Cuba, fidel castro

A velha história da #FakeNews contra #Cuba.

Por Arthur González

As Falsas Notícias contra Cuba não começaram com a era da Internet, estão activas há 62 anos.

Em 1959, quando a Revolução Cubana liderada por Fidel Castro triunfou, o governo dos EUA iniciou a sua guerra mediática, com o objectivo de desinformar a opinião pública sobre o que estava a acontecer na ilha e demonizar aqueles que tinham derrubado o ditador Fulgencio Batista, apoiado política e militarmente por Washington.

Confrontado com a avalanche de mentiras, o próprio Castro convocou a imprensa nacional e estrangeira acreditada para desmascarar aqueles que tentaram acusar a Revolução, interessados em criar uma imagem distorcida e semear a rejeição da mesma, especialmente na América Latina.

O primeiro Programa de Acção de Cobertura da CIA, aprovado a 17 de Março de 1960 pelo Presidente Dwight Eisenhower, declara:

“Para que a oposição possa ser ouvida e a base de apoio popular a Castro enfraquecida, é necessário desenvolver os meios de informação ao povo cubano, a fim de iniciar uma poderosa ofensiva de propaganda em nome da oposição declarada”.

“Como principal voz da oposição, propõe-se a criação de uma estação de rádio “cinzenta”, controlada pelos Estados Unidos. Estaria provavelmente localizado na Ilha do Cisne e empregaria equipamento de potência substancial, tanto de banda de alta frequência como de rádio de radiodifusão. A preparação dos guiões (librettos) será feita nos Estados Unidos e transmitida electronicamente para o site da emissão”.

O orçamento aprovado para esta propaganda anti-cubana foi de 700.000 usd para operações e programação de rádio, e 500.000 usd para pagar os artigos na imprensa e outras publicações.

A CIA designou os oficiais David Alteé Phillips, como chefe de propaganda, pela sua experiência no golpe de Estado na Guatemala e Howard Hunt, para dirigir as acções políticas, o seu parceiro nesse evento, que viajou para Havana em Maio de 1960 para avaliar a atitude dos cubanos em relação à Revolução e observar os arredores das estações de rádio e televisão, propondo a sua destruição aquando do seu regresso.

A 17 de Maio desse ano, a Rádio Swan, localizada na ilha das Honduras, foi para o ar e, a 24 de Maio, o Director da CIA Allen Dulles informou o Conselho Nacional de Segurança das acções planeadas, incluindo a abertura de várias estações de rádio no Sul da Florida, que também transmitiriam notícias para Cuba, e a subvenção de jornais cubanos no exílio, que seriam vendidos na América Latina com informações anti-Castro.

A Rádio Cuba Independiente, La voz de Cuba libre e Massachusetts-Base Wrul, começaram as transmissões com mensagens contra-revolucionárias, carregadas de mentiras e deturpações, incluindo as que desencadearam, a 26 de Outubro de 1960, a infame Operação Peter Pan, através da Rádio Swan, que dizia:

“Mãe cubana, a próxima lei governamental será tirar-vos os vossos filhos a partir dos 5 anos de idade e devolvê-los aos 18, transformados em monstros do materialismo. Vá à igreja e siga as directrizes do clero”.

Em 28 de Janeiro de 1961, o Presidente John F. Kennedy autorizou a CIA a continuar as suas acções terroristas contra Cuba e a aumentar a propaganda, segundo um relatório do assistente especial McGeorge Bundy.

Nesse sentido, em 12 de Fevereiro, a chamada Voz da América anunciou uma série de programas contra a Revolução Cubana e o primeiro chamava-se A Anatomia de uma Promessa Quebrada, cujo objectivo era fazer os cubanos acreditar que Fidel Castro não estava a cumprir as suas promessas e estava a enganar o povo, desencadeando uma série de falsas notícias.

No mês seguinte, David Alteé Phillips apresentou um novo plano de propaganda para apoiar a invasão militar em preparação contra Cuba, com a ajuda de Howard Hunt, transferido de Miami para Washington. Entre as medidas levadas a cabo, contam-se: Divulgação da formação do Conselho Revolucionário Cubano, responsável por governar uma Cuba livre sem Castro.

As notícias falsas e distorcidas aumentaram no início de Abril, como prelúdio da invasão. A mais notável foi a expressa por Adlai Stevenson, embaixador dos EUA na ONU, sobre o bombardeamento dos aeroportos cubanos no dia 15 desse mês, assegurando que o evento foi levado a cabo por pilotos desertores cubanos da Força Aérea Revolucionária.

A mentira foi desmascarada pelo embaixador cubano Raul Roa, e Stevenson foi desacreditado perante a Assembleia Geral da ONU, uma vez que a CIA não o alertou para a operação.

A Fake News aumentou de tom antes e durante a invasão da Baía dos Porcos, preparada antecipadamente pela CIA para desinformar o povo cubano, incitar à rebelião em apoio aos mercenários e criar confusão entre os cidadãos.

Entre as mensagens falsas transmitidas pela Rádio Swan estavam:

“Alerta, alerta, vigia atentamente o arco-íris. O peixe vai levantar-se muito em breve, o rapaz está em casa. O peixe está vermelho e não vai demorar muito tempo a levantar-se”.

A 17 de Abril, começou o desembarque mercenário em Playa Giron e Playa Larga. Em nome do suposto Conselho Revolucionário, são transmitidas informações falsas, tais como estas:

“Antes do amanhecer, os patriotas cubanos nas cidades e nas montanhas, começaram a luta para libertar a nossa pátria do governo despótico de Fidel Castro e a libertação da opressão cruel do comunismo internacional”.

“A luta é inspirada pela gloriosa tradição de José Martí. O povo cubano levanta-se contra o tirano opressivo”.

“Os patriotas lutam para completar a tarefa de resgatar a Revolução, cinicamente traídos”.

“Os invasores fazem avanços constantes em todas as frentes em toda a Cuba. “O povo une as forças que lutam contra Fidel Castro”. “Raúl Castro é reportado como tendo cometido suicídio”.

“O tremendo exército de soldados patrióticos aguarda agora para dar o golpe vital para a liberdade da amada pátria”.

“A informação recebida indica que muitos milicianos abandonaram o exército de Castro”.

“Povo de Havana, ajuda os corajosos soldados do exército de libertação e realiza sabotagem contra as centrais eléctricas, acende todas as luzes da tua casa e o equipamento eléctrico, para que a procura cresça e as plantas deixem de poder gerar mais”.

Perante a derrota em apenas 62 horas, a rádio Swan transmite:

“Lamentamos ter de admitir perdas trágicas no stock. A maioria do nosso grupo chegará às Montanhas Escambray para continuar a luta”.

O mundo verificou a mentira ianque e o slogan “Pátria ou Morte” ressoou como um símbolo da soberania dos cubanos.

Nada mudou, eles não aprendem com os seus fracassos e continuam com as suas Falsas Notícias.

Foi por isso que José Martí disse:

“As trincheiras de ideias valem mais do que as trincheiras de pedras”.

Traduzido com a versão gratuita do tradutor – http://www.DeepL.com/Translator

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Estados Unidos, #Fidel, #YoSoyFidel, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, fake news, Cuba, fidel castro, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, Manipulacion, Manipulacion Politica, mentiras construídas em Washington contra Cuba, MIAMI, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Redes sociais, Relações Estados Unidos Cuba, sonhos de Fidel, Subversão contra Cuba, Subversión, Washington | Deixe um comentário

A cultura política e a cultura da política .

Autor: Gustavo Robreño Dolz | internet@granma.cu

Entre as mais importantes contribuições teóricas que fazem parte das ideias substanciais que, verificadas na prática, têm acompanhado a Revolução Cubana desde o seu início, está o que Armando Hart catalogou como “a cultura de fazer política”, colocando José Martí e Fidel Castro como os seus expoentes mais destacados e relevantes, e apontando ambos como representantes “daquele fruto mais puro e mais útil da história das ideias cubanas”.

Não se trata de cultura política, que é – naturalmente – a fonte essencial da qual a imensa sabedoria de ambos foi alimentada, mas das formas práticas da sua materialização e das formas de ultrapassar com sucesso os obstáculos que surgem antes de qualquer projecto de mudança transcendente.

Sigamos a definição de política de Marti como “a arte de inventar um recurso para cada novo recurso dos adversários, de transformar os reveses em fortuna, de se adaptar ao momento presente, sem a adaptação que custa sacrifício, ou a diminuição do ideal que se persegue; de desistir para ganhar impulso, de cair sobre o inimigo antes de ter os seus exércitos alinhados e a sua batalha preparada”.

É, portanto, uma categoria de prática que deve combinar sabiamente o radicalismo com a harmonia e ser governada por princípios éticos. É assim que se expressa na identidade nacional cubana, tendo no seu cerne a cultura política e educativa presente na nossa tradição intelectual.

Obra Arcángeles del Alba, de Nelson Domínguez.

As ideias pedagógicas e filosóficas cubanas, desde Caballero, Varela e Luz até aos nossos dias, têm dois séculos de história e têm estado ligadas às constantes aspirações e necessidades do povo. A ciência e a cultura nunca foram colocadas em contradição com as crenças divinas.

Existe, portanto, uma vasta cultura a partilhar e divulgar que, abraçada pelas novas gerações de cubanos, pode continuar a exercer uma influência política, filosófica e cultural de repercussões profundas e de longo alcance no futuro.

Como Hart reiterou em mais de uma ocasião, é necessário saber diferenciar, e ao mesmo tempo relacionar a ideologia – entendida como a produção de ideias – com a ciência, a ética e a política. Em outras partes do mundo, confundiram estas categorias ou não sabiam como relacioná-las.

O capitalismo, pragmático e perverso na sua forma de segmentar a realidade, não o pode fazer, e só um pensamento dialéctico e materialista o pode fazer: diferenciar e relacionar as realizações concretas do ser humano. Isto também requer inteligência, sensibilidade, conhecimento e cultura, integrando o esforço generalizado do povo para enfrentar este imenso desafio.

Para a Revolução Cubana, ao longo de mais de um século e meio de lutas ininterruptas, a ideia chave tem sido banir o desastroso slogan de “dividir para conquistar”, praticado pelos impérios, e exaltar o princípio democrático, popular e justo de “unir para conquistar”, juntamente com o cumprimento da sentença de Marti de que “o poder de associar é o segredo do ser humano”.

É, nos tempos actuais, um humanismo que relaciona cultura e desenvolvimento, e permite assumir com a ciência e a ética o mundo globalizado confuso – e também digitalizado – do presente e do futuro.

A CULTURA DE MARTI E A CULTURA FIDELISTA DE FAZER POLÍTICA

Com base na melhor tradição e nos ensinamentos de Marti, Fidel Castro desenvolveu, no século passado e até hoje, a ideia revolucionária de “unir para vencer”, superando, nas condições cubanas, o velho lema reaccionário de “dividir para conquistar”, que emergiu do coração da sociedade feudal ao longo da história da chamada civilização ocidental dominante.

Tal como o Partido Revolucionário Cubano de Martí pela organização e retomada da guerra da independência, desta vez foi o culminar de um longo e difícil caminho, onde se manifestou, de forma extraordinária, aquilo a que Hart chamou “cultura fidelista de fazer política”, ou seja, poder catalisador e harmonizador, sentido humanista, fugir e evitar exclusões; “nem tolerante nem implacável”, foi o curso invariável e a semente semeada, sendo colhida até ao presente.

Quando Fidel afirmou, nas suas memoráveis palavras na sala principal da Universidade Central da Venezuela, que “cada revolução é filha da cultura e das ideias”, colocou ambas as componentes como prioridade máxima no cenário político, colocou-se na vanguarda ideológica mundial e colocou a cultura – criação humana engenhosa – no centro da política e da luta de ideias. A vida mostra-nos isto constantemente.

No caso cubano, a melhor tradição de dois séculos de ideias integradas no património cultural da nação representa a nossa força e coesão, e apresenta-nos ao mundo com as nossas próprias características muito definidas como sociedade e como país.

Chegados aos nossos dias, “a cultura de fazer política” é reiterada como o fruto mais original e útil das ideias cubanas, alcançando na prática uma contribuição única para a história das ideias políticas universais, pensando como um país.

Estreitamente relacionado com o acima exposto, o Presidente Miguel Díaz-Canel afirmou perante a Assembleia Nacional: “As organizações políticas e de massas são chamadas a ser mais proactivas e inclusivas. Nunca negligenciar a importante componente social no seu trabalho político-ideológico e trabalhar com todos, não só com os convencidos, mas também com os apáticos, em cuja indiferença aqueles de nós que não foram capazes de os unir têm uma quota-parte de responsabilidade?

A contribuição de José Martí para as ideias políticas baseou-se em iluminar e clarificar, com a sua imensa cultura e a sua múltipla erudição, as formas práticas de fazer política.

Com base na tradição dos ensinamentos de Martí – na segunda metade do século XX -, Fidel forjou a unidade do povo cubano para fazer a Revolução, defendê-la, desenvolvê-la e ultrapassar todos os obstáculos que impediram o seu progresso.

Este legado, como um todo, constitui a cultura de fazer política, concebida como uma categoria de prática que, fundamentalmente, consiste em derrotar a divisão e a regra, e estabelecer a ideia revolucionária de unir para vencer, sobre bases éticas que incorporam a grande maioria da população.

Numa época repleta de perigos, mas também de enormes possibilidades de luta em prol do mundo melhor a que milhões de pessoas em todo o planeta aspiram, é necessário, como nunca antes, investigar, estudar e promover este princípio de Martí e Fidel Castro.

A cultura política – em si importante – pode ser insuficiente ou incompleta para atingir os objectivos mais elevados se “a cultura de fazer política” não a acompanhar. A vida e a história já mostraram exemplos suficientes nesse sentido, e continuam a fazê-lo.

Categories: #Martí, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, fidel castro, Fidel Castro Ruz, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, Fidel, el ejemplo imperecedero de Maceo y Che,, HISTORIA DE CUBA, Intelectuales, Política, Red de Intelectuales y Artistas en Defensa de la Humanidad (REDH), Soberanía, Venezuela, Jose Marti, Los artistas del Imperio, MIAMI, Patria Jose Marti, Redes sociais, sonhos de Fidel | Deixe um comentário

#ThorHeyerdahl e as notícias falsas.

Por Nancy Nuñez Pirez Por Redacción Razones de Cuba

Confieso que estuve un tanto motivada a escribir sobre el explorador amigo de Cuba al publicarse de nuevo en las redes sociales una foto en la que Thor aparece junto a Fidel y, supuestamente, también está con ellos Jill Biden, la esposa del actual presidente de los Estados Unidos. A imagem, com o título ¨ Castro: o grande encantador ”, foi publicada no jornal norueguês ¨Verdens Gang¨ em 18 de novembro de 2003.

Tudo parece indicar que foi retirado do relato do Instagram do Museu Kon-Ti-ki, entidade que o reproduziu após a morte do líder cubano, em 26 de novembro de 2016. O despacho incluía outra imagem e um cartão-postal assinado por o líder da Revolução Cubana em 2014, na qual se dizia:

“Em comemoração ao centenário do nascimento de Thor Heyerdahl, Fidel Castro enviou um cartão. No livro comemorativo do @kontikimuseet encontramos imagens de um agradável encontro entre Castro e Thor Heyerdahl e a sua esposa Jaqueline Beer ”.

Reorganizando as fotos, nestes tempos de confinamento, encontrei as do explorador e etnógrafo norueguês Thor Heyerdahl, fervoroso admirador de Fidel Castro, cuja amizade se desenvolveu em encontros notáveis ​​que tive a oportunidade de desfrutar.

Devido a estes acontecimentos fortuitos da existência, ambos coincidiram, cada um a partir das suas obras, aos 33 anos com situações marcantes na sua história pessoal: Fidel à frente do exército rebelde triunfa ao derrotar a tirania e lidera uma Revolução transformadora, enquanto Thor , Doze anos antes de 1959, embarcou em uma expedição marítima, sem saber nadar, em um barco primitivo, para percorrer 8 mil km da América do Sul à Polinésia, demonstrando que o fluxo migratório entre áreas geográficas se fazia desde então por correntes marinhas tempos prehistoricos.

Voltando às notícias falsas, a mulher que aparece na imagem em questão não é a atual primeira-dama dos Estados Unidos, mas a última esposa de Thor, a ex-atriz e modelo francesa Jacqueline Beer, com quem se casou em 1991, quando tinha 77 anos.

Este tweet afirma que Jill Biden está posando com Heyerdahl e Fidel Castro, mas a mulher na foto é a última esposa de Thor, ex-atriz e modelo francesa Jacqueline Beer.
O Dr. Biden visitou Cuba, mas de 6 a 9 de outubro de 2016, quatorze anos após o falecimento de Thor Heyerdahl e com o objetivo de se reunir com “funcionários do governo e participar de um amplo espectro de cubanos em questões relacionadas à cultura, educação e saúde. , “de acordo com a declaração da Casa Branca de 6 de outubro de 2016.

Thor chegou a Cuba pela primeira vez em novembro de 1985, onde constatou a força destrutiva do poderoso Furacão Kate com ventos entre 150 e 200 km / h. A ponto de partir, lamentou ter partido sem se encontrar com Fidel, que percorria as províncias atingidas pelo meteoro, especificando os estragos para tomar medidas de recuperação.

Fidel tinha na agenda um encontro com o lendário navegador do Kon Ti-ki, mas essas circunstâncias o levaram a convidá-lo a participar do passeio para conversar com tão ilustre visitante. Thor contaria mais tarde sobre a impressão causada pela forte personalidade de Fidel, seu carisma e o estreito vínculo com seu povo. Entre eles havia uma amizade sincera.

Aos 72 anos, quando o conheci, tive a sensação de estar diante de um daqueles vikings que aparecem no cinema. Alto, magro, de olhos azuis, relutante em tolices e manifestações presunçosas, gostava de falar, escrever e ler um bom livro. Ele adorou estar em nosso país e visitar as províncias para aprender mais sobre a identidade cubana.

O experiente explorador admirou os avanços de Cuba em diversos setores, especialmente os da saúde pública e, principalmente, da biotecnologia. Sublinhou que os cubanos alcançaram os padrões científicos, sociais e culturais de primeiro mundo.

Thor teve uma inclinação precoce para a antropologia, sendo um estudante de geografia e etnologia na Universidade de Oslo. Aos 22 anos, recém-casado, foi morar com sua primeira esposa, Liv Coucheron-Top, em uma das ilhas da Polinésia para estudar os costumes e a vida dos diferentes grupos indígenas. Lá permaneceu um ano em condições semelhantes às dos nativos do lugar e, dizia ele, obedecendo a sua preferência pelo contato com a natureza.

Onze anos depois, em 28 de abril de 1947, convencido de que a Polinésia havia sido habitada por povos pré-colombianos, junto com outros exploradores, quatro noruegueses e um sueco, especializado em navegação e comunicações, embarcou na aventura do Kon Ti-ki .

A famosa jangada, construída por artesãos peruanos, tinha um mastro de nove metros de altura e uma vela de 27 quadrados, com a figura da principal divindade polinésia, desenhada por um dos exploradores, Erik Hesselberg. Eles partem de El Callao em 28 de abril de 1947 e navegam para o atol de Raroia, nas ilhas Tuamotu, no Oceano Pacífico, em 7 de agosto do mesmo ano.

Depois da aventura triunfante, em 1951 publicou seu livro narrando a experiência, um sucesso editorial absoluto publicado em 66 idiomas. O produto da venda, disse-me ele na Ligúria italiana, onde tive oportunidade de o visitar, ajudou-o a comprar, a baixo custo, aquele terreno numa vila medieval, junto à Via Julia, uma importante estrada romana construída em o ano 13 dne

Naturalista inato e homem de ação, fez seus próprios móveis com madeira do pequeno bosque de sua propriedade, após restaurar sua casa e a de seus filhos para então viabilizar o abastecimento de água e demais necessidades da família, bem como o necessário para a criação animais e cultivo de alimentos.

Sua última viagem a Cuba foi em fevereiro de 2002, para participar da Feira Internacional do Livro dedicada à França e ao intelectual cubano Miguel Barnet. Dois meses depois foi declarado doente terminal o que, apesar de tudo, permitiu-lhe despedir-se dos seus entes queridos com uma frase proverbial: ¨É chegada a hora de fazer a viagem que estou a perder¨, como se preparasse outra expedição para confirmar o que expressou ao então Secretário-Geral da ONU, Kurt Waldheim, em carta que lhe enviou em 1978, após atear fogo ao navio Tigre em protesto às guerras na região do Mar Vermelho:

“Nosso planeta é maior do que os barcos de junco que nos levaram através do oceano e, ao mesmo tempo, pequeno o suficiente para enfrentar os mesmos perigos, a menos que nós que vivemos nele percebamos que estamos enfrentando uma necessidade desesperada de cooperar de forma inteligente para salvar nós mesmos e nossa civilização do que estamos prestes a se transformar em um naufrágio.

Retirado de Cubaperiodistas

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Estados Unidos, #Fidel, #YoSoyFidel, Barack Obama Bruno Rodríguez ParrillaDonald Trumpoficina del Servicio de Ciudadanía e Inmi, Cuba, fidel castro, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, joe biden | Deixe um comentário

A Pátria é cantada com um coração puro.

Autor: Mailenys Oliva Ferrales | internet@granma.cu

A “arte” que nasce à mercê da vontade de quem paga – a todo custo e a todo custo – cheira a enxofre para tentar romper, da mais grosseira interferência política, à soberania de uma nação.

A criação artística que não tem bandeira própria nasce órfã da “alma” e do sentido; que se consolida no ressentimento alheio; e que busca, como única finalidade, tentar contaminar o pensamento com a manipulação, na conveniência, da história de um povo e de sua cultura.

Este tipo de criação não é excitante, nem contagiante, nem convidativo. Quase não encontra eco na contra-revolução desgastada que, dentro e fora desta ilha, orquestra campanhas de pressão e utilização da arte para fins políticos.

Pobres de espírito aqueles que condicionam seu trabalho, seu talento e sua carreira a tais ansiedades mesquinhas, de cujas mais recentes malformações surgiu o videoclipe erroneamente batizado de Patria y vida, que nas vozes de Yotuel Romero, Descemer Bueno, Maykel Osorbo e El Funky , e a dupla Gente de Zona, promovem a reescrita de quem somos.

“É assim que se canta o país: vivo num país livre / que só pode ser livre / nesta terra, neste momento / e estou feliz porque sou um gigante / …”, disse o nosso Presidente Miguel em Seu relato na rede social Twitter Díaz-Canel Bermúdez, e nada mais foi necessário para ratificar a certeza de que os conceitos genuínos de pátria e liberdade em Cuba são o que defendemos há mais de 60 anos sob o legado eterno de Fidel.

No final do seu tweet com outro fragmento da canção Pequena serenata diurna, do trovador Silvio Rodríguez: «… sou feliz, sou um homem feliz / e quero ser perdoado / por este dia, os mortos da minha felicidade» , Díaz-Canel reafirmou as essências da música que realmente nos identificam e nos orgulham como cubanos.

Aquele outro, que se turva facilmente, que tenta fragmentar raízes, e que nomeia Che e Martí sem honra, que aqui não é música.

Já o salientou o Apóstolo, que continua a alertar para a validade da sua palavra escrita: «O disfarce abominável e a laje funerária são os sorrisos e os pensamentos de quem vive sem Pátria, ou se se vê um pedaço dela nas garras do inimigo. “

Categories: # Cuba, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Fidel, #YoSoyFidel, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, CUBA - ESTADOS UNIDOS, Cuba, fidel castro, cultura, DIAZ CANEL, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, MUSICA CUBANA, O presidente de Cuba, Miguel Diaz-Canel, Redes sociais, sonhos de Fidel | Deixe um comentário

Cuba: 62 anos de revolução.

Por Ángel Guerra Cabrera Razones de Cuba .

Sessenta e dois anos da Revolução às portas dos Estados Unidos, completados em 1º de janeiro, marcam um significado universal para a luta heróica do povo cubano.

Ainda mais meritória é a façanha quando, nos últimos quatro anos, Cuba foi submetida pelo governo de Donald Trump a um brutal ressurgimento do Bloqueio, que tornou estoicos quase todos os atos da vida cotidiana. Deve ser dito e não deve ser esquecido: durante a pandemia e a crise econômica que ela causou, Trump fez tudo o que pôde para levar Cuba à asfixia.

Internet

Sessenta e dois anos. Neste ciclo histórico foi possível medir plenamente a capacidade do povo cubano e de seus dirigentes de erguer, ante a feroz e implacável hostilidade do império, as bandeiras de liberdade, independência, soberania, unidade e integração de nosso país. América, democracia, socialismo e solidariedade. Mesmo depois do colapso da URSS, no tosco Período Especial, como recordou Raúl Castro, quando ficamos sozinhos no meio do Oeste a 90 milhas dos Estados Unidos.

A chave para a vitória nas primeiras seis décadas da Revolução foi a estreita união do povo em torno de sua vanguarda e a liderança de Fidel Castro. Isso se manifestou desde o dia do triunfo, quando a vitória esmagadora do Exército Rebelde se consolidou com a grande greve geral revolucionária de 1º de janeiro de 1959. Hoje a unidade do povo e do Partido Comunista ainda é essencial.

Muito cedo começaram as medidas radicais de transformação revolucionária e imediatamente as agressões de Washington, que não tolera a independência e a soberania dos povos. Muito menos quando se trata da América Latina e do Caribe, que ele considera seu quintal e por onde voa a doutrina Monroe.

O papel de Fidel Castro foi decisivo. Teve o mérito excepcional de conceber uma nova modalidade do sujeito revolucionário, adaptada à realidade de Cuba e, em termos gerais, dos países dependentes. Sem essa concepção e o uso criativo de todas as formas de luta, incluindo o exército como fundamental, o triunfo revolucionário não teria sido possível.

Juan Manuel Karg on Twitter: "Un 8 de enero de 1959, Fidel Castro ingresaba  en La Habana. Esta foto inédita de Perfecto Romero es publicada hoy por  primera vez por Cubadebate, a

Outro mérito extraordinário de Fidel e de seu povo foi demonstrar que nesta região do mundo foi possível realizar transformações revolucionárias que puderam ser socialistas, defendidas e transformadas em uma nova cultura política. A prova foi Playa Girón, onde os combatentes foram lutar e morrer pelo socialismo e onde os Estados Unidos sofreram sua primeira grande derrota militar na América Latina que acabou com a impunidade a que estava acostumada na região.

A partir de então, os povos latino-americanos e caribenhos tornaram-se um pouco mais independentes. A revolução foi capaz de conduzir simultaneamente a campanha nacional de alfabetização e, em perfeita sincronia, outros grandes movimentos de massa, como as transformações agrárias, a organização e operação – sem sobressalentes – da indústria socialista e a formação de um grande exército popular capaz para derrotar o inimigo imperialista.

A alfabetização e o movimento educacional que a seguiu tiveram proporções gigantescas e desempenharam um papel fundamental na condução da revolução educacional, cultural e científica que se estende por esses 62 anos.

Um exemplo magnífico é o da medicina. Poucos anos depois de 1959, o país perdeu metade de seus médicos. No entanto, isto conduziu à formação acelerada – por iniciativa de Castro – de dezenas de milhares de médicos e enfermeiras e à constituição de um sistema nacional de saúde pública gratuito, constituído por instituições que rapidamente conquistaram o apreço do povo. Além disso, a partir de 1963, com o envio da primeira brigada médica para a Argélia, iniciou-se a cooperação médica internacional, especialmente no então chamado Terceiro Mundo.

Fidel regresa a Santiago por la ruta de la Libertad: "Parecen victoriosas  las fuerzas revolucionarias" | Público
A visão de Fidel combinou o trabalho científico com a formação de médicos, expressa na criação de um sistema integrado com centros de pesquisa que têm desempenhado um papel importante na saúde das pessoas e na criação de medicamentos inovadores em meio ao bloqueio.

Além disso, junto com o pessoal de saúde, eles desempenharam um papel fundamental na luta contra o COVID-19 em Cuba, com o desenvolvimento de uma série de protocolos clínicos bem-sucedidos que permitiram obter 15 por cento mais pacientes recuperados do que no resto do mundo. planeta.

Em meio ao egoísmo e à falta de solidariedade que caracterizou as potências ocidentais durante a pandemia, Cuba enviou milhares de médicos a 29 países para combater o coronavírus. Isso estimulou o surgimento de um grande movimento internacional para conceder o Prêmio Nobel da Paz às brigadas médicas cubanas Henry Reeve.

Retirado de CubaDebate

Categories: #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Fidel, #YoSoyFidel, Constituição é filha da Revolução, Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, Cuba, fidel castro, Fidel Castro Ruz, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, sonhos de Fidel | Deixe um comentário

Quais são as maiores contribuições da ciência cubana contra COVID-19 .

Autor: Orfilio Peláez | orfilio@granma.cu

A prioridade dada desde seu início pela Revolução de criar o capital humano necessário para empreender o desenvolvimento da ciência nacional, construir a infraestrutura necessária e conseguir nos inserir, quase três décadas depois, no nascente setor da indústria de biotecnologia sob a orientação de Fidel , permitiu a Cuba dispor de uma sólida capacidade de resposta à situação de emergência provocada pela entrada no país da COVID-19, em março passado.

A partir desse momento, o nosso sistema nacional de ciência, tecnologia e inovação, caracterizado pela sua concepção integral e multissetorial, aliado ao trabalho abnegado de médicos, enfermeiros, técnicos e demais trabalhadores da saúde, passou a ser a principal força contra à pandemia e possibilitou obter resultados que nos colocam entre as nações de menor letalidade das Américas e internacionalmente, sem lamentar a morte de nenhuma criança até o momento, ou o colapso das unidades de terapia intensiva, além de manter o número baixo de pacientes graves e críticos, para citar alguns dos mais proeminentes.

Proteccion contra el coronavirus, Hospital Docente Clinico Quirurgico Dr.Salvador Allende,zona roja.

O Granma mostra a seguir uma revisão das principais contribuições da ciência cubana nesta colossal batalha para salvar vidas.

-Inclusão do Interferon ALFA 2B humano recombinante (seu nome comercial é Heberón) nos protocolos de tratamento contra a doença desde o aparecimento dos primeiros casos. Segundo dados do Minsap, em 14 de abril de 2020, 93,4% dos pacientes com o novo coronavírus sars-cov-2 haviam sido tratados com o referido medicamento e apenas 5,5% deles atingiram o estado de gravidade. A letalidade relatada naquela data foi de 2,7%, enquanto para os pacientes em que foi utilizado foi de 0,9%.

-Uso de modelos matemáticos elaborados pela Faculdade de Matemática e Computação da Universidade de Havana, em colaboração com outras instituições, para predizer o comportamento da doença.

-Mais de 20 medicamentos cubanos fazem atualmente parte dos protocolos de tratamento e prevenção da COVID-19.

-Com o surgimento dos primeiros casos de COVID-19 em Cuba, o Centro Nacional de Biopreparações (BIOCEN) se dedicou à fabricação de vários dos principais medicamentos de nossa indústria de biotecnologia que são utilizados contra o coronavírus SARS-COV-2 .

-O desenvolvimento por pesquisadores do BioCen do primeiro meio de transporte de vírus (BTV) obtido em Cuba, destinado à coleta e transferência de amostras clínicas nasofaríngeas e orofaríngeas de pacientes para o diagnóstico de SARS-VOC, pode ser descrito como um verdadeiro marco -2.
Desenvolvimento de novos diagnósticos para SARS-COV-2, a cargo do Centro de Imunoensaios.

-A criação do primeiro protótipo de ventilador pulmonar cubano para respiração assistida, resultado do trabalho conjunto do Centro de Neurociências de Cuba, a Companhia Grito de Baire do Sindicato das Indústrias Militares, a Companhia Combinada, o Centro de Controle Estatal de Medicamentos , Equipamentos e Dispositivos Médicos (CECMED) e o National Design Office. Desse protótipo, 250 equipamentos devem ser entregues ao sistema nacional de saúde.

  • Liderados pelo Instituto de Hematologia e Imunologia, em maio começaram os ensaios clínicos com células-tronco para o tratamento de sequelas pulmonares em pacientes portadores da doença.

-Existem mais de 80 projetos de investigação vinculados ao COVID-19, concluídos ou em andamento, desde o início da pandemia.

-Oito acadêmicos cubanos foram escolhidos como assessores na luta contra a doença no mundo. Eles são Luis Velázquez Pérez, Pedro Más Bermejo, Luis Herrera Martínez, Luis Carlos Silva, Tania Crombet Ramos, Guadalupe Guzmán Tirado, Jorge Núñez Jover e Rafael Bello Pérez.

-No dia 24 de agosto, Cuba iniciou os ensaios clínicos de sua primeira vacina candidata para COVID-19, com o nome de SOBERANA 1, concebida por cientistas do Finlay Vaccine Institute.

-No início de novembro, foi anunciado o início dos ensaios clínicos de fase I de uma segunda vacina candidata chamada Soberana 2. Segundo o Doutor em Ciências Vicente Vérez Bencomo, diretor-geral do Finlay Vaccine Institute, é uma vacina conjugada inédita entre todos aqueles que são desenvolvidos contra a doença no mundo, nos quais o antígeno do vírus está quimicamente ligado ao toxóide tetânico.

-Pesquisadores do Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia (CIGB) apresentaram duas outras vacinas candidatas chamadas Mambisa e Abdala. O primeiro será administrado por via nasal, enquanto no segundo seu modo de uso é por via intramuscular. No final de novembro, ambos receberam autorização do CECMED para iniciar os ensaios clínicos, portanto Cuba já tem quatro vacinas candidatas em fase de ensaios clínicos, um feito da indústria nacional de biotecnologia e farmacêutica.

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #CubaCoopera, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #Fidel, #salud, #Salud en Cuba, #YoSoyFidel, A força-tarefa e a guerra na internet contra Cuba, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, fake news, Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, Cuba, fidel castro, epidemia, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, Jose Angel Portal Miranda, Medico y Enfermera de la Familia Salud Publica cubana, Medicina de Família, criada pelo Comandante em Chefe Fidel Castro em 1984,, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Profesionales e la Salud, sonhos de Fidel | Deixe um comentário

O país da liberdade segue o caminho de Fidel.

Autor: Miguel Febles Hernández | febles@granma.cu

Autor: Leydis Maria Labrador Herrera | internet@granma.cu

A Caravana da Liberdade, composta por crianças e jovens destacados, saiu às ruas da cidade de Camagüey para comemorar um dos eventos mais importantes da história do país.

Da mesma praça onde um povo atingido pela vitória das armas rebeldes ouviu o jovem Comandante no dia 4 de janeiro, as novas gerações enviaram ao mundo uma mensagem clara e instrutiva: “Conosco haverá Revolução por um tempo”.

Camagüey

“Aqueles que resistem e lutam, aqueles que confiam e sonham, aqueles que sabem mais sobre sóis do que manchas, disse Kelly Álvarez Fernández, primeira secretária do Comitê Provincial da UJC, pode confiar nesta juventude, que não falhará”.

Num momento de tanto simbolismo, o dirigente juvenil assegurou que as bandeiras da Pátria estarão sempre em boas mãos, ali, onde for mais útil: na zona vermelha, junto com os idosos, nas investigações, nas aulas, nas na fábrica ou na ranhura.

Anteriormente, Anier Arnedo Sánchez, primeiro secretário da União dos Jovens Comunistas (UJC) em Las Tunas, afirmou, em nome das novas gerações: “Não somos um substituto, somos mais do que isso, somos continuidade, somos o presente.”

A ocasião foi o momento em que lutadores da Revolução, pioneiros e jovens, comemoraram o 62º aniversário da entrada na capital do território da Caravana da Liberdade.

Simbolicamente, e como maior prova dos laços que unem as gerações passadas e presentes de cubanos, os que então se vestiam de verde oliva desceram dos veículos de mãos dadas com os que agora seguem seus luminosos passos.

Categories: Caravana da Liberdade, Cienfuegos, Cuba, Fidel Castro Ruz, Fotografia, História, História de Cuba, Revolução, Revolução Cubana, Sancti Spiritus, Santa Clara, Triunfo da Revolução Cubana, Villa, Caravana da Liberdade, Cuba, Exército Rebelde, Fidel Castro Ruz, Fotografia, História, História de Cuba, Triunfo da Revolução Cubana, CUBA, Cuba, fidel castro, Fidel Castro Ruz, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, Fidel, el ejemplo imperecedero de Maceo y Che,, sonhos de Fidel | Deixe um comentário

Tenho sido abalado por muitas mulheres .

Autor: Liz Conde Sánchez | internet@granma.cu

A Federação das Mulheres Cubanas (FMC), 60 anos depois de sua fundação, tem a honra de contar com dignas representantes que, durante todo esse tempo, contribuíram, desde suas tarefas cotidianas, para exaltar a obra da Revolução. Um grupo deles, de trajetória marcante, foi condecorado com as encomendas Mariana Grajales e Ana Betancourt, a Distinção 23 de Agosto e o Selo Comemorativo dos 60 Anos, em solenidade realizada ontem, no Salão dos Espelhos do Museu da Revolução.

O evento foi presidido pelos membros do Bureau Político do Partido Mercedes López Acea, membro do Secretariado do Comitê Central, e por Teresa Amarelle Boué, secretária geral da fmc; e por Ana María Mari Machado, vice-presidente da Assembleia Nacional do Poder Popular; Gladys Berejano Portela, Controladora Geral da República; Brigada General Delsa Esther “Teté” Puebla Viltres, e Gerardo Hernández Nordelo, membro do Conselho de Estado e coordenador nacional dos Comitês de Defesa da Revolução.

Com o mais alto reconhecimento, Xiomara Quiñones Martínez, agraciada com a Ordem Mariana Grajales, e Irma Dora Álvarez Acosta e Rosa María Chaviano González foram agraciadas com a Ordem Ana Betancourt. A distinção de 23 de agosto foi recebida por Martha Ayala Ávila, Minerva Valdez Temprana, Marcia Fernández Andreu, Aracelis González Díaz, Elpidia Moreno Hernández, Carilda Peña García e Osmayda Hernández Beleño, todos com destacados trabalhos na FMC por mais de 20 anos.

Enquanto isso, o Selo Comemorativo do 60º Aniversário foi entregue a mais de 40 mulheres e também a homens que durante estes anos mantiveram uma atitude comprometida com a Revolução, de diversos setores da sociedade cubana.

Categories: # Cuba, 23 da agosto, dia da "FEDERAÇÃO" das mulheres cubanas, Cuba, fidel castro, fidel, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, Fidel, el ejemplo imperecedero de Maceo y Che,, MUSICA CUBANA, sonhos de Fidel | Deixe um comentário

Discurso do Presidente de Cuba no encerramento da Assembleia Nacional.

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Fidel, #Gerardo Hernández #Los CincoAntonio GuerreroComandante en Jefe Fidel CastroFernando, #YoSoyFidel, Asamblea Nacional del Poder Popular (ANPP), Cuba, Gobierno, Poder Popular, asamblea nacional del poder popular, Constitución de la República de Cuba, Cuba, Referendo popular, Assembleia Nacional do Poder Popular, Cuba, fidel castro, Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, Soberania, Venezuela, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, Medicina de Família, criada pelo Comandante em Chefe Fidel Castro em 1984,, O presidente de Cuba, Miguel Diaz-Canel, sonhos de Fidel | Deixe um comentário

Símbolos da história de #Cuba com denominador comum.

Retirado da parede de Siempre Con Cuba.

Havana, 17 de dezembro Em um dia como hoje, em 1975, Cuba celebrou seu maior evento partidário e, 39 anos depois, iniciou uma nova trajetória com os Estados Unidos, marcos na história nacional tendo o 17 de dezembro como denominador comum.

Operación Carlota, "la más justa, prolongada, masiva y exitosa campaña  militar internacionalista de nuestro país" | Cubadebate


Exclusivamente com a Prensa Latina, o coronel (aposentado) Gerardo Chong lembrou a manhã em que foi inaugurado o Primeiro Congresso do Partido Comunista de Cuba (PCC), no Teatro Karl Marx da capital.
“Para um militante não havia honra maior do que estar entre os mais de 3.000 delegados, era um clima festivo e tenso, estávamos todos em suspense, com grande expectativa e grande fervor revolucionário”, comentou.
Chong destacou que o contexto histórico de 1975 influenciou essa atitude porque Cuba foi constantemente assediada pelos Estados Unidos e, além disso, o país havia iniciado nesse mesmo ano o seu apoio ao Movimento Popular de Libertação de Angola.


“Foi um divisor de águas em termos de institucionalização da Revolução que mal completou 16 anos, também definiu as linhas programáticas do Partido e levou a uma análise profunda das conquistas e erros”, frisou.
O então primeiro secretário do PCC, Fidel Castro, leu o relatório central e destacou, entre outros assuntos, o importante papel da política externa cubana, bem como a necessidade de união entre as forças progressistas do mundo.

La imagen puede contener: 10 personas, personas de pie y personas en el escenario


Além disso, explicou a importância no ordenamento político, institucional e jurídico da próxima Constituição da República (aprovada posteriormente em 1976), como base para um exercício superior da legalidade socialista.
“Foi um dos momentos mais marcantes e emocionantes da minha vida”, Chong descreveu o Congresso de seis dias no qual participaram 86 delegações estrangeiras e que culminou em um grande evento na Plaza de la Revolución.

O dia 17 de dezembro de 2014 também foi um divisor de águas para a história nacional, desta vez em relação às relações com os Estados Unidos, segundo fontes oficiais, imprensa local e especialistas.

El regreso de los Cinco (+Audio, Fotos y Videos)


Naquele dia, o então presidente, Raúl Castro, anunciou a volta dos heróis cubanos presos no território norte, bem como o início de uma série de etapas que permitiriam a abertura de embaixadas e o estabelecimento de laços bilaterais.
Por sua vez, o presidente Barack Obama (2008-2016) reconheceu o fracasso da política de Washington de mais de meio século contra Havana e tomou medidas executivas para amenizar o bloqueio à ilha, que por lei só pode ser revogado pelo Congresso. .

Obama viajará a Cuba en marzo; los republicanos critican la visita -  Libertad Digital


Isso foi esclarecido à Prensa Latina por Seida Barrera, especialista do Centro de Estudos Hemisféricos sobre os Estados Unidos da Universidade de Havana, que também destacou como Donald Trump rechaçou tudo o que fez seu antecessor também por meio de ações executivas.
“Os milhões de cubanos afetados na ilha e fora dela pouco importam, nem os cidadãos norte-americanos, podemos ver que há uma relação entre as eleições e o aumento das medidas coercitivas de Trump contra Cuba”, explicou.
Na verdade, apenas entre março de 2019 e abril de 2020, a perseguição ao presidente republicano causou prejuízos de mais de cinco bilhões de dólares à nação caribenha, cifra alcançada pela primeira vez em seis décadas de bloqueio. (PL)

Categories: #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Fidel, #Gerardo Hernández #Los CincoAntonio GuerreroComandante en Jefe Fidel CastroFernando, #Trump, #YoSoyFidel, @Trump, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Barack Obama Bruno Rodríguez ParrillaDonald Trumpoficina del Servicio de Ciudadanía e Inmi, CINCO HEROES, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Marco Rubio, Mario Díaz-Balart, Relaciones bilaterales., Cuba, fidel castro, Donald Trump, Estados Unidos, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, FORA TRUMP, LIBERDADE PARA OS CINCO CUBANOS, relações bilaterais, o governo Donald Trump, sonhos de Fidel, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: