A influência guerreira cubana sobre Alain Paparazzi e Otaola vem à luz. Cuba

#SubinversiónContraCuba #RedesSociales #OdiadoresDeMiami #MafiaCubanoAmericana

Juan Guaidó: um fracasso muito vantajoso? As razões por trás do longo apoio dos EUA, Colômbia, UE ..

#JuanGuaido #Venezuela #EstadosUnidos #UnionEuropea #Colombia #Brasil #GrupoDeLima #Autoproclamado #CITGO #Monomeros #IvanDuque #DonaldTrumpCulpable #Washington

O velho roteiro contra Cuba e os novos bonecos em cena.

#ManipulacionMediatica #SubversionContraCuba #MafiaCubanoAmericana #FakeNewsVSCuba #TenemosMemoria #SomosContinuidad #FielesANuestraHistoria #MSINoMeRepresenta #LaFarsaDeSanIsidro #TerrorismoMadeInUSA #YoSigoAMiPresidente

 Por Redacción Razones de Cuba

Tomado de Granma

Por: Ronald Suárez Rivas, Mailenys Oliva Ferrales

A televisão cubana denunciou mais uma vez, nesta quarta-feira, ações que fazem parte do chamado golpe suave que o Governo dos Estados Unidos tenta realizar em nosso país.

Depois de ter falhado durante décadas na tentativa de destruir a Revolução, o vizinho do Norte apela a novos métodos na ânsia doentia de tentar mudar o curso que esta ilha caribenha tomou há muito tempo de forma soberana.

No entanto, como o presidente Miguel Díaz-Canel Bermúdez apontou recentemente em sua conta no Twitter, é “um velho roteiro importado com novos atores”.

O material televisivo referia-se ao artigo publicado em Cubadebate pelo jovem analista de mídia Javier Gómez Sánchez, com o título Os ideólogos do golpe brando: a sociedade aberta em Cuba e a articulação contra-revolucionária.

#

O texto indica que “a agressividade do governo Donald Trump, e o posicionamento de um discurso contra a Revolução, por parte de atores da mídia, com todas as intenções, repulsivas, têm feito parte dos planos e não um acidente dentro deles. Promover uma contra-revolução que se apresenta como irracional e nojenta, em relação à qual a neo-contra-revolução poderia se apresentar como uma alternativa, para que fosse vista pelos cubanos como algo preferível.

Nessa contra-revolução gasta, sem agenda própria, violenta e sem raízes sociais, associam-se personagens como Berta Soler e José Daniel Ferrer.

O primeiro, uma pessoa com um longo histórico de provocações apoiada por dinheiro da Fundação Nacional Cubano-Americana da Flórida. No audiovisual, argumenta-se que a falta de efetividade de suas ações tem cobrado seu preço, por isso o montante de dinheiro que recebe diminuiu. Ela inclusive assinala que foi acusada de utilizar esses recursos para benefícios pessoais e não para lutar por uma suposta “causa de Cuba”.

Ferrer poderia ser definido como um criminoso comum, com antecedentes criminais consideráveis, promotor de ações contra-revolucionárias, suposto líder fabricado para lhe dar reconhecimento internacional.

O povo cubano certamente se lembrará do vídeo divulgado há algum tempo, em que bateu várias vezes com a cabeça contra uma mesa, para depois acusar um oficial do Minint de tê-lo atacado.

Na mesma linha de uma contra-revolução associada à marginalidade e à violência, integram-se outras personagens como Luís Manuel Otero, que se tem dedicado, através de grotescas expressões pseudoartísticas, a promover valores contrários à Revolução, os símbolos nacionais, beirando a e novamente com ilegalidade.

Segundo a análise realizada no Noticiero de la Televisión Cubana, entre esses pequenos “atores” está Maykel Osorbo, cujos constantes apelos às redes sociais pela violência, desrespeito e desordem defendem a invasão dos Estados Unidos em Cuba.

Denis Solís, um homem cuja conduta agressiva e socialmente condenável, o levou a ser punido pelo crime de desacato, movendo-se na mesma linha, posicionando-se como o impulsionador da farsa de San Isidro.

Fora de Cuba, a contra-revolução também é administrada por outros indivíduos. Essas ações são realizadas pelos Estados Unidos com o consentimento, ou, pelo menos, com o silêncio das autoridades daquele país, durante a administração Trump, os seguintes elementos:

Yamila Betancourt, promotora de ações terroristas em Cuba, que paga por vandalismo na ilha e usa as redes sociais para fazer grosseiros pedidos de desacato.
Sob o pseudônimo de Ultrack, esse outro representante da contra-revolução busca transferir a agressividade de sua linguagem nas redes sociais para a realidade cubana, ou seja, para nossas ruas.
E Alexander Otaola, que inicialmente atraiu o público e seguidores, abordando questões relacionadas com artistas e entretenimento, para posteriormente definir sua linha clara de agressão contra Cuba e incitar uma revolta social na ilha através da desobediência e do caos.

Paralelamente a estes expoentes da agressão às Grandes Antilhas coexiste outra versão da contra-revolução, que segundo o artigo La ned tem quem lhe escreve, de Javier Gómez Sánchez, é uma espécie de nova ou neo-contrarrevolução que procura estabelecer-se como aquela alternativa menos repulsiva, para acabar sendo a opção aceita pelo povo.

Embora não sejam todas, entre as que se enquadram nesta linha está Tania Bruguera, uma pessoa que, a partir de uma construção simbólica na arte, busca benefícios e posicionamentos, e algumas de suas ações flertam com a ilegalidade, inclusive a organização de uma provocação em a Praça da Revolução.

Neste mesmo cenário aparece

Carlos Manuel Álvarez, diretor do médium “independente” El Estornudo, que, a partir de suas redes sociais, denegriu, com alto disfarce, tanto o trabalho de médicos cubanos no exterior, como também de Che e Fidel.

Outros vinculados a esta modalidade de contra-revolução são Omara Ruiz Urquiola, ex-professora do Instituto Superior de Design, participante da farsa de San Isidro e parente de altos funcionários do governo dos Estados Unidos em Cuba; e a jornalista e ex-professora da Universidade de Havana Elaine Díaz, atualmente residente no exterior, que se dedicou a recrutar jovens jornalistas e universitários para contaminar seus ambientes e pensamentos.

Fazem parte da lista Eliécer Ávila, um jovem cubano residente nos Estados Unidos, que por diversas vezes declarou estar comprometido com a violência e a invasão de Cuba; e Ariel Ruiz Urquiola, atuante no trabalho de descrédito dos médicos cubanos no exterior.

Também faz parte desta rede Rosa María Payá, representante dos interesses da extrema direita de Miami em relação a Cuba, que recentemente postou em sua conta no Twitter: «Durante anos perguntei primeiro ao governo Obama e depois ao governo Trump reincorporar o regime cubano à lista dos patrocinadores do terrorismo porque é o correto e consistente.

Em apoio à atividade desses promotores da mudança de regime em Cuba, também se proliferou a criação de meios de comunicação como Cibercuba, El Estornudo, Cubanet, El Toque e La Joven Cuba, entre outros.

“São meios digitais criados e sustentados como parte de uma operação de longo prazo implementada pela CIA em Cuba para fabricar uma imprensa que, a partir da internet, gerará conteúdo político deliberadamente tóxico para a Revolução, sob a fachada do exercício jornalístico”, afirma em seu artigo Gómez Sánchez.

Enquanto isso, dos EUA Nos Estados Unidos, organizações como a USAID, o NED (National Endowment for Democracy) e as Open Society Foundations estimulam, com concursos e bolsas, a promoção de lideranças contra-revolucionárias, como tem sido feito com a milionária financiada Yoani Sánchez, entre outras.

Em outras palavras, tanto a expressão grotesca e anexacionista dos marginalizados dentro e fora de Cuba, quanto a de vozes com um discurso mais elaborado, é a mesma contra-revolução; uns desgastados, menos cuidados pelos seus senhores, e outros que respondem aos novos tempos, com discursos aparentemente mais conciliatórios, mas com o mesmo propósito final: derrubar a Revolução.

Cuba🇨🇺 está na lista dos países terroristas🤔? Uma história mal contada. Vamos ver quem é o terrorista …

#Cuba #GolpeSuave #EstadosUnidos #AmericaLatina #ManipulacionMediatica #TerrorismoMadeInUSA #Europa #MedioOriente #TerrorismoNuncaMas

Vira tendência no Brasil: “#Renúncia” Bolsonaro .

#JairBolsonaro #Renuncia #Brasil #Coronavirus #Covid-19 #CORRUPÇÃO

Retirado do teleSUR .

Como o presidente disse que “não pode fazer nada”, os internautas respondem “Renúncia” e isso se torna popular nas redes.

O reconhecimento do presidente Jair Bolsonaro de que o Brasil está falido e não pode fazer nada foi a origem do pedido de “demissão” de milhares de usuários de redes sociais que virou tendência.

A origem de tudo é que o presidente brasileiro disse que o Brail está “quebrado” e que ele, como presidente, “nada pode fazer” a respeito.

“Chefe, o Brasil está falido e eu não posso fazer nada”, disse ele a um simpatizante do lado de fora do palácio da Alvorada de Brasil, sua residência oficial, segundo o jornal local Folha de São Paulo.

Imagen

A resposta da comunidade tweetando foi imediata e diante da aparente reclamação de Bolsonaro, a resposta que se popularizou foi “Renúncia”, com um rótulo que já havia atingido 80 mil menções durante a manhã, um fenômeno.

Em todo caso e, para além da engenhosidade de alguns dos tweets, o mais surpreendente é que o assunto se revelou mais uma plataforma para exigir a demissão do presidente Bolsonaro, reivindicação que tem estado presente não apenas nas redes mas também nas ruas.

Las redes digitales se unen al pedido de renuncia del presidente de Brasil, J. Bolsonaro. tras declar que no puede hacer nada por el país.

Bolsonaro é acusado por numerosas organizações da sociedade civil e personalidades da política e da cultura de ser incapaz de liderar o país, como evidenciado pelo tratamento da pandemia Covid-19 durante o ano anterior.

Nos enseñan desde el Departamento de Estado la ruta de los ataques terroristas contra Cuba.

#TodosSomosGuerresosCubanos #GuerreroEsCuba #SubversionContraCuba #NoAlTerrorismo #TerrorismoMadeInUSA #AquioNoSeRindeNadie #MercenariosYDelincuentes #YoSigoAMiPresidente #TenemosMemoria #SomosContinuidad #CubaSeRespeta

Os EUA planejam subverter os jovens cubanos.

#DerechosHumanos #SubversioContraCuba #ManipulacionMediatica #MafiaCubanisAmericana #MercenariosCubanos #RedesSociales #JuventudCubans #YoSoyFidel #YoSigoAMiPresidente

Retirado do Razones de Cuba .

Por Arthur González

Desde 1959, quando o governo dos Estados Unidos ordenou à CIA que fabricasse uma contra-revolução na ilha, com o objetivo de destruir o processo revolucionário, a juventude cubana tem sido alvo prioritário de suas ações subversivas. Essa linha de ação política foi exposta pelo então diretor da CIA, Allen Dulles, quando afirmou:

“Em breve chegará o dia em que teremos que funcionar com conceitos diretos de poder. Nossa principal aposta será a juventude, vamos corromper, desmoralizar e pervertê-la. ”

Foto de Portada

Por isso, no Projeto Cuba de fevereiro de 1962 afirmam:

“O Departamento de Estado e a CIA continuam a explorar suas capacidades para montar operações especiais dentro de Cuba, com foco em elementos ativos da população, especificamente operações por meio da Igreja para alcançar as mulheres e suas famílias, bem como por meio de contatos de trabalho. para alcançar os trabalhadores. Outros elementos alistados incluem grupos de jovens e profissionais ”.

“A CIA concluiu que seu verdadeiro papel será criar a ilusão de que um movimento popular ganha apoio estrangeiro e ajudar a estabelecer um clima que permitirá atos provocativos em apoio a uma mudança em direção à ação aberta em Cuba”.

Nada mudou em seus planos e é por isso que a juventude continua em sua mira, com a aspiração de que se tornem os protagonistas dessa tão esperada mudança de sistema em Cuba.

Em maio de 1971, em seus projetos subversivos contra a Revolução, eles expressaram:

“O objetivo é desenvolver o ceticismo e o desânimo da juventude cubana em relação à sua sociedade, mas de uma forma que esteja trancada a sete chaves e não provoque oposição ativa e a conseqüente repressão”.

Jóvenes cubanos apuestan por la integración global, uno de los legados del  líder Fidel Castro

Eles falharam novamente, mas seus sonhos não cessaram e o presidente George W. Bush, ao aprovar seu plano para uma transição em 2004, disse:

“Alcançar a juventude cubana representa uma das oportunidades mais significativas para apressar o fim do regime. Esta geração tem o elo mais fraco com a Revolução, sua apatia e descontentamento são endêmicos. Continue isolando o regime de Castro ao mesmo tempo que apóia a oposição democrática e dá poder à sociedade civil emergente.

Embora a mencionada monstruosidade não tenha obtido sucesso, os ideólogos da CIA mantiveram seus objetivos inabaláveis ​​e, em 2009, idealizaram cursos de preparação para jovens cubanos em entidades acadêmicas dos Estados Unidos. Assim lançaram a convocatória para o primeiro programa de bolsas para Cuba desde o triunfo da Revolução, e sua Seção de Interesses em Havana se encarregou da divulgação e seleção dos candidatos.

Este programa tinha duas variantes, uma para jovens de nível médio ou técnico superior, com duração de um ano em uma universidade ianque e obrigação de retorno a Cuba, e outra para jovens universitários, por cinco semanas. Tanto para desenvolver habilidades de liderança comunitária quanto para trazê-los a uma compreensão mais profunda dos Estados Unidos.

Ao mesmo tempo, a missão diplomática em Havana iniciou programas de estudos em suas instalações, apesar de ser uma violação do artigo 41-3 da Convenção de Viena de 1961, que estabelece:

“As instalações da missão não devem ser utilizadas de maneira incompatível com as funções da missão, conforme estabelecido nesta Convenção.”

Fidel y la juventud, desde el presente de la Patria |

Esses programas tratavam de: organização civil, liderança, comunicação social, informática e língua inglesa.

O objetivo era introduzir uma barreira ideológica para trabalhar para mudar o sistema socialista.

Com as novas normas de imigração, eles prepararam novos programas e convocatórias para cursos de liderança nos Estados Unidos, como o realizado em abril de 2015 pela organização com sede em Washington World Learning Inc., para jovens cubanos de 16 a 18 anos, por quatro semanas .

Em janeiro de 2017, a organização dos Líderes Sociais promoveu um novo curso com o objetivo de “promover o desenvolvimento profissional dos jovens e fortalecer a sociedade civil cubana”.

Sem desistir de sua linha de ação sobre a juventude cubana, em junho de 2019 anunciaram outro projeto de “Líderes cubanos emergentes”, para que os participantes “pudessem se estabelecer em Cuba com recursos profissionais para promover a democracia e os direitos humanos”.

Entusiasmados com a ideia, no dia 3 de dezembro de 2020, a organização de Líderes Sociais anunciou sua quinta convocatória, oferecendo 15 bolsas a jovens profissionais cubanos de 20 a 35 anos, com o objetivo de “promover a liderança juvenil e fortalecer a sociedade civil cubana”. O tempo é de 4 meses em entidades dos Estados Unidos, onde receberão ferramentas profissionais e preparação em habilidades para criar, administrar e executar projetos comunitários em Cuba.

Miguel Díaz-Canel Bermúdez, presidente de la República de Cuba junto a los estudiantes de la FEEM provincial de La Habana, festejando el 50 aniversario de la organización juvenil.

Para esta linha de ação contra a Revolução Cubana, o governo dos Estados Unidos aprova orçamentos milionários todos os anos.

Em 24 de novembro, o governo ianque anunciou que destinará um milhão de dólares para financiar projetos de subversão, que justificam denúncias de violação dos direitos humanos em Cuba. Nesse sentido, o Escritório de Democracia, Direitos Humanos e Trabalho do Departamento de Estado, assegurou que busca propostas para “fortalecer a capacidade dos grupos independentes da sociedade civil em Cuba, para promover os direitos civis e políticos na ilha e aumentar a responsabilização de funcionários cubanos por violações de direitos humanos e corrupção ”.

Esta ação é respaldada pelo Memorando Presidencial de Segurança Nacional de 16 de junho de 2017, intitulado: “Fortalecimento da política dos Estados Unidos em relação a Cuba”, que autorizou os programas que visam fortalecer as capacidades da sociedade civil independente. , para promover as liberdades fundamentais e os interesses de todas as pessoas.

Em 3 de dezembro de 2020, o Conselho de Segurança Nacional declarou em seu Twitter:

“Apoiamos todo o povo cubano em sua luta contra a repressão. “Os artistas e intelectuais do Movimento San Isidro exigem mudanças e liberdades democráticas, através de protestos pacíficos contra o regime cubano. O povo cubano merece e conta com o nosso apoio ”.

Dinheiro desperdiçado porque os cubanos sabem disso, como disse José Martí:

“Depois de desfrutar da liberdade, você não pode mais viver sem ela”

Os Estados Unidos compram peças subversivas para mudanças políticas em Cuba .

#DerechosHumanos #Minrex #CubaSeRespeta #DonaldTrumpCulpable #SubversionContraCuba #NoAlTerrorismoMadeInUSA #CSN #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MercenariosCubanos #TodosSomosGuerrero #AquiNoSeRindeNadie #MSINoMeRepresenta #FarsaDeSanIsidro

Por Raúl Antonio Capote Retirado do Razones de Cuba .

“A destinação do Departamento de Estado de até um milhão de dólares para a convocação e contratação de participantes da subversão contra Cuba é uma flagrante agressão e violação do Direito Internacional”, denunciou neste domingo o ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Grade.

“Nós a condenamos e a confrontaremos com o peso da lei. O governo dos Estados Unidos e seu Conselho de Segurança Nacional (CSN) nunca apoiaram o povo cubano. Sobretudo no governo de Donald Trump, a CSN tem sido um instrumento de agressão contra Cuba e a América Latina ”, disse o chanceler cubano por meio de sua conta no Twitter.

Bruno Rodríguez asegura que su gobierno está comprometido con "todos los  Derechos Humanos" | ADN Cuba

Por outro lado, o diretor-geral para os Estados Unidos do Ministério de Relações Exteriores, Carlos Fernández de Cossío, afirmou que “a decomposição moral da política externa dos Estados Unidos os leva à prática criminosa de comprar subversivos à peça. Na falta de uma motivação política, ideológica ou ética genuína, é com o dinheiro que se sentem obrigados a realizar a tão esperada mudança de regime em Cuba.

O site Cuba Money Project, da jornalista norte-americana Tracey Eaton, divulgou recentemente que o Departamento de Estado dos EUA está oferecendo até um milhão de dólares para programas que promovam “direitos civis, políticos, religiosos e trabalhistas em Cuba”.

Autoridades norte-americanas tentam sustentar a nova agressão contra o povo cubano, com a falácia de que “as autoridades cubanas aproveitaram a pandemia do coronavírus para aumentar a repressão e o assédio a jornalistas independentes e ativistas da sociedade civil”.

Em sua retórica mentirosa, o Departamento de Estado insiste em fazer as pessoas acreditarem em uma “realidade” que não existe, divulgando, como verdade, que “grupos cívicos independentes, jornalistas, artistas, empresários e outros defendem cada vez mais as instituições econômicas e políticas mais inclusivo ”.

Informe: Policía de EEUU ha matado a 512 personas en 2016 | HISPANTV
manifestación

Com que moral o Escritório de Democracia, Direitos Humanos e Trabalho do Departamento de Estado declarou que busca propostas que «fortaleçam a capacidade dos grupos independentes da sociedade civil de Cuba de promover os direitos civis e políticos na Ilha e aumentar a rendição de relatos de funcionários cubanos por violações de direitos humanos e corrupção. É surpreendente que a preocupação venha de um país onde a corrupção é sistêmica, onde os direitos humanos são violados, onde em meio a uma pandemia que custou a vida a mais de 200.000 pessoas, o protesto é brutalmente reprimido e assassinado pelo cor da pele. Cuba garante a seus cidadãos direitos fundamentais que são um sonho de muitos americanos.

As propostas, conforme propõem, “devem oferecer uma abordagem que vincule esses objetivos aos problemas socioeconômicos e políticos que mais interessam aos cidadãos cubanos”.

Devem também “traçar uma visão específica para contribuir com a mudança, reconhecendo os obstáculos que devem ser superados, incluindo a atual pandemia do coronavírus”, a mesma do governo dos Estados Unidos. uu foi incapaz de lidar com isso.

O escritório do Departamento de Estado aponta a necessidade de “incluir iniciativas concretas que reflitam os desenvolvimentos recentes na ilha e tenham o potencial de gerar impactos de curto prazo que levem a mudanças sustentáveis ​​de longo prazo”.

Deve-se notar que o pedido foi publicado no dia 24 de novembro, à medida que crescia o interesse do pequeno grupo que se autodenomina Movimento San Isidro.

Aumenta asedio contra miembros del Movimiento San Isidro – Lacubanada

“O momento do anúncio do Departamento de Estado pode ser uma coincidência, mas eu me pergunto se as autoridades americanas estão procurando maneiras de capitalizar sobre o furor sobre o Movimento San Isidro”, escreveu Eaton.

O financiamento não será o problema. Cada projeto pode ter até um milhão de dólares “, disseram as autoridades ianques.

A dança dos milhões na “conspiração desonesta” contra a Ilha da Liberdade continua com total devassidão.

Em repetidas ocasiões, as autoridades das Grandes Antilhas exigiram dos governos dos Estados Unidos o fim dos programas de mudança de regime contra Cuba, país que há quase 60 anos enfrenta um bloqueio imposto por Washington.

O portal, criado pela jornalista Eaton, também citou, em outubro deste ano, dados obtidos do Foreign Aid Explorer da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), que refletiram despesas de mais de 261 milhões de dólares. nos projetos de subversão contra Cuba, de 1990 a este ano, gastos que não chegam nem perto do total alocado contra nosso país, já que não inclui os valores alocados, por exemplo, à Rádio e TV Martí, nem o dinheiro do orçamento da cia para subversão na ilha.

Cuba Money Project também revelou que desde que Trump assumiu a presidência, em janeiro de 2017, a USAID gastou cerca de 50 milhões de dólares em projetos relacionados à busca de uma mudança no sistema.

Por outro lado, o Departamento de Estado anunciou, em junho deste ano, que os requerentes de visto para os Estados Unidos deverão, para tanto, enviar seus perfis nas redes sociais, seus endereços de e-mail e os números de telefone que utilizaram nas nos últimos cinco anos.

Autoridades do Norte, que baseiam sua estratégia contra Cuba em nome de supostos direitos humanos, avaliam o que você escreve no WhatsApp, Instagram ou Twitter, entre outras redes digitais, quem são seus amigos, o que você compartilha, para quem você liga ao telefone, o que Você conversa com sua família e amigos, etc., antes de se conceder um visto de entrada para aquele país. Seu assédio não tem fronteiras.

Palavra precisa contra a farsa de San Isidro.

#FarsaDeSanIsidro #SacaTuBanderaPorLaRevolucion #PorLaPatriaVamosAAndar #MercenariosMadeInUSA #CubaSeRespeta #MSINoMeRepresenta #TodosSomosGuerrero

Governo de Cuba denuncia financiamento norte-americano de subversão.

#FakeNewsContraCuba #ResistiremosYVenceremos #YoSigoAMiPresidente #MercenariosCubanos #CubaNoEsMiami #AquiNoSeRindeNadie #MafiaCubanoAmericana

O Governo de Cuba denunciou neste sábado o financiamento de atividades subversivas por parte da atual Administração dos Estados Unidos (EUA), que recentemente destinou até um milhão de dólares para esse fim.

Em mensagem veiculada pela rede social Twitter, o ministro das Relações Exteriores, Bruno Rodríguez, qualificou o apelo como uma “flagrante agressão e violação do Direito Internacional”, e afirmou que “o condenamos e o enfrentaremos com o peso de a lei”.

El canciller de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, consideró la reciente convocatoria del Departamento de Estado como flagrante agresión y violación del Derecho Internacional.

Por sua vez, a vice-diretora do Ministério das Relações Exteriores da América do Norte, Johana Tablada, anunciou nesta sexta-feira por meio do Twitter que a Casa Branca destinou mais verbas para agressão e ingerência nos assuntos internos da Ilha.

“Ilegalmente, o Departamento de Estado anuncia que distribuirá um milhão de dólares para projetos de subversão que justifiquem supostas acusações contra a situação dos direitos humanos em Cuba”, disse Tablada.

Durante esta semana, o Ministério das Relações Exteriores de Cuba alertou sobre o financiamento, orientação e incitamento dos Estados Unidos a grupos e indivíduos para desafiar a autoridade, bem como a implantação de uma campanha nas redes sociais para divulgar informações falsas, incite o ódio, divida a população e exija a ilegalidade.

Ao mesmo tempo, a acadêmica especializada em relações entre Cuba e os Estados Unidos, Tracey Eaton, declarou neste sábado que o Departamento de Estado planeja distribuir, até o final de 2020, até um milhão de dólares para iniciativas relacionadas aos “direitos civis e políticos, religiosos e trabalhistas em Cuba ”. Washington informou ter gasto mais de US $ 261 milhões em projetos de subversão contra Cuba de 1990 a este ano, acrescentou Eaton em seu relatório.

%d bloggers like this: