Cuba reitera o seu compromisso de reforçar os mecanismos de integração.

#CELAC #CubaPorLaSalud #CubaPorLaPaz #Sanciones

O diplomata cubano sublinhou que os mecanismos deveriam fornecer muito mais assistência e cooperação ao Haiti, ajudando-o na sua recuperação, estabilidade e desenvolvimento.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano Bruno Rodríguez reiterou na segunda-feira o compromisso do seu país em continuar a ajudar a reforçar os mecanismos de integração na América Latina e nas Caraíbas.

“Reiterei o compromisso de Cuba de continuar a contribuir para o fortalecimento do Celac e da ACS”, escreveu o Ministro dos Negócios Estrangeiros Rodríguez. | Foto: @BrunoRguezP

“Reiterei o compromisso de Cuba de continuar a contribuir para o fortalecimento do Celac e da ACS, mecanismos com uma valiosa contribuição para uma verdadeira integração regional”, escreveu o funcionário cubano na sua conta do Twitter.

Rodríguez referia-se à reunião de Ministros dos Negócios Estrangeiros da Comunidade dos Estados da América Latina e das Caraíbas (CELAC) e da Associação dos Estados das Caraíbas (ACS) realizada na sede das Nações Unidas (ONU), na cidade norte-americana de Nova Iorque.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros da maior das Antilhas salientou também que os mecanismos deveriam prestar muito mais assistência e cooperação ao Haiti, para o ajudar na sua recuperação, estabilidade e desenvolvimento.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano salientou também que a área tem muito potencial para mostrar ao mundo e recordou a proclamação de Havana como uma zona de paz em Fevereiro de 2010.

Desde sábado passado, Rodríguez chefia a delegação cubana que participará no segmento de alto nível da 77ª sessão da Assembleia Geral da ONU, que começa na terça-feira.

Face ao imperialismo, a unidade dos povos das Caraíbas é vital.

#ElBloqueoEsReal #InjerenciaDeEEUU #AmericaLatinaUnida

Autor: Eduardo Palomares Calderón | internet@granma.cu

Santiago de Cuba – Uma mensagem condenando a intensificação do bloqueio económico, comercial e financeiro dos Estados Unidos contra Cuba, e o apelo a reforçar a unidade dos povos autónomos em solidariedade contra todas as tentativas de domínio colonial e imperial, marcou o primeiro dia da Assembleia dos Povos das Caraíbas, com sede nesta cidade.

A grande crise actual promovida pelo império está a atingir directamente os trabalhadores e as economias fracas do continente, daí a exigência de uma resposta mais forte da Assembleia, e a sua solidariedade para com os povos, especialmente com aqueles que estão a realizar processos sociais como os de Cuba e da Venezuela, disse Camille Chalmers, coordenador do Capítulo Haiti, em nome do Comité Executivo Regional.

Foto: Obra de Ronald Cyrille

A poetisa Nancy Morejón, vencedora do Prémio Nacional de Literatura, na sua introdução ao tema central do debate – Cultura, resistência, revolução e soberania – salientou que a Assembleia é uma arma dos povos das Caraíbas na sua luta pela independência, pelos seus anseios, pela diversidade de raças e culturas, e pela unidade da qual o império e os velhos mestres procuram privá-los.

Recebidos, em nome do Capítulo Cubano dos Movimentos Sociais, pelo secretário-geral da Central de Trabajadores de Cuba no território, René Berenguer Rivera, os participantes discutirão questões associadas à cultura de rebelião, resistência e processos emancipatórios; e formarão acordos para um plano de acção.

Com participantes de 11 países da região, a primeira actividade do programa foi uma homenagem aos fundadores da nação cubana, José Martí, Carlos Manuel de Céspedes, Mariana Grajales e Fidel Castro Ruz, em frente aos seus monumentos funerários no cemitério de Santa Ifigenia, e ao Major-General Antonio Maceo, ao lado da chama eterna na praça que leva o seu nome.

A abertura contou com a presença do vice-chefe e coordenador do Departamento de Relações Internacionais do Comité Central do Partido, Ángel Arzuaga Reyes; Fernando González Llort, Herói da República de Cuba e presidente do Instituto Cubano de Amizade com os Povos; e das mais altas autoridades do Partido e do Governo da província, José Ramón Monteagudo Ruiz e Beatriz Johnson Urrutia, respectivamente.

Rebelião das “Américas” sobre uma Cimeira das Américas que marginalizou Cuba, Venezuela e Nicarágua.

#CumbreSinLasAméricas #Cuba #Venezuela #Nicaragua #CELAC #ALBA-TCP #AmericaUnida #InjerenciaDeEEUU #ManipulaciónMediática

O Celac irá denunciar a política de exclusão na Cimeira das Américas.

#CumbreSinLasAméricas #InjerenciaDeEEUU #AméricaDePie #CELAC #SolidaridadVSBloqueo

Autor: Redacción Internacional | internacionales@granma.cu

Se Cuba, Venezuela e Nicarágua forem excluídas da 9ª Cimeira das Américas a realizar em Los Angeles no próximo mês, o Presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador anunciou que o seu homólogo argentino, Alberto Fernández, denunciará a política em nome da Comunidade dos Estados da América Latina e Caraíbas (CELAC), cuja organização é presidente pro tempore.

Foto: Tomada de Telesur

Segundo o TeleSur, López Obrador rejeitou a possibilidade de realizar uma “contra-cimeira” na cidade norte-americana, embora tenha reconhecido que existe um acordo entre os países membros do Celac, mas que apoiaria a denúncia argentina das exclusões e a política de convidar “apenas aqueles que são considerados amigos”.

Insistiu que o Presidente Alberto Fernández trará à reunião a mensagem de que “somos todos americanos e não aceitamos que nenhum país das Américas seja excluído; ninguém tem o direito de excluir”.

López Obrador ratificou que não participará na chamada Cimeira das Américas se os países forem excluídos da mesma, porque se trata de uma “política retrógrada, quando o que temos de procurar é a fraternidade entre todos os povos e países, não a separação, não a divisão, não o confronto”.

Para além da vassalagem aos EUA e Celac: a razão pela qual a OEA vai desaparecer.

#EUA #OEA #CELAC #EconomiaMundial #UnionEuropea #CHINA

Javier Buenrostro, historiador por la Universidad Nacional Autónoma de México y McGill University.

Javier Buenrostro, historiador por la Universidad Nacional Autónoma de México y McGill University.

A 18 de Setembro, o México acolheu a VI Cimeira da Comunidade dos Estados da América Latina e das Caraíbas (CELAC), dois dias após a celebração da independência do México. Havia muitas expectativas para esta reunião em que participaram 31 nações e onde se especulava que a substituição de uma Organização dos Estados Americanos (OEA) obsoleta e decadente, uma organização que nasceu em 1948 para proteger os interesses dos Estados Unidos durante a Guerra Fria no quadro dos acordos de Bretton Woods, a criação do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial e a imposição do dólar como moeda internacional de referência, poderia ser discutida em profundidade.

A OEA teve a sua quota-parte de baixos e altos na sua história, embora tenham existido mais vales do que picos. Um dos pontos mais baixos foi em Punta del Este (Uruguai) em 1962, quando foi decidido expulsar Cuba da organização, sendo o México e a própria Cuba as únicas nações a votar contra a resolução. Nos últimos anos, desde a liderança de Luis Almagro, a OEA tem demonstrado ser um organismo profundamente parcial a favor da direita latino-americana e dos interesses regionais dos Estados Unidos. Um caso em questão é o envolvimento da OEA e de Luis Almagro no golpe de Estado sofrido por Evo Morales na Bolívia, que só pôde ser revertido graças ao apoio esmagador do povo boliviano ao Movimento para o Socialismo (MAS) nas eleições seguintes.

A 6ª Cimeira Celac teve momentos de alguma intensidade, especialmente devido aos confrontos verbais entre os Presidentes Miguel Díaz-Canel (Cuba) e Nicolás Maduro (Venezuela), por um lado, e Luis Lacalle Pou (Uruguai) e Mario Abdo Benítez (Paraguai), por outro. A ausência do Brasil, devido à decisão da direita Jair Bolsonaro de sair no ano passado, e a participação precipitada da Argentina, devido ao cancelamento de Alberto Fernández no último minuto e à demissão a meio do evento do Ministro dos Negócios Estrangeiros Felipe Solá, também deixaram a sua marca na reunião internacional.

Mas a mensagem mais importante do Celac veio de fora da América Latina. O Presidente da China, Xi Jinping, foi o único convidado de fora da nossa área geográfica a dar uma mensagem, e este convite veio do México, o país anfitrião, que também detém a presidência pro tempore da Celac e, ao mesmo tempo, é um vizinho e importante parceiro comercial dos Estados Unidos. Uma combinação e tanto.

“O capitalismo tal como o conhecemos está em crise e a ordem global está a mudar a um ritmo acelerado, mantendo a direcção anteriormente prevista. E isto é que a China acabará por ser o actor económico global mais importante nas próximas três décadas”.

As críticas ao Presidente López Obrador da direita mexicana e ao conservadorismo não tardaram a chegar. Os condenados ao desastre mencionaram que a presença dos presidentes de Cuba, Venezuela e sobretudo da China durante a cimeira poderia fazer explodir as relações com os Estados Unidos. Estas opiniões mostram não só que a direita mexicana adoraria manter uma relação de vassalagem com os Estados Unidos, mas também a sua incapacidade de compreender que o mundo está a mudar e que não é o mesmo que foi durante a Guerra Fria, especialmente depois da pandemia de Covid-19.

Todas as análises económicas concordam que o mundo sofreu a pior recessão económica desde a Grande Depressão. O capitalismo tal como o conhecemos está em crise e a ordem global está a mudar a um ritmo acelerado, embora na direcção anteriormente prevista. E isto é que a China acabará por ser o actor económico mais importante do mundo pelo menos durante as próximas três décadas.

Mexico President Andres Manuel Lopez Obrador(C) poses for a photo with leaders and prime ministers during the summit of the Community of Latin American and Caribbean States (CELAC), at the National Palace in Mexico City, Mexico September 18, 2021. Mexico’s Presidency/Handout via REUTERS ATTENTION EDITORS – THIS IMAGE HAS BEEN SUPPLIED BY A THIRD PARTY. NO RESALES. NO ARCHIVES

Dois acontecimentos paralelos à Cimeira do Celac confirmam isto. A primeira é que o Grupo Evergrande, até há pouco tempo o maior promotor imobiliário do mundo, está perto da falência com mais de 300 mil milhões de dólares de passivo. O que é impressionante é que, apesar dos números espantosos, os analistas excluíram uma crise financeira global como a que ocorreu em 2008 com o colapso da empresa americana Lehman Brothers. Parece que o problema ficará na China não só porque Evergrande tem lá a maior parte das suas dívidas, mas também porque a economia chinesa é capaz de absorver e lidar com esta crise financeira. Esta é a dimensão da economia e da capacidade financeira da China, se ainda tivéssemos dúvidas.

O outro facto que chamou a nossa atenção foi o discurso de Joe Biden à Assembleia Geral da ONU há alguns dias atrás. Biden foi muito claro que os EUA não querem uma nova Guerra Fria com a China ou um mundo dividido em blocos rígidos e, embora ele defendesse uma concorrência vigorosa com outras potências, evitou o discurso duro e confrontativo utilizado por Donald Trump. Biden era consciente e cauteloso face à nova realidade global que já é evidente aos olhos do mundo, com excepção de certos conservadores antiquados que ainda pensam que vivemos no mundo que foi forjado no pós-guerra, há mais de setenta anos.

Nem os acordos de Bretton Woods, nem o mal denominado Consenso de Washington, nem o Fundo Monetário Internacional, nem o Banco Mundial, nem a dolarização da economia são já os princípios orientadores da economia mundial, nem devem ser as vozes orientadoras das organizações internacionais, nem devem ser as vozes orientadoras da política externa na América Latina. A OEA já está morta e o seu coveiro não será o CELAC, mas a ordem económica mundial que lhe deu origem e que agora também está defunta.

A nova ordem, pelo menos no futuro imediato, será baseada no multilateralismo, mas na qual a China desempenhará um papel preponderante ao lado dos Estados Unidos, que também manterão um papel de liderança. O unilateralismo não é uma opção e a cooperação internacional terá de se tornar uma realidade e deixar de ser puro discurso e boas intenções.

López Obrador deu um passo nesta direcção na Cimeira Celac, convidando os restantes participantes a construir algo semelhante no continente americano à Comunidade Económica que deu origem à actual União Europeia. Ou seja, criar um corpo mais equitativo e plural e não apenas um que sirva os interesses dos Estados Unidos. Isso já não funciona na realidade.

Extraído de RT

Núñez lembra a Pou que se trata de uma ditadura, o que não é o caso em Cuba.

#CELAC #Cuba #ManipulacionPolitica #RedesSociales #MafiaCubanoAmericana

Por Redacción Razones de Cuba

Como consequência do que aconteceu na cimeira do CELAC 2021, foi possível escolher as palavras do deputado do Partido Comunista Gerardo Núñez, que a 13 de Julho aconselhou o presidente a “rever a sua própria história”, porque o Herrerismo, uma corrente ideológica pertencente à social-democracia, apoiou o golpe de Estado do Terra nos anos 30, uma revolta popular em 1964 e também fez menção à ditadura de 1973.

É curioso que na cimeira do CELAC, Lacalle Pou parecesse um pouco preocupado com a situação em Cuba. Um discurso que falava de uma alegada falta de democracia e de uma ditadura totalitária na ilha que restringia os direitos do povo cubano.

Contudo, o deputado comunista da Frente Amplio chamou a atenção para o facto de Lacalle Pou pertencer ao Partido Nacional e ser um “herrerista”. O deputado acrescentou que “o terrorismo apoiou o golpe de Estado de (Gabriel) Terra nos anos 30 e apoiou a revolta militar em 1964. Essa revolta foi derrotada pela mobilização da esquerda e pelos sectores Batllista. Além disso, o Herrerismo apoiou e fez parte da ditadura civil-militar a partir de 1973 no nosso país”. “Que o presidente que é membro deste grupo fale de ditaduras, parece-me que deveria primeiro rever a sua própria história”, disse o deputado da Frente Amplio.

Sobre Cuba, disse que “ninguém fala de paraíso” e insistiu: “O Partido Nacional e sobretudo o Herrerismo deveriam pedir desculpa ao nosso povo e ao nosso povo por terem participado numa ditadura. Por ter gerado no nosso país as detenções, torturas e desaparecimentos de muitos camaradas que ainda estamos à procura.

Nuñez acrescentou que “o que o povo de Cuba está a sofrer é um bloqueio criminoso por parte dos Estados Unidos”.

“É ridículo que aqueles que criam o bloqueio e as condições para que o povo cubano não tenha acesso a medicamentos, alimentos e certos fornecimentos tecnológicos, queiram então ser os salvadores desta situação. Se há preocupação por parte do governo uruguaio ou de certos grupos partidários no nosso país acerca da situação em Cuba, que eles exijam e trabalhem para que o fim do bloqueio se torne efectivo”, disse Nuñez.

Perguntado se havia uma ditadura na ilha das Caraíbas, Nuñez respondeu: “Não, de modo algum”.

Interrogado sobre os protestos e a violência que se verificaram nos últimos dias nas redes sociais, o deputado disse que “não é isso que está a acontecer em Cuba”.

“Estou em contacto não só com colegas que partilham a mesma visão social e política que eu, mas também com outras pessoas que se encontram em certos contextos de saúde e cuidados em Cuba, e a verdade é que a situação que está a ser gerada nos meios de comunicação social é muito mais marcante e muito maior do que o que está realmente a acontecer. Penso que há uma dimensão que está deslocada”, disse ele.

CON FILO : Díaz-Canel no México e a Cimeira Celac, por detrás da última campanha anti-Cuba .

#DiazCanelEnMexico #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #Uruguai #CELAC

Porta-vozes da OEA .

#DiazCanelEnMexico #CubaEnMexico #CELAC #OEA #ManipulacionPolitica #EEUUBloquea #BastaDeHipicresia #NoMasMentiras #LetCubaLive

Tal como diz Gerardo Hernandez Nordelo … Hay que tener cara …

#BastaDeHipocresia #NoMasMentiras #LetCubaLive #LacayoPou #Uruguay

Um fim ao domínio da OEA na América Latina? O México acolhe uma nova cimeira Celac marcada por lideranças progressistas .

#CELAC #OEA #AMLO #CubaEnMexico #ElCaminoEsLaPaz #PuentesDeAmor

A sexta cimeira da Comunidade dos Estados da América Latina e Caraíbas (CELAC) terá lugar este fim-de-semana na Cidade do México, com a presença de 17 chefes de estado ou de governo, dois vice-presidentes e delegações de todos os países membros.

Entre os presidentes que já confirmaram a sua participação estão o argentino Alberto Fernández, o equatoriano Guillermo Lasso, o cubano Miguel Díaz-Canel, o costa-riquenho Carlos Alvarado e o uruguaio Luis Lacalle Pou, bem como o líder do país anfitrião, Andrés Manuel López Obrador.

O Celac foi formado em 2010 pelos 33 países da região com o objectivo de promover uma agenda latino-americana e caribenha e acordar passos concretos para a integração regional.

¿Fin al dominio de la OEA sobre América Latina? México acoge una nueva cumbre de la Celac marcada por los liderazgos progresistas

Na sua fundação, impulsionada por uma onda de governos progressistas, produziu uma mudança política continental, devido à sua tentativa de substituir a Organização dos Estados Americanos (OEA) em importância multilateral, excluindo os EUA e o Canadá e incluindo Cuba, que foi expulsa da primeira em 1962.

Contudo, em meados da década, a chegada dos governos de direita, bem como a morte em 2013 do seu principal promotor, o Presidente venezuelano Hugo Chávez, produziram um enfraquecimento significativo que o levou a desvanecer-se no mapa político do continente. Foi em Janeiro de 2017 quando se realizou a sua última cimeira em Punta Cana (República Dominicana).

O Celac regressa com uma OEA enfraquecida e com novas lideranças regionais como a do presidente anfitrião, Andrés Manuel López Obrador, e mudanças nos governos de países importantes como o Peru e a Argentina.

Nesses anos, a OEA tomou um novo sopro de ar fresco. Com a assunção de Luis Almagro como secretário-geral, levou a cabo uma vigorosa acção contra os governos da Bolívia e da Venezuela da qual não saiu bem devido aos resultados embaraçosos de ambas as campanhas: um golpe de Estado no primeiro (cujo executor Jeanine Añez está na prisão) e a imposição de um bloqueio financeiro e de um governo interino no segundo (cujo executor Juan Guaidó teve de restabelecer as negociações com o governo existente apesar da recusa de Almagro).

Agora, o Celac regressa com uma OEA enfraquecida e com a emergência de novas lideranças regionais como a do presidente anfitrião, Andrés Manuel López Obrador, e as mudanças de sinal nos governos de países importantes como o Peru e Argentina .

López Obrador tem sido um apoiante entusiasta do Celac e é possível que o seu papel como anfitrião lhe permita dar-lhe um impulso.

A 24 de Julho, o presidente mexicano foi particularmente duro nas suas críticas a Almagro e na sua abordagem à OEA, anunciando que pretendia conceber um plano para substituir a organização por um “organismo verdadeiramente autónomo” que fosse “o lacaio de ninguém”.

Revitalizou também o corpo. A 7 de Setembro, e pela primeira vez desde 2014, todos os países tomaram uma posição conjunta no Dia Internacional contra os Testes Nucleares. A presidência pro tempore do México tirou o Celac do seu silêncio.

Independentemente dos resultados, o cenário servirá para visualizar os novos realinhamentos políticos na região.

Agora vem a Cimeira, e todos esperam um evento que assinalará uma mudança ideológica na região, mesmo que não radical, pelo menos altamente simbólica, e um compromisso conjunto com o futuro.

Agenda da Cimeira
O Secretário dos Negócios Estrangeiros do México, Marcelo Ebrard, indicou que a questão da pandemia estaria na vanguarda, mas que havia também dois projectos em cima da mesa: a criação de uma agência inter-espacial da América Latina e das Caraíbas e a criação de um fundo para catástrofes.

No entanto, o governo boliviano propôs discutir a questão da OEA e a necessidade de reforçar o CELAC.

A questão da pandemia é de particular importância, dado que apesar da gravidade económica e da morte de mais de um milhão de pessoas na região, nem a OEA nem o Celac (nem o Grupo de Lima) tentaram, pelo menos, coordenar políticas para abordar conjuntamente a situação.

Independentemente dos resultados, o cenário servirá para visualizar os novos realinhamentos políticos na região.

Ociel Alí López: Ociel Alí López é sociólogo, analista político e professor na Universidade Central da Venezuela. Ganhou o Prémio Municipal de Literatura 2015 com o seu livro Dale más gasolina e o prémio Clacso/Asdi para jovens investigadores em 2004. É um colaborador de vários meios de comunicação social na Europa, Estados Unidos e América Latina.

%d bloggers like this: