Senil e um mentiroso .

#ONU #ManipulacionPolitica #JoeBiden #EEUUBloquea #NED #USAID #CIA #GuerraFria

Por Arthur González

O primeiro discurso do Presidente Joe Biden na 76ª Assembleia Geral da ONU, a 21 de Setembro de 2021, mostrou o estado lamentável da sua saúde mental, estando errado em 20 ocasiões de acordo com a própria Casa Branca e mentindo, sem o menor sinal de vergonha, sobre a posição dos Estados Unidos, como se no mundo de hoje houvesse apenas analfabetos políticos e cretinos.

Um dos seus protestos foi quando disse: “não estamos interessados numa nova Guerra Fria com países autoritários como a China, nem estamos interessados num mundo dividido em blocos rígidos”.

Se o que os EUA estão a fazer contra o gigante asiático e a Rússia, acusando-os constantemente de factos falsos, impondo-lhes sanções, demonizando-os aos olhos do público e chamando assassino ao Presidente Vladimir Putin, não é uma guerra fria, então o que é?

A sua mais recente acção contra a França, ao assinar um novo acordo para a formação de outro bloco militar com o Reino Unido e a Austrália, AUKUS, para a venda de submarinos nucleares à Austrália, é a prova irrefutável de que os Yankees não têm qualquer ética, continuarão a dividir o mundo em blocos para ameaçar a paz, numa área próxima da China e da Coreia do Norte.

Na sua manobra para esconder a verdade do seu regime imperialista, disse Biden:

“O futuro pertencerá àqueles que abraçam a dignidade humana, não àqueles que a espezinham e àqueles que procuram asfixiar o seu povo com uma mão de ferro”.

Será que o velho presidente pensa que a população mundial esqueceu o que a polícia norte-americana fez para reprimir os negros face às manifestações sobre o assassinato vicioso de George Floyd e o ocorrido durante os protestos de rua em Agosto de 2014, quando Michael Brown foi morto por um polícia branco em Ferguson, Missouri?

Os Yankees não têm respeito pela dignidade humana, e põem qualquer tentativa de protesto em massa com armas, em violação dos direitos humanos e da tão apregoada democracia que exigem dos outros.

Enquanto Biden falava na ONU e demonizava Cuba e Venezuela, os guardas fronteiriços do estado do Texas a cavalo davam uma lição de “democracia e respeito pela dignidade humana”, distribuindo chicotadas aos haitianos que tentavam pedir asilo nos EUA, cenas semelhantes às dos esclavagistas do século XIX. No entanto, não houve qualquer condenação por parte do Departamento de Estado, muito menos do Parlamento Europeu ou da OEA, desta situação execrável.

Nas suas muitas mentiras, Biden assegurou o fim da guerra fria, mas omitiu mencionar os milhares de milhões de dólares que o seu regime atribui anualmente às ONG de fachada da CIA, NED e USAID, entre outras, para subverter a ordem interna em países que têm governos inenarráveis, sujeitos a guerras comerciais, económicas e financeiras, juntamente com actos de terrorismo perpetrados pelos Ianques para impedir o seu desenvolvimento, como fazem contra Cuba e Venezuela.

O presidente idoso demonstrou muita demagogia no seu discurso aos participantes na 76ª Assembleia Geral da ONU, relativamente ao confronto com o Covid-19 e as alterações climáticas, esquecendo a má gestão da Casa Branca em ambas as questões, incluindo medidas que dificultam os planos de outras nações, entre elas a forte oposição ao levantamento das sanções económicas e financeiras contra Cuba e Venezuela, para que não possam adquirir medicamentos e equipamento para os doentes do Covid.

Enquanto afirma combater o terrorismo, dá total apoio aos grupos terroristas que actuam a partir da Colômbia contra a Venezuela, e recentemente libertou da prisão o famoso terrorista cubano, Eduardo Arocena, condenado a duas penas de prisão perpétua pelo assassinato de pelo menos duas pessoas, uma delas um diplomata cubano para a ONU, e a plantação de 100 bombas que explodiram dentro dos Estados Unidos, segundo o FBI.

Nem mostrou uma posição a favor de um diálogo respeitoso com o Irão sobre o acordo nuclear que os EUA abandonaram por arrogância imperial.

Quando disse que “o futuro pertencerá àqueles que abraçam a dignidade humana, não àqueles que a espezinham e tentam sufocar o seu povo com mão de ferro”, deveria ter condenado Israel pelo nome, por massacrar constantemente o povo palestiniano, assassinar civis indefesos, prender menores e roubar parte do seu território, sem respeitar as resoluções da ONU.

Para este aliado incondicional dos Yankees, não há sanções ou guerras económicas e financeiras, pelo contrário, há apoio e muito dinheiro.

Também não pediu desculpa ao povo afegão pelo assassinato de milhares de cidadãos e pela destruição e miséria deixadas naquele país por vinte anos de uma invasão injustificada, desrespeitando o mundo ao dizer que “os Estados Unidos renovaram o seu compromisso de combater a fome no mundo, através da ajuda alimentar e da promoção da saúde”, quando as suas tropas e a sua política de interferência apenas provocam o contrário, algo que se pode verificar observando as imagens das cidades destruídas pelas bombas ianques na Síria, Líbia, Iémen e Afeganistão.

A situação actual na América Latina é mais uma prova de que as políticas neoliberais promovidas a partir de Washington são a causa fundamental dos milhares de emigrantes que fogem do capitalismo selvagem e dos protestos brutalmente reprimidos no Chile, Colômbia e Brasil.

Em contraste com o discurso demagógico de Biden, o Secretário-Geral da ONU Antonio Guterres, numa análise objectiva e real, afirmou na abertura da Assembleia Geral:

“O mundo nunca esteve tão ameaçado ou tão dividido […] receio que estejamos a deslizar para dois conjuntos diferentes de factores económicos, comércio, normas financeiras e tecnológicas, duas abordagens divergentes para o desenvolvimento da inteligência artificial e, em última análise, duas estratégias militares e geopolíticas. Uma receita para um conflito muito menos previsível do que a Guerra Fria”.

Antes de apontar o dedo a outras nações, Biden deveria trabalhar para eliminar a violência armada que abala o seu próprio país, que aumentou 9% em relação a 2020, acumulando até à data 14.516 fatalidades, uma situação que se tornará a pior do século, algo que o velho presidente também não vê.

Foi por isso que José Martí se expressou:

“Ancha tumba constrói com as suas próprias mãos os males”.

A carta a Biden, que também não será publicada .

#CubaSoberana #VacunasCubanas #Sanciones #ElBloqueoEsReal #EEUUBloquea #CubaSalva #RedesSociales #ManipulacionMediatica

Biden diz que são vacinadas mais pessoas do que as que vivem nos EUA.

#RTenEspañol #Biden #Vacunados #Covid-19 #Salud

Cubanos em Angola preparam caravana contra bloqueio dos EUA.

#Cuba #Angola #ElBloqueoEsReal #PuentesDeAmor #CubaSalva #EEUUBloquea #Sanciones

Luanda, (Prensa Latina) Os cubanos que vivem em Angola preparam-se para se juntar à caravana mundial contra o bloqueio americano do seu país a 27 de Março, um dos organizadores, Carlos Moncada, confirmou hoje.

Através das nossas contas sobre redes sociais, já começámos a mobilização e agora estamos a fazer contactos pessoais, disse o presidente da Associação da Comunidade de Cubanos Residentes em Angola (CCRA) à Prensa Latina.

É uma iniciativa nobre, porque ninguém ignora todas as carências das nossas famílias em Cuba – alimentos, medicamentos, transportes – devido ao cerco económico, financeiro e comercial do governo dos EUA”, disse o activista social.

O bloqueio, disse ele, também restringe os direitos do povo americano e as relações económicas internacionais devido à extraterritorialidade das leis ditadas por Washington, em detrimento de países terceiros.

Nada disto é desconhecido, os votos sucessivos nas Nações Unidas apoiam a rejeição quase universal da política do poder norte-americano”, pesou ele.

O governo dos EUA persiste na sua tentativa de asfixiar os cubanos e “nós, afirmou, não nos vamos cansar de lutar pelos nossos direitos”.

No meio da pandemia de Covid-19, a administração do Presidente Donald Trump, em vez de adoptar gestos humanitários, aplicou novas represálias; é por isso que os profissionais do direito têm razão quando classificam o bloqueio como um acto de genocídio, o académico observado.

O Secretário-Geral das Nações Unidas António Guterres e a Alta Comissária para os Direitos Humanos Michelle Bachelet apelaram à suspensão das sanções durante a pandemia, mas “o governo dos EUA continua a ignorar as exigências do mundo”.

Parece, disse o professor, que o executivo dos EUA não prevê uma mudança de rumo. A porta-voz da Casa Branca Jen Psaki excluiu recentemente que uma mudança de atitude em relação a Cuba está actualmente entre as prioridades do Presidente Joe Biden.

Oficializado a 3 de Fevereiro de 1962, o bloqueio contra a ilha é o mais longo e abrangente que qualquer povo deste planeta sofreu, ‘e se seguirmos as definições conceptuais, teríamos de o considerar como terrorismo de estado’, argumentou Moncada.

Traduzido com a versão gratuita do tradutor – http://www.DeepL.com/Translator

“A chegada de Biden não significa que os problemas internos dos Estados Unidos tenham desaparecido”

#RTenEspañol #EstadosUnidos #Biden #Rusia #Covid-19 #Salud #CrisisEconomica #China #DonaldTrumpCulpable #PoliticaExterior #Capitolio #Europa #Alemania

Pronto, Trump se foi, e agora?

#EstadosUnidos #JoeBiden #DonaldTrump #EleccionesEEUU #DerechosHumanos #Racismo #Tratados #Sanciones #Covid-19

Retirado do Pupila Insomne . Razones de Cuba . Por: Roberto Montoya

De volta ao normal’. É isso, os infernais quatro anos de Trump acabaram, suas explosões, seu autoritarismo crescente, seu machismo exacerbado, sua xenofobia e racismo, seus ataques à mídia, sua intolerância, arrogância, seu apoio à supremacia branca e suas milícias, seu apoio para a polícia de gatilho fácil contra a comunidade afro-americana, suas mentiras sistemáticas, sua gestão criminosa da pandemia Covid-19, sua política agressiva em relação ao meio ambiente, sua ruptura com importantes tratados internacionais.

A saída de Trump da Casa Branca é um alívio para o mundo inteiro, sem dúvida e pelo fato de haver mais mulheres no Gabinete de Biden do que nunca, o que também reflete a grande diversidade étnica dos Estados Unidos e até a diversidade sexual. orientação, é, pelo menos simbolicamente, uma mudança positiva importante.

Mas e agora? O que se pode esperar deste novo mandato? O que será de Trump e do movimento de extrema direita que ele lançou?

Um discurso cheio de imprecisões e bom humor

“Sem unidade não há paz, apenas raiva e amargura. Não há progresso, apenas caos ”, disse Joe Biden em seu discurso no Capitólio ao assumir o cargo de 46º presidente dos Estados Unidos. “Unidade”, talvez sua palavra mais repetida.

“Podemos fazer dos Estados Unidos uma força que direciona o bem em todo o mundo”, uma espécie de frase imperial que nunca falta num discurso presidencial, seja de um republicano ou de um democrata, como as invocações a Deus e o apelo a orem todos juntos.

Praticamente não havia mais mensagens. Lugares comuns, tópicos, generalidades, discurso tradicional, sem compromissos firmes, sem mensagem mobilizadora.

Confrontado com “Vamos fazer a América grande novamente” e “América em primeiro lugar” de Trump, bondade em sua forma mais pura.

Coerente com o perfil de candidato “moderado” que Biden imprimiu em sua campanha eleitoral desde o início. Uma contenção e passividade, uma falta de reação aos constantes escândalos e a gestão delirante da pandemia de Trump, que muitas vezes exasperou os eleitores democratas e os fez duvidar que o candidato de seu partido realmente tivesse um programa alternativo que oferecesse.

Discurso íntegro de Joe Biden en su toma de posesión como presidente de  Estados Unidos | Elecciones USA | EL PAÍS

Quando Trump denunciou as desigualdades sociais

Vamos comparar os discursos. O que disse um milionário do setor imobiliário e apresentador de reality show como Donald Trump em 20 de janeiro de 2017, quando assumiu a presidência na escadaria do Capitólio?:

“Washington floresceu, mas o povo não compartilhou dessa riqueza. Os políticos prosperaram, mas empregos foram perdidos e empresas fechadas. O ‘establishment’ protegeu-se, mas não os cidadãos do nosso país ”.

“As vitórias deles não foram as suas; seus triunfos não eram seus triunfos; e embora festejassem na capital do nosso país, as famílias com dificuldades financeiras pouco tinham para festejar no nosso país ”.

E Donald Trump sacudiu a multidão, centenas de milhares de pessoas na esplanada do Capitólio quando ele prometeu:

“Tudo isso muda aqui e agora, porque este momento é o seu momento: pertence a você” “É de todos os que se reuniram aqui hoje e de todos que nos vêem nos Estados Unidos.” “Os esquecidos homens e mulheres de nosso país não serão mais esquecidos. Todo mundo escuta agora ”.

Trump falou sobre as desigualdades sociais, disse-lhes que “uma nação existe para servir seus cidadãos”, falou de “mães e crianças presas na pobreza em nossos centros urbanos; empresas enferrujaram e se espalharam como lápides por todo o território nacional ”.

Ele também denunciou “um sistema educacional cheio de dinheiro, mas que priva nossos belos e jovens alunos de conhecimento” e muito mais.

Donald Trump: Un antisistema en el trono del mundo | Estados Unidos | EL  PAÍS

Um discurso muito estudado. O mundo de cabeça para baixo. Trump, um milionário enriquecido pela especulação imobiliária, um bandido grotesco e misógino ‘showman’ de reality shows, sem experiência política e que mesmo muitos no próprio Partido Republicano não levavam a sério, fez uma radiografia da situação social no Estados Unidos com algumas frases que pareciam tiradas do show Bernie Sanders.

Nem democratas como Clinton, Obama, nem agora Biden, chegaram a dizer realidades como essas nem em seu primeiro discurso nem em nenhum de seus discursos.

Demagogia por parte de Trump? Uma verdadeira piada. Trump denunciou algumas das terríveis consequências sociais da globalização e do neoliberalismo, da desindustrialização de importantes áreas do país, atribuindo-as exclusivamente aos governos democráticos, embora ele próprio fosse fruto, beneficiário e defensor desse mesmo sistema.

À eficácia de seu diagnóstico, ele acrescentou uma boa dose de xenofobia e racismo, culpando tanto o imigrante quanto o capital e governos estrangeiros por todos esses males.

Um discurso que rapidamente comprou uma parte importante daqueles trabalhadores e empresários que não participaram dos espólios da globalização, ou do offshoring e dos acordos de livre comércio, mas foram afetados por eles.

Trump também se tornou um fervoroso antiaborto e um ferrenho defensor dos princípios ideológicos ultraconservadores quando iniciou sua campanha eleitoral, que conseguiu atrair o voto das poderosas igrejas evangelistas, cada vez mais influentes no mundo da política, justiça e vida cultural e social.

Los trumpistas no aflojan y denuncian la "corrupción" del conteo

Trumpism não está morto

Trump jogou bem seu truque, funcionou.

Ele fez um populismo de direita altamente eficaz. O homem que, poucos meses após o início do seu mandato, já estava acabado por muitos, mostrou que após quatro anos dando benefícios fiscais e de toda espécie ao grande capital industrial e financeiro, e às grandes fortunas, privando a saúde e a proteção social da população, obteve sete milhões de votos a mais do que em 2016.

Mesmo após o impeachment e meses de gestão escandalosa e criminosa da pandemia, Trump continuou a ter índices de popularidade surpreendentes e conseguiu arrastar todo o Partido Republicano para sua loucura.

Mas Biden viu sua chance no final. O narcisismo e a onipotência acabaram fazendo um movimento ruim para Trump; Ele puxou a corda até que se quebrou.

O número de mortos aumentou cada vez mais, a situação pandêmica saiu completamente fora de controle, ele viu que estava perdendo terreno, tentou atrasar as eleições e, não conseguindo, denunciou que haveria fraude, tudo se precipitou.

Os últimos meses da administração Trump foram patéticos.

O presidente ficava cada vez mais sozinho, perdia apoio no próprio governo, no governo, na Suprema Corte cuja maioria conservadora se fortalecia, e as fissuras internas no Partido Republicano já eram visíveis.

O não reconhecimento dos resultados eleitorais e a obstrução da transmissão do poder mostraram um descontrole político e pessoal sem precedentes em um presidente derrotado nas urnas.

Muitos como o fiel e servil vice-presidente Mike Pence acabaram pulando do navio no último minuto antes de ele afundar, tentando salvaguardar seu próprio futuro político.

Biden teve assim sua oportunidade de ouro, sua tática de ver o cadáver de seu adversário passar diante de sua porta, como dissemos nestas páginas, finalmente funcionou.

4 muertos y 14 policías heridos, balance del caótico asalto al Capitolio de  los "trumpistas"

Trump cometeu suicídio e seu cadáver político realmente passou pela porta de Biden.

Seu último ato foi negar a vitória eleitoral a ponto de convocar milícias da supremacia e da extrema direita para tomar o Capitólio em sessão plena.

Mas mesmo que Trump esteja definitivamente fora do grande cenário político, se hipoteticamente o novo impeachment democrata contra ele prosperar e ele for desqualificado para o cargo público, o trumpismo dificilmente desaparecerá.

Um presidente como Joe Biden poderá adotar medidas concretas que minem o apoio que o Trumpismo tem em amplos setores da sociedade?

Não é fácil ser otimista sobre isso. Joe Biden não é Bernie Sanders e não está claro se este, seu povo e a pressão dos movimentos sociais, embora tenham aumentado nos últimos anos, possam realmente influenciar a política do novo presidente.

Biden é um homem do estabelecimento ao longo da vida, um claro representante desse modelo neoliberal com o qual os governos democrata e republicano têm contribuído para acentuar cada vez mais as desigualdades sociais nos Estados Unidos, transformando-os em um império com pés de barro.

Trump soube pescar no pesqueiro das vítimas desse modelo e lançou um movimento que certamente continuará a ter peso dentro do Partido Republicano como o Tea Party na época. Ou ele e seus apoiadores acabarão causando um cisma no partido.

Biden e o Partido Democrata têm duas opções:

Um, tirar lições do fenômeno Trump, retificar, não repetir o modelo Clinton ou Obama, assumir de uma vez por todas que as estruturas fundamentais do sistema atual foram exauridas e aceitar, pelo menos parcialmente, alguns dos aspectos fiscais, trabalhistas e ambientais mais importantes e reformas sociais, delineadas por Sanders e a equipe de jovens parlamentares que o apóia.

Dois, continue tentando navegar com empena como durante a campanha eleitoral. Supondo apenas superficialmente, de frente para a galeria, algumas das reformas propostas pela esquerda democrata e movimentos sociais, enquanto faz constantes acenos de cabeça ao setor mais “moderado” do Partido Republicano e dissidentes do PR, como o Projeto Lincoln e outros grupos do família conservadora.

No ambiente de Biden, não são poucos os que nos últimos dias favorecem esta última opção por argumentarem que o Partido Republicano caminha para uma fratura e que, ao inclinar o governo para a direita, pode enfraquecê-lo ainda mais, facilitando importantes acordos estaduais. bipartido. Seria seguir uma estratégia como a que ele tentou várias vezes durante o governo Obama e falhou.

Dessa forma, afirmam eles, 2022 poderia ser alcançado em melhores condições para se conseguir nas eleições legislativas de meio de mandato para aumentar a maioria democrata em ambas as Casas.

O fato de o grande capital ter votado em Biden na maioria nesta ocasião não augura precisamente que ele pode ser definido pela primeira opção, nem o equilíbrio de forças que continua a prevalecer dentro de um Partido Democrata estagnado o augura.

Biden define como "terroristas" a los 'trumpistas' que atacaron el Capitolio

Os primeiros 100 dias de graça para o novo governo

Em todo caso, por enquanto Biden terá seu período de carência, ele poderá manter alguma ambigüidade. Trump facilitou que a mudança de governo fosse notada rapidamente.

Uma nova política firme e coerente para enfrentar a crise da saúde, com uma coordenação federal dos 50 estados que não existe hoje, e a aprovação de um pacote de medidas sociais para amenizar as consequências que a devastação da Covid-19 causou em milhões pessoal, certamente serão alguns dos primeiros passos que permitirão a Biden iniciar seu mandato com o pé direito e fazer a diferença.

Seus primeiros decretos executivos já incluem a obrigatoriedade do uso de máscaras em prédios públicos federais e o retorno à Organização Mundial da Saúde, que aponta nessa direção. Ele também decidiu congelar a construção do muro na fronteira com o México – uma das promessas estrela de Trump inacabada -; acabar com a política criminosa de separar pais e filhos imigrantes que tentam entrar nos Estados Unidos, e reiterou sua promessa de regularizar a situação de 11 milhões de pessoas sem documentos por meio da Lei de Cidadania dos Estados Unidos.

Uma promessa semelhante também foi feita por Obama em 2009, quando assumiu o poder – com Biden como vice-presidente – e que deixou por cumprir após oito anos no cargo.

Entre os primeiros quinze decretos presidenciais já assinados por Biden está também o anúncio do retorno dos EUA ao Acordo de Paris contra as mudanças climáticas e a revogação da licença concedida para a construção do oleoduto Keystone XL entre os EUA e o Canadá.

Entre os primeiros quinze decretos presidenciais já assinados por Biden está também o anúncio do retorno dos EUA ao Acordo de Paris contra as mudanças climáticas e a revogação da licença concedida para a construção do oleoduto Keystone XL entre os EUA e o Canadá.

Espera-se que nos próximos dias e semanas Biden anuncie outras medidas internas de conteúdo social para tranquilizar a população, e que o faça também em questões de política externa para mostrar aos seus aliados e a todo o mundo que “os Estados Unidos volta à normalidade ”ou, como disse em seu discurso inaugural,“ para direcionar o bem no mundo ”.

É do interesse de Biden e do Partido Democrata que o impeachment de Trump se concretize e ele seja desqualificado para ocupar cargos públicos vitalícios.

No entanto, não é conveniente para eles que o impeachment do ex-presidente se sobreponha no tempo e retire o impacto político e midiático desse primeiro período de grandes anúncios do novo governo.

Embora nenhuma grande surpresa possa ser esperada de um governo com um homem do establishment como Biden no comando, somente depois desse período de carência é que se pode confirmar qual será o perfil final do novo governo.

Biden em seu primeiro dia assinou decretos e diretrizes.

#EleccionesEEUU #EstadosUnidos #JoeBiden #Capitolio #Covid-19 ##DonaldTrumpCulpable #ForaTrump #NoMoreTrump #OMS #Salud #AcordoDoParis

Autor: Raúl Antonio Capote | internacionales@granma.cu

Washington, a capital do império, acordou guardada por milhares de soldados. O Capitólio, onde foi realizada a cerimônia de posse do novo presidente, cercado por arame farpado, protegido por barricadas, lembrava a imagem de um dos muitos filmes de Hollywood, onde terroristas ou alienígenas ameaçam o símbolo do poder americano.

A cerimônia de posse foi marcada por excepcionalidades. Em vez dos muitos convidados habituais a estes eventos, apenas mil acompanharam Joe Biden e Kamala Harris, fortes medidas de proteção contra a COVID-19 coloriram o dia e, sobretudo, a ausência do presidente cessante, Donald Trump, algo que não Acontecia desde 1869.

Em seu primeiro discurso como presidente dos Estados Unidos, discurso em que abundaram as referências ao caráter excepcional de um país, “essencial” na hegemonia mundial, Joe Biden ofereceu palavras de otimismo e fé no futuro imediato da nação.

Joe Biden asumió este miércoles, 20 de enero, como el presidente No. 46 de Estados Unidos, elegido para gobernar al país los próximos cuatro años.

“Eu sei que falar sobre união pode soar como uma fantasia boba para alguns hoje em dia. As forças que nos dividem são profundas e reais, mas não são novas ”, afirmou. Biden referiu-se aos milhões de empregos perdidos, às centenas de milhares de empresas fechadas, aos despejos e à necessária justiça racial “adiada por 400 anos”.

Em um dos momentos mais aplaudidos de seu discurso, o presidente descreveu a situação atual como uma “guerra incivil” e pediu a defesa dos valores fundadores do país.

Por outro lado, o ex-presidente Barack Obama tuitou uma mensagem para o presidente eleito Joe Biden, horas antes da cerimônia no Capitólio: “Este é o seu momento”, escreveu Obama.

Enquanto isso, depois de mais de dois meses sem aceitar os resultados das eleições de 3 de novembro, o presidente cessante Donald Trump, optou por se despedir com um vídeo de quase 20 minutos.

No audiovisual, Trump destacou as “conquistas” de sua gestão, incluindo, incrivelmente, o que chamou de construção do “maior movimento político da história”, e prometeu que voltaria de “alguma forma”.

Com apenas algumas horas no cargo, Joe Biden assinou 17 decretos e diretrizes para implementar sua promessa de mudar urgentemente os quatro anos de políticas equivocadas de Donald Trump.

Entre os mais significativos estão o retorno dos EUA à Organização Mundial da Saúde (OMS), a proibição da discriminação no emprego no governo federal com base na orientação sexual e o retorno ao Acordo do Clima de Paris.

Biden tem a missão de lavar a imagem danificada pelas políticas errôneas de seu antecessor, salvar o modelo americano de “democracia” e tentar unir o país. Quem ocupa a posição no cargo oval, o império, no interesse da autopreservação como sistema, sempre buscará formas de se reconstruir.

A “era Trump” chegou ao fim?

#DonaldTrump #ForaTrump #NoMoreTrump #Florida #JoeBiden #EstadosUnidos #EleccionesEEUU #CasaBlanca #Covid-19

Autor: Elson Concepción Pérez | internet@granma.cu

Quarta-feira, 20 de janeiro, dia da mudança de governo nos Estados Unidos, Donald Trump iniciou sua “mudança” para a Flórida bem cedo pela manhã, onde pretende fixar residência permanente em uma de suas grandes propriedades, o resort Mar-a-Lago. , em Palm Beach, onde – aliás – os vizinhos não querem …

Ele sabe que foi derrotado, não apenas nas eleições de 3 de novembro, mas também em todos os litígios legais e ilegais que montou em sua busca para reverter a maioria dos votos a favor do vencedor, Joe Biden, e fazer sua determinação de declarar a fraude uma realidade onde não havia nenhum.
Sua credibilidade no governo também foi derrotada e até dentro do Partido Republicano, onde ocorreram deserções e há quem o acuse por tudo o que fez.

Se sabe derrotado, no solo en las elecciones del pasado 3 de noviembre, sino también en todos los litigios legales e ilegales que ha armado en su afán por revertir los votos mayoritariamente favorables al vencedor, Joe Biden y convertir en realidad su empeño en declarar fraude donde no lo hubo

Uma grande derrota, a da ética, tem impactado o magnata, por ter ignorado uma pandemia cujas consequências devastadoras se manifestam nos mais que infectados e … mortos.

Trump, além de subestimar a COVID-19, por não praticar o uso de máscaras ou distanciamento social, não previu os recursos para assistência em um sistema de saúde em colapso, como expressão máxima de quão frágil é em situações de emergência.

Ele deixou seu país mais isolado do que nunca e desacreditado internacionalmente, com suas decisões arbitrárias de descartar acordos internacionais de valor extraordinário, tanto sobre mudanças climáticas quanto sobre controle de armas, ou um de seus últimos feitos aberrantes, como o em plena pandemia para os Estados Unidos da Organização Mundial da Saúde.

Além do rosário de atos lamentáveis, há males como a corrupção em sua equipe de governo, o incitamento ao ódio e ao crime, que também fazem parte de seu extenso processo que deve ser aberto e julgado.

O magnata deixou a Casa Branca e foi empossado o democrata Joe Biden, vencedor por larga maioria nas eleições e no qual existe um clima repleto de expectativas, tanto internas como externas, e nada isentas de perigos, desafios e até ameaças do “Trump que se foi” e principalmente do Trumpism que permanece entre aqueles que votaram nele mais de 70 milhões.

Também fazem parte deste contexto elementos extremos, fascistas entre outros, capazes, como o foram em 6 de janeiro passado, de assaltar o Capitólio e se transformar em um verdadeiro caos de destruição e morte, a meca do que foi um símbolo do chamado “Democracia” e “estabilidade” do sistema social americano.

Donald Trump dice adiós a cuatro años de caos: “Tengan una gran vida, ¡nos  veremos pronto!” | Elecciones USA | EL PAÍS

A cerimônia de 20 de janeiro na Casa Branca, além de não ter o auxílio de Trump, foi muito limitada em termos de participantes, devido à pandemia e às ameaças e atos violentos dos últimos dias, instigados pelo presidente cessante.

Biden foi empossado pelo Chefe de Justiça John G. Roberts Jr. na frente leste do Capitólio, pouco antes do meio-dia. Naquela época, declarei: “Juro solenemente que exercerei fielmente o cargo de Presidente dos Estados Unidos e que, da melhor maneira possível, preservarei, protegerei e defenderei a Constituição dos Estados Unidos”.

Foi noticiado na grande mídia que Biden, em seus primeiros dez dias como presidente, assinará uma dúzia de medidas imediatas para “enterrar a era Trump”. Entre outros, o retorno ao Acordo de Paris sobre Mudanças Climáticas, um novo projeto de Lei de Migração, bem como sua intenção de obter a aprovação de seu plano de estímulos de US $ 1,9 trilhão para auxiliar na recuperação econômica do país após o coronavírus .

Biden também afirmou que sua administração pretende aplicar 100 milhões de vacinas contra COVID-19 em seus primeiros 100 dias no cargo, descrevendo a estratégia de vacinação atual como uma “falha deplorável”.

A posse de Biden ocorreu em meio a uma Casa Branca sitiada militarmente e a cidade de Washington tomada por milhares de forças armadas, cercas de metal erguidas por toda parte e arame farpado para impedir a passagem de “intrusos”, fundamentalistas e trompistas.

Atualização sobre política internacional.

#EstadosUnidos #EleccionesEEUU #Marchas #Capitolio #DonaldTrumpCulpable #TomaDePosesion #UnionEuropea #China #Iran #Covid-19 #Salud #ReinoUnido #Brasil #ONU #FBI #CambioClimatico #Cuba #DoctrinaMonroe #Israel #Palestina

Marcos que marcaram a presidência de Trump .

#DonaldTrumpCulpable #ForaTump #NoMoreTrump #EleccionesEEUU #JoeBiden #OrienteMedio #TerrorismoMadeInUSA

Retirado do público | efe

Os quatro anos da presidência de Trump foram marcados por vários marcos que carregam a marca registrada de sua personalidade provocadora, desde que ele começou sua campanha política em 2017 com uma forte retórica anti-imigração.

No vídeo de despedida que a Casa Branca publicou nas últimas horas da presidência de Trump, o presidente reviu, o que para ele tem sido, as conquistas de sua gestão como o acordo comercial com Canadá e México, a construção de mais de 700 quilômetros de muro na fronteira com o México, a morte do líder do grupo ISIS, Abu Bakr Al Baghdadi, e do chefe da força Quds do regime iraniano, Qassem Soleimani, e os “Acordos de Abraham” no Oriente Médio, entre outras.

Trump desea suerte a la nueva administración, en su mensaje de despedida -  ContraRéplica - Noticias

Ele também se pronunciou sobre o ataque ao Capitólio, alegando que “todos os americanos ficaram horrorizados” e que “a violência constitui um ataque contra o que valorizamos como americanos”, apesar de ter visto as mobilizações em direção ao Congresso dos EUA instigadas.

O magnata de Nova York transferiu que o “movimento” que o elegeu como presidente da nação norte-americana “está apenas começando”.

Trump, que também defendeu seu trabalho à frente do governo dos Estados Unidos, garantiu que “ora” para que o executivo de Joe Biden seja “bem-sucedido” em “manter os Estados Unidos seguros e prósperos”.

O presidente cessante não reconheceu a vitória eleitoral de Biden até depois do incidente no Capitólio, que ocorreu quando o Congresso certificou a vitória democrata na eleição. Biden assumirá a presidência da nação norte-americana nesta quarta-feira, sob fortes medidas de segurança.