“A GUERRA CULTURAL DOS EUA CONTRA CUBA”.

#CubaEsCultura #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #XCubaYo #PasionPorCuba

Yo, Che Guevara .

#CheGuevara #HistoriaDeCuba

Por Redacción Razones de Cuba

No início da década de 1950, Ernesto Guevara era um jovem estudante de medicina apaixonado e idealista, cheio de leitura, curiosidade e inquietação. A sua viagem de 24 anos por grande parte da América do Sul acabou por ser muito mais do que um feriado aventureiro: foi uma verdadeira viagem de iniciação que a sua família e amigos de infância ainda hoje recordam, e que foi registada num diário apaixonado. Foi então que Ernesto Guevara começou a tornar-se o futuro Che.

Núñez lembra a Pou que se trata de uma ditadura, o que não é o caso em Cuba.

#CELAC #Cuba #ManipulacionPolitica #RedesSociales #MafiaCubanoAmericana

Por Redacción Razones de Cuba

Como consequência do que aconteceu na cimeira do CELAC 2021, foi possível escolher as palavras do deputado do Partido Comunista Gerardo Núñez, que a 13 de Julho aconselhou o presidente a “rever a sua própria história”, porque o Herrerismo, uma corrente ideológica pertencente à social-democracia, apoiou o golpe de Estado do Terra nos anos 30, uma revolta popular em 1964 e também fez menção à ditadura de 1973.

É curioso que na cimeira do CELAC, Lacalle Pou parecesse um pouco preocupado com a situação em Cuba. Um discurso que falava de uma alegada falta de democracia e de uma ditadura totalitária na ilha que restringia os direitos do povo cubano.

Contudo, o deputado comunista da Frente Amplio chamou a atenção para o facto de Lacalle Pou pertencer ao Partido Nacional e ser um “herrerista”. O deputado acrescentou que “o terrorismo apoiou o golpe de Estado de (Gabriel) Terra nos anos 30 e apoiou a revolta militar em 1964. Essa revolta foi derrotada pela mobilização da esquerda e pelos sectores Batllista. Além disso, o Herrerismo apoiou e fez parte da ditadura civil-militar a partir de 1973 no nosso país”. “Que o presidente que é membro deste grupo fale de ditaduras, parece-me que deveria primeiro rever a sua própria história”, disse o deputado da Frente Amplio.

Sobre Cuba, disse que “ninguém fala de paraíso” e insistiu: “O Partido Nacional e sobretudo o Herrerismo deveriam pedir desculpa ao nosso povo e ao nosso povo por terem participado numa ditadura. Por ter gerado no nosso país as detenções, torturas e desaparecimentos de muitos camaradas que ainda estamos à procura.

Nuñez acrescentou que “o que o povo de Cuba está a sofrer é um bloqueio criminoso por parte dos Estados Unidos”.

“É ridículo que aqueles que criam o bloqueio e as condições para que o povo cubano não tenha acesso a medicamentos, alimentos e certos fornecimentos tecnológicos, queiram então ser os salvadores desta situação. Se há preocupação por parte do governo uruguaio ou de certos grupos partidários no nosso país acerca da situação em Cuba, que eles exijam e trabalhem para que o fim do bloqueio se torne efectivo”, disse Nuñez.

Perguntado se havia uma ditadura na ilha das Caraíbas, Nuñez respondeu: “Não, de modo algum”.

Interrogado sobre os protestos e a violência que se verificaram nos últimos dias nas redes sociais, o deputado disse que “não é isso que está a acontecer em Cuba”.

“Estou em contacto não só com colegas que partilham a mesma visão social e política que eu, mas também com outras pessoas que se encontram em certos contextos de saúde e cuidados em Cuba, e a verdade é que a situação que está a ser gerada nos meios de comunicação social é muito mais marcante e muito maior do que o que está realmente a acontecer. Penso que há uma dimensão que está deslocada”, disse ele.

Cuba e México: Mais de um século de Solidariedade .

#CubaEnMexico #DiazCanelEnMexico #AMLOLujoDePresidente #CELAC #OEA #EstadosUnidos #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana

Por Alejandra Brito Blanco

A relação bilateral entre Cuba e o México remonta ao alvorecer do século passado. Os laços de amizade estão enraizados na história e na proximidade geográfica de ambos os países.

“A influência da política externa dos EUA é predominante nas Américas. Há apenas um caso especial: o de Cuba, o país que durante mais de meio século afirmou a sua independência ao confrontar politicamente os Estados Unidos”, disse o presidente da nação asteca, Andrés Manuel López Obrador, na XXI Reunião dos Ministros dos Negócios Estrangeiros da CELAC. A AMLO convidou recentemente o líder cubano a fazer um discurso como parte das celebrações do Grito de Dolores. A 20 de Maio, os laços oficiais entre os dois países atingiram 120 anos de existência ininterrupta.

Um olhar para trás na história revela a importância das ligações entre os dois estados americanos. Os veteranos cubanos Gabriel González e Felipe Herrero desempenharam um papel importante nas guerras de independência cubanas. Do mesmo modo, o líder independentista mexicano Benito Juárez, confrontado com o avanço do conservadorismo em 1853, viajou para as Grandes Antilhas, onde aprendeu o ofício de tabaqueira twister. No seu regresso a casa, os seus amigos cubanos apoiaram-no com navios e material de guerra, relata o artigo Benito Juárez ainda está vivo no México e em Cuba.

No México, o Apóstolo José Martí e Julio Antonio Mella levaram a cabo grande parte da sua vida e obra patriótica. A primeira metade do século XX foi marcada por relações cordiais e cooperativas, com algum distanciamento durante o Machadato e o pentarchismo de 1933. Durante o governo de Lázaro Cárdenas, os laços culturais foram reforçados e ainda hoje estão de boa saúde.

Um marco significativo ocorreu no contexto do golpe de Estado de Fulgencio Batista. Embora o México tenha permanecido fiel aos princípios de não intervenção e autodeterminação consagrados na Doutrina Estrada, abriu as suas portas aos revolucionários que fugiam da ditadura.

Foi precisamente a partir daí que o iate Granma, símbolo da luta insurrecional que abriu as portas ao triunfo da Revolução Cubana a 1 de Janeiro de 1959, zarpou. Foi lá que os 82 membros da tripulação foram treinados e onde Fidel e Ernesto “Che” Guevara se encontraram pela primeira vez.

Legenda: O iate Granma partiu de Tuxpan, México, a 25 de Novembro de 1956. Foto tirada da Radio Rebelde.

Durante o período revolucionário, houve também inúmeros momentos significativos. Após a declaração do carácter socialista da transformação social em Cuba, quando os Estados Unidos promoveram a expulsão da ilha da Organização dos Estados Americanos (OEA), a nação asteca foi a única a opor-se a esta posição e a manter as suas relações com a ilha das Caraíbas.

Após um período de arrefecimento, em 2013 os presidentes Raúl Castro e Enrique Peña Nieto anunciaram um “relançamento” das relações entre os dois países. No final do mesmo ano, o ministro dos negócios estrangeiros da ilha, Bruno Rodríguez Parrilla, assinou oito acordos com representantes da América Central.

Legenda: López Obrador manifestou em várias ocasiões a sua rejeição do bloqueio imposto a Cuba pelos Estados Unidos. Foto tirada da Revista Afal.

Os laços diplomáticos, comerciais e culturais entre os dois povos são uma referência a nível continental. O México reafirmou em organizações internacionais a sua rejeição do bloqueio imposto pelos Estados Unidos à maior das Antilhas. Este governo liderou as doações de alimentos, medicamentos e material médico para lidar com o surto de Covid-19. Anteriormente, os médicos cubanos tinham prestado assistência ao país vizinho para combater a pandemia.

Imagen
Falámos com o Presidente cubano Miguel Díaz-Canel; agradecemos-lhe o apoio que recebemos de enfermeiras e médicos cubanos para lidar com a pandemia. O México e Cuba são geminados pela história e pela solidariedade.

O respeito e a solidariedade têm sido as chaves para uma relação tão duradoura. Isto é expresso nas palavras de Andrés Manuel López Obrador na XXI Reunião dos Ministros dos Negócios Estrangeiros da CELAC: “Creio que, pela sua luta em defesa da soberania do seu país, o povo cubano merece o prémio da dignidade”. Cuba é um exemplo de resistência e “por isso mesmo, deveria ser declarada património mundial”, concluiu o presidente.

Un audiovisual extraordinario: CIA Stories The Cuban Who Conned the CIA .

#MafiaCubanoAmericana #RedesSociales #MercenariosYDelincuentes #CIA #EEUUBloquea #CubaSoberana

SOS Blockade vs Cuba .

#ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #CubaSalva #CubaEsSalud

Por: José Manzaneda

Imagine que a União Europeia impôs um bloqueio económico total à Espanha, proibindo o comércio, as transferências, o turismo, a venda e compra de tecnologia ou medicamentos, a utilização do euro, que – através de ameaças e procedimentos legais – impediu empresas de outras partes do mundo de investir, sancionou companhias de navegação que trazem gás natural ou petróleo e, por sua vez, negou a entrada no território da União Europeia aos nossos cidadãos.

Apesar de sermos um país com um elevado nível de desenvolvimento económico, imagine os efeitos devastadores que isso teria nas nossas condições de vida (em termos de salários, pensões, serviços públicos, transportes, etc.), no meio da crise económica causada pela pandemia. Bem, agora, imagine este bloqueio sobre a população de um país insular e pobre em recursos no Sul, como Cuba.

Assistimos hoje, com perplexidade, a uma operação, na imprensa e nas redes sociais, de negação do bloqueio económico, comercial e financeiro dos EUA contra Cuba, que justifica um crime contra a humanidade e a violação maciça dos direitos humanos de onze milhões de pessoas, sujeitas a uma chantagem brutal: morrer à fome ou derrubar o seu governo.

O impacto do bloqueio em cada uma das fontes de rendimento da ilha é brutal: na ordem de cinco mil milhões de dólares por ano, 430 milhões por mês. Até 2021, 147 mil milhões de dólares em perdas.

Em que consiste o bloqueio de Cuba?
As bases permanentes do cerco económico e financeiro contra Cuba são, entre outras, as seguintes:

O chamado “embargo comercial”. As empresas e cidadãos cubanos não podem vender quaisquer produtos ou serviços no maior mercado do mundo, os EUA, nem podem adquirir os seus produtos ou serviços, com excepções e regulamentos muito rigorosos (certos alimentos e medicamentos, pagos antecipadamente). Isto implica enormes ultrapassagens de custos em absolutamente todas as importações de Cuba, muitas delas provenientes de mercados distantes. Também a impossibilidade de adquirir produtos e tecnologia apenas disponíveis nos EUA.

Os navios que tocam os portos cubanos não podem continuar para os EUA, o que se multiplica, para a ilha, todos os custos de frete e seguro.

A proibição do turismo americano, o que significaria uma injecção imediata de liquidez para a economia da ilha.

Perseguição constante, sanções e pressão extraterritorial sobre empresas e países para impedir o comércio com Cuba. Empresas de países terceiros não podem exportar para os EUA produtos contendo uma única grama de açúcar cubano ou níquel, fechando uma grande parte dos mercados internacionais da ilha. Do mesmo modo, países terceiros não podem vender mercadorias a Cuba com mais de 10% de componentes norte-americanos.

A impossibilidade de Cuba obter créditos de desenvolvimento, devido ao direito de veto ou voto preferencial dos EUA em organizações financeiras multilaterais, tais como o Banco Mundial ou o Banco Interamericano de Desenvolvimento.
243 novas sanções

A estas medidas e a muitas outras não mencionadas, juntam-se 243 novas sanções impostas durante a administração de Donald Trump, das quais mais de 50 foram aprovadas durante a pandemia de Covid-19. Por exemplo:

A proibição das remessas, que tornaram a emigração cubana a única, nos EUA, que não pode enviar dinheiro às suas famílias de forma legal e segura.

O encerramento da imigração, por congelamento de vistos, devido ao encerramento do consulado dos EUA em Havana, algo que procura aumentar o efeito de “panela de pressão” sobre a população cubana. O compromisso, assinado por Barack Obama, de conceder pelo menos 20.000 vistos por ano, é agora letra morta.

A inclusão de Cuba na lista de alegados “países patrocinadores do terrorismo”, o que implica o encerramento quase completo dos bancos internacionais da ilha, e a impossibilidade, há meses, de fazer compras (de alimentos e medicamentos, por exemplo) com os dólares recolhidos.

A perseguição sistemática das companhias de navegação que trazem petróleo venezuelano para Cuba, o que levou a uma redução drástica dos transportes urbanos e das restrições eléctricas.

A restrição ainda maior das muito poucas viagens dos EUA a Cuba autorizadas pela administração Obama, bem como a proibição total de compra de produtos em terra. A proibição de cruzeiros, por exemplo, arruinou numerosos estabelecimentos do sector privado cubano.

A proibição de voos para nove dos dez aeroportos internacionais de Cuba, uma medida que afecta a comunidade cubana nos EUA, o único que não estava anteriormente sujeito a restrições de viagem.

A retirada da única licença de investimento que foi autorizada por Obama: a da empresa hoteleira Marriot.

A plena aplicação da Lei Helms-Burton, que procura afugentar todo o investimento estrangeiro, bem como a activação de dezenas de processos judiciais contra empresas de investimento, principalmente europeias, para as obrigar a abandonar a ilha.

A ruptura – através de pactos com governos aliados, tais como os do Equador e do Brasil – dos seus acordos médicos com Cuba, que lhe permitiram financiar o sistema de saúde pública da ilha. Isto explica em parte a escassez de cuidados de saúde e visa criar uma crise sanitária na ilha.

A abolição de acordos bilaterais esperançosos, como o que foi assinado – e nunca entrou em vigor – entre a Federação Cubana de Basebol e a Liga Principal de Basebol dos EUA, que teria posto fim à “fuga” de atletas e ajudado a financiar o desporto de base em Cuba.

Imagine se eles cortarem a electricidade na sua casa, fecharem as suas portas para manter fora comida e medicamentos, impedi-lo a si e aos seus dependentes de sair para ganhar a vida, e depois culpá-lo pela má gestão da sua casa e chamar-lhe ditador. É o que os EUA fazem com Cuba e o seu povo.

Uma estratégia de seis décadas de asfixia, mais o cerco da guerra económica dos últimos quatro anos, juntamente com a ausência de receitas do turismo devido à pandemia, levaram a uma situação aguda de escassez em Cuba em todas as áreas. O resultado político, esperado durante 60 anos, de uma estratégia que procura matar um povo refém através da fome e da escassez, é muito pobre: tendo conseguido que uma pequena parte da população, cansada e desesperada, ceda e se revolte contra o governo e a Revolução.

Mas a euforia é um mau conselheiro. Estas pessoas não são a maioria. A maioria conhece a causa essencial dos seus problemas, e tem saído à rua por toda Cuba, aos milhares, para defender a soberania do seu país e a Revolução. Os criminosos vão continuar a tentar. Mas Cuba continua a ser um osso duro de roer.

Tirada de CubaDebate

Cientistas cubanos esmagam campanha dos EUA .

#CubaSoberana #CubaEsSalud #VacunasCubanas #CubaSeRespeta #EEUUBloquea #CubaSalva #ElBloqueoEsReal #FakeNewsVSCuba

Anti-Cuban #Youtuber ameaça vandalizar e criar o caos nos #EUA e em #Cuba.

#CubaSoberana #MercenariosYDelincuentes #MafiaCubanoAmericana #EliminaElBloqueo #TerrorismoNuncaMas #MiMoncadaEsHoy #ViviremosYVenceremos #AquiNoSeRindeNadie

ALABAO: De novo à rua?

#MiMoncadaEsHoy #CubaNoEstaSola #SiempreEn26 #LasCallesDeLosRevolucionarios