O Ocidente transformaria o conflito em #Ucrânia em guerra mundial.

#Rusia #Ucrania #InjerenciaDeEEUU #3raGuerraMundial

O apoio militar do Ocidente, em particular dos EUA, à Ucrânia poderia transformar o conflito numa guerra continental ou talvez global, acredita um analista.

“É provável que o conflito não termine na Ucrânia, mas se transforme provavelmente num conflito continental ou talvez mesmo global, […] com 70% de hipóteses”, salientou Adrian Zelaia, director do grupo espanhol de consultoria Ekai Center, numa entrevista à HispanTV na terça-feira.

O Ocidente continua a enviar equipamento militar para a Ucrânia, no meio do conflito da Ucrânia com a Rússia. A 23 de Junho, o exército ucraniano recebeu mísseis HIMARS dos Estados Unidos.

Washington enviou à Ucrânia estes sistemas avançados, capazes de atingir alvos a uma distância de até 50 milhas, apesar dos avisos russos sobre o fornecimento de armas à Ucrânia, que, na opinião de Moscovo, são “não só um movimento perigoso, mas acções que transformam os comboios relevantes em alvos legítimos”.

Os refugiados militares ucranianos na aciaria Azovstal pediram para serem evacuados para a Turquia.

#Rusia #Ucrania #GuerraMediática #InjerenciaDeEEUU

Não acredito na deflagração da guerra nuclear.

#Rusia #GuerraNuclear #Ucrania #OTAN

AS GUERRAS DOS ESTADOS UNIDOS .

#GuerrasDeEEUU #China #Economia #Manipulación

A greve de drones dos EUA em Cabul matou um trabalhador humanitário e nove membros da família, não um terrorista do Estado islâmico.

#EstadosUnidos #Terrorismo #Afganistan #Kabul

Por Redacción Razones de Cuba

O homem morto num ataque com drone americano em Cabul, a 29 de Agosto, era na realidade um cidadão afegão pacífico que trabalhava para uma ONG americana, e não o condutor de um carro armadilhado, como Washington afirmava. A acção também matou nove membros da família da vítima, sete dos quais crianças, segundo uma investigação do The New York Times publicada na sexta-feira.

Segundo o relato do Pentágono, o seu ataque “justo” “eliminou uma ameaça iminente” ao tirar a vida a “pelo menos uma” pessoa que era “facilitadora” do Estado Islâmico da Grande Khorasan, também conhecido como ISIS-K, a organização que reivindicou a responsabilidade pelos ataques de 26 de Agosto que mataram mais de 170 pessoas, incluindo 13 soldados americanos, perto do aeroporto de Cabul.

Contudo, o The New York Times “levanta dúvidas sobre esta versão dos acontecimentos” após pesquisar imagens de câmaras de segurança e entrevistar mais de uma dúzia de colegas de trabalho e membros da família do trabalhador humanitário assassinado.

Os funcionários do Pentágono notaram que na altura do ataque não sabiam a identidade do condutor do carro, mas consideraram-no suspeito devido à forma como interpretaram as suas actividades naquele dia, sugerindo que ele visitou um abrigo do Estado islâmico e, a certa altura, carregou o que poderia ser explosivos no veículo.

O New York Times, entretanto, identificou o motorista como Zemari Ahmadi, um engenheiro eléctrico de 43 anos de idade que desde 2006 trabalhava para a ONG norte-americana Nutrition and Education International (NEI), que luta contra a desnutrição no Afeganistão. Ahmadi tinha solicitado aos EUA a sua reinstalação.

Outra das descobertas do jornal foi que as viagens de Ahmadi no dia do ataque se destinavam realmente a transportar colegas de e para o trabalho, enquanto uma análise das imagens de CCTV mostrou que o que ele carregou no veículo eram contentores de água, não explosivos.

Além disso, os meios de comunicação social investigaram as declarações dos militares dos EUA sobre as “explosões secundárias” que ocorreram após o ataque com o seu drone, que alegavam ser provas de que o veículo continha explosivos. Vários peritos que examinaram o local do ataque não encontraram provas de uma segunda explosão e concluíram que os danos eram consistentes com um único ataque com um zangão.

Reacção do Pentágono
Comentando a investigação do The New York Times, o porta-voz do Pentágono John Kirby disse aos repórteres que o Comando Central dos EUA (Centcom) “continua a avaliar os danos causados aos zangões e os danos que estes causaram. (Centcom) “continua a avaliar” o ataque, mas assegurou que “nenhum outro militar está a trabalhar mais” do que os EUA “para prevenir baixas civis”, relata a AFP.

“Como disse o [Chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA Mark] Milley, o ataque foi baseado em boa inteligência, e ainda acreditamos que evitou uma ameaça iminente ao aeroporto e aos nossos homens e mulheres que ainda serviam no aeroporto”, disse Kirby.

Porque é que o #SAUDIARABIA nos vai preocupar neste DECADE?

#EstadosUnidos #Terrorismo #OrienteMedio

Vá lá Yomil, aqui está o trabalho de casa de hoje.

#MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #ArtistasDelImperio #CubaNoEsMiami

Biden chama à retirada das tropas americanas do Afeganistão um “êxito notável .

#JoeBiden #Afganistan #Kabul #Terrorismo

O Presidente dos EUA, Joe Biden, qualificou na terça-feira a retirada das tropas dos EUA do Afeganistão de “êxito extraordinário”.

Biden califica de "éxito extraordinario" la retirada de las tropas estadounidenses de Afganistán

“O extraordinário sucesso desta missão deve-se à grande habilidade, bravura e coragem altruísta dos militares dos EUA, dos nossos diplomatas e profissionais da inteligência”, disse ele numa conferência de imprensa.

Ao mesmo tempo, Biden disse que de todos os cidadãos americanos que queriam deixar Cabul, 90 por cento conseguiram fazê-lo antes do último voo dos EUA ter descolado a 30 de Agosto. Segundo estimativas, entre 100 e 200 americanos ainda se encontram no terreno no Afeganistão.

“Estávamos preparados.
Biden declarou que os EUA estavam “preparados” quando os 300.000 militares afegãos não resistiram tanto tempo como se esperava quando se tratou de defender o seu país.

Biden também afirmou que não tinha qualquer intenção de prolongar a “guerra eterna” ou a “saída eterna”, adiando a data de retirada do Afeganistão. Ao mesmo tempo, salientou que os EUA continuariam a ajudar os afegãos diplomaticamente e através da assistência internacional.

“Ainda não terminámos consigo.
No seu discurso, o presidente dos EUA referiu-se ao Estado Islâmico da Grande Khorasan e salientou que os EUA ainda “não estão acabados” com eles.

“Aqueles que desejam prejudicar a América [EUA] sabem que a América nunca descansará. Nunca descansaremos. Vamos caçá-los até aos confins da terra e eles pagarão o preço final”, disse ele.

Na passada segunda-feira foi confirmado que as tropas norte-americanas tinham completado a sua retirada após 20 anos em solo afegão. Segundo o Presidente dos EUA Joe Biden, terminar a missão militar dos EUA no Afeganistão foi a melhor forma de proteger a vida dos soldados e de assegurar que os civis possam deixar o país nas próximas semanas ou meses.

EUA. EUA face a um eixo geopolítico global em mutação .

#EstadosUnidos #Cuba #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana

Já lá vão os anos 80 e 90 do século passado, quando o neoliberalismo, a globalização e o mundo unipolar liderado pelos EUA estavam a conduzir o planeta por caminhos imprevistos, enquanto os académicos debatiam se a “modernização” da China era sinónimo de “americanização”, se a sua “abertura” estava realmente a abrir as suas portas aos EUA, à sua filosofia de mercado e consumista e à aceitação da imposição da “democracia ocidental”… ou se o oposto estava realmente a acontecer. Também longe estavam o fim da URSS, a terapia de choque, a privatização e a corrupção generalizada dos anos Ieltsin, que levou ao colapso da Rússia no final do século… e também ao seu ressurgimento.

Estes foram os mesmos anos em que ocorreram mudanças – também impulsionadas pelo neoliberalismo – com o reforço transitório do capitalismo global, que nos primeiros anos do novo século exibiu o melhor desempenho da sua história – para considerar apenas números – com os mais baixos níveis de inflação desde os anos 60, com o declínio da pobreza e a ascensão da classe média.

E tudo isto acontecia porque a forma única e neoliberal de pensar, o “fim da história” segundo Fukuyama, tinha desregulamentado economias à escala global, privatizado grandes empresas estatais e para-estatais, desmantelado sistemas de protecção do trabalho, arruinado os concorrentes locais, promovido blocos de integração assimétrica e estabelecido a era da financeirização da economia e operações especulativas à escala planetária… o que tinha permitido à economia mundial tornar-se ainda mais dependente da economia dos EUA e permitido aos EUA manter e mesmo aumentar a sua riqueza. Os EUA mantiveram e até aumentaram a sua riqueza com base nas despesas, dependência e endividamento para com o resto do mundo.

Mas tudo isto levou à crise de 2007-2008 – o início do “fim da história” – que começou com o colapso do mercado imobiliário – não só nos EUA, também na Europa – que arrastou os gigantes para-estatais americanos, a crise bancária, a crise bolsista e a “solução” encontrada para o desastre: a injecção pelos bancos centrais de dezenas de biliões de dólares para aumentar a liquidez, a descida das taxas de juro, as reduções de impostos, os cortes fiscais e outras acções do mesmo teor.

As “soluções” então encontradas impulsionaram ainda mais o processo de financeirização da economia e a geoestratégia globalizante concebida para responder aos interesses da plutocracia dominante (1%, 0,01%, 0,001%…? ) tornou-a cada vez mais transnacional; os Estados-nação encarregados de implementar tal estratégia, cada vez mais ao serviço das grandes transnacionais, não só não contribuíram para resolver os problemas existentes, para estabilizar os mercados, para aumentar a sua eficiência, para resolver os problemas da pobreza, da desigualdade, do desemprego, do aquecimento global… como exacerbaram as contradições do sistema, em particular as dos EUA… ao acelerarem o processo de deslocação do mundo globalizado, acelerando o processo de deslocamento do eixo geopolítico global para a região da Ásia-Pacífico.

E para evitar isto veio o Trumpismo, que nos seus slogans de “America First” e “Make America Great Again” reconhecia implicitamente o declínio da superpotência e a inatingibilidade do “American Dream” para os seus cidadãos. Só o Trumpismo, em vez de resolver, exacerbou os problemas existentes, aprofundou a divisão do país e tornou evidente a perda da sua liderança global, que se manifestou em contínuas agressões, tratamento arrogante e desdenhoso dos seus aliados, interferência nos seus assuntos internos e desrespeito pelos acordos, convenções e normas do direito internacional.

E porque o salvamento e as “soluções” eram mais uma vez necessárias, Joe Biden tornou-se presidente dos Estados Unidos depois de anunciar que a sua principal prioridade seria recuperar a liderança mundial (não há necessidade de voltar à lição de “democracia” oferecida pela nação do Norte, incluindo o assalto ao Capitólio).

Sabendo desta prioridade, não foi surpreendente que, como primeira iniciativa de política externa do presidente, nas condições do capitalismo neoliberal pós-globalização, numa pandemia e com o declínio acelerado do antigo hegemónio, a iniciativa EUA-NATO “Construir melhor para o mundo” tenha sido apresentada na reunião do G-7, com o objectivo explícito de contrariar o projecto de desenvolvimento económico One Belt, One Road da China.

Também não foi estranho, na iniciativa dos EUA, apreciar que nela – supostamente destinada a melhorar as infra-estruturas dos países de “baixo e médio rendimento” – havia claramente a ideia reiterada pelo seu presidente de “voltar a liderar o mundo” e, na própria ideia, implícita na concepção geopolítica do excepcionalismo dos EUA e do seu manifesto destino. Nem sequer questiona se este destino é hoje em dia vantajoso para os países europeus e o Japão, ao submeter-se a uma ordem geopolítica governada por um parceiro pouco fiável que oscila entre o nacionalismo trumpista (com ou sem Trump) e a globalização limitada e proteccionista contida na americana Buy American promovida por Biden; nem se seria conveniente para o Ocidente isolar-se do banqueiro (como Hillary Clinton chamou à China) e de um mercado de mais de 1,4 mil milhões de habitantes, hoje considerado o motor da economia mundial.

O facto é que os líderes dos países do G-7 não podem ignorar o facto de os EUA estarem hoje muito longe da posição que ocupavam nos dias da unipolaridade. Os dados colocam-no em 28º lugar no índice de progresso social, que mede a saúde, segurança e bem-estar a nível mundial, sendo um dos três únicos países dos 163 a ter diminuído em bem-estar durante a última década; também, no Anuário Mundial da Competitividade, o Banco Mundial classificou-o em 35º lugar entre 174 países.

Isto explica suficientemente a necessidade dos planos para restaurar o potencial americano: American Bailout, American Jobs Plan e Family Plan anunciados pelo Presidente Biden, no valor de mais de 6,5 biliões de dólares, a serem implementados com bens de origem global e financiados através de empréstimos, como pode ser visto no website da Casa Branca: “Construir cadeias de fornecimento resilientes, revitalizar a produção americana, e encorajar o crescimento de base ampla”, e em parte através do aumento da carga fiscal sobre os mais ricos. Todos os planos que já tiveram de ser escalonados e adiados (incluindo o prometido aumento do salário horário de Biden) porque não têm apoio suficiente por parte da elite republicana.

A reunião do G-7 foi concluída pela Cimeira da OTAN de 30 nações onde, naturalmente, juntamente com a afirmação de Biden de que os EUA estavam de volta, e o consenso sobre a necessidade de aumentar o financiamento conjunto das operações militares, não houve hesitações em considerar a Rússia como “o principal inimigo”, tendo o Secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, notado que as relações estavam no seu ponto mais baixo desde a Guerra Fria, e que isso representava uma ameaça à segurança da aliança.

A China também tomou o centro das atenções na reunião, pois, segundo Stoltenberg, a nação asiática “está a expandir rapidamente o seu arsenal com mais ogivas nucleares e um maior número de sistemas sofisticados de entrega. É opaco na modernização militar, (e) está a cooperar com a Rússia, inclusive através de exercícios na zona euro-atlântica.

E embora não haja surpresas na coincidência do esboço da reunião da OTAN com o Comunicado da Casa Branca de 13 de Junho, Revitalizando a aliança transatlântica, nem com o apelo de Biden para “o poder global crescente de Pequim como um desafio de segurança que tenta minar o sistema global baseado em regras”, as contínuas provocações da OTAN, que aumentaram desde a reunião e conduziram o mundo a uma segunda e ainda mais perigosa Guerra Fria, fazem soar sinais de alarme.

Extraído de Granma

O Pentágono activa a reserva de aviões civis para acelerar a evacuação do Afeganistão, pois os Talibãs culpam os EUA pelo caos.

#Afganistan #EstadosUnidos #DerechosHumanos #IntervencionHumanitaria

O Pentágono activou no domingo a sua frota aérea de reserva civil (CRAF) pela terceira vez na história para acelerar a evacuação de cidadãos americanos e aliados do Afeganistão, enquanto os Talibãs culpavam os EUA pela desordem no aeroporto de Cabul que levou a multidões mortíferas.

Os Talibãs, que há uma semana atrás tomaram o controlo do país do Sul da Ásia, culparam directamente Washington pela caótica evacuação. “Os EUA, com todo o seu poder e instalações, não conseguiram trazer ordem ao aeroporto”, disse o líder do movimento, Amir Khan Muttaqi, citado pela AFP, contrastando essa realidade com a “calma e paz” que supostamente existe nas zonas insurgidas do resto do país. “Só há caos no aeroporto de Cabul”, acrescentou ele.

A acusação dos talibãs surge pouco depois de uma debandada fora do aeródromo. Pelo menos sete civis que tentaram entrar no terminal foram esmagados ou sufocados até à morte no sábado, de acordo com o Ministério da Defesa britânico.

El Pentágono activa la reserva de aviones civiles para acelerar la evacuación de Afganistán mientras los talibanes culpan a EE.UU. por el caos

No meio destas cenas trágicas e numa tentativa de acelerar os esforços de transporte, o Pentágono anunciou a activação da primeira fase da sua Frota da Reserva Aérea Civil, um mecanismo raramente utilizado.

Os 18 aviões civis não voarão directamente para Cabul, mas apanharão os evacuados dos “portos de abrigo temporários e bases temporárias”. E os esforços de transporte a partir da capital afegã continuarão com a ajuda de aviões militares.

O Departamento de Defesa dos EUA também confirmou que esta é a terceira vez que o CRAF é activado. Criada em 1952 na sequência do transporte aéreo de Berlim pós Segunda Guerra Mundial, a frota só foi utilizada duas vezes antes da actual evacuação, durante a Guerra do Golfo e a invasão do Iraque em 2003.

No domingo passado, os Talibãs apreenderam Cabul e puseram fim à sua ofensiva em todo o Afeganistão quando o Presidente Ashraf Ghani renunciou ao cargo e deixou o país. Quando os insurgentes chegaram à cidade, multidões de pessoas correram para deixar o país e o aeroporto da capital tornou-se um cenário de caos e de debandada.

  • O movimento Taliban, designado como “organização terrorista” pelo Conselho de Segurança da ONU, é declarado um grupo terrorista e banido na Rússia.

%d bloggers like this: