Otero Alcántara mostra a verdadeira face do seu projeto ao serviço do império.

#PascuasSangrientas #TodosSomosGuerrero #Cuba #AquiNoSeRindeNadie #Covid-19 #EEUUBloquea #CubaSalva #Granma #Soberana #SubversionContraCuba #MafiaCubanoAmericana #TerrorismoMadeInUSA

Faustino Pérez Hernández, o modesto comandante de todas as batalhas.

#RevolucionCubana #FidelCastro #FaustinoPerezHernandez #HistoriDeCuba #Granma #IdeasQueSonBanderas #TenemosMemoria #SomosContinuidad

Por: Pedro Ríoseco Razones de Cuba .

Faustino Pérez Hernández, revolucionário cubano, combatente clandestino, líder nacional do Movimento 26 de Julho, expedicionário do Granma e comandante do Exército Rebelde, faleceu em 24 de dezembro de 1992 e é um desses modestos essenciais para estar em todas as batalhas.

Nasceu na zona rural de La Larga, Taguasco, província de Las Villas, a 15 de fevereiro de 1920. Filho de camponeses, aprendeu as tarefas mais difíceis do campo e, devido ao desejo de estudar e à vontade pessoal, ingressou na única escola de medicamento existente na época, aos 23 anos.

Com muitas dificuldades devido à sua base precária, após anos de estudos concluiu a carreira aos 31 anos, mas quando ocorreu o golpe de estado de 10 de março de 1952, decidiu não apresentar a tese de graduação para que seu diploma não fosse assinado. por um ministro usurpando o poder.

Faustino Pérez: Hombre de extraordinaria valía - La Demajagua

Após o triunfo da Revolução, o processo culminaria, apresentando-se ao Tribunal de Exame de Graduação em 18 de junho de 1959.

Como estudante, ele se juntou ao movimento estudantil revolucionário. Conheceu Fidel Castro e se juntou ao Movimento 26 de julho por ele liderado e ingressou na Direção Nacional em 12 de junho de 1955, desde sua constituição.

Viajou ao México com o objetivo de entregar a Fidel os recursos arrecadados em Cuba para viabilizar a viagem de futuros expedicionários, e logo se tornou um deles. Durante a travessia do Granma, foi-lhe conferido o posto de capitão e nomeado membro do Estado-Maior.

Em 5 de dezembro de 1956 foi surpreendido, junto com os demais expedicionários de Alegría de Pío, ao repousar das dolorosas marchas depois do desembarque. Em combate com as forças do Exército, Faustino, na qualidade de médico, tratou de vários membros da expedição feridos, incluindo seu colega Ernesto Guevara, que havia levado um tiro no pescoço. Junto com Fidel e Universo Sánchez, ele vagou por 13 dias até encontrar Raúl Castro e outros colegas em Cinco Palmas.

Imagen: Frank País, Faustino Pérez, Raúl Castro, FIdel Castro y Armando  Hart. Reunión del movimiento 26 de julio en la Sierra Maestra. - Multimedia  › Granma - Órgano oficial del PCC

Enviado por Fidel para reestruturar o Movimento 26 de julho em todo o país, ele viajou a Havana junto com Frank País, apenas quatro semanas após o desembarque. Ele assume a direção da M-26-7 na capital e dirige ações relevantes e arriscadas como a transferência do jornalista americano Herbert Matthews para a Sierra Maestra; o sequestro do campeão mundial do automobilismo, Juan Manuel Fangio e a noite das cem bombas.

Em maio de 1957, ele foi preso e entrou na prisão de Prince’s Castle, onde estrelou junto com Armando Hart e outros colegas uma greve de fome, apesar de sofrer de uma úlcera gastrointestinal. A ditadura, preocupada com a repercussão que teria um desfecho fatal, foi obrigada a decretar a libertação de alguns presos, entre eles Faustino Pérez. Após o assassinato de Frank País em julho de 1957, ele manteve contatos com alguns militares do regime contrários à ditadura, que levaram a cabo o levante em 5 de setembro em Cienfuegos.

A convocação de uma greve geral em 9 de abril de 1958 foi assinada por Faustino, como cabeceira da planície, junto com o comandante Fidel Castro, que liderava a luta nas montanhas do leste. Após o seu fracasso, no início de maio de 1958, ingressou na guerra na Sierra Maestra com o posto de comandante até o triunfo de janeiro de 1959.

Na reunião de Altos de Mompié, foi feita uma análise das causas do fracasso da greve de 9 de abril e foi decidido que toda a liderança do Movimento 26 de Julho ficaria subordinada à Sierra. Faustino tornou-se então membro do executivo de cinco membros, cujo Secretário-Geral era Fidel e que residiria no Comando Geral da Sierra Maestra.

Faustino Pérez Hernández, el modesto comandante de todas las batallas |  Contraloría General de la República

Após a reunião, Faustino foi mandado de volta à planície por Fidel para liderar a reestruturação do Movimento, e voltou à Serra, já iniciada a ofensiva de Batista contra o Exército Rebelde, no dia 19 de julho. Ele permaneceu no Comando Geral durante julho e agosto e participou dos combates em Santo Domingo, El Jigüe, Arroyotes e Las Mercedes. Quando boa parte do território da Sierra Maestra foi libertada, a administração civil do Território Livre foi confiada a ele.

Enviado por Fidel para reestruturar o Movimento 26 de julho em todo o país, ele viajou a Havana junto com Frank País, apenas quatro semanas depois ou desembarque. Ele assume o endereço do M-26-7 na capital e dirige ações relevantes e arriscadas como a transferência do jornalista americano Herbert Matthews para Sierra Maestra; ou sequestro do campeonato mundial de automobilismo, Juan Manuel Fangio e uma noite das bombas.

Em maio de 1957, ele foi preso e entrou na prisão de Prince’s Castle, onde se chocou com Armando Hart e outros colegas, um dos mais queridos, apesar de sofrer de uma úlcera gastrointestinal. Além disso, preocupada com a repercussão de que seria fatal, foi obrigada a decretar a libertação de alguns presos, entre eles Faustino Pérez. Apóstolo ou assassinato de Frank País em julho de 1957, ele mantém contatos com alguns militares do regime contrário, que irão realizar ou levantar em 5 de setembro em Cienfuegos.

Por convocação de um Greve Geral em 9 de abril de 1958, foi assassinada por Faustino, como chefe do plano, juntamente com o Comandante Fidel Castro, que comandava a Luta nas montanhas do leste. Após o seu falido, não no início de maio de 1958, entrou na guerra na Serra Maestra como posto de comandante até ou triunfo de janeiro em 1959.

Na reunião de Altos de Mompié, foi feita uma análise das causas do fracasso do Greve no dia 9 de abril e foi decidido que toda a liderança do Movimento 26 de julho estava subordinada a Sierra. Faustino tornou-se membro executivo de cinco membros, cujo Secretário-Geral era Fidel e que não residiria no Comando Geral da Sierra Maestra.

Após o encontro, Faustino foi mandado de plano em plano por Fidel para liderar a reestruturação do Movimento, e voltou para Serra, onde iniciou a ofensiva de Batista contra o Exército Rebelde, não no dia 19 de julho. Ele permaneceu no Comando Geral durante os meses de julho e agosto e participou de duas batalhas em Santo Domingo, El Jigüe, Arroyotes e Las Mercedes. Quando parte do território de Sierra Maestra foi liberada, a administração civil do Território Livre foi confiada a ela.

Fidel: “Se não fosse possível vir ao Granma, teríamos vindo de qualquer maneira”

#EternoComandantre #RevolucionCubana #Cuba #FidelEnUnaFrase #JuntosPorCuba #PorSiempreFidel #YoSoyFidel #IdeasQueSonBanderas #Granma

Com informações do Cubadebate.

“Em condições muito difíceis tivemos que organizar os homens, treiná-los, encontrar os meios para vir a Cuba e preparar a expedição. Quando saímos, a polícia mexicana estava nos procurando. Até perdemos parte das armas que carregávamos.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é 128908069_412853256520058_2060559281929223797_n.jpg

Sobre as ondas, um arco de esperança

Com o desembarque, após a rota épica de Granma, os expedicionários seriam os primeiros combatentes da última etapa da ação libertária e a data, o dia da fundação das Forças Armadas Revolucionárias.

Autor:  | dilbert@granma.cu

Imagen

Em cada homem de Granma pousou uma semente. Foto: Arquivo Granma
A liberdade é um direito dos homens; mais, desta ilha, condição natural. Quem a habita e honra como pátria vê seu destino infinito e indomável, como o mar.

É por isso que eles se levantam se a machucam, a humilham ou a fingem com o desejo de um império, e devolvem nossos heróis nas ondas, para vencer as afrontas e colocar, na poltrona do povo, a vontade soberana. Há uma tempestade e águas ferozes, mas o tormento da terra sequestrada é pior e a fúria da raiva é maior.Imagem

Gravada na proa, Granma começou a rotular novas datas na história do país moribundo, de desafios permanentes, de desafios, de fé, que é a força motriz da utopia contra maus presságios: o clima, a estreiteza, a náusea, o atraso no levante de Santiago, a chegada a uma floresta de manguezais do litoral, a uma distância irônica da praia ideal.

Imagen

Não há má sorte nas provas do sacrifício quando se examina o temperamento do caráter, a resistência, a solidez da idéia, o desapego heróico com o risco de vida, porque “morrer pelo país é viver”.

O dia 2 chegou e até aquele dia os méritos eram suficientes para ser épico. Mas nem mesmo a proteção do continente oferecia concessões. Um batismo de fogo em desvantagem fraturou a coluna vertebral e o sangue que rolava pelos juncos da Alegría de Pío começou a pagar o preço do épico.

Imagen

Três perderam a vida instantaneamente, os outros perseguidos, alguns capturados e mortos; mas vários escaparam do massacre e, protegidos pelo manto dos fiéis camponeses, caminharam em segurança para a reunião: agora vencemos a guerra!

Cinco Palmas recuperaria o significado da expedição diminuída. Nem todos seriam, mas eram suficientes. Embora muito curta, fé é uma palavra profunda e enraizada.

Em cada homem do Granma pousou uma semente, ela permaneceu na terra fértil e, quando ele desapareceu, cortou sua vida pela liderança, ele retrucou no ideal da vitória que triunfou sobre o desespero.

 

 

Cuba e México, irmandade para todos os testes

O embaixador cubano na terra asteca conversou com o Granma sobre as relações entre os dois países, que serão fortalecidas com o novo governo de López Obrador

Andrés Manuel López Obrador. foto: notimex

A poucos minutos de chegar a esse capital agitado para assistir à inauguração do Andres Manuel Lopez Obrador, presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, escreveu às pressas em sua conta da rede social Twitter: “Alcançando amado México. Aqui sofreu, amou e encontrou os melhores amigos Martí. Aqui eles lutaram e eles amavam Mella e Tina. Aqui Fidel, Raúl e seus companheiros desenvolveram nossa liberdade. Aqui eles sempre nos respeitaram e nos amaram ». Continuar a ler “Cuba e México, irmandade para todos os testes”

%d bloggers like this: