Bolsonaro amplia a vitória de Boric tratando-o como um inimigo.

#Brasil #JairBolsonaro #AmericaLatina #ElCaminoEsLaPaz

Um político que se torna presidente da República está pelo menos habituado à adversidade e compreende a estratégia, reconhece as derrotas e tenta construir novas vitórias. A lógica perde-se quando analisamos a personalidade de Jair Bolsonaro, chefe do Executivo brasileiro, e actualmente o seu representante minoritário.

É o que acontece quando Bolsonaro mais uma vez se isola e não cumprimenta o novo presidente do Chile, mesmo 48 horas após a vitória do congressista Gabriel Boric para o mais alto cargo no Chile. Pelo contrário, os seus aliados dentro do governo lamentaram a vitória do novo presidente, um desencontro com o mínimo que a diplomacia sugere.

Bolsonaro, que fez campanha contra Pedro Castillo, foi lento a reconhecer a sua vitória eleitoral, devido às suas “ligações à esquerda”. Ao regressar de uma viagem, Bolsonaro observou o “perigo da esquerda no Chile” antes das eleições. Chegou em 2018 para receber Kast no Brasil, e de acordo com uma entrevista com o vencido chileno, admirava Bolsonaro “por pôr fim à corrupção no Brasil”, um total desrespeito pelos pedidos de “vantagens” financeiras para comprar vacinas feitas pelo seu país. subordinados directos, ou compras de mansões pela sua família. Ainda existem processos em tribunal, pelo acto de apropriação da maioria dos salários dos empregados nos seus escritórios quando era parlamentar, incluindo uma prática repetida pelos seus filhos.

Uma realidade muito diferente para aqueles que prometeram salvar o Brasil do “comunismo” (como se a política de inclusão fosse um mal) e apontaram para um futuro melhor, mas, devido à sua negação, 617.000 pessoas morreram de Covid-19.

Possuindo um desvio de personalidade para o cargo de presidente de uma nação, no cumprimento da sua administração, o Presidente Bolsonaro tem mostrado dificuldade em aceitar derrotas de aliados, como foi o caso do ‘admirado’ Kast. Nas eleições americanas, levou 38 dias para felicitar o actual Joe Biden pela sua vitória sobre Donald Trump. Em Outubro de 2019, Bolsonaro lamentou a vitória de Alberto Fernández na Argentina e disse, a certa altura, que não iria felicitar o novo líder do país vizinho. A quem os brasileiros muitas vezes chamam ‘irmãos’ argentinos.

Bolsonaro entra para a história e deve seguir os passos do Macri derrotado para a reeleição. O argentino foi ao Chile e apoiou a candidatura do chileno de extrema-direita José Antonio Kast, que ele não conhece, mas longe de celebrar o resultado eleitoral com o Pinochettist, acrescentou um novo caso de teste para aqueles que mantêm a teoria de que ele traz má sorte.

“Hoje o Chile, para mim, é talvez a única sociedade, o único país do primeiro mundo que temos na América Latina, e eles têm tido muito sucesso na construção, desenvolvimento e fortalecimento das suas instituições”, disse Mauricio Macri do Palácio de La Moneda em Santiago, onde falou à imprensa para apoiar o defensor do genocida Augusto Pinochet.

Bolsonaro, tal como Macri, vê a tarefa que lhe foi confiada pelos Estados Unidos de aumentar a direita na América do Sul como indo na direcção oposta à que eles queriam. Em repetidas derrotas e rejeições da sua personalidade, eles reagem transformando os opositores de esquerda em presidentes inimigos. Uma psicopatia incompatível que apenas eclipsa os aliados neoliberais eleitoralmente e engrandece os novos presidentes latino-americanos de esquerda, transformando-os em líderes de países vizinhos dos seus.

Nas eleições chilenas, o candidato de extrema-direita José Antonio Kast admitiu a sua proximidade às ideias de Bolsonaro no Brasil. Por outro lado, os apoiantes de Boric utilizaram imagens do presidente brasileiro para criticar Kast. Uma publicação dizia que Bolsonaro, tal como Kast, também prometeu salvar o Brasil do comunismo e apontou para um futuro melhor, mas que governou um país onde 617.000 pessoas morreram de Covid-19 e que enfrenta problemas económicos.

O Presidente argentino Alberto Fernández disse que os países deveriam comprometer-se a reforçar os laços de irmandade que os unem. Outros presidentes da região, como Nicolás Maduro da Venezuela e Luis Arce da Bolívia, também felicitaram Boric pela sua vitória. O ex-presidente Lula, que lidera as sondagens nas intenções de voto para as eleições de 2022, enviou uma mensagem de felicitações ao candidato de esquerda. No campo de direita, a sanidade veio do Presidente uruguaio Luis Lacalle Pou e do paraguaio Mario Abdo Benítez, que também cumprimentou o vencedor das eleições chilenas.

Por opção, o governo brasileiro enveredou pelo caminho do isolamento diplomático ao longo dos primeiros três anos do seu mandato, tem um dom para gerar rejeição, mesmo no seu próprio campo político, e escolher inimigos, ajudando-os a alcançar vitórias.

Do auge da sua popularidade entre os chilenos, o presidente eleito está a tornar-se um novo líder em todo o continente latino-americano, dizendo simplesmente o que o mundo pensa: “Bolsonaro é um perigo para a humanidade… Está a destruir o que pertence a toda a humanidade”. Bolsonaro na prática gera uma vez mais a valorização da esquerda, mostrando claramente a imprudência do que a extrema direita significa para o planeta.

¡Fora, Bolsonaro!

#Brassil #JairBolsonaro

Por Silvina Pachelo

O Presidente brasileiro está a atravessar um momento crítico, uma vez que a sua popularidade está em baixa, enquanto Lula da Silva está a emergir como o favorito nas sondagens para as eleições presidenciais do próximo ano. Uma visão geral do Brasil de Bolsonaro explica esta situação.

A 7 de Setembro, em comemoração do Dia da Independência do Brasil, Jair Messias Bolsonaro apelou aos seus seguidores, que se mobilizaram nas principais cidades do país em apoio ao líder da extrema-direita, e em apoio à guerra que ele está a travar com o Supremo Tribunal Federal (STF). Mas a afluência não foi a esperada.

Hoje tem 24% de apoio, o seu nível mais baixo desde que chegou ao poder em 2019, enquanto o ex-presidente Lula da Silva está a crescer nas sondagens.

Houve também uma marcha de oposição proclamando uma “terceira via”, nem Bolsonaro nem Lula, e apelando a um “impeachment” (impeachment) do actual presidente. O presidente apoiou as suas ameaças: “Uma pessoa específica na região dos três poderes está a barrar a população e a efectuar detenções políticas, algo que não pode ser aceite (…) Ou este juiz é incriminado ou demite-se”. Bolsonaro refere-se aos juízes Alexandre de Moraes, que tinha ordenado a detenção dos seus apoiantes que defendiam a intervenção militar, e Luís Roberto Barroso, presidente do tribunal eleitoral.

Dias mais tarde, na sequência das repercussões destas observações, Bolsonaro tentou atenuá-las, afirmando que elas foram feitas “no calor do momento”. Noutras aparições, ele autodenominou-se “o porta-voz do povo”, mas as suas contínuas ameaças públicas saíram-lhe pela culatra.

O Supremo Tribunal Federal intentou uma acção contra ele por divulgar falsas notícias e pôr em perigo a democracia. “Nunca serei um prisioneiro”, advertiu no dia do comício de 7 de Setembro, antes de chegar no seu Rolls-Royce. Acrescentou que as suas opções são “prisão, morte ou vitória”, e com o tom messiânico de que tanto gosta, afirmou: “Só Deus me tirará daqui”. Todas as ameaças e a possibilidade de revogar o seu mandato devido às investigações judiciais e ao enorme apoio dos sectores populares, sindicatos e empresários que Lula está a receber fazem de Bolsonaro um presidente que, longe de corresponder às expectativas do seu povo, está a endurecer e a aumentar os seus ataques às instituições mais importantes do país.

Olhando em frente para 2022

A reeleição de Bolsonaro não está assegurada. A sua popularidade é inferior ao esperado, perdeu o apoio dos sectores que tinham votado nele, dos evangélicos e da classe média. O Supremo Tribunal Eleitoral adverte que as queixas do presidente contra o sistema de votação electrónica o expõem a acusação por “abuso do poder político e económico”, e se se provar que Bolsonaro violou a lei eleitoral durante o seu mandato, o TSE poderia declará-lo inelegível. Claramente, para que o seu impeachment seja válido, o presidente brasileiro terá de ser denunciado pelo Procurador-Geral, Augusto Aras, um aliado próximo, e enfrentar a abertura de um processo de impeachment, que necessita de dois terços da Câmara dos Deputados para ser consolidado. A isto junta-se uma comissão de saúde que investiga as razões do fracasso das medidas contra a covid-19, que até agora reclamou a vida de 560.000 pessoas.

A crise económica está também na ordem do dia no Brasil. Segundo o jornal Folha de São Paulo, o Ministro da Economia, Paulo Guedes, afirma que devido ao aumento das ordens judiciais (dívida do Estado reconhecida pelos tribunais) e à inflação, poderá ser obrigado a exceder o limite máximo de gastos para o próximo ano: “Com a inflação a aumentar como está agora, o espaço para a expansão dos programas sociais é eliminado (…) Dependendo do nível de inflação, eu poderia começar 2022 a quebrar o limite máximo de gastos”, advertiu Guedes.

O Banco Central do Brasil (BCB) aumentou há alguns dias a sua taxa de juro de referência (Selic) em 100 pontos base, a fim de conter a subida dos preços. O chefe do BCB, Roberto Campos Neto, anunciou que iria “fazer tudo o que fosse necessário para travar a inflação no Brasil”. Além da crise económica, o Brasil está a sofrer a pior seca em quase um século. O aumento dos preços internacionais das mercadorias e a depreciação do real estão a fazer subir os preços a cada dia que passa. A taxa de desemprego já atingiu 14%. Esta é uma situação muito complexa, apesar das previsões do FMI de que o país poderia estabilizar.

De acordo com o cientista político Emir Sader, “a comunidade empresarial está dividida. Um sector ainda está com ele (Bolsonaro) porque ganhou as privatizações, outro sector está inclinado para Lula da Silva, e um terceiro está a meio caminho, formando a “terceira via”, sem Lula e sem Bolsonaro. O cenário entre aqueles que controlam a economia está dividido e não existe uma posição global do estabelecimento”.

A corrupção não demorou muito a chegar. Nos últimos meses, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro levantou o segredo bancário e fiscal do vereador Carlos Bolsonaro, um dos filhos do presidente brasileiro, no âmbito de uma investigação de corrupção. A medida foi solicitada pelo Ministério Público, que acusa Carlos Bolsonaro de desviar recursos públicos por alegadamente utilizar o seu gabinete na Câmara Municipal do Rio de Janeiro para contratar funcionários “fantasmas”. Para a analista política Maria Carolina Trevisan, este facto reflecte-se e tem um impacto directo no governo porque existe uma percepção crescente da corrupção, que aparece como uma questão central para os eleitores, e em virtude da qual se nota como Bolsonaro está a perder popularidade.

Outra acusação de abuso recai sobre o presidente brasileiro: a dos povos indígenas do Brasil. A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) pediu ao Tribunal Penal Internacional (ICC) na segunda-feira para investigar o presidente de extrema-direita pelas suas “políticas anti-indígenas”, que descrevem como “genocídio” e “ecocídio”. O presidente promoveu a exploração de terras indígenas e áreas protegidas na Amazónia, que foram duramente atingidas pela desflorestação e mineração ilegal. A denúncia sublinha a redução, durante o actual governo, dos recursos dos organismos de controlo, o que desencadeou invasões em terras indígenas.

Agora, Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é claramente o favorito nas sondagens antes das eleições presidenciais de Outubro de 2022. Tem 41 por cento dos votos, enquanto Bolsonaro tem 23 por cento, seguido pelo antigo juiz Sergio Moro (7 por cento), Ciro Gomes do Partido Trabalhista (6 por cento) e o apresentador de TV e magnata da TV Globo Luciano Huck (4 por cento). “A construção leva tempo. A demolição é rápida. Aqueles que vieram depois de nós, no Brasil e noutros países, para destruir a integração sul-americana e a cooperação Sul-Sul restabeleceram uma ordem quase colonial nas relações internacionais”, declarou Lula.

O ex-presidente (2003-2010) e líder da oposição disse que a actual situação “quase colonial” produziu “uma catástrofe que está à vista e muitos países já estão a regressar para construir uma política multilateral e de integração na região que será reforçada quando o Brasil regressar a um rumo mais humanista”.

A hora de Lula será a nova hora dos povos livres, dos sem terra, das vozes revolucionárias que proclamam um governo da Pátria Grande. O povo irmão do Brasil está a viver um momento chave para o regresso da solidariedade não como um objectivo final mas como um meio para alcançar a consolidação da nossa América. E Lula é, mais uma vez, o protagonista deste momento.

Como disse José Martí, “o que resta da aldeia na América deve acordar”. Estas não são horas de ir para a cama com um lenço na cabeça, mas com as armas da sua almofada, as armas do julgamento. As trincheiras de ideias valem mais do que as trincheiras de pedra”.

Fonte: https://carasycaretas.org.ar/2021/09/30/fora-bolsonaro/

A Covid-19 suscita controvérsia entre os deputados .

#Brasil #JairBolsonaro #Corrupción #Deputados #Covid-19 #Politica #Salud

Genocídio da fala, negação ou mitomania: as razões pelas quais um grupo de cientistas brasileiros clama pelo ‘impeachment’ contra Bolsonaro .

#Brasil #JairBolsonaro #Impeachment #AmericaLatina #CORRUPÇÃO

Um grupo de cientistas solicitou o início de um processo político contra o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, denunciando que ele utilizou um “discurso genocida” e negou a gravidade da pandemia, que prejudicou a saúde da população e fez com que fosse o País da América Latina com o maior número de pessoas mortas por coronavírus.

Os especialistas não estão sozinhos. Bolsonaro é o presidente com mais pedidos de impeachment da história do Brasil. Em pouco mais de dois anos de governo já tem mais de 60, embora por enquanto não possam avançar graças ao fato de que dois de seus aliados foram eleitos para chefiar a Câmara dos Deputados e o Senado, cargos dos quais bloquearão qualquer processo parlamentar de destituição.

De qualquer forma, cada pedido deixa um registro de tudo o que Bolsonaro fez durante a pandemia. É o caso desta nova portaria, que foi assinada por médicos, pesquisadores, farmacêuticos, bioeticistas, professores e um ex-ministro da Saúde, José Gomes Temporão.

Discurso genocida, negacionismo o mitomanía: las razones por las que un grupo de científicos brasileños pide el 'impeachment' contra Bolsonaro

A denúncia de 54 páginas esclarece que se limita aos fatos ocorridos entre 24 de março de 2020 e 20 de janeiro de 2021, período em que Bolsonaro “abusou dos direitos constitucionais e políticos inerentes ao seu cargo, em prejuízo da saúde do população, para obter vantagem política para si mesmo no meio da pandemia covid-19. “

Com sua estratégia, acrescenta, o presidente minou a relação entre os diversos estados do Brasil, indispensável em meio a uma emergência sanitária, e prejudicou a “dignidade e a honra” de seu cargo “por repetidas violações de decoro. “

Acrescenta ainda que o presidente divulgou desinformações, exortou ao descumprimento das medidas sanitárias e promoveu a ilusão de “tratamento precoce”, que levou as pessoas a arriscarem a sua saúde perante um vírus mortal.

“Além de negar a gravidade da pandemia e aderir a uma negação científica incompatível com a respeitável tradição da saúde no Brasil, o senhor Bolsonaro agiu para tornar as respostas menos eficazes (…) comportamentos, todos intencionais e calculados em seu benefício político “, ele acusa.
Cronologia

A denúncia relaciona o que aconteceu no Brasil desde 3 de fevereiro do ano passado, quando o Ministério da Saúde declarou emergência sanitária por conta da pandemia.

Desde então, afirma ele, o Bolsonaro minimizou o coronavírus, recusou-se a implantar a quarentena, incentivou a desobediência ao distanciamento social e medidas de prevenção, como o uso de máscaras, e promoveu “medicamentos precoces” como a hidroxicloroquina, que não continha evidência científica.

A atitude negativa do presidente, ressalta, impediu que esforços de outras instituições, em particular do Congresso Nacional, do Judiciário e de executivos estaduais e municipais, pudessem compensar a falta de políticas e de enfoque epidemiológico que o governo federal teve que assumir.

Um dos exemplos mais claros foi a campanha publicitária oficial ‘O Brasil não pode parar’, em que recursos públicos milionários foram usados ​​para rejeitar a quarentena em vez de investi-los na saúde.

Soma-se a isso os ataques permanentes de Bolsonaro à imprensa que investigou e noticiou os efeitos da pandemia. “Em 24 de março de 2020, o presidente fez uma declaração oficial em rádio e televisão nacional, acusando a imprensa de promover ‘histeria’, imputando a prefeitos e governadores cautelosos o desejo de arruinar o país”, lembra a acusação.

As declarações e políticas do presidente, diz ele, levaram o Brasil a um “precipício de negação” que até agora implicou a perda de mais de 232.000 vidas, além de quase dois milhões de infecções.

“Há quase um ano, (Bolsonaro) não mede esforços para prejudicar os agentes políticos, médicos e médicos, enfermeiras e enfermeiras que trabalham para tentar reduzir o número de mortos durante a pandemia, chegando ao auge de promover a descrença nas vacinas para o nosso pessoas que, de boa fé, acreditam na palavra do presidente da República ”, afirma.

Como resultado, ele lamenta, o Brasil, que foi um exemplo na implementação de políticas públicas de saúde, “tornou-se um exemplo negativo no combate à pandemia, e cada vez mais brasileiros morrem por terem sido relegados a danos colaterais de ominosos políticos ambições do Sr. Bolsonaro. “
Imputações

A carta atribui o colapso sanitário sofrido pela cidade de Manaus à “ineficácia, sabotagem, mitômana e beligerante” do Governo. “É claro que o Sr. Bolsonaro politizou criminalmente a política federal para combater a pandemia, obter uma vantagem política para si mesmo e prejudicar politicamente outras autoridades que ele trata como inimigas”, disse ele.

O abuso de poder, ele acusa, resulta em “violação patente” do direito à saúde dos brasileiros por meio de mentiras, desinformação médica, incitação à desobediência à saúde, falsidades sobre a responsabilidade exclusiva de prefeitos e governadores, omissão intencional na compra vacinas, manifestações xenófobas contra a China e negação absoluta de suas obrigações, já que é um chefe de Estado que promove a polarização e a violência.

Para processar o impeachment, os cientistas recomendam chamar como testemunhas Luiz Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde; Dimas Tadeu Covas, diretor do Instituto Butantan; Carlos Murillo, presidente da Pfizer no Brasil; Clóvis Arns da Cunha, presidente da Sociedade Brasileira de Doenças Infecciosas; Karine de Souza Oliveira Santana, professora titular de Saúde Coletiva da Faculdade de Medicina da Bahiana, Margareth Dalholm, cientista e pesquisadora da Fiocruz e Miguel Nicolelis, coordenador da Comissão Científica do Consórcio Nordeste de Combate.

Brasil: Justiça decide se autoriza o acesso às mensagens no caso de Lula da Silva.

#Brasil #LulaDaSilva #JairBolsonaro #SergioMoro #Corrupcion

Neste dia, a Justiça brasileira deve se pronunciar sobre a legalidade de divulgação das mensagens do juiz e promotores que condenaram Luiz Inácio Lula da Silva. Aparentemente, Sergio Moro, que era ministro da Justiça de Bolsonaro, e o procurador Deltan Dallagnol teriam coordenado ações para condenar Lula. Essas mensagens podem tornar o ex-presidente nulo e sem efeito e iniciar uma investigação contra Moro.

A direita brasileira se junta ao pedido de julgamento de Jair Bolsonaro.

#ImpeachmentDeBolsonaroUrgente
#ForaBolsonaro
#DireitaQuerImpeachment #CarreataForaBolsonaro #Brasil

Setores da direita brasileira, que apoiavam a vitória de Jair Bolsonaro nas eleições no país sul-americano, saíram neste domingo nas principais cidades em apoio ao pedido de impeachment contra o presidente.

La protesta de la derecha ocurrió un día después que sectores sociales y políticos de izquierda articularon 87 caravanas en el país para exigir el juicio a Bolsonaro.

O Movimento Brasil Livre (MBL) e a organização Vem Pra Rua, que reúne militantes de centro-direita, se mobilizaram em São Paulo e outras cidades para solicitar o impeachment ao presidente Jair Bolsonaro.

A má gestão de Bolsonaro na luta contra o coronavírus, o repúdio e falta de respeito aos familiares das vítimas fatais por minimizar a pandemia e a participação de pessoas próximas em casos de corrupção, como o filho Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz, eles levaram organizações políticas a solicitar impeachment.

Segundo o MBL, é ‘o momento de mostrar a nossa rebelião contra a maior loucura eleitoral da história’.

O protesto de direita ocorreu um dia depois de partidos políticos de esquerda, movimentos sindicais e sociais e as frentes Brasil Popular e Pueblo sin Fiedo organizarem 87 caravanas no país para exigir a demissão de Bolsonaro.

Atualmente são mais de 60 pedidos de impeachment contra Bolsonaro apresentados na Câmara dos Deputados, sendo a irresponsabilidade do presidente durante a pandemia um dos principais argumentos apresentados .

Bolsonaro causa uma multidão ao visitar uma praia e nadar com banhistas, apesar da pandemia.

#Brasil #Coronavirus #Mexico #Epidemia #SaludMundial #LasFiestasTienenQuePara #RTenEspañol #Bolsonaro #Vacunas #China

O Brasil ultrapassa 7 milhões de infecções por coronavírus.

#Brasil #JairBolsonaro #Corrupcion #Covid-19 #SaludMundial #Europa #EstadosUnidos #DonaldTrumpCulpable #ForaTrump #Alemania #Francia #NavidadEnConfinmiento

Mandam esclarecer no Brasil a ajuda ilegal ao filho de Bolsonaro.

#Brassil #JairBolsonaro #FlavioBolsonaro #Corrupção

Brasília, 15 de dezembro (Prensa Latina) A juíza Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, deu 24 horas para que o governo esclareça o auxílio da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) na defesa do acusado senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro.

Lúcia encaminhou sua determinação ao General Augusto Heleno, Ministro-Chefe da Secretaria de Segurança Institucional, e Alexandre Ramagem, Diretor-Geral da ABIN.

A decisão foi proferida após ação direta de inconstitucionalidade apresentada pelos partidos Red de Sustentabilidad (REDE) e Socialista Brasileiro (PSB).

‘A imagem descrita pelo autor da petição é séria. Este tribunal afirmou expressamente, na decisão da liminar, a ilegitimidade de utilizar a máquina ou órgãos do Estado para servir ao interesse privado de qualquer pessoa ‘, defendeu o ministro.

No sábado, o líder da oposição no Senado, Randolfe Rodrigues, da REDE, fez um convite para que Flávio Bolsonaro comparecesse à Comissão Mista de Inteligência do Congresso para discutir as diretrizes da ABIN em sua defesa em um caso de corrupção .

Randolfe afirma em seu pedido que houve uma “evidente tentativa” do senador “de subverter os órgãos de inteligência e criar uma investigação paralela para buscar a impunidade”.

A alegação é baseada em reportagem da revista Época, segundo a qual a ABIN auxiliou o descendente do presidente de extrema direita a preparar sua defesa em um caso de fraude que o perseguia desde sua época como deputado no Rio de Janeiro.

A publicação revela que agentes do serviço de espionagem do Estado prepararam alguns documentos com instruções para os advogados do senador.

Flávio Bolsonaro é suspeito de comandar um esquema de corrupção e se beneficiou da devolução de parte dos salários de seu cargo, prática conhecida no Brasil como rachadinha, quando ainda era deputado estadual de 2003 a 2019.

Segundo o Ministério Público, o ex-policial Fabrício Queiroz, preso em junho, seria o operador do plano.

O caso veio à tona no final de 2018, depois que o órgão de controle de movimentação financeira (COAF) descobriu transferências de dinheiro milionárias atípicas na conta de Queiroz, ex-conselheiro de Flávio Bolsonaro.

Grupo Puebla denuncia campanha contra o programa Mais Médicos.

#MedicosCubanos #Brasil #EstadosUnidos #EEUUBloquea #CubaSalva #BloqueoContraCuba #AquiNoSeRindeNadie #ManipulacionMediatica #YoSigoAMiPresidente #VamosPorMas #FakeNewsCuba #TenemosMemoria #NoMasBloqueo #EBloqueoEsReal

Retirado do Jornal Granma .

Autor: Redacción Internacional | internacionales@granma.cu

O Grupo Puebla denunciou nesta quarta-feira, por meio de documento, que a investigação do programa Mais Médicos, da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), promovido pelo governo Donald Trump e pelo governo de Jair Bolsonaro, tem uma motivação clara político-eleitoral.

Médicos cubanos continúan misión solidaria en Islas Turcas y Caicos |  Ministerio de Relaciones Exteriores de Cuba

O texto amplia que esta investigação visa atacar os governos do Partido dos Trabalhadores no Brasil e o Governo de Cuba, para beneficiar o candidato do Partido Republicano dos Estados Unidos e interferir nas eleições municipais brasileiras; ao mesmo tempo, prejudica todos os países da região ao bloquear a ação da OPAS.

A carta lembra que o programa Mais Médicos prestou atendimento básico a cerca de 63 milhões de brasileiros, excluídos dos serviços essenciais de saúde pública.

Da mesma forma, ressalta que a exclusão dos médicos cubanos deste essencial programa de saúde no gigante sul-americano deixou cerca de 30 milhões de brasileiros sem assistência médica, fragilizando a população e aquele Sistema Público de Saúde no cenário da pandemia de COVID. 19

Quanto à legalidade do programa, o Grupo esclarece que o Mais Médicos foi aprovado pelo Congresso Nacional do Brasil na sua criação em 2013 e na sua extensão em 2016; Foi amplamente analisado por um órgão de controle e fiscalização e considerado constitucional pelo Supremo Tribunal Federal em 2017; Obedeceu a todas as normas legais da Organização Mundial de Saúde e do Sistema das Nações Unidas. Além disso, a oferta de tais serviços médicos internacionais prestados por Cuba está em conformidade com o Acordo Geral sobre Comércio de Serviços da Organização Mundial do Comércio.

O documento, assinado pelos ex-presidentes Dilma Rousseff, Luiz Inácio Lula da Silva, Fernando Lugo e Rafael Correa, entre outras personalidades, destaca como a cooperação de Cuba com os países da região tem contribuído para a melhoria dos sistemas públicos de saúde do país. região e o cumprimento das metas de saúde das Américas, as Metas do Milênio e as Metas de Desenvolvimento Sustentável.

Da mesma forma, esta aliança formada por lideranças progressistas confirmou seu apoio à campanha internacional para que as missões médicas cubanas recebam o Prêmio Nobel da Paz, destacando que salvaram e salvam milhares de vidas a cada ano, especialmente nos países. mais pobres e privados de serviços públicos de saúde.

O Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, agradeceu, por meio de sua conta no Twitter, a defesa do Grupo Puebla.

%d bloggers like this: