Falsas notícias contra a Rússia, uma estratégia de guerra híbrida.

#Rusia #FakeNews #DerechosHumanos #ManipulaciónMediática #InjerenciaDeEEUU #Ucrania

A China apelou à contenção face às acusações entre a Rússia e a Ucrânia.

#Política #Rusia #China #InjerenciaDeEEUU #ManipulaciónMediática #FakeNews

Rússia denuncia vídeo encenado de mortes de civis ucranianos.

#Rusia #Ucrania #FakeNews #ManipulaciónMediática

teleSUR

O porta-voz do Ministério da Defesa russo Igor Konashenkov denunciou na terça-feira que os militares ucranianos fizeram e divulgaram um novo vídeo encenado “de civis, alegadamente mortos por actos violentos das Forças Armadas russas”, e depois responsabilizaram-nos pelo alegado massacre.

Segundo o funcionário, as imagens correspondem a uma gravação feita a 4 de Abril pelas tropas do 72º centro de informação e operações psicológicas na região de Moschun, a 23 quilómetros de Kiev, e foram posteriormente difundidas pelos meios de comunicação social ocidentais.

“Actividades semelhantes estão agora a ser organizadas pelos serviços especiais ucranianos” em cidades como Sumy e Konotop, disse.

Konashenkov disse que, como parte de um novo dia da operação militar especial, o centro de treino das forças ucranianas para operações especiais, localizado perto de Ochakov e utilizado para albergar mercenários estrangeiros, foi destruído.

Além disso, quatro depósitos de combustível perto das cidades de Kremenets, Cherkasy, Zoporozhie e Novomoskovsk foram neutralizados com mísseis de alta precisão.

Desde o início da operação militar em 24 de Fevereiro, a Rússia destruiu 125 aviões, 91 helicópteros, 398 drones, 1.969 tanques e outros veículos blindados, 214 lança-foguetes múltiplos, 226 sistemas de mísseis e 852 unidades de artilharia de campo e argamassa.

“Uma nova provocação”: a Rússia rejeita acusações sobre o assassinato de civis em Bucha, perto de Kiev.

#Rusia #Ucrania #ManipulaciónMediática

PorRusia Today

O Ministério da Defesa russo descreveu imagens da cidade ucraniana de Bucha, perto de Kiev, mostrando cadáveres de civis nas ruas como uma “provocação” e descreveu-as como mera “encenação” pelas autoridades ucranianas “para os meios de comunicação social ocidentais”.

A agência também rejeita as acusações feitas contra os seus militares pelo assassinato de residentes de Bucha. “Todas as fotografias e vídeos publicados pelo regime de Kiev que alegadamente mostram os ‘crimes’ dos militares russos na cidade de Bucha na província de Kiev são uma nova provocação”, disse o ministério.

Soldados ucranianos patrulham uma rua em Bucha, a noroeste de Kiev, a 2 de Abril de 2022. Foto: Ronaldo Schemidt / AFP

Enquanto Bucha estava sob o controlo dos militares russos, os residentes locais não sofreram qualquer violência.
“Enquanto esta localidade estava sob o controlo das Forças Armadas russas, nenhum residente local foi vítima de acções violentas”, salientou, acrescentando que os militares russos entregaram 452 toneladas de ajuda humanitária à população civil da região de Kiev.

Todas as unidades russas retiraram-se completamente de Bucha a 30 de Março.
O ministério explicou também que todo o pessoal militar russo deixou Bucha a 30 de Março, um dia após a ronda de conversações de paz na Turquia, e que a 31 de Março o próprio presidente da câmara da cidade, Anatoli Fedoruk, não só confirmou numa mensagem de vídeo que não havia mais pessoal militar russo na cidade, como “nem sequer fez qualquer menção aos residentes locais com as mãos atadas, alvejados nas ruas”.

Todas as “provas dos crimes” em Bucha só surgiram no quarto dia.
“Portanto, não é surpreendente que todas as chamadas ‘provas dos crimes’ em Bucha só tenham aparecido no quarto dia, quando as tropas do Serviço de Segurança ucraniano e representantes da televisão ucraniana chegaram à cidade”, disse a agência.

Os corpos “não mostram rigor mortis” e carecem de “manchas características de cadáveres”.
“É particularmente preocupante o facto de todos os corpos das pessoas cujas fotografias foram publicadas pelo regime de Kiev após pelo menos quatro dias não mostrarem rigor mortis, não terem as manchas características dos cadáveres, enquanto que há sangue não coagulado nas feridas”, disse o exército russo.

Tudo isto “confirma irrefutavelmente que as fotos e vídeos de Bucha são outra encenação do regime de Kiev para os media ocidentais, como aconteceu em Mariupol com a maternidade, bem como noutras cidades”, disse o Ministério da Defesa.

Os arredores meridionais de Bucha eram bombardeados 24 horas por dia pelas forças ucranianas.
Salientou ainda que os russos não bloquearam em momento algum as saídas de Bucha e que “todos os residentes locais tiveram a oportunidade de abandonar livremente a localidade na direcção norte, inclusive em direcção à Bielorrússia”. Ao mesmo tempo, o sul da cidade, incluindo áreas residenciais nos arredores, “foram bombardeados 24 horas por dia por tropas ucranianas com artilharia de grande calibre, tanques e múltiplos lança-foguetes”, disse o ministério.

“Durante todo o tempo a cidade permaneceu sob o controlo das Forças Armadas russas, e ainda mais depois, até hoje, os habitantes de Bucha circularam livremente pela cidade e utilizaram a comunicação móvel”, acrescentou.

Imagens de corpos deitados nas ruas de Bucha, alguns com as mãos atadas, foram divulgadas no sábado à noite. O conselheiro do gabinete do presidente ucraniano, Mikhail Podoliak, disse que os civis “estavam desarmados”, “não representavam qualquer ameaça” e “foram mortos a tiro por soldados russos”.

Qual é o senão – há sempre um senão?

#Cuba #Salud #Covid-19 #SubversiónContraCuba #Rusia #Ucrania #FakeNews #InjerenciaDeEEUU

O juízo honesto deve ser acompanhado de lucidez. (Sobre o actual debate intelectual cubano).

#Subversion #RedesSociales #ManipulaciónMediática #FakeNews #JoseMartí

PorCarlos Aristides Luque

E para nós que escrevemos é importante saber a quem o dizemos e a quem o dizemos”.

Bertolt Brecht. Em The Five Difficulties of Telling the Truth (As Cinco Dificuldades de Dizer a Verdade). (1934).

“Numa sociedade como a nossa, em que pela sua própria essência não existem contradições antagónicas, não há necessidade de temer desacordos, porque as classes sociais que a formam não são antagónicas. As melhores soluções surgem do profundo intercâmbio de opiniões divergentes, se forem canalizadas para fins saudáveis e se o julgamento for exercido de forma responsável”.

Raúl Castro. Discurso proferido na Assembleia Nacional do Poder Popular a 24 de Fevereiro de 2008.

Uma mensagem não comunica apenas através do significado literal das palavras. As palavras carregam conotações, subtextos implícitos, que também contribuem decisivamente para o significado total, para além do explícito, e com base em dois elementos essenciais: o contexto, no seu sentido amplo, e o que é excluído, o que não é dito no conteúdo da mensagem.

São estas duas condições de comunicação que são exploradas com relativo sucesso pelos manipuladores dos meios de comunicação social capitalistas hegemónicos com diferentes graus de mestria. Também recorrem à citação vulgar de um fragmento conveniente, cortando a totalidade do conteúdo emissor.

O contexto é constituído por muitos elementos. Mas há dois decisivos. O momento histórico específico, o evento ou matéria a que a mensagem se refere. E a personalidade do remetente.

É óbvio que quanto mais pública, cultural e politicamente significativa for a personalidade do remetente, mais influência emocional, cultural, social e política tem sobre o provável receptor.

E o receptor, a chamada opinião pública global, é dominada, como é sabido, por um conglomerado muito minoritário que detém todo o espectro fundamental dos meios de comunicação de massas existentes. O que não é publicado nestes meios de comunicação social praticamente não existe. E o que ali é divulgado é para muitos a verdade, agora chamada, devido à crescente desinformação, pós-verdade. Os meios de comunicação “alternativos” ocupam uma margem muito estreita da largura de banda de comunicação global. O direito à informação verdadeira, contrastada, honesta e objectiva é hoje globalmente limitado, se nos referirmos à informação e avaliações que atingem as grandes maiorias.

Nos países que se orgulham da liberdade de expressão e de imprensa, porém, esses textos e os pensamentos de intelectuais ou pensadores que atacam o núcleo duro do sistema político capitalista não são amplamente difundidos nos meios de comunicação hegemónicos. Apenas um exemplo é suficiente. Noam Chomsky, um intelectual de grande prestígio internacional e um dos mais penetrantes críticos do sistema político do seu país, que afirma que o New York Times é pura propaganda, pode dar as suas palestras nas universidades, mas é sistematicamente marginalizado dos meios de comunicação social que circulam amplamente e constituem a corrente dominante da opinião pública americana. Pela sua parte, um intelectual espanhol afirma que não é habitual no seu país expulsar um jornalista pelas suas opiniões. Porque aqueles que são aceites nos principais meios de comunicação social, já se sabe que não darão razões sérias, as que são importantes para o sistema político, para o fazerem.

Nos países que formam o eixo do mal latino-americano, Venezuela, Nicarágua, Cuba, com as suas diferentes especificidades, a posição do intelectual que apoia ou pertence aos seus sistemas políticos é muito peculiar e muito diferente, precisamente devido ao seu contexto histórico e à beligerância jurada dos seus inimigos antagónicos. Nestes países, o exercício do julgamento, como em qualquer outro, é fundamental para o exame dos seus projectos, tanto como para a luta contra a hegemonia dos media inimigos. É neles, na nossa região, que se concentra a lupa manipuladora dos meios de comunicação capitalistas.

Cada expressão, opinião, julgamento, julgamento dos seus intelectuais significativos está sob escrutínio e é rápida e orquestrada, especialmente se trouxerem qualquer elemento controverso ou polémico contra os seus países, a sua política, o seu governo.

As amplas sanções e agressões aplicadas contra estes países são largamente baseadas e justificadas, aos olhos da opinião pública, mas também na esfera das relações diplomáticas, pela imagem construída pelos media hegemónicos dos sistemas políticos que desejam subverter os grandes interesses económicos. Para construir esta imagem, eles fazem uso de toda uma panóplia dos recursos da chamada beligerância da 5ª geração. Um elemento específico, mas não menos importante, é a imagem que os seus intelectuais transmitem dos seus países, especialmente quando não são aqueles que se opõem diametralmente aos seus sistemas políticos.

O poder cultural hegemónico joga com, e aproveita, um conjunto de variáveis que têm uma sinergia positiva com os seus objectivos mediáticos. E o facto é que os sistemas que contestam o capitalismo não podem, em maior medida do que outros sistemas, prescindir de críticas. Formas de vida que visam ser diferentes, educar, melhorar, necessitam de um exame contínuo e constante. Mas, ao mesmo tempo, muitas das dificuldades, dificuldades materiais e de recursos e insuficiências, e mesmo os erros cometidos, são causados pelo seu carácter de países sujeitos ao sistema de relações desiguais que reina e tenta destruí-los ou pelo menos neutralizá-los. Assim, a crítica intelectual interna que aborda estas dificuldades, deficiências, insuficiências e erros, sendo condicionada por esta ordem mundial desigual, serve ao mesmo tempo como outro elemento de ataque. É um jogo de ganhar sempre. Aqueles que nos atacam e nos prejudicam aproveitam-se das críticas, mesmo quando são honestos e empenhados, das dificuldades que eles próprios ajudam a provocar. Este é um elemento que raramente é lido na troca de debates cubanos.

O que fazer?

Naturalmente, não se pode dispensar a crítica e o exercício do julgamento. E também aqui, os países acima mencionados, e sobretudo Cuba, estão empenhados numa luta injusta e muito desigual.

Em países que pertencem ao conglomerado que por vezes adoptaram uma política comum de animosidade ou beligerância contra Cuba, como a posição comum europeia, é possível legislar uma Lei da Mordaça sobre a opinião pública ou mesmo processar um comentador de uma monarquia, e dificilmente é notícia ou repudiada em todo o mundo. Se Cuba o fizesse, tornar-se-ia um escândalo que ressoaria aos quatro ventos. A principal razão para um país como Cuba não recorrer a meios tão extremos é a natureza do seu projecto. Então essa peculiaridade que deve caracterizar o intelectual que molda ou influencia a formação da imagem do seu país deve entrar em jogo.

A crítica é útil quando é honesta, ou seja, quando está em conformidade com uma correspondência entre a ética pessoal e a verdade dos factos. A verdade aponta para um elemento factual, real, que se considera que deve ser posto em prática para o bem de um projecto político, ou para a saúde da vida social. Mas a verdade é informação completa. Quando uma meia verdade é declarada, ou seja, com informação incompleta, não só toda a verdade é enterrada, como outra verdade é formada, mas torna-se algo muito próximo de uma mentira. Uma verdade incompleta está a inaugurar uma mentira. E é isto que aqueles que prejudicam a imagem de um país exploram para justificar as suas agressões.

A situação contestada e portanto atacada de Cuba exige uma qualidade de responsabilidade muito diferente da dos seus intelectuais, e certamente muito mais complexa do que em outros lugares. Embora possa sofrer a angústia de ser tão lúcido e honesto quanto possível para atingir o seu objectivo, que é a melhoria e o crescimento do projecto que apoia, deve ter em mente que também será aproveitado pela máquina global dos media e não precisamente para maximizar o objectivo de melhoria que é o objectivo da sua crítica. O critério da auto-censura deve ser o da auto-censura, mas em vez disso tem uma responsabilidade de lucidez. Ninguém diz que é fácil, mas que é necessário.

Várias vezes, no meio do actual debate cubano, vêm-me à mente as famosas cinco dificuldades brechtianas em dizer a verdade, que são hoje absolutamente válidas, mas sobretudo para aqueles países que pretendem enfrentar com algum sucesso a guerra que está a ser travada contra nós: “quem hoje pretende combater a mentira e a ignorância e escrever a verdade deve ultrapassar pelo menos cinco dificuldades”, escreveu ele no momento histórico de 1934. E são:

I A coragem de escrever a verdade; II A astúcia de reconhecer a verdade; III A arte de tornar a verdade controlável como uma arma; IV O julgamento para escolher as pessoas em cujas mãos a verdade se torna eficaz, e V A habilidade de espalhar a verdade entre muitos.

Cada uma destas dificuldades está relacionada uma com a outra, embora mantenham a sua independência no sistema. Quanto à sua integração, não faz sentido ter a coragem de escrever a verdade se não se tem a astúcia, a capacidade de a reconhecer onde quer que ela se manifeste. Brecht diz-nos: “A pessoa que escreve apenas pequenos factos não é capaz de tornar os problemas deste mundo viáveis. Mas a verdade tem este fim e nenhum outro”.

Tudo isto falha se não se dominar a arte de transformar a manipulação da verdade numa arma, mas ao mesmo tempo, sabendo como dirigi-la de tal forma que seja eficaz nas forças que interessam ao projecto em que se está a militar. E parte disto é a sua divulgação. Brecht diz para o espalhar “entre os muitos”.

E os “muitos” de hoje são controlados pelos meios hegemónicos. Estes meios de comunicação criaram o mito de que um artefacto chamado rede social é simultaneamente um instrumento de democratização, ou seja, público, e a sala de estar da nossa casa, a privacidade onde nos permitimos tudo, a nossa parede. Uma “privacidade” pública de que aproveitam para divulgar o que dizemos na nossa sala, mas que é conveniente para os seus propósitos públicos.

A web está inundada, na melhor das hipóteses, com pessoas que apenas escrevem, como diz Brecht, “pequenos factos”, a doxa, a mera opinião subjectiva, não raramente desinformada, ou apenas muito parcialmente informada. E cria com ele imagem pública e julgamento. Os poderes que controlam o fluxo de tudo o que é publicado em redes sociais e blogs têm os recursos para tornar a “verdade” controlável como arma numa competição muito desigual. Parece que Brecht estava a falar por hoje: “Ele pensou: Eu falo e quem me quiser ouvir ouvir, ouvir-me-á”. Na realidade, ele falou, e quem o podia comprar ouvia-o; as suas palavras não eram ouvidas por todos, e quem as ouvia não as queria ouvir todas”.

“As suas palavras não foram ouvidas por todos”. E acrescentou na dificuldade (IV) referente à recepção: “A verdade não pode ser simplesmente escrita, é indispensável escrevê-la para alguém que a saiba utilizar”. E acrescentamos: uma verdade incompleta é magnífica para aqueles que sabemos que só a quererão utilizar para os seus próprios fins. É isto que os media internacionais fazem hoje em dia quando um intelectual dos sistemas a que se opõem não sabe como transformar a verdade que deseja espalhar num meio ou arma eficaz nas mãos das forças adequadas aos seus objectivos de melhoria. “E para nós que escrevemos é importante saber a quem o dizemos e a quem o dizemos”.

Honestidade sem lucidez será sempre louvável como honesta, mas lamentável como falha e inútil e não raro contraproducente. Evitar isto é a necessária lucidez responsável dos intelectuais das nossas terras.

Pensava que tinha visto tudo? Bem, não… armadilhas vêm e vão, mas aqui ficarão expostas.

#FakeNewsVSCuba #RedesSociales #ManipulaciónMediática #MafiaCubanoAmericana

Chapeando: Odiadores do estado cubano e nostálgicos Batista ao mesmo tempo?

#FakeNews #RedesSociales #NoAlOdio #ManipulaciónMediática

Por: Arleen Rodríguez Derivet

Publicado en: Podcast

Independentemente da posição, posto ou ligação da pessoa atacada no seio das principais autoridades do país, a crítica emocional e irracional que está a ser promovida nas redes contra tudo o que os representantes do Estado cubano e mesmo as suas famílias dizem ou fazem, parece ser o primeiro mandato para os odiadores em serviço.

O fenómeno é mundial, com experiências brutais e dolorosas em países como a Argentina (contra Cristina Kirchner e a sua família) e o Brasil (contra Dilma Rousseff). Fomos informados por colegas da Rede de Mulheres do Sul, que procura contrariar o impacto de notícias falsas e campanhas de ódio contra as mulheres com liderança da esquerda cujos governos progressistas promoveram importantes mudanças sociais na região.

O que é novo no caso de Cuba é que as mensagens destinadas a desacreditar o governo, as suas acções e estruturas, apresentando-o como incapaz, ineficaz e mesmo corrupto sem um único argumento e envolto na aparente impunidade das redes sociais, coincidem no tempo com uma campanha visível para exaltar a figura e o “trabalho” de um tirano dos livros de texto como Fulgencio Batista.

Nesta edição de Chapeando, foram discutidos dois exemplos recentes de tentativas brutais de linchamento dos media, primeiro contra a esposa do Presidente cubano, Lis Cuesta Peraza, pelo seu papel como responsável MINCULT pelos eventos e pela sua participação na promoção do festival San Remo Music Award, e mais recentemente contra o Ministro da Economia e Planeamento, Alejandro Gil, pelas suas explicações sobre a inflação em Cuba.

Em ambos os casos, começam por questionar algum aspecto do evento e escalam ao ponto de proferir os piores palavrões e insultos contra as pessoas responsáveis.

É assim que são estabelecidas as matrizes, as etiquetas, os cartazes. De lá vêm os termos ditadura num dia, e assassino no dia seguinte. De incapaz num dia, e corromper no dia seguinte. E escrevem as acusações nas redes, ignorando ou querendo ignorar que existem leis que sancionam estes ataques à integridade pessoal, qualquer que seja o meio ou a plataforma.

Incrivelmente, isto acontece ao mesmo tempo que os elogios à figura de Fulgencio Batista, com vídeos, livros e debates. Acontece que a Revolução não foi o resultado da luta de um povo inteiro contra um regime que assassinou aqueles que se lhe opunham. Programas inteiros são-lhe consagrados e é mesmo descrito como revolucionário. Se tiver dúvidas, ouça um fragmento de um programa na televisão americana neste podcast, onde uma neta do ditador é entrevistada e o apresentador lhe faz elogios, tentando exaltar o seu papel na história de Cuba.

A tentativa de falsificar a história tem sido sempre uma linha de mensagem prioritária na guerra dos media contra Cuba.

O analista Reinier Duardo citou as palavras de John F. Kennedy sobre Batista e os seus abomináveis crimes contra a juventude cubana na década de 1950. E recordou que há apenas alguns dias, Descemer Bueno celebrava com grande paixão o trabalho de Batista.

Como advertem aqueles que conhecem bem a história, esta é a linha dos eternos candidatos dos Estados Unidos a Cuba: os Batista’s, que privatizaram tudo, reprimindo os protestos com sangue e cadáveres nos contentores, uma história demasiado recente para tentarem distorcê-la.

Neste contexto, as campanhas subtis ou rudes contra tudo o que o governo faz e diz, um governo que derrotou uma pandemia, que sustentou a institucionalidade e o funcionamento do país sitiado, a pressão e a guerra económica… tudo está ligado a esta exaltação de um período tão terrível e sombrio para Cuba, que provocou uma revolução em resposta.

Guerra cognitiva: “hacking” de mentes para as transformar em armas de propaganda (diz a NATO)

#RedesSociales #InfluenciaEnLaSociedad #GuerraCognitiva #AhiLesVa

%d bloggers like this: