Americam Latina

A Lei Genocida Helms-Burton .

Por Miguel Ángel García Alzugaray

É indiscutível que o bloqueio do imperialismo ianque contra Cuba envolve uma conduta criminosa por parte do Governo dos Estados Unidos que, devido ao seu alcance e conteúdo, pode ser qualificado de genocídio, uma vez que é levado a cabo em total violação do direito internacional, a fim de submeter intencionalmente o nosso povo a condições de existência que lhe causaram enormes danos humanos, materiais, económicos e financeiros, totais ou parciais, a fim de enfraquecer a sua decisão de lutar e vencer, e de o levar a desistir da sua decisão de ser soberano e independente.

É conveniente recordar que o genocídio foi definido como: “A implementação de acções coordenadas destinadas a destruir os elementos decisivos da vida dos grupos nacionais, com o objectivo da sua aniquilação”.

Do ponto de vista jurídico, o genocídio, seja cometido em tempo de paz ou em tempo de guerra, é considerado um crime grave à luz do direito internacional.

O genocídio é actualmente regulado pela Convenção sobre a Prevenção e Punição do Crime de Genocídio de 1948 e pelo Estatuto de Roma de 1998 do Tribunal Penal Internacional (TPI) (que entrou em vigor em 2002).

Entre os numerosos regulamentos dos EUA que implementam e consolidam a criminosa guerra económica e financeira contra Cuba, a chamada Lei Helms-Burton destaca-se pela sua natureza marcadamente desumana.

A referida lei entrou em vigor em 1996. Foi concebido para codificar e endurecer a política de bloqueio económico, comercial e financeiro oficialmente imposta em 1962, com o objectivo de subverter e derrubar o governo cubano e impor um regime ao gosto do governo dos Estados Unidos.

É composto por quatro títulos e tem sido aplicado desde a sua promulgação. Caracteriza-se pelo seu âmbito extraterritorial extremo, por violar as normas e princípios do Direito Internacional, por violar as regras do comércio e das relações económicas internacionais e por ser prejudicial à soberania de outros Estados, principalmente pela aplicação das suas disposições contra empresas e pessoas estabelecidas no seu território.

O Título III estabelece a autorização para os cidadãos norte-americanos intentarem acções judiciais nos tribunais norte-americanos contra qualquer estrangeiro que “trafica” em propriedades norte-americanas nacionalizadas em Cuba nos anos 60, num processo legítimo, reconhecido pelo Supremo Tribunal dos EUA, levado a cabo pelo governo cubano em plena conformidade com a lei nacional e o direito internacional.

Entre as aberrações mais significativas, este título estende esta autorização aos proprietários que não eram cidadãos americanos na altura das nacionalizações e cujas supostas propriedades ninguém certificou.

A história regista com suficiente clareza que a política de bloqueio económico e os problemas bilaterais entre Cuba e os Estados Unidos não têm a sua origem nas nacionalizações justas que, de acordo com a lei e com direitos legítimos, foram levadas a cabo pelo governo revolucionário. As agressões militares, económicas e terroristas do governo dos Estados Unidos começaram contra Cuba antes dos actos fundamentais de nacionalização das propriedades americanas.

Título I de la Ley Helms Burton, consecuencias que persigue - Tiempo21

É bem conhecido que todas as nacionalizações de propriedades estrangeiras, incluindo propriedades americanas, contemplavam na lei um compromisso de compensação,
que o governo dos E.U.A. se recusou sequer a discutir, enquanto que foi assumido pelos governos dos requerentes de outros países, todos eles beneficiando da devida compensação que todos beneficiaram da devida compensação.

Ao abrigo das disposições da própria Lei Helms-Burton, todos os presidentes dos EUA desde 1996, incluindo Trump em 2017 e 2018, fizeram uso consecutivo do poder executivo para suspender a implementação do Título III de seis em seis meses, com base no reconhecimento de que este consiste no aspecto mais grosseiro e inaceitável deste contra o direito internacional e a soberania de outros Estados.

Também no entendimento de que a sua implementação criaria obstáculos intransponíveis a qualquer perspectiva de regularização de sinistros e indemnização aos legítimos proprietários dos EUA.

Esta lei foi quase unanimemente rejeitada pela comunidade internacional nas Nações Unidas, em organismos internacionais especializados e em organizações regionais como a Comunidade dos Estados da América Latina e das Caraíbas e a União Africana. Vários países têm leis nacionais para lidar com os efeitos extraterritoriais desta lei.

Em geral, esta monstruosidade legal é o resumo das posições mais agressivas contra Cuba e representa a estratégia mais revanchista que a extrema-direita cubano-americana em Miami concebeu para tentar destruir a Revolução Cubana.

A este respeito, é de notar que no passado 16 de Janeiro de 2019, o Departamento de Estado dos EUA anunciou a decisão de suspender por apenas 45 dias a aplicação do Título III da Lei Helms-Burton, “para realizar uma revisão cuidadosa… à luz dos interesses nacionais dos EUA e dos esforços para acelerar a transição para a democracia em Cuba, e para incluir elementos como a brutal opressão dos direitos humanos e das liberdades fundamentais por parte do regime e o seu apoio imperdoável aos regimes cada vez mais autoritários e corruptos na Venezuela e na Nicarágua”.

Com isto, o governo do então Presidente Donald Trump deu um novo passo que reforçou, de uma forma perigosa, o bloqueio contra Cuba, violando de forma flagrante o direito internacional.

Tendo em conta o acima exposto, vale a pena reflectir sobre o alcance e o conteúdo deste corpo de direito anti-cubano.

Contexto político

Colectivo de la Embajada rechaza la Ley Helms-Burton. | Embajadas y  Consulados de Cuba

Dada a continuidade do processo revolucionário e os sinais de recuperação económica, a extrema-direita cubano-americana em Miami e os sectores políticos americanos mais conservadores aumentaram a sua pressão para tomarem medidas mais eficazes, fundamentalmente contra o investimento estrangeiro em Cuba. Este interesse deu origem ao projecto de lei “Helms-Burton”, que é a união de várias peças legislativas propostas ao Congresso entre 1994 e 1995, principalmente pelos representantes cubano-americanos Ileana Ros, Lincoln Díaz-Balart e Robert Menéndez.

Assim, nas eleições legislativas de 1994, pela primeira vez em 40 anos, os Republicanos assumiram o controlo de ambas as casas do Congresso dos EUA, o que significou uma mudança para as políticas mais retrógradas e isolacionistas do espectro político americano, e um aumento do poder de influência dos grupos anti-Cubanos, aliados tradicionais dos Republicanos.

Neste ambiente, a 9 de Fevereiro de 1995, o projecto de lei foi apresentado pela primeira vez pelo Senador Jesse Helms (Republicano da Carolina do Norte) na sua qualidade de presidente da Comissão de Relações Externas do Senado. É de notar que esta foi a primeira proposta legislativa do Senador Helms após a sua tomada de posse e após uma campanha eleitoral em que anunciou as suas intenções de aumentar as sanções contra Cuba.

Ao longo de 1995, os projectos de lei Helms (Senado) e Burton (Câmara) foram objecto de numerosas modificações e negociações, embora nenhuma delas visasse modificar a sua essência agressiva e hostil contra Cuba, e mesmo contra importantes aliados dos Estados Unidos.

Finalmente, o projecto de lei foi aprovado por ambas as câmaras em 21 de Setembro e 19 de Outubro respectivamente, após mais de 4 adiamentos na data das votações, com uma clara maioria dos votos, que ultrapassou mesmo os 2/3 necessários para invalidar um possível veto presidencial.

Em 24 de Fevereiro de 1996, teve lugar a queda dos aviões do grupo terrorista “Brothers to the Rescue”. Este incidente provocou um aumento da histeria anti-cubana por parte dos sectores mais recalcitrantes dos Estados Unidos, com uma importante repercussão nos meios de comunicação social. Isto levou directamente Clinton a 26 de Fevereiro a tomar uma série de acções contra Cuba, entre elas, manifestou o seu apoio à negociação e aprovação da Helms-Burton.

As conciliações, apressadamente levadas a cabo pela Comissão da Conferência, resultaram num projecto de lei ainda mais forte a 28 de Fevereiro que incluiu, entre outros aspectos, a codificação do bloqueio, ou seja, a sua conversão de um Regulamento Federal sob o controlo do Executivo para um Acto do Congresso, que só pode ser modificado por esse órgão legislativo; bem como a redução de outros poderes presidenciais no que diz respeito à condução da política em relação a Cuba.

A 5 de Março, o Congresso aprovou o Relatório da Comissão da Conferência (o texto do projecto de lei conciliado entre as duas Câmaras) com uma votação de 74-22 no Senado e 336-86 na Câmara dos Representantes.

Implementação

A 12 de Março de 1996, o Presidente dos EUA William J. Clinton assinou e pôs em vigor o chamado Cuban Liberty and Democratic Solidarity Act de 1996, ou Libertad Act, mais conhecido pelos nomes dos seus principais promotores, o Senador (Republicano) da Carolina do Norte, Jesse Helms, e o Representante (Democrata) do Illinois, Dan Burton, mas com o qual estão comprometidos os sectores mais conservadores e ultra-direitos do espectro político norte-americano e cubano-americano.

Desde Maio de 1996 e até hoje, o Departamento de Estado tem vindo a notificar as empresas que investem em Cuba nas chamadas “propriedades confiscadas” por meio de cartas de advertência.

Por qué la Ley Helms-Burton? • Trabajadores

Em 16 de Julho de 1996, o Título III da lei entrou em vigor, e o Presidente Clinton, fazendo uso dos poderes também previstos na legislação, emitiu uma ordem paralela de suspensão temporária por 6 meses de uma parte deste Título.

A 16 de Agosto, como resultado dos protestos e críticas à lei entre os principais aliados dos Estados Unidos no mundo, incluindo as leis antídotos promulgadas por vários países e o painel apresentado à Organização Mundial do Comércio pela União Europeia, foi anunciada a nomeação de um “Enviado Especial para a Promoção da Democracia em Cuba”, cuja principal tarefa era promover e alcançar um acordo entre os principais parceiros dos Estados Unidos no que respeita a Helms-Burton, tentando assim internacionalizar a acção desta lei.

A 20 de Setembro de 1996, com vista a implementar uma aplicação mais vigorosa da Lei, foi anunciada a criação da “Unidade para a Aplicação de Helms-Burton” no Departamento de Estado, no âmbito do Gabinete de Assuntos Cubanos.

A lei estabeleceu que o presidente teria de fazer um relatório sobre a sua aplicação do Título II, para o qual, em 28 de Janeiro de 1997, o Presidente Clinton publicou com grande publicidade o documento “Apoio a uma Transição Democrática em Cuba”, carregado de forte retórica anti-cubana, e que alargou os postulados do Título II da lei, relativos a uma suposta “transição democrática” na ilha.

Como resultado de intensas negociações, a 11 de Abril de 1997, foi anunciado o “European Union-United States Understanding”, através do qual este último conseguiu a retirada dos europeus do painel apresentado à Organização Mundial do Comércio por causa da Lei Helms-Burton, em troca da promessa dos EUA de não sancionar as empresas europeias que investem em Cuba.

Este acordo foi seguido por um segundo “Acordo sobre o Reforço da Protecção do Investimento” em Maio de 1998, através do qual a União Europeia inibiria voluntariamente os investimentos em Cuba em “propriedades confiscadas” em troca do compromisso da Administração de trabalhar para a eliminação do Título IV de Helms-Burton. Posteriormente, houve várias rondas de negociações entre as partes nas quais, entre outras disputas comerciais, foi discutido o progresso destes compromissos, especialmente dada a incapacidade da Administração Clinton de obter uma emenda do Congresso ao Título IV; entretanto, não houve sanções contra empresas europeias.

Interpretação

A lei estabelece que qualquer empresa não americana que tenha relações com Cuba pode ser sujeita a represálias legais, e a gestão da empresa pode ser impedida de entrar nos Estados Unidos. Isto significava que as empresas internacionais tinham de escolher entre negociar com Cuba ou negociar com os Estados Unidos, que é um mercado muito maior.

Politicamente, esta lei pretende aumentar o clima de hostilidade na política dos EUA em relação a Cuba, forçar a destruição da Revolução Cubana, e economicamente, intimidar os empresários estrangeiros por todos os meios possíveis para tentar impedir o investimento e o comércio internacional com Cuba.

Instrumentos legais que viola

A Lei Helms-Burton viola de forma flagrante as leis e direitos humanos do povo cubano, a Constituição dos Estados Unidos e várias normas legais desse país, numerosos actos de direito internacional que regulam as relações políticas, económicas, comerciais e financeiras entre Estados, e viola a liberdade de comércio e investimento, para os quais gerou conflitos com os principais parceiros dos Estados Unidos. Entre estas violações encontram-se

O poder do Executivo para conduzir a política externa.
O princípio da “liberdade de financiamento e investimento” e “subordinação das empresas subsidiárias às leis do país residente”.
O princípio reconhecido do “respeito pela soberania dos actos das outras nações”.
A livre circulação de pessoas para efeitos de comércio.
O princípio reconhecido do “respeito pela soberania dos actos das outras nações”.
Tratados Bilaterais de Protecção do Investimento e Tratados Bilaterais de Comércio com numerosos países.
O princípio reconhecido de que “a propriedade é estabelecida de acordo com as leis do país onde está localizada”.

Consequências

Como consequência do bloqueio económico dos EUA, Cuba não pode exportar qualquer produto para essa nação, nem importar qualquer mercadoria desse país.

Não pode negociar com filiais de empresas americanas em países terceiros; não pode receber turistas americanos nem pode utilizar o dólar nas suas transacções comerciais e financeiras no estrangeiro.
Os navios e aviões cubanos não podem tocar no território dos EUA.

A exigência do povo cubano

Vale a pena notar que a 2 de Novembro de 1999, o Tribunal Provincial Popular de Havana declarou admissível o processo contra o Governo dos Estados Unidos por Danos Humanos e sancionou o povo cubano.
por danos humanos e sancionou-o para reparar e compensar o povo cubano no montante de 181,1 mil milhões de dólares e, em 5 de Maio de 2000, também por danos económicos causados pelos Estados Unidos da América.
por danos económicos causados a Cuba e condenou-a no montante de 121 mil milhões de dólares.

Além disso, o Ministério dos Negócios Estrangeiros reiterou a vontade de Cuba de encontrar uma solução para as reivindicações e compensações mútuas.

Em resumo, a Lei Helms-Burton mostra, mais claramente do que nunca, os verdadeiros objectivos da política de hostilidade desde o triunfo da Revolução e que esta política responde aos interesses da oligarquia fascista americana afectada por uma Revolução dedicada à independência nacional e à justiça social.

Os principais objectivos dos promotores desta legislação genocida são, do ponto de vista político, perpetuar o clima de hostilidade na política dos Estados Unidos em relação a Cuba, a fim de forçar a destruição da Revolução Cubana.

Do ponto de vista económico, intimidar os empresários estrangeiros por todos os meios possíveis, numa tentativa de impedir o investimento e o comércio internacional com Cuba.

Face às alusões imorais de Washington à aplicação do Título III da Lei Helms-Burton, Cuba rejeita esta ameaça da forma mais enérgica, firme e categórica. Considera-o como um acto hostil de extrema arrogância e irresponsabilidade, e ao mesmo tempo repudia a linguagem desrespeitosa e caluniosa da mensagem pública do Departamento de Estado.

Para o nosso povo, implica enfrentar mais uma vez, de forma firme, consciente e enérgica, a determinação do imperialismo dos EUA em submeter-se ao seu domínio e tutelar os destinos do nosso povo.
os destinos da nação cubana sob o seu domínio e tutela.

Se o Título III fosse aplicado como estabelecido por esta lei, qualquer cubano e todas as comunidades do país veriam ser instaurados processos nos tribunais norte-americanos sobre a propriedade das casas que ocupam, o local de trabalho onde trabalham, a escola que os seus filhos frequentam, a policlínica onde recebem cuidados médicos, os terrenos em que os seus bairros são construídos; e poderão ver a tentativa de usurpar aos cubanos a riqueza do país, as infra-estruturas, a terra arável, as indústrias, os recursos mineiros, o potencial energético e as bases sobre as quais a ciência e a tecnologia se desenvolvem e os serviços são prestados à população.

Todos devemos recordar o conteúdo aberrante do Plano Bush, que descreve e implementa em pormenor a forma como as famílias cubanas e o país seriam despojados de praticamente tudo.
seria despojado de praticamente tudo.

A este respeito, o Ministério dos Negócios Estrangeiros reiterou os postulados da Lei de Reafirmação da Dignidade e Soberania Cubanas (Lei n.º 80), e sublinha que a Lei Helms-Burton é ilegal, inaplicável e sem valor ou efeito legal. Consequentemente, considerará nula e sem efeito qualquer reivindicação nela baseada por qualquer pessoa singular ou colectiva, independentemente da cidadania ou nacionalidade.

O governo de Cuba reserva-se o direito de responder atempadamente a esta nova agressão.

Categories: # yo voto vs bloqueo, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #solidaridadvs bloqueo, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Americam Latina, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, Constituição é filha da Revolução, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contrarevolucion, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, CubavsBloqueo, Donald Trump, Estados Unidos, Ley Helms Burton, SANCIONES, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

Condor Planeje um fantasma que persiga os Estados Unidos.

As comunicações diplomáticas e militares de várias nações latino-americanas foram ativamente monitoradas por décadas pela inteligência dos Estados Unidos (EUA), usando máquinas de criptografia fornecidas pela empresa suíça Crypto AG, uma empresa de propriedade secreta da Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA) e a agência de inteligência alemã BND.

Os governos ditatoriais da América Latina adquiriram máquinas Crypto AG na segunda metade do século passado para executar o Plano Condor, um sistema continental caracterizado pelo extermínio e desaparecimentos forçados de opositores políticos de esquerda.

Em novembro de 1975, em Santiago, Chile, durante a reunião inaugural da operação, patrocinada pelo regime Augusto Pinochet, os líderes militares de cinco ditaduras do continente assinaram um acordo para usar um sistema de criptografia.

Os equipamentos adquiridos inicialmente foram o Crypto CX-52, mas, em 1977, eles decidiram atualizar para o Crypto H-4605, sem saber que os dispositivos eram manipulados e que os EUA Eu os usei para espionar as comunicações.

De acordo com a mídia do país do norte, os documentos mostram que os funcionários da CIA ficaram alarmados com os abusos dos direitos humanos, mas os arquivos não revelam qualquer esforço substancial das agências de espionagem ou altos funcionários para detê-los.

No plano Condor, países como Chile, Paraguai, Bolívia, Brasil, Uruguai e Argentina estavam envolvidos, mas além disso, a Crypto AG vendeu máquinas manipuladas para mais de 100 nações, incluindo Irã, Egito, Paquistão, Arábia Saudita, Itália, México, Peru, Colômbia, Venezuela e Nicarágua.

Levando em conta os países que adquiriram as máquinas Crypto AG e as datas em que foram operadas, a inteligência dos EUA. Ele ficou imediatamente ciente dos massacres na Indonésia, dos abusos do apartheid na África do Sul, do golpe militar de 1973 no Chile e do golpe de 1976 na Argentina.

Também sobre o assassinato do ex-ministro das Relações Exteriores do Chile, Orlando Letelier, em Washington, em 1976, a crise dos reféns no Irã em 1979, a revolução sandinista na Nicarágua, a Guerra das Malvinas, caso em que o governo Ronald Reagan entregou dados de inteligência ao Reino Unidos, entre outros.

No entanto, a investigação indica que os principais adversários de Washington, a antiga União Soviética (URSS) e a China, nunca foram clientes da Crypto AG, porque suspeitavam de seus laços com o Ocidente.

A empresa Crypto AG foi liquidada em 2018 e duas empresas, CyOne Security, dedicaram-se à venda de sistemas de segurança ao governo suíço e à Crypto International. Eles adquiriram seus ativos. Embora os novos proprietários afirmem que não têm conexão com serviços de inteligência, a CyOne mantém o mesmo diretor executivo da Crypto AG nas últimas duas décadas.

Em abril do ano passado, dos EUA para a Argentina desclassificaram documentos que revelam o terrorismo de estado das ditaduras e como foi realizado o Plano Condor, que mostrou seu conhecimento sobre a operação.

Categories: "Las izquierdas latinoamericanas debemos pensar porque los pobres ya no no apoyan tanto", #AmericaLatina, #China#EEUU#Iran#Nicaragua.barco hospital naval Arca de la Paz, #CIA, #Conspiracion, 70 bases nos EUA. em toda a América Latina, a luta continua, ações intervencionistas dos EUA, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), América Latina e do Caribe como Zona de Paz, América Latina y el Caribe, Americam Latina, antilatinoamericano, CIA, CIA desenvolveu a famosa Operação Mockingbird, iniciado nos primeiros anos 50 século, CIA Mike Pompeo, discurso agressivo e ofensivo contra a América Latina, eeuu, EUA contra a América Latina, interesses dos EUA, INTERVENÇÕES HUMANITÁRIAS DOS EUA, tirar a América Latina das garras dos #EUA, Uncategorized | Etiquetas: , , , | Deixe um comentário

Macri, uma pessoa má

Mauricio Macri prometeu pôr um fim às “ações” da bolsa Kirchnerist e suprimiu-o para que não chegasse mais à presidência. Mas agora, embora limitado, ele termina seu mandato reintegrando-o. No entanto, não proteger reservas internacionais e a economia popular, como foi o caso de Cristina Fernández de Kirchner (KFK). Ao contrário. Continuar a ler

Categories: Americam Latina, Uncategorized | Etiquetas: , , , , | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: