Nicarágua: Argentina, os EUA virão por si a seguir.

#AmericaLatina #ManipulacionPolitica #OEA #EstadosUnidos #Argentina #Nicaragua

Por Redacción Razones de Cuba

É por isso que eles estão tão preocupados. Não devemos esquecer que o governo nicaraguense, juntamente com o governo chinês, está a construir o segundo canal interoceânico do continente.

Após sucessivas derrotas dos EUA na Nossa América, o império está a tentar concentrar a sua artilharia contra a Nicarágua. O objectivo é evitar as eleições presidenciais de Novembro: criar todo o tipo de notícias falsas, encorajar o descontentamento social, etc.

Para este fim, o imperialismo conta com a oligarquia parasitária nicaraguense: os partidos de direita, alguns deles vindos do Sandinismo e, como sempre, da OEA, apesar de ser moribundo.

O problema da Nicarágua não é uma questão menor; tem repercussões em toda a América Central e nas Caraíbas. Tem uma importância geopolítica da primeira ordem. Politicamente, o próximo triunfo do Sandinismo e possivelmente a vitória histórica do candidato esquerdista Xiomara Castro nas Honduras poderia tornar-se mais uma derrota dos EUA.

Ortega afirma que las recientes detenciones en Nicaragua fueron por atentar  contra la seguridad - 24.06.2021, Sputnik Mundo

É por isso que eles estão tão preocupados. Não devemos esquecer que o governo nicaraguense, juntamente com o governo chinês, está a construir o segundo canal interoceânico do continente.

Na Argentina, Alberto Fernández teve uma posição hesitante sobre a Nicarágua, talvez ele não compreenda o conselho de Brecht quando disse “Primeiro eles vieram pelos comunistas e eu não disse nada porque eu não era um…”. É evidente que agora vêm também para Alberto Fernández e para o governo democrático da Argentina.

Alberto Fernández e Andrés Manuel López Obrador (AMLO), Argentina e México chamaram os seus embaixadores na Nicarágua para consulta em repúdio às violações dos direitos humanos alegadamente cometidas na Nicarágua.

Alberto Fernández ordenou a Felipe Solá que fizesse o mesmo com Daniel Capitanich, que representa os interesses diplomáticos argentinos em Manágua.

A decisão de chamar o Embaixador Capitanich para consulta é o epílogo de uma sucessão de acções diplomáticas ordenadas por Alberto Fernández que Daniel Ortega rejeitou. O presidente deu instruções a Capitanich para visitar os “presos políticos” nicaraguenses e depois Felipe Solá solicitou a libertação imediata destes “presos políticos”.

Esta atitude é desrespeitosa de um tipo diferente de diplomacia, como o Ministro dos Negócios Estrangeiros peruano Héctor Béjar salientou no seu discurso de tomada de posse nos últimos dias.

É antiético e até imoral para a Argentina pedir a libertação dos “presos políticos” nicaraguenses, quando na Argentina ainda temos presos políticos da luta anti-neoliberal contra o Macrismo.

Em consequência desta situação, o governo nicaraguense recordou também recentemente o seu embaixador Orlando José Gómez para consulta.

Não seria mau se Daniel Ortega desse instruções ao representante diplomático nicaraguense em Buenos Aires para visitar Milagro Sala, Luis D’ Elia e o resto dos prisioneiros políticos argentinos.

Extraído da Telesur

#Venezuela, #Nicarágua e #Cuba como navios de bandeira da esquerda.

#EstadosUnidosBloquea #ElBloqueoEsReal #UnionEuropea #EliminaElBloqueo #Nicaragua #Venezuela #Cuba Sanciones #Russia #China #Washington #ALBA-TCP #CELAC

Alba-TCP exige levantamiento de medidas coercitivas.

#AmericaLatina #Ecuados #Venezuela #Nicaragua #Cuba #EstadosUnidos #Sanciones #InjerenciaDeEEUU #cOVID-19 #sALUDmUNDIAL #eCONOMIA #PoliticaExterior

O governo venezuelano recebeu inúmeros sinais de apoio e solidariedade, inclusive da Rússia, China e do Congresso Nacional Africano, em face da agressão americana.

O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, expressou sua gratidão ao Congresso Nacional Africano (CNA), partido governante da África do Sul, que condenou os novos ataques do governo dos Estados Unidos (EUA) contra o país sul-americano.

En la imagen de archivo, aparecen líderes del gobernante Congreso Nacional Africano (CNA) de Sudáfrica.

Em uma mensagem em sua conta na rede social do Twitter, o ANC publicou uma declaração na qual condenava o intenso ataque do governo do presidente dos EUA, Donald Trump, “contra o povo da Venezuela e seu governo eleito democraticamente”.

Em outro tweet, Arreaza expressou: “Agradecemos ao histórico Congresso Nacional Africano de Nelson Mandela, líder da aliança que governa na África do Sul, por sua solidariedade com o povo e o governo da Venezuela diante da agressão americana”.

Juntos derrotaremos o imperialismo! Ngiyabonga !! (Obrigado em Zulu) ”, disse o ministro das Relações Exteriores da Venezuela.

Caracas sustenta que as agressões que Washington está enfrentando têm o objetivo de derrubar o governo bolivariano.

O governo Trump ofereceu uma recompensa milionária ao presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e a outros líderes do país sul-americano, acusados de supostos laços com o narcotráfico, além de propor uma “oferta” para formar um governo de transição, que foi rejeitado pelas autoridades venezuelanas.

O governo venezuelano recebeu nos últimos dias inúmeros sinais de solidariedade, incluindo o da Rede de Defesa da Humanidade (REDH) e as autoridades da Rússia e China, entre outros.

Cuba ajuda outros países a parar a covid-19 enviando brigadas médicas

Dada a ameaça que esta pandemia representa para os sistemas de saúde de diferentes países, vários governos pediram ajuda a Cuba. Apesar de já ter casos positivos, a nação caribenha, conhecida por seu pessoal médico de primeira linha, não hesitou em entrar em contato. Já está enviando brigadas para as nações que precisam de apoio.

O legado de Hugo Chávez ainda está em vigor na Venezuela e na América Latina.

El presidente venezolano Hugo Chávez, durante un mitin celebrado el 4 de octubre de 2012.

Este 5 de março marca sete anos do desaparecimento físico do líder da Revolução Bolivariana, Hugo Chávez, que deixou para trás um legado de luta e resistência que ainda está em vigor na Venezuela e na América Latina.

El presidente de Venezuela Hugo Chávez, se une a una manifestación progubernamental para conmemorar el aniversario de la democracia venezolana, en Caracas, en enero de 2002.

A resistência do povo venezuelano às constantes agressões dos Estados Unidos e de seus aliados regionais é um sinal da validade dos ideais humanistas e sociais do comandante Chávez.

Por meio de debates, discursos e ações políticas, Hugo Chávez estava construindo um projeto para transformar a sociedade venezuelana, buscando eliminar as estruturas do sistema capitalista e promovendo os valores do socialismo: liberdade, igualdade, solidariedade.

El presidente venezolano en la Asamblea General de las Naciones Unidas en septiembre de 2006.

Apesar da aplicação de medidas coercitivas, o governo venezuelano continuou com uma profunda agenda social iniciada pelo comandante Chávez em favor da maioria do povo venezuelano.

A continuidade de missões como Great Housing Venezuela, Barrio Adentro, a entrega de alimentos pelo comitê de suprimentos (CLAP), entre outras ações sociais, responde à profunda política social mantida nos mais de 20 anos da Revolução Bolivariana.

El presidente Venezolano, Hugo Chávez, hace el saque de honor en el partido inaugural de la Copa América entre Venezuela y Bolivia, el 27 de junio de 2007, en presencia del presidente Evo Morales y el futbolista retirado Diego Armando Maradona.

Em sua caminhada, Chávez não apenas despertou a consciência do povo da Venezuela, mas também abraçou os povos da região, semeando um legado de unidade e paz na América, ao despertar o sonho de Simón Bolívar, que permanece até o dia de hoje

Como na Venezuela, os protestos sociais no Chile contra o modelo neoliberal promovido pelo presidente Sebastián Piñera são outro exemplo claro de como, sete anos após sua morte, o apelo de Chávez a se opor a modelos antissociais permanece em vigor.

El presidente de Paraguay Fernando Lugo y Hugo Chávez, durante un festival en Asunción en Agosto de 2008.

As recentes mobilizações na Colômbia e no Equador exigindo profundas reformas políticas e econômicas de seus governantes são um reflexo de como o ideal de Hugo Chávez se acalmou nos povos latino-americanos que mantêm sua luta por uma sociedade mais equilibrada, sem uma diferença entre ricos e pobres.

Durante o governo do argentino Mauricio Macri, houve manifestações e protestos contra as políticas neoliberais que minaram as melhorias sociais alcançadas nos anos do quirchnerismo.

Los presidentes de Venezuela, Hugo Chávez; Bolivia, Evo Morales; Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, y Ecuador, Rafael Correa (de izquierda a derecha), posan para la fotografía oficial de su encuentro el 30 de septiembre de 2008, en Manaos (Brasil), donde celebraron una cumbre.

A constante manifestação na Argentina nos últimos quatro anos também responde ao chamado de Hugo Chávez para enfrentar o modelo capitalista.

Sete anos após a partida física de Chávez, aqueles que continuam a denunciar os excessos do modelo capitalista e condenam o intervencionismo norte-americano continuam a lembrar as palavras do líder da Revolução Bolivariana.

El presidente de Venezuela, Hugo Chávez, juega con unos niños, durante la emisión número 343 de su programa dominical de radio y televisión "Aló Presidente" en Caracas (Venezuela), en noviembre de 2009.

Venezuela denuncia os EUA antes de Haia por “crimes contra a humanidade contra o povo”

O ministro das Relações Exteriores da Venezuela está na sede do Tribunal Penal Internacional dias depois que a companhia aérea venezuelana Conviasa foi sancionada por Washington.

Venezuela denuncia a EE.UU. ante la Haya por "crímenes de lesa humanidad contra el pueblo"

O governo da Venezuela apresentou uma queixa contra as autoridades americanas no Tribunal Penal Internacional em Haia. por “crimes contra a humanidade contra o povo venezuelano”, após a imposição de medidas coercitivas unilaterais por Washington ao país sul-americano.

O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, está na Holanda, sede da Corte, juntamente com o vice-ministro de Assuntos Multilaterais, Alexander Yánez; o secretário executivo do Conselho Nacional de Direitos Humanos e agente do Estado perante o Sistema Internacional de Direitos Humanos, Larry Devoe, e o embaixador venezuelano no órgão internacional de justiça, Haifa Aissami Madah.

Anteriormente, o presidente venezuelano Nicolás Maduro havia informado que denunciaria a administração de Donald Trump perante instâncias jurídicas internacionais depois que a companhia aérea venezuelana Conviasa foi sancionada pelo governo dos EUA. “Vamos buscar justiça, chega de uma agressão tão infame”, disse o presidente.

Perdas de 40.000 milhões de dólares
Segundo Maduro, as sanções dos EUA no país sul-americano, causaram prejuízos da ordem de US $ 40.000 milhões, que resultam em bloqueios de contas e ativos do Estado venezuelano no exterior, o que impede a compra de alimentos e medicamentos para as populações mais vulneráveis.

Nos últimos anos, EUA Ele adotou inúmeras sanções contra a Venezuela, que vão desde proibições de viagens a membros do governo até embargos em contas bancárias que afetam diretamente a população.

As medidas coercitivas unilaterais se intensificaram desde que, há um ano, o país americano reconheceu o líder da oposição Juan Guaidó como “presidente encarregado” da Venezuela com o objetivo de derrubar Maduro.

#Venezuela rejeita intervenção do #EEUU em seus assuntos internos

Fonte:Mi Cuba Por Siempre

O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, rejeitou no domingo a intervenção do governo americano de Donald Trump nos assuntos internos da Venezuela e de suas instituições.

Por meio de uma mensagem divulgada na rede social Twitter, Arreaza disse que a nação bolivariana é um país independente e soberano, que o governo dos Estados Unidos não entende direito.

“Eles devem lidar com o desastre que pretendem provocar com novas guerras do petróleo”, escreveu o chefe da diplomacia venezuelana na plataforma de comunicação.

Em outra mensagem, o chanceler denunciou as reações dos ‘satélites da região’ dos governos sobre a atual situação política do país, enfatizando que é o mesmo roteiro, falso e interferência.

As declarações do ministro das Relações Exteriores da Venezuela são baseadas nas mensagens emitidas no Twitter pelo secretário assistente adjunto do Gabinete de Assuntos do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado dos EUA, Michael Kozak.

O funcionário dos EUA tenta garantir que a sessão da Assembléia Nacional (AN), desprezada, não tenha um quorum legal, de modo que Juan Guaidó – ex-chefe do Parlamento – é o presidente interino do país.

Essas declarações de Kozak surgem após a tomada de posse da nova diretiva AN para o período legislativo 2020-2021, liderada por Luis Parra, do Primeiro Partido da Justiça, como presidente do Parlamento.

Franklyn Duarte (Comitê Independente de Organização Política Eleitoral-Copei) foi empossado como primeiro vice-presidente, enquanto José Gregorio Noriega (Vontade Popular) é o segundo vice-presidente e Negal Morales (Ação Democrática) o secretário.

O novo conselho de administração foi apoiado por 81 votos dos 150 deputados presentes, dos quais 30 pertencem à oposição do país.

Após a tomada de posse, Parra denunciou Guaidó pelos obstáculos impostos à realização das eleições, por não atingir os votos necessários para ser reeleito.

OPERAÇÃO CONDOR 2.0: APÓS O SOPRO NA BOLÍVIA, EUA PONTOS PARA NICARÁGUA E MÉXICO

Depois de presidir o golpe na Bolívia, os Estados Unidos declararam a Nicarágua uma “ameaça à segurança nacional” anunciando novas sanções, enquanto Trump designou os cartéis de drogas no México como “terroristas” sem descartar a intervenção militar.

Aparentemente, um golpe de sucesso contra um presidente socialista eleito democraticamente não é suficiente.

Mike Pompeo, Donald Trump e Mike Pence posam para as câmeras da autora da Casa Branca (Foto: Departamento de Estado) Mision Verdad.

Imediatamente após supervisionar um golpe de extrema direita na Bolívia em 10 de novembro, o governo Trump mais uma vez observa a Nicarágua, cujo governo sandinista (eleito democraticamente) derrotou uma violenta tentativa de golpe em 2018.

Washington designou a Nicarágua como uma ameaça à segurança nacional dos Estados Unidos e anunciou que expandirá suas sanções sufocantes contra a pequena nação centro-americana.

Trump também aumenta a temperatura no México, ligando o país sem base ao terrorismo, sugerindo até uma potencial intervenção militar. Esses movimentos se manifestam depois que o presidente Andrés Manuel López Obrador adverte sobre tentativas de golpe de Estado à direita.

Como Colômbia, Brasil, Chile e Equador (aliados de Washington), eles estão desesperados para derrotar as revoltas populares em massa contra as políticas de austeridade neoliberal e a enorme lacuna de desigualdade; os Estados Unidos aumentam as agressões contra governos progressistas ainda em andamento. pé

Esses movimentos levaram as forças de esquerda da América Latina a alertar sobre o ressurgimento de uma operação Condor do século XXI: a violenta e velada campanha da Guerra Fria, com o apoio dos Estados Unidos em toda a região.

A ADMINISTRAÇÃO TRUMP DECLARA A NICARÁGUA UMA “AMEAÇA À SUA SEGURANÇA NACIONAL”
Um dia após o golpe na Bolívia, a Casa Branca emitiu uma declaração aplaudindo o golpe militar e deixando claro quais são os dois países que vêm a seguir na lista de alvos de Washington: “Esses eventos enviam um forte sinal aos regimes ilegítimos de Venezuela e Nicarágua “, disse Trump.

Em 25 de novembro, a Casa Branca de Trump publicou discretamente uma declaração caracterizando a Nicarágua como “uma ameaça incomum e extraordinária à segurança nacional e à política externa dos Estados Unidos”.

Isso amplia a ordem executiva assinada por Trump em 2018, declarando o país da América Central “estado de emergência” por mais um ano.

A declaração de Trump de 2018 veio após uma tentativa de golpe fracassada e violenta na Nicarágua. O governo dos Estados Unidos financiou e apoiou muitos dos grupos de oposição que tentavam derrubar Daniel Ortega, o presidente eleito da Nicarágua, e os tomou enquanto tentavam derrubá-lo.

Após a designação de ameaça à segurança nacional de 2018, então, e rapidamente, a guerra econômica se seguiu. Em dezembro daquele ano, o Congresso dos EUA aprovou a Lei NICA sem qualquer oposição. Essa legislação deu a Trump a autoridade de impor sanções à Nicarágua, proibindo instituições financeiras internacionais de fazer negócios com Manágua.

A nova declaração de Trump lança propaganda bizarra contra a Nicarágua, referindo-se ao seu governo eleito – que há décadas está sujeito a ataques de Washington – como um alegado “regime” violento e corrupto.

Essa ordem executiva é semelhante à assinada pelo então presidente Barack Obama em 2015, que também designou a Venezuela como uma ameaça à segurança nacional dos Estados Unidos.

Ambas as ordens foram usadas para justificar a imposição unilateral de sanções econômicas sufocantes. E a renovação da ordem abre caminho para uma escalada no ataque econômico contra a Nicarágua.

A mídia corporativa em inglês deu pouca cobertura a essa extensão, mas a mídia de direita em espanhol na América Latina a ampliou bastante.

E ativistas da oposição intensificam alegremente a guerra híbrida de Washington contra Manágua.

La OEA en el rol del Ju­das Iscariote de América

É hora de os povos da região acordarem e proporem desmascarar o ataque contra a Venezuela e a Nicarágua

OEA

Eu me pergunto: para que serve a OEA? Vale a pena pertencer a ela? Por que não fazer uma frente comum latino-americana e caribenha e desmascará-la junto com seu atual Secretário Geral, Luis Almagro?
O que está acontecendo hoje contra a Venezuela e a Nicarágua me lembra o ano de 1960, 12 meses depois do triunfo da Revolução Cubana, a mesma OEA de nossos dias, conivente e servil aos ditames dos Estados Unidos, se comprometeu contra Cuba.

Foi nessa data, na VII Reunião de Consulta dos Ministros das Relações Exteriores, convocada para San José, Costa Rica, quando se instou a condenar a ilha em uma ação em que o governo dos EUA pretendia criar um contexto político e diplomático favorável. para isolar nosso país e assim mascarar os planos de agressão militar preparados pela CIA, segundo o Programa de Ação Secreta contra o regime de Castro, contidos na diretriz secreta aprovada em 17 de março de 1960.

Como não lembrar nestes dias, quando Washington criou o mesmo cenário, desta vez acompanhado por uma feroz campanha midiática, contra nações latino-americanas como Venezuela e Nicarágua, a posição cubana presente na reunião da OEA na Costa Rica em 1960, em tom de voz. do chanceler da dignidade, Raúl Roa García. Como esquecer as exclamações de toda uma cidade «com a OEA e sem a OEA vamos vencer a luta».

Sobre a decisão de isolar Cuba, o comandante-em-chefe Fidel Castro disse que a reunião na Costa Rica foi uma lição para os povos da América, que nunca perdoarão a traição daqueles que, em uma bandeja de prata, foram trazer ao império os direitos da nação cubana.

Aqueles que assinaram o documento “ficarão na história como Judas Iscariotes da América”, disse Fidel referindo-se ao Judas que, segundo os Evangelhos canônicos, era o apóstolo traidor.

Exemplos abundam, o mesmo para demonstrar que o oea é apenas um instrumento imperial, que age de forma intervencionista contra os povos da região, que desmascarar um traidor como Luis Almagro, transformado no inimigo mais furioso da América Latina, ao tempo o mais submissa dos servidores dos governos americanos.

A última dessas campanhas das mais desacreditadas de todas as instituições tem sido o trabalho intervencionista contra dois governos democraticamente eleitos na região: o da Venezuela e o da Nicarágua.

Contra a nação bolivariana eles superaram qualquer prognóstico, eles ditaram resoluções desrespeitosas e grosseiras, eles lideraram uma guerra de mídia para desestabilizar o país e criar um verdadeiro caos na região.

O último, já completamente nu, o Sr. Luis Almagro escreveu em um tweet: “Congratulamo-nos com a suposição de Guaidó como presidente interino da Venezuela, nos termos do artigo 233 da Constituição. Tem o nosso apoio, o da comunidade internacional e o do povo venezuelano “.

Esta é a primeira reação da OEA e seu secretário geral às declarações do chefe da Assembléia Nacional da Venezuela (em desacato), Juan Guaidó, para assumir a presidência do país bolivariano, depois de descrever o presidente legítimo como “usurpador” , Nicolás Maduro.

É, sem dúvida, uma guerra cambaleante contra aquela nação e, por sua vez, uma maneira desavergonhada de interferir nos assuntos internos de um país.

CONTRA A NICARÁGUA

Quanto a outro estado soberano da região, a Nicarágua, a OEA empreendeu a aplicação da Carta Democrática, o que pode levar à suspensão da adesão do país centro-americano, segundo os relatórios.
O discurso Luis Almagro na última reunião da OEA, bem como de comprimento e intrometido, retratou-o como mentiroso é e, como fizeram há 60 anos contra Cuba, agora eles fizeram uma farsa intervencionista que que “a democracia não Pode haver repressão, nem violação dos direitos humanos a opositores, estudantes, políticos, camponeses, civis e menores “.

A coisa interessante sobre tudo isso é que lá, na sala onde é reciclado para uma falta de credibilidade da OEA, estavam representantes de países como Chile, Argentina, Brasil, Colômbia e outros, cenas diárias de repressão contra os estudantes, trabalhadores, professores, indígenas e onde centenas de líderes sociais morrem. Tudo isso é feito em nome de uma democracia como a defendida por Judas, de Luis Almagro.
Nossos povos, em alguns casos, confuso com a atual ofensiva reacionária montado a partir de Washington e apoiado pela OEA, sabe desmascarar os traidores que hoje voto contra Venezuela e Nicarágua, como fez contra Cuba, e tenho certeza que eles vão, no futuro, enquanto não agirmos a tempo e nos unirmos, desqualificaremos o mar, Luis Almagro e o autoproclamado Grupo de Lima.

Tirado de Granma