A #NATO conduz um dos maiores exercícios de #Cibersegurança do mundo.

#OTAN #Cibersegurança

Os exercícios da Cyber Coalition, destinados a “reforçar as capacidades dos membros e parceiros da OTAN para defender as suas redes e cooperar no ciberespaço”, começaram na Estónia na segunda-feira, disse o ministério da defesa do país báltico. É um dos maiores exercícios militares do seu género no mundo.

Agora no seu 15º ano, a Cyber Coalition reúne cerca de 1000 especialistas em defesa cibernética dos países da Aliança Atlântica, bem como da Finlândia, Suécia, Suíça, Irlanda, Geórgia e Japão de segunda a sexta-feira, com a Coreia do Sul a juntar-se como observador. Os participantes estão a exercer na defesa de infra-estruturas críticas contra suspeitos de ataques informáticos e na condução de operações semelhantes de apoio às forças da OTAN.

O Ministro da Defesa da Estónia, Hanno Pevkur, afirmou que foram levados a cabo ciberataques contra alguns membros da OTAN, bem como contra a Ucrânia. “Assim, os aliados precisam de percorrer muitos cenários possíveis, a nível da OTAN, para assegurar que, se nos perguntarem sobre ataques cibernéticos, ainda podemos responder: sim, houve alguns, mas até agora não tiveram um impacto significativo”, disse ele.

Entretanto, o director de exercício Charles Elliott, um veterano oficial da Marinha americana, afirmou que “os aliados estão empenhados em proteger as suas infra-estruturas críticas, aumentando a resiliência e reforçando as suas defesas cibernéticas”. “Continuaremos a estar atentos contra essa actividade cibernética maliciosa no futuro, e a apoiar-nos mutuamente na dissuasão, defesa e combate a todo o espectro de ameaças cibernéticas”, disse, observando que as medidas da OTAN incluem “possíveis contra-ataques colectivos”.

A escalada absurda dos Estados Unidos contra Cuba

Falando na quarta-feira no Instituto Superior de Relações Internacionais, por ocasião da XVII edição da Série Conversas de Cuba na política externa dos Estados Unidos, Carlos Fernández de Cossío, diretor-geral dos Estados Unidos do Ministério das Relações Exteriores de Cuba, desconstruiu o hostilidade da atual administração e dos personagens que o rodeiam, contra a Ilha

Carlos Fernández de Cossío.

Tornou-se claro que os povos cubano e americano são a favor da normalização das relações “, disse Carlos Fernández de Cossío. Foto: ACN Continuar a ler “A escalada absurda dos Estados Unidos contra Cuba”

%d bloggers gostam disto: