Quais são as chaves para compreender o declínio dos EUA como uma potência mundial?

#InjerenciaDeEEUU #Democracia #DerechosHumanos #Racismo

Audiências sobre os ataques do Capitólio levam ao Trump.

#Capitolio #DonaldTrumpCulpable #EstadosUnidos #JoeBiden

Washington, Jul 12 (Prensa Latina) A comissão da Câmara dos Representantes que investiga o ataque ao Capitólio dos EUA centrará hoje a sua atenção na campanha do então Presidente Donald Trump para convocar os participantes na insurreição.

De acordo com o painel, um tweet by Trump foi crucial no esforço violento para anular a sua derrota eleitoral para o democrata Joe Biden nas eleições de Novembro de 2020.

“Grande protesto em D.C. (a capital) no dia 6 de Janeiro. Esteja lá, vai ser selvagem”, escreveu Trump no site de redes sociais Twitter em 19 de Dezembro desse ano.

Essa mensagem, argumentam os investigadores, funcionou como um “grito de alerta” para os grupos de extrema-direita e outros apoiantes do Trump que estavam erradamente convencidos de que a eleição tinha sido “roubada”.

Viram o dia 6 de Janeiro de 2021 – quando o Congresso se reuniu para certificar a vitória de Biden – como a sua última e melhor hipótese de manter Trump no poder, informou The Hill.

Os legisladores do painel tentarão provar que os aliados do Republicano conspiraram com os extremistas violentos que acabaram por invadir o Capitólio, o que deixou cinco mortos e mais de 140 polícias feridos.

O Deputado Jamie Raskin (D) observou que o tweet se seguiu a uma reunião na Casa Branca a 18 de Dezembro de 2020, na qual alguns dos aliados mais próximos do governador o pressionaram a confiscar máquinas de voto em estados-chave.

Um ano e meio depois desse tweet, a comissão baseou-se nas declarações de Trump para apoiar as suas acusações de que o então ocupante da Sala Oval orquestrou o ataque ao Capitólio, numa tentativa de se agarrar ao poder.

Pela primeira vez na história dos EUA, um presidente apelou a um protesto contra o seu próprio governo, com efeito, para tentar impedir a recontagem dos votos do colégio eleitoral numa eleição presidencial que tinha perdido, Raskin advertiu no programa “Face The Nation” da CBS News.

“As pessoas vão ouvir a história desse tweet, e depois o efeito explosivo que teve no mundo Trump e especificamente entre os grupos extremistas violentos domésticos, os extremistas políticos mais perigosos do país”, acrescentou ele.

Entre esses grupos encontram-se os Orgulhosos e os Guardiões do Juramento, ambos na linha da frente da insurreição no chão do Congresso.

Mostraremos como alguns destes grupos de extrema-direita que vieram a D.C. e lideraram o ataque ao Capitólio tinham laços com os associados do Trump, um assistente do comité seleccionado sublinhou na véspera.

A ligação mais proeminente, até agora, tem sido com dois antigos conselheiros Trump, Roger Stone e Michael Flynn, que estiveram no movimento Stop the Steal e os utilizaram para serviços de protecção.

acl/dfm

Crescente tensão entre RDC e Ruanda abordada em Luanda

#Angola #RDC #Ruanda #Mirex #Política

Jornal de Angola

Na sequência do mandato recebido na recente Cimeira de Malabo, o Presidente da República, João Lourenço, acolheu hoje, em Luanda, o homólogo da República Democrática do Congo (RDC), Félix-Antoine Tshisekedi, num encontro para abordar questões relativas à crescente tensão que se regista entre a RDC e o Ruanda.

Presidente angolano em mais uma mediação para a paz entre RDC e Ruanda © Fotografia por: CIPRA

No quadro deste encontro, foram discutidos vários aspectos que podem contribuir para a resolução pacífica do diferendo entre os dois países e, neste sentido, Félix Antoine Tshisekedi, a pedido do seu homólogo angolano, aceitou libertar dois soldados ruandeses capturados recentemente.

Esta diligência visa contribuir para a redução da tensão que paira na relação entre os dois países (RDC e Ruanda), refere em nota a Secretaria para os Assuntos de Comunicação Institucional e Imprensa do Presidente da República, enviada ao Jornal de Angola.  

Na sequência da reunião de hoje de manhã, o Chefe de Estado, João Lourenço, manteve esta tarde uma conversa, por videoconferência, com Paul Kagame, Presidente da República do Ruanda, durante a qual foram discutidos os mesmos aspectos abordados com o homólogo da RDC. 

Estas discussões permitiram aos dois estadistas chegar a um entendimento sobre a realização em Luanda, em data a anunciar proximamente, de uma Cimeira em que participarão, a convite do Presidente angolano, os Chefes de Estado da RDC e do Ruanda, a fim de cuidarem de todos os aspectos que possam ajudar, de forma consistente, a promover o desanuviamento da tensão actualmente reinante na fronteira entre os dois países e contribuir assim para o reforço da paz na sub-região.  

Análisis desde Cuba: Cumbre de las Américas, ¿una fiesta sin invitados?

#CumbreDeLasAméricas #EstadosUnidos #Cuba #Venezuela #Nicaragua #CumbreSinLasAméricas #JoeBiden

Aprovação de Biden entre os hispânicos atinge o fundo do poço, pesquisa de opinião.

#EstadosUnidos #JoeBiden #DonaldTrump #Ucrania #InjerenciDeEEUU #Rusia

PorSputnik

O candidato democrata ganhou 59% dos votos hispânicos nas eleições de 2020, enquanto Donald Trump ganhou 38% entre a mesma população. Contudo, a partir de hoje, a taxa de aprovação do Presidente Biden caiu para apenas 26% entre os eleitores hispânicos, de acordo com os dados das sondagens Quinnipiac.54% dos latinos disseram que desaprovam o trabalho que Joe Biden está a fazer como presidente, e 20% tiveram dificuldade em decidir. Assim, a aprovação de Biden entre os latinos é a mais baixa de qualquer presidente desde pelo menos 1980, quando Ronald Reagan ganhou as eleições com 35% de apoio entre a população.

O analista de dados de sondagem John Anzalone diz que parte do problema para os democratas quando se trata de latinos é que eles pensam que tudo o que lhes interessa é a imigração.

“Acho que o mito que tem de ser sempre apanhado entre latinos e afro-americanos é que, muitas vezes, há esta narrativa em Washington entre os democratas de que só se fala com os latinos sobre imigração. Mas na realidade, a imigração é a 12ª questão que os preocupa. Adivinhe? Estão preocupados com as mesmas coisas com que todos os outros estão preocupados: concentram-se sempre na economia, na inflação, nos cuidados de saúde ou nas escolas. Certamente coisas como habitação e crime também tendem a ser mais elevadas entre afro-americanos e latinos”, explicou Anzalone num podcast da Politico.

Entretanto, 31% dos eleitores brancos e 63% dos eleitores negros expressaram a sua aprovação ao desempenho de Biden, enquanto 59% dos eleitores brancos e 25% dos eleitores negros desaprovaram, de acordo com dados compilados pela Universidade Quinnipiac (estado de Connecticut).

A sondagem também encontrou Biden no fundo quando se tratou de apoiar os jovens, com apenas 21% dos eleitores com idades compreendidas entre os 18 e os 34 anos a dizer que aprovam o seu desempenho, enquanto 58% desaprovam. Os números das sondagens de Biden foram atingidos por uma série de problemas que vão desde a inflação galopante e os preços das casas que disparam até aos preços recorde da gasolina.

A Casa Branca tentou desviar algumas das culpas para a Rússia, mas os especialistas e os meios de comunicação social assinalaram que a inflação e os preços da energia começaram a subir meses antes de a Rússia iniciar a sua operação militar na Ucrânia. O apoio a um candidato entre os eleitores hispânicos é muitas vezes crucial nas eleições estaduais e federais, uma vez que a população representa quase 20% da população e constitui frequentemente um voto decisivo em estados-chave.

Trump contou com uma maioria dos votos hispânicos em 2020.

Em 2020, Trump derrotou Biden com êxito com hispânicos em estados como o Texas e Florida, mas perdeu para Biden noutros, incluindo Arizona e Geórgia. A campanha Trump acusou os Democratas de fraude eleitoral generalizada nesses Estados, mas as suas reivindicações não foram defendidas em nenhum tribunal.

REVEALS! A fobia de Ota Ola De que tem ela medo, qual é o seu pior pesadelo? Emigração em Perigo.

#ManipulacionPolitica #MafiaCubanoAmericana #SubversionContraCuba #CubaSeRespeta #CubaVive #CubaNoEstaSola #LaRazonEsNuestroEscudo

Kyle Rittenhouse, um novo “herói americano”?

#EstadosUnidos #DonaldTrumpCulpable #DerechosHumanos #Democracia

Por: Dalia González Delgado Tirada de CubaDebate

Kyle Rittenhouse é o novo herói da direita radical nos Estados Unidos. A absolvição do jovem, acusado de matar duas pessoas durante os protestos no Wisconsin, provocou reacções mistas e alimentou o debate a longo prazo sobre racismo, violência e posse de armas.

Para além da controvérsia em torno do processo judicial, estou interessado em centrar-me noutras questões fundamentais: Porque é que houve protestos em primeiro lugar? O que é que um rapaz de 17 anos estava lá a fazer com uma espingarda de assalto, num estado em que nem sequer vive? Que consequências poderia isto ter?

O drama começou em 23 de Agosto de 2020 em Kenosha, Wisconsin. Jacob Blake, um homem negro de 29 anos, foi baleado sete vezes nas costas pela polícia enquanto tentava prendê-lo. Ficou parcialmente paralisado como resultado. O oficial que disparou os tiros não foi processado.

Essa faísca reacendeu uma chama num país cheio de casos de brutalidade policial contra cidadãos afro-americanos. Alguns meses antes, em Maio, o assassinato de George Floyd por um agente da polícia branca estimulou protestos maciços do movimento “Black Lives Matter” e outros activistas.

Kenosha, como muitas das comunidades mais pequenas e áreas rurais nos EUA, é maioritariamente branca e tem uma forte história de racismo. Donald Trump venceu lá tanto nas eleições de 2016 como em 2020.

Donald Trump disse que Rittenhouse é um “belo jovem” depois de se terem encontrado na sua residência em Mar-a-Lago.

Neste cenário acalorado, ainda mais complicado pela crise sanitária, com Trump in the White House que alimentou sentimentos de ódio contra minorias e deu asas a grupos brancos supremacistas, Kenosha tornou-se um lugar de protestos e confrontos. Por um lado, manifestações contra o tiroteio de Jacob Blake; por outro, vigilantes que procuram, dizem eles, “defender” empresas privadas e outros bens.

Entre eles estava Kyle Rittenhouse, então apenas com 17 anos, que andou 20 milhas desde a sua casa em Antioch, Illinois, até Kenosha. Apesar de ser menor, tinha adquirido uma espingarda semi-automática; especificamente uma AR-15, uma arma ligada a vários tiroteios em massa, como a de uma escola em Parkland, Florida, em 2018. No meio dos protestos de 25 de Agosto de 2020, Rittenhouse matou dois homens e feriu um terceiro. Foi acusado de múltiplas acusações de homicídio involuntário, mas os seus advogados argumentaram que agiu em autodefesa.

Foi absolvido de todas as acusações a 19 de Novembro, após um julgamento altamente publicitado, cujo resultado deixou mais do que algumas pessoas infelizes. Entretanto, a direita radical não só o defendeu, como elogiou as suas acções. Alguns sentem agora que têm uma espécie de “licença para agir”.

Este caso combina várias questões na sociedade americana contemporânea: racismo, supremacia branca, violência policial, posse de armas, milícias e o chamado vigilantismo, a ideia de cidadãos individuais aplicarem o que consideram ser justiça por si próprios, fora – e por vezes contra – a lei, ao estilo Batman.

Entre os que celebram está Kevin Mathewson, um investigador privado e antigo vereador de Kenosha. Segundo o New York Times, ele é conhecido como o criador de uma organização chamada Guarda Kenosha, um grupo armado que declarou a sua intenção de “dissuadir motins/looting” no contexto de manifestações de justiça racial. Após o tiroteio de Blake, instou os seus apoiantes a irem para as ruas. “Senti-me vindicado”, disse ele após a absolvição da Rittenhouse. “Vindica pessoas que dizem: ‘Olha, ninguém vem ajudar, temos de nos ajudar a nós próprios'”.

Esta ideia de que, independentemente das acções das autoridades, os cidadãos devem pegar em armas para se defenderem, mesmo contra os seus vizinhos, tem raízes profundas na história americana e está ligada ao individualismo que é para eles uma virtude. O homem feito por si, o herói americano, o guarda-florestal solitário que conquista a fronteira e aniquila os índios no seu caminho, o super-herói da banda desenhada, alimenta uma mitologia segundo a qual é “normal” um adolescente sair à rua com uma arma de guerra para enfrentar um grupo de manifestantes, protegido pelo direito concedido pela Segunda Emenda da Constituição.

A questão tem sido interpretada como oportunista e politicamente polarizadora, tendo mesmo entrado na atmosfera eleitoral para as eleições intercalares do próximo ano. Por exemplo, o candidato democrata gubernatorial do Texas Beto O’Rourke disse à CNN que o incidente em Kenosha mostra que os americanos não devem ser autorizados a “armas concebidas para uso no campo de batalha”.

Entretanto, Donald Trump disse que Rittenhouse é um “belo jovem” depois de se terem encontrado na sua residência em Mar-a-Lago. Esse encontro catapultou-o para a sala da fama da direita radical, que não só celebrou a absolvição do jovem, como está a tentar apresentá-lo como um “exemplo moral”, um novo “herói americano”.

Vários legisladores republicanos ofereceram-lhe estágios para trabalhar no Congresso. A representante Marjorie Taylor Greene – ligada ao movimento QAnon – foi mais longe nos seus elogios e apresentou um projecto de lei para lhe atribuir a Medalha de Honra do Congresso, a mais alta condecoração oferecida por aquela instituição e recebida por pessoas como George Washington, Rosa Parks e Nelson Mandela.

“A absolvição da Rittenhouse vai acrescentar combustível ao fogo da radicalização armada nos Estados Unidos”, escreveu Margaret Huang, presidente do Southern Poverty Law Center (SPLC), que segue os grupos extremistas nos EUA. Criticou o “racismo sistémico” num país onde “um jovem branco pode viajar através das linhas estatais, armado com uma espingarda de assalto, e envolver-se num confronto armado que resulta em múltiplas mortes sem enfrentar responsabilidade criminal”.

“A extrema-direita já publicou uma avalanche de propaganda exaltando Kyle Rittenhouse, e a sua absolvição é susceptível de os encorajar ainda mais a fingir que as suas acções violentas foram de alguma forma heróicas”, acrescentou ele.

Por seu lado, o Partido Socialista e de Libertação disse numa declaração que o que aconteceu dá aos vigilantes racistas uma “licença para matar”, e que a tradição mortal de violência ao estilo das milícias de extrema-direita nos EUA recebeu um enorme impulso. “A absolvição da Rittenhouse é um sinal claro do governo de que os vigilantes que matam manifestantes anti-racistas – ou qualquer tipo de manifestante progressista – gozarão de impunidade. Tudo o que têm de fazer é dizer que temeram pelas suas vidas e reclamar auto-defesa”.

Os peritos salientam que a combinação em 2020 da pandemia da COVID-19 com a crise económica levou a um aumento do conflito. Aproximadamente 23 milhões de armas foram compradas nesse ano, um aumento de 65% em relação a 2019, de acordo com um relatório da Small Arms Analytics, uma consultoria que acompanha o mercado de armas e munições.

Ao mesmo tempo, embora as milícias armadas nas cidades tenham uma longa história, também ganharam proeminência em 2020. Recordem essas imagens da invasão do Capitólio no Michigan para protestar contra as medidas de confinamento. Alguns foram mesmo presos por organizarem uma conspiração para raptar o governador democrata daquele estado.

Dado todo este panorama, num contexto de dívidas e problemas sociais acumulados, um mercado de armas em expansão e um cenário pandémico cheio de conflitos e frustrações, decisões como a absolvição da Rittenhouse são susceptíveis de estimular a ocorrência de incidentes como o de Kenosha, e ainda mais graves.

A popularidade de #JoeBiden em 9 meses despenca mais rapidamente do que a dos últimos 10 presidentes dos #EUA. #BaixaPopularidadeDoBiden

#BaixaPopularidadeDoBiden

A aprovação do cargo do presidente democrata no terceiro trimestre caiu 11,3 pontos em relação à sua classificação do primeiro trimestre (56%).

O apoio público do Presidente dos EUA Joe Biden caiu 14 pontos percentuais desde Junho. Estes dados foram recolhidos por uma sondagem Gallup realizada entre 1 e 19 de Outubro.

Biden teve uma taxa de aprovação de 57% após o primeiro mês do seu mandato, mas a partir de Junho começou a diminuir para 42% actualmente. As razões para isto incluem a retirada caótica das tropas do Afeganistão em Agosto e o aumento dos casos de coronavírus, bem como questões económicas tais como problemas da cadeia de abastecimento e o aumento da inflação.

Uma das conclusões da sondagem Gallup é que a aprovação do mandato do presidente democrata no terceiro trimestre caiu 11,3 pontos em relação à sua classificação do primeiro trimestre (56%). Esta é a maior queda entre os últimos 10 presidentes dos EUA, desde Dwight D. Eisenhower, entre o seu primeiro e terceiro trimestres no cargo.

Além disso, neste terceiro trimestre ao leme da Casa Branca, a sua taxa de aprovação foi em média de 44,7%. De acordo com Gallup, todos os presidentes desde Eisenhower, excepto Trump, tiveram índices de aprovação mais elevados do que Biden durante o terceiro trimestre.

O Fim de Biden?

#EstadosUnidos #Partidos #Política

Por: Nicanor León Cotayo

Outra investigação da conhecida empresa de análise Gallup mostra que os republicanos estão a ganhar o favor dos americanos por um chefe.

Isto foi noticiado na terça-feira por uma jornalista da CNN, Lauren Dezenski.

Limpos do seu conteúdo, 54% dos entrevistados preferem o Partido Republicano e 39% o Democrata, a maior vantagem desde 2015.

Quanto à prosperidade, 50 por cento apoiam o Partido Republicano e 41 por cento o Partido Democrata. Esta é a maior liderança desde 2014.

Os peritos recordam que o Partido Republicano tem tido um desempenho historicamente melhor do que o Partido Republicano nas questões de segurança e de economia.

A este respeito, acrescenta Gallup:

“Esta mudança depende mais de declínios nos americanos que vêem o Partido Democrático como melhor nestas questões do que de crescimento para o Partido Republicano”.

Aponta também que os independentes têm algo a ver com esta figura e que, desde o ano passado, os independentes sentem que o Partido Democrata é melhor no tratamento das questões mais importantes, “a segurança da nação e a manutenção da sua prosperidade”.

A CNN salienta que também é importante notar o calendário da sondagem, de 1-17 de Setembro, quando os acontecimentos caóticos tiveram lugar na retirada do Afeganistão, o aumento do Covid-19 e o menos esperado, o enfraquecimento do emprego nos Estados Unidos.

Os especialistas acreditam que esta notícia foi dura para o Presidente Joe Biden e para o seu partido.

A CNN deixa claro que se trata apenas de uma sondagem e não prevê necessariamente o futuro.

Na sua opinião, bem como na de outros meios de comunicação social, o que foi dito põe à prova o poder da Administração Biden e dos Democratas.

Não se pode esquecer que as eleições intercalares de 2022 estão a cerca de 13 meses de distância, o que é tempo suficiente para que situações e tendências mudem, bem como a preocupação dos Democratas com a queda de popularidade de Biden.

Isto pode ser uma boa notícia para o Partido Republicano antes das eleições.

Ao mesmo tempo, o website MiamiDiario relatou na quarta-feira que o Departamento do Trabalho anunciou que até Agosto passado, cerca de quatro milhões 300 mil trabalhadores tinham perdido os seus empregos. Os sectores mais afectados foram os hotéis e o comércio.

Há meses atrás, estimava-se que os americanos procurariam estabilidade no emprego face a esta situação, mas a realidade mostra que até agora isto não foi possível, dados os resultados dolorosos da pandemia.

Isto justifica a necessidade de esperar que os desenvolvimentos se desenrolem num mundo que é sobrecarregado, entre outras coisas, com graves consequências para a saúde.

#ParaísosFiscais, #Lasso, #Piñera e #Abinader, a #CaixaDePandora está aberta ..

#ParaisosFiscais #PapelesDePandora

A extensa investigação do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) revelou no domingo que 14 líderes mundiais e 21 outros líderes que desde então deixaram o poder esconderam bens e rendimentos no valor de milhares de milhões de dólares para evitar pagar impostos em paraísos fiscais.

Os ficheiros vazados, apelidados de Pandora Papers, incluem 35 líderes mundiais – ainda no poder ou reformados – e mais de 300 funcionários públicos em todo o mundo que detêm bens em ou através de paraísos fiscais.

Os Documentos de Pandora incluem, entre outros estadistas, os três actuais líderes latino-americanos: o Presidente do Equador, Guillermo Lasso, o Presidente do Chile, Sebastián Piñera e o líder da República Dominicana, Luis Abinader. Além disso, as fugas incluem outros altos funcionários latino-americanos: 11 presidentes reformados, 90 políticos de alto nível e um governador de um banco central.

Guillermo Lasso
De acordo com os documentos divulgados, o Presidente equatoriano Guillermo Lasso teve ligações a 10 empresas offshore e trusts no Panamá e nos estados americanos do Dakota do Sul e Delaware: Bretten Trust, Liberty US Trust, Bernini Foundation, Bretten Holdings, Da Vinci Foundation, Fundación Bienes Raíces, Nora Group Investment Corp, Pietro Overseas SA, Positano Trade LLC e Tintoretto International Foundation.

Bretten Trust e Liberty US Trust foram criados em 2017, e a Lasso autorizou a transferência para esses dois trusts de empresas operadas por duas fundações de interesse privado panamenses, denominadas Bernini e Barberini. De acordo com as regras de cada fundação, seriam feitas distribuições mensais aos beneficiários após a morte de Lasso, incluindo $20.000 à sua esposa, $2.000 aos seus filhos e $1.500 ao seu irmão.

Lasso disse ao ICIJ que não tem “nenhuma relação de propriedade, controlo, benefício ou interesse de qualquer tipo” com o Bretten Trust e o Liberty US Trust e que sempre cumpriu a legislação equatoriana que proíbe candidatos e funcionários públicos de deter empresas em paraísos fiscais.

As outras entidades mencionadas foram dissolvidas e, tal como confirmado pelo presidente do país latino-americano, não têm actualmente existência legal, enquanto que a utilização passada de qualquer entidade internacional era legítima.

Luis Abinader
O presidente dominicano está ligado a duas empresas panamenhas: Littlecot Inc. e Padreso SA, criada antes de a Abinader assumir a presidência do país em 2020. Os ficheiros indicam que as acções eram inicialmente “acções ao portador”, um mecanismo que permitia esconder a identidade dos proprietários das acções.

No entanto, em 2015, uma lei panamenha obrigou as empresas a revelar os nomes dos proprietários de tais títulos. Em 2018, um representante da família presidencial enviou um documento ao prestador de serviços offshore Overseas Management Corp. Nele, os irmãos de Abinader foram listados como accionistas da Littlecot Inc e da Padreso SA em vez de “al tenedor”.

Por seu lado, o presidente dominicano esclareceu ao ICIJ que a Littlecot Inc. possui uma propriedade familiar na República Dominicana, enquanto que a Padresso SA detém acções em seis outras entidades com propriedades e extensões da universidade privada propriedade da sua família.

Quanto às acções ao portador, a Abinader esclareceu que as entidades em questão foram criadas “por consultores que contratámos para comprar as empresas nestas jurisdições (neste caso, o Panamá)”. Explicou também que estes tipos de títulos eram utilizados para “facilitar as transacções comerciais com clientes e reduzir os obstáculos administrativos para as empresas durante a constituição”.

Paralelamente, o líder salientou que é proprietário de entidades “offshore”, uma vez que a utilização de entidades dominicanas para “comprar bens ou trocar bens no estrangeiro costumava ser um desafio (e ainda é) devido à falta de reconhecimento que estas empresas têm em jurisdições estrangeiras”.

Entretanto, o porta-voz presidencial Homero Figueroa reagiu aos Pandora Papers na sua conta do Twitter, observando que a informação hoje divulgada reconhece “a transparência do presidente”.

Sebastián Piñera
O inquérito jornalístico aponta para o facto de que o actual presidente chileno Sebastián Piñera esteve envolvido em várias empresas offshore. Os filhos de Piñera detinham 33,3% das acções do projecto mineiro Dominga. Em Dezembro de 2010, quando Piñera já era presidente há nove meses, a sua família vendeu as suas acções na empresa mineira ao empresário Carlos Alberto Délano, um dos amigos de infância de Piñera. A venda foi feita através de duas empresas de fachada registadas nas Ilhas Virgens Britânicas.

A venda foi selada com dois minutos: um assinado no Chile por 14 milhões de dólares e o outro no mesmo paraíso fiscal por 138 milhões de dólares. O pagamento deveria ser feito em três prestações, mas com uma contingência: o último pagamento só seria feito se o governo chileno não declarasse a área de operações do projecto Dominga como um santuário natural. O governo de Piñera decidiu não promover a iniciativa ambiental e assim a terceira parcela foi desembolsada.

Esta decisão do governo Piñera foi precedida por outra: em Março de 2010, o presidente anunciou o cancelamento da construção da central termoeléctrica de Barrancones, após uma onda de protestos de ambientalistas. O projecto foi encerrado apesar de ter as licenças para funcionar. Na altura, não se sabia que Piñera estava envolvido no projecto Dominga, segundo o Centro de Investigación Periodística (CIPER, Chile).

Além disso, os jornais publicados revelam que alguns dias antes de Piñera tomar posse em 2018, a empresa Parque Chiloé Overseas Inc. (Parque Chiloé Overseas Inc.). (registado nas BVI e ligado a ele) fundiu-se com o Parque Chiloé SA do Chile. Esta última foi então absorvida por outra entidade chilena, Inversiones Odisea, onde quatro dos filhos do presidente possuem acções.

Entretanto, o gerente das empresas familiares de Piñera, salientou aos investigadores que o inquilino de La Moneda não participou, nem tinha conhecimento dos detalhes da compra e venda do projecto Dominga. Ao mesmo tempo, ele especificou que nem Piñera, nem nenhum dos seus familiares directos têm controlo sobre empresas registadas nas IVB.

A Presidência chilena já emitiu uma declaração explicando, entre outras coisas, que a venda do projecto Dominga já foi objecto de uma investigação e que o Ministério Público “recomendou que o caso fosse encerrado devido à inexistência de um crime”.

Por seu lado, o jornalista Marco Teruggi salientou que é difícil processar os evasores fiscais, um facto que, na sua opinião, contribui para a desigualdade na América Latina. “Num continente tão desigual, em vez de contribuir para situações de necessidades extraordinárias – como as causadas pela pandemia – estas grandes fortunas decidem fugir para evitar pagar os seus impostos e, portanto, não contribuir para o bem comum”, disse ele.

Tomado de RT

%d bloggers like this: