O Pentágono está a considerar aumentar a produção de mísseis Stinger e Javelin, após a entrega de centenas de peças na Ucrânia.

#Ucrania #InjerenciDeEEUU #Rusia #GuerrasDeEEUU

Por Rusia Today

A produção americana de sistemas antiaéreos Stinger e sistemas Javelin anti-tanque pode ser aumentada para reabastecer o seu stock após o envio de armas para a Ucrânia, admitiu na sexta-feira Doug Bush, Subsecretário do Exército dos EUA para a Aquisição, Logística e Tecnologia.

“Penso que estas são na realidade duas oportunidades para o Exército avançar rapidamente, a forma como o Congresso quer que reabasteçamos esses stocks. [Penso que podemos fazer isso”, disse ele num evento organizado pelo site militar DefenseNews.

Comentando sobre o pacote de financiamento do Pentágono de $1,5 triliões aprovado pelo Congresso em meados de Março, Bush disse que a defesa “está muito agradecida”. “Estamos muito perto de estar prontos para comunicar ao Congresso os nossos primeiros passos nessa direcção”, disse ele.

Ao mesmo tempo, Bush observou que a acumulação de produção coloca uma série de desafios ligados à aquisição a longo prazo, ao desenvolvimento de equipamento auxiliar e às preocupações da cadeia de abastecimento.

Os mísseis Stinger e Javelin constituem uma parte considerável da assistência militar dos EUA à Ucrânia. Na sexta-feira passada, Washington anunciou que fornecerá a Kiev 800 sistemas Stinger e 2.000 sistemas Javelin. Anteriormente, a 3 de Março, os EUA entregaram 200 mísseis Stinger à Ucrânia.

Embaixada de Cuba .

#Cuba #Angola

A Embaixada de Cuba felicita o povo e o Governo da República de Angola por ocasião do 46º aniversário da Independência Nacional.

Cuba orgulha-se de ter contribuído para a realização da autodeterminação desta nação africana irmã.

Imagem

Se é cubano, não o perca, Irael Rojas (Buena Fe) Uma resposta digna de um cubano digno.

#ACubaPonleCorazon #ManipulacionPolitica #RedesSociales #MafiaCubanoAmericana #ManipulacionMediatica #CubaNoEsMiami

As estratégias de manipulação da CIA, QAnon e os “conspiranóides”

#LasGuerrasDeEEUU #InjerenciaDeEEUU #Covid-19 #AmericaLatina #SaludMundial #Sanciones #DonaldTrumpCulpable #ElBloqueoEsReal

Autor: Raúl Antonio Capote | internacionales@granma.cu

Os serviços especiais americanos, após a Segunda Guerra Mundial, com o objetivo de garantir a hegemonia global do império, aperfeiçoaram um conjunto de “ferramentas” eficazes de manipulação das massas.

Eles usaram a indústria de relações públicas, a engenharia de consenso, as teorias da propaganda moderna e a guerra cultural para tentar construir o ser humano ideal do capitalismo, amarrado a desejos pré-fabricados, um escravo do consumo, solitário e sempre temeroso.

Durante vários anos, várias teorias da conspiração se tornaram moda, a ideia de que poderes enganam os cidadãos se enraizou em muitas pessoas, e isso cria uma margem de credibilidade para essas teses, algumas inofensivas, até divertidas, mas outras alarmantes.

Algumas dessas hipóteses são criadas por oportunistas que aproveitam a tecnologia e a Internet para ganhar seguidores e se enriquecer com programas que efetivamente administrem o medo das pessoas; mas outros, a maioria deles, são criados nos laboratórios dos serviços especiais, com o objetivo de manipular e, sobretudo, desmobilizar, desviando a atenção de problemas reais para ameaças inexistentes.

QAnon, corriente ideológica con impacto en varios sectores de la sociedad estadounidense. Foto: Getty Images

Obcecado com invasões alienígenas, o domínio dos reptilianos, as mentiras da NASA, ou conspirações onde os comunistas estão sempre “por acaso” envolvidos, as pessoas ficam confusas diante do verdadeiro inimigo.

Agora, quando essas teorias prontas são usadas como um instrumento dos piores interesses do capitalismo, elas se tornam uma grave ameaça para toda a humanidade.

Vamos nos referir a QAnon, que deixou de ser mais uma entre tantas teorias da conspiração, para se tornar uma corrente ideológica com impacto em vários setores da sociedade americana.

Membros proeminentes do movimento nacional foram vistos dentro do prédio do Capitólio, carregando a bandeira do q, símbolo do QAnon no dia do ataque à sede do Congresso.

Os defensores acreditam que o ex-presidente Donald Trump está travando uma guerra secreta contra pedófilos do governo dos EUA, empresas e elites da mídia. uu que adoram Satanás.

Após a derrota eleitoral do magnata, os adeptos do QAnon, preparam-se, segundo dizem nas redes sociais, para enfrentar o Governo de Joe Biden quando este tenta dominar o país e instaurar o socialismo, um absurdo incrível que desperta antigos terrores atávicos entre os cidadãos daquela nação.

Estima-se que milhões de pessoas acreditam nas teorias de QAnon e, embora seja um fenômeno dos Estados Unidos, as ideias de grupo também têm influência na América Latina.

Há simpatizantes na Colômbia, Costa Rica, México, Guatemala, Panamá, Brasil e Uruguai, onde não só falam sobre política, mas atacam vacinas, negam as mudanças climáticas e a gravidade da pandemia COVID-19.

Enquanto isso, as pessoas não percebem a cara do verdadeiro culpado, e o dinheiro flui dos cofres para alimentar outros medos e distrair a opinião pública, semeando estereótipos e imagens distorcidas que servem como novas correntes para prendê-los, cada vez mais fortes, ao carrossel suicida de o sistema.

Presidente de Cuba evoca a validade do feito de 24 de fevereiro de 1895 .

#PatriaOMuerte #Cuba #HistoriaDeCuba #JoseMarti

Guerras, chantagens econômicas e falsas promessas de paz.

#EstadosUnidos #DonaldTrumpCulpable #ForaTrump #NoMoreTrump #Netanyahu #Israel #Iran

Apesar dos polêmicos acordos de normalização de Israel com quatro países árabes, 2020 termina como começou, sob o signo de graves atos criminosos contra o Irã que alarmam o mundo.

As tendências perigosas que prevaleceram no turbulento espaço geopolítico do Levante ao longo do ano respondem à política empreendida pelos Estados Unidos e Israel, sob a estreita colaboração dos radicais de direita Donald Trump e Benjamin Netanyahu.

Além da utilização do homicídio como instrumento de provocação, existem políticas de “máxima pressão económica”, chantagem política, com recurso a bloqueios, isolamento, sanções comerciais e financeiras à vontade. E a eles se soma a deslegitimação de qualquer outra forma de organização social dos Estados; uso de mentiras e falsidades para desacreditar governos independentes.

El objetivo de la visita de Benjamin Netanyahu a Donald Trump en la Casa  Blanca

O ano começou perturbado pelo assassinato brutal do general Qasem Soleimani, considerado no Ocidente a figura militar mais poderosa do Irã.

O chefe da Força Quds dos Guardiões da Revolução foi cortado em pedaços em um “ataque de precisão” – conforme definido pelo Pentágono – por um foguete disparado por um drone guiado remotamente de uma base militar dos EUA no Golfo Pérsico, enquanto partia em um Carro do aeroporto de Bagdá, na companhia de seu anfitrião, Abu Mahdi al Muhandis, vice-chefe das Forças de Mobilização Popular do Iraque, milícias dentro do exército, que se opõem à presença de tropas de Washington em seu país, apoiadas pela República islâmico

A execução do general Soleiman ocorreu em 3 de janeiro. Para mais ofensiva, numa sexta-feira, dia de lazer e orações da comunidade muçulmana, por ordem expressa de Trump, numa espécie de baptismo de sangue e fogo, que vai arejar publicamente a sua falta de escrúpulos para promover a sua anunciada política de rendição por qualquer mídia ao Governo da República Islâmica.

“Nós o impedimos rápida e friamente … sob minhas ordens”, disse então o presidente dos Estados Unidos.

Muito antes, durante a campanha presidencial de 2016, Trump endossou o pretexto usado por Netanyahu, que acusa o Irã de ser o “maior patrocinador mundial do terrorismo”, o que justificaria qualquer ato criminoso e provocativo capaz de desencadear uma conflagração de longo alcance. mundo.

Porque é sabido que uma guerra no Oriente Médio ou no Golfo afetaria imediatamente o comércio mundial de combustíveis e alimentos; Pode causar distorções nas vias de comunicação, preços e oferta, bem como movimentos bruscos nas bolsas de valores e, sobretudo, graves repercussões para nações vulneráveis.

Paz entre Israel, EAU y Bahréin: qué cambios ha logrado Donald Trump en  Oriente Próximo - BBC News Mundo

A relatora das Nações Unidas para execuções extrajudiciais, Agnes Callamard, determinou que “os assassinatos seletivos de Qasem Soleiman e Abu Mahdi al Muhandis são ilegais e violam o direito internacional humanitário”.

Quase um ano depois, em 27 de novembro – outra sexta-feira de orações – algumas semanas antes da derrocada eleitoral que encerrou as aspirações de Trump por um segundo mandato, o que poderia frustrar o desejo expresso compartilhado com Netanyahu de destruir ou destituir do poder à República Islâmica, um ataque terrorista estudado e bem armado acabou com a vida de Mohsen Fakhrizadeh, chefe da Organização de Pesquisa e Inovação do Ministério da Defesa iraniano.

Fakhrizadeh, considerado o mais importante cientista nuclear do Irã, foi atacado em seu carro com explosivos e tiros, usando um dispositivo usado exclusivamente pelo bloco militar da Organização do Atlântico Norte (OTAN), segundo relatórios de fontes estatais iranianas.

O presidente iraniano, Hassan Rouhani, acusou Israel do assassinato e disse que sua morte não interromperia o programa nuclear do país; embora ele também tenha advertido que o Irã retaliaria pelo assassinato de Mohsen Fakhrizadeh quando julgasse apropriado.

Israel se absteve de comentar o ataque, mas já em 2018 Netanyahu acusou publicamente – pelo nome e sobrenome – o cientista de ser o chefe do Projeto Amad, um suposto programa secreto de armas nucleares, suposição compartilhada pelas agências de inteligência de Israel. O Ocidente, que o chamou – sem qualquer evidência – de “o pai da bomba iraniana”.

Os analistas foram rápidos em apontar dois motivos possíveis: primeiro, colocar em risco uma possível melhora nas relações entre o Irã e os Estados Unidos com o novo governo de Joe Biden.

Em segundo lugar, provoque o Irã, instigue-o a cometer um ato de vingança. Você não precisa ser muito especialista. As semelhanças com o assassinato do General Soleimani são evidentes e os motivos e possíveis protagonistas não poderiam ser mais semelhantes.

Trump decepcionado con Netanyahu por su falta de apoyo en las elecciones –  Sitio de Al Manar en Español

A morte de Fakhrizadeh se juntou a outros quatro cientistas nucleares iranianos que foram mortos entre 2010 e 2012, ações denunciadas por Teerã como um complô planejado por Israel.

O jornal New York Times citou três autoridades americanas, incluindo duas autoridades de inteligência, que alegaram que Israel estava por trás do ataque.

Durante a corrida eleitoral de 2016, Trump endossou a rejeição total do acordo nuclear com o Irã negociado pelo governo do presidente Barack Obama, que continuou a levantar políticos republicanos conservadores no Congresso.

Os Estados Unidos e os outros membros do Conselho de Segurança da ONU (Rússia, China, França e Grã-Bretanha), além da Alemanha, concordaram em suspender o severo regime de sanções econômicas imposto ao Irã, em troca do compromisso devidamente monitorado do Irã com eliminar qualquer vestígio de pesquisa ou desenvolvimento nuclear para fins militares.

Trump colocou em risco a credibilidade dos Estados Unidos e as relações com seus aliados europeus em troca de um entendimento carnal com o Estado judeu-sionista e os grupos de poder associados à indústria militar norte-americana, beneficiários óbvios da arriscada virada política diplomática do magnata de Nova York , que pretendia orientar a política externa como centro de negócios.

Em sua primeira viagem ao exterior após assumir a presidência, em maio de 2017, Trump foi à Arábia Saudita, onde proclamou sua prioridade em forjar um eixo anti-iraniano, que reunisse aquela e outras monarquias do Golfo, os Estados Unidos e … Israel.

Então veio o reconhecimento de Jerusalém como a capital de Israel, onde o parlamento consagrou o caráter judaico do estado em uma legislação de valor constitucional. Trump abandonou a condenação dos assentamentos judeus em terras palestinas e os considerou legais, assim como a anexação do planalto ocupado do Golã na Síria.

Por outro lado, seu genro e principal conselheiro, o investidor imobiliário judeu Yared Kushner, apresentou o chamado “Tratado do Século” elaborado por Trump para – segundo ele – resolver de uma vez por todas o chamado “problema palestino”.

Em uma decisão de pegar ou largar, Trump deu à Autoridade Nacional Palestina (ANP) a opção de aceitar a perda de outros 30 por cento de seu território no Vale do Jordão, esquecendo o pedido de refugiado ao retornar, e ter uma entidade “estatal” fracionária, cercada por Israel, sem fronteira própria, em troca da oferta de um investimento multimilionário, principalmente de capital árabe. Em suma, a conclusão da expropriação começou em 1948.

Confrontado com a rejeição imediata da ANP e de todas as forças políticas e populares palestinas, Trump decidiu empurrar todos os possíveis parceiros árabes no caminho da “normalização” das relações com Israel.

A rota foi aberta pelos Emirados Árabes Unidos, país que desconfia do Irã, que poderá adquirir dezenas de bilhões de dólares em armas americanas, incluindo os sofisticados caças F-35 que só Israel possui. Bahrain, um aliado próximo dos Emirados e da Arábia Saudita, veio em seguida. O Sudão, que em troca foi retirado da lista dos “países promotores do terrorismo”, e por último o Marrocos, que recebe um impulso com a ocupação do Sahara Ocidental.

Nenhum dos dois está em guerra com Israel. Eles não são tratados de paz. Eles apenas abandonam a regra acordada pela Liga Árabe de não entrar em relações com Israel até que um estado palestino independente seja proclamado em Gaza e na Cisjordânia.

Em uma semana exata do ano novo, quando escrevo estas linhas, Trump continua a se recusar a aceitar sua derrota eleitoral e acumula todos os gatilhos de uma eclosão de guerra que poderiam paralisar seu alívio.

Sem vontade de cantar uma “Noite de silêncio” esperançosa neste Oriente Médio volátil, muito pelo contrário, com o lançamento de um eixo tenebroso de guerra contra o Irã, o ano termina sujeito a um tempo de espera em que nada pode acontecer.

Os defensores dos direitos humanos dos EUA aumentam as mortes de inocentes no Afeganistão em 330%.

#Afeganistão #DerechosHumanos #EstadosUnidos #DonaldTrumpCulpable #ForaTrump #NoMoreWars

O número de mortos de civis nos bombardeios dos EUA no Afeganistão aumentou 330%

Xi Jinping ordena que o Exército aumente sua prontidão de combate e visualize os piores cenários.

Aumentar a prontidão de combate e visualizar os piores cenários é o pedido feito pelo presidente chinês Xi Jinping às forças armadas, pedindo-lhes que defendam resolutamente a soberania do país, relata a agência de notícias estatal Xinhua.

Xi Jinping ordena al Ejército incrementar su preparación para el combate y visualizar los peores escenarios

O presidente fez essas exigências durante uma reunião plenária do Parlamento com delegações do Exército de Libertação Popular e da Força Policial Armada do Povo, que está sendo realizada em Pequim.

Da mesma forma, Xi afirmou que o Exército deveria buscar novas formas de treinamento e lidar com mais rapidez e eficácia com todos os tipos de situações complexas para resolver os interesses da soberania nacional, segurança e desenvolvimento, embora sem mencionar qualquer problema específico que possa representar uma ameaça para o país.

Mais lento aumento dos gastos militares em três décadas
Na semana passada, Pequim divulgou detalhes de seu orçamento nacional, segundo o qual os gastos militares aumentaram 6,6% em relação a 2019, para exceder 1,2 trilhão de yuans (US $ 178 bilhões) na íntegra recessão provocada pela pandemia de coronavírus, informou a Reuters.

No entanto, em comparação com o passado, o número marca o aumento mais lento dos gastos militares do país em três décadas.

A notícia chega quando o gigante asiático enfrenta crescentes dúvidas de outros países, principalmente os EUA, sobre o manejo da pandemia de coronavírus, originada em Wuhan, na China continental.

%d bloggers like this: