O #México celebra 211 anos do Grito de Independencia .

#CubaEnMexici #DiazCanelEnMexico #SolidaridadConCuba #ONU #IndependenciaDeMexico #AMLO #Solidaridad #ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #CubaSalva #VacunasCubanas #OMS

Como somos nós cubanos?

#Cuba #RevolucionCubana #Juventud

Por: Luis A. Montero Cabrera

A pergunta que encabeça este artigo pode ser respondida de muitas maneiras, talvez até 11 milhões, todas elas diferentes. Nós cubanos estamos em Cuba e também em todo o mundo, e onde quer que estejamos carregamos sempre a marca do lugar onde nascemos e onde estamos, e com um orgulho extraordinário para a grande maioria. Há também cubanos que não nasceram em Cuba, mas herdaram a nossa consciência pessoal e social dos seus pais ou de terem vivido nesta ilha em momentos decisivos da sua vida. Essa é também a forma de ser cubano.

A melhor maneira de um sistema de governo ser justo, útil e conseguir a participação de todos, ou pelo menos da maioria, é se souber quais são as preferências, desejos, problemas, padrões de bem-estar e traços idiossincráticos da maioria. Durante grande parte da história humana este princípio tem sido desconhecido, pelo que as autocracias, mesmo disfarçadas de democracias, têm predominado, sustentando o poder de uma pessoa ou de um grupo poderoso na sociedade sobre o resto, com base na força e no engano em massa.

Na Eurásia ocidental, com um papel de liderança na bacia do norte do Mediterrâneo, ideias e formas de governação foram refinadas que reflectem a tendência natural da nossa espécie para sobreviver. Já na Grécia das luzes e dos escravos, a democracia foi baptizada, mesmo que fosse apenas para uma parte influente e proprietária de propriedade do povo. E nos séculos XVIII e XIX, as ideias foram aperfeiçoadas e os sistemas baseados na proclamação da igualdade de todos os seres humanos foram concebidos e implementados, mesmo que no final alguns parecessem “mais iguais que outros”, dependendo das suas condições como proprietários ou não dos meios de produção de valor.

Nestas condições e até hoje, as preferências que têm predominado na sustentação dos sistemas de governo têm sido precisamente as das pessoas mais influentes e poderosas. Os gostos e estilos que os moldam foram transmitidos através dos meios de comunicação monopolizados por grupos de poder. Quando nós, humanos, nos informamos, seguimos os critérios que mais provavelmente chegarão até nós e que mais provavelmente serão acreditados, mesmo que sejam mentiras.

Mas a democratização da informação que inevitavelmente provocou o aparecimento da Internet, o que provocou o comentário de Fidel de que “foi feita para nós”, tornou vital para qualquer sistema de governo saber como são as pessoas, o que preferem, o que as faz sentir-se bem e o que as faz sentir-se rejeitadas. Além disso, a natureza massiva e interactiva deste sistema de comunicação torna a capacidade de transmitir ideias muito mais complexa, porque as ideias mais positivas para os seres humanos são ouvidas e seguidas, bem como as mais negativas. Um critério que demonstra a igualdade absoluta de todos os seres humanos pode ser expresso e abraçado, ou outro que exprima a superioridade de algum grupo étnico, ideológico, político ou religioso sobre outros e se torne popular. É o profissionalismo dos comunicadores que desempenha um papel importante na assimilação do que quer que seja a ser transmitido, por muito atractivo que possa ser.

No passado, podíamos ser convencidos por uma certa teoria ou doutrina e subscrevê-la sem um segundo pensamento, incluindo os aspectos que não compreendemos bem. Este tem sido o caso de muitas religiões e mesmo das chamadas correntes marxistas-leninistas do século XX, em muitos casos tirando partido do facto de nem Marx nem Lenine estarem por perto para confirmar ou rejeitar muitas das suas elaborações. O “planeamento socialista” é um bom exemplo de algo inventado “a posteriori” para o melhor e para o pior e que nunca foi concebido pelos fundadores.

As formas que a ciência aperfeiçoou para chegar às melhores verdades sobre a natureza e a sociedade assumem agora um papel decisivo. Um sistema de governo verdadeiramente popular, dos humildes e para os humildes e no século XXI, deve ser baseado numa interacção muito intensa e eficiente com todos. Isto é tanto para transmitir o melhor do pensamento justo, democrático e libertário, conseguindo a sua assimilação, evitando falsas liturgias, como para influenciar, conhecer e reagir ao que as pessoas preferem, os seus problemas, os seus anseios, as suas ambições, os seus gostos. A ciência diz-nos que este processo não pode ser feito com limites dogmáticos pré-concebidos. A verdade científica é independente dos desejos e preferências do experimentador. Se um conceito de governação social parece justo, tem sido útil e tem funcionado para o bem-estar de todos durante algum tempo, alguns aspectos do mesmo podem tornar-se obsoletos alguns anos mais tarde e ter de ser modificados para que o essencial permaneça. O que nunca pode acontecer é que deixe de responder às expectativas de um povo cujas aspirações estão a evoluir e que tem uma capacidade crescente de ser influenciado por ideias de qualquer tipo, se estas se adequarem aos seus gostos individuais.

Se qualquer programa ou projecto de investigação científica social é hoje em dia de prioridade absoluta, deveria ser para descobrir como são os cubanos, o que gostamos e não gostamos, o que precisamos e o que não gostamos, que mensagens mediáticas são mais penetrantes e quais não são, como estas preferências se manifestam dependendo se vivemos em Havana, Guantánamo, Madrid, Miami ou Rio de Janeiro. E os resultados destas investigações devem ser tornados públicos, mesmo que possam não ser o que queremos que sejam. Um problema desconhecido, escondido ou conscientemente ignorado nunca poderá ser resolvido. As forças que procuram o bem-estar de uns em detrimento de outros conhecem muito bem estes procedimentos porque são treinadas na comunicação do mercado, onde os produtos que melhor influenciam e satisfazem as expectativas, muitas vezes criadas artificialmente, dos consumidores são bem sucedidos e vendidos.

A Revolução Cubana está num momento em que o nosso maior inimigo pode ser na realidade uma falta de compreensão destas realidades e, portanto, não agir em conformidade. Os funcionários do aparelho estatal e muitas das suas estruturas tenderão sempre a funcionar como sempre funcionaram. A sua tendência natural será a de seguir os cânones que noutros tempos lhes permitiram sustentar-se. As coisas são agora diferentes. Aqueles que não compreendem a necessidade de inovar com base no conhecimento, indo para as verdadeiras raízes libertárias e democráticas do socialismo, mudando verdadeiramente tudo o que deve ser mudado para alcançar uma sociedade sem exploração do homem pelo homem, justa, com oportunidades e direitos para todos igualmente, sem distinção, livre, estarão a conspirar contra esses princípios. A 17 de Novembro de 2005, um visionário que desempenhou um papel de liderança nesta Revolução advertiu-nos no seu testamento político que o fracasso só pode ser engendrado pelos nossos próprios erros.

Tirada de CubaDebate

RECONHEÇA……. QUE HOJE VENHO FAZER RAP …

#CubaNoEstaSola #AmericaLatina #EternoComandante #PorSiempreFidel #Musica #ManipulacuionMediatica

#FidelPorSiempre

#FidelEntreNosotros #YoSoyFidel #EternoComandante

Ridiculos Anexionistas (Quando se pensa ter visto tudo)

#RedesSociales #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #CubaNoEsMiami #CubaSoberana #TerrorismoNuncaMas #ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea

É sempre um prazer ouvir as suas histórias Comandante .

#ComandanteEnJefe #FidelCastro #YoSoyFidel #FidelEntreNosotros

#MijainLopez Fala comSuo presidente #MiguelDiazCanel .

#Deportes MijainLopez #DiazCanel #ACubaPonleCorazon #FidelCastro #MiMoncadaEsHoy #PatriaOMuerte

O que está a acontecer em #Cuba .

#CubaNoEstasola #EliminaElBloqueo #SolidaridadConCuba #PuentesDeAmor #ElBloqueoMata

A velha história da #FakeNews contra #Cuba.

#CUBA #EstadosUnidos #RevolucionCubana #FidelCastro #Washington #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #RedesSociales #FakeNewsVsCuba #ManipulacionMediatica #SubversionContraCuba

Por Arthur González

As Falsas Notícias contra Cuba não começaram com a era da Internet, estão activas há 62 anos.

Em 1959, quando a Revolução Cubana liderada por Fidel Castro triunfou, o governo dos EUA iniciou a sua guerra mediática, com o objectivo de desinformar a opinião pública sobre o que estava a acontecer na ilha e demonizar aqueles que tinham derrubado o ditador Fulgencio Batista, apoiado política e militarmente por Washington.

Confrontado com a avalanche de mentiras, o próprio Castro convocou a imprensa nacional e estrangeira acreditada para desmascarar aqueles que tentaram acusar a Revolução, interessados em criar uma imagem distorcida e semear a rejeição da mesma, especialmente na América Latina.

O primeiro Programa de Acção de Cobertura da CIA, aprovado a 17 de Março de 1960 pelo Presidente Dwight Eisenhower, declara:

“Para que a oposição possa ser ouvida e a base de apoio popular a Castro enfraquecida, é necessário desenvolver os meios de informação ao povo cubano, a fim de iniciar uma poderosa ofensiva de propaganda em nome da oposição declarada”.

“Como principal voz da oposição, propõe-se a criação de uma estação de rádio “cinzenta”, controlada pelos Estados Unidos. Estaria provavelmente localizado na Ilha do Cisne e empregaria equipamento de potência substancial, tanto de banda de alta frequência como de rádio de radiodifusão. A preparação dos guiões (librettos) será feita nos Estados Unidos e transmitida electronicamente para o site da emissão”.

O orçamento aprovado para esta propaganda anti-cubana foi de 700.000 usd para operações e programação de rádio, e 500.000 usd para pagar os artigos na imprensa e outras publicações.

A CIA designou os oficiais David Alteé Phillips, como chefe de propaganda, pela sua experiência no golpe de Estado na Guatemala e Howard Hunt, para dirigir as acções políticas, o seu parceiro nesse evento, que viajou para Havana em Maio de 1960 para avaliar a atitude dos cubanos em relação à Revolução e observar os arredores das estações de rádio e televisão, propondo a sua destruição aquando do seu regresso.

A 17 de Maio desse ano, a Rádio Swan, localizada na ilha das Honduras, foi para o ar e, a 24 de Maio, o Director da CIA Allen Dulles informou o Conselho Nacional de Segurança das acções planeadas, incluindo a abertura de várias estações de rádio no Sul da Florida, que também transmitiriam notícias para Cuba, e a subvenção de jornais cubanos no exílio, que seriam vendidos na América Latina com informações anti-Castro.

A Rádio Cuba Independiente, La voz de Cuba libre e Massachusetts-Base Wrul, começaram as transmissões com mensagens contra-revolucionárias, carregadas de mentiras e deturpações, incluindo as que desencadearam, a 26 de Outubro de 1960, a infame Operação Peter Pan, através da Rádio Swan, que dizia:

“Mãe cubana, a próxima lei governamental será tirar-vos os vossos filhos a partir dos 5 anos de idade e devolvê-los aos 18, transformados em monstros do materialismo. Vá à igreja e siga as directrizes do clero”.

Em 28 de Janeiro de 1961, o Presidente John F. Kennedy autorizou a CIA a continuar as suas acções terroristas contra Cuba e a aumentar a propaganda, segundo um relatório do assistente especial McGeorge Bundy.

Nesse sentido, em 12 de Fevereiro, a chamada Voz da América anunciou uma série de programas contra a Revolução Cubana e o primeiro chamava-se A Anatomia de uma Promessa Quebrada, cujo objectivo era fazer os cubanos acreditar que Fidel Castro não estava a cumprir as suas promessas e estava a enganar o povo, desencadeando uma série de falsas notícias.

No mês seguinte, David Alteé Phillips apresentou um novo plano de propaganda para apoiar a invasão militar em preparação contra Cuba, com a ajuda de Howard Hunt, transferido de Miami para Washington. Entre as medidas levadas a cabo, contam-se: Divulgação da formação do Conselho Revolucionário Cubano, responsável por governar uma Cuba livre sem Castro.

As notícias falsas e distorcidas aumentaram no início de Abril, como prelúdio da invasão. A mais notável foi a expressa por Adlai Stevenson, embaixador dos EUA na ONU, sobre o bombardeamento dos aeroportos cubanos no dia 15 desse mês, assegurando que o evento foi levado a cabo por pilotos desertores cubanos da Força Aérea Revolucionária.

A mentira foi desmascarada pelo embaixador cubano Raul Roa, e Stevenson foi desacreditado perante a Assembleia Geral da ONU, uma vez que a CIA não o alertou para a operação.

A Fake News aumentou de tom antes e durante a invasão da Baía dos Porcos, preparada antecipadamente pela CIA para desinformar o povo cubano, incitar à rebelião em apoio aos mercenários e criar confusão entre os cidadãos.

Entre as mensagens falsas transmitidas pela Rádio Swan estavam:

“Alerta, alerta, vigia atentamente o arco-íris. O peixe vai levantar-se muito em breve, o rapaz está em casa. O peixe está vermelho e não vai demorar muito tempo a levantar-se”.

A 17 de Abril, começou o desembarque mercenário em Playa Giron e Playa Larga. Em nome do suposto Conselho Revolucionário, são transmitidas informações falsas, tais como estas:

“Antes do amanhecer, os patriotas cubanos nas cidades e nas montanhas, começaram a luta para libertar a nossa pátria do governo despótico de Fidel Castro e a libertação da opressão cruel do comunismo internacional”.

“A luta é inspirada pela gloriosa tradição de José Martí. O povo cubano levanta-se contra o tirano opressivo”.

“Os patriotas lutam para completar a tarefa de resgatar a Revolução, cinicamente traídos”.

“Os invasores fazem avanços constantes em todas as frentes em toda a Cuba. “O povo une as forças que lutam contra Fidel Castro”. “Raúl Castro é reportado como tendo cometido suicídio”.

“O tremendo exército de soldados patrióticos aguarda agora para dar o golpe vital para a liberdade da amada pátria”.

“A informação recebida indica que muitos milicianos abandonaram o exército de Castro”.

“Povo de Havana, ajuda os corajosos soldados do exército de libertação e realiza sabotagem contra as centrais eléctricas, acende todas as luzes da tua casa e o equipamento eléctrico, para que a procura cresça e as plantas deixem de poder gerar mais”.

Perante a derrota em apenas 62 horas, a rádio Swan transmite:

“Lamentamos ter de admitir perdas trágicas no stock. A maioria do nosso grupo chegará às Montanhas Escambray para continuar a luta”.

O mundo verificou a mentira ianque e o slogan “Pátria ou Morte” ressoou como um símbolo da soberania dos cubanos.

Nada mudou, eles não aprendem com os seus fracassos e continuam com as suas Falsas Notícias.

Foi por isso que José Martí disse:

“As trincheiras de ideias valem mais do que as trincheiras de pedras”.

Traduzido com a versão gratuita do tradutor – http://www.DeepL.com/Translator

A cultura política e a cultura da política .

#Cuba #ManipulacionPolitica #ArtistasDelImperio #Cultura #RedesSociales #MafiaCubanoAmericana #HistoriaDeCuba #RevolucionCubana

Autor: Gustavo Robreño Dolz | internet@granma.cu

Entre as mais importantes contribuições teóricas que fazem parte das ideias substanciais que, verificadas na prática, têm acompanhado a Revolução Cubana desde o seu início, está o que Armando Hart catalogou como “a cultura de fazer política”, colocando José Martí e Fidel Castro como os seus expoentes mais destacados e relevantes, e apontando ambos como representantes “daquele fruto mais puro e mais útil da história das ideias cubanas”.

Não se trata de cultura política, que é – naturalmente – a fonte essencial da qual a imensa sabedoria de ambos foi alimentada, mas das formas práticas da sua materialização e das formas de ultrapassar com sucesso os obstáculos que surgem antes de qualquer projecto de mudança transcendente.

Sigamos a definição de política de Marti como “a arte de inventar um recurso para cada novo recurso dos adversários, de transformar os reveses em fortuna, de se adaptar ao momento presente, sem a adaptação que custa sacrifício, ou a diminuição do ideal que se persegue; de desistir para ganhar impulso, de cair sobre o inimigo antes de ter os seus exércitos alinhados e a sua batalha preparada”.

É, portanto, uma categoria de prática que deve combinar sabiamente o radicalismo com a harmonia e ser governada por princípios éticos. É assim que se expressa na identidade nacional cubana, tendo no seu cerne a cultura política e educativa presente na nossa tradição intelectual.

Obra Arcángeles del Alba, de Nelson Domínguez.

As ideias pedagógicas e filosóficas cubanas, desde Caballero, Varela e Luz até aos nossos dias, têm dois séculos de história e têm estado ligadas às constantes aspirações e necessidades do povo. A ciência e a cultura nunca foram colocadas em contradição com as crenças divinas.

Existe, portanto, uma vasta cultura a partilhar e divulgar que, abraçada pelas novas gerações de cubanos, pode continuar a exercer uma influência política, filosófica e cultural de repercussões profundas e de longo alcance no futuro.

Como Hart reiterou em mais de uma ocasião, é necessário saber diferenciar, e ao mesmo tempo relacionar a ideologia – entendida como a produção de ideias – com a ciência, a ética e a política. Em outras partes do mundo, confundiram estas categorias ou não sabiam como relacioná-las.

O capitalismo, pragmático e perverso na sua forma de segmentar a realidade, não o pode fazer, e só um pensamento dialéctico e materialista o pode fazer: diferenciar e relacionar as realizações concretas do ser humano. Isto também requer inteligência, sensibilidade, conhecimento e cultura, integrando o esforço generalizado do povo para enfrentar este imenso desafio.

Para a Revolução Cubana, ao longo de mais de um século e meio de lutas ininterruptas, a ideia chave tem sido banir o desastroso slogan de “dividir para conquistar”, praticado pelos impérios, e exaltar o princípio democrático, popular e justo de “unir para conquistar”, juntamente com o cumprimento da sentença de Marti de que “o poder de associar é o segredo do ser humano”.

É, nos tempos actuais, um humanismo que relaciona cultura e desenvolvimento, e permite assumir com a ciência e a ética o mundo globalizado confuso – e também digitalizado – do presente e do futuro.

A CULTURA DE MARTI E A CULTURA FIDELISTA DE FAZER POLÍTICA

Com base na melhor tradição e nos ensinamentos de Marti, Fidel Castro desenvolveu, no século passado e até hoje, a ideia revolucionária de “unir para vencer”, superando, nas condições cubanas, o velho lema reaccionário de “dividir para conquistar”, que emergiu do coração da sociedade feudal ao longo da história da chamada civilização ocidental dominante.

Tal como o Partido Revolucionário Cubano de Martí pela organização e retomada da guerra da independência, desta vez foi o culminar de um longo e difícil caminho, onde se manifestou, de forma extraordinária, aquilo a que Hart chamou “cultura fidelista de fazer política”, ou seja, poder catalisador e harmonizador, sentido humanista, fugir e evitar exclusões; “nem tolerante nem implacável”, foi o curso invariável e a semente semeada, sendo colhida até ao presente.

Quando Fidel afirmou, nas suas memoráveis palavras na sala principal da Universidade Central da Venezuela, que “cada revolução é filha da cultura e das ideias”, colocou ambas as componentes como prioridade máxima no cenário político, colocou-se na vanguarda ideológica mundial e colocou a cultura – criação humana engenhosa – no centro da política e da luta de ideias. A vida mostra-nos isto constantemente.

No caso cubano, a melhor tradição de dois séculos de ideias integradas no património cultural da nação representa a nossa força e coesão, e apresenta-nos ao mundo com as nossas próprias características muito definidas como sociedade e como país.

Chegados aos nossos dias, “a cultura de fazer política” é reiterada como o fruto mais original e útil das ideias cubanas, alcançando na prática uma contribuição única para a história das ideias políticas universais, pensando como um país.

Estreitamente relacionado com o acima exposto, o Presidente Miguel Díaz-Canel afirmou perante a Assembleia Nacional: “As organizações políticas e de massas são chamadas a ser mais proactivas e inclusivas. Nunca negligenciar a importante componente social no seu trabalho político-ideológico e trabalhar com todos, não só com os convencidos, mas também com os apáticos, em cuja indiferença aqueles de nós que não foram capazes de os unir têm uma quota-parte de responsabilidade?

A contribuição de José Martí para as ideias políticas baseou-se em iluminar e clarificar, com a sua imensa cultura e a sua múltipla erudição, as formas práticas de fazer política.

Com base na tradição dos ensinamentos de Martí – na segunda metade do século XX -, Fidel forjou a unidade do povo cubano para fazer a Revolução, defendê-la, desenvolvê-la e ultrapassar todos os obstáculos que impediram o seu progresso.

Este legado, como um todo, constitui a cultura de fazer política, concebida como uma categoria de prática que, fundamentalmente, consiste em derrotar a divisão e a regra, e estabelecer a ideia revolucionária de unir para vencer, sobre bases éticas que incorporam a grande maioria da população.

Numa época repleta de perigos, mas também de enormes possibilidades de luta em prol do mundo melhor a que milhões de pessoas em todo o planeta aspiram, é necessário, como nunca antes, investigar, estudar e promover este princípio de Martí e Fidel Castro.

A cultura política – em si importante – pode ser insuficiente ou incompleta para atingir os objectivos mais elevados se “a cultura de fazer política” não a acompanhar. A vida e a história já mostraram exemplos suficientes nesse sentido, e continuam a fazê-lo.