A oposição venezuelana Julio Borges demite-se do cargo de ‘chanceler’ do Guaidó e diz que o chamado governo provisório deve “desaparecer.

#Venezuela #OposiciónVenezolana

O político da oposição venezuelana Julio Borges, que serve como ‘chanceler’ de Juan Guaidó, anunciou domingo que abandonará o seu posto. Ele disse que a sua demissão será oficializada na próxima terça-feira.

El opositor venezolano Julio Borges renuncia al cargo de 'canciller' de Guaidó y dice que el llamado gobierno interino debe "desaparecer"

Nesse contexto, Borges, que reside em Bogotá enquanto é acusado na Venezuela de participar numa conspiração contra o Presidente Nicolás Maduro, declarou que o chamado governo provisório não serve o seu propósito e deve “desaparecer”. “A noção de governo provisório tem de desaparecer por completo, não podemos continuar com uma folha de pagamentos, com uma burocracia que no ano passado atingiu quase 1.600 pessoas, pedimos para eliminar completamente isso”, disse ele.

Neste sentido, o jornalista Alberto Rabilotta assinala que a facção de Guaidó perdeu todo o apoio dentro da oposição e afirma que a maioria dos detractores do actual governo aderiram ao processo político promovido pelo chavismo, excluindo a intervenção dos Estados Unidos nos assuntos internos.

#Chile e #Venezuela: mensagens diferentes .

#Chile #Venezuela

Por Atilio Borón

O domingo foi testemunha de duas importantes eleições. Na Venezuela, a conduta normal e a presença de quase todos os fragmentos da oposição constituem um sucesso extraordinário para o governo bolivariano, bem como um obstáculo difícil de digerir para os golpistas e desestabilizadores protegidos por Washington e para os burocratas reaccionários da União Europeia.

No Chile, a segunda volta deveria contar com o neonazi José Antonio Kast do Partido Republicano e Gabriel Boric, o candidato da coligação Apruebo Dignidad (Frente Amplio e o Partido Comunista). O que não era previsível era que o candidato do Pinochettismo obteria a primeira minoria relativa, quando todas as sondagens mostraram o Boric como o vencedor, embora longe de uma maioria absoluta.

Ao contrário da Venezuela, as eleições no Chile foram convocadas para eleger o presidente, deputados (155) e 27 senadores, assim como conselheiros regionais.

O cenário actual apenas permite algumas conjecturas sobre o que poderá acontecer na segunda ronda agendada para 19 de Dezembro. O registo histórico mostra que desde 1990 até hoje, os candidatos que ganharam na primeira volta também ganharam no escrutínio.

Se estes números forem confirmados, poder-se-ia dizer que estamos perante um verdadeiro terramoto político. Não só devido à vitória de Kast na primeira volta, mas também porque nenhum dos três partidos que dominaram a vida política chilena desde o fim da ditadura – a UDI, Renovación Nacional e Democracia Cristiana – terá os seus próprios candidatos na segunda volta.

É sem dúvida possível falar do fim de um ciclo, num contexto em que o povo chileno tenta, pela primeira vez na sua história, redigir uma Constituição democrática. A incerteza gerada pelo desempenho eleitoral da extrema-direita lança sombras espessas sobre a viabilidade de um objectivo tão nobre.

Na Venezuela, a eleição de domingo foi a 29ª desde que Hugo Chávez Frías tomou posse como Presidente da República a 2 de Fevereiro de 1999. Apesar disso, a oposição recalcitrante ao Chavismo, dirigida a partir de Washington e Bruxelas, não deixou de estigmatizar o governo bolivariano como uma ditadura, comparável às que assolaram a América Latina nos anos 70.

Como não recordar as sábias palavras de Eduardo Galeano quando disse “Hugo Chávez é um ditador, mas é um ditador curioso”. Ele ganhou oito eleições em cinco anos”? Nestas eleições regionais, o governo bolivariano pôs em jogo nada menos que 23 governadores e 335 gabinetes de presidentes de câmara, em conformidade com a Constituição.

Se a presença da oposição é um factor positivo, outro indicador muito eloquente é o nível de afluência às urnas dos eleitores. Deve ter-se em conta que a votação deixou de ser obrigatória em 1984 em resultado de um acordo entre as duas principais forças políticas da época: Acción Democrática e Democracia Cristiana.

Um número próximo dos 50% seria saudado com júbilo tanto na Venezuela como no Chile, dado o papel dissuasor desempenhado pela pandemia Covid-19 e, na Venezuela, a devastação do bloqueio.

Claro que, enquanto a Venezuela foi praticamente invadida por numerosas missões de observação eleitoral, com a bênção do governo de Maduro, enviado pela União Europeia, pelo Centro Carter, por numerosos peritos da ONU e outras organizações regionais da América Latina e África, no Chile estas missões são visíveis pela sua ausência, se não pelos seus magros contingentes.

Em todo o caso, quando for feita a contagem final dos resultados das “mega-eleições” venezuelanas (se não antes), os eternos guardiães das democracias choverão críticas numa tentativa de manchar o processo eleitoral e justificar novos ataques contra o governo bolivariano.

No entanto, o veredicto das urnas deve ser um poderoso dissuasor para aqueles que, em Washington e Bruxelas, há anos que apostam na “mudança de regime” criminosa no país das Caraíbas.

É improvável que assumam uma linha política diferente, porque Washington está absolutamente a apostar na “recuperação” da Venezuela a qualquer custo. Os próximos dias dar-nos-ão uma pista sobre o que está para vir em ambos os países.

Pura coincidência: Guaidó usa desenho de vídeo semelhante ao programa ‘Ahí les va’ da RT .

#AutoproclamadoGuaido #Venezuela #InjerenciaDeEEUU #RT

Nicolás Maduro e o Procurador do Tribunal Penal Internacional .

#Venezuela #EstadosUnidos #Sanciones #Colombia

Sanções ilegais dos #EUA contra a #Venezuela afetam a vida no país.

#Venezuela #ONU #NicolasMaduro #EstadosUnidos #Sanciones #Covid-19 #SaludMundial #ElBloqueoEsReal #DonaldTrumpCulpable #Economia #DerechosHumanos #Colombia #IvanDuque #PoliticaExterior

COVID-19 no mundo: Venezuela criará um fundo com a OMS e OPAS para comprar vacinas.

#Venezuela #Covid-19 #Politica #OMS #OPS #ONU #SaludMundial

Retirado do CUBADEBATE .

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou que seu país busca “um acordo prático e efetivo” com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e a Organização Mundial da Saúde (OMS), para a criação de um fundo de 300 milhões de dólares. compra de vacinas contra COVID-19.

El mandatario destacó que su gobierno sostiene un "buen nivel de programación y coordinación" con el sistema de Naciones Unidas. Foto: Reuters.
Maduro destacou que seu governo mantém "um bom nível de programação e coordenação" com o sistema das Nações Unidas. “Estamos trabalhando com o plano alimentar mundial para fazer avançar novos programas. Também com a UNESCO no fortalecimento de nosso sistema educacional, cultural e patrimonial na Venezuela”, disse ele.

Segundo Maduro, o Executivo também mantém contactos permanentes com o Secretário-Geral da ONU, António Guterres, para tratar de questões nacionais e regionais. A esse respeito, afirmou: “Sabemos que as conexões com os diversos escritórios das Nações Unidas podem às vezes ser tensas devido à situação com a Venezuela, mas sempre buscamos o caminho da verdade e do diálogo”.

Na mesma linha, ele fez alusão ao encontro que teve anteriormente com a Relatora Especial para os Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), Alena Douha, para avaliar o impacto das sanções americanas sobre a população.

“Tivemos uma reunião de quase uma hora e meia com o Relator Especial sobre o tema das medidas coercivas unilaterais contra a Venezuela. Uma hora e meia de trabalho. Isso é precisamente parte do bom estado das relações entre o governo da Venezuela e todo o Sistema das Nações Unidas. Devemos continuar com essas tarefas ”, enfatizou Maduro.

(Com informações da Rússia hoje)

O que se pode esperar da América Latina, do Caribe e dos EUA em relação ao falso presidente Guaidó?

#Venezuela #PDVSA #COVID19 #AutoProclamadoGuaido #Pertopark #NicolasMaduro #AmericaLatina #EstadosUnidos #Elecciones #JoeBiden #Paraguay #ElBloqueoEsReal #Congreso

Juan Guaidó: um fracasso muito vantajoso? As razões por trás do longo apoio dos EUA, Colômbia, UE ..

#JuanGuaido #Venezuela #EstadosUnidos #UnionEuropea #Colombia #Brasil #GrupoDeLima #Autoproclamado #CITGO #Monomeros #IvanDuque #DonaldTrumpCulpable #Washington

Venezuela condena bloqueio de Guaidó de verbas para vacinas contra covid-19.

#Guaido #AutoproclamadoGuaido #DonaldTrumpCulpable #PresidenteNicolasMaduro #ElBloqueoEsReal #NoMasBloqueo #Solidaridad ~#ReinoUnido #RoboDeCapital #Covid-19 #InjerenciaDeEEUU #OMS #JorgeArreasa #Rusia #Cuba #China

Insultos, ridículo e comentários depreciativos: a resposta de Bolsonaro à entrega de oxigênio da Venezuela a Manaus.

#Venezuela #Brasil #JairBolsonaro #NicolasMaduro Covid-19 #SaludMundial #SolidaridadConLosPueblos #PuentesDeAmor #BolquoNoSolidaridadSi

A notícia do embarque venezuelano de oxigênio para Manaus (no estado do Amazonas), que passa por um colapso de seu sistema de saúde devido ao coronavírus, gerou amarga reação no presidente daquele país, Jair Bolsonaro, que expressou um “agradecimento “carregado com provocações implacáveis.

Em um tweet publicado quase meia-noite desta terça-feira, o chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, informou que os seis caminhões-tanque que deixaram a cidade venezuelana de Puerto Ordaz, a cerca de 1.500 quilômetros de distância, finalmente chegaram à cidade brasileira no último sábado. .

Em outro trinado, a jornalista brasileira Fania Rodrigues postou um vídeo com a reação de um grupo de pessoas que aguardava a chegada do comboio.

Insultos, burlas y comentarios despectivos: la respuesta de Bolsonaro ante el envío de oxígeno venezolano a Manaos

Caracas informou anteriormente que os 136.000 litros de oxigênio hospitalar produzidos pela estatal Siderúrgica del Orinoco Alfredo Maneiro eram equivalentes a 14.000 cilindros. Esses tanques serão destinados a pacientes com deficiências respiratórias que lotam os postos de saúde daquela cidade do Norte do Brasil.
O que o Bolsonaro disse?

Na segunda-feira passada, quando o contingente de veículos chegou à fronteira com o Brasil, Bolsonaro, que não reconhece seu homólogo venezuelano como legítimo, fez comentários sarcásticos sobre a situação econômica venezuelana de Brasília, sede do governo central.

“Se Maduro quiser nos abastecer de oxigênio, podemos recebê-lo sem problemas; mas pode ajudar na emergência de sua cidade também. Com o salário mínimo lá, não se compra meio quilo de arroz”, disse com desdém.

A extrema direita também fez piadas cruéis sobre a situação do país vizinho, que perdeu 99% de sua receita em moeda estrangeira nos últimos seis anos com as medidas punitivas dos Estados Unidos.

“Lá eles não têm cachorros, por que? Alguma praga? Eles comeram todos os cachorros, comeram todos os gatos”, disse o presidente brasileiro antes de atacar o presidente bolivariano.

“Vejo idiotas elogiando: ‘olha só o Maduro, que grande coração ele tem’. Realmente, com aquele tamanho, 200 quilos e dois metros de altura, o coração dele deve ser muito grande. Mas nada além disso”, concluiu.

O Brasil e um grupo de governos da região reunidos no Grupo Lima, conclave surgido na Organização dos Estados Americanos (OEA), argumentam que existe uma “crise humanitária” na Venezuela, pela qual culpam o governo. A este respeito, Caracas afirmou que existe realmente uma crise econômica, agravada pelas sanções contra ela, que afetou os setores mais vulneráveis.

Imagen
Imagen


Imagen

Situação no Amazonas

O estado do Amazonas, localizado na região Norte do Brasil e com 3,8 milhões de habitantes, vive uma crise sem precedentes. Atualmente há cerca de 2.000 pacientes internados e os cemitérios estão lotados.

O consumo de gases essenciais nas unidades hospitalares é recorde, pois passou de 5 mil metros cúbicos por dia para 76 mil (76 milhões de litros).

No dia anterior, o governador da Amazônia, Wilson Lima, anunciou em seu Twitter que o primeiro contingente de vacinas havia chegado. Lá eles receberão 256 mil doses, das quais 50 mil foram doadas pelo governador de São Paulo, João Doria, com quem Bolsonaro também tem uma disputa política por seus esforços para acelerar o plano de imunização sem o aval do governo.

Em meio a essa situação, houve protestos em várias cidades e em Manaus, bastião do bolonarismo nas eleições presidenciais de 2018 e nas eleições municipais de novembro passado, para solicitar a renúncia do presidente por seu manejo da crise gerada pela pandemia.

Enquanto isso, o número de infecções e mortes aumenta. Nesta quarta-feira, a Fundação de Vigilância Sanitária do Amazonas (FVS-AM) informou que são 1.537 casos novos, para um total de 233.971, enquanto 6.450 pessoas morreram naquela entidade.
Nathali Gomez

%d bloggers like this: