O Presidente Nicolás Maduro adverte sobre planos terroristas do governo de Iván Duque

#Venezuela #DíaDeLaIndependencia #InjerenciaDeEEUU #AgresiónYGolpeDeEstado

Análise de Cuba: EUA vs Venezuela: fim das hostilidades?

#Venezuela #Cuba #EstadosUnidos #Petroleo #Sanciones #InjereniaDeEEUU #ElBloqueoEsReal

A Venezuela denuncia um novo ataque contra o seu sistema eléctrico.

#Venezuela #Sanciones #ElBloqueoEsReal #InjerenciaDeEEUU

O vice-presidente sectorial de Obras e Serviços Públicos da Venezuela, General Néstor Luis Reverol, denunciou um novo ataque ao sistema eléctrico do país nas primeiras horas da manhã de sexta-feira.

Numa conversa telefónica com a estatal Venezolana de Televisión (VTV), o ministro da energia eléctrica disse que a agressão foi registada no complexo eléctrico de Guri, no sul do país.

La capital venezolano fue una de las ciudades afectadas por el ataque al sistema eléctrico.

A Reverol disse que funcionários da Corporación Eléctrica (Corpoelec) estão no local para iniciar operações de restabelecimento do serviço nos estados afectados pelo blackout.

Ao mesmo tempo, salientou que a experiência acumulada pelos trabalhadores do Sistema Eléctrico Nacional (SEN) permitirá a recuperação do sistema.

Durante a conversa, o Ministro Reverol salientou que está na linha da frente das manobras e operações para continuar a informar sobre a estabilização e normalização do sistema eléctrico do país.

Segundo informações, as entidades afectadas incluem diferentes áreas da capital venezuelana, Caracas, bem como áreas nos estados de Zulia, Mérida, Carabobo, Miranda, Lara, Aragua, Apure, Anzoátegui, Vargas, Bolívar, Nueva Esparta, Barinas, Trujillo, Sucre, Táchira, Falcón, Yaracuy e Portuguesa.

A Venezuela foi vítima de uma série de ataques ao seu sistema eléctrico em 2019, com uma série de interrupções de fornecimento de energia eléctrica a nível nacional. O primeiro foi a 7 de Março de 2019 e tem sido o maior apagão de electricidade na história do país sul-americano.

Os Estados Unidos e a sua cimeira antidemocrática.

#ONU #Venezuela #Nicaragua #EstadosUnidos #ElBloqueoEsReal #Sanciones #Subversion #ManipulacionMediatica

Por Arthur González

O Presidente Joe Biden apelou a uma Cimeira da Democracia a 9 e 10 de Dezembro, onde será demonstrado que a chamada “democracia ianque” não existe, apesar das suas campanhas nos meios de comunicação social pagos e das pressões ameaçadoras sobre a imprensa em sentido contrário.

O regime de Biden convida apenas aqueles que se subordinam a ele e executam as políticas que emanam da Casa Branca; mas aqueles que mantêm a sua soberania e independência nacional a todo o custo são excluídos e estigmatizados, como nos casos da Turquia, Rússia, China, Cuba, Bolívia, Nicarágua, El Salvador, Honduras, Guatemala e outras nações, prova da violação do direito a não serem discriminados devido à sua posição política, e a estabelecerem uma ordem social internacional em que os direitos e liberdades sejam plenamente efectivos, algo que os Estados Unidos violam constantemente.

Os Yankees, que defendem o multipartidarismo, a liberdade de pensamento e ideias, atacam e condenam países com sistemas nacionalistas e/ou socialistas, como Cuba, Venezuela e Nicarágua, por não se ajoelharem a seus pés e decidirem os seus próprios caminhos independentes.

Outra prova da atitude antidemocrática de Washington é não aceitar a opinião de quase todas as nações que compõem a ONU, relativamente ao criminoso bloqueio económico, comercial e financeiro imposto a Cuba, que resulta numa guerra económica total para matar o povo com fome e doença, e para culpar o sistema socialista pelas suas dificuldades, uma acção que se qualifica como genocídio de acordo com a jurisdição internacional.

A ausência de democracia nos Estados Unidos reflecte-se nos seus planos de terrorismo de Estado contra Cuba, causando centenas de mortes e mutilações, juntamente com planos para assassinar os seus principais líderes, como Fidel Castro, uma situação analisada no Congresso com base em investigações oficiais da chamada Comissão da Igreja.

De que democracia falam os ianques quando reconhecem Juan Guaidó como presidente da Venezuela, sem terem sido eleitos pelo povo, nem reconhecidos pela maioria das nações da ONU e agora rejeitados por parte da oposição venezuelana? No entanto, é um dos convidados da Cimeira de Biden.

O regime antidemocrático dos EUA deve ter em mente o conceito de democracia, que define:

“A democracia é uma forma de organização do Estado, em que as decisões colectivas são tomadas pelo povo, através de mecanismos de participação directa ou indirecta que conferem legitimidade aos seus representantes”.

Cuba, ao contrário dos Estados Unidos, tem uma forma de governo baseada no Poder Popular, um sistema que começa nos bairros de cada cidade, onde são as pessoas que discutem os seus problemas, exigem soluções e propõem aqueles que as representam nos órgãos municipais e provinciais e na Assembleia Nacional, algo que é perfeccionável e imperfeito, mas muito diferente do sistema de governo ianque, onde os candidatos a cargos políticos realizam campanhas que custam milhões de dólares e aqueles que angariam mais dinheiro são sempre eleitos, porque os pobres nunca ganharão um lugar no Congresso.

De que tipo de democracia fala Biden quando convidou os presidentes do Chile, Colômbia e Brasil, que actualmente têm menos de 30% de aprovação popular, centenas de assassinatos, torturas, desaparecimentos, detenções arbitrárias e constante repressão policial?

Para ter uma ideia clara da Cimeira, é bom ler as declarações de Ron Paul, ex-congressista republicano do estado do Texas, publicadas no site antiguerra.com, onde ele afirma:

“A Cimeira da Democracia de Biden é uma piada, porque não se trata de promover a democracia, mas sim de a minar”. “Os países cujos líderes eleitos fazem a licitação dos Estados Unidos, ignorando os desejos daqueles que os elegeram, são os favorecidos com o convite”. “Nenhum destes bajuladores estrangeiros ousa assinalar que Washington está no negócio de minar a democracia no estrangeiro, não de a promover”. “As nações que prosseguem uma política interna e externa independente das exigências do Departamento de Estado e da CIA não podem jogar na caixa de areia de Washington”.

A terminar, Ron Paul observou:

“A única coisa que os Estados Unidos exportam são planos para derrubar os governos eleitos. Para Washington, democracia significa: você elege quem nós lhe dizemos para eleger”.

As nações que têm dignidade e soberania não precisam desta Cimeira, porque ela não será mais do que uma gaiola, uma semente de pássaro, e um lugar de chafurdar para aqueles que não podem condenar os crimes de Washington, por medo das suas sanções.

José Martí tinha razão quando disse:

“Levantar a fronte é muito mais bonito do que baixá-la”.

As eleições de 21N são possíveis graças a um acordo entre os factores políticos do país.

#Venezuela #NicolasMaduro #CNE

Extraído de Pensando Américas

As eleições regionais e municipais de 21 de Novembro são o resultado da evolução da situação política nacional.

Esta evolução traduz-se num acordo eleitoral que foi concretizado no domínio dos factos, através da representação e participação das maiorias políticas do país através das suas organizações políticas, que representam as mais variadas visões da vida nacional.

Os partidos que se abstiveram em eleições anteriores, tais como os que compõem o chamado “G4”, reapareceram na cena nacional com o entendimento de que existe um quadro de garantias eleitorais que foram acordadas conjuntamente com o Chavismo e as instituições nacionais, fazendo das eleições a expressão de uma nova era institucional, sustentada pela confiança e pelo desejo de participar.

O acordo político que produziu estas novas circunstâncias, favoráveis ao desenvolvimento da vida democrática no país, teve várias fontes e origens, no âmbito de um processo de amplo diálogo com diversos sectores políticos, de âmbito e orientação ideológica diversos, cujo consenso comum foi o de estabelecer uma via para a normalização do clima político e institucional.

Estes acontecimentos chave foram:

  • Os primeiros acordos alcançados na Mesa de Diálogo Nacional em 2019, compostos por factores independentes do G4, concentraram-se em favorecer um clima de confiança e de desanuviamento das tensões.
  • A longa preparação das negociações acolhidas pelo Reino da Noruega que se concluiu na assinatura do Memorando de Entendimento da Cidade do México, que estabelece a rota eleitoral como a única possível.
  • E as negociações que, após as eleições parlamentares de 6 de Dezembro de 2020, resultaram num novo Conselho Nacional Eleitoral que incluiu figuras da oposição.

Estas condições, pacientemente tecidas durante pelo menos dois anos através de um acordo amplo e transversal, levaram à nomeação das principais forças políticas do país, o que significa uma renúncia à abstenção e o regresso de alguns sectores ao seu espaço natural na diatribe nacional através do exercício de plenos direitos.

Os processos eleitorais, que são uma parte fundamental de qualquer sistema democrático, têm a particularidade de serem, neste momento, um compromisso renovado de coexistência e reconciliação, após um período muito longo de diatribe prejudicial ao país, de crise institucional e de perturbação ao desenvolvimento da vida política da nação.

Venezuela e UE ultrapassam “impasse” em relação aos observadores eleitorais.

#Venezuela #UnionEuropea

Uma facada mortal nas negociações do México”.

#LaVerdadSiempreTriunfa #AlexSaab #Venezuela #EstadosUnidos

O Presidente venezuelano Nicolas Maduro disse domingo que os EUA sabiam que o “rapto” do seu diplomata Alex Saab iria arruinar o processo de diálogo com a oposição no México.

“O governo dos EUA sabia que ao raptar Alex Saab, membro da comissão de diálogo no México, estava a dar um golpe mortal nas conversações e negociações no México, o governo dos EUA sabia-o e ainda agiu”, disse o presidente numa emissão no canal de televisão estatal Venezolana de Televisión.

O presidente também lamentou a extradição ilegal da Saab para os EUA e anunciou que Caracas está a tomar medidas na ONU para resolver o caso do diplomata venezuelano.

Em Setembro passado, o governo venezuelano anunciou a sua decisão de acrescentar Saab ao processo de diálogo, incluindo-o como delegado pleno “à mesa redonda social que foi aprovada no acordo parcial de atenção ao povo venezuelano, assinado no México”.

O presidente indicou que, devido à extradição do diplomata, ordenou ao chefe da delegação governamental para o diálogo, Jorge Rodríguez, que se retirasse e suspendesse a viagem ao México para uma nova reunião de negociação com a oposição, marcada para domingo, 17 de Outubro; no entanto, anunciou que “outros virão”.

Além disso, denunciou que a acção das autoridades cabo-verdianas “é um rapto muito grave ao abrigo do direito internacional e diplomático”, uma vez que o Tribunal da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), “declarou em duas ocasiões que Alex Saab era inocente, que devia ser absolvido e que a extradição não era permitida e que devia ser libertado imediata e incondicionalmente”.

O diplomata venezuelano, que foi extraditado de Cabo Verde para os EUA no sábado, comparecerá perante um juiz em Miami, Florida, na segunda-feira, para formalizar a sua detenção.

Saab, que estava em prisão domiciliária desde Junho de 2020, foi transportado para Miami num avião do Departamento de Justiça dos EUA, onde enfrentará acusações de branqueamento de dinheiro no valor de mais de 350 milhões de dólares. Os procuradores dos EUA também terão aberto um processo contra vários dos associados próximos da Saab, incluindo o seu filho, bem como o seu parceiro comercial Álvaro Pulido.

Maduro: “Os EUA sabiam que ao raptar Alex Saab, estava a apunhalar as negociações do México pelas costas”.

#Venezuela #EstadosUnidos #AlexSaab #NegociacionesDePaz

A longa (e pouco conhecida) disputa territorial entre a Venezuela e a Guiana: o Essequibo .

#Venezuela #Esequivo #Guyana #AmericaLatina #EstadosUnidos #Europa #ONU

Nova ronda de diálogo entre o governo e a oposição face aos progressos eleitorais da #Venezuela.

#Venezuela #EstadosUnidos #Elecciones #Democracia #GolpeDeEstado #Politica

%d bloggers like this: