Coragem!

#CubaPorLaVida #FuerzaMatanzas #RevoluciónCubana #CubaNoEstaSola

Autor: Yeilén Delgado Calvo | nacionales@granma.cu

No solo, o calor é opressivo, e a tensão é sufocante. Todos permanecem atentos às suas tarefas e às vozes de comando. O fogo não pára, nem a vontade de o extinguir. Parece ser David contra Golias. A coragem dos bombeiros.

No ar, os helicópteros deixam cair as suas cargas de água sobre as chamas, que as engolem, sedentas. As viagens repetem-se uma e outra vez. É uma questão de não desistir. A coragem dos pilotos.

Uma ilha que se recusa a dizer, perante a adversidade, “Desisto”, que se torna uma única voz de encorajamento, um abraço e um “Matanzas, aqui estou eu”. Foto: Ricardo López Hevia

De volta ao chão, um assobio começa a soprar, curto e constante. É o sinal do observador da cena para sair a toda a velocidade; as forças obedecem, mas sem correr, não há sinais de desespero na firma, passos apressados. Estarão de volta dentro de pouco tempo.

Ao mesmo tempo, outros trabalham para impulsionar a água, os socorristas permanecem atentos aos ferimentos de uma tarefa tão extrema, os chefes indicam e controlam a partir do epicentro da catástrofe. A coragem destes homens e mulheres.

Na zona industrial de Matanzas, os combates nunca param. Após cada retirada táctica, há um novo posto avançado, para cavar trincheiras para evitar a passagem de combustível, arrefecer as superfícies, avaliar danos e riscos.

Do outro lado da baía, o peito encolhe a cada nova explosão, e pensa-se imediatamente no que aqueles que lá estão, de frente para o fogo, devem estar a sentir, se de longe podem experimentar tal medo. A sua coragem é toda a resposta.

Matanzas e o seu povo resistem, apesar das poucas horas de sono, apesar do nervosismo lógico de um incêndio em curso e da coluna de fumo que se aproxima como uma ameaça negra.

A coragem daqueles que, superando tudo isto, oferecem as suas casas e os seus meios de transporte, o seu sangue e a sua comida, os seus braços e os seus conhecimentos.

Coragem das famílias de outras partes de Cuba que conhecem os seus em combate corpo a corpo com as chamas, e coragem dos venezuelanos e mexicanos que também os enfrentam.

Coragem por parte das autoridades que não falharam, e que também receberam queimaduras e ferimentos nestes dias fatídicos, que também não puderam descansar, com o significativo peso adicional da responsabilidade.

Finalmente, a coragem da ilha, que se recusa a dizer “Desisto” perante a adversidade, que se torna uma única voz de encorajamento, um abraço e um “Matanzas, aqui estou eu”. David derrotou Golias. Não seremos menos.

“Opositores” orgulhosos de um homem imoral, e elogia os assassinos QUID PRO QUO?

#CubaNoEstaSola #TerrorismoMadeInUSA #InjerenciaDeEEUU #MafiaCubanoAmericana #LaVerdadDeCuba

Raúl, ou seja, a lealdade.

#RaúlCastro #HistoriaDeCuba #RevolucionCubana #CubaViveYTrabaja

Autor: Yeilén Delgado Calvo | nacionales@granma.cu

Estamos em Agosto de 1958, e o jovem de 27 anos já está a comandar uma frente de guerrilha. Tinha visto muitos dos seus camaradas cair e colocar a sua própria vida em perigo no difícil caminho para salvar a honra da pátria.

Após visitar o túmulo de um combatente, escreve no seu diário de campanha: “Jurei não descansar durante a minha vida na luta contra os inimigos que virão no decurso da nossa difícil tarefa como revolucionários honestos, e jurei apresentar-me limpo e feliz por ter cumprido plenamente o meu dever”.

O jovem é Raúl Castro Ruz, e, como tinha feito até esse momento, permanecerá fiel a esse juramento ao longo de uma vida extraordinária, resumida numa palavra: lealdade.

Foto: Roberto Chile

O fragmento do diário, considerado pelos especialistas do Complexo Histórico da Segunda Frente Oriental, o testamento político do combatente Raúl, foi partilhado pelo Daily Sánchez Lemus, vice-director do Gabinete de Assuntos Históricos da Presidência, no painel Raúl é Raúl, que no Centro Fidel Castro esta quinta-feira prestou homenagem ao 91º aniversário do General do Exército, líder da Revolução Cubana.

Perante uma audiência de jovens das Forças Armadas Revolucionárias e do Ministério do Interior, Sánchez Lemus, Elier Ramírez Cañedo, vice-director do Centro, e Katiuska Blanco Castiñeira, chefe do Departamento de Estudos Biográficos e Obras do Comandante-em-Chefe do Centro, destacaram a imensurável lealdade de Raúl ao seu irmão, baseada na admiração e respeito mútuos; E relataram a anedota do momento em que Raúl, no meio da guerra, se encontrava entre a arma de raios de um insubordinado e Fidel.

Raúl é apaixonado pela história e acredita que aqueles que a fizeram têm o dever de a contar, e ele encorajou a que isso acontecesse. Também mantém um compromisso total com a memória dos mártires; a sua veneração pelos seus amigos que caíram na luta, José Luis Tasende e Ñico López, foi especialmente mencionada no painel.

Ramírez Cañedo falou de um homem modesto, que se esquiva do reconhecimento; um homem dedicado ao trabalho e que prefere os actos às palavras; um homem jovial e cativante; um organizador nato e um líder intransigente face à injustiça, que afirmou que o General do Exército é um líder que transcende as fronteiras de Cuba, e um ponto de referência para todos os revolucionários.

“A história não se faz sem sacrifício pessoal”, recordou Katiuska Blanco, e destacou a ternura e sensibilidade de Raúl como irmão, e como marido de Vilma; assim como o amor e o humanismo que o distinguem como comunista.

O homem que continuou o legado de Fidel na liderança do país, a partir da sua singularidade como estadista, e que continua “com o pé no estribo”, pronto a dar de si mesmo pela ilha, foi agradecido pela frutuosa dedicação de mais de 70 anos de luta, aquela que preenche a frase: “Raúl é Raúl” com significado.

MUITO FORÇADO!!! Sasha Ota Ola não faz os seus trabalhos de casa “como de costume” e parece um palhaço ridículo.

#CubaViveYAvanza #CubaViveYRenace #RevolucionaCuba #CódigoDeFamiliaCubana

Manu, mais um cubano nas Ruas de Havana . #ManuPineda #CubaEsSegura #CubaViveEnPaz #LaRazonEsNuestroEscudo #NoTeMetasConCuba

#ManuPineda #CubaEsSegura #CubaViveEnPaz #LaRazonEsNuestroEscudo #NoTeMetasConCuba

Cuba é uma democracia .

#RevolucionCubana #CubaSoberana #CoCubaNoTeMetas

Por: Pedro Miguel

Estou farto de ler que Cuba é uma ditadura, por isso escrevi algumas notas para provar que não é: pelo contrário, a democracia reina em Cuba. Vejamos:

Em democracias representativas como a Grã-Bretanha e Espanha, o chefe de Estado não é eleito pelo povo: o cargo é hereditário.

Tal como nesses países, na Alemanha e noutras repúblicas parlamentares, o chefe de governo é eleito, mas não directamente: os eleitores votam nos representantes e são os representantes que elegem o chefe de governo.

O mesmo é verdade em Cuba: de 5 em 5 anos os cidadãos elegem os membros da Assembleia Nacional do Poder Popular de 605 membros. A constituição declara que é “o órgão supremo do poder estatal” e representa “todo o povo e expressa a sua vontade soberana”.

A Assembleia Nacional do Poder Popular elege de entre os seus deputados aqueles que compõem o Conselho de Estado, “o órgão que o representa entre sessões, executa as suas resoluções e desempenha as outras funções que a Constituição e a lei lhe atribuem”.

Esta assembleia elege também o Presidente e o Vice-Presidente e nomeia, sob proposta do Presidente, o Primeiro-Ministro e os membros do Conselho de Ministros; elege o Presidente do Supremo Tribunal e os seus juízes, o Procurador-Geral da República, a Controladoria-Geral da República e outros funcionários.

Todas as pessoas com 16 anos ou mais têm o direito de votar livremente, igualmente, directamente e por escrutínio secreto. Todos têm o direito de votar. Os candidatos não são nomeados pelos partidos, mas por assembleias de bairro ou de circunscrição e organizações sociais. Qualquer pessoa pode nomeá-los.

As assembleias são obrigadas a equilibrar o género, a cor da pele e o fundo social para assegurar uma representação justa e pluralista.

Nas assembleias, são apresentadas as qualidades dos nomeados e os participantes decidem por maioria de votos através de uma votação por braço erguido sobre as nomeações.

As campanhas eleitorais são proibidas; as fotografias e curricula vitae dos candidatos são simplesmente divulgadas e realizam reuniões com os eleitores nos locais de trabalho, cooperativas, escolas, etc.

Para ser eleito, é necessária uma maioria absoluta; se nenhum dos candidatos atingir metade mais um dos votos válidos, os dois com mais votos vão para uma segunda volta.

A partir de 1993, Fidel e Raúl Castro submeteram-se periodicamente ao veredicto dos eleitores. Concorreram como candidatos a deputados e venceram invariavelmente nos seus respectivos distritos.

As urnas eleitorais são guardadas por crianças e jovens pioneiros, seladas no final da votação e depois contadas publicamente. Os correspondentes dos meios de comunicação social nacionais e estrangeiros, membros do corpo diplomático e até turistas podem testemunhar as recontagens.

Os deputados são responsáveis pelo seu desempenho e podem ter os seus mandatos revogados em qualquer altura. Os deputados ao serviço não recebem uma remuneração monetária superior aos salários que tinham antes de entrarem para a Assembleia Nacional do Poder Popular. Este modelo tem prevalecido em Cuba nas eleições de 1976, 1981, 1986, 1993, 1998, 2003, 2003, 2003, 2008, 2013 e 2018.

Qualquer pessoa pode tornar-se deputado da Assembleia Nacional do Poder Popular, desde que consiga ganhar o apoio da sua assembleia. E qualquer pessoa pode tornar-se membro do Conselho de Estado e presidente da república, desde que consiga obter o apoio dos seus pares no mais alto órgão do poder político.

O Partido Comunista Cubano não tem carácter eleitoral; não nomeia ninguém e é um mito que todos os aspirantes a uma deputação têm de lhe pertencer.

Em suma, o lugar-comum que Cuba vive sob uma ditadura é um embuste. Em Cuba existe uma democracia sem partidos, o que não é a mesma coisa, e o poder é governado por uma constituição e um quadro legal bem definido.

É verdade que o artigo 62 da Constituição estabelece o carácter socialista do Estado cubano e a impossibilidade de alterar esta característica. Mas algo semelhante acontece em Espanha e noutros países europeus, onde não existe o direito de erradicar as monarquias por meios democráticos ou legais. No entanto, isto não significa que os meios de comunicação ocidentais estejam a lixar cerca de 24 horas por dia com a ideia de que estes são regimes ditatoriais.

E é tudo.

Tirada de CubaDebate

11 de Julho e as zonas vermelhas da realidade .

#Cuba #Periodismo #RevolucionCubana #ManipulacionPolitica

Por Redacción Razones de Cuba

O 11 de Julho fez-nos sair das zonas vermelhas da crise sanitária da COVID-19 e entrar nas zonas vermelhas da realidade. Os acontecimentos inesperados dessa data colocaram a sociedade cubana, como nunca antes, perante o dilema da “crise total” em que a pandemia está a sujeitar a nossa civilização.

Um dos mais notáveis colunistas do nosso jornalismo, José Alejandro Rodríguez, alertou para este facto numa recente reunião com o Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez. Fê-lo com a alma endurecida de alguém que dirige uma secção de leitores no diário Juventud Rebelde há mais de 20 anos, contra a maré de reviravoltas sociais, burocracia, negligência e outros fardos.

O que José Alejandro não teve tempo para narrar, em mais de quatro horas de uma reunião tão profunda como estava comprometido com o destino de Cuba, foram os tempos em que os burocratas habilitados tentavam silenciar ou mediatizar o seu Reconhecimento de Recepção. Os tempos em que, por revelarem injustiças ou marginalização entristecedora, ao contrário do sentido da Revolução, tentavam cortar ou subjugar esta prestigiosa coluna.

A importância do facto de o espaço ter sobrevivido a numerosos “golpes suaves” e outros nem tanto, em benefício do cumprimento da responsabilidade social dos media no socialismo, foi reconhecida pelo próprio Presidente da República nesse diálogo, quando comentou que usava o que ali estava exposto para o exercício do seu governo, que só pagava manipuladores e mercenários ignorariam que ele está a tentar responder ao bater do coração do povo.

E esta convergência entre a missão do jornalismo e os interesses de um Estado e de um executivo em Revolução lembra-nos que o primeiro só atingirá o seu verdadeiro significado e cumprirá a sua responsabilidade se funcionar como contrapeso e equilíbrio na sociedade, algo que não é suficientemente compreendido em todos os modelos conhecidos de socialismo, incluindo o nosso na rectificação.

Qual seria a utilidade social, ou para a irreversibilidade do projecto cubano de independência nacional e justiça social, de um modelo de jornalismo apologético ou triunfalista, alienado dos dilemas do cidadão comum ou de deformações de vários tipos, para o qual foram dirigidas as críticas dos últimos congressos do Partido Comunista de Cuba?

Reconheçamos que o derrotismo que o mecanismo de ódio e deturpação desencadeado contra Cuba tenta semear, com o seu permanente bombardeamento de desânimo, numa guerra que não tem limites éticos ou humanos, pode ser tão destrutivo como o triunfalismo ou a vanglória excessiva que altera a interpretação da realidade.

Daí a necessidade inevitável de superar o modelo de “jornalismo de Estado”, de elevada dependência institucional que a Revolução foi forçada a erguer em circunstâncias históricas muito específicas – excelentemente descrito pelo falecido Julio García Luis, vencedor do Prémio Nacional de Jornalismo no seu texto Jornalismo, Socialismo, Jornalismo: A imprensa cubana e os jornalistas no século XXI – pelo que conceptualmente chamou um modelo de auto-regulação responsável dos meios de comunicação social.

Como Díaz-Canel correctamente salientou na reunião, não se trata agora de ter vergonha do modelo jornalístico que permitiu à Revolução construir o grande consenso social num país sujeito a assédio e agressão permanentes desde 1959, face a um modelo de comunicação global profundamente injusto e assimétrico, perfidamente articulado e concebido para os interesses das elites económicas e políticas.

Seria tão absurdo rotular o modelo de imprensa revolucionário cubano de fracasso como seria irresponsável persistir na sua inalterável permanência. A este respeito, Julio García Luis demonstrou suficientemente que a resolução dos problemas do jornalismo não é suficiente para resolver os défices do nosso socialismo, mas sem o fazer seria impossível fazer este último.

É necessário compreender que estes consensos, assim como a hegemonia dos ideais revolucionários que levaram a Revolução até agora vitoriosa, não são construídos da mesma forma no século XXI. Isto é muito mais complexo numa sociedade em transformações radicais, com pesadas dívidas sociais acumuladas apesar do seu imenso trabalho de justiça, e sujeita à asfixia de um bloqueio imperial levado ao paroxismo.

Daí a necessidade inescapável, como declarou Ariel Terrero Escalante, vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas Cubanos (UPEC), no diálogo, de promover novas formas de comunicação política e mediática. Isto exige que se evite qualquer tipo de confusão entre os dois, numa era de expansão acelerada da Internet e a perda de hegemonia dos sistemas tradicionais face à expansão das redes sociais e à profunda segmentação dos públicos.

Um padrão actualizado de jornalismo exige um novo tipo de relação entre o sistema de instituições públicas e o sistema de meios de comunicação social, que visa tornar os meios de comunicação social parte dos mecanismos de controlo social, como o próprio Díaz-Canel reconhece.

A concretização do acima referido, incluindo formas modernas e transparentes de comunicação institucional, impede o que Rosa Miriam Elizalde, primeira vice-presidente da UPEC, chamou o choque telúrico de 11 de Julho, favorecido por problemas de gestão da comunicação num cenário clássico de guerra não convencional e o uso avassalador da ciência e da tecnologia.

Muitas das chaves da transformação emergiram de outras reflexões na reunião. Tanto Edda Diz Garcés, director da Agência Cubana de Notícias, como Armando Franco Senén, chefe da revista Alma Máter, destacaram o valor essencial do tempo no exercício jornalístico de hoje, a combinação de racionalidade e emoção, bem como os danos do silêncio, a falta de transparência institucional e mesmo os tons da comunicação. O director da Alma Máter insistiu na singularidade e urgência de um tipo de jornalismo feito para os jovens.

Os jovens colegas Lirians Gordillo e Cristina Escobar, da Editorial de la Mujer e do Sistema Informativo de la Televisión Cubana, respectivamente, sublinharam a franqueza do diálogo com aqueles que pensam de forma diferente, com aqueles que discordam da acomodação de ideias e não são, portanto, antagónicos, bem como o valor da controvérsia e da crítica. E tudo isto com um discurso renovado, moderno, cientificamente apoiado, muito longe do propagandismo ostensivo.

Enquanto os Estados Unidos e a direita mundial querem vender-nos a panaceia idílica do jornalismo privado, ao serviço dos poderosos e dos ricos, e pagam muito bem para estabelecer um sistema paralelo deste tipo em Cuba, não devemos deixar de insistir no contrário, um sistema nunca erguido até hoje, parte dos mecanismos de uma democracia verdadeiramente popular.

Para que o discurso revolucionário dos meios de comunicação social seja legitimado face à pluralidade de audiências e interesses actuais, deve estar especialmente ligado à realidade. Não pode ser alienado ou mudo perante as complexas geografias sociais que decidem a verdadeira plenitude da justiça no socialismo.

Um Instituto para uma comunicação socialista autêntica
O Instituto de Informação e Comunicação Social, cuja criação foi anunciada no jornal oficial na terça-feira, está em construção há vários anos e deverá contribuir para resolver os problemas estruturais da imprensa e da comunicação na sociedade cubana.

Espera-se que a instituição ofereça coerência ao cumprimento da Política de Comunicação do Estado e do Governo aprovada em 2018, a primeira do seu género após o triunfo da Revolução. Esta política reconhece a informação como um bem público e um direito do cidadão.

Embora com uma visão e missão muito mais abrangente e integradora, a emergência do Instituto deverá facilitar o progresso para novos modelos de imprensa e comunicação pública, uma necessidade acentuada pela rápida imersão de Cuba na chamada era de convergência e no cenário de guerra híbrida que o país enfrenta.

Em frente, com vista a resolver estes problemas estruturais, está a aprovação de um instrumento jurídico, já incluído no calendário parlamentar, que daria garantias para os direitos à liberdade de imprensa e à liberdade de expressão consagrados na nova Constituição.

No seu encontro com jornalistas, o Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, reiterou uma vontade política que já tinha sido salientada muitas vezes: compreender a gestão da comunicação como algo vital e, portanto, revolucionar a sua gestão. Salientou que é por isso que a comunicação é um dos três principais pilares do país, juntamente com a informatização, a ciência e a inovação.

Extraído de Juventud Rebelde

Ministério dos Negócios Estrangeiros denuncia ataque terrorista contra a embaixada cubana em #França .

#RevolucionCubana #Paris #Washington @EmbaCubaFrancia #TerrorismoNuncaMas #CubaNoEstaSola

Muito desespero para ser este “O ESCOLHIDO”

#CubaNoEsMiami #vergüenza #COVID #Cuba #RedesSociales #ManipulacionmMediatica #MINTCULT #MercenariosYDelincuentes #TerrorismoMadeInUSA #Sanciones #MafiaCubanoAmericana #DonaldTrumpCulpable

O verdadeiro pano de fundo das provocações na sede do Ministério da Cultura .

#MINCULT #RevoluciónCubana #Cuba #FakeNewsVSCuba #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #SubversionContraCuba #CubaEsCultura #CubaSeRespeta

%d bloggers like this: