O primeiro grupo de migrantes irregulares de 2022 chega a Cuba

#Migrantes #Cuba #EstadosUnidos #ElBloqueoEsReal #EliminaElBloqueoYa #ElBloqueoTambiénEsUnVirus

Autoridades cubanas recebem 39 migrantes interceptados no mar pela Guarda Costeira dos EUA.

#LeyDeEmigracion #EstadosUnidos #Cuba #EmbajadaDeEEUU

Por Redacción Razones de Cuba

A 24 de Dezembro, as autoridades cubanas receberam da Guarda Costeira dos Estados Unidos um total de 39 migrantes irregulares na Baía de Orozco, município de Bahía Honda, província de Artemisa, que tinham participado recentemente em quatro partidas ilegais do país por via marítima.

Os grupos eram compostos por 17, 13, 3 e 6 pessoas, que partiam indistintamente ao longo da costa norte das províncias de Matanzas, Artemisa e Havana, utilizando dispositivos navais não adequados à navegação e num barco de pesca desportiva retirado ao seu proprietário, o que não era apropriado para este tipo de travessia. A Guarda Costeira dos EUA foi informada em tempo real deste evento em particular, como parte da cooperação operacional entre serviços, permitindo a sua intercepção.

A operação de regresso destes 39 migrantes irregulares foi assegurada com as medidas higiénicas e sanitárias previstas de acordo com a situação actual da pandemia de Covid 19.

Este grupo traz para 1019 o número de pessoas devolvidas pelas autoridades americanas até à data este ano.

Este acto responde ao cumprimento da Declaração Conjunta Cuba-EUA de 12 de Janeiro de 2017, na qual ambas as partes acordam em normalizar as suas relações migratórias, a fim de garantir uma migração regular, segura e ordenada.

Cuba recebe mais 48 migrantes devolvidos pela Guarda Costeira dos EUA .

#Emigracion #Cuba #EstadosUnidos

A 9 e 18 de Agosto, as autoridades cubanas receberam da Guarda Costeira dos EUA um total de 48 migrantes ilegais na Baía de Orozco, município de Bahía Honda, província de Artemisa, que estiveram envolvidos em oito partidas ilegais do país por mar. Nesta operação, dois dos migrantes interceptados no mar não foram devolvidos ao país, em violação dos acordos de migração assinados entre os dois países.

Dos 8 eventos, 7 foram detectados e comunicados em tempo real pela TFR cubana à Guarda Costeira dos EUA e 6 foram acompanhados e persuadidos até ao limite das águas territoriais cubanas. Uma destas repúblicas foi realizada com apoio do estrangeiro numa lancha dos Estados Unidos, num ponto da costa norte de Caibarién, Villa Clara.

Após o cumprimento dos protocolos sanitários para estes casos, estas pessoas foram transferidas para um centro da Direcção de Identificação, Imigração e Estrangeiros do Ministério do Interior para cumprir os rigorosos procedimentos de higiene e epidemiologia do MINSAP, segundo os quais todas as pessoas que entram no país devem ser submetidas a uma PCR e entrar num centro de isolamento durante o período de tempo exigido.

Estes grupos elevam para 523 o número de pessoas devolvidas pelas autoridades americanas até à data este ano.

O não regresso de todos os migrantes ilegais não cumpre as disposições da Declaração Conjunta Cuba-EUA de 12 de Janeiro de 2017, na qual ambos os governos ratificaram o seu compromisso mútuo de garantir uma migração regular, segura e ordenada, uma responsabilidade que exige o cumprimento integral e efectivo dos acordos bilaterais de migração.

OEA em foco: décadas de duplicidade de padrões e interferência selectiva reacendem a controvérsia.

#OEA #EstadosUnidos #AmericaLatina #OTAN #GuerraFria #DerechosHumanos

Além do bloqueio …

#ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #EliminaElBloqueo

Cuba e a arma sônica de James Bond .

#Cuba #SubversionContraCuba #Diplomati#Embajada #FalsosAtaquesSonicos #JameBond #DonaldTrumpCulpable #ElBloqueoEsReal

Moderado e revolucionário.

#Cuba #HistoriaDeCuba #EstadosUnidos #GobiernosTiteres #RevolucionCubana #FidelCastro #ElBloqueoEsReal #InjerenciaDeEEUU #OTAN #EnmiendaPlatt #

Por Ernesto Estévez Rams Razonmes de Cuba .

Elihu Root era um advogado nova-iorquino nomeado Secretário da Guerra pelo presidente McKinley para administrar as novas colônias que haviam “caído” para os Estados Unidos: Porto Rico, Filipinas e Cuba. Foi Root quem propôs Leonardo Wood como governador da Ilha na primeira intervenção. O desprezo de Root pelos cubanos era evidente.

Quando a Assembleia Constituinte começou a redigir a carta que presidiria à República, Elihu escreveu a Wood para informar aos membros da assembléia que “se o povo americano passa a ter a impressão de que os cubanos são ingratos e irracionais, então o povo americano Não seria tão altruísta e sentimental na próxima vez que eles intervirem nos problemas cubanos … ». Isso acabou com a infâmia da Emenda Platt.

Anos depois, em 1929, Rafael Martínez Ortiz, que era Secretário de Estado da Ilha, explicou, ao falar dessas tarefas da Assembleia Constituinte, que nela “se impôs a realidade a todas as consciências capazes de avaliar a natureza do problema . Só os fanáticos continuaram a fazer barulho (…) o povo de pouca cultura; eles tinham que ver as coisas do ponto de vista de seu sentimentalismo. ‘ Para ele, os patriotas contrários à infâmia tinham pouco valor, eram “fanáticos”, ou seja, extremistas, guiados pelo sentimentalismo e não pela racionalidade.

Granma - Órgano oficial del PCC

O moderado Martínez Ortiz, alguns anos antes, ao inaugurar, em dezembro de 1924, a Primeira Conferência Pan-Americana sobre Eugenia e Homicultura, não teve escrúpulos em dizer que, para Cuba, toda imigração deve evitar a entrada de “pessoas ou raças impróprias”. , e concluiu que “duas raças superiores” deveriam ser favorecidas. Para ele, um deles era o Mediterrâneo europeu, e o outro, o saxão

Para o moderado Prío, a exemplo de seu tutor Grau San Martín, o discurso da soberania e do antiimperialismo “leve” durou apenas, como máscara, até chegar à presidência do país.

O jornalista Luis Ortega afirma que, ao entrevistar Prío nos dias posteriores ao golpe, pediu-lhe que intercedesse junto a Batista para que devolvesse um camarote que havia deixado em sua mesa presidencial. A caixa, ele confessou, continha, entre outras coisas, 250.000 pesos com os quais planejava reiniciar sua vida como exilado.

Aquele dirigente moderado que surgira na vida pública após a derrubada de Machado exclamou: “Diga a Batista para me devolver a caixa com tudo o que ela contém, confio no seu cavalheirismo”. Pelo menos já sabemos quanto valia o país para Prío Socarrás.

Fernando Martínez Heredia insistiu, até seus últimos escritos, em acompanhar a Revolução em sua condição de socialista e de “libertação nacional”. Tampouco deixou de convocar a República antes desse triunfo, de república neocolonial burguesa. Ao enfatizar seu caráter socialista, se justifica sua essência de classe, algo, em suma, típico de todo sistema social, mesmo quando os ideólogos capitalistas de vários tipos se esforçam tanto para não mencioná-lo.

Cito Martínez Heredia: «Em Cuba, os tremendos impactos da justiça social exercida e o fim da dominação neocolonial aconteceram juntos – só podiam acontecer juntos – e superaram os velhos discursos nacionalistas e as ideias e práticas reformistas. É por isso que chamo a revolução socialista de 1959 de libertação nacional.

Há pouco favor intelectual para aqueles que querem espanar “velhos discursos nacionalistas” e reformistas sem muita novidade na argumentação gasta, exceto pelo uso ocasional e espirituoso da palavra que esconde o que foi superado, para vendê-lo como uma ideia nova. Ao conseguir apresentar-se como o outro, a alternativa, a superior, ou aquela que se situa moderadamente no centro, trata-se, na realidade, de tornar potável a realidade cubana o retorno ao capitalismo colonizador que, em Cuba, seguirá necessariamente uma derrota da Revolução.

Não é honesto articular reveses em nome dos despossuídos, usando-os como máscaras. Aqueles que disfarçam a restauração capitalista com um ar de pós-modernidade me lembram do trabalho de um lavatório que busca higienizar as partes úmidas da República para realmente oferecê-la ao comprador mais poderoso da hegemonia capitalista global. Eles fazem essa manobra, enquanto acusam aqueles que defendem o radicalismo antiimperialista que reivindicam, por princípio, a soberania nacional como extremistas, como Martínez Ortiz.

Seis décadas de história vinculam nossa independência, como Martínez Heredia apontou, ao socialismo que proclamamos em nossas constituições após o triunfo revolucionário de 1959, endossado em um voto popular esmagador. Qualquer discurso que vise derrotar a revolução socialista de libertação nacional, o Estado que a representa e suas organizações, independentemente da linguagem dos diferentes signos ideológicos com que se reveste, é estritamente contra-revolucionário como manifestação de retrocesso.

A realidade é que o moderado, quer se autodenomine social-democracia, centro ou qualquer outro, nunca foi bom em anti-imperialismo. É por isso que evitam falar sobre isso. Mas é isso o que define a luta de classes em escala global hoje, continua sendo a aposta imperialista colonial contra a aspiração das maiorias a uma ordem socioeconômica que supere o capitalismo. Qualquer proposta que não enfrente este dilema e não tome o partido dos pobres é uma proposta de retrocesso e, portanto, do ponto de vista ideológico, contra-revolucionária.

Oscar Wilde encontrou a maior vileza naquele escravizador que fingia ser humano para tornar a vida mais aceitável para o servo, mas cujo objetivo era esconder a natureza exploradora do sistema de servidão. A relutância ao radicalismo, em nome de uma impossível reconciliação de classes, é exatamente isso: tornar sua condição de servo tolerável e natural para o colonizado.

Nós, revolucionários, também defendemos o fim do ódio, mas vemos que esse fim só é possível com o fim da injustiça social. Todos os nascidos em Cuba devem ser irmãos, mas com base em que ganhemos toda a justiça.

Antes de 1959, descobriu-se que alguns eram mais “irmãos” do que outros. O latifundiário cubano era mais irmão do latifundiário ianque do que do camponês cubano e, para ambos, a falsa condição de irmandade com o camponês acabou quando se trata de lhe pagar uma ninharia, ou quando o apetite incontrolável foi resolvido com o despejo.

A falsa irmandade do senhorio com o inquilino cubano acabou quando foi fixado o aluguel saqueador e, se não fosse pago, não havia nenhuma condição cubana que salvasse a família do despejo, incluindo os filhos, o avô, o cachorro e até o gato . Parece que alguns não gostariam que lembrássemos que a irmandade dos burgueses, por mais cubana que seja, só acontece com seus colegas de classe, sejam eles cubanos ou não.

Parece que alguns também gostariam que não lembrássemos que foram os moderados que se levantaram por conta própria da mesa da Revolução, em seus primeiros anos, assim que ficou claro que o único caminho para a verdadeira emancipação era através do antiimperialismo de raiz. , e quando o cheiro de humilde fortalecido provou ser demais para suas narinas refinadas. Uma coisa é falar da Revolução e outra é fazê-lo.

O bom moderado ensina um caminho de conciliações, enquanto nos diz que a solução para os problemas do mundo não é distribuir o peixe, mas ensinar a pescar. Mas não nos diz que, uma vez que você tenha habilidade para pescar, descubra que neste sistema-mundo capitalista, o dono da vara, do carretel, da rede e do anzol é 1% da população que, Feliz com a sua habilidade de criar riqueza, ela agora o força a entregar a maior parte da captura.

Em uma escala planetária, o sistema imperial global esgota os países pobres até o ponto em que sua capacidade coletiva de continuar entregando riqueza não está ameaçada, e quando eles saem do controle, há empréstimos financeiros de “resgate” para impedi-los de nosso colapso afeta a eficiência de pilhagem do sistema.

Mas o bom moderado não quer nos falar disso, assim como não quer nos dizer que nenhuma social-democracia jamais se ergueu organicamente, para denunciar e combater a depredação econômica imperialista sobre os países pobres. Pelo contrário, acomodam-se convenientemente ao mecanismo colonizador do imperialismo global, servindo-lhe de apoio como foro que necessita da sua cumplicidade ou, sem muito desgosto, pertencente ao exército imperial global, quer sob a sigla de OTAN, quer em alianças militares de “Aqueles dispostos” a atacar algum “canto escuro do planeta” infeliz.

O moderado, como o bom dono de escravos, quer naturalizar a pilhagem global de nós, dando-lhe roupas aceitáveis ​​ou convidando-nos, como se fosse possível para a maioria, fazer parte dos vencedores imperiais. Mas se uma nota dissonante ameaça a orquestra homogeneizadora capitalista, os moderados se afastam para que ganhe destaque o extremo que dizem abominar, mas que consideram necessário como corretivo aos radicais das revoluções. Sufocados os sons estridentes de Spartacus, sob a violência genocida, os piedosos moderados entram, para condenar os excessos dos dois extremos, igualando vítimas e perpetradores, e discursando, mais uma vez, sobre a necessidade da irmandade universal hipócrita dos democracia, assim, sem sobrenomes.

As Mediastintas deveriam implorar a seus aliados que tornassem as coisas mais fáceis para elas. Carlos Saldrigas, sobrinho burguês do ministro da ditadura de Batista, confessou publicamente, não faz muitos anos, como apostou sua fortuna para criar um “embrião de alternativa moderada e centrista” para Cuba. Curiosamente, alguns de seus anfitriões no pátio, durante a era Obama, reivindicaram “a mudança para o centro” como a forma de superar o radicalismo revolucionário anti-imperialista. Eles também precisam, como justificativa acadêmica, acusar a Revolução de ter sido presa no século XX, enquanto (ai, ironia, se houver) apelam para uma constituição da primeira metade do século passado, como referência intransponível. É uma pena que Martínez Heredia, Ana Cairo, Torres-Cuevas e tantos outros historiadores radicais “esmaguem” tantas vezes como, por uma revolução socialista de libertação nacional, o que, embora avançado em sua época, estava ancorado em um passado de reformismo que não conseguiu superar o capitalismo neocolonial.

O moderado de hoje, no campo de batalha da Revolução Cubana, submetido ao bombardeio criminoso do bloqueio que tudo condiciona, nos adverte com ar de sabedoria que a “Cuba possível” está longe dos extremos que, segundo eles, tocam. E enquanto as bombas caem como sanções, pregam que saímos das trincheiras sem armas, para chegarmos à metade, ali mesmo, onde o tiro do inimigo imperial é mais eficaz.

Deve-se lembrar aos moderados que Cuba é uma nação fundada no radicalismo de Martí, Mella, Guiteras e Fidel, e a esse radicalismo revolucionário que nos devemos aos humildes, pelos humildes e por todos os humildes deste planeta. E que, ao contrário da pregação conciliatória, em face do império que ameaça cobrir o sol com suas garras, esse povo radical, se necessário, em vez de se render, continuará lutando nas sombras.

Retirado do Jornal Granma

EUA centro próximo do Serviço de Cidadania e Imigração em Cuba

Washington, 10 dez (Prensa Latina) O Serviço de Cidadania e Imigração dos Estados Unidos (USCIS) anunciou hoje o fechamento permanente de seu escritório local em Cuba, cujo trabalho será realizado na capital mexicana. Continuar a ler “EUA centro próximo do Serviço de Cidadania e Imigração em Cuba”

%d bloggers like this: