LEI DE ENCERRAMENTO DA PRISÃO DOS EUA EM GUANTANAMO PARA SER RETOMADA.

#IlegalBaseNavalEnGuantánamo #BasesIlegalesDeEEUU #AmericaLatina #ElBloqueoEsReal

Autor: Redacción Internacional | internacionales@granma.cu

Foto tirada da Internet

Os democratas no Congresso dos Estados Unidos estão a tentar aceitar um projecto de lei para encerrar a prisão na base naval ilegalmente ocupada na Baía de Guantánamo, Cuba, uma promessa não cumprida pelas administrações anteriores. Durante o mês passado, membros do Congresso têm vindo a pressionar um grupo de iniciativas para aumentar o financiamento da defesa e pedem uma análise dos elevados custos de manutenção do centro de detenção, dinheiro que sai do bolso dos contribuintes. As propostas poderiam ser submetidas a votação nas próximas semanas na Câmara dos Representantes, onde passariam sem problemas, devido à maioria democrática, embora no Senado a perspectiva seja diferente, devido ao controlo republicano. (PL)

A verdade sobre Batista.

#HistoriaDeCuba #RegimenDeBatista #RevoluciónCubana #InjerenciaDeEEUU #ManipulaciónPolítica

PorJulio Martínez Molina

Mentir, mentir e mentir mais um pouco. Esta é a linha adoptada pelos meios de comunicação anti-cubanos no Sul da Flórida ao lidarem com o tema da ilha, não só em termos de assuntos actuais, mas também em termos do passado.

Os canais de televisão, estações de rádio, portais e jornais aí baseados têm há anos incluído entre as suas directrizes discursivas – embora a matriz se tenha intensificado consideravelmente nas últimas semanas – a vindicação do tirano sanguinário Fulgencio Batista.

Ao longo de Janeiro e Fevereiro de 2022 houve um congestionamento de artigos, comentários e entrevistas com familiares do ditador ou alegados peritos sobre o seu “legado”. O que tem sido dito em tais espaços sobre esta figura aterradora na história de Cuba é tão absurdo e ameaçador que faz fronteira com o delírio.

A vida de qualquer santo seria anã por uma tal avalanche de falsidades destinada a enobrecer a figura abjecta. Mas para saber realmente quem foi Fulgencio Batista, não é sequer necessário ir “à história escrita pelos comunistas”. A verdade pode mesmo ser encontrada nos meios de comunicação social ocidentais, livros e declarações de altos funcionários em Washington.

Em 1952, estabeleceu a ditadura mais sangrenta e corrupta jamais conhecida em Cuba, com apenas o precedente da satrapia de Gerardo Machado em termos de registo criminal.

Conhecido pelo seu trabalho anterior ao leme do país, tanto pelo seu passado golpista como pelo seu fervor pró-Washington – demonstrado desde a sua aliança com o embaixador Sumner Welles em 1933 – a revolta de 1952 teve o apoio total do governo dos EUA.

Foi um peão que implementou as políticas para a região, aconselhado pelos seus mentores. Os seus mestres deram-lhe sólido apoio material e conselhos militares, semelhantes ao que fizeram, anos mais tarde, com a má governação de Pinochet no Chile após o golpe contra Salvador Allende.

Os investimentos dos EUA em Cuba atingiriam um bilião de dólares durante o seu mandato. As visitas do então Vice-Presidente Richard Nixon e Allan Dulles, director da CIA, em 1955, serviram para reforçar os programas económicos e ideológicos do império na ilha.

Dulles disse ao tirano que o seu governo estava preocupado com a actividade comunista em Cuba, e o ditador inaugurou o Gabinete para a Repressão das Actividades Comunistas (o temido BRAC) dentro de algumas semanas.

A “criatura”, em conjunto com o não menos terrível Serviço de Informações Militares (SIM), a Polícia Nacional e o Exército, transformaram o país num Estado policial, em cujo vórtice as pessoas viviam em permanente ansiedade e onde o desinteresse político era punido com a morte, sem meias medidas.

Entretanto, a máfia americana transformou a noite e o negócio do jogo noutro império em Cuba, chamado “o bordel da América”, um assunto sobre o qual foram publicadas valiosas pesquisas.

Todos no Norte estavam felizes, incluindo os bandidos, e Batista tinha aqui um bar gratuito. Assim, deu uma mão livre aos grandes assassinos da história latino-americana (Conrado Carratalá, Pilar García, os irmãos Salas Cañizares – Rafael, Juan e José Maria – e Esteban Ventura Novo) e coortes de criminosos para defender a sua sinistra estrutura política.

Eram “homens de instintos de base, criminosos nascidos, bestas portadoras de todos os ancestrais atavismos vestidos de forma humana”, para usar as palavras de Fidel, que puseram a nação no limite e, especialmente, a sua juventude, que morreu com os olhos arrancados, sem pregos, os seus testículos rebentados ou violados, em casernas, valas, terrenos baldios, rios, mares.

No seu reinado de “sangue e pilhagem” – um termo utilizado pelo jornalista Enrique de la Osa – a corrupção ultrapassou todos os padrões históricos de uma nação já especialista na matéria. Batista aumentou sozinho o seu salário presidencial de $26.400 para $144.000, mais alto até do que o do Presidente Truman dos EUA, que era de cerca de $100.000.

No entanto, uma grande parte da população cubana estava desempregada, enquanto a maioria dos camponeses vivia em cabanas com telhados de guano e chão sujo, sem instalações sanitárias ou água corrente. Entretanto, 90 % não tinha electricidade.

Como o professor francês Salim Lamrani relata no seu ensaio 50 verdades sobre a ditadura de Fulgencio Batista em Cuba, o economista inglês Dudley Seers afirma que a situação em 1958 era intolerável: “No campo, as condições sociais eram terríveis. Quase um terço da nação vivia na miséria (…) vivendo em quartéis, geralmente sem electricidade ou latrinas, sofrendo de doenças parasitárias e não beneficiando de um serviço de saúde.

“Foi-lhes negada a educação (os seus filhos frequentaram a escola durante um ano, no máximo). A situação dos precários, vivendo em barracos improvisados em terrenos colectivos, era particularmente difícil (…). Uma proporção significativa da população urbana era também muito pobre”.

Arthur M. Schlesinger Jr., conselheiro pessoal do Presidente John F. Kennedy, escreveu: “Adorava Havana e fiquei horrorizado com a forma como esta encantadora cidade foi infelizmente transformada num grande casino e bordel para homens de negócios americanos (…). Perguntou-se como é que os cubanos – olhando para esta realidade – poderiam considerar os EUA de qualquer outra forma que não com ódio”.

Esta era a Cuba da miséria, do sangue e do terror imposto por Batista, o presidente “beatificante” que agora nos querem vender a partir da Florida. Só a ideia de um passado como este redobra a nossa força na luta para nunca mais voltar a um cenário tão desolado.

Extraído de Granma.

119º aniversário da ocupação militar ilegal dos EUA na Baía de Guantánamo.

#IlegalBaseDeGuantánamo #Cuba #EstadosUnidos #FidelCastro

Com informação da telesur.

Este 23 de Fevereiro marca o 119º aniversário da ocupação militar ilegal da área da Baía de Guantánamo, onde se encontra uma base militar americana.

Não é segredo que os Estados Unidos têm um número exorbitante de bases navais em todo o mundo, uma das quais, a mais antiga, está localizada na ponta leste de Cuba, na Baía de Guantánamo, desde 1903, quando a ocupação militar ilegal deste território cubano começou.

Este 23 de febrero se cumple el 119º aniversario de la ocupación militar ilegal de la zona de Guantánamo, donde se encuentra una base militar estadounidense.

No es ningún secreto que Estados Unidos tiene un número exorbitante de bases navales en todo el mundo, una de las cuales, la más antigua, se encuentra en el extremo oriental de Cuba, en la bahía de Guantánamo, desde 1903, cuando comenzó la ocupación militar ilegal de este territorio cubano.

Isto correspondeu às estipulações da Emenda Platt, aprovada a 12 de Junho de 1901 pela maioria dos membros da Assembleia Constituinte face à ameaça dos EUA de não retirar as suas tropas de ocupação estacionadas em Cuba após o fim da Guerra Hispano-Cubano-Americana.

Especificamente, o Artigo 7 estabeleceu a obrigação de ceder a essa nação porções do território da ilha para o estabelecimento de estações navais ou de carvão.

Inicialmente, o Governo dos EUA tencionava ceder perpetuamente os terrenos nas baías de Nipe e Bahía Honda, na costa norte, e os de Cienfuegos e Guantánamo, no sul, para este fim, numa base de arrendamento pelo tempo que fosse necessário.

Este acordo gerou uma forte reacção popular, que limitou o pedido à Bahía Honda e Guantánamo, embora este último nunca se tenha concretizado, porque para expandir a área da base no extremo oriente, a 22 de Dezembro de 1912 o acordo sobre a Bahía Onda foi revogado, de modo que desde então o enclave militar tinha 117,6 quilómetros quadrados, dos quais 49,4 quilómetros de terra, 38,8 de água e 29,4 de pântano, delimitados por 17,5 quilómetros de costa, tudo isto ilegal.

O interesse da potência anglo-saxónica na base de Guantánamo era de natureza fundamentalmente estratégica, tanto devido à posição geográfica da ilha como devido à sua baía de 5,2 quilómetros de comprimento, 20 metros de profundidade, 20 chaves interiores, cinco docas e capacidade para 42 navios.

Esta última garantiria o domínio militar dos Estados Unidos nas Caraíbas, América Central e do Sul, bem como o controlo do canal interoceânico que mais tarde seria construído no Panamá.

A Base Naval inclui também dois aeródromos e várias docas, molhes e amarrações com capacidade de atracação para diferentes tipos de navios.

Após o triunfo da Revolução Cubana em 1959, as relações entre os dois países romperam, mas os Estados Unidos mantiveram a sua predominância sobre o local, algo que o governo revolucionário sempre considerou um reflexo do imperialismo do poder americano. Quanto ao aluguer, Cuba pós-revolucionária só levantou o cheque uma vez.

Em 2002, os EUA decidiram abrir uma prisão no Sector Oriental da Base Naval, com o objectivo de alojar prisioneiros da chamada Guerra Global contra o Terrorismo. Essa prisão tornou-se conhecida pelo tratamento desumano dos prisioneiros, o que deu à instalação uma reputação terrível.

Legalmente, esta instalação militar encontra-se num limbo que a colocou no centro da controvérsia em várias ocasiões, uma vez que, não sendo território dos EUA, os métodos de interrogatório e as garantias dos prisioneiros não estão sujeitos às leis dos EUA ou de Cuba, ou seja, nem Havana nem Washington, nem a comunidade internacional tem jurisdição nesta área.

Os Estados Unidos mantêm cerca de 800 bases militares em mais de 70 países e territórios no estrangeiro. 76 estão na América Latina

¡¡TE 3NTERAS HOY!! Descubierto el: ¿sucesor? ¿imitador? ¿farsante?, de Batista. NO DAMOS PISTAS.

#Cuba #EstadosUnidos #MafiaCubanoAmericana #HistoriaDeCuba #DictadorFulgencioBatista

Cuba exige que os EUA fechem o centro de detenção de Guantánamo.

#Cuba #Guantánamo #EstadosUnidos #ElBloqueoEsReal

O Presidente Miguel Díaz-Canel denunciou na terça-feira a arbitrariedade sistemática e os abusos cometidos na base naval americana, repudiada pelo mundo, que se encontra em território ilegalmente ocupado em Guantánamo, uma província situada no leste de Cuba, e apelou também ao seu encerramento.

“Foram agora 20 anos de abusos escandalosos em território cubano ilegalmente ocupado na Baía de Guantánamo pelos maiores violadores dos direitos humanos do mundo”, escreveu o chefe de estado cubano na sua conta do Twitter.

Esta terça-feira, duas décadas após a chegada dos primeiros prisioneiros à prisão que o governo dos EUA mantém na base militar, apesar das exigências das autoridades locais para o regresso do território.

Esta denúncia surge na sequência da publicação de vários peritos em direitos humanos das Nações Unidas que condenam os abusos cometidos nesta prisão.

Os relatores independentes das Nações Unidas (ONU) sublinharam que nesta prisão há violações implacáveis e contínuas das garantias fundamentais dos prisioneiros, o que constitui uma mancha em Washington em questões como o Estado de direito.

Rejeitaram as detenções arbitrárias sem julgamento e a tortura ou maus-tratos aí cometidos. “Estas são práticas inaceitáveis para qualquer governo, mas particularmente para um governo dos EUA que afirma ser um protector dos direitos humanos”, sublinharam.

Além disso, criticaram a impunidade de que gozam aqueles que praticam estes actos e afirmaram que a Base Naval é um símbolo da sistemática falta de responsabilização e proibição da tortura patrocinada pelo Estado.

Os relatores exigiram o encerramento das instalações e o regresso dos detidos às suas casas ou a países terceiros seguros, e apelaram à reparação das pessoas torturadas e detidas arbitrariamente pelos seus agentes e à responsabilização dos responsáveis pela tortura.

Por seu lado, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Bruno Rodríguez, salientou no seu perfil que já são “20 anos de ignomínia” e recordou que 780 prisioneiros passaram em algum momento pela base norte-americana, “arbitrariamente detidos, sem julgamento ou devido processo”.

Denunciou também “tortura e tratamento degradante” contra estes prisioneiros.

Otaola propôs a mais alta condecoração atribuída pela Segurança do Estado em Cuba.

#ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #Covid-19 #OMS #ArtistasDelImperio #EEUUBloquea #ElBloqueoEsReal

A população civil cubana e a moral do Parlamento Europeu .

#Cuba #EstadosUnidos #Europa #LeyHelmsBurton

Por René Vázquez Díaz

Os co-religionistas políticos dos Estados Unidos promoveram a inclusão de um ponto de debate acusatório contra Cuba na sessão plenária do Parlamento Europeu de 16 de Setembro. Não deveria o Parlamento Europeu discutir como a Lei Helms Burton, contrária ao direito internacional, afecta a população civil inocente em Cuba?

Com o Helms Burton Act, os Estados Unidos tentam derrubar um governo mergulhando um povo inteiro na desolação e na ruína.

O bloqueio dos EUA intercepta, torna impossível, sanciona, penaliza e paralisa praticamente todas as transacções cubanas no estrangeiro. É uma actividade imperial doentiamente diligente, viciosa e vingativa contra a população civil de um pequeno país. Os navios que atracam em portos cubanos são proibidos de tocar nos portos dos EUA durante 6 meses. Cuba é uma ilha com poucos recursos. Isto cria dificuldades intransponíveis na aquisição de bens de primeira necessidade. Indivíduos e empresas que investem em Cuba são processados e sancionados nos tribunais dos EUA.

O Professor Harry E. Vanden, Professor de Ciência Política e Estudos Internacionais, Universidade do Sul da Florida, escreveu que o governo dos EUA “impôs deliberadamente condições de vida especificamente calculadas para eliminar fisicamente parte da população cubana” (Health and Nutrition in Cuba: Effects of the US Embargo, Centro Internacional Olof Palme, 1999). No mesmo livro, a Associação Americana para a Saúde Mundial relata como o bloqueio impede os cubanos que sofrem de leucemia ou que necessitam de diálise renal de receberem tratamentos essenciais para prolongar a vida, uma vez que a aquisição destes medicamentos por Cuba é sancionada pelo bloqueio. Hoje a situação é ainda pior, depois da administração de Donald Trump ter lançado mais de 200 novas medidas punitivas contra Cuba no meio das dificuldades letais da pandemia. Biden continua a seguir a mesma política de “guerra sem soldados e bombas contra Cuba”, mas com o mesmo efeito destrutivo.

Então o Parlamento Europeu vai isolar ainda mais as crianças, mulheres, homens e idosos inocentes de Cuba? Isto mina o moral de todos os envolvidos no Parlamento Europeu; é também um escárnio da Comunidade Internacional e uma violação dos Direitos Humanos. De que lado está então o Parlamento Europeu, do lado da população civil inocente de Cuba, ou apoia a guerra económica genocida extra-territorial dos EUA?

Tirada de CubaDebate

Cuba: democracia ou sistema multipartidário?

#Cuba #ManipulacionMediatica #CubaSeRespeta #EEUUBloquea #Sanciones #ElBloqueoEsReal #LeyHelmsBurton

Parlamentares e activistas latino-americanos condenam o bloqueio dos EUA a Cuba .

#CubaNoEstaSola #PuentesDeamor #ElBloqueoEsReal #ACubaPonleCorazon #SolidaridadVSBloqueo #CubaSoberana #TodoPorLaRevolucion

Além do bloqueio …

#ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #EliminaElBloqueo

%d bloggers like this: