O Fim de Biden?

#EstadosUnidos #Partidos #Política

Por: Nicanor León Cotayo

Outra investigação da conhecida empresa de análise Gallup mostra que os republicanos estão a ganhar o favor dos americanos por um chefe.

Isto foi noticiado na terça-feira por uma jornalista da CNN, Lauren Dezenski.

Limpos do seu conteúdo, 54% dos entrevistados preferem o Partido Republicano e 39% o Democrata, a maior vantagem desde 2015.

Quanto à prosperidade, 50 por cento apoiam o Partido Republicano e 41 por cento o Partido Democrata. Esta é a maior liderança desde 2014.

Os peritos recordam que o Partido Republicano tem tido um desempenho historicamente melhor do que o Partido Republicano nas questões de segurança e de economia.

A este respeito, acrescenta Gallup:

“Esta mudança depende mais de declínios nos americanos que vêem o Partido Democrático como melhor nestas questões do que de crescimento para o Partido Republicano”.

Aponta também que os independentes têm algo a ver com esta figura e que, desde o ano passado, os independentes sentem que o Partido Democrata é melhor no tratamento das questões mais importantes, “a segurança da nação e a manutenção da sua prosperidade”.

A CNN salienta que também é importante notar o calendário da sondagem, de 1-17 de Setembro, quando os acontecimentos caóticos tiveram lugar na retirada do Afeganistão, o aumento do Covid-19 e o menos esperado, o enfraquecimento do emprego nos Estados Unidos.

Os especialistas acreditam que esta notícia foi dura para o Presidente Joe Biden e para o seu partido.

A CNN deixa claro que se trata apenas de uma sondagem e não prevê necessariamente o futuro.

Na sua opinião, bem como na de outros meios de comunicação social, o que foi dito põe à prova o poder da Administração Biden e dos Democratas.

Não se pode esquecer que as eleições intercalares de 2022 estão a cerca de 13 meses de distância, o que é tempo suficiente para que situações e tendências mudem, bem como a preocupação dos Democratas com a queda de popularidade de Biden.

Isto pode ser uma boa notícia para o Partido Republicano antes das eleições.

Ao mesmo tempo, o website MiamiDiario relatou na quarta-feira que o Departamento do Trabalho anunciou que até Agosto passado, cerca de quatro milhões 300 mil trabalhadores tinham perdido os seus empregos. Os sectores mais afectados foram os hotéis e o comércio.

Há meses atrás, estimava-se que os americanos procurariam estabilidade no emprego face a esta situação, mas a realidade mostra que até agora isto não foi possível, dados os resultados dolorosos da pandemia.

Isto justifica a necessidade de esperar que os desenvolvimentos se desenrolem num mundo que é sobrecarregado, entre outras coisas, com graves consequências para a saúde.

#ParaísosFiscais, #Lasso, #Piñera e #Abinader, a #CaixaDePandora está aberta ..

#ParaisosFiscais #PapelesDePandora

A extensa investigação do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) revelou no domingo que 14 líderes mundiais e 21 outros líderes que desde então deixaram o poder esconderam bens e rendimentos no valor de milhares de milhões de dólares para evitar pagar impostos em paraísos fiscais.

Os ficheiros vazados, apelidados de Pandora Papers, incluem 35 líderes mundiais – ainda no poder ou reformados – e mais de 300 funcionários públicos em todo o mundo que detêm bens em ou através de paraísos fiscais.

Os Documentos de Pandora incluem, entre outros estadistas, os três actuais líderes latino-americanos: o Presidente do Equador, Guillermo Lasso, o Presidente do Chile, Sebastián Piñera e o líder da República Dominicana, Luis Abinader. Além disso, as fugas incluem outros altos funcionários latino-americanos: 11 presidentes reformados, 90 políticos de alto nível e um governador de um banco central.

Guillermo Lasso
De acordo com os documentos divulgados, o Presidente equatoriano Guillermo Lasso teve ligações a 10 empresas offshore e trusts no Panamá e nos estados americanos do Dakota do Sul e Delaware: Bretten Trust, Liberty US Trust, Bernini Foundation, Bretten Holdings, Da Vinci Foundation, Fundación Bienes Raíces, Nora Group Investment Corp, Pietro Overseas SA, Positano Trade LLC e Tintoretto International Foundation.

Bretten Trust e Liberty US Trust foram criados em 2017, e a Lasso autorizou a transferência para esses dois trusts de empresas operadas por duas fundações de interesse privado panamenses, denominadas Bernini e Barberini. De acordo com as regras de cada fundação, seriam feitas distribuições mensais aos beneficiários após a morte de Lasso, incluindo $20.000 à sua esposa, $2.000 aos seus filhos e $1.500 ao seu irmão.

Lasso disse ao ICIJ que não tem “nenhuma relação de propriedade, controlo, benefício ou interesse de qualquer tipo” com o Bretten Trust e o Liberty US Trust e que sempre cumpriu a legislação equatoriana que proíbe candidatos e funcionários públicos de deter empresas em paraísos fiscais.

As outras entidades mencionadas foram dissolvidas e, tal como confirmado pelo presidente do país latino-americano, não têm actualmente existência legal, enquanto que a utilização passada de qualquer entidade internacional era legítima.

Luis Abinader
O presidente dominicano está ligado a duas empresas panamenhas: Littlecot Inc. e Padreso SA, criada antes de a Abinader assumir a presidência do país em 2020. Os ficheiros indicam que as acções eram inicialmente “acções ao portador”, um mecanismo que permitia esconder a identidade dos proprietários das acções.

No entanto, em 2015, uma lei panamenha obrigou as empresas a revelar os nomes dos proprietários de tais títulos. Em 2018, um representante da família presidencial enviou um documento ao prestador de serviços offshore Overseas Management Corp. Nele, os irmãos de Abinader foram listados como accionistas da Littlecot Inc e da Padreso SA em vez de “al tenedor”.

Por seu lado, o presidente dominicano esclareceu ao ICIJ que a Littlecot Inc. possui uma propriedade familiar na República Dominicana, enquanto que a Padresso SA detém acções em seis outras entidades com propriedades e extensões da universidade privada propriedade da sua família.

Quanto às acções ao portador, a Abinader esclareceu que as entidades em questão foram criadas “por consultores que contratámos para comprar as empresas nestas jurisdições (neste caso, o Panamá)”. Explicou também que estes tipos de títulos eram utilizados para “facilitar as transacções comerciais com clientes e reduzir os obstáculos administrativos para as empresas durante a constituição”.

Paralelamente, o líder salientou que é proprietário de entidades “offshore”, uma vez que a utilização de entidades dominicanas para “comprar bens ou trocar bens no estrangeiro costumava ser um desafio (e ainda é) devido à falta de reconhecimento que estas empresas têm em jurisdições estrangeiras”.

Entretanto, o porta-voz presidencial Homero Figueroa reagiu aos Pandora Papers na sua conta do Twitter, observando que a informação hoje divulgada reconhece “a transparência do presidente”.

Sebastián Piñera
O inquérito jornalístico aponta para o facto de que o actual presidente chileno Sebastián Piñera esteve envolvido em várias empresas offshore. Os filhos de Piñera detinham 33,3% das acções do projecto mineiro Dominga. Em Dezembro de 2010, quando Piñera já era presidente há nove meses, a sua família vendeu as suas acções na empresa mineira ao empresário Carlos Alberto Délano, um dos amigos de infância de Piñera. A venda foi feita através de duas empresas de fachada registadas nas Ilhas Virgens Britânicas.

A venda foi selada com dois minutos: um assinado no Chile por 14 milhões de dólares e o outro no mesmo paraíso fiscal por 138 milhões de dólares. O pagamento deveria ser feito em três prestações, mas com uma contingência: o último pagamento só seria feito se o governo chileno não declarasse a área de operações do projecto Dominga como um santuário natural. O governo de Piñera decidiu não promover a iniciativa ambiental e assim a terceira parcela foi desembolsada.

Esta decisão do governo Piñera foi precedida por outra: em Março de 2010, o presidente anunciou o cancelamento da construção da central termoeléctrica de Barrancones, após uma onda de protestos de ambientalistas. O projecto foi encerrado apesar de ter as licenças para funcionar. Na altura, não se sabia que Piñera estava envolvido no projecto Dominga, segundo o Centro de Investigación Periodística (CIPER, Chile).

Além disso, os jornais publicados revelam que alguns dias antes de Piñera tomar posse em 2018, a empresa Parque Chiloé Overseas Inc. (Parque Chiloé Overseas Inc.). (registado nas BVI e ligado a ele) fundiu-se com o Parque Chiloé SA do Chile. Esta última foi então absorvida por outra entidade chilena, Inversiones Odisea, onde quatro dos filhos do presidente possuem acções.

Entretanto, o gerente das empresas familiares de Piñera, salientou aos investigadores que o inquilino de La Moneda não participou, nem tinha conhecimento dos detalhes da compra e venda do projecto Dominga. Ao mesmo tempo, ele especificou que nem Piñera, nem nenhum dos seus familiares directos têm controlo sobre empresas registadas nas IVB.

A Presidência chilena já emitiu uma declaração explicando, entre outras coisas, que a venda do projecto Dominga já foi objecto de uma investigação e que o Ministério Público “recomendou que o caso fosse encerrado devido à inexistência de um crime”.

Por seu lado, o jornalista Marco Teruggi salientou que é difícil processar os evasores fiscais, um facto que, na sua opinião, contribui para a desigualdade na América Latina. “Num continente tão desigual, em vez de contribuir para situações de necessidades extraordinárias – como as causadas pela pandemia – estas grandes fortunas decidem fugir para evitar pagar os seus impostos e, portanto, não contribuir para o bem comum”, disse ele.

Tomado de RT

Estados Unidos, democracia ou ditadura .

#Democracia #EstadosUnidos #CIA #OEA #LeyHelmsBurton

Por Arthur González

Pode um Estado ser democrático se apenas impõe os seus critérios aos outros através de sanções?

É por isso que os Estados Unidos são uma ditadura que manipula as relações internacionais de acordo com os seus interesses e aqueles que não se ajoelham aos seus pés são punidos com múltiplas sanções. Os exemplos são muitos e incluem Cuba, Rússia, China, Irão, Síria, Coreia do Norte, Venezuela e Nicarágua, só para mencionar aqueles que recebem mais sanções.

Desde 1959, os Estados Unidos iniciaram uma escalada de sanções contra Cuba, compreendendo que o governo revolucionário não aceitaria submeter-se às suas ordens, como os seus predecessores tinham feito desde 1902.

A sua resposta ditatorial foi implementar restrições comerciais para afectar a economia, evitar satisfazer o povo e demonstrar que era deficiente e que deveria ser derrubado.

A primeira sanção, em Julho de 1960, foi deixar de comprar açúcar cubano e não vender-lhes petróleo, criando um efeito negativo na economia da ilha, até a URSS oferecer a sua ajuda.

Em Março de 1960, a CIA iniciou actos de terrorismo com a exposição do navio francês La Coubre, que deixou 101 mortos e dezenas de pessoas física e mentalmente mutiladas, o primeiro de uma longa lista contra o povo cubano.

A 19 de Outubro de 1960, o regime americano proibiu todas as exportações de produtos ianques para Cuba e começou a recrutar emigrantes cubanos em Miami para levar a cabo uma invasão armada. Internamente, a CIA criou os primeiros grupos contra-revolucionários que levaram a cabo acções terroristas contra centros comerciais, de produção e de serviços, cinemas, teatros e escolas, actos directamente dirigidos contra a população civil.

Em Abril de 1961, a invasão armada da Baía dos Porcos materializou-se, com mercenários cubanos treinados pela CIA, que foi derrubada em 67 horas. Face à derrota esmagadora, os Yankees planearam novos planos subversivos para desestabilizar o governo revolucionário, na conhecida Operação Mangusto, aprovada por J.F. Kennedy em Fevereiro de 1962, que incluía uma invasão com o exército americano, com base em provocações auto-infligidas que a justificariam.

A Operação Mangusto contém tarefas para perpetrar actos terroristas, acções políticas, psicológicas e militares, operações de espionagem e o assassinato dos seus governantes.

Um relatório secreto da Comissão de Inteligência do Senado confirmou oito tentativas de matar Fidel Castro entre 1960 e 1965, bem como planos adicionais contra outros líderes cubanos, que continuaram até quase ao final do século XX.

Estes factos são suficientes para demonstrar que os Estados Unidos são uma ditadura e não um Estado democrático, porque aqueles que não aceitam as suas ordens pagam pela sua rebelião com sanções e morte.

Em Janeiro de 1961, cessaram as relações diplomáticas com Havana e proibiram todas as viagens e transacções financeiras de cidadãos norte-americanos a Cuba. Nesse ano, o Congresso dos EUA aprovou a Lei de Cooperação Internacional, que proibiu toda a ajuda a qualquer país comunista, incluindo Cuba, e aplicou a Lei do Comércio com o Inimigo, o único país a enfrentar uma tal sanção.

Um ano mais tarde, formalizaram a guerra económica, comercial e financeira, que é descrita como tal na própria Operação Mangusto. Sob pressão da Casa Branca, Cuba foi expulsa da OEA em 1962, a fim de a rodear política e economicamente.

Em 1963, o governo dos EUA emitiu o Regulamento de Controlo de Activos Cubanos (CACR) ao abrigo da secção 5.b da Lei do Comércio com o Inimigo de 1917. O objectivo expresso destas sanções é “isolar economicamente o governo cubano e privá-lo de dólares norte-americanos”.

O CACR proíbe a exportação directa ou indirecta de produtos, serviços e tecnologia dos EUA para Cuba. O Gabinete de Controlo de Activos Estrangeiros do Departamento do Tesouro, OFAC, está encarregado de fazer cumprir estas disposições através de um conjunto de regulamentos.

O CACR estabelece para aqueles que violam estas sanções, sanções penais que vão desde 10 anos de prisão, multas para empresas até 1 milhão de dólares americanos e multas individuais até 250.000 dólares americanos. Podem também impor sanções civis de até 55.000 dólares.

A ditadura americana, insatisfeita e frustrada por não alcançar os seus objectivos, aprovou a Lei da Democracia Cubana (Lei Torricelli) em 1992, que proíbe as filiais de empresas americanas de fazer negócios com Cuba, proíbe os cidadãos americanos de viajar para Cuba e proíbe o envio de remessas familiares.

Um dos objectivos da Lei é: “procurar uma transição pacífica para a democracia e a retoma do crescimento económico de Cuba através da aplicação cuidadosa de sanções contra o governo castrista e o apoio ao povo cubano”.

Um dos objectivos da Lei é: “procurar uma transição pacífica para a democracia e a retoma do crescimento económico de Cuba através da aplicação cuidadosa de sanções contra o governo castrista e o apoio ao povo cubano”.

A Lei Torricelli torna uma condição que: “alimentos, medicamentos e material médico para fins humanitários só podem ser disponibilizados a Cuba quando o governo cubano tiver mudado através de eleições livres e justas”.

Cuba não muda o seu rumo socialista e, portanto, os Estados Unidos, como uma ditadura total, aumenta as suas sanções numa tentativa de quebrar o povo. Em Março de 1996, o Presidente Bill Clinton assinou a Lei da Liberdade e Solidariedade Democrática de Cuba, conhecida como a Lei Helms-Burton, e as sanções assumem maior força de lei.

Esta lei visa: “reforçar as sanções internacionais contra o governo Castro e planear o apoio a um governo de transição que conduza a um governo democraticamente eleito na ilha”.

Em Outubro de 2003, o presidente dos EUA criou a Comissão de Assistência a uma Cuba Livre para elaborar planos e medidas para acelerar o processo de transição em Cuba para um regime dito “democrático e livre”. Em Maio de 2004, aprovou o plano de tarefas para realizar a sonhada “Transição pacífica para a democracia”.

Barack Obama, apesar do restabelecimento das relações diplomáticas, entre 2009 e 2016 aplicou 52 multas a bancos estrangeiros, no valor de 14.404 milhões 358.605 dólares, por violação das sanções dos EUA contra Cuba.

Quando Donald Trump se tornou presidente em Janeiro de 2019, as sanções foram reforçadas, proibindo as remessas familiares, a entrada de navios de cruzeiro para Cuba e voos dos Estados Unidos para as províncias cubanas; suspendendo o intercâmbio cultural e académico de americanos para a ilha; activando o Título 3 da Lei Helms-Burton, que permite às pessoas afectadas por nacionalizações após 1 de Janeiro de 1959 processar nos tribunais norte-americanos; e proibindo os bancos norte-americanos de processarem transacções bancárias relacionadas com Cuba através de terceiros, operações conhecidas como transacções de retorno.

Sancionou os chefes das missões médicas cubanas no estrangeiro. Recusa de licenças de leasing de aviões às companhias aéreas estatais cubanas. Impôs a regra de negar qualquer reexportação para Cuba de bens estrangeiros contendo mais de 10% de componentes norte-americanos, proibiu a utilização de dinheiro federal para trocas culturais com a ilha e sancionou o Ministério do Interior, as Forças Armadas e um grande grupo de empresas e corporações comerciais cubanas, incluindo quase todos os hotéis do país.

243 foram as suas sanções contra Cuba, prova do seu carácter ditatorial.

Antes do fim do seu mandato, voltou a incluir Cuba na lista de Patrocinadores Estatais do Terrorismo.

Joe Biden continuou na mesma linha, porque é assim que é a ditadura ianque, e em Julho de 2021 sancionou o Ministro das Forças Armadas Revolucionárias e a Brigada Especial Nacional do Ministério do Interior; o chefe da Polícia Nacional e o seu director-adjunto.

A 13 de Agosto sancionou o antigo chefe (reformado) da Direcção Política da MININT, o chefe da Secção Política da Polícia Revolucionária Nacional e a Direcção das Tropas Preventivas do Ministério das Forças Armadas Revolucionárias de Cuba. A 20 de Agosto de 2021, sancionou o Segundo Chefe do Estado-Maior General e Chefe da Direcção de Operações das FAR, o Chefe do Exército Central e o Chefe da Direcção das Prisões da MININT.

Nem mesmo Adolf Hitler assumiu uma atitude tão ditatorial como os presidentes ianques, que fazem o mesmo contra a Rússia, Venezuela, China, Irão, Nicarágua e Síria, no seu desespero de os subjugar.

Nenhuma pessoa que se preze pode afirmar que os Estados Unidos é uma democracia, porque os factos falam por si.

José Martí não estava errado quando disse:

“Os povos da América são mais livres e prósperos, quanto mais se afastam dos Estados Unidos”.

O Senado absolve #Trump após 5 dias de impeachment.

#DonaldTrumpCulpable #Capitolio #Terrorismo #Impeachment #EstadosUnidos

Trump, o primeiro presidente dos EUA, apresentou-se duas vezes durante um mandato.

#JuicioPolítico #DonaldTrumpCulpable #Cuba #Impeachment #EstadosUnidos #JoeBiden #Capitolio #EleccionesEEUU

“A chegada de Biden não significa que os problemas internos dos Estados Unidos tenham desaparecido”

#RTenEspañol #EstadosUnidos #Biden #Rusia #Covid-19 #Salud #CrisisEconomica #China #DonaldTrumpCulpable #PoliticaExterior #Capitolio #Europa #Alemania

Pronto, Trump se foi, e agora?

#EstadosUnidos #JoeBiden #DonaldTrump #EleccionesEEUU #DerechosHumanos #Racismo #Tratados #Sanciones #Covid-19

Retirado do Pupila Insomne . Razones de Cuba . Por: Roberto Montoya

De volta ao normal’. É isso, os infernais quatro anos de Trump acabaram, suas explosões, seu autoritarismo crescente, seu machismo exacerbado, sua xenofobia e racismo, seus ataques à mídia, sua intolerância, arrogância, seu apoio à supremacia branca e suas milícias, seu apoio para a polícia de gatilho fácil contra a comunidade afro-americana, suas mentiras sistemáticas, sua gestão criminosa da pandemia Covid-19, sua política agressiva em relação ao meio ambiente, sua ruptura com importantes tratados internacionais.

A saída de Trump da Casa Branca é um alívio para o mundo inteiro, sem dúvida e pelo fato de haver mais mulheres no Gabinete de Biden do que nunca, o que também reflete a grande diversidade étnica dos Estados Unidos e até a diversidade sexual. orientação, é, pelo menos simbolicamente, uma mudança positiva importante.

Mas e agora? O que se pode esperar deste novo mandato? O que será de Trump e do movimento de extrema direita que ele lançou?

Um discurso cheio de imprecisões e bom humor

“Sem unidade não há paz, apenas raiva e amargura. Não há progresso, apenas caos ”, disse Joe Biden em seu discurso no Capitólio ao assumir o cargo de 46º presidente dos Estados Unidos. “Unidade”, talvez sua palavra mais repetida.

“Podemos fazer dos Estados Unidos uma força que direciona o bem em todo o mundo”, uma espécie de frase imperial que nunca falta num discurso presidencial, seja de um republicano ou de um democrata, como as invocações a Deus e o apelo a orem todos juntos.

Praticamente não havia mais mensagens. Lugares comuns, tópicos, generalidades, discurso tradicional, sem compromissos firmes, sem mensagem mobilizadora.

Confrontado com “Vamos fazer a América grande novamente” e “América em primeiro lugar” de Trump, bondade em sua forma mais pura.

Coerente com o perfil de candidato “moderado” que Biden imprimiu em sua campanha eleitoral desde o início. Uma contenção e passividade, uma falta de reação aos constantes escândalos e a gestão delirante da pandemia de Trump, que muitas vezes exasperou os eleitores democratas e os fez duvidar que o candidato de seu partido realmente tivesse um programa alternativo que oferecesse.

Discurso íntegro de Joe Biden en su toma de posesión como presidente de  Estados Unidos | Elecciones USA | EL PAÍS

Quando Trump denunciou as desigualdades sociais

Vamos comparar os discursos. O que disse um milionário do setor imobiliário e apresentador de reality show como Donald Trump em 20 de janeiro de 2017, quando assumiu a presidência na escadaria do Capitólio?:

“Washington floresceu, mas o povo não compartilhou dessa riqueza. Os políticos prosperaram, mas empregos foram perdidos e empresas fechadas. O ‘establishment’ protegeu-se, mas não os cidadãos do nosso país ”.

“As vitórias deles não foram as suas; seus triunfos não eram seus triunfos; e embora festejassem na capital do nosso país, as famílias com dificuldades financeiras pouco tinham para festejar no nosso país ”.

E Donald Trump sacudiu a multidão, centenas de milhares de pessoas na esplanada do Capitólio quando ele prometeu:

“Tudo isso muda aqui e agora, porque este momento é o seu momento: pertence a você” “É de todos os que se reuniram aqui hoje e de todos que nos vêem nos Estados Unidos.” “Os esquecidos homens e mulheres de nosso país não serão mais esquecidos. Todo mundo escuta agora ”.

Trump falou sobre as desigualdades sociais, disse-lhes que “uma nação existe para servir seus cidadãos”, falou de “mães e crianças presas na pobreza em nossos centros urbanos; empresas enferrujaram e se espalharam como lápides por todo o território nacional ”.

Ele também denunciou “um sistema educacional cheio de dinheiro, mas que priva nossos belos e jovens alunos de conhecimento” e muito mais.

Donald Trump: Un antisistema en el trono del mundo | Estados Unidos | EL  PAÍS

Um discurso muito estudado. O mundo de cabeça para baixo. Trump, um milionário enriquecido pela especulação imobiliária, um bandido grotesco e misógino ‘showman’ de reality shows, sem experiência política e que mesmo muitos no próprio Partido Republicano não levavam a sério, fez uma radiografia da situação social no Estados Unidos com algumas frases que pareciam tiradas do show Bernie Sanders.

Nem democratas como Clinton, Obama, nem agora Biden, chegaram a dizer realidades como essas nem em seu primeiro discurso nem em nenhum de seus discursos.

Demagogia por parte de Trump? Uma verdadeira piada. Trump denunciou algumas das terríveis consequências sociais da globalização e do neoliberalismo, da desindustrialização de importantes áreas do país, atribuindo-as exclusivamente aos governos democráticos, embora ele próprio fosse fruto, beneficiário e defensor desse mesmo sistema.

À eficácia de seu diagnóstico, ele acrescentou uma boa dose de xenofobia e racismo, culpando tanto o imigrante quanto o capital e governos estrangeiros por todos esses males.

Um discurso que rapidamente comprou uma parte importante daqueles trabalhadores e empresários que não participaram dos espólios da globalização, ou do offshoring e dos acordos de livre comércio, mas foram afetados por eles.

Trump também se tornou um fervoroso antiaborto e um ferrenho defensor dos princípios ideológicos ultraconservadores quando iniciou sua campanha eleitoral, que conseguiu atrair o voto das poderosas igrejas evangelistas, cada vez mais influentes no mundo da política, justiça e vida cultural e social.

Los trumpistas no aflojan y denuncian la "corrupción" del conteo

Trumpism não está morto

Trump jogou bem seu truque, funcionou.

Ele fez um populismo de direita altamente eficaz. O homem que, poucos meses após o início do seu mandato, já estava acabado por muitos, mostrou que após quatro anos dando benefícios fiscais e de toda espécie ao grande capital industrial e financeiro, e às grandes fortunas, privando a saúde e a proteção social da população, obteve sete milhões de votos a mais do que em 2016.

Mesmo após o impeachment e meses de gestão escandalosa e criminosa da pandemia, Trump continuou a ter índices de popularidade surpreendentes e conseguiu arrastar todo o Partido Republicano para sua loucura.

Mas Biden viu sua chance no final. O narcisismo e a onipotência acabaram fazendo um movimento ruim para Trump; Ele puxou a corda até que se quebrou.

O número de mortos aumentou cada vez mais, a situação pandêmica saiu completamente fora de controle, ele viu que estava perdendo terreno, tentou atrasar as eleições e, não conseguindo, denunciou que haveria fraude, tudo se precipitou.

Os últimos meses da administração Trump foram patéticos.

O presidente ficava cada vez mais sozinho, perdia apoio no próprio governo, no governo, na Suprema Corte cuja maioria conservadora se fortalecia, e as fissuras internas no Partido Republicano já eram visíveis.

O não reconhecimento dos resultados eleitorais e a obstrução da transmissão do poder mostraram um descontrole político e pessoal sem precedentes em um presidente derrotado nas urnas.

Muitos como o fiel e servil vice-presidente Mike Pence acabaram pulando do navio no último minuto antes de ele afundar, tentando salvaguardar seu próprio futuro político.

Biden teve assim sua oportunidade de ouro, sua tática de ver o cadáver de seu adversário passar diante de sua porta, como dissemos nestas páginas, finalmente funcionou.

4 muertos y 14 policías heridos, balance del caótico asalto al Capitolio de  los "trumpistas"

Trump cometeu suicídio e seu cadáver político realmente passou pela porta de Biden.

Seu último ato foi negar a vitória eleitoral a ponto de convocar milícias da supremacia e da extrema direita para tomar o Capitólio em sessão plena.

Mas mesmo que Trump esteja definitivamente fora do grande cenário político, se hipoteticamente o novo impeachment democrata contra ele prosperar e ele for desqualificado para o cargo público, o trumpismo dificilmente desaparecerá.

Um presidente como Joe Biden poderá adotar medidas concretas que minem o apoio que o Trumpismo tem em amplos setores da sociedade?

Não é fácil ser otimista sobre isso. Joe Biden não é Bernie Sanders e não está claro se este, seu povo e a pressão dos movimentos sociais, embora tenham aumentado nos últimos anos, possam realmente influenciar a política do novo presidente.

Biden é um homem do estabelecimento ao longo da vida, um claro representante desse modelo neoliberal com o qual os governos democrata e republicano têm contribuído para acentuar cada vez mais as desigualdades sociais nos Estados Unidos, transformando-os em um império com pés de barro.

Trump soube pescar no pesqueiro das vítimas desse modelo e lançou um movimento que certamente continuará a ter peso dentro do Partido Republicano como o Tea Party na época. Ou ele e seus apoiadores acabarão causando um cisma no partido.

Biden e o Partido Democrata têm duas opções:

Um, tirar lições do fenômeno Trump, retificar, não repetir o modelo Clinton ou Obama, assumir de uma vez por todas que as estruturas fundamentais do sistema atual foram exauridas e aceitar, pelo menos parcialmente, alguns dos aspectos fiscais, trabalhistas e ambientais mais importantes e reformas sociais, delineadas por Sanders e a equipe de jovens parlamentares que o apóia.

Dois, continue tentando navegar com empena como durante a campanha eleitoral. Supondo apenas superficialmente, de frente para a galeria, algumas das reformas propostas pela esquerda democrata e movimentos sociais, enquanto faz constantes acenos de cabeça ao setor mais “moderado” do Partido Republicano e dissidentes do PR, como o Projeto Lincoln e outros grupos do família conservadora.

No ambiente de Biden, não são poucos os que nos últimos dias favorecem esta última opção por argumentarem que o Partido Republicano caminha para uma fratura e que, ao inclinar o governo para a direita, pode enfraquecê-lo ainda mais, facilitando importantes acordos estaduais. bipartido. Seria seguir uma estratégia como a que ele tentou várias vezes durante o governo Obama e falhou.

Dessa forma, afirmam eles, 2022 poderia ser alcançado em melhores condições para se conseguir nas eleições legislativas de meio de mandato para aumentar a maioria democrata em ambas as Casas.

O fato de o grande capital ter votado em Biden na maioria nesta ocasião não augura precisamente que ele pode ser definido pela primeira opção, nem o equilíbrio de forças que continua a prevalecer dentro de um Partido Democrata estagnado o augura.

Biden define como "terroristas" a los 'trumpistas' que atacaron el Capitolio

Os primeiros 100 dias de graça para o novo governo

Em todo caso, por enquanto Biden terá seu período de carência, ele poderá manter alguma ambigüidade. Trump facilitou que a mudança de governo fosse notada rapidamente.

Uma nova política firme e coerente para enfrentar a crise da saúde, com uma coordenação federal dos 50 estados que não existe hoje, e a aprovação de um pacote de medidas sociais para amenizar as consequências que a devastação da Covid-19 causou em milhões pessoal, certamente serão alguns dos primeiros passos que permitirão a Biden iniciar seu mandato com o pé direito e fazer a diferença.

Seus primeiros decretos executivos já incluem a obrigatoriedade do uso de máscaras em prédios públicos federais e o retorno à Organização Mundial da Saúde, que aponta nessa direção. Ele também decidiu congelar a construção do muro na fronteira com o México – uma das promessas estrela de Trump inacabada -; acabar com a política criminosa de separar pais e filhos imigrantes que tentam entrar nos Estados Unidos, e reiterou sua promessa de regularizar a situação de 11 milhões de pessoas sem documentos por meio da Lei de Cidadania dos Estados Unidos.

Uma promessa semelhante também foi feita por Obama em 2009, quando assumiu o poder – com Biden como vice-presidente – e que deixou por cumprir após oito anos no cargo.

Entre os primeiros quinze decretos presidenciais já assinados por Biden está também o anúncio do retorno dos EUA ao Acordo de Paris contra as mudanças climáticas e a revogação da licença concedida para a construção do oleoduto Keystone XL entre os EUA e o Canadá.

Entre os primeiros quinze decretos presidenciais já assinados por Biden está também o anúncio do retorno dos EUA ao Acordo de Paris contra as mudanças climáticas e a revogação da licença concedida para a construção do oleoduto Keystone XL entre os EUA e o Canadá.

Espera-se que nos próximos dias e semanas Biden anuncie outras medidas internas de conteúdo social para tranquilizar a população, e que o faça também em questões de política externa para mostrar aos seus aliados e a todo o mundo que “os Estados Unidos volta à normalidade ”ou, como disse em seu discurso inaugural,“ para direcionar o bem no mundo ”.

É do interesse de Biden e do Partido Democrata que o impeachment de Trump se concretize e ele seja desqualificado para ocupar cargos públicos vitalícios.

No entanto, não é conveniente para eles que o impeachment do ex-presidente se sobreponha no tempo e retire o impacto político e midiático desse primeiro período de grandes anúncios do novo governo.

Embora nenhuma grande surpresa possa ser esperada de um governo com um homem do establishment como Biden no comando, somente depois desse período de carência é que se pode confirmar qual será o perfil final do novo governo.

Pelosi: O impeachment de Trump continuará .World News.

#Impeachment #NancyPelosi #Trump #Capitolio #JoeBiden #EstadosUnidos #SaludMundial #Covid-19 #Ecuador #Argentina #China #Colombia #Peru #Venezuela #Guyana #Vacunas #OMS #Pobres

EUA: Protestos em várias cidades marcam a divisão perante o novo governo.

#JoeBiden #EstadosUnidos #TomaDePosesion #Covid-19 #DonaldTrump #RedesSociales #Twitter #CasaBlanca

Guerreiro Cubano: O morto que está partindo está puxando as pessoas, até Ferrer está no jamo.

#GuerreroCubano #TodosSomosGuerrero #Cuba #EstradosUnidos #DonaldTrumpCulpable #ForaTrump #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #CubaNoEsMiami #MercenariosYDelincuentes #LeyHelmsBurton #ElBloqueoEsReal #BloqueoNoSolidaridadSi #PuentesDeAmor #Covid-19 #CubaSalva #EEUUBloquea #MedicosCubanos #Economia