O que fazer face à MANIPULAÇÃO da nossa realidade?

#ManipulacionPolitica #Terrorismo #CIA #EstadosUnidos #ConFilo #NoManipulación #LaLeySeRespeta

O Arquipélago confessa como o bloqueio os afecta So? Mais provas do mercenarismo .

#ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #XCubaYo #UnblockCuba

O preço de pensar de forma diferente em Miami … Onde está a liberdade de expressão .

#LibertadDeExpresión #EdmundoGarcia #Miami

Edmundo é expulso de uma loja em Miami porque o proprietário não partilha a sua ideologia e a polícia do condado apoia a expulsão.

Liberdade de Expressão nos EUA

#MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #PuentesDeAmor

Encontrei este vídeo na rede e penso que é uma prova clara de que, de facto, a Florida como Estado, a polícia e outros sectores da sociedade americana são governados, preparados e curvados pela #MafiaCubanoAmericana … Este homem não é um revolucionário mas também não apoia Otaola e os outros youtubers que pedem bombas, guerras de mísseis e terrorismo para Cuba … Como pode ver, a polícia chega quando ele já foi agredido física e verbalmente, incluindo ameaças de morte …. Essa é a liberdade de expressão que os Estados Unidos prometem ….

O que pode a Europa ensinar a Cuba: liberdades, ou repressão .

#UnionEuropea #DerechosHumanos #Democracia #EstadosUnidos #InjerenciaDeEEUU

Por José Manzaneda

O Parlamento Europeu aprovou uma condenação de Cuba pela “extrema violência e repressão contra manifestantes pacíficos” durante os protestos de Julho (1).

“Repressão brutal” na ilha, diz a imprensa europeia (2). Mas se observarmos mais de perto as dezenas de vídeos publicados sobre esses incidentes (3) (4) (5), e desligarmos o som da narração, o que é que vemos realmente? Uma polícia cubana mal treinada que dá uma resposta morna às agressões (6), e cujas expressões mais violentas são quase infantis em comparação com as acções de muitas polícias em todo o mundo. Para começar, os da própria Europa (7).

A verdadeira brutalidade policial tem sido praticada, em mais do que alguns cenários de protesto, pela polícia espanhola, por exemplo (8). A sua intervenção contra o referendo na Catalunha em 2017 feriu cerca de 800 pessoas (9). O Tribunal dos Direitos Humanos de Estrasburgo emitiu dez condenações contra Espanha por não ter investigado queixas – mais de cinco mil casos documentados – de tortura policial e maus-tratos (10). Onde estão as condenações do Parlamento Europeu?

Falam-nos de detenções em Cuba por “demonstrarem pacificamente a sua liberdade de expressão” (11). Isto é falso. Ninguém nega que houve excessos ou acções irregulares -severificando-as investigadas pelo Ministério Público Militar-, mas em geral as operações policiais responderam não a protestos pacíficos, mas a ataques com pedras e cocktails molotov (12), e a assaltos e roubos de bens públicos (13).

O Parlamento Europeu nunca condenou o governo da Colômbia (70 mortes devido à repressão nos protestos de Abril) (14), o do Chile (34 mortes nos protestos de 2019) (15), ou o governo golpista provisório da Bolívia, que causou 32 mortes (16). Neste último caso, o Parlamento Europeu reconheceu o golpe como um governo legítimo e, meses mais tarde, denunciou a detenção do presidente como “arbitrária e ilegal” (17). O Parlamento Europeu também não condenou, em 2020, a acção policial nos EUA durante os protestos da Black Lives Matter, que resultaram em 30 mortes e 14.000 detenções (18).

A UE tem acordos de comércio e cooperação extensivos com todos estes países. Mas agora o seu Parlamento – nas mãos dos aliados de direita de Washington – apela à destruição do Acordo de Diálogo e Cooperação UE-Cuba devido a uma prática policial claramente menos repressiva do que a de todos esses países (19).

Falam-nos do assédio em Cuba aos “vencedores do Prémio Sakharov” como Guillermo Fariñas (20). Mas o que aconteceria a este último se, como europeu, confessasse na imprensa que estava a negociar com o governo dos EUA uma intervenção militar no seu país (21)? Ele já teria estado na prisão há muito tempo. Mas em Cuba, além de ser preso durante algumas horas, não lhe acontece absolutamente nada (22).

Os protestos em Cuba foram o resultado previsível de uma situação muito prolongada de dificuldades materiais, apagões, falta de medicamentos e alimentos, escassez de transportes e longas filas de espera. Mas nem o Parlamento nem os meios de comunicação social europeus explicam as suas causas. Por um lado, uma brutal guerra económica dos EUA, com 243 sanções nos últimos quatro anos, que dinamizaram cada uma das fontes de rendimento do país (acordos médicos internacionais, viagens dos EUA, remessas da emigração…) e que deixaram a ilha praticamente sem combustível, através de sanções ao seu principal fornecedor, a Venezuela, e às companhias de navegação de países terceiros (23). Por outro lado, a pandemia levou ao encerramento da única fonte de rendimento restante do país, o turismo. E finalmente, uma campanha de um milhão de dólares nos meios de comunicação social, financiada por agências federais dos EUA, para mobilizar um sector ainda pequeno mas já visível da população da ilha contra o governo cubano (24). Uma campanha na qual, a fim de inflar a imagem da repressão, inúmeras histórias falsas foram utilizadas para transformar as acções policiais no Brasil (25), África do Sul (26) e República Dominicana (27) em imagens de Cuba.

De qualquer modo, o equilíbrio não poderia ter sido mais “pírrico, vil e vil”, como o presidente do México denunciou há alguns dias, com cujas palavras de mestre nos despedimos: “É errado que o governo dos Estados Unidos utilize o bloqueio para impedir o bem-estar do povo cubano para que, forçados por necessidade, tenham de enfrentar o seu próprio governo. Se esta estratégia perversa fosse bem sucedida – algo que não parece provável dada a dignidade a que nos referimos – repito, se fosse bem sucedida, tornar-se-ia um triunfo pírrico, vil e desprezível. Uma dessas manchas que não pode ser apagada mesmo com toda a água dos oceanos” (28).

Um novo messias e uma democracia seqüestrada .

#MafiaCubanoAmericana #ManipulacionPolitica #MercenariosYDelincuentes #SubversionContraCuba

Por Francisco Grass

Onde estão as tentativas vãs de levar Cuba por um caminho falso e duvidoso? A própria pergunta responde, todos eles se despenharam como um avião no meio do deserto, e por isso é nesta tragicomédia, imediatamente risível e dolorosa, que um novo “messias” da contra-revolução interna em Cuba, o novo Judas Iscariotes do povo, Yunior García Aguilera, emerge da poeira imunda da traição.

Talvez tudo faça parte de uma nova peça, talvez Judas esteja a preparar-se para um papel de liderança num novo filme de Hollywood. Ninguém está a retirar o talento ao jovem. É claro que não é apenas o seu mérito. Ele próprio bebeu do seio da Revolução, das suas escolas e universidades. Agora, depois de receber uma educação de qualidade, vai até à equipa oposta, flerta com o inimigo, gosta da relva verde do outro lado da cerca

É incrível como alguém pode gerar uma obra de arte, escrever guiões, agir com originalidade e ao mesmo tempo vender o seu próprio povo por tão pouco. Como pode um actor e argumentista trair a sua pátria e o seu povo de forma tão descarada?

Quem é que este tipo pensa que é? De escrever guiões, tornou-se autor de cartas solicitando marchas pacíficas, refugiando-se na Constituição da República de Cuba, especificamente no Artigo 56, que também fala da Declaração Universal dos Direitos do Homem, Artigo 20.

Parece que Yunior vai finalmente tomar coragem e apelar a uma marcha pacífica contra o bloqueio, depois de ter enviado uma carta ao Presidente dos Estados Unidos Joe Biden exigindo o fim do crime contra a humanidade que afecta a vida dos cubanos há mais de 60 anos, privando-os mesmo do acesso a bens de primeira necessidade e medicamentos nestes tempos de pandemia.

Nem sequer sonhem com esse Yunior, senhoras e senhores! É disso que Cuba precisa, mas a Pátria olha para o seu filho enquanto ele tenta vendê-lo a preço de saldo às piranhas sem coração da Florida, aquelas frustradas que mantêm o sorriso macabro de Batista nas suas carteiras. Outro Bobolón, outro Randy Malcom, outro Alexander, outro Yomil, onde, pergunto-me, onde estão os Maceos e o Fidel?

Yunior, compadre, o artigo 56º da Constituição da República de Cuba garante o direito de reunião, manifestação e associação para fins pacíficos, mas, pergunto-lhe, considera que está no meio de uma guerra híbrida promovida pela primeira potência económica e militar do mundo contra o nosso país? no meio de uma política de bloqueio de ferro intencionalmente intensificada para provocar o desespero na população, no meio de uma pandemia global que custou a vida a milhões de pessoas no mundo e a alguns milhares no nosso país, o momento mais apropriado para apelar à vossa “marcha pacífica”, que ambos sabemos ser uma provocação? , Não, ainda menos depois da experiência de 11 de Julho, e isso não vai acontecer, porque mostrou que está a agir, nunca melhor dito, sob o manual do império e não sob a necessidade sincera de demonstrar pacificamente.

Pode comunicar o que desejar em tempo e forma, mesmo assim, não retira a dupla intencionalidade da acção que afecta directamente a segurança da nação, que usando a democracia tem o direito de considerar se uma “marcha pacífica”, se não for, é necessária para alcançar um diálogo com possíveis sectores da nossa sociedade que queiram envolver-se num diálogo aberto sobre questões que lhes dizem respeito, Isto está actualmente a ser feito, e demonstra por sua vez que, mesmo em situações complexas para a nação, o Estado cubano garante o princípio universal da democracia de acordo com o nosso modelo económico, político e social, que foi ratificado pela grande maioria, o socialismo.

Qual é a intenção por detrás da sua proposta para uma “marcha pacífica”?

A violência que era evidente a 11 de Julho foi importada, é o ódio que se aninha no coração das hienas sanguinárias que habitam na Florida e dos seus lacaios internos contra o seu próprio povo, um ódio visceral, um vestígio da Cuba pré-revolucionária, é o ódio das classes burguesas contra os trabalhadores e os mais humildes, é o ódio dos ricos contra os pobres, esse círculo vicioso que encontrou o seu fim com o triunfo da Revolução a 1 de Janeiro de 1959.

A violência que se tornou evidente a 11 de Julho foi recriada pela primeira vez na mente distorcida de pessoas apegadas a terroristas como Luis Posada Carriles, que usam o povo, manipulam-no, aproveitam as suas dificuldades, aquelas que eles próprios geram, colocam-nos uns contra os outros, dividem cubanos, famílias, criam sentimentos alheios ao significado da cidadania cubana, que é o amor pela pátria, a solidariedade e o espírito de luta pela sua liberdade.

Em Cuba não há prisioneiros políticos, aos actores envolvidos nos acontecimentos de 11 de Julho foram dadas todas as garantias legais, e os seus julgamentos seguem o que está estabelecido na lei de processo penal e na correspondência com os crimes por eles cometidos nos acontecimentos, nenhum crime pelo qual são acusados está associado ao político, mas por desprezo, agressão contra as autoridades, contra as pessoas, destruição de bens sociais, entre muitos outros que serão sujeitos ao quadro punitivo dentro do actual código penal, de acordo com o tipo de crime e as suas tipologias.

Qualquer cubano digno gostaria de resolver os problemas da nossa sociedade de forma pacífica e democrática, até que alguém do seu círculo viciado apareça e proponha o contrário. A vossa chamada marcha pacífica de 5000 pessoas e mais é algo que o Estado não pode permitir tendo em conta a situação actual, existem agora outras prioridades, sobretudo a vida de uma nação que luta contra o Covid-19, no meio de tantas coisas, das quais o vosso enxame “pacífico” não vai resolver nenhuma delas.

Nenhum dos vossos manifestantes “pacíficos” tem qualquer intenção de marchar em apoio às vacinas cubanas, contra o bloqueio, não chamam entre vós para plantar alimentos, não exigem que as famílias cubanas que vivem nos Estados Unidos possam enviar remessas aos seus familiares que vivem na ilha, Em suma, tudo o que afirma ser pacífico, acaba por ser o oposto, porque não se comandam uns aos outros, são peões de outras pessoas que não são nada pacíficas e que brincam cruelmente com o povo humilde e trabalhador de Cuba.

Porque devemos permitir-lhe partir, conhecendo antecipadamente as suas intenções sujas e as dos seus mestres? Sabe do que estão a falar, da sua marcha “pacífica”, à qual pessoas de todos os tipos se juntam livre e ingenuamente, com a cobertura da imprensa “independente”, meios de comunicação como ADN Cuba, Ciber Cuba, Cuba Cute, entre muitos outros que são financiados pelos Estados Unidos para criar uma pseudo-realidade da ilha que serve de prelúdio a uma revolução colorida apoiada pela extrema-direita na Florida e parte da Europa e da América Latina.

Estes meios de comunicação, cujos jornalistas se dizem “independentes” dependem cada vez mais do Departamento de Estado norte-americano e da CIA. O que nos tomam por Judas, deixam a democracia marchar livremente, vocês que a raptaram, não são o messias do povo, são Judas Iscariotes, e nenhum traidor deve falar de democracia ou de marchas pacíficas, as vossas palavras podem dizer isso, mas o veneno sujo do que escondem produz um fedor que pode ser cheirado a quilómetros de distância. Para outro cão com esse osso!

Yunior García Aguilera, o “patriota preocupado”.

Quem ganhou as guerras no #Iraque e no #Afeganistão ?

#EUA #OTAN #ONU #DerechosHumanos #Democracia #Terrorismo #Afganistan #Irak

Por Redacción Razones de Cuba

Durante a guerra de 20 anos contra o Afeganistão, os EUA gastaram mais de 2,2 triliões de dólares em armas. Numa outra guerra, a guerra do Iraque, o Pentágono gastou mais de 1,7 triliões de dólares desde o seu início, em Março de 2003. Em ambos os países, mais de um milhão de pessoas já morreram nos combates e a destruição material inclui danos extensivos a Sítios do Património Mundial.

E tanto no Iraque como no Afeganistão, e acrescentamos a Líbia, também atacada por Washington e pela OTAN, a situação do pós-guerra é de instabilidade, grande afetação económica e social e apropriação dos seus recursos.

Enquanto isto acontece, a despesa militar mundial no ano passado foi de quase dois triliões de dólares, como denunciou o Primeiro Secretário do Partido Comunista de Cuba e Presidente da República, Miguel Díaz-Canel, perante a Assembleia Geral da ONU. “Quantas vidas teriam sido salvas se esses recursos tivessem sido atribuídos à saúde ou à produção e distribuição de vacinas”, perguntou ele. Argumentou: “As respostas possíveis a essa questão residem numa mudança de paradigma e na transformação de uma ordem internacional profundamente desigual e antidemocrática.

Os exemplos do que aconteceu no Iraque, como no Afeganistão, mostram que os únicos vencedores nestes conflitos foram o Complexo Industrial Militar e os contratantes privados que, sob a égide da CIA ou do Pentágono, enviam dezenas de milhares de mercenários para apoiar e fazer parte dos contingentes militares mobilizados por Washington e pela OTAN.

Quando o Pentágono, sob as ordens do então presidente George W. Bush, se lançou contra o Iraque com milhares de militares e meios de guerra que incluíam armas proibidas como o uso de urânio empobrecido nas suas bombas e foguetes, uma grande parte do investimento multimilionário dedicado à guerra foi parar às mãos de empresas privadas ou contratantes.

Sob o nome Blackwater, a empresa que era considerada o principal exército mercenário do mundo teve mesmo de mudar o seu patronímico face ao óbvio descrédito após o seu envolvimento no assassinato de civis – incluindo crianças iraquianas – e na tortura.

Em 2004, na cidade martirizada de Fallujah, quatro dos seus mercenários foram executados e enforcados na ponte à entrada da cidade, acção reivindicada pela resistência iraquiana, após o assassinato de 17 civis por estes empreiteiros.

Para o trabalho genocida na nação iraquiana, as empresas privadas contratadas receberam, só nos primeiros anos da guerra, mais de 85 mil milhões de dólares, de acordo com dados do Congresso dos EUA.

No Afeganistão, de onde as tropas dos EUA e da OTAN acabam de se retirar em derrota após 20 anos de guerra, os únicos vencedores têm sido os mesmos: empreiteiros privados e o Complexo Industrial Militar dos EUA.

Dos 2,3 triliões de dólares que esta guerra injusta custou aos contribuintes americanos, estima-se que pouco mais de um trilião de dólares foi para as várias empresas privadas que contrataram milhares de mercenários. As empresas com os maiores contratos no Afeganistão, segundo estimativas de Haidi Peltier, director do projecto “20 Anos de Guerra” da Universidade de Boston, citado pela bbc, foram: “14,4 mil milhões-Dyncorp International, 13,5 mil milhões-Fluor Corporation, 3,6 mil milhões-Kellogg Brown Root (kbr), 2,5 mil milhões-Raytheon Technologies e 1,2 mil milhões-Aegis llc”.

Os números cobrem essencialmente o período 2008-2021. Acrescente-se a isto que, entre 2008 e 2017, os EUA perderam, por utilização indevida ou fraude, cerca de 15,5 mil milhões de dólares destinados à reconstrução no Afeganistão, de acordo com o The New York Times.

Porta-vozes da OEA .

#DiazCanelEnMexico #CubaEnMexico #CELAC #OEA #ManipulacionPolitica #EEUUBloquea #BastaDeHipicresia #NoMasMentiras #LetCubaLive

AFEGANISTÃO: Como é que os países se saem DEPOIS de uma INTERVENÇÃO dos EUA?

#Afganistán #EstadosUnidos #Terrorismo #Mujeres #UNICEF #DerechosHumanos