AMERICA LATINA

Cooperação, o principal desafio do mecanismo CELAC-UE

Autor: Nuria Barbosa León | internet@granma.cu

O apelo para preservar o vínculo entre a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e a União Europeia (UE), e para evitar a exclusão de qualquer nação, essencialmente a Venezuela, centrou a intervenção do Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, na Reunião Ministerial informal desse mecanismo multilateral.

De forma virtual, representantes de mais de 50 governos discutiram a necessidade de uma resposta conjunta ao COVID-19, o uso de novas tecnologias de informação e comunicação neste contexto, iniciativas de enfrentamento às mudanças climáticas, e cooperação multilateral na recuperação pós-pandemia.

Bruno Rodriguez celac ue

“As múltiplas crises agravadas pela COVID-19 e seus efeitos devastadores evidenciaram a urgência de intensificar a solidariedade e a cooperação internacional”, disse o Chanceler cubano, e a seguir explicou o grande desafio da ilha para superar os efeitos da pandemia , dada a intensificação do bloqueio econômico, comercial e financeiro dos Estados Unidos.

«Este mecanismo deve ser, a nosso ver, o quadro de coordenação de uma resposta bi-regional aos desafios impostos pela COVID-19, que permite a participação de todos os países da CELAC e da União Europeia, sem exclusões e sem ignorar a nossa diversidade e diferentes níveis de desenvolvimento ”, defendeu o ministro cubano na reunião convocada pela Alemanha, na qualidade de presidente da UE.

Os outros países também pediram apoio à Organização Mundial e Pan-Americana da Saúde, ajuda abnegada e colaboração.

O Ministro das Relações Exteriores do México, Marcelo Ebrard Casaubon, na qualidade de Presidente Pro Tempore da Celac, destacou as múltiplas coincidências entre os valores, prioridades e perspectivas dos participantes diante dos desafios globais; entretanto, o alemão Heiko Maas anunciou a criação de um instituto transnacional de luta contra as doenças infecciosas na América Latina.

Categories: # Cuba, # Venezuela, #ALBA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Fidel, #Nicaragua, #YoSoyFidel, ALBA, ALBA-TCP, Cuba, Fidel Castro Ruz, Hugo Chávez Frías, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, ALBA, com a bandeira de Bolívar e Martí, ALBA-TCP, ALBA-TP, Alianza Bolivariana de los Pueblos de Nuestra América-Tratado de Comercio de los Pueblos (alba-tcp, América Latina e do Caribe como Zona de Paz, América Latina e do Caribe,, AMERICA LATINA, ·Venezuela, bolivia, BOLIVIA Evo Morales Fidel Castro Hugo Chávez, Caracas, #Estados Unidos, Golpe de Estado, #Mike Pence, Militar, #Nicolás Maduro Moros, #Venezuela, Caribe Sul e Antilhas, Cúpula da ALBA-TCP, Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (CELAC), Cuba, Organización de Estados Americanos (OEA), Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), Fidel Castro Ruz, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, Fidel Castro y Hugo Chávez., Hugo Chavez, MINREX, Raúl na inauguração da Cúpula ALBA-TCP:, solidariedade, sonhos de Fidel, XVI Cúpula de Chefes de Estado e de Governo da Aliança Bolivariana para os Povos do Nosso Tratado de Comércio dos Povos da América (ALBA-TCP), | Etiquetas: | Deixe um comentário

Cuba teve uma grande presidência.

Retirado do Jornal Granma .

Autor: Granma | internet@granma.cu

Cuba, com uma delegação chefiada por seu Presidente Miguel Díaz-Canel, participará hoje do Trigésimo Oitavo Período de Sessões da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), que se realizará, pela primeira vez, virtualmente pelo situação epidemiológica atual, até o próximo dia 28, analisa o site da chancelaria cubana.

De acordo com o programa do evento, Díaz-Canel entregará formalmente a Presidência pro tempore da CEPAL ao Governo da Costa Rica, depois que as Grandes Antilhas ocuparam esse cargo nos últimos dois anos, desde maio de 2018, quando o Trigésimo Sétimo Período de Sessões em Havana.

Em uma análise do trabalho de Cuba, Alicia Bárcena, secretária executiva da CEPAL, elogiou que “ele exerceu uma grande presidência, com liderança, compromisso e convicção. Foi excepcional, excelente e eles tiveram que nos acompanhar no quadro desta pandemia, mostrando capacidade de reação imediata ”, disse ele, e destacou sua contribuição solidária neste sentido, bem como sua ênfase em colocar o multilateralismo como uma ferramenta fundamental para o desenvolvimento sustentável com igualdade. “Sentiremos falta da liderança de Cuba, mas Cuba não, porque mesmo que esteja entregando a presidência, ela continuará, estou certo, desempenhando um papel muito ativo e muito importante”, disse ele, segundo a Prensa Latina.

A agenda deste período consiste em um diálogo de chanceleres, que tratará da recuperação econômica do POSCOVID-19 e uma declaração política, informou o vice-chanceler da Costa Rica, Christian Guillermet, e incluirá a reunião do Comitê de Cooperação Sul-Sul e um evento específico que tratará do Desafios do Caribe para construir melhor e, além disso, realizarão eventos paralelos sobre afrodescendentes e idosos, direitos humanos e proteção social.

Categories: # yo voto vs bloqueo, #America Latina, #solidaridadvs bloqueo, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, América Latina e do Caribe como Zona de Paz, América Latina e do Caribe,, AMERICA LATINA, bloqueo contra cuba, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, Caribe, Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (CELAC), Cuba, Organización de Estados Americanos (OEA), Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), Coronavirus, CoronaVirus, Política, CubavsBloqueo, epidemia, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Profesionales e la Salud | Deixe um comentário

Cuba na geopolítica imperial.

Retirado do Jornal Granma .

Autor: Jorge Casals Llano | internet@granma.cu

Embora a geopolítica como disciplina tenha nascido apenas no final do século XIX e início do século XX na Europa, desde “as cruzadas” primeiro e com “as descobertas” e a conquista posterior, o capitalismo e os reinos europeus se expandiram, assumindo cada vez mais territórios que arrebataram, com sangue e fogo, em nome de Deus, os povos que neles viviam.

Seguindo o mesmo curso, mas desta vez por razões puramente “religiosas”, os peregrinos chegaram no Mayflower ao que viria a ser a Virgínia no Anno Domini de 1620, como atesta a história da nação que assim nasceu. Dez anos depois, um missionário afirmaria que “por um desígnio especial do céu”, “se os nativos agissem injustamente”, os recém-chegados teriam o “direito de guerrear legalmente com eles e subjugá-los”.

Então, os grandes proprietários, donos de escravos e traficantes, deram a si próprios uma Constituição que criaria uma república, um governo e instituições capazes de servir aos que detinham a riqueza; que cresceu roubando e massacrando populações indígenas e escravizando-as sob o pretexto de um modelo de democracia que adotou um nome que traía explicitamente seu destino: Estados Unidos da América. Em 1845, o “mandato divino” – já recebido do Mayflower – incluiria a ideia de Destino Manifesto para o país nascido em 1787, que não incluía entre seus cidadãos índios, escravos, pobres ou mulheres, e arrogou o direito, e até mesmo a obrigação, de se expandir para levar liberdade e progresso a todo o continente, como afirmava então um colunista de uma revista nova-iorquina, de ser transformado em símbolo e repetido geração após geração, até hoje. dias.

E ao sul do continente, o mar do Caribe, cujo controle garantia a segurança e a possibilidade de conexão com o mundo, e nele seu mare nostrum, Cuba, localizado na entrada do Golfo. E embora os conceitos de geoestratégia e geoeconomia também não tivessem sido formulados, e John Quincy Adams os entendesse, ele metaforicamente escreveu sobre “a fruta madura” e, sem metáfora, afirmou que: “Não há território estrangeiro que possa ser comparado aos Estados Unidos. como a ilha de Cuba … (que) quase à vista de nossas costas, adquiriu uma importância transcendental para os interesses políticos e comerciais de nossa união.

Quando em 1823 a Doutrina Monroe (América para os americanos) foi anunciada pelo agora quinto presidente da nação, e nela se estabeleceu a intenção dos Estados Unidos de não tolerar a intervenção europeia no continente, ao norte do Américas, uma república imperial com sua consequente presidência imperial; alguns anos depois, também a ditadura dos dois partidos que se alternariam no poder.

No final do século 19, os EUA intervieram na guerra hispano-cubana e a transformaram no que Lenin chamou de “a primeira guerra imperialista”. A intervenção na guerra, adequadamente rebatizada de hispano-americana, justificada por meio do engano e da manipulação da explosão do encouraçado norte-americano Maine, abriria as portas para a expansão imperial para além do continente.

O cientista político Zbigniew Brzezinski caracterizou esta disputa como: «… a primeira guerra de conquista dos Estados Unidos fora do seu território … Os Estados Unidos reivindicam um estatuto especial de único guardião da segurança do continente americano – anteriormente proclamado por a Doutrina Monroe e posteriormente justificada pelo suposto “destino manifesto” americano – tornou-se mais firme após a construção do Canal do Panamá … ”. Apenas Brzezinski percebeu que a construção do canal foi possibilitada pela independência do Panamá da Colômbia, muito “conveniente” para os Estados Unidos.

Depois da guerra – só possível devido à participação decisiva dos Mambises – foram criadas as condições para o império, por meio da Emenda Platt, inaugurar as medidas que mais tarde foram chamadas de neocolonialismo, aplicadas com a política do Grande Garrote, de Theodoro Roosevelt, e sua emenda à doutrina Monroe, o chamado “corolário” segundo o qual, se um país latino-americano-caribenho ameaçar ou colocar em perigo os direitos ou propriedades de cidadãos ou empresas norte-americanas, o governo deve intervir para restaurar os direitos de seus Cidadãos “americanos”. Para atingir o mesmo objetivo, com outros meios, outro Roosevelt (Franklin Delano) aplicaria a política da Boa Vizinhança, já na segunda década do século.

Assim, independentemente da cor do partido que governou os Estados Unidos (sete republicanos e três democratas de 1898 a 1958), seus representantes e embaixadores, atuando como procônsules, mantiveram Cuba sujeita ao império: 25 anos com três intervenções militar (1898-1902, 1906-1907, 1917-1923); uma Constituição (1901), mutilada por uma emenda; curtos períodos de democracia formal em que se impôs a participação do povo até a construção de uma Constituição progressista (1940), e ferozes ditaduras como as de Gerardo Machado (1924-1932) e Fulgencio Batista (1952-1958); que, protegido pelos EUA, massacrou o povo quando era necessário “restaurar a ordem” imperial, e a todo o tempo com uma corrupção generalizada que permeava o país e suas instituições, embora sem conseguir subjugar o povo e sua rebelião.


Com a derrubada da ditadura em 1959, a Cuba independente iniciaria a Revolução na mare nostrum de um império sólido. No que se refere à América Latina e Caribe, sempre considerada seu quintal, os Estados Unidos haviam assegurado desde a guerra fria, com a Doutrina Truman e o macarthismo, mecanismos e instituições que garantiam o controle absoluto da região: o Conselho Interamericano de Defesa ( JID), o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) e a Organização dos Estados Americanos (OEA), a notória Escola das Américas (desde 1946), especializada no treinamento de militares latino-americanos em técnicas que incluíam tortura e, para claro, também a CIA.

A Revolução Cubana triunfa naquilo que o império considerava seu hemisfério, feito pelas costas, sem consentimento, em um país cuja principal riqueza era propriedade de empresas estadunidenses, de eletricidade e telefonia a hotéis, empresas açucareiras, bancos e refinarias de petróleo, onde experimentavam tudo o que mais tarde aplicariam no mundo, onde iam beber se houvesse “lei seca” em seu país, jogar se o jogo fosse proibido, ter suas esposas abortadas, passar fins de semana longe de olhares indiscretos em clínicas, hotéis ou bordéis de luxo; onde os fuzileiros navais desembarcaram para pisotear a dignidade dos cubanos e cubanos.

A partir de 1959, a política dos Estados Unidos contra Cuba intensificou sua trajetória hostil, para além da cor do partido que governou “o gigante das sete ligas” e, durante o mandato dos 12 presidentes imperiais, a partir do 1º . De janeiro até hoje, cinco democratas (Kennedy, Johnson, Carter, Clinton e Obama) e sete republicanos (Eisenhower, Nixon, Ford, Reagan, Bush – pai e filho – e Trump) foram planejados e executados, por seus governos ou por os pistoleiros sob sua proteção, 681 ações terroristas, incluindo a invasão de Playa Girón, a explosão do avião de Cubana em Barbados e até o ataque à nossa embaixada em Washington, com um custo de 3.478 mortes e 2.099 Desativado.

Os republicanos iniciaram, a partir de março de 1959, as operações encobertas e, com base na antiga Lei do Comércio com o inimigo (data de 6 de outubro de 1917), iniciaram, com fúria e perversidade, o bloqueio econômico, comercial e financeiro que a cada ano todos os presidentes americanos sejam reativados. Da mesma forma, orquestraram campanhas para estreitar as relações com Cuba, que incluíam, desde a invenção de uma base de submarinos nucleares soviéticos na baía de Cienfuegos, até “ataques sônicos” a seus funcionários; financiaram, incentivaram ou permitiram que organizações terroristas agissem contra Cuba, como a criada em 1981 pela CIA, a Fundação Nacional Cubano-Americana; assinou uma Lei pela Democracia em Cuba, a Lei Torricelli, proposta por dois democratas, que evidencia a política de Estado, e não partidária, de relações, até que o atual presidente, Donald Trump, exacerbou os conflitos e multiplicou o uso de chantagem política contra parceiros, amigos ou adversários.

Os democratas, por sua vez, executaram os planos de invasão de Eisenhower por Cuba, que culminaram com a derrota dos mercenários em Playa Girón; iniciaram oficialmente o bloqueio econômico com a ordem executiva nº 3447; alimentaram as tensões que provocaram a chamada Crise de Outubro, que colocou o mundo à beira da guerra nuclear; fizeram a OEA aprovar uma resolução sobre o rompimento das relações diplomáticas com Cuba; Provocaram as ondas migratórias de Camarioca e Mariel, e até assinaram o que, por proposta dos republicanos, se chamou Lei da Liberdade e Solidariedade Democrática com Cuba, conhecida como Helms-Burton, que reiterou o caráter estatal da política em relação o Maior das Antilhas. E embora Obama em 2016 pedisse para deixar o passado e “olhar para o futuro”, ele não poderia esconder, disfarçadamente, o objetivo de seu governo: conseguir a tão almejada “mudança de regime”, que já havia explicado à contra-revolução cubana em Miami: “É hora de o dinheiro cubano-americano tornar suas famílias menos dependentes do regime de Castro.”

Independentemente de quem seja o presidente dos Estados Unidos nas eleições de novembro, uma coisa fica clara: a solução para o conflito Cuba-Estados Unidos. Só será possível quando o império reconhecer que nossa Ilha é uma nação livre, soberana e independente.

Categories: "Liberdade", "democracia", "racismo" e "direitos humanos", #America Latina, #CIA, #Cuba #CIA, #solidaridadvs bloqueo, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, AMERICA LATINA, Barack Obama Bruno Rodríguez ParrillaDonald Trumpoficina del Servicio de Ciudadanía e Inmi, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, CubavsBloqueo, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, HISTORIA DE CUBA, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, MIAMI, OEA, Organizacion e Estados Americanos (OEA) | Deixe um comentário

A OMS alerta que a pandemia da covid-19 é “uma grande onda” que vai subir e descer.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou na terça-feira que a pandemia de coronavírus é “uma grande onda” e lembrou que é um vírus que não se comporta como, por exemplo, a gripe, que tende a seguir tendências sazonais Relatórios da Reuters.

La OMS advierte que la pandemia de covid-19 es "una ola grande" que va a subir y bajar

“As pessoas ainda estão pensando nas estações do ano. O que todos precisamos saber é que este é um novo vírus … e está se comportando de maneira diferente”, disse Margaret Harris, da OMS, pedindo que medidas sejam tomadas para conter transmissão do vírus.

Nesta segunda-feira, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou que “a pandemia continua a acelerar”, especificando que “o número total de casos dobrou nas últimas seis semanas”.

Nesse sentido, Ghebreyesus enfatizou a importância de observar medidas de higiene contra a pandemia. “Onde essas medidas são seguidas, os casos diminuem. Onde eles não são seguidos, os casos aumentam”, resumiu.

Até agora, de acordo com dados fornecidos pela Universidade Johns Hopkins, um total de 16.495.309 casos de covid-19 foram registrados em todo o mundo, e o número de mortes associadas à doença agora totaliza 654.327.

Enquanto isso, a América Latina e o Caribe ultrapassaram os Estados Unidos no número de casos confirmados de coronavírus e já é a região mais afetada até agora pela pandemia.

Em 27 de julho, o continente americano possui 8.610.134 casos positivos e 337.439 mortes, segundo a ONU. Removendo os EUA, que é o país mais afetado em todo o mundo, com 4.148.011 infecções e 145.727 mortes, além do Canadá, que tem 113.556 casos e 8.885 mortes, a América Latina e o Caribe já concentra 4.348.567 positivos e 182.827 mortes por covid-19.

Categories: #America Latina, #Estados Unidos, #salud, América Latina e do Caribe,, AMERICA LATINA, Coronavirus, CoronaVirus, Política, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Profesionales e la Salud, Uncategorized | Etiquetas: , , , , | Deixe um comentário

América Latina: as máquinas de subversão do império funcionam a todo vapor

Os Estados Unidos perdem terreno em seu sonho de dominação no século XXI e acreditam que é mais necessário do que nunca controlar os povos latino-americanos, impedir que as velas de Bolivar reapareçam no horizonte da grande pátria.

Autor:  | internacionales@granma.cu

Ilustração: tirada da esquerda diariamente
Os Estados Unidos perdem terreno. Seu sonho projetado de um século 21 americano desaparece e as águas dos navios de guerra dos ianques. Para seus especialistas, não é segredo que a República Popular da China, com sua economia próspera, está a caminho de ser a potência mundial número um em 2030, e a Rússia não está muito atrás. A confluência dos interesses internacionais dessas duas nações poderosas e de seus aliados, fazem deles uma alternativa influente frente ao poder americano.

Nessas circunstâncias, os Estados Unidos acreditam que é mais necessário do que nunca controlar seu “quintal”, para subjugar completamente as nações inquietas do continente. Mesmo seus satélites mais próximos não podem prescindir de comércio e negócios com a China e a Rússia. Por outro lado, a semente integracionista reavivada por Fidel, Chávez, Kirchner, Evo e Correa, por mais que tentem profaná-la, ela fica verde repetidamente.

O plano de resgate – cuidadosamente elaborado nos anos 80, depois que as sangrentas ditaduras militares começaram a mostrar sinais de exaustão, e o perigo de processos revolucionários radicais que acabavam com o poder da oligarquia servil aos ianques renasceu, apesar da O extermínio sistemático dos líderes esquerdistas – também fracassou profundamente, e seus projetos de “transição democrática”, ou o que era o mesmo, manter ditaduras com manto democrático, não deram os resultados esperados.

O continente ao sul do Rio Grande iniciou processos progressivos, algumas revoluções autênticas, como na Venezuela, e os povos começaram a construir uma integração historicamente temida para o império: América Latina e Caribe unidos em um projeto bolivariano. As velas de Bolivar reapareceram no horizonte.

O ianque tremia, seus servos e cipayos tremiam. A tarefa dos serviços especiais imperiais e, em particular, de sua guarda pretoriana, de seus tanques de pensamento e escolhidos “cavaleiros da Strauss”, era então parar e depois destruir os movimentos integracionistas revolucionários que estavam se formando, derrubar governos desconfortáveis ​​era a tarefa da empresa , organização com grande experiência no assunto. Ele iniciou o maquinário diabólico oleoso na luta contra o socialismo da Europa Oriental, especialmente a URSS.

A ofensiva de direita foi rápida na América Latina, um após o outro os governos da “década progressista” começaram a cair, produto de uma estratégia multifatorial, bem pensada, inescrupulosa, que possuía todos os recursos logísticos e financeiros, poucos recursos e a pouca importância que governos progressistas deram à preparação política das massas, entre outros fatores, influenciaram o sucesso inicial do plano de restauração do neoliberalismo.

Todas as variantes de guerra não convencional, criadas nos laboratórios americanos, algumas delas testadas com sucesso variado no Oriente Médio e na Europa, foram aplicadas no continente, golpes leves, golpes judiciais, golpes parlamentares, com maior ou menor presença de as forças militares e policiais, sempre fiéis aos estados neocoloniais, plantando cavalos de Tróia, cujo maior exemplo é Lenín Moreno, no Equador, etc.

Sempre existe um “mas”, alguém poderia dizer com certeza. O direito não tem muito a oferecer, seu plano é simples: restaurar o neoliberalismo neocolonial – que é a pior variante do neoliberalismo – e esse plano está fadado ao fracasso. A América vira, sobe, derruba os governos neoliberais nas pesquisas, a percepção de perigo para o poder americano se torna maior.

Agora, o império é um animal agachado que lança golpes esquerdo e direito, sua maquinaria de destruição e subversão funciona a todo vapor, o pior é que essa maquinaria é dirigida por um lado de trogloditas, dinossauros ancorados no tempo das canhoneiras, dos quais eles só aprenderam nos quadrinhos, nas séries de televisão e não nos livros de história. Esse grupo dominante de homens das cavernas é profundamente ignorante, sua visão de mundo foi construída em espaços muito fechados da opinião fundamentalista, eles não conhecem bem seu próprio país.

Qualquer coisa pode ser esperada deles, os menos ruins da nação do norte tentam impedir esse grupo, não por causa de profundas contradições com seus objetivos gerais, mas porque os vêem como um perigo real para os interesses americanos, para o futuro do império.

Agrupados em uma frente que não alcançou a unidade necessária, eles tentam obter a camarilha do trunfo e apostam no julgamento político contra o presidente dos magnatas como uma maneira de se salvar. É uma medida desesperada, porque eles sabem que o país tem fraturas internas, na economia e em sua estrutura como nação, e uma crise pode levar ao desastre.

São como no desenho animado clássico do barco que faz a água por toda parte, tampe um buraco e abra outro, cubra um buraco com mentiras, com calúnias, com sangue e um novo se abre.

Eles estão enfrentando a vergonha do povo, a história que eles tentaram apagar com dinheiro e armas. Eles são os espíritos imortais de nossos soldados libertadores que retornam, dos guerreiros dos povos originais, dos “índios” das terras altas, das tropas de Sandino, dos homens de Che, que selam suas andanças e lubrificam os rifles. Velas Bolivar prontas para resistir à tempestade e vencer, agora sim.

Categories: # Cuba, #America Latina, #AmericaLatina, AMERICA LATINA, Nicolás Maduro Moros, Revolución Bolivariana, Venezuela, Uncategorized | Etiquetas: , , , | Deixe um comentário

Você quer realmente saber o que se passa na Venezuela?

Então assista o vídeo de 6 minutos da presidenta nacional do PT Gleisi Hoffmann.
Curto, direto e certeiro!

Categories: #América Latina, #Nicolás Maduro, #Nicolás Maduro Moros, AMERICA LATINA, Uncategorized | Etiquetas: | Deixe um comentário

Brigada médica de Cuba é um patrimônio moral na Bolívia.

A brigada médica e colaborando Clinical Cuba hoje são uma herança moral do nosso país na Bolívia, disse o embaixador da ilha caribenha, Carlos Zamora Rodríguez.

O diplomata sublinhou que a presença de saúde cubano profissional não só implica a presença da alma e coração do povo das Grandes Antilhas, mas também a capacidade de influenciar, contribuir e ajudar no processo de mudança que desenvolve Estado boliviano.

Demonstrações Zamora Rodríguez ocorreu durante o balanço do trabalho da clínica colaborador cubana 2018 correspondente, um período em que foram servidos mais de quatro mil 200 pacientes e se destacou especialidades de pediatria, medicina interna e de imagem com o maior número de pacientes. Continuar a ler

Categories: # América Latina, # Cuba, #Bolívia, AMERICA LATINA, ·Medicos Cubanos, Bolívia, Uncategorized | Deixe um comentário

No meio do cenário adverso, a luta continua

Escrito por Camila Moreno

Nos últimos anos, o declínio das políticas sociais na América Latina tem sido influenciado e guiado pelo monismo. A deterioração progressiva das plataformas progressistas no continente sul-americano gerou no vizinho do norte um impulso à sua estratégia imperial. Continuar a ler

Categories: #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, a luta continua, AMERICA LATINA, cenário adverso, Uncategorized | 1 Comentário

Um grilo é responsável por ‘ataques acústicos’ em Cuba.

Tirada do Sputnik

Pesquisadores da Universidade da Califórnia em Berkeley (EUA) e da Universidade de Lincoln (Reino Unido) analisaram uma gravação do ruído utilizado alegadamente para “ataques acústicos” contra diplomatas norte-americanos em Cuba, e tiraram uma conclusão inesperada.

 

Alexander Stubbs e Fernando Montealegre acreditam que a gravação, apresentada como uma prova de ataques acústicos, não é nada mais que o canto de grilos.

As conclusões dos cientistas foram apresentadas no decorrer de uma reunião anual da Sociedade para Biologia Integrativa e Comparativa (SICB, sigla em inglês). Seus autores não conseguiram confirmar nenhum dano físico causado à saúde dos diplomatas norte-americanos, de acordo com a edição The New York Times.

“Na comunidade médica há muitas controvérsias sobre qual dano físico, se é que há algum, pode ter sido sofrido por essas pessoas. Tudo o que posso dizer é que o registro publicado pela [agência] AP é de um grilo, e achamos que sabemos a que espécie ele pertence”, assinalou Alexander Stubbs.

Os cientistas planejam divulgar a investigação em uma revista científica nos próximos dias.

Os EUA alegam que 26 diplomatas de seu país, acreditados em Havana, sofreram severos danos à saúde (perda auditiva, náuseas e dores de cabeça), como resultado de supostos ataques acústicos que ocorreram em Cuba entre novembro de 2016 e fevereiro de 2017.

Posteriormente, as autoridades norte-americanas expulsaram 15 diplomatas cubanos do país.

Categories: # Cuba, #América Latina, #Conspiracion, #Cuba, AMERICA LATINA, CUBA, CUBA - ESTADOS UNIDOS, EE.UU., ESTADOS UNIDOS, POLÍTICA, Politica agressiva contra Cuba, Uncategorized | Etiquetas: | Deixe um comentário

Nuvem Negra no Céu Brasileiro

Os efeitos das mudanças climáticas não foram a causa para o primeiro dia do presente ano de 2019, o Brasil viu seu céu coberto por uma nuvem negra de esperanças frustradas: a investidura da extrema direita Jair Bolsonaro

Autor: 

Jair Bolsonaro lidera los sondeos para la segunda vuelta presidencial con el 58 %.

Os efeitos das alterações climáticas, com altas doses de incerteza para o nosso povo, não foram a causa para o primeiro dia do ano 2019, um país da região da América Latina, o maior de todo-Brasil, viu o seu céu coberto por um nuvem negra de esperanças frustradas, presságio de piores momentos para uma população com 12% de desemprego e milhões de seus filhos em absoluta pobreza. Continuar a ler

Categories: AMERICA LATINA, Jair Bolsonaro, Michel Temer chegou ao poder através de um golpe parlamentar e judicial contra o então Presidente do Estado Dilma Rousseff., Nuvem Negra no Céu Brasileiro, Uncategorized | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: