Discurso do Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano no segmento de alto nível da ONU.

#ONU #Cuba #ElBloqueoEsReal #CubaPorLaPaz #CubaPorLaVida #InjerenciaDeEEUU

Rodríguez Parrilla denuncia campanha para desestabilizar a paz em Cuba.

#CubaVive #CubaViveYRenace #CubaAvanza #PorUnMejorPais #JuntosPorCuba #LaRazonEsNuestroEscudo

Extraído de razonesdecuba

Por: Andy Jorge Blanco

O Ministro dos Negócios Estrangeiros de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, disse quarta-feira que a persistente agressão do governo dos Estados Unidos e as suas tentativas de alterar a tranquilidade dos cidadãos e prejudicar a paz social do país não poderão ameaçar o regresso gradual à normalidade.

Numa apresentação ao Corpo Diplomático acreditado na ilha, o ministro dos Negócios Estrangeiros salientou que a agressão é organizada a partir do estrangeiro com o uso de agentes internos, sublinhando ao mesmo tempo que o povo defenderá a ordem constitucional pela qual votou em 2019.

“O eixo central desta operação organizada a partir de centros de poder nos Estados Unidos, no exercício da política oficial do governo dos EUA, com a intervenção de altos funcionários da Casa Branca, do Departamento de Estado e de outras agências, com a intervenção permanente de senadores e congressistas anticubanos, leva a consequências que noutros países têm provocado conflitos e guerras militares”, disse ele.

Rodríguez Parrilla salientou que o governo dos EUA está a tentar mostrar Cuba como um Estado falhado, o que descreveu como “infrutífero, desesperado e insensato”. Este é um pretexto para o aperto do bloqueio e para a aplicação das sanções 243 do Trump, que permanecem em vigor sob a administração Biden.

“O governo dos EUA sabe perfeitamente que, com as campanhas que intensificou nos últimos meses, está a tentar provocar situações de sofrimento entre o nosso povo, na esperança de que criem as condições para uma explosão social”.

O ministro cubano denunciou a utilização de uma poderosa máquina de comunicações para desestabilizar o país: “Estão a tentar construir, através de mentiras e irrealidade, um cenário virtual inexistente, na esperança de o transformar num cenário real”.

Rodríguez Parrilla declarou que é “uma operação organizada de um ponto de vista material e prático, fundamentalmente a partir do território dos Estados Unidos, que se liga a grupos violentos com um passado e um presente de acções terroristas contra o nosso povo”.

No Facebook”, disse, “há grupos privados que realizam actividades ilegais, e de onde os mecanismos de geolocalização são alterados para simular a presença maciça em Cuba de pessoas que vivem noutro país, fundamentalmente nos EUA.

“O Facebook poderia muito bem ser processado por estas práticas contra Cuba, em estrita conformidade com a lei”, sublinhou ele.

“Nestes acontecimentos, está em jogo o direito de um Estado soberano, de um povo que exerce a autodeterminação, perante uma tentativa de uma superpotência de intervir nos seus assuntos internos, de forçar uma mudança de regime, de destruir a ordem constitucional, por razões estritamente políticas”, afirmou.

Bruno Rodríguez Parrilla, Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano. Foto: Cubadebate.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano informou que, desde 22 de Setembro, foi feito um total de 29 declarações pelo governo dos EUA e figuras influentes no Congresso dos EUA, com o objectivo de instigar acções de desestabilização na ilha.

“Cuba nunca permitirá acções por parte de um governo estrangeiro no nosso território, tentando desestabilizar o país”, salientou, acrescentando que nestas declarações estão a pedir a alguns governos que se juntem a estas acções contra Cuba.

Rodríguez Parrilla informou que só durante o mês de Outubro, a embaixada dos EUA em Havana publicou um total de 59 mensagens no Twitter, 36 das quais estão relacionadas com uma tentativa de alterar a estabilidade interna de Cuba: “De forma desavergonhada, três destes tweets referem-se à suposta ajuda do governo dos EUA ao povo cubano nestas circunstâncias, incluindo garantias de maior acesso a alimentos, medicamentos e suprimentos médicos”.

“Eles mentem descaradamente, não houve nenhuma oferta de ajuda do governo dos EUA, nem humanitária nem de qualquer outro tipo durante toda a pandemia; nem mesmo quando a fábrica de produção de oxigénio avariou foram concedidas licenças específicas para enviar oxigénio para Cuba”, disse ele, acrescentando que nem uma única tonelada de medicamentos ou alimentos foi enviada para a ilha pelo governo dos EUA.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros denunciou o facto de Washington continuar a aplicar medidas que impedem o reagrupamento familiar, as viagens, a concessão de vistos, e não permitem que cidadãos cubanos residentes em países terceiros com dupla cidadania entrem em território americano com estes passaportes.

Mais recentemente, afirmou, os cidadãos cubanos que desejem viajar para os Estados Unidos são obrigados a apresentar um certificado de vacinação com imunogéneos reconhecidos pela autoridade reguladora dos EUA ou pela OMS: “Espero que a OMS actue de acordo com as suas próprias regras e tendo em conta as circunstâncias de emergência que se vivem actualmente no planeta”.

“É discriminatório que os cubanos não sejam autorizados a entrar em território americano com certificados com valor legal total de terem sido vacinados com vacinas cubanas, cuja eficácia tenha sido plenamente demonstrada”, disse ele.

Rodríguez Parrilla salientou que, durante os dois anos da pandemia, o governo dos EUA foi incapaz de oferecer ajuda humanitária a Cuba: “Quebrou com a tradição dos governos republicanos ou democratas que o fizeram face a furacões e catástrofes naturais no passado”.

Só agora, informou o ministro, Washington pretende enviar um milhão de doses de uma das suas vacinas para Cuba, numa altura em que quase toda a população está vacinada e o controlo da pandemia no país está a ser celebrado.

“Estão a oferecer vacinas a uma população já vacinada, avançando mesmo com o programa de doses impulsionadoras, mas também estão a impor requisitos rigorosos e interferentes, tais como a obrigação de realizar estudos clínicos em Cuba com estas vacinas”, disse, acrescentando que também estão a exigir responsabilidade legal pela compensação dos efeitos secundários, estudos clínicos para garantir que são compatíveis com os imunogéneos cubanos, e monitorização por agências norte-americanas do destino final da aplicação das vacinas.

“Qual é o sentido desta oferta oportunista no último minuto, quando não teria qualquer efeito prático? Porque não o oxigénio, e as vacinas agora? Porque não as vacinas quando teríamos mais necessidade delas? Porque não facilitar a importação dos insumos essenciais para a luta contra a pandemia e para o desenvolvimento e expansão industrial das vacinas?” perguntou o ministro.

No entanto, Rodríguez Parrilla declarou ao governo dos EUA que se esta oferta for séria, sincera e responsável, Cuba reconhece-a e apreciá-la-ia como um acto na direcção certa: “Respondemos ao governo dos EUA com uma explicação respeitosa e estritamente verdadeira das razões pelas quais esta doação não contribuiria para melhorar a saúde dos cubanos nem teria qualquer impacto epidemiológico”.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano disse que a ilha tinha oferecido à administração Biden a utilização desta doação em conjunto com outra doação de vacinas cubanas para imunizar a população de um país com grande necessidade das mesmas: “Reitero hoje a oferta que fizemos anteriormente em privado ao governo dos EUA, de uma operação triangular e conjunta, e estamos em contacto com alguns governos de países que preenchem estas condições”.

Por outro lado, o diplomata relatou que só em Setembro de 2021, um pacote de seis milhões de dólares em subsídios foi atribuído pela agência federal USAID, destinado a 12 organizações que operam na Florida, Washington e Madrid no ramo da indústria anti-cubana.

O ministro também denunciou a existência de uma operação tóxica nas comunicações e redes digitais: “É uma política de incentivo ao ódio, incitamento à violência e instigação ao crime”.

“O governo cubano, estreitamente unido ao nosso povo e em resposta ao amplo consenso maioritário que existe no nosso país, impedirá qualquer tentativa de acções anticonstitucionais que visem uma mudança de regime em Cuba”, disse ele.

Rodríguez Parrilla salientou que a Constituição não poderá ser invocada para a violar, ignorar ou destruir.

“O nosso povo continuará a fazer os maiores esforços para superar as dificuldades económicas sofridas por todas as famílias cubanas, e fá-lo-emos com o nosso trabalho e pensando nos nossos próprios recursos”, acrescentou ele.

O ministro cubano disse que qualquer tentativa de interferir e intervir contra a independência e soberania de Cuba será impedida.

“A política dos EUA contra Cuba está condenada ao fracasso, é inviável, não funciona há 60 anos, não funciona agora e não irá funcionar no futuro. Acorda desse sonho, acorda dessa miragem, não vai acontecer”, afirmou ele.

Rodríguez Parrilla reiterou que a política de Washington em relação à ilha é disfuncional, obsoleta, enraizada no passado, ineficaz e dispendiosa para os contribuintes americanos.

A este respeito, o ministro apelou à solidariedade da comunidade internacional, da Assembleia Geral das Nações Unidas, e expressou a sua gratidão pela solidariedade demonstrada por muitas pessoas em todo o mundo para com a maior das Antilhas.

Denunciou também ameaças contra embaixadas cubanas e correspondentes de imprensa estrangeiros acreditados em Havana.

“Apelo ao governo dos Estados Unidos para que ponha fim ao assédio aos jornalistas do território americano”, disse ele.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano apelou à defesa do direito internacional e do direito dos povos à autodeterminação.

“O nosso povo exercerá o seu direito à paz”, concluiu ele.

Parlamentares e activistas latino-americanos condenam o bloqueio dos EUA a Cuba .

#CubaNoEstaSola #PuentesDeamor #ElBloqueoEsReal #ACubaPonleCorazon #SolidaridadVSBloqueo #CubaSoberana #TodoPorLaRevolucion

#Cuba pede o cumprimento do programa global contra o racismo, a xenofobia e a discriminação.

#Cuba #DesarrolloSostenible #Minrex #NacionesUnidas #Racismo

Declaração do Ministério das Relações Exteriores de #Cuba sobre a #Colômbia.

#Cuba #Minrex #Colombia #ManipulacionPolitica #AcuerdoDePaz #Bogota

Díaz-Canel parabeniza o Partido dos Trabalhadores Brasileiros .

#Cuba #Brasil #LulaDaSilva #PT #Minrex #Cine #SolidaridadConCuba #ElBloqueoEsReal

Autor: Redacción Internacional | internacionales@granma.cu

O presidente cubano, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, parabenizou ontem, por meio do Twitter, o Partido dos Trabalhadores (PT) do Brasil, por ocasião dos 41 anos de sua fundação, ocorridos em 10 de fevereiro de 1980.

Em sua mensagem, ele elogiou os anos de luta da organização política de esquerda e lembrou o marco que, em 2003, significou a vitória nas urnas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, líder do PT.
«Parabéns ao PT pelos 41 anos de fundação, anos de luta, nos quais, com a vitória de Lula em 2003, tem defendido a democracia e políticas exitosas de justiça social e desenvolvimento econômico para fazer do Brasil um país melhor. Juntos defendemos a paz e um mundo melhor ”, disse o Chefe de Estado.

Imagen

Recentemente, Lula da Silva esteve em Havana para participar das filmagens de um documentário dirigido pelo cineasta americano Oliver Stone e, como parte da visita, se reuniu com o Primeiro Secretário do Partido Comunista de Cuba, General do Exército Raúl Castro Ruz. No qual também participaram o Presidente, o Primeiro Ministro e o Chanceler cubano.

Na ocasião, Lula agradeceu à Ilha o apoio em exigir sua plena liberdade e condenou o endurecimento do bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos a Cuba há quase seis décadas. Os políticos discutiram os laços históricos de fraternidade entre os dois povos e organizações.

O cinismo de Dita Charanzová, vice-presidente do Parlamento Europeu.

#UnionEuropea #DitaCharanzová #Minrex #Cuba #BrunoRodriguez #MafiaAnticubana #MercenariosYDelincuentes #DerechosHumanos #CubaSalva #EEUUBloquea #Washington #RevolucionCubana #RedesSociales #SubversionContraCuba #ONU #Chile #Colombia #Ecuador #Peru #Brasil #Guatemala #JairBolsonaro #LeninMoreno #DonaldTrumpCulpable #Covid-19 #SaludMundial #JoseMarti

Conhecida por suas posições de extrema direita e fiel seguidora da linha política de Donald Trump, a tcheca Dita Charanzová, vice-presidente do Parlamento Europeu, não para de atacar Cuba e acusá-la de “violar” direitos humanos, mas sim de violações verdadeiras e criminosas por governos semelhantes a Washington, não diz uma única palavra.

Mais parecida com uma subordinada do Departamento de Estado ianque do que com o próprio Parlamento Europeu, Charanzová tenta formar uma matriz de opinião contra a Revolução Cubana, em busca da entidade que representa para romper os acordos entre a Ilha e a União Europeia, com a evidente interesse em retomar a fracassada Posição Comum, proposta por José María Aznar, outro peão dos Estados Unidos.

Internet

A que liberdades básicas e direitos humanos você se refere ao atacar Cuba?

Como se tivesse copiado o discurso de Donald Trump em 16 de junho de 2017 em Miami, a citada recentemente declarou:

“É hora de perceber que nossa estratégia atual não está funcionando em benefício do povo cubano.”

Seguindo a mesma tática ianque de querer afogar o povo cubano, passa a confundir parlamentares e a opinião pública europeia que os direitos humanos são “violados” em Cuba, tudo dentro do contexto lançado pelos ianques para defender a contra-revolução interna na Ilha, criada e financiado pelos Estados Unidos, que não tem nenhum reconhecimento popular, por sua falta de moral, ética e seu caráter mercenário.

Suas declarações fazem parte do recente encontro bilateral entre a União Européia e Cuba, situação que amarga o Departamento de Estado por insistir em isolar a Revolução e intensificar sua guerra econômica, comercial e financeira, em meio à terrível pandemia que atinge o mundo.

Para aborrecimento da máfia terrorista anticubana de Miami e dos políticos norte-americanos que se opõem a uma melhora nas relações com Havana por parte do novo governo Joe Biden, o pronunciamento da reunião bilateral presidida pelo chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, e pelo chanceler cubano Bruno Rodríguez Parilla, afirma:

“Houve um debate frutífero com o Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, sobre as relações gerais UE-Cuba e o impacto das sanções dos EUA na economia cubana e nos interesses comerciais e de investimento da UE.”

Esta posição não é aceita por Washington, que imediatamente moveu seus peões para criticá-la e combatê-la.

O mundo pôde acompanhar a TV cubana internacional, a verdade sobre o fabricado “Movimento San Isidro”, que não é um movimento nem tem seguidores, é formado por pessoas de baixa moral, que jamais seriam aceitas em nenhum país da educada e educada Europa.

Fundación Nacional Cubano Americana - Dita Charanzova exige liberación de  presos políticos | Facebook

O apelo das redes sociais para se concentrarem perante o Ministério da Cultura, no final de 2020, foi promovido por outra das peças ianques, Tania Brugueras, uma provocadora de longa data em ações subversivas, que conquistou através da mentira, arrastando vários jovens da arte estudantes e até artistas consagrados que, ao sentirem a verdade nos vídeos veiculados na TV, se distanciaram do embuste sedicioso da embaixada dos Estados Unidos em Havana, prova da falta de autenticidade daquele inventado “Movimento”.

As evidências mostram que por trás da tcheca Dita Charanzová está a mão dos ianques, fazendo parte de suas tendenciosas campanhas apoiadas pela mídia pela Rádio Televisión Martí, geradora da guerra psicológica contra Cuba, criada e financiada pelo governo dos Estados Unidos. apesar de nunca ter sido ouvido ou visto na rádio e na televisão da ilha.

A ultradireita pró-ianque do Parlamento Europeu pretende sancionar Cuba pela suposta violação dos direitos humanos, porém não se pronuncia a favor da sanção da Colômbia pelos 84 massacres perpetrados em 2020 e outros 6 até 24 de janeiro de 2021, executado por forças paramilitares protegidas pelo regime de Iván Duque, irmão próximo dos Estados Unidos.

Um relatório recente do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, reconhece esses crimes, entre os quais há 19 crianças, 12 mulheres e mais de 352 pessoas assassinadas, muitas delas líderes sociais.

Quando esses crimes ocorreram em Cuba?

Nem um único contra-revolucionário assassinado ou desaparecido em 62 anos da Revolução.

Por que Dita Charanzová não adota posição semelhante contra o governo de Sebastián Piñera, por suas violações permanentes dos direitos humanos no Chile, onde a polícia atira em jovens que exigem justiça social, trabalho, melhor educação e eliminação das desigualdades?

La guerra mediática de #EEUU contra #Cuba; Visión histórica y percepción  política | Cuba por Siempre

O que acontece no Peru e na Guatemala com o pessoal de saúde que não preocupa o MEP?

Onde está sua consciência diante do panorama de saúde sofrido pelo povo brasileiro, diante da falta de sensibilidade do regime de Jair Bolsonaro, onde cemitérios não chegam para enterrar os cadáveres?

Quais foram suas propostas de sanções contra o regime de Lenin Moreno no Equador, por não ter programas de saúde eficazes, que resultou na morte de pacientes Covid-19 no meio da rua sem assistência?

Qual resolução você aprovou contra o governo de Donald Trump, diante do péssimo manejo da pandemia, que tornou o país mais rico do mundo o mais infectado e com o maior número de mortes em todo o planeta?

Há muita hipocrisia e cinismo no Checo Charanzová, combinado com seu ódio contra um pequeno país, que defende seu sistema socialista que permite cuidar de todos os seus cidadãos, manter um forte sistema de saúde, educação e previdência social que Ninguém, apesar das 242 sanções impostas pelos Estados Unidos somente em 2020, algo que parece não importar para esta mulher que se esforça para agradar seus patrões ianques.

José Martí foi exatamente quando disse:

“É considerado crime querer forçar a opinião pública”

O Chanceler cubano participa do III Conselho Conjunto de Cuba com a União Européia.

#Cuba #CubaUE #CanalCaribe #Minrex #UnionEuropea #BrunoRodriguez #ElBloqueoEsReal #BloqueoNoSolidaridadSi #PuentesDeAmor #Covid-19 #TerrorismoMadeInUSA #LeyHelmsBurton

Cuba é uma nação pacífica vítima do terrorismo dos Estados Unidos.

#Cuba #EstadosUnidos #TerrorismoMadeInUSA #TerrorismoNuncaMas #MercenariosYDelincuentes #Minrex #CubaSalva #EEUUBloquea #ElBloqueoEsReal #DonaldTrumpCulpable #MikePompeo #MafiaCubanoAmericana

Autor: Nuria Barbosa León | internet@granma.cu

«Cuba se opõe ao terrorismo: foi vítima deste flagelo, nunca patrocinou. O desacreditado governo Trump faz todo o possível para travar e impedir uma melhoria nas relações durante a presidência de Biden “, disse o Presidente da República, Miguel Díaz-Canel, em sua conta no Twitter, comentando sobre a inclusão fraudulenta e arbitrária das Grandes Antilhas como uma nação que favorece essa prática denegrente.

O Parlamento cubano também rejeitou a presença do país na lista espúria, por meio de uma declaração de sua Comissão de Relações Internacionais, na qual denunciou que “os Estados Unidos não têm autoridade nem mandato, muito menos moral para fazê-lo, quando realmente o são. aqueles que promovem, patrocinam e financiam o terrorismo, protegendo seus agentes e verdadeiros assassinos que, depois de seus crimes, vagam livremente pelos Estados Unidos. Denunciamos perante os legisladores de todo o mundo esta nova agressão.

«Nosotros insistimos en que se trata de una calumnia, de una injuria contra Cuba, y de que el Secretario de Estado deliberadamente miente al calificar a Cuba como un país patrocinador del terrorismo», afirmó Fernández de Cossío. fotocomposición tomada de internet

A esse respeito, Carlos Fernández de Cossío, diretor-geral para os Estados Unidos do Ministério de Relações Exteriores, afirmou, perante a imprensa, que “o Secretário de Estado. Michael Pompeo, mente deliberadamente.

Nosso país não reconhece autoridade para essa lista porque ela é concebida por eles mesmos, disse o diplomata. “Seu único propósito é difamar países com os quais os Estados Unidos têm desacordos ou divergências.” Acrescentou que Cuba tem sido vítima de terrorismo organizado, financiado e perpetrado pela Casa Branca, ou por indivíduos e organizações que residem ou operam no território dessa nação, sob a tolerância dessas mesmas autoridades.

Ele argumentou que a nova agressão responde a um oportunismo político dos funcionários que se sentem endividados, derivado das recentes promessas eleitorais. Deve-se também àqueles que promovem favores, voltados para o ano de 2024 a grupos minoritários de pessoas.

“Há outra razão adicional, esta medida é tomada por um governo cessante com o objetivo óbvio de tentar impor obstáculos a qualquer futura recomposição das relações entre Cuba e os Estados Unidos”, disse ele, acrescentando que outro de seus objetivos é impactar a comércio, finanças e transações gerais com nosso país.

Rodríguez Parrilla: qualificação “hipócrita e cínica” de Cuba como Estado patrocinador do terrorismo.

#Cuba #EtadosUnidos #MikePompeo #TerrorismoMadeInUSA #DonaldTrumpCulpable #ForaTerump #NoMoreTrump #JoeBiden #ElBloqueoEsReal #PuentesDeAmor #CubaSalva #EEUUBloquea

%d bloggers like this: