Cuba e México: Mais de um século de Solidariedade .

#CubaEnMexico #DiazCanelEnMexico #AMLOLujoDePresidente #CELAC #OEA #EstadosUnidos #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana

Por Alejandra Brito Blanco

A relação bilateral entre Cuba e o México remonta ao alvorecer do século passado. Os laços de amizade estão enraizados na história e na proximidade geográfica de ambos os países.

“A influência da política externa dos EUA é predominante nas Américas. Há apenas um caso especial: o de Cuba, o país que durante mais de meio século afirmou a sua independência ao confrontar politicamente os Estados Unidos”, disse o presidente da nação asteca, Andrés Manuel López Obrador, na XXI Reunião dos Ministros dos Negócios Estrangeiros da CELAC. A AMLO convidou recentemente o líder cubano a fazer um discurso como parte das celebrações do Grito de Dolores. A 20 de Maio, os laços oficiais entre os dois países atingiram 120 anos de existência ininterrupta.

Um olhar para trás na história revela a importância das ligações entre os dois estados americanos. Os veteranos cubanos Gabriel González e Felipe Herrero desempenharam um papel importante nas guerras de independência cubanas. Do mesmo modo, o líder independentista mexicano Benito Juárez, confrontado com o avanço do conservadorismo em 1853, viajou para as Grandes Antilhas, onde aprendeu o ofício de tabaqueira twister. No seu regresso a casa, os seus amigos cubanos apoiaram-no com navios e material de guerra, relata o artigo Benito Juárez ainda está vivo no México e em Cuba.

No México, o Apóstolo José Martí e Julio Antonio Mella levaram a cabo grande parte da sua vida e obra patriótica. A primeira metade do século XX foi marcada por relações cordiais e cooperativas, com algum distanciamento durante o Machadato e o pentarchismo de 1933. Durante o governo de Lázaro Cárdenas, os laços culturais foram reforçados e ainda hoje estão de boa saúde.

Um marco significativo ocorreu no contexto do golpe de Estado de Fulgencio Batista. Embora o México tenha permanecido fiel aos princípios de não intervenção e autodeterminação consagrados na Doutrina Estrada, abriu as suas portas aos revolucionários que fugiam da ditadura.

Foi precisamente a partir daí que o iate Granma, símbolo da luta insurrecional que abriu as portas ao triunfo da Revolução Cubana a 1 de Janeiro de 1959, zarpou. Foi lá que os 82 membros da tripulação foram treinados e onde Fidel e Ernesto “Che” Guevara se encontraram pela primeira vez.

Legenda: O iate Granma partiu de Tuxpan, México, a 25 de Novembro de 1956. Foto tirada da Radio Rebelde.

Durante o período revolucionário, houve também inúmeros momentos significativos. Após a declaração do carácter socialista da transformação social em Cuba, quando os Estados Unidos promoveram a expulsão da ilha da Organização dos Estados Americanos (OEA), a nação asteca foi a única a opor-se a esta posição e a manter as suas relações com a ilha das Caraíbas.

Após um período de arrefecimento, em 2013 os presidentes Raúl Castro e Enrique Peña Nieto anunciaram um “relançamento” das relações entre os dois países. No final do mesmo ano, o ministro dos negócios estrangeiros da ilha, Bruno Rodríguez Parrilla, assinou oito acordos com representantes da América Central.

Legenda: López Obrador manifestou em várias ocasiões a sua rejeição do bloqueio imposto a Cuba pelos Estados Unidos. Foto tirada da Revista Afal.

Os laços diplomáticos, comerciais e culturais entre os dois povos são uma referência a nível continental. O México reafirmou em organizações internacionais a sua rejeição do bloqueio imposto pelos Estados Unidos à maior das Antilhas. Este governo liderou as doações de alimentos, medicamentos e material médico para lidar com o surto de Covid-19. Anteriormente, os médicos cubanos tinham prestado assistência ao país vizinho para combater a pandemia.

Imagen
Falámos com o Presidente cubano Miguel Díaz-Canel; agradecemos-lhe o apoio que recebemos de enfermeiras e médicos cubanos para lidar com a pandemia. O México e Cuba são geminados pela história e pela solidariedade.

O respeito e a solidariedade têm sido as chaves para uma relação tão duradoura. Isto é expresso nas palavras de Andrés Manuel López Obrador na XXI Reunião dos Ministros dos Negócios Estrangeiros da CELAC: “Creio que, pela sua luta em defesa da soberania do seu país, o povo cubano merece o prémio da dignidade”. Cuba é um exemplo de resistência e “por isso mesmo, deveria ser declarada património mundial”, concluiu o presidente.

Os jovens em Santiago de Cuba juntam-se à #CaravanaPelaPaz, Amor e Solidariedade.

#CubaSoberana #RevolucionCubana #ACubaPonleCorazon #FidelEntreNosotros #VictoriaDePueblo

As palavras soam e um dever dos revolucionários em tempos de internet.

#Cuba #FidelCastro #RevolucionCubana #RedesSociales #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes

Autor: Iroel Sánchez | internet@granma.cu

Nas aulas de Biologia, não me lembro bem se no ensino fundamental ou médio, eles ensinavam reflexos condicionados baseados no trabalho do cientista russo e Prêmio Nobel de Medicina, Ivan Pavlov. Acho que seu experimento é bastante conhecido: ele tocou um metrônomo antes de alimentar um cachorro e observou que, ao ouvir o mesmo som, quando o cachorro não tinha sido alimentado por um tempo, começou a salivar. Mais tarde, ficou na lenda que Pavlov usava um sino e não um metrônomo, mas o princípio é o mesmo: a associação induzida entre certos estímulos e as respostas emitidas. Com base nisso, a Psicologia Comportamental foi aplicada na educação, na publicidade e em muitas outras áreas nos Estados Unidos.

Em sua célebre entrevista a Ignacio Ramonet, Fidel se refere ao uso dessa técnica na propaganda anticomunista: «E estar desinformado não é o mesmo que perder a capacidade de pensar, porque na mente predominam os reflexos: o socialismo é mau, o socialismo é ruim, tira sua autoridade parental, tira sua casa, tira sua esposa. E todos os ignorantes, todos os analfabetos, todos os pobres, todos os explorados repetindo: “O socialismo é mau, o socialismo é mau. É assim que os papagaios são ensinados a falar, os ursos a dançar e a se curvar respeitosamente aos leões. ‘

Noam Chomsky inclui o efeito da propaganda anticomunista entre os cinco filtros que decidem o conteúdo da mídia. Tanto ele quanto Fidel se referiam à situação que existia antes do advento das redes sociais na internet, que, embora certamente tenha democratizado o acesso à comunicação, também fortaleceu hegemonias pré-existentes.

redes sociales

Em um cenário em que os processos acontecem em alta velocidade, o emocional tende a prevalecer sobre o racional, e a chamada egomação – promoção e predomínio de si junto com informações vinculadas ao que é pertinente ou relevante para aquele eu – prevalece sobre si mesmo, interesse no diálogo, aprofundamento e conhecimento dos outros. Sem levar em conta o uso politicamente interessado das redes sociais na Internet, em lugares como o Facebook, consolidou-se um modelo de negócio baseado em lucrar com a justiça própria e vender influência sobre indivíduos e grupos. No caso de Cuba, a esse cenário universal se soma a articulação com um orçamento anual de meio milhão de dólares aportado pelo Governo dos Estados Unidos para influenciar a sociedade da ilha.

À propaganda anticomunista, histórica e universalmente estabelecida pelo discurso dominante e pelo uso manipulado de termos como “democracia”, “direitos humanos” e “liberdade”, soma-se a construção de certas expressões sobre a realidade cubana que, a partir de os imaginários construídos sobre Cuba nessa arcada da tolerância que é Miami, se transferem para a internet como bom senso sobre a Ilha, aproveitando-se situações ocorridas há mais de quatro décadas, nem sempre analisadas em profundidade entre nós –UMAP, «Quinquênio cinzento», atos de repúdio a quem emigrou para o Mariel … -, são retirados do contexto e apresentados como características permanentes, sistêmicas e atuais do socialismo cubano, enquanto tudo que o capitalismo que nos rodeia faz sobre um o dia-a-dia é silenciado em termos de repressão, censura, violência, tortura e exclusões contra maiorias e minorias.

Basta que alguém utilize, sem qualquer demonstração, as palavras censura e repressão, ou a expressão “ato de repúdio”, para que não seja necessário fornecer dados e argumentos, nem analisar os acontecimentos a que se referem: imediatamente uma série de Postagens em que circulam o mundo três frases indignadas escritas por alguém em seu perfil no Facebook. E quando aparecem argumentos e dados que negam aquela leitura apressada, duas coisas acontecem: como quem afirma que a terra é plana, o indignado continua a se apegar à sua “verdade” e ao maquinário que ecoou sua indignação
compromete-se contra aqueles que contribuíram com uma visão mais analítica. É assim que funciona a liberdade de expressão sobre Cuba na Internet.

Em poucos meses vimos esse procedimento ser usado para justificar o derramamento de sangue de porco nos bustos de José Martí, a indignação da bandeira cubana de várias maneiras, a tentativa de ressignificar datas históricas como 27 de novembro, apagar o slogan Pátria o Morte ou alteração do nome da Plaza de la Revolución nos mapas do Google. Mas se você diz que há uma guerra cultural contra Cuba a partir das redes sociais da internet, então você é – por essa maquinaria que mobiliza as reflexões, condicionadas pela propaganda, de milhares de pessoas no Facebook – um extremista, um stalinista tropical que não tolera “pensamento diferente” porque, é claro, é “pensamento” e não propaganda. E não se surpreenda se, infelizmente, você encontrar entre os assinantes dessas declarações pessoas que você considerou críticas, inteligentes e informadas. A capacidade de pensar foi substituída pela reação emocional e tudo pode acontecer. As palavras soaram e aquela tarefa intelectual de estabelecer a verdade não é mais importante, na era da egomização o importante é conseguir gostos, embora muitos deles sejam de trolls e falsos perfis, seu ego ficará inchado e seu cérebro ficará feliz em não ter que se esforçar.

Do nosso lado, além da educação mais abrangente e profunda para formar um cidadão crítico, não manipulado pelos gestores dessa guerra híbrida, é importante entender que o cenário mudou radicalmente; que o interminável curso de provocações que buscam criar uma situação de ingovernabilidade, aproveitando a superioridade tecnológica e midiática que o imperialismo coloca à disposição de seu punhado de servidores em Cuba – mesmo que aspirem a desencadear violência e mortes – não pode contar com outra resposta senão Não é inteligência, sentido político e capacidade analítica evitar cair em emboscadas multiplicadoras e, sem perder firmeza de princípios, estar preparado em todas as partes do país para antever o rumo de cada ação possível, documentar e divulgar a verdadeira versão e a causa dos fatos, e podendo sempre sustentar que a ética e a razão, como o povo, estão do lado da Revolução. Vamos agir assim neste “xadrez de mil peças”, como Fidel chamava a luta ideológica, que agora está sendo transferida, em parte, para a internet, e o povo cubano voltará a vencer.

Intervenção do Presidente de Cuba na XVIII Cúpula ALBA-TCP

#Celac #ALBATCP #HugoChavez #FidelCastro #AmericaLatina #Bolivia #Venezuela #Cuba #Minrex #MidelDiasCanelB #Covid-19

Cooperação, o principal desafio do mecanismo CELAC-UE

#CELAC #BrunoRodriguezParrilla #Cuba #ALBA-TCP #Minrex #DiazCanelB #VamosPorMas #Somo0sContinuidad #TenemosMemoria #Covid-19 #SaludMundial #EstadosUnidosBloquea #CubaSalva #ElBloqueoEsReal #CubaApuestaPorLaSalud #Salud #AmericaLatina #HugoChavez #FidelCastro #EternoComandante

Autor: Nuria Barbosa León | internet@granma.cu

O apelo para preservar o vínculo entre a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e a União Europeia (UE), e para evitar a exclusão de qualquer nação, essencialmente a Venezuela, centrou a intervenção do Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, na Reunião Ministerial informal desse mecanismo multilateral.

De forma virtual, representantes de mais de 50 governos discutiram a necessidade de uma resposta conjunta ao COVID-19, o uso de novas tecnologias de informação e comunicação neste contexto, iniciativas de enfrentamento às mudanças climáticas, e cooperação multilateral na recuperação pós-pandemia.

Bruno Rodriguez celac ue

“As múltiplas crises agravadas pela COVID-19 e seus efeitos devastadores evidenciaram a urgência de intensificar a solidariedade e a cooperação internacional”, disse o Chanceler cubano, e a seguir explicou o grande desafio da ilha para superar os efeitos da pandemia , dada a intensificação do bloqueio econômico, comercial e financeiro dos Estados Unidos.

«Este mecanismo deve ser, a nosso ver, o quadro de coordenação de uma resposta bi-regional aos desafios impostos pela COVID-19, que permite a participação de todos os países da CELAC e da União Europeia, sem exclusões e sem ignorar a nossa diversidade e diferentes níveis de desenvolvimento ”, defendeu o ministro cubano na reunião convocada pela Alemanha, na qualidade de presidente da UE.

Os outros países também pediram apoio à Organização Mundial e Pan-Americana da Saúde, ajuda abnegada e colaboração.

O Ministro das Relações Exteriores do México, Marcelo Ebrard Casaubon, na qualidade de Presidente Pro Tempore da Celac, destacou as múltiplas coincidências entre os valores, prioridades e perspectivas dos participantes diante dos desafios globais; entretanto, o alemão Heiko Maas anunciou a criação de um instituto transnacional de luta contra as doenças infecciosas na América Latina.

Discurso memorável de Hugo Chávez em Cuba há 26 anos.

#HugoChavez #VenezuelAmiga #FidelCastro #RevolucionCubana #ALBA #YoSoyFidel #SomosContinuidad #TenemosMemoria #IdeasQueSonBanderas #EternoComandante

Fidel: “Se não fosse possível vir ao Granma, teríamos vindo de qualquer maneira”

#EternoComandantre #RevolucionCubana #Cuba #FidelEnUnaFrase #JuntosPorCuba #PorSiempreFidel #YoSoyFidel #IdeasQueSonBanderas #Granma

Com informações do Cubadebate.

“Em condições muito difíceis tivemos que organizar os homens, treiná-los, encontrar os meios para vir a Cuba e preparar a expedição. Quando saímos, a polícia mexicana estava nos procurando. Até perdemos parte das armas que carregávamos.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é 128908069_412853256520058_2060559281929223797_n.jpg

Peronista, amigo de Fidel Castro e admirador de ‘Che’ Guevara: as ligações de Maradona com o lado canhoto da política..

#DiegoArmandoMaradona #IdeasQueSonBanderas #EternoComandante #JovenesDeIzquierda #EvoMorales #HugoChavez #NicolazMaduro #AMLO

Retirado do RT.

Nascido em Villa Fiorito, bairro humilde da cidade portenha de Lomas de Zamora, o ídolo argentino Diego Armando Maradona, falecido nesta quarta-feira aos 60 anos, nunca esqueceu suas origens. “Cresci em um bairro particular de Buenos Aires. Privado de eletricidade, água, telefone”, disse ironicamente em 2004, em uma de suas frases mais memoráveis.

Peronista, amigo de Fidel Castro y admirador del 'Che' Guevara: Los vínculos de Maradona con el lado zurdo de la política

Talvez por isso, e apesar das fortunas que conquistou como jogador, sempre se expressou politicamente ao lado dos pobres, contra a desigualdade e a favor da justiça social.

É que, fora dos campos, Diego sempre se mostrou um homem com consciência de classe, comprometido com as ideias socialistas e, na Argentina, com o peronismo, com todas as suas complexidades.

As ideias do ídolo, que também provocam rejeição nos setores conservadores, não eram apenas conhecidas por suas próprias afirmações, mas marcadas na pele. No braço direito, o argentino usava e exibia com orgulho uma tatuagem do líder da Revolução Cubana, também o argentino Ernesto ‘Che’ Guevara.

Mas a ilha também foi unida por uma profunda amizade com Fidel Castro, que o recebeu em seu país para tratamento de saúde entre 2000 e 2005.

O destino faria com que morresse no mesmo dia que seu “comandante”, como Maradona chamava Castro, falecido em 25 de novembro de 2016.

Maradona e o Socialismo do Século XXI

Sua posição política também o aproximou de outros líderes latino-americanos, como o ex-presidente venezuelano Hugo Chávez, o líder boliviano Evo Morales, o ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva ou seus compatriotas Néstor Kirchner e Cristina Fernández de Kirchner.

O apoio apaixonado de Diego Armando aos dirigentes do chamado Socialismo do Século XXI o levou a compartilhar uma viagem de trem com Chávez e Morales, em 2005, quando se realizou a lembrada ‘contra cimeira’ ou III Cúpula na cidade de Mar del Plata. de los Pueblos, em que foi rejeitado o acordo de livre comércio, conhecido como ALCA, que excluía Cuba.

Esse evento foi organizado em oposição à Cúpula das Américas, da qual participou o ex-presidente dos Estados Unidos George Bush. “Tudo o que Fidel e Chávez fizerem será para mim a maior coisa neste mundo que o assassino de Bush, o demônio, quer governar, como lhe disse o professor”, apontou então um Maradona que jogava politicamente de esquerda.

Após a morte de Chávez, o argentino manteve sua relação com o governo bolivariano da Venezuela por meio de Nicolás Maduro, a quem inclusive ofereceu ajuda para enfrentar a crise.

Os ‘irmãos’ Evo e Diego

Com Evo Morales, o vínculo foi além da política e se estendeu ao esporte. Em 2008, o ex-campeão mundial no México de 1986 jogou uma partida no Estádio Olímpico de La Paz, exigindo que a proibição da FIFA de jogar partidas internacionais a mais de 2.750 metros acima do mar fosse suspensa.

No campo esportivo, sempre criticou a liderança do órgão regulador do futebol mundial. Suas acusações de corrupção nos mais altos escalões do órgão tiveram correlação com o escândalo do ‘portão da FIFA’, pelo qual vários ex-diretores foram condenados.

Em novembro do ano passado, o astro expressamente rejeitou o golpe na Bolívia em suas redes sociais. E o ex-presidente lamentou a morte de seu “irmão” na quarta-feira, como ele considerou de sua conta no Twitter.

Sempre peronista

Na Argentina, onde é venerado pela maioria por ter conduzido a Seleção Albiceleste à sua consagração máxima, o compromisso de Maradona com o progressismo suscita repulsa em alguns setores da direita, especialmente o antiperonismo, embora haja quem prefira separar sua posição ideológica do que Esportes.

“Fui, sou e serei sempre um peronista”, foi uma das últimas frases políticas do ex-técnico de Ginástica e Esgrima La Plata, por ocasião do Dia da Fidelidade que o movimento celebra todo dia 17 de outubro.

Seu apoio constante a Cristina Kirchner e ao atual presidente Alberto Fernández -com quem se reuniu em dezembro, logo após a posse-, bem como as duras críticas que fez ao ex-presidente Mauricio Macri, aumentaram o amor e o ódio de ambos os lados da chamada. ‘crack’ que divide os argentinos.

Fernández decretou nesta quarta-feira três dias de luto e disponibilizou a Casa Rosada para o maciço velório do maior ídolo esportivo da Argentina que ali se realizará, e da cidade de Nápoles, na Itália, onde os torcedores fizeram vigília para despedir o ‘ rei’.

Os dias que o absolvem .

#FidelEntreNosostros #YoSoyFidel #EternoGuerrillero #PorSiempreFidel #IdeasQueSonBanderas #Soberana01 #SomosContinuidad

Retirado do Jornal Granma .

Nós, cubanos, vivemos dias árduos, mas lindos. Dizer o primeiro é quase redundante, porque Cuba paga um preço alto, há muito tempo, por não estar à venda, e seu orgulho é castigado pelo império do mal. A coisa da beleza também é óbvia e válida para quem, em meio à privação, sabe distinguir entre o frívolo e o essencial.

Quase um ano após uma pandemia que parece não ter fim, na ilha rebelde a esperança não se extinguiu. Da sua mão vai o empurrão de um país que sabe, porque sabe, que faz o seu caminho a pé e decidido a não se cansar, mesmo quando a cena mundial despenca, reordena a sua economia, aposta em desafios que para outros povos seriam mais viáveis, corrigir os erros e consolidar os seus destinos, definidos há 60 anos por quem colocou aos pés do seu país o seu extraordinário talento e marcante humanismo, para o servir e purificar dos tiranos.

Desfile Militar por el Anviersario 60 de las FAR y Desembarco del Yate Granma

Nesses desígnios que o Presidente dirige hoje está, sem dúvida, aquele que carregou consigo um colete moral, aquele que baniu os analfabetos, extirpou os vícios, e mostrou o caminho da virtude a cada homem e a cada mulher! Para que o pior sorte no passado foram aqueles abençoados com a luz triunfal de janeiro.

Nossos dias têm bravura e destreza. (Um vírus virou o planeta, que já tinha reviravoltas geopolíticas suficientes, e Cuba acabava de passar um ano em que a ameaça imperial se apoderava muito mais do que de costume, com cerca de 190 medidas para sufocar sua economia e entregá-la por deficiências e fome). Impressionado com as terríveis notícias do coronavírus, que diariamente ceifava a vida de milhares de pessoas nos países do primeiro mundo, o povo cubano pensou nele, aquele que alertou as nações para a saúde da Terra; em que encheu as comunidades de médicos; em que ele falou de solidariedade, tocando seu coração; em que não só garantiu saúde aos cubanos, mas também formou um contingente especializado em desastres e epidemias, que hoje é merecidamente indicado ao Prêmio Nobel da Paz.

Rememoran trabajadores holguineros legado de Fidel

O povo cubano sabia que nenhum de seus filhos morreria por não ter atendimento médico; e ele conhece, porque testemunhou, de centros autorizados a atender pessoas suspeitas da doença e de distribuições eqüitativas – sem exclusões de qualquer espécie – que logo passaram a fazer parte da agenda governamental de distribuir o que tinha.

Em dias terríveis atormentados pelo medo, nossos dirigentes se mobilizaram em cada centímetro do país e os principais rostos apareceram na mídia para se acalmar com medidas concretas e altas doses de amor – percebidas em um tratamento que normalmente só se recebe de quem está próximo – o espíritos dos cubanos, que tanto sabem sobre paciência e alternativas para amenizar as dificuldades. Se o fizeram, é porque a voz de quem sempre falava ao seu povo estava aprendendo para eles e precisava ser colocada em prática.

Mesmo os descrentes atestaram essas verdades, e não puderam deixar de se convencer delas e de tantas outras, como a existência da vacina candidata Sovereign 01, a primeira na América Latina, junto com outras três, que são uma realidade inimaginável para muitos países.

Existem muitas maneiras de ser quando o corpo deixa o mundo. Para não ir embora completamente, é necessário ter estado seguro na consciência. E é aí que vive este homem, fiel à etimologia do seu nome, “aquele que é fidedigno”.

Cuba, que sobrevive, acredita no seu futuro. Não se abate com os furacões que matam os países vizinhos, nem sucumbe aos maus desejos de certos inimigos, que buscam uma mudança que não será possível para pior.

Fidel y su pueblo › Cuba › Granma - Órgano oficial del PCC

Se buscamos hoje construir uma sociedade cada vez mais justa e próspera, nas circunstâncias mais duras e inimagináveis, é porque em nossos dias se formou a seiva do líder eterno, que não só fez a Revolução, mas também continuou sendo o primeiro da fila. combater todas as vezes que fosse necessário defendê-lo.

Se Cuba resiste, se não desiste diante de uma adversidade distorcida, é porque nela respira o modelo de um homem que nunca será morte, mas vida que frutifica em seus filhos.

%d bloggers like this: