erosãoMarmeio ambienteNATUREZAOceano

Cuba apela ao fim da manipulação comercial dos recursos naturais por grandes empresas transnacionais.

Autor: Nuria Barbosa León | internet@granma.cu

“A questão da água está no âmago da sobrevivência da humanidade. O acesso a este recurso é um direito humano, cujo pleno gozo por todos deve ser assegurado”, disse Inés María Chapman Waugh, Vice-Primeira-Ministra da República de Cuba, na Reunião de Alto Nível sobre a Implementação dos Objectivos e Metas relacionadas com a Água da Agenda 2030, realizada virtualmente.

Agenda 2030

Acrescentou que, para alcançar o sexto destes objectivos, é necessária a forte vontade política dos governos de promover “a cooperação internacional para assegurar o acesso universal e a utilização sustentável da água, o desenvolvimento de infra-estruturas, o desenvolvimento de capacidades na área da gestão da água e dos recursos hídricos, a inovação, a transferência de tecnologia e a adaptação às alterações climáticas.

Por esta razão, apelou ao fim da manipulação comercial dos recursos naturais por parte das empresas transnacionais e, em vez disso, a dar prioridade à geração de mecanismos financeiros para a mobilização de tecnologias, a fim de conseguir uma maior cobertura de água para as populações.

Destacou o caso de Cuba, onde a água é reconhecida como um direito humano inalienável na própria Constituição, o que permite cumprir os indicadores, “graças também ao elevado nível dos nossos especialistas; à participação activa das instituições, universidades e centros de investigação; à contribuição da ciência e da inovação; ao desenvolvimento das capacidades industriais e ao valioso apoio da cooperação internacional”.

Existem ainda muitos desafios a enfrentar, principalmente devido ao bloqueio económico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos, que limita o acesso do país ao financiamento e à transferência de tecnologia. “Apesar disto, ratificamos o nosso compromisso de continuar a trabalhar para atingir os nossos objectivos”, acrescentou.

Vice-Primeiro Ministro da República de Cuba na Reunião de Alto Nível sobre a Implementação dos Objectivos e Metas Relacionados com a Água da Agenda 2030 Foto: Cubaminrex

Senhor Presidente:

A questão da água está no cerne da sobrevivência da humanidade. O acesso a este recurso é um direito humano, cujo pleno gozo por todos deve ser assegurado.

O cumprimento do Objectivo 6 de Desenvolvimento Sustentável e dos seus objectivos requer uma forte vontade política por parte dos governos e a promoção da cooperação internacional para assegurar o acesso universal e a utilização sustentável da água, o desenvolvimento de infra-estruturas, o desenvolvimento de capacidades na área da gestão da água e dos recursos hídricos, a inovação, a transferência de tecnologia e a adaptação às alterações climáticas.

A manipulação comercial dos recursos naturais por grandes empresas transnacionais deve cessar, e a criação de fundos e mecanismos financeiros para a mobilização de recursos tecnológicos deve ser encorajada, a fim de aumentar a cobertura da água potável, o saneamento ambiental e a gestão sustentável dos ecossistemas, para o bem-estar das populações.
saneamento ambiental e a gestão sustentável dos ecossistemas, para o bem-estar das populações.

Sr. Presidente:
A Constituição cubana reconhece o direito de acesso à água e ao saneamento para todos, apoiado por políticas públicas e pela Lei das Águas Terrestres, que mandata a sua gestão integrada e sustentável como uma questão estratégica para o país.

A implementação do Plano Nacional de Desenvolvimento Económico e Social de Cuba até 2030, que inclui o Programa Global de Desenvolvimento da Água, permitiu-nos cumprir dois dos indicadores do SDG 6, graças também ao elevado nível dos nossos especialistas; à participação activa de instituições, universidades e centros de investigação; à contribuição da ciência e inovação; ao desenvolvimento das capacidades industriais e ao valioso apoio da cooperação internacional.

Apesar de mostrarmos realizações, Cuba enfrenta desafios diferentes derivados da sua condição de Pequeno Estado Insular em Desenvolvimento e do criminoso bloqueio económico, comercial e financeiro imposto pelo governo dos Estados Unidos, o que constitui o principal obstáculo à obtenção de melhores resultados e limita o acesso do país ao financiamento externo, às novas tecnologias e a outras capacidades nesta área. Apesar disso, reafirmamos o nosso compromisso de continuar a trabalhar para atingir os objectivos propostos na Agenda 2030.
proposto na Agenda 2030.

Contribuiremos também com a nossa experiência em debates internacionais sobre esta questão, convencidos de que a internacionalização do problema da água torna essencial que as Nações Unidas sejam o principal fórum para discutir e chegar a acordos consensuais sobre esta matéria.

Muito obrigado

(Fonte do discurso: CubaMinrex)

Categories: # Cuba, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, CubavsBloqueo, erosãoMarmeio ambienteNATUREZAOceano, La Unión Europea se posiciona contra el bloqueo, natureza | Deixe um comentário

Pelo menos 30 mortos no Congo após deslizamento de terra em mina de ouro

Pelo menos 30 pessoas morreram na República Democrática do Congo (RDC), após um deslizamento de terra que varreu uma mina de ouro na cidade de Watsa (nordeste do país), informaram as autoridades locais

A tragédia ocorreu na sexta-feira, em uma área remota do país, então os serviços de resgate levaram dois dias para chegar ao local. Foto: Reuters

.Segundo relatórios preliminares, o número de vítimas pode aumentar nas próximas horas, dado o número de corpos sem vida enterrados no subsolo, disse o ministro local de Minas, Dieudonne Apasa.

“Ainda não sabemos quantos mineiros estavam lá dentro. Eles estavam trabalhando a uma profundidade de 17 metros quando todos caíram ”, disse Apasa.

O evento aconteceu na sexta-feira passada na mina de ouro Ndiyo, na província de Haut Uele, perto da fronteira com Uganda, mas os serviços de resgate levaram dois dias para chegar à área afetada, dada a distância do local.

Por sua vez, a Apasa ratificou que os mineiros trabalhavam dentro do limite máximo de profundidade estipulado e que a causa do incidente foi “simplesmente a forte chuva que estamos registrando nos últimos tempos”.

(Com informações do TeleSur)

Categories: Aquecimento Global, Mudanças Climáticas, Meio Ambiente, Oceanos, Temperaturas, Congo Democrático, erosãoMarmeio ambienteNATUREZAOceano, MEDIO AMBIENTE, República Democrática do Congo, Uncategorized | Etiquetas: , , , | Deixe um comentário

Erosão provoca avanço do mar e reduz território de São Paulo

A Ilha do Cardoso fica no extremo sul do litoral de São Paulo. O local atrai turistas pela presença abundante de golfinhos e claro, suas praias paradisíacas. Talvez os visitantes e moradores da região não tenham percebido, mas o avanço do mar – em curso há cerca de 60 anos, engoliu 1 quilômetro do estado de São Paulo.

O fenômeno se dá por um processo de erosão considerado natural e que está extinguindo a Enseada da Baleia. Os efeitos causaram redução de dois metros na largura da faixa de areia, além do isolamento de um vilarejo com 15 famílias.

Estudos feitos por pesquisadores estimam que em um mês, a nova barra, responsável pela conexão entre o Estuário de Ararapira ao Oceano Atlântico, vá atingir um quilômetro de extensão. O que deve alterar o ecossistema da região e isolar definitivamente os moradores.

Membros do Departamento de Geologia da Universidade Federal do Paraná (UFPR) emitiram os primeiros alertas em 2009, atestando a probabilidade da consolidação das erosões para 2018. Os apontamentos foram feitos baseados em imagens de satélite.

As fotografias impressionam e dão clareza sobre a diminuição da faixa de areia dividindo a enseada do oceano, agravada pelo avanço de uma frente-fria nos últimos dias. Em entrevista ao G1, a professora Maria Cristina de Souza afasta possíveis interferências provocadas pela ação do homem.

“A dinâmica daquela região é instável, da água do estuário avançando para o mar. No passado, já ocorreram outras aberturas e acreditamos que, em breve, ocorrerá o assoreamento [deposição de sedimentos] na antiga barra, na divisa com o Paraná”, encerra.

A Defesa Civil disse estar monitorando a situação e que criou um plano de emergência para a mudança das casas habitadas pelas 50 pessoas. O Parque Estadual da Ilha do Cardoso, a Fundação Florestal e o Instituto Geológico, estes dois últimos subordinados à Secretaria de Meio Ambiente de São Paulo, também avaliam os impactos no ecossistema.

“Por terra, não tem como chegar mais até elas [moradores da região]. Entretanto, todas as 15 famílias que moram naquela comunidade se movimentam de barco, são autossustentáveis e já estão acostumadas às distâncias da região”, pontuou Edison Nascimento, gestor do Parque Estadual Ilha do Cardoso.

De qualquer maneira, Cananéia, cidade histórica localizada no continente, está em alerta. O secretário do Meio Ambiente Erick Willy disse ter mobilizado sua equipe para atuar caso a situação fuja do controle.

Fotos: foto 1: Divulgação/Defesa Civil /foto 2: Edison Nascimento/Fundação Florestal/fonte:via

 

Categories: erosãoMarmeio ambienteNATUREZAOceano, Uncategorized | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: