Os abusos policiais nos Estados Unidos.

#OEA #InjerenciaDeEEUU #Democracia #GolpeDeEstado

PorArthur González

Os Yankees tomam o direito de elaborar listas de todos os tipos, para punir e demonizar aqueles que não se submetem às suas ordens imperiais, como se o mundo ainda estivesse na Idade Média. Contudo, mais do que violam os direitos dos seus cidadãos, incluindo o direito a viver em paz e harmonia.

Qualquer pessoa pode procurar factos comprovados sobre o que se passa naquele país para ver o nível de impunidade que a polícia dos EUA tem, e pode mesmo matar um ser humano apenas “porque pensam que alguém anda armado” para o usar contra o agente, mesmo que não haja provas de tal acto.

Um quadro pálido das violações dos direitos humanos que ocorrem diariamente nos Estados Unidos é apresentado num relatório preliminar preparado pela organização UnidosUS, em conjunto com vários investigadores, académicos, activistas e familiares de latinos que perderam a vida devido a uma acção policial brutal, principalmente contra a população negra.

Os Yankees tomam o direito de elaborar listas de todos os tipos, para punir e demonizar aqueles que não se submetem às suas ordens imperiais, como se o mundo ainda estivesse na Idade Média. No entanto, violam de longe os direitos dos seus cidadãos, incluindo o direito a viver em paz e harmonia.

Para fazer este relatório, analisaram oito bases de dados nacionais que recolhem os casos de pessoas mortas pela polícia, podendo verificar que entre 2014 e 2021, em apenas 6 anos, um total de 15.085 pessoas perderam a vida enquanto estavam sob custódia policial ou em encontros com agentes da polícia e dessas 2.653 eram latinos, uma situação que mostra o sentimento discriminatório e racista na mente da polícia ianque, infelizmente nestes números há dezenas de crianças.

Em Maio de 2022, um polícia de Chicago disparou três vezes nas costas de um rapaz de 13 anos desarmado, causando danos irreversíveis na coluna vertebral. Testemunhas dizem que o rapaz tinha as mãos no ar quando a polícia abriu fogo sobre ele. O agente da polícia declarou que “pensava estar a apontar-lhe uma arma”.

A câmara corporal da polícia não foi ligada no momento do tiroteio, e só foi activada quase um minuto após o fim do tiroteio, uma situação que levanta suspeitas da intenção maliciosa do polícia de disparar sobre a criança negra sem deixar um registo da sua acção criminosa.

Estudos indicam que as crianças negras têm 6 vezes mais probabilidades de morrer devido a tiroteios da polícia do que as crianças brancas.

Em Março de 2021, Adam Toledo, 13, e Anthony Alvarez, 22, em acções separadas, foram mortos pela polícia de Chicago. Ambas as mortes levaram a protestos de membros da comunidade para exigir mudanças nas práticas e políticas do Departamento de Polícia de Chicago.

Na Califórnia, a 19 de Abril de 2021, o latino Mario Gonzalez Arenales, de 26 anos de idade, morreu sob custódia policial em Alameda, Califórnia, depois de ter sido detido durante cerca de cinco minutos num parque local, utilizando métodos semelhantes que levaram à morte de George Floyd em Minneapolis.

Em Maio de 2019, na periferia da cidade de Monroe, no norte da Louisiana, o jovem Ronald Greene morreu às mãos da polícia, embora os agentes tenham relatado que tinha morrido num acidente de viação. Dois anos mais tarde, o vídeo da câmara corporal obtido pela Associated Press prova que Greene estava vivo e pode ser ouvido a pedir desculpa aos agentes, argumentando que estava assustado e pedindo misericórdia aos agentes da polícia.

Na gravação obtida, Greene é ouvido a chorar, depois de ter sido espancado enquanto ainda estava no chão e um dos polícias algemou-o, enquanto outro o pontapeia várias vezes. Além disso, um polícia é ouvido dizer: “Tenho sangue em cima de mim, espero que este tipo não tenha SIDA”. Enquanto Greene continuava a soluçar, um dos oficiais arrastou-o para longe. Morreu no caminho para o hospital.

Os investigadores do estado da Florida em Julho de 2022 estão a debater se devem apresentar queixa criminal contra dois agentes da polícia de Opa-Locka que em 2020 arrastaram brutalmente um jovem latino doente mental pelas escadas abaixo, algemaram-no e atordoaram-no com uma arma atordoante, gravada num telemóvel.

Os oficiais ignoraram os apelos do pai para sair e arrastaram o jovem doente pelos cinco degraus até à entrada da casa.

Para não deixar dúvidas sobre tais crimes cometidos pelas forças da lei nos Estados Unidos, a 27 de Junho de 2022 em Akron, Ohio, o negro Jayland Walker, de 25 anos de idade, foi baleado e morto pela polícia quando corria pela rua depois de cometer uma infracção de trânsito. A autópsia determinou um total de 60 ferimentos de bala no corpo, um facto que demonstra a crueldade e o excesso de mortes.

Como sempre, a versão policial era que “os oficiais acreditavam que o jovem estava armado”.

Há milhares de casos de abusos e mortes causados pela sua polícia, mas para os Estados Unidos não há acusações no Gabinete do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos. A OEA, ou o Parlamento Europeu, não aprovam resoluções condenatórias e campanhas mediáticas por tantas violações dos direitos humanos.

Se estes eventos tivessem tido lugar em Cuba, Venezuela ou Nicarágua, teriam sido premiados com um Óscar, como o fizeram face à detecção e punição de vários funcionários de Washington, que cometem crimes, atacam agentes da polícia e tentam subverter a ordem interna sob as instruções dos seus patrocinadores.

Não há dúvida de que o racismo e a brutalidade policial são uma parte fundamental da cultura americana.

Foi por isso que em 1889 José Martí advertiu:

“O homem branco, assim que vê que o negro é igual a ele nas realidades da vida, linchará o negro”.

Marcelo Ebrard: Precisamos de substituir o actual modelo da OEA por um baseado no respeito mútuo.

#OEA #GolpeDeEstado #InjerenciaDeEEUU #México #CumbreSinLasAméricas #AméricaUnida

A política de exclusão na Cimeira das Américas recebe votos de rejeição

#CumbreSinLasAméricas #InjerenciaDeEEUU #AmericaDePie
#Democracia #DerechosHumanos

Autor: Redacción Internacional | internacionales@granma.cu

A rejeição retumbante dos activistas políticos e movimentos sociais contra o imperialismo e a arrogância dos Estados Unidos em excluir nações da 9ª Cimeira das Américas será expressa na Cimeira dos Povos em Los Angeles, Califórnia, nos dias 8 e 10 de Junho, cujo dia de abertura do debate terá o slogan: Deixe Cuba Viver! Vozes jovens contra o bloqueio.

O fórum denunciará a hostilidade contra a Revolução Cubana e acordará em acções para mitigar os efeitos das cruéis políticas dos EUA sobre o povo da ilha.

Um comunicado da plataforma O Fórum do Povo relatou que o Departamento de Polícia de Los Angeles negou permissão para realizar uma marcha maciça, legal e pacífica a 10 de Junho, com o objectivo de encerrar o evento paralelo à Cimeira das Américas.

Os organizadores denunciaram tal conduta como “uma negação ilegal dos direitos constitucionais dos que participam numa actividade protegida pela Primeira Emenda” da Constituição dos EUA.

Segundo o Prensa Latina, o Primeiro-Ministro de São Vicente e Granadinas, Ralph Gonsalves, informou que os países das Caraíbas poderão não comparecer ou enviarão representações de baixo perfil à Cimeira das Américas, a fim de expressar o seu desacordo com as exclusões promovidas pelos EUA, tendo reiterado que não participará na reunião, a menos que Cuba, Nicarágua e Venezuela sejam convidados.

Entretanto, o secretário executivo da Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América, Sacha Llorenti, escreveu no seu relato no Twitter: “Dada a exclusão arbitrária, ideológica e politicamente motivada da reunião de Los Angeles, aqueles que não vão, não vão em protesto. Aqueles que vão, vão protestar”.

Foi também noticiado num despacho da PL que representantes cubanos agradeceram à China por se pronunciar contra a exclusão dos Estados Unidos da América da Cimeira das Américas, uma decisão considerada como mais uma manobra de Washington para impor os seus interesses.

O embaixador cubano em Pequim denunciou que “a Casa Branca está a tentar dividir e usar o direito internacional como bem entender, aplicar o multilateralismo selectivo quando lhe convém e ressuscitar a chamada Doutrina Monroe nas relações com os seus vizinhos.

“É evidente que aos Estados Unidos falta a possibilidade de impor os seus desenhos, interesses e posições na América Latina e nas Caraíbas, que mudaram o suficiente para deixarem de ser o quintal”, disse ele.

A OEA em declínio.

#OEA #InjerenciaDeEEUU #ManipulaciónMediática #UniónEuropea #ParaQueSirveLaOEA

O final da OEA .

#OEA #EstadosUnidos #ManipulacionPolitica #ElCaminoEsLaPaz #CELAC

Um fim ao domínio da OEA na América Latina? O México acolhe uma nova cimeira Celac marcada por lideranças progressistas .

#CELAC #OEA #AMLO #CubaEnMexico #ElCaminoEsLaPaz #PuentesDeAmor

A sexta cimeira da Comunidade dos Estados da América Latina e Caraíbas (CELAC) terá lugar este fim-de-semana na Cidade do México, com a presença de 17 chefes de estado ou de governo, dois vice-presidentes e delegações de todos os países membros.

Entre os presidentes que já confirmaram a sua participação estão o argentino Alberto Fernández, o equatoriano Guillermo Lasso, o cubano Miguel Díaz-Canel, o costa-riquenho Carlos Alvarado e o uruguaio Luis Lacalle Pou, bem como o líder do país anfitrião, Andrés Manuel López Obrador.

O Celac foi formado em 2010 pelos 33 países da região com o objectivo de promover uma agenda latino-americana e caribenha e acordar passos concretos para a integração regional.

¿Fin al dominio de la OEA sobre América Latina? México acoge una nueva cumbre de la Celac marcada por los liderazgos progresistas

Na sua fundação, impulsionada por uma onda de governos progressistas, produziu uma mudança política continental, devido à sua tentativa de substituir a Organização dos Estados Americanos (OEA) em importância multilateral, excluindo os EUA e o Canadá e incluindo Cuba, que foi expulsa da primeira em 1962.

Contudo, em meados da década, a chegada dos governos de direita, bem como a morte em 2013 do seu principal promotor, o Presidente venezuelano Hugo Chávez, produziram um enfraquecimento significativo que o levou a desvanecer-se no mapa político do continente. Foi em Janeiro de 2017 quando se realizou a sua última cimeira em Punta Cana (República Dominicana).

O Celac regressa com uma OEA enfraquecida e com novas lideranças regionais como a do presidente anfitrião, Andrés Manuel López Obrador, e mudanças nos governos de países importantes como o Peru e a Argentina.

Nesses anos, a OEA tomou um novo sopro de ar fresco. Com a assunção de Luis Almagro como secretário-geral, levou a cabo uma vigorosa acção contra os governos da Bolívia e da Venezuela da qual não saiu bem devido aos resultados embaraçosos de ambas as campanhas: um golpe de Estado no primeiro (cujo executor Jeanine Añez está na prisão) e a imposição de um bloqueio financeiro e de um governo interino no segundo (cujo executor Juan Guaidó teve de restabelecer as negociações com o governo existente apesar da recusa de Almagro).

Agora, o Celac regressa com uma OEA enfraquecida e com a emergência de novas lideranças regionais como a do presidente anfitrião, Andrés Manuel López Obrador, e as mudanças de sinal nos governos de países importantes como o Peru e Argentina .

López Obrador tem sido um apoiante entusiasta do Celac e é possível que o seu papel como anfitrião lhe permita dar-lhe um impulso.

A 24 de Julho, o presidente mexicano foi particularmente duro nas suas críticas a Almagro e na sua abordagem à OEA, anunciando que pretendia conceber um plano para substituir a organização por um “organismo verdadeiramente autónomo” que fosse “o lacaio de ninguém”.

Revitalizou também o corpo. A 7 de Setembro, e pela primeira vez desde 2014, todos os países tomaram uma posição conjunta no Dia Internacional contra os Testes Nucleares. A presidência pro tempore do México tirou o Celac do seu silêncio.

Independentemente dos resultados, o cenário servirá para visualizar os novos realinhamentos políticos na região.

Agora vem a Cimeira, e todos esperam um evento que assinalará uma mudança ideológica na região, mesmo que não radical, pelo menos altamente simbólica, e um compromisso conjunto com o futuro.

Agenda da Cimeira
O Secretário dos Negócios Estrangeiros do México, Marcelo Ebrard, indicou que a questão da pandemia estaria na vanguarda, mas que havia também dois projectos em cima da mesa: a criação de uma agência inter-espacial da América Latina e das Caraíbas e a criação de um fundo para catástrofes.

No entanto, o governo boliviano propôs discutir a questão da OEA e a necessidade de reforçar o CELAC.

A questão da pandemia é de particular importância, dado que apesar da gravidade económica e da morte de mais de um milhão de pessoas na região, nem a OEA nem o Celac (nem o Grupo de Lima) tentaram, pelo menos, coordenar políticas para abordar conjuntamente a situação.

Independentemente dos resultados, o cenário servirá para visualizar os novos realinhamentos políticos na região.

Ociel Alí López: Ociel Alí López é sociólogo, analista político e professor na Universidade Central da Venezuela. Ganhou o Prémio Municipal de Literatura 2015 com o seu livro Dale más gasolina e o prémio Clacso/Asdi para jovens investigadores em 2004. É um colaborador de vários meios de comunicação social na Europa, Estados Unidos e América Latina.

Celac no México: um Grito de Dor contra a OEA .

#EstadosUnidos #OEA #InjerenciadeEEUU #ElCaminoEsLaPaz #CELAC #CubaEnMexico #DiazCanelEnMexico

Por Enrique Milanés León

Apesar do flagelo da COVID-19 e outras calamidades naturais, 2021 mantém as suas celebrações como o “Ano da Independência e Grandeza do México”, enquanto comemora o 211º aniversário da independência da nação, a 15 de Setembro, e o 200º aniversário da sua consumação, no dia 21. Para acrescentar lustre, a 6ª Cimeira da Comunidade dos Estados da América Latina e Caraíbas (CELAC) terá lugar a meio destas datas na sua capital, no dia 18.

El Grito de Dolores es el gran canto de México.

Pelo segundo ano consecutivo, na terça-feira 15, a reencenação do Grito de Dolores, realizada por Miguel Hidalgo em 1810, irá considerar os protocolos exigidos pela situação sanitária, mas o Presidente Andrés Manuel López Obrador garantiu que seriam criadas condições para que “a maioria dos mexicanos possa participar a partir das suas casas”.

O modelo da pirâmide que comemora os 200 anos da fundação do México-Tenochtitlan permanece na imponente praça El Zócalo, o que significa que as celebrações do Dia da Independência complementarão as já realizadas em honra do nascimento e queda do México-Tenochtitlan.

López Obrador afirmou que o Governo Federal continuará a promover o Grito, considerado o festival cívico mais importante do país. “Temos de continuar a dar ao Grito de Independência, porque o México é um país livre, independente e soberano, e isso é motivo de orgulho”, disse ele.

O tradicional desfile de 16 de Setembro terá também lugar na capital, com as habituais precauções sanitárias. Alguns dos estados da nação não realizarão celebrações ou deslocá-las-ão para locais virtuais.

No início da manhã de 16 de Setembro de 1810, na cidade de Dolores, Guanajuato, Miguel Hidalgo lançou o Grito de Independência contra o governo colonial. O Pai da Nação Mexicana tocou à campainha da igreja chamando o povo a erguer-se em armas.

Uma vez terminada a guerra da Independência, o sino foi preservado como um dos símbolos do início do movimento e a 15 de Setembro de 1896 foi incorporado na celebração da Independência. Hoje, o sino das Dolores pode ser admirado, restaurado, num nicho localizado por cima da varanda central do Palácio Nacional.

Durante as festividades, o Presidente da República toca-a em homenagem ao grande apelo libertário. A celebração da data não foi interrompida, nem mesmo quando o país estava em guerra com os Estados Unidos. Agora não será excepção.

A agenda anunciada de López Obrador inclui o Grito de Independência na terça-feira 15; o desfile militar no dia 16; a recepção no dia 17 para presidentes e chefes de Estado para a Cimeira Celac, evento a realizar no dia 18. Um dia depois, o México hasteará a sua bandeira nacional a meia haste para recordar as vítimas mortais dos terramotos de 1985.

O Celac tem agora uma casa mexicana. Desde a Cimeira da Fundação, realizada em Caracas, Venezuela, a 3 de Dezembro de 2011, os Chefes de Estado e de Governo da região reúnem-se anualmente no país que detém a Presidência Pro Tempore e discutem as questões acordadas nas reuniões dos coordenadores nacionais.

Nesta sexta edição, será discutido um tema transcendental para a América Latina: o futuro da desacreditada Organização dos Estados Americanos (OEA), quer seja para ser completamente reformulada ou substituída.

Marcelo Ebrard, o ministro mexicano dos Negócios Estrangeiros, indicou que os líderes prepararão uma proposta para os Estados Unidos e Canadá, a fim de substituir a OEA interferente por um organismo regional de apoio.

#CELAC: um mecanismo de integração, diálogo e conciliação política em relação à #OEA .

#OEA #GolpeDeEstado #EstadosUnidos #ElCaminoEsLaPaz #CELAC

Estados Unidos, democracia ou ditadura .

#Democracia #EstadosUnidos #CIA #OEA #LeyHelmsBurton

Por Arthur González

Pode um Estado ser democrático se apenas impõe os seus critérios aos outros através de sanções?

É por isso que os Estados Unidos são uma ditadura que manipula as relações internacionais de acordo com os seus interesses e aqueles que não se ajoelham aos seus pés são punidos com múltiplas sanções. Os exemplos são muitos e incluem Cuba, Rússia, China, Irão, Síria, Coreia do Norte, Venezuela e Nicarágua, só para mencionar aqueles que recebem mais sanções.

Desde 1959, os Estados Unidos iniciaram uma escalada de sanções contra Cuba, compreendendo que o governo revolucionário não aceitaria submeter-se às suas ordens, como os seus predecessores tinham feito desde 1902.

A sua resposta ditatorial foi implementar restrições comerciais para afectar a economia, evitar satisfazer o povo e demonstrar que era deficiente e que deveria ser derrubado.

A primeira sanção, em Julho de 1960, foi deixar de comprar açúcar cubano e não vender-lhes petróleo, criando um efeito negativo na economia da ilha, até a URSS oferecer a sua ajuda.

Em Março de 1960, a CIA iniciou actos de terrorismo com a exposição do navio francês La Coubre, que deixou 101 mortos e dezenas de pessoas física e mentalmente mutiladas, o primeiro de uma longa lista contra o povo cubano.

A 19 de Outubro de 1960, o regime americano proibiu todas as exportações de produtos ianques para Cuba e começou a recrutar emigrantes cubanos em Miami para levar a cabo uma invasão armada. Internamente, a CIA criou os primeiros grupos contra-revolucionários que levaram a cabo acções terroristas contra centros comerciais, de produção e de serviços, cinemas, teatros e escolas, actos directamente dirigidos contra a população civil.

Em Abril de 1961, a invasão armada da Baía dos Porcos materializou-se, com mercenários cubanos treinados pela CIA, que foi derrubada em 67 horas. Face à derrota esmagadora, os Yankees planearam novos planos subversivos para desestabilizar o governo revolucionário, na conhecida Operação Mangusto, aprovada por J.F. Kennedy em Fevereiro de 1962, que incluía uma invasão com o exército americano, com base em provocações auto-infligidas que a justificariam.

A Operação Mangusto contém tarefas para perpetrar actos terroristas, acções políticas, psicológicas e militares, operações de espionagem e o assassinato dos seus governantes.

Um relatório secreto da Comissão de Inteligência do Senado confirmou oito tentativas de matar Fidel Castro entre 1960 e 1965, bem como planos adicionais contra outros líderes cubanos, que continuaram até quase ao final do século XX.

Estes factos são suficientes para demonstrar que os Estados Unidos são uma ditadura e não um Estado democrático, porque aqueles que não aceitam as suas ordens pagam pela sua rebelião com sanções e morte.

Em Janeiro de 1961, cessaram as relações diplomáticas com Havana e proibiram todas as viagens e transacções financeiras de cidadãos norte-americanos a Cuba. Nesse ano, o Congresso dos EUA aprovou a Lei de Cooperação Internacional, que proibiu toda a ajuda a qualquer país comunista, incluindo Cuba, e aplicou a Lei do Comércio com o Inimigo, o único país a enfrentar uma tal sanção.

Um ano mais tarde, formalizaram a guerra económica, comercial e financeira, que é descrita como tal na própria Operação Mangusto. Sob pressão da Casa Branca, Cuba foi expulsa da OEA em 1962, a fim de a rodear política e economicamente.

Em 1963, o governo dos EUA emitiu o Regulamento de Controlo de Activos Cubanos (CACR) ao abrigo da secção 5.b da Lei do Comércio com o Inimigo de 1917. O objectivo expresso destas sanções é “isolar economicamente o governo cubano e privá-lo de dólares norte-americanos”.

O CACR proíbe a exportação directa ou indirecta de produtos, serviços e tecnologia dos EUA para Cuba. O Gabinete de Controlo de Activos Estrangeiros do Departamento do Tesouro, OFAC, está encarregado de fazer cumprir estas disposições através de um conjunto de regulamentos.

O CACR estabelece para aqueles que violam estas sanções, sanções penais que vão desde 10 anos de prisão, multas para empresas até 1 milhão de dólares americanos e multas individuais até 250.000 dólares americanos. Podem também impor sanções civis de até 55.000 dólares.

A ditadura americana, insatisfeita e frustrada por não alcançar os seus objectivos, aprovou a Lei da Democracia Cubana (Lei Torricelli) em 1992, que proíbe as filiais de empresas americanas de fazer negócios com Cuba, proíbe os cidadãos americanos de viajar para Cuba e proíbe o envio de remessas familiares.

Um dos objectivos da Lei é: “procurar uma transição pacífica para a democracia e a retoma do crescimento económico de Cuba através da aplicação cuidadosa de sanções contra o governo castrista e o apoio ao povo cubano”.

Um dos objectivos da Lei é: “procurar uma transição pacífica para a democracia e a retoma do crescimento económico de Cuba através da aplicação cuidadosa de sanções contra o governo castrista e o apoio ao povo cubano”.

A Lei Torricelli torna uma condição que: “alimentos, medicamentos e material médico para fins humanitários só podem ser disponibilizados a Cuba quando o governo cubano tiver mudado através de eleições livres e justas”.

Cuba não muda o seu rumo socialista e, portanto, os Estados Unidos, como uma ditadura total, aumenta as suas sanções numa tentativa de quebrar o povo. Em Março de 1996, o Presidente Bill Clinton assinou a Lei da Liberdade e Solidariedade Democrática de Cuba, conhecida como a Lei Helms-Burton, e as sanções assumem maior força de lei.

Esta lei visa: “reforçar as sanções internacionais contra o governo Castro e planear o apoio a um governo de transição que conduza a um governo democraticamente eleito na ilha”.

Em Outubro de 2003, o presidente dos EUA criou a Comissão de Assistência a uma Cuba Livre para elaborar planos e medidas para acelerar o processo de transição em Cuba para um regime dito “democrático e livre”. Em Maio de 2004, aprovou o plano de tarefas para realizar a sonhada “Transição pacífica para a democracia”.

Barack Obama, apesar do restabelecimento das relações diplomáticas, entre 2009 e 2016 aplicou 52 multas a bancos estrangeiros, no valor de 14.404 milhões 358.605 dólares, por violação das sanções dos EUA contra Cuba.

Quando Donald Trump se tornou presidente em Janeiro de 2019, as sanções foram reforçadas, proibindo as remessas familiares, a entrada de navios de cruzeiro para Cuba e voos dos Estados Unidos para as províncias cubanas; suspendendo o intercâmbio cultural e académico de americanos para a ilha; activando o Título 3 da Lei Helms-Burton, que permite às pessoas afectadas por nacionalizações após 1 de Janeiro de 1959 processar nos tribunais norte-americanos; e proibindo os bancos norte-americanos de processarem transacções bancárias relacionadas com Cuba através de terceiros, operações conhecidas como transacções de retorno.

Sancionou os chefes das missões médicas cubanas no estrangeiro. Recusa de licenças de leasing de aviões às companhias aéreas estatais cubanas. Impôs a regra de negar qualquer reexportação para Cuba de bens estrangeiros contendo mais de 10% de componentes norte-americanos, proibiu a utilização de dinheiro federal para trocas culturais com a ilha e sancionou o Ministério do Interior, as Forças Armadas e um grande grupo de empresas e corporações comerciais cubanas, incluindo quase todos os hotéis do país.

243 foram as suas sanções contra Cuba, prova do seu carácter ditatorial.

Antes do fim do seu mandato, voltou a incluir Cuba na lista de Patrocinadores Estatais do Terrorismo.

Joe Biden continuou na mesma linha, porque é assim que é a ditadura ianque, e em Julho de 2021 sancionou o Ministro das Forças Armadas Revolucionárias e a Brigada Especial Nacional do Ministério do Interior; o chefe da Polícia Nacional e o seu director-adjunto.

A 13 de Agosto sancionou o antigo chefe (reformado) da Direcção Política da MININT, o chefe da Secção Política da Polícia Revolucionária Nacional e a Direcção das Tropas Preventivas do Ministério das Forças Armadas Revolucionárias de Cuba. A 20 de Agosto de 2021, sancionou o Segundo Chefe do Estado-Maior General e Chefe da Direcção de Operações das FAR, o Chefe do Exército Central e o Chefe da Direcção das Prisões da MININT.

Nem mesmo Adolf Hitler assumiu uma atitude tão ditatorial como os presidentes ianques, que fazem o mesmo contra a Rússia, Venezuela, China, Irão, Nicarágua e Síria, no seu desespero de os subjugar.

Nenhuma pessoa que se preze pode afirmar que os Estados Unidos é uma democracia, porque os factos falam por si.

José Martí não estava errado quando disse:

“Os povos da América são mais livres e prósperos, quanto mais se afastam dos Estados Unidos”.

OEA em foco: décadas de duplicidade de padrões e interferência selectiva reacendem a controvérsia.

#OEA #EstadosUnidos #AmericaLatina #OTAN #GuerraFria #DerechosHumanos

%d bloggers like this: