O final da OEA .

#OEA #EstadosUnidos #ManipulacionPolitica #ElCaminoEsLaPaz #CELAC

Um fim ao domínio da OEA na América Latina? O México acolhe uma nova cimeira Celac marcada por lideranças progressistas .

#CELAC #OEA #AMLO #CubaEnMexico #ElCaminoEsLaPaz #PuentesDeAmor

A sexta cimeira da Comunidade dos Estados da América Latina e Caraíbas (CELAC) terá lugar este fim-de-semana na Cidade do México, com a presença de 17 chefes de estado ou de governo, dois vice-presidentes e delegações de todos os países membros.

Entre os presidentes que já confirmaram a sua participação estão o argentino Alberto Fernández, o equatoriano Guillermo Lasso, o cubano Miguel Díaz-Canel, o costa-riquenho Carlos Alvarado e o uruguaio Luis Lacalle Pou, bem como o líder do país anfitrião, Andrés Manuel López Obrador.

O Celac foi formado em 2010 pelos 33 países da região com o objectivo de promover uma agenda latino-americana e caribenha e acordar passos concretos para a integração regional.

¿Fin al dominio de la OEA sobre América Latina? México acoge una nueva cumbre de la Celac marcada por los liderazgos progresistas

Na sua fundação, impulsionada por uma onda de governos progressistas, produziu uma mudança política continental, devido à sua tentativa de substituir a Organização dos Estados Americanos (OEA) em importância multilateral, excluindo os EUA e o Canadá e incluindo Cuba, que foi expulsa da primeira em 1962.

Contudo, em meados da década, a chegada dos governos de direita, bem como a morte em 2013 do seu principal promotor, o Presidente venezuelano Hugo Chávez, produziram um enfraquecimento significativo que o levou a desvanecer-se no mapa político do continente. Foi em Janeiro de 2017 quando se realizou a sua última cimeira em Punta Cana (República Dominicana).

O Celac regressa com uma OEA enfraquecida e com novas lideranças regionais como a do presidente anfitrião, Andrés Manuel López Obrador, e mudanças nos governos de países importantes como o Peru e a Argentina.

Nesses anos, a OEA tomou um novo sopro de ar fresco. Com a assunção de Luis Almagro como secretário-geral, levou a cabo uma vigorosa acção contra os governos da Bolívia e da Venezuela da qual não saiu bem devido aos resultados embaraçosos de ambas as campanhas: um golpe de Estado no primeiro (cujo executor Jeanine Añez está na prisão) e a imposição de um bloqueio financeiro e de um governo interino no segundo (cujo executor Juan Guaidó teve de restabelecer as negociações com o governo existente apesar da recusa de Almagro).

Agora, o Celac regressa com uma OEA enfraquecida e com a emergência de novas lideranças regionais como a do presidente anfitrião, Andrés Manuel López Obrador, e as mudanças de sinal nos governos de países importantes como o Peru e Argentina .

López Obrador tem sido um apoiante entusiasta do Celac e é possível que o seu papel como anfitrião lhe permita dar-lhe um impulso.

A 24 de Julho, o presidente mexicano foi particularmente duro nas suas críticas a Almagro e na sua abordagem à OEA, anunciando que pretendia conceber um plano para substituir a organização por um “organismo verdadeiramente autónomo” que fosse “o lacaio de ninguém”.

Revitalizou também o corpo. A 7 de Setembro, e pela primeira vez desde 2014, todos os países tomaram uma posição conjunta no Dia Internacional contra os Testes Nucleares. A presidência pro tempore do México tirou o Celac do seu silêncio.

Independentemente dos resultados, o cenário servirá para visualizar os novos realinhamentos políticos na região.

Agora vem a Cimeira, e todos esperam um evento que assinalará uma mudança ideológica na região, mesmo que não radical, pelo menos altamente simbólica, e um compromisso conjunto com o futuro.

Agenda da Cimeira
O Secretário dos Negócios Estrangeiros do México, Marcelo Ebrard, indicou que a questão da pandemia estaria na vanguarda, mas que havia também dois projectos em cima da mesa: a criação de uma agência inter-espacial da América Latina e das Caraíbas e a criação de um fundo para catástrofes.

No entanto, o governo boliviano propôs discutir a questão da OEA e a necessidade de reforçar o CELAC.

A questão da pandemia é de particular importância, dado que apesar da gravidade económica e da morte de mais de um milhão de pessoas na região, nem a OEA nem o Celac (nem o Grupo de Lima) tentaram, pelo menos, coordenar políticas para abordar conjuntamente a situação.

Independentemente dos resultados, o cenário servirá para visualizar os novos realinhamentos políticos na região.

Ociel Alí López: Ociel Alí López é sociólogo, analista político e professor na Universidade Central da Venezuela. Ganhou o Prémio Municipal de Literatura 2015 com o seu livro Dale más gasolina e o prémio Clacso/Asdi para jovens investigadores em 2004. É um colaborador de vários meios de comunicação social na Europa, Estados Unidos e América Latina.

OEA em foco: décadas de duplicidade de padrões e interferência selectiva reacendem a controvérsia.

#OEA #EstadosUnidos #AmericaLatina #OTAN #GuerraFria #DerechosHumanos

Um golpe para o Grupo de Lima e a OEA .

#GrupoDeLima #OEA #EstadosUnidos #ManipulacionPolitica #AmeriocaLatina #Venezuela

Por Redacción Razones de Cuba

Peru: a investida reaccionária contra o recém-inaugurado Presidente, Pedro Castillo, não demorou muito a chegar. E ainda mais quando Héctor Béjar apareceu no gabinete como Ministro dos Negócios Estrangeiros, uma figura que a grande imprensa local e ocidental achou difícil de aceitar como um homem de esquerda, um antigo guerrilheiro, familiarizado com os governos progressistas da região e inimigo de sanções, bloqueios e interferências nos assuntos internos de outros Estados.

Assim que a nova administração foi instalada, Béjar anunciou que o seu governo estava a deixar o chamado Grupo Lima, um apêndice criado pela Organização dos Estados Americanos (OEA) para aplicar medidas de ingerência contra a Venezuela.

O ano 2017 estava a passar e a OEA pretendia dar o golpe final ao que chamou a “ditadura de Maduro”.

O principal inspirador de tais intenções, Luis Almagro, pretendia activar a Carta Democrática Interamericana contra a nação bolivariana, o que significava suspender o país como membro do bloco hemisférico e aumentar a pressão contra o governo de Nicolás Maduro.

O acordo do Secretário-Geral da OEA, a que se juntaram entusiasticamente os líderes da Colômbia, Iván Duque, o brasileiro Jair Bolsonaro, e o então presidente argentino Mauricio Macri, entre outros, fracassou e foi o próprio Almagro, numa reunião da sua organização realizada na capital peruana, que apelou à criação do “Grupo Lima”.

O presidente peruano na altura, Pedro Pablo Kuczynski, permitiu que esta monstruosidade da OEA levasse o nome da capital do seu país.

Pretendia-se cumprir à letra o mandato do governo de Donald Trump de pôr fim à Revolução Bolivariana, e para tal já tinham “fabricado” Juan Guaidó, a quem reconheceram como autoproclamado “presidente”, num dos mais miseráveis embustes da política externa dos EUA e da própria OEA em memória viva.

Foi neste contexto que Almagro não só levou o Guaidó a representar a Venezuela na OEA, como exortou o Grupo de Lima a sancionar o governo de Maduro.

Agora, com o peso que o novo governo peruano de Pedro Castillo pode ter na região, juntamente com a posição já repetidamente expressa pelo Presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, de que a OEA deveria ser substituída por outra instituição comprometida com os povos da América Latina e das Caraíbas, e as declarações no mesmo sentido do Presidente argentino Alberto Fernández, entre outros, a organização presidida pelo Sr. Almagro está a dar pontapés e a tentar sobreviver num cenário cada vez mais adverso.

A abolição do Grupo de Lima poderia ser o primeiro golpe nessa direcção.

Por que os EUA estão preocupados com a recente lei aprovada na Nicarágua?

#Nicaragua #DanielOrtega #MikePompeoCIA #DonaldTrumpCulpable #OEA #LuisAlmagro #Bolivia #EvoMorales #InjerenciaDeEEUU #ForaTrump #Manipulacion

Autor: Elson Concepción Pérez | internet@granma.cu

Poucos dias depois de o secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, pisar na poeira e deixar a Casa Branca para trás de Donald Trump, ele ousou exigir que o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, “mudasse de rumo” em seu país, e afirmou que “Washington não tolerará ameaças à democracia na Nicarágua.”

Esse homem parece esquecer os anos em que a Frente Sandinista e o Comandante Ortega lutaram com armas, até derrotar a ditadura de Anastasio Somoza, e depois, a dura batalha para fazer daquela nação centro-americana um exemplo de independência, com planos sociais que Eles promoveram não apenas o desenvolvimento econômico, mas levaram o país a excelentes taxas de saúde, educação e emprego.

Coronavirus: dónde está Daniel Ortega, el líder de Nicaragua que no aparece  en público - LA NACION

Pompeo poderia dedicar suas “preocupações” a encontrar uma solução para o sistema que representa, doente com metástases e com programa de saúde em coma.

Outros atores americanos atacaram a Nicarágua, como o congressista Albio Sires, que pediu uma “resposta internacional unificada” contra o governo nicaraguense.

Poucos dias antes das ameaças de Pompeo e do pedido do deputado Senhores, o Secretário-Geral da OEA, Luis Almagro, inspirou a campanha de denúncias contra a nação sandinista, chegando a exigir que o Presidente Ortega revogasse a lei recentemente aprovada democraticamente naquele país, com o título de Lei de Defesa dos Direitos dos Povos à Independência, Soberania e Autodeterminação para a Paz.

Especificamente, trata-se de exigir que a Nicarágua renuncie à sua soberania e permita que grupos pagos pelos Estados Unidos e apoiados pela OEA assumam o poder na nação sandinista.

Após o primeiro pronunciamento de Almagro, o embaixador do governo Trump junto à OEA, Carlos Trujillo, “deu todo o apoio de seu governo” à demanda contra Manágua.

A lei que “irritou” Pompeo, Almagro e outros personagens da mesma categoria, foi aprovada pela maioria dos membros da Assembleia Nacional daquele país, e se pronuncia para desqualificar aqueles que “ferem os interesses de supremo da nação, contemplado no ordenamento jurídico.

Daniel Ortega - Noticias, reportajes, vídeos y fotografías - Libertad  Digital

Segundo a Prensa Latina, a legislação, em seu artigo 1º, determina que “os nicaragüenses que liderarem ou financiarem um golpe de Estado, que alterarem a ordem constitucional, perderão o direito político de serem eleitos”.

Da mesma forma, essas limitações terão aquelas que “promovem ou encorajam atos terroristas, que realizam atos que minam a independência, a soberania e a autodeterminação, que incitam a ingerência estrangeira nos assuntos internos”.

Outros sujeitos aos quais o novo corpo jurídico poderá ser aplicado serão aqueles que “solicitarem intervenções militares, e se organizarem com financiamento de potências estrangeiras para realizar atos de terrorismo e desestabilização”.

Por fim, cita, entre os desqualificados, aqueles que “propõem e administram bloqueios de operações econômicas, comerciais e financeiras contra o país e suas instituições, aqueles que exigem, exaltam e aplaudem a imposição de sanções contra o Estado da Nicarágua e seus cidadãos ».

Luis Almagro, el candidato de Pompeo

Almagro, em seu ego servil ao império, encerrou sua declaração dirigida ao presidente da Nicarágua com uma oferta que caracteriza o próprio coração da instituição e de seu chefe: “a OEA está preparada para aconselhar sobre a realização de eleições livres, justas e transparentes”. .

Almagro parece pensar que na região o plano de golpe que a própria OEA, e ele pessoalmente engendrou, contra o governo de Evo Morales e as massas na Bolívia, que causou mortes e feridos e declínio econômico e social para aquela nação que viveu seus melhores anos.

#Cuba relatou ataque da #OEA contra colaboração médica.

“Cuba es pueblo que ama y cree, y goza en amar y creer.” José Martí

Cuba denunciou o novo ataque da Organização dos Estados Americanos (OEA), com Luis Almagro à frente, contra a colaboração médica internacional da ilha.

Esse órgão convocou para quarta-feira em Washington um fórum intitulado “A realidade sombria por trás das missões médicas cubanas” que tem o objetivo de desacreditar a participação de especialistas em saúde cubanos em programas sociais de países do Terceiro Mundo.

A conferência faz parte da campanha difamatória promovida pela Casa Branca para atacar a Revolução Cubana nas áreas em que mais desperta admiração, disse Johana Tablada, vice-diretora geral dos Estados Unidos do Ministério das Relações Exteriores.

O funcionário também definiu como embaraçoso a intenção de atacar uma atividade que beneficia milhões de seres humanos no mundo todos os dias, e faz parte dos esquemas de cooperação Sul-Sul, cobertos pelo Direito Internacional, pelos programas. das Nações Unidas e da Organização Mundial da Saúde.

Ao fazer isso, Almagro mais uma vez se coloca contra o povo e a serviço dos interesses mais reacionários do governo do presidente dos EUA, Donald Trump, e das oligarquias que o apóiam, disse ele.

Jorge Delgado, diretor da Unidade Central de Cooperação Médica do Ministério da Saúde Pública de Cuba, lembrou que, em 1963, começou uma ampla história de colaboração com nações carentes, na qual dezenas de milhares de profissionais participaram.

Ele afirmou que esses cooperadores oferecem voluntariamente seus serviços, movidos por uma convicção humanista, desinteressadamente, e assumem essa tarefa como um dever internacionalista genuíno.

O Dr. José Luis Aparicio, entretanto, rejeitou a qualificação de “escravos” que pretendem endossar médicos na ilha que prestam serviços em outros países, como parte da campanha de descrédito.

Somos apenas escravos do sagrado cumprimento do dever de salvar vidas e cuidar da saúde dos povos, cujos indicadores de saúde e satisfação hoje são a melhor evidência de solidariedade no sistema de saúde cubano.

Ambos os profissionais participam de um painel sobre cooperação médica da ilha, no Instituto Superior de Relações Internacionais “Raúl Roa”, como parte da edição XVIII da série de conversas Cuba-EUA, onde são discutidos os desafios. Relações atuais entre os dois países.

Fonte

OEA apresenta seu relatório final adiado sobre as eleições na Bolívia

O documento garante que uma quantidade “esmagadora” de evidências possibilite afirmar a existência de “operações maliciosas destinadas a alterar a vontade expressa nas pesquisas”.

Frente Amplio de Uruguay expulsa Luis Almagro de suas fileiras

"Una cosa es tener una posición política sobre la situación de Venezuela y otra bien distinta es militar activamente en contra de uno de los países", dijeron desde el FA.

Após a decisão do Tribunal de Conduta Política, a coalizão esquerdista do Uruguai, Frente Amplio, expulsou da aliança o Secretário Geral da OEA, Luis Almagro.

A Frente Ampla do Uruguai (FA) decidiu por unanimidade neste sábado expulsar de suas fileiras o Secretário-Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro.

A FA notou que essa decisão foi tomada após a decisão do Tribunal de Conduta Política (TCP) do grupo, depois que foi denunciado que Almagro, que até então pertencia à coalizão, manifestou consistentemente uma conduta intervencionista contra o governo. da Venezuela e seu presidente, eleito democraticamente, Nicolás Maduro.

Ver imagen en Twitter

Mateo Grille@mateoteleSUR

El @Frente_Amplio decidió expulsar de sus filas al Secretario General de la OEA, @ALMAGRO_OEA2015. La decisión fue tomada por unanimidad. @teleSURtv

72 personas están hablando de esto

Almagro foi expulso apenas da Frente Ampla porque concordou em contar com o apoio da FA e do governo (do Uruguai) com um perfil de gestão diametralmente oposto ao que ele desempenha hoje na OEA “, disse o vice-presidente da FA, José Carlos Mahía.

“Uma coisa é ter uma posição política sobre a situação na Venezuela ou em outros países da América Latina, e é muito diferente, de uma posição que deve gerar consenso nas Américas, ativamente militarmente contra um dos países e, além disso, com visões totalmente funcionais àquelas dos próprios Estados Unidos, e nas quais havia até simpatia por uma eventual invasão “, disse Mahía.

Ver imagen en Twitter

Frente Amplio

@Frente_Amplio

Plenario Nacional resolvió los 17 casos del Tribunal de Conducta Política.
Información en: https://bit.ly/2EmNCpE 

130 personas están hablando de esto

Além disso, o vice-presidente da FA criticou o “estilo desqualificador e virulento” que o secretário-geral da OEA revelou nos últimos meses. “Capaz de pensar em particular o que faz hoje”, especulou.

Por sua parte, Luis Almagro enviou uma carta à FA, depois de saber que ele seria submetido à decisão da coalizão do TCP e quando a votação ainda não havia ocorrido, onde ele disse que foi julgado sem “acesso ao devido processo legal”.

Video insertado

Luis Almagro

@Almagro_OEA2015

Mensaje respecto a la carta abierta personal que envié hoy al tribunal de conducta política del Frente Amplio

4.750 personas están hablando de esto

Na carta, o advogado disse que “ele tem diferenças irreconciliáveis com a FA que se baseiam – em sua opinião – em princípios fundamentais de direitos humanos e democracia”.

Somado à expulsão de Almagro, o TCP também decidiu desestabilizar politicamente até o ano de 2020 o ex-vice-presidente, Raúl Sendic (2015-2017), por estar imerso em casos de corrupção.

> Frente Amplio Uruguayo anuncia voto para expulsar Almagro

 

%d bloggers like this: