Autor: Redacción Internacional | internacionales@granma.cu

Cuba expressou a sua gratidão pelo legítimo apelo de solidariedade dos amigos que este domingo participaram num novo dia internacional contra o bloqueio económico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos há mais de 60 anos ao nosso país.

Foto: Tomada de Twitter

Em nome do povo cubano, o Ministério dos Negócios Estrangeiros cubano publicou no Twitter a sua gratidão, e detalhou, noutra comunicação, que, a partir de várias cidades da América Latina e das Caraíbas, o levantamento desta política genocida foi um apelo quase unânime.

Relatou que tiveram lugar actividades nos Estados Unidos (Miami e Nova Iorque), Canadá (Victoria, Montreal e Toronto), Uruguai, Argentina, Honduras, Nicarágua, México, Brasil, Panamá, Belize, Bahamas, Chile e Bolívia (Santa Cruz). Outras regiões do mundo também aderiram ao apelo, com iniciativas em Itália, Espanha (Sevilha e Madrid) e Finlândia.

“O mundo diz NÃO a esta política criminosa e genocida dos EUA”, salientou o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

“Nenhum cidadão ou sector da economia escapa aos efeitos negativos desta política unilateral de bloqueio que impede o desenvolvimento que cada país tem o direito de construir de forma soberana”, denunciou o Ministério dos Negócios Estrangeiros das Grandes Antilhas.

Nunca nenhuma cimeira da ALBA apelou a guerras ou propôs sanções.

#ALBA-TCP #SolidaridadEntreLosPueblos #InjerenciaDeEEUU #Sanciones #Bloqueo

Autor: Elson Concepción Pérez | internet@granma.cu

Isto não foi um apelo a mais ajuda de armamento para a guerra na Ucrânia. Nem de procurar aliados para se juntarem à festa das sanções contra a Rússia. A Cimeira da ALBA que Havana acolheu na sexta-feira passada foi uma reunião para falar de unidade, solidariedade, compromisso com os povos na procura de fórmulas para ultrapassar as vicissitudes da pandemia e as medidas coercivas impostas pelos Estados Unidos e pela Europa contra alguns dos nossos países.

Ao rever os acordos de todas as cimeiras da ALBA, desde a sua criação em Dezembro de 2004 até hoje, em nenhuma delas os líderes da América Latina e das Caraíbas passaram sequer um minuto a propor guerras ou a aplicar sanções, e em todas elas os valores de união e solidariedade presidiram à agenda do debate.

Desde a sua criação em 2004, a ALBA tem dado ênfase ao trabalho social. Foto: Alberto Borrego.

Ao mesmo tempo, se olharmos para o que tem sido discutido em algumas cimeiras da União Europeia, ou aquelas patrocinadas pelos Estados Unidos, seja nas Américas ou através dos mares, o foco do debate tem sido o apoio material às guerras lideradas por Washington e pela NATO, ou a aplicação cada vez mais em voga de sanções contra aqueles que não aceitam os ditames da Casa Branca.

Como se afirma nos documentos conceptuais, “a Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América – Tratado Comercial (ALBA-TCP) é uma plataforma para a integração latino-americana e caribenha, histórica e sem precedentes, com ênfase na dimensão social, que toma o ser humano como fundamento e epicentro da integração, baseada na solidariedade, complementaridade, justiça e cooperação, unindo as capacidades e os pontos fortes dos países que a compõem”.

A visão de dois líderes históricos, Fidel Castro e Hugo Chávez, que avançaram no tempo para as figuras de Simón Bolívar e José Martí, tornou-se a base para esta Aliança.

Numa das suas Reflexões, Fidel escreveu a 19 de Outubro de 2009:

“A ALBA, criada pela República Bolivariana da Venezuela e Cuba, inspirada pelas ideias de Bolívar e Martí, como um exemplo sem precedentes de solidariedade revolucionária, mostrou o quanto pode ser feito”.

Recordemos também que a ALBA semeou esta solidariedade humana em aspectos concretos como a colaboração médica e educacional, criando espaços como a formação de profissionais de saúde na Escola Latino-Americana de Medicina; a Operação Milagre, que devolveu a visão a centenas de milhares de pessoas dos estratos mais pobres dos nossos povos, e o programa Yo sí puedo, que conseguiu ensinar milhões de pessoas a ler e a escrever.

A ALBA não sanciona, mas oferece solidariedade. Não oferece o que tem a oferecer, mas partilha o que tem. Portanto, a sua filosofia pode ser considerada a mais humana, diametralmente oposta àqueles que usam o ódio e o egoísmo como instrumentos para impor formas neocoloniais de existência, cuja base é um sistema doente e decadente, tal como o actual neoliberalismo.

Os nossos países da América Latina e das Caraíbas, em tempos difíceis como o actual, deveriam fazer suas as reflexões de Fidel quando perguntou: “Qual é o destino dos países balcanizados da nossa América? Que lugar irão ocupar no século XXI? Que lugar irão ficar, qual será o seu papel se não se unirem, se não se integrarem?

“Para erradicar esta dívida temos de nos unir, para conquistar a nova ordem económica internacional temos de nos unir, para alcançar a integração temos de nos unir”.

 Cumbre borrascosa.

#CumbreSinLasAméricas #EstadosUnidosBloquea #Sanciones #InjerenciaDeEEUU #Manipulación #LatinoamericaUnida #CumbreSinExclusión

Pandemia da insanidade.

#SOSMiami #SOSEstadosUnidos #SOSViolenciaEnUSA #FalsaDemocracia #SeViolanLosDDHHEnUSA

Por Rebelión

Realidades da violência pós-covisão, da cidade de Nova Iorque

“Toda a guerra é um sintoma do fracasso do homem como um animal pensante”. -John Steinbeck

“Não deve ser uma vítima, não deve ser um perpetrador, mas sobretudo, não deve ser apenas um espectador” -Yehuda Bauer

A fantasia que sempre aterrorizou os nova-iorquinos, um ataque ao metro, materializou-se esta semana em Brooklyn. A notícia chegou-me quando escrevia sobre o sentimento de violência no ar. Nova Iorque nunca foi um paraíso, mas as coisas mudaram. Não apenas aqui, mas em todo o país e em todo o planeta, que está sob ameaça de guerra nuclear pela primeira vez em décadas. A pandemia, aquele momento sombrio e cinzento da história que destruiu vidas e economias enquanto muitos de nós olhavam para os ecrãs, era opaco. Agora que podemos estar a celebrar o seu aparente recuo, outra pandemia parece ter começado, a da insanidade. Da agressão monótona e invisível do Covid passamos a fotografias a cores de cadáveres. Pow! Bang! Como uma banda desenhada do Batman, a humanidade rende-se à extemporaneidade da violência física. Só que agora não estamos a combater um vírus. Lutamos uns contra os outros.

O episódio de Will Smith no Oscar foi apenas um símbolo de uma tensão que se exprime diariamente no país. Algumas estatísticas falam por si: de acordo com o New York Times, nos primeiros três meses deste ano, os tiros na cidade subiram de 260 para 296 em comparação com o primeiro trimestre do ano passado. 2021 marcou o maior número de homicídios em 10 anos. O número de crimes “maiores” aumentou 47% em relação a 2019, de acordo com dados da cidade, incluindo mais 54% de roubos e mais 22% de violações. Isto não é apenas em Nova Iorque, com cidades como Houston e Filadélfia a reportarem números relativos ainda mais alarmantes.

Durante 2021, os combates de trânsito causaram mais de 700 mortes no país, um registo que ilustra o sentimento de violência no ar que descrevo. A um nível anedótico, sofri algumas agressões, algo que não me acontecia há décadas. Uma mulher no metro, que me viu a ler em espanhol, disse-me para voltar “para onde eu vim”, e um locutor afro-americano de rua repreendeu-me porque os meus antepassados assassinaram os seus antepassados. Isto não é acidente: a cidade assistiu a 131 incidentes raciais contra asiáticos em 2021, enquanto 28 foram relatados em 2020 e três em 2019. A Liga Anti-Defamação relatou cerca de 1.200 incidentes de anti-semitismo nos EUA em 2022, mais 10% do que no ano anterior. Parecia que a pandemia tinha dado à humanidade um momento positivo de reflexão, mas deixou evidentemente algo para trás que apela às nossas reacções mais primitivas e miseráveis.

O novo presidente da câmara de Nova Iorque, Eric Adams, um afro-americano com laços estreitos com o estabelecimento policial, promete diariamente inverter o actual estado de coisas e também dar uma resposta aos milhares de pessoas sem abrigo que vivem ao ar livre ou no metro. A sua administração encontra-se numa frigideira quente: a frase “defundir a polícia” é um slogan proeminente da organização Black Lives Matter, a ponta de lança da luta anti-racista. A raça (que implodiu durante os motins de 2020), as minorias de género, o desmantelamento do financiamento policial e a defesa do aborto legal (agora em xeque) são as questões no centro de uma batalha cultural que continua a dividir o país.

As franjas conservadoras estão em modo de resistência, exigindo a protecção dos valores tradicionais e o apoio à força policial. Os media e as redes são o território desta guerra, favorecendo a replicação dos chamados tantrums performativos (uma moda aperfeiçoada por Trump que criou uma escola) e enchendo os bolsos das cabeças falantes (apresentadores de televisão) que descarregam com mais raiva e impetuosidade. A raiva está nas ruas, mas também nos ecrãs, num feedback de provocações e insultos que os argentinos também sofrem.

Polícia e bombeiros: uma cidade em constante estado de alerta.

A violência tem crescido a par de distúrbios psicológicos. Tomando o caso dos muito jovens como exemplo, o Grupo de Serviços Preventivos do país acaba de propor que o rastreio da ansiedade e depressão em crianças a partir dos 8 anos de idade se torne uma prática médica de rotina, devido à prevalência actual destas perturbações que, segundo o chefe de saúde pública do país, duplicaram entre os adolescentes. Esta tendência precede a pandemia: já em 2019, 1 em cada 3 alunos do ensino secundário relatou sintomas de depressão, mais 40% do que em 2009. Covid não inventou o problema, mas parece tê-lo aprofundado significativamente: de acordo com The Guardian, estima-se que foram acrescentados globalmente mais 76 milhões de casos de ansiedade e 53 milhões de casos de depressão. Em cidades como Nova Iorque, onde os serviços de saúde mental têm sido progressivamente desmantelados, o impacto é evidente.

No YouTube podemos ver os vídeos carregados pelo profeta da verdade88. Este é Frank James, o arguido no ataque à estação de metro de Brooklyn. Muito articuladamente, James afirma que o sistema de saúde mental dos EUA, que o tratou por transtorno de stress pós-traumático, tornou-o inimaginavelmente mais perigoso. Nos seus delírios insulta os brancos, negros, hispânicos e homossexuais, mas entre os seus delírios ressoam algumas frases: “É preciso que haja um reinício da humanidade na fábrica, somos animais de quinta escravos, selvagens e ferozes. Temos de pagar pelo que foi feito, desde o abate dos povos indígenas até à escravatura. Merecemos ser dizimados. Estamos danificados. Não há saída, a única solução é a autodestruição”. Forte, eh.

Frank James, suspeito de tiroteio subterrâneo detido.

Entre as notícias de destaque sobre a guerra na Ucrânia, duas notícias internas chamaram-me a atenção: a inflação subiu de 1,8% em 2019 para 8,5% nos dias de hoje. Oops. Pergunto-me quanto combustível ao fogo da raiva este fertilizante de despossessão e frustração pode acrescentar. Li também que mais de 43.500 pontes nos EUA estão suficientemente deterioradas para serem consideradas “estruturalmente deficientes”. Penso que há sempre quem os dinamite e quem os constrói. Hoje em dia, trata-se de outras pontes, as que precisamos de apoiar, as ligações que precisamos de nutrir, a sanidade que precisamos de preservar, as provocações que precisamos de ignorar. Hoje, mais do que nunca, precisamos de estar acordados para não fazer parte da pandemia da insanidade. Já tivemos mais do que suficiente de Covid.

AS GUERRAS DOS ESTADOS UNIDOS .

#GuerrasDeEEUU #China #Economia #Manipulación

Grande Escândalo! Ota Ola convida um OVNI para o seu espectáculo e há um esquisito no meio.

#CubaViveYRenace #CubaViveEnSuHistoria #EternoComandante #FidelEntreNosotros

Boicote “medroso” dos EUA à China e aos seus Jogos Olímpicos: motivos oficiais vs. reais.

#EEUUBloquea #JuegosOlímpicos #China #ManipulacionMediática

“VICTIMAS” do sistema? #CubaVive #LaRazonEsNuestroEscudo #CubaNoEsMiami #MafiaCubanoAmericana

#CubaVive #LaRazonEsNuestroEscudo #CubaNoEsMiami #MafiaCubanoAmericana

%d bloggers like this: