A crueldade contra os cubanos é total e não contra o governo, como eles justificam.

#ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #MafiaCubanoAmericana

Por Arthur González

Aconselhado por senadores anti-cubanos, Democratas e Republicanos, o Presidente Joe Biden mantém todas as sanções aplicadas por Donald Trump contra Cuba, e não cumpre as suas promessas de campanha.

O corrupto senador democrata Bob Menendez e o seu aliado republicano Marco Rubio, membros da máfia terrorista anti-cubana, pressionam-no a manter intacta a política de Trump, dos altos cargos que ocupam em importantes comissões senatoriais, na esperança de destruir a Revolução Cubana, enquanto desfrutam do sofrimento do povo cubano, face à supressão das remessas familiares, à proibição dos voos dos Estados Unidos para as províncias da ilha, ao corte do intercâmbio cultural e ao não cumprimento do programa de imigração, incluindo os vistos de reagrupamento familiar e a lotaria internacional.

Menéndez, num discurso recente no Senado, disse: “A política de Barack Obama em relação a Cuba foi um erro que não deveria ser partilhada” e pediu ao Presidente Bidel para aprovar mais sanções, o que ele fez sem pensar que é o povo que paga por tais decisões.

A falta de sentimento na política ianque é evidente na manipulação da emigração legal dos cubanos, que sofrem os excessos desse governo que não tem misericórdia de milhares de famílias, separadas desde que a CIA, sob a direcção de Mike Pompeo, propôs Trump o plano para justificar o encerramento da missão diplomática em Havana, aprovada por Obama, como o culminar da restauração das relações, facto que enfureceu a máfia anti-cubana.

Este plano consistiu no fabrico de ataques acústicos inexistentes e na mentira de que estes “afectaram” a saúde dos seus diplomatas, que “por coincidência” são funcionários da CIA, facto que serviu de pretexto para encerrar o consulado e, por conseguinte, dificultar a obtenção de um visto para aqueles que desejam viajar para os Estados Unidos.

A crueldade dos Yankees não tem paralelo e é demonstrada na ausência de humanismo com a emissão de vistos, inclusive para os vencedores cubanos da lotaria internacional lançada anualmente pelo Departamento de Estado, cerca de 55.000 vistos para todo o mundo e um pouco mais de mil para Cuba.

Estes vistos devem ser concedidos dentro de um ano fiscal, caso contrário perdem-se, algo que acontece com os cubanos que têm de viajar para a Guiana para serem entrevistados no consulado dos EUA, uma situação que aumenta os custos para qualquer cidadão, e não apenas para os cubanos.

Esta odisseia foi agravada pela pandemia de Covid, que reduziu os voos internacionais e o encerramento temporário das embaixadas, uma situação que comprometeu os sonhos dos cubanos de poderem obter autorização para emigrar legalmente e reunir-se com os seus familiares mais próximos.

Para Menéndez e Rubio, ambos filhos de emigrantes cubanos, esta angústia não lhes interessa, prova da sua falta de humanidade para aqueles que vivem separados, devido a uma política que não faz sentido.

O mesmo acontece com o acordo migratório em vigor entre os Estados Unidos e Cuba, onde prometeram conceder não menos de 20.000 vistos por ano, também não cumpridos desde a tomada de posse de Trump e prometeram à máfia anticubana aumentar a hostilidade contra o povo cubano, que recebe directamente os efeitos de todas as sanções.

A crueldade contra os cubanos é total e não contra o governo como eles justificam, uma situação palpável no cancelamento de vistos múltiplos por cinco anos por Trump, juntamente com o congelamento da emissão de muitos cartões de residência permanente, incluindo os vistos da lotaria internacional, popularmente conhecida como a Lotaria.

O Congresso dos EUA, tão “preocupado” com a situação dos direitos humanos na ilha, não tomou medidas com os vencedores da lotaria cubana que perderam os seus vistos a 30 de Setembro, quando não foram recebidos no consulado da Guiana, uma situação que não é da responsabilidade dos vencedores.

Estes congressistas só estão interessados em retratar um governo revolucionário como um “violador dos direitos humanos”, mas o povo pode ir para o inferno, não é problema deles. É por isso que continuam a não pressionar Biden para que as remessas familiares para Cuba sejam retomadas, apesar de o governo dos EUA as ter acabado de aprovar para o Afeganistão, onde existe um poder acusado de ser terrorista e traficante de droga.

No entanto, para aqueles que entram ilegalmente nos Estados Unidos através da fronteira mexicana, ou deixam uma equipa desportiva e declaram ao funcionário do Serviço de Imigração que “fogem do comunismo”, são imediatamente admitidos, porque serve de propaganda contra a Revolução Cubana que tanto odeiam, por não se ajoelharem perante as ordens ianques e resistirem à impiedosa guerra económica, comercial e financeira, que visa matar à fome um povo inteiro, quer simpatizem ou não com o socialismo.

Depois falam cinicamente de “humanidade e preocupação” com o povo cubano.

José Martí tinha toda a razão quando escreveu em 1884:

“O Partido Democrata, onde governa, ensina corrupções iguais às que desacreditam os republicanos”.

BIDEN É O MESMO QUE TRUNFO MAS COM UM DISFARCE DIFERENTE.

#DerechosHumanos #InjerenciaDeEEUU #ONU #OEA

Por Redacción Razones de Cuba

Muito se diz sobre como a administração de Joe Biden é diferente da de Donald Trump, tanto em substância como em forma. Talvez na retórica haja uma mudança de paradigma; no entanto, a mesma postura excepcionalista ainda é transportada como um cartão de visita, um comportamento típico da natureza imperial de qualquer administração da Casa Branca.

Embora tentem distanciar-se formalmente, o presidente democrata demonstra que prossegue algumas das políticas mais controversas do magnata republicano. Especialmente quando se trata de imigração e política externa, mesmo que muitas pessoas ingénuas ainda recitam o catecismo actual dos meios de comunicação social dos EUA.

Tomemos alguns casos e argumentos para mostrar que não existe tal quebra fundamental nas linhas fundamentais dos dois últimos ocupantes da Casa Branca sobre estas duas questões.

IMIGRAÇÃO CRIMINALIZADA
Recentemente, a fotografia de um polícia cowboy a chicotear um imigrante haitiano perto da fronteira sul dos EUA causou indignação (quase) em todo o mundo, pois mostrou que o que a liderança do Partido Democrata criticou a anterior administração republicana por tanta coisa continuava a acontecer sem contrição: o tratamento criminalizante dos imigrantes nos Estados Unidos.

Mas pouco se tem dito sobre os pormenores do caso. Para além da famosa fotografia, a administração Biden mudou-se para expulsar migrantes acampados debaixo de uma ponte em Del Rio, Texas.

Milhares de migrantes, muitos deles originários do Haiti, acamparam em condições esquálidas durante mais de uma semana.

O plano governamental baseia-se numa política controversa da era Trump implementada nos primeiros dias da pandemia para acelerar as remoções. O plano de afastamento baseia-se numa lei de saúde pública raramente utilizada, conhecida como Título 42. As autoridades de imigração dizem que uma ordem de saúde pública dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) permite-lhes afastar rapidamente os migrantes que atravessam a fronteira sem lhes dar uma oportunidade de requerer asilo.

Embora o Presidente Biden tenha tomado posse prometendo um sistema de imigração mais humano, a sua administração continuou a utilizar a política do Título 42 e defendeu-a em tribunal, apesar da crescente pressão dos defensores dos direitos humanos nos EUA.

A administração Trump há muito que defendia que os migrantes que atravessavam a fronteira sul não se qualificavam como refugiados fugidos de perseguições e, por conseguinte, não estavam protegidos pela lei de asilo dos EUA.

Em Março de 2020, com a cobiça a alastrar rapidamente naquele país, o governo de então decidiu invocar o Título 42 para fixar a fronteira.

O governo removeu cerca de 9.000 crianças desacompanhadas que atravessaram a fronteira perante um juiz federal que emitiu uma injunção preliminar em Novembro com o objectivo de pôr termo à prática. O Juiz Emmet Sullivan disse que o Título 42 permite aos funcionários bloquear a entrada de não-cidadãos portadores de doenças, mas não permite a remoção de pessoas. Mas isso não parou de acelerar as remoções.

A administração Biden estabeleceu excepções para as crianças migrantes não acompanhadas. Permitiu que a maioria dos pais e filhos chegassem juntos para pedir asilo. Mas tem continuado a remover muitas outras, incluindo algumas famílias e dezenas de milhares de adultos solteiros que atravessam a fronteira.

Existe um litígio judicial que ordena uma suspensão semelhante sobre a utilização do Título 42 para devolver as famílias com crianças, estabelecendo um prazo de duas semanas para a administração cumprir. A administração Biden está a recorrer dessa decisão.

Enquanto a administração Biden defende a utilização do Título 42 como medida de segurança pública para travar a propagação da covid-19, médicos e defensores dos imigrantes acusaram que tal posição é simplesmente um pretexto para tirar rapidamente os imigrantes do país, sendo o exemplo mais recente aqueles que se abrigam sob a ponte internacional no porto de entrada de Del Rio.

Os defensores dos imigrantes afirmaram que continuarão a lutar em tribunal para pôr fim ao Título 42, afirmando que é particularmente cruel aplicá-lo neste caso, uma vez que o Haiti ainda está a recuperar de um recente terramoto e tumulto político na sequência do assassinato de Jovenel Moïse, no qual as agências norte-americanas terão estado alegadamente envolvidas.

Assim, a administração Biden luta nos tribunais para preservar uma das políticas fronteiriças mais odiadas da administração Trump.

Isto não é surpreendente considerando que o número de imigrantes detidos pela Immigration and Customs Enforcement (ICE) aumentou em 70% sob o mandato de Biden. Quando tomou posse, o número de imigrantes sob custódia federal estava a um mínimo de 20 anos.

Desde o último trimestre de 2001 até ao presente, mais de 5,8 milhões de pessoas foram encarceradas nas prisões de imigração dos EUA.
Não só o número de detidos em questão está a aumentar, como as crianças continuam presas, quase 15.000 por dia, em instalações e bases militares de grande escala. Estas condições têm sido exacerbadas pela pandemia. Os críticos do ICE alegam que pouco tem feito para manter a covid-19 à distância, espalhando infecções não só dentro das prisões de imigração, mas também nas comunidades vizinhas e para outros países através das deportações de milhares de imigrantes.

POLÍTICA EXTERNA A LA CARTE
É verdade que o tom de Donald Trump foi sempre beligerante em relação aos assuntos internacionais, mas ele fez o seu melhor para não iniciar quaisquer novas guerras (embora o assassinato do General Qassem Soleimani em Janeiro de 2020, o furto flagrante de petróleo sírio e o apoio aos sauditas contra o Iémen tenha sido um incitamento ao mesmo no Sudoeste Asiático).

Não sabemos se Biden planeia estabelecer quaisquer novas guerras, para além do pivot para a contenção militar asiática (China-Rússia), mas é verdade que ele cumpriu o mandato estabelecido por Donald Trump para deixar o Afeganistão com os Taliban a tomar as rédeas do governo, acordado em Fevereiro de 2020.

Tanto Biden como Trump foram, durante vários anos, contra a então longa ocupação do Afeganistão; que ambos fizeram da retirada dos EUA desse território geopolítico chave um objectivo da sua administração mostra claramente uma continuidade de políticas na área internacional e militar.

De facto, a administração Biden moveu-se unilateralmente, tal como o seu antecessor, tanto no Afeganistão como noutras arenas, e foi criticada pelos seus pares europeus e mesmo no seio da OTAN, uma vez que os EUA tomaram medidas descoordenadas com os seus aliados em diferentes arenas.

Por exemplo, o anúncio surpresa de um acordo dos EUA, juntamente com a Grã-Bretanha, para ajudar a Austrália a construir submarinos movidos a energia nuclear a serem utilizados contra a China nos próximos anos, provocou a indignação dos franceses, que perderam um contrato lucrativo de 66 mil milhões de dólares para o fornecimento de submarinos movidos a diesel.

Neste caso, diz o jornalista e analista Patrick Cockburn num artigo publicado há alguns dias, “Biden comportou-se na verdadeira tradição Trump de causar maior indignação a um aliado do que consternação a um potencial inimigo”.

“Esta decisão brutal, unilateral e imprevisível faz-me lembrar muito do que o Sr. Trump costumava fazer”, disse o Ministro dos Negócios Estrangeiros francês Jean-Yves Le Drian. “Estou zangado e amargo. Isto não se faz entre aliados. É realmente uma facada nas costas”.

Tanto a retirada precipitada dos EUA do Afeganistão como o novo acordo entre os EUA, Reino Unido e Austrália (chamado AUKUS) são uma imagem clara do que Cockburn descreve:

“Biden, que estava cheio de retórica ‘América está de volta’ no início da sua presidência, está agora a tratar alguns dos seus aliados com a mesma arrogância que Trump alguma vez tratou”.

Existem também outras áreas em que Biden parece estar a seguir as políticas de Trump, tais como a sua relutância em aderir de novo ao acordo nuclear iraniano da JCPOA, que prometeu fazer, e que já deveria ter feito se fosse essa a sua vontade. A eleição de Ebrahim Raisi para a presidência da República Islâmica da linha dura foi uma reacção a isto: o fracasso de Biden em aderir ao acordo.

Agora o governo iraniano está em posição de assumir a liderança em possíveis negociações nucleares num futuro próximo, graças ao Trumpismo de Biden.

Poder-se-ia também argumentar que, independentemente de quem se sentar na cadeira presidencial na Sala Oval, a política externa dos EUA será dominada por outras forças que não representam e apoiam precisamente a diplomacia e o direito internacional, tais como o complexo militar-industrial e os decisores nas agências de segurança e inteligência do tipo CIA e ANS. Este tem sido o caso pelo menos desde alguns anos antes da era Eisenhower, que alertou para os grandes contratos militares que o governo federal e o Congresso estavam a celebrar com grandes empresas privadas, ainda hoje beneficiárias das intermináveis guerras dos EUA.

Mas vale a pena notar que existe uma continuidade, e não uma pausa, como o New York Times e outros meios de comunicação social do império americano, que pode ser vista como um legado de como as coisas são feitas na Casa Branca dos últimos tempos, nas vésperas de um mundo cada vez mais multipolar.

Extraído da Missão Verdade

Graças ao Piquete do CON FILO, com programas como este a guerra é ganha, não há mais mentiras.

#DerechosHumanos #ManipulacionPolitica #SubversionContraCuba

Onde estão os defensores dos direitos humanos aqui?#Europa #DerechosHumanos #Cuba #EstadosUnidos

#Europa #DerechosHumanos #Cuba #EstadosUnidos

O que pode a Europa ensinar a Cuba: liberdades, ou repressão .

#UnionEuropea #DerechosHumanos #Democracia #EstadosUnidos #InjerenciaDeEEUU

Por José Manzaneda

O Parlamento Europeu aprovou uma condenação de Cuba pela “extrema violência e repressão contra manifestantes pacíficos” durante os protestos de Julho (1).

“Repressão brutal” na ilha, diz a imprensa europeia (2). Mas se observarmos mais de perto as dezenas de vídeos publicados sobre esses incidentes (3) (4) (5), e desligarmos o som da narração, o que é que vemos realmente? Uma polícia cubana mal treinada que dá uma resposta morna às agressões (6), e cujas expressões mais violentas são quase infantis em comparação com as acções de muitas polícias em todo o mundo. Para começar, os da própria Europa (7).

A verdadeira brutalidade policial tem sido praticada, em mais do que alguns cenários de protesto, pela polícia espanhola, por exemplo (8). A sua intervenção contra o referendo na Catalunha em 2017 feriu cerca de 800 pessoas (9). O Tribunal dos Direitos Humanos de Estrasburgo emitiu dez condenações contra Espanha por não ter investigado queixas – mais de cinco mil casos documentados – de tortura policial e maus-tratos (10). Onde estão as condenações do Parlamento Europeu?

Falam-nos de detenções em Cuba por “demonstrarem pacificamente a sua liberdade de expressão” (11). Isto é falso. Ninguém nega que houve excessos ou acções irregulares -severificando-as investigadas pelo Ministério Público Militar-, mas em geral as operações policiais responderam não a protestos pacíficos, mas a ataques com pedras e cocktails molotov (12), e a assaltos e roubos de bens públicos (13).

O Parlamento Europeu nunca condenou o governo da Colômbia (70 mortes devido à repressão nos protestos de Abril) (14), o do Chile (34 mortes nos protestos de 2019) (15), ou o governo golpista provisório da Bolívia, que causou 32 mortes (16). Neste último caso, o Parlamento Europeu reconheceu o golpe como um governo legítimo e, meses mais tarde, denunciou a detenção do presidente como “arbitrária e ilegal” (17). O Parlamento Europeu também não condenou, em 2020, a acção policial nos EUA durante os protestos da Black Lives Matter, que resultaram em 30 mortes e 14.000 detenções (18).

A UE tem acordos de comércio e cooperação extensivos com todos estes países. Mas agora o seu Parlamento – nas mãos dos aliados de direita de Washington – apela à destruição do Acordo de Diálogo e Cooperação UE-Cuba devido a uma prática policial claramente menos repressiva do que a de todos esses países (19).

Falam-nos do assédio em Cuba aos “vencedores do Prémio Sakharov” como Guillermo Fariñas (20). Mas o que aconteceria a este último se, como europeu, confessasse na imprensa que estava a negociar com o governo dos EUA uma intervenção militar no seu país (21)? Ele já teria estado na prisão há muito tempo. Mas em Cuba, além de ser preso durante algumas horas, não lhe acontece absolutamente nada (22).

Os protestos em Cuba foram o resultado previsível de uma situação muito prolongada de dificuldades materiais, apagões, falta de medicamentos e alimentos, escassez de transportes e longas filas de espera. Mas nem o Parlamento nem os meios de comunicação social europeus explicam as suas causas. Por um lado, uma brutal guerra económica dos EUA, com 243 sanções nos últimos quatro anos, que dinamizaram cada uma das fontes de rendimento do país (acordos médicos internacionais, viagens dos EUA, remessas da emigração…) e que deixaram a ilha praticamente sem combustível, através de sanções ao seu principal fornecedor, a Venezuela, e às companhias de navegação de países terceiros (23). Por outro lado, a pandemia levou ao encerramento da única fonte de rendimento restante do país, o turismo. E finalmente, uma campanha de um milhão de dólares nos meios de comunicação social, financiada por agências federais dos EUA, para mobilizar um sector ainda pequeno mas já visível da população da ilha contra o governo cubano (24). Uma campanha na qual, a fim de inflar a imagem da repressão, inúmeras histórias falsas foram utilizadas para transformar as acções policiais no Brasil (25), África do Sul (26) e República Dominicana (27) em imagens de Cuba.

De qualquer modo, o equilíbrio não poderia ter sido mais “pírrico, vil e vil”, como o presidente do México denunciou há alguns dias, com cujas palavras de mestre nos despedimos: “É errado que o governo dos Estados Unidos utilize o bloqueio para impedir o bem-estar do povo cubano para que, forçados por necessidade, tenham de enfrentar o seu próprio governo. Se esta estratégia perversa fosse bem sucedida – algo que não parece provável dada a dignidade a que nos referimos – repito, se fosse bem sucedida, tornar-se-ia um triunfo pírrico, vil e desprezível. Uma dessas manchas que não pode ser apagada mesmo com toda a água dos oceanos” (28).

Quem ganhou as guerras no #Iraque e no #Afeganistão ?

#EUA #OTAN #ONU #DerechosHumanos #Democracia #Terrorismo #Afganistan #Irak

Por Redacción Razones de Cuba

Durante a guerra de 20 anos contra o Afeganistão, os EUA gastaram mais de 2,2 triliões de dólares em armas. Numa outra guerra, a guerra do Iraque, o Pentágono gastou mais de 1,7 triliões de dólares desde o seu início, em Março de 2003. Em ambos os países, mais de um milhão de pessoas já morreram nos combates e a destruição material inclui danos extensivos a Sítios do Património Mundial.

E tanto no Iraque como no Afeganistão, e acrescentamos a Líbia, também atacada por Washington e pela OTAN, a situação do pós-guerra é de instabilidade, grande afetação económica e social e apropriação dos seus recursos.

Enquanto isto acontece, a despesa militar mundial no ano passado foi de quase dois triliões de dólares, como denunciou o Primeiro Secretário do Partido Comunista de Cuba e Presidente da República, Miguel Díaz-Canel, perante a Assembleia Geral da ONU. “Quantas vidas teriam sido salvas se esses recursos tivessem sido atribuídos à saúde ou à produção e distribuição de vacinas”, perguntou ele. Argumentou: “As respostas possíveis a essa questão residem numa mudança de paradigma e na transformação de uma ordem internacional profundamente desigual e antidemocrática.

Os exemplos do que aconteceu no Iraque, como no Afeganistão, mostram que os únicos vencedores nestes conflitos foram o Complexo Industrial Militar e os contratantes privados que, sob a égide da CIA ou do Pentágono, enviam dezenas de milhares de mercenários para apoiar e fazer parte dos contingentes militares mobilizados por Washington e pela OTAN.

Quando o Pentágono, sob as ordens do então presidente George W. Bush, se lançou contra o Iraque com milhares de militares e meios de guerra que incluíam armas proibidas como o uso de urânio empobrecido nas suas bombas e foguetes, uma grande parte do investimento multimilionário dedicado à guerra foi parar às mãos de empresas privadas ou contratantes.

Sob o nome Blackwater, a empresa que era considerada o principal exército mercenário do mundo teve mesmo de mudar o seu patronímico face ao óbvio descrédito após o seu envolvimento no assassinato de civis – incluindo crianças iraquianas – e na tortura.

Em 2004, na cidade martirizada de Fallujah, quatro dos seus mercenários foram executados e enforcados na ponte à entrada da cidade, acção reivindicada pela resistência iraquiana, após o assassinato de 17 civis por estes empreiteiros.

Para o trabalho genocida na nação iraquiana, as empresas privadas contratadas receberam, só nos primeiros anos da guerra, mais de 85 mil milhões de dólares, de acordo com dados do Congresso dos EUA.

No Afeganistão, de onde as tropas dos EUA e da OTAN acabam de se retirar em derrota após 20 anos de guerra, os únicos vencedores têm sido os mesmos: empreiteiros privados e o Complexo Industrial Militar dos EUA.

Dos 2,3 triliões de dólares que esta guerra injusta custou aos contribuintes americanos, estima-se que pouco mais de um trilião de dólares foi para as várias empresas privadas que contrataram milhares de mercenários. As empresas com os maiores contratos no Afeganistão, segundo estimativas de Haidi Peltier, director do projecto “20 Anos de Guerra” da Universidade de Boston, citado pela bbc, foram: “14,4 mil milhões-Dyncorp International, 13,5 mil milhões-Fluor Corporation, 3,6 mil milhões-Kellogg Brown Root (kbr), 2,5 mil milhões-Raytheon Technologies e 1,2 mil milhões-Aegis llc”.

Os números cobrem essencialmente o período 2008-2021. Acrescente-se a isto que, entre 2008 e 2017, os EUA perderam, por utilização indevida ou fraude, cerca de 15,5 mil milhões de dólares destinados à reconstrução no Afeganistão, de acordo com o The New York Times.

Senil e um mentiroso .

#ONU #ManipulacionPolitica #JoeBiden #EEUUBloquea #NED #USAID #CIA #GuerraFria

Por Arthur González

O primeiro discurso do Presidente Joe Biden na 76ª Assembleia Geral da ONU, a 21 de Setembro de 2021, mostrou o estado lamentável da sua saúde mental, estando errado em 20 ocasiões de acordo com a própria Casa Branca e mentindo, sem o menor sinal de vergonha, sobre a posição dos Estados Unidos, como se no mundo de hoje houvesse apenas analfabetos políticos e cretinos.

Um dos seus protestos foi quando disse: “não estamos interessados numa nova Guerra Fria com países autoritários como a China, nem estamos interessados num mundo dividido em blocos rígidos”.

Se o que os EUA estão a fazer contra o gigante asiático e a Rússia, acusando-os constantemente de factos falsos, impondo-lhes sanções, demonizando-os aos olhos do público e chamando assassino ao Presidente Vladimir Putin, não é uma guerra fria, então o que é?

A sua mais recente acção contra a França, ao assinar um novo acordo para a formação de outro bloco militar com o Reino Unido e a Austrália, AUKUS, para a venda de submarinos nucleares à Austrália, é a prova irrefutável de que os Yankees não têm qualquer ética, continuarão a dividir o mundo em blocos para ameaçar a paz, numa área próxima da China e da Coreia do Norte.

Na sua manobra para esconder a verdade do seu regime imperialista, disse Biden:

“O futuro pertencerá àqueles que abraçam a dignidade humana, não àqueles que a espezinham e àqueles que procuram asfixiar o seu povo com uma mão de ferro”.

Será que o velho presidente pensa que a população mundial esqueceu o que a polícia norte-americana fez para reprimir os negros face às manifestações sobre o assassinato vicioso de George Floyd e o ocorrido durante os protestos de rua em Agosto de 2014, quando Michael Brown foi morto por um polícia branco em Ferguson, Missouri?

Os Yankees não têm respeito pela dignidade humana, e põem qualquer tentativa de protesto em massa com armas, em violação dos direitos humanos e da tão apregoada democracia que exigem dos outros.

Enquanto Biden falava na ONU e demonizava Cuba e Venezuela, os guardas fronteiriços do estado do Texas a cavalo davam uma lição de “democracia e respeito pela dignidade humana”, distribuindo chicotadas aos haitianos que tentavam pedir asilo nos EUA, cenas semelhantes às dos esclavagistas do século XIX. No entanto, não houve qualquer condenação por parte do Departamento de Estado, muito menos do Parlamento Europeu ou da OEA, desta situação execrável.

Nas suas muitas mentiras, Biden assegurou o fim da guerra fria, mas omitiu mencionar os milhares de milhões de dólares que o seu regime atribui anualmente às ONG de fachada da CIA, NED e USAID, entre outras, para subverter a ordem interna em países que têm governos inenarráveis, sujeitos a guerras comerciais, económicas e financeiras, juntamente com actos de terrorismo perpetrados pelos Ianques para impedir o seu desenvolvimento, como fazem contra Cuba e Venezuela.

O presidente idoso demonstrou muita demagogia no seu discurso aos participantes na 76ª Assembleia Geral da ONU, relativamente ao confronto com o Covid-19 e as alterações climáticas, esquecendo a má gestão da Casa Branca em ambas as questões, incluindo medidas que dificultam os planos de outras nações, entre elas a forte oposição ao levantamento das sanções económicas e financeiras contra Cuba e Venezuela, para que não possam adquirir medicamentos e equipamento para os doentes do Covid.

Enquanto afirma combater o terrorismo, dá total apoio aos grupos terroristas que actuam a partir da Colômbia contra a Venezuela, e recentemente libertou da prisão o famoso terrorista cubano, Eduardo Arocena, condenado a duas penas de prisão perpétua pelo assassinato de pelo menos duas pessoas, uma delas um diplomata cubano para a ONU, e a plantação de 100 bombas que explodiram dentro dos Estados Unidos, segundo o FBI.

Nem mostrou uma posição a favor de um diálogo respeitoso com o Irão sobre o acordo nuclear que os EUA abandonaram por arrogância imperial.

Quando disse que “o futuro pertencerá àqueles que abraçam a dignidade humana, não àqueles que a espezinham e tentam sufocar o seu povo com mão de ferro”, deveria ter condenado Israel pelo nome, por massacrar constantemente o povo palestiniano, assassinar civis indefesos, prender menores e roubar parte do seu território, sem respeitar as resoluções da ONU.

Para este aliado incondicional dos Yankees, não há sanções ou guerras económicas e financeiras, pelo contrário, há apoio e muito dinheiro.

Também não pediu desculpa ao povo afegão pelo assassinato de milhares de cidadãos e pela destruição e miséria deixadas naquele país por vinte anos de uma invasão injustificada, desrespeitando o mundo ao dizer que “os Estados Unidos renovaram o seu compromisso de combater a fome no mundo, através da ajuda alimentar e da promoção da saúde”, quando as suas tropas e a sua política de interferência apenas provocam o contrário, algo que se pode verificar observando as imagens das cidades destruídas pelas bombas ianques na Síria, Líbia, Iémen e Afeganistão.

A situação actual na América Latina é mais uma prova de que as políticas neoliberais promovidas a partir de Washington são a causa fundamental dos milhares de emigrantes que fogem do capitalismo selvagem e dos protestos brutalmente reprimidos no Chile, Colômbia e Brasil.

Em contraste com o discurso demagógico de Biden, o Secretário-Geral da ONU Antonio Guterres, numa análise objectiva e real, afirmou na abertura da Assembleia Geral:

“O mundo nunca esteve tão ameaçado ou tão dividido […] receio que estejamos a deslizar para dois conjuntos diferentes de factores económicos, comércio, normas financeiras e tecnológicas, duas abordagens divergentes para o desenvolvimento da inteligência artificial e, em última análise, duas estratégias militares e geopolíticas. Uma receita para um conflito muito menos previsível do que a Guerra Fria”.

Antes de apontar o dedo a outras nações, Biden deveria trabalhar para eliminar a violência armada que abala o seu próprio país, que aumentou 9% em relação a 2020, acumulando até à data 14.516 fatalidades, uma situação que se tornará a pior do século, algo que o velho presidente também não vê.

Foi por isso que José Martí se expressou:

“Ancha tumba constrói com as suas próprias mãos os males”.

Cuba é uma democracia .

#RevolucionCubana #CubaSoberana #CoCubaNoTeMetas

Por: Pedro Miguel

Estou farto de ler que Cuba é uma ditadura, por isso escrevi algumas notas para provar que não é: pelo contrário, a democracia reina em Cuba. Vejamos:

Em democracias representativas como a Grã-Bretanha e Espanha, o chefe de Estado não é eleito pelo povo: o cargo é hereditário.

Tal como nesses países, na Alemanha e noutras repúblicas parlamentares, o chefe de governo é eleito, mas não directamente: os eleitores votam nos representantes e são os representantes que elegem o chefe de governo.

O mesmo é verdade em Cuba: de 5 em 5 anos os cidadãos elegem os membros da Assembleia Nacional do Poder Popular de 605 membros. A constituição declara que é “o órgão supremo do poder estatal” e representa “todo o povo e expressa a sua vontade soberana”.

A Assembleia Nacional do Poder Popular elege de entre os seus deputados aqueles que compõem o Conselho de Estado, “o órgão que o representa entre sessões, executa as suas resoluções e desempenha as outras funções que a Constituição e a lei lhe atribuem”.

Esta assembleia elege também o Presidente e o Vice-Presidente e nomeia, sob proposta do Presidente, o Primeiro-Ministro e os membros do Conselho de Ministros; elege o Presidente do Supremo Tribunal e os seus juízes, o Procurador-Geral da República, a Controladoria-Geral da República e outros funcionários.

Todas as pessoas com 16 anos ou mais têm o direito de votar livremente, igualmente, directamente e por escrutínio secreto. Todos têm o direito de votar. Os candidatos não são nomeados pelos partidos, mas por assembleias de bairro ou de circunscrição e organizações sociais. Qualquer pessoa pode nomeá-los.

As assembleias são obrigadas a equilibrar o género, a cor da pele e o fundo social para assegurar uma representação justa e pluralista.

Nas assembleias, são apresentadas as qualidades dos nomeados e os participantes decidem por maioria de votos através de uma votação por braço erguido sobre as nomeações.

As campanhas eleitorais são proibidas; as fotografias e curricula vitae dos candidatos são simplesmente divulgadas e realizam reuniões com os eleitores nos locais de trabalho, cooperativas, escolas, etc.

Para ser eleito, é necessária uma maioria absoluta; se nenhum dos candidatos atingir metade mais um dos votos válidos, os dois com mais votos vão para uma segunda volta.

A partir de 1993, Fidel e Raúl Castro submeteram-se periodicamente ao veredicto dos eleitores. Concorreram como candidatos a deputados e venceram invariavelmente nos seus respectivos distritos.

As urnas eleitorais são guardadas por crianças e jovens pioneiros, seladas no final da votação e depois contadas publicamente. Os correspondentes dos meios de comunicação social nacionais e estrangeiros, membros do corpo diplomático e até turistas podem testemunhar as recontagens.

Os deputados são responsáveis pelo seu desempenho e podem ter os seus mandatos revogados em qualquer altura. Os deputados ao serviço não recebem uma remuneração monetária superior aos salários que tinham antes de entrarem para a Assembleia Nacional do Poder Popular. Este modelo tem prevalecido em Cuba nas eleições de 1976, 1981, 1986, 1993, 1998, 2003, 2003, 2003, 2008, 2013 e 2018.

Qualquer pessoa pode tornar-se deputado da Assembleia Nacional do Poder Popular, desde que consiga ganhar o apoio da sua assembleia. E qualquer pessoa pode tornar-se membro do Conselho de Estado e presidente da república, desde que consiga obter o apoio dos seus pares no mais alto órgão do poder político.

O Partido Comunista Cubano não tem carácter eleitoral; não nomeia ninguém e é um mito que todos os aspirantes a uma deputação têm de lhe pertencer.

Em suma, o lugar-comum que Cuba vive sob uma ditadura é um embuste. Em Cuba existe uma democracia sem partidos, o que não é a mesma coisa, e o poder é governado por uma constituição e um quadro legal bem definido.

É verdade que o artigo 62 da Constituição estabelece o carácter socialista do Estado cubano e a impossibilidade de alterar esta característica. Mas algo semelhante acontece em Espanha e noutros países europeus, onde não existe o direito de erradicar as monarquias por meios democráticos ou legais. No entanto, isto não significa que os meios de comunicação ocidentais estejam a lixar cerca de 24 horas por dia com a ideia de que estes são regimes ditatoriais.

E é tudo.

Tirada de CubaDebate

Yomil coloca vários reguetoneros em crise. El #GuerreroCubano destrói Otaola em #Cuba.

#RedesSociales #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #Africa #DerechosHumanos #Covid-19 #VacunasCubanas #ElBloqueoEsReal

López Obrador exige desculpas no seu discurso no grito de independência do México.

#AMLO #España