Delenda est Cuba, um sonho americano .

#CubaEsUnContinente #LaRazonEsNuestroEscudo #EnLasRedesEstamos #DefendiendoCuba

Para Juan Valdés Paz, revolucionário intelectual, amigo sincero e observador profundo das nossas realidades.

Uma versão anterior deste documento foi enviada como uma apresentação virtual ao XXV Seminário “As Partes e uma nova sociedade” realizado a 21, 22 e 23 de Outubro de 2021 na Cidade do México.

Na Roma antiga, Cato o Ancião, um político da época, cada vez que terminava um discurso, independentemente do assunto, pronunciava a frase Delenda est Carthage. A razão desta afirmação foi que Cartago constituía um limite ao poder de Roma no Mediterrâneo. Esta situação levou a três guerras, na última das quais, 150 AC, Cartago foi sitiada durante mais de um ano, privada de comida e água, o que levou à sua rendição; a população foi escravizada ou morta e a cidade destruída. Há mesmo uma lenda que diz que a terra em que a cidade se encontrava foi arada e salpicada nos seus sulcos para que nada crescesse sobre ela.

A Revolução Cubana constitui um limite ao poder dos EUA na América Latina e a sua classe dirigente tem o que eu chamo a Síndrome de Cuba, porque durante 70 anos foram capazes de destruir ou mediatizar diferentes processos no continente, mas não foram capazes de destruir a Revolução Cubana.

Em 1960, Lester D. Mallory, Subsecretário de Estado da administração Eisenhower, fez a seguinte recomendação:

“A maioria dos cubanos apoia Castro…a única forma previsível de diminuir o seu apoio interno é através do desencanto e da insatisfação resultantes do mal-estar económico e das dificuldades materiais…todos os meios possíveis devem ser empregues rapidamente para enfraquecer a vida económica de Cuba…uma linha de acção que, sendo o mais hábil e discreta possível, fará o maior esforço para privar Cuba de dinheiro e de provisões, para reduzir os seus recursos financeiros e salários reais, para causar fome, desespero e a derrubada do Governo”[1].

Esta recomendação foi seguida pela administração Kennedy [2] e tornou-se a linha mestra do estabelecimento dos EUA durante mais de sessenta anos. No entanto, a Revolução, com os seus êxitos e erros, mostra que é possível criar outro tipo de sociedade em que a dignidade do ser humano prevalece e onde a lógica das maiorias e não a do mercado governa.

Acções imperialistas de todos os tipos contra a Revolução Cubana incluíram o patrocínio de organizações contra-revolucionárias, campanhas de sabotagem à economia, organização e apoio logístico e material a bandos armados, organização, formação, equipamento e transferência em 1961 de uma invasão militar mercenária de cerca de 1.500 soldados de origem cubana, que desembarcaram na zona de Ciénaga de Zapata. Este foi um projecto impecável do ponto de vista militar, mas não teve a vontade do povo cubano e foi derrotado em menos de 72 horas; Também recorreram à guerra biológica para prejudicar as culturas em Cuba, à introdução de epidemias, como a febre hemorrágica do dengue, que custou a vida de mais de mil crianças, para mencionar apenas algumas destas acções.

Falharam, mas não cessam nos seus objectivos; agora enfrentam um cenário mais complexo, a Nicarágua e a Venezuela não se submetem aos seus ditames, os processos eleitorais ameaçam a emergência de governos que respondem mais aos interesses dos seus povos, pelo que o objectivo de destruir a Revolução Cubana com novos elementos está a ser reorganizado.

Neste objectivo, o bloqueio é a ponta do iceberg de um vasto programa de acções económicas, comerciais e financeiras, juntamente com uma série de operações subversivas contra Cuba e também de pressões sobre países terceiros. Centenas de funcionários públicos, cientistas sociais, comunicadores e especialistas em operações encobertas e subversivas são empregados nestas tarefas. Este aparelho contra-revolucionário não pára o seu trabalho e funciona a tempo inteiro.

O impacto do bloqueio em cada uma das fontes de rendimento da ilha é brutal, atingindo a ordem de cinco mil milhões de dólares por ano, 430 milhões por mês. Em 2021, as perdas para a ilha atingiriam 147 mil milhões de dólares.

A administração Trump decretou 243 medidas punitivas abrangendo todo o espectro económico e social cubano que afectam significativamente a população e o desempenho económico do país. Existem também planos de contingência para uma invasão de Cuba, caso surjam as condições que o império considere propícias.

Contudo, a Lei Helms-Burton delineia o protectorado em que Cuba se tornaria se a revolução fosse derrubada [3]. A política da administração Biden é proteger Cuba dos EUA.

A política da administração Biden está em linha com a de Trump’s, apertando o bloqueio a níveis incríveis, sobretudo pressionando as empresas de transporte a não aceitarem carga para Cuba e também os bancos a não realizarem operações financeiras com Cuba, um exemplo: o banco espanhol que operava as contas da Cubana de Aviación, fechou-a sob pressão dos Estados Unidos.

A estratégia que o imperialismo americano está actualmente a seguir pode ser descrita como a de uma cidade sitiada, ou seja, sufocar a Revolução impedindo-a de receber qualquer tipo de recursos.

Em 2020, a pandemia da COVID-19 fez sentir a sua presença, o que afectou muito o funcionamento da economia e paralisou uma das áreas mais importantes na geração de moeda estrangeira para o país, o turismo. Desde então, o trabalho subversivo intensificou-se. Os meios de comunicação cubanos relataram vários casos e testemunhos de pessoas que tinham sido pagas para realizar certas acções para destruir bens ou desrespeitar símbolos patrióticos.

Esta fase da política subversiva culminou a 11 de Julho de 2021, quando pela primeira vez o império conseguiu organizar protestos simultâneos em várias partes do país. Estes protestos não foram pacíficos tal como descritos pelos meios de comunicação social corporativos e repetidos pelos porta-vozes do império. Nas redes sociais podem-se ver vídeos gravados pelos próprios participantes que mostram a violência que os acompanhou. Houve saques, destruição de estabelecimentos comerciais, ataques a gabinetes públicos e até a um hospital.

As redes sociais estavam cheias de notícias falsas e mensagens de ódio, até Biden, a 15 de Julho de 2021, declarou que Cuba era um Estado falhado.

Nem todos os que participaram nestes protestos foram decretados ou elementos mercenários, houve também pessoas honestas que inicialmente se juntaram aos protestos em protesto contra os problemas da sua comunidade e que se retiraram quando tomaram aquele rumo violento.

Na agenda do império contra Cuba está o objectivo de relançar um cenário de protestos que servirá para justificar as suas acções e os seus peões no país já o anunciaram, solicitando autorizações para uma marcha a 15 de Novembro de 2021 a realizar em várias cidades, no mesmo dia em que Cuba abre as suas fronteiras e se iniciam as aulas escolares.

É claro que estas marchas contra o sistema político que governa o país não foram autorizadas com base em sólidos argumentos legais e constitucionais, e como esperado receberam o apoio da administração Biden, do seu aparelho de propaganda e da máfia terrorista que lucra em Miami com o negócio de lutar contra a Revolução Cubana[4]. Na minha opinião, autorizar acções promovidas pela Revolução Cubana não é o mesmo que autorizar acções contra a Revolução Cubana, mas é o mesmo que autorizar acções contra a Revolução Cubana.

Na minha opinião, autorizar acções promovidas, financiadas e dirigidas através dos mecanismos de subversão da actual administração dos EUA seria legalizar os EUA como um actor interno no país.

O confronto com a pandemia da COVID-19 mostrou a capacidade do governo da Revolução para gerir uma crise sanitária e económica simultânea. Como é bem sabido, a COVID-19 causou uma crise global e Cuba não escapou, enfrentando a pandemia em condições muito difíceis com resultados eficazes.

Foi criado um grupo de trabalho nacional temporário para lidar com a pandemia, chefiado pelo Presidente da República e pelo Primeiro-Ministro, bem como grupos semelhantes em todas as províncias chefiados pelos governadores, e foram efectuados controlos diários sobre a situação e as medidas a tomar.

A magnitude dos casos na altura do pico da pandemia colocou uma tensão no sistema de saúde e forçou o desenvolvimento de capacidades adicionais nas escolas e outras instalações. Até uma universidade, a Universidade de Informática, foi convertida num hospital. Aos doentes eram garantidos alimentos e medicamentos gratuitos.

A comunidade científica foi encarregada de criar vacinas contra o vírus[5] e num curto espaço de tempo o país teve cinco candidatos a vacinas, três dos quais atingiram o estatuto de vacinas com uma eficácia superior a 90%, nomeadamente Soberana 02, Abdala e Mambisa. Este é um feito extraordinário, fazendo de Cuba o primeiro país da América Latina e das Caraíbas a criar as suas próprias vacinas, especialmente nas condições difíceis que a ilha está a viver.

Um fenómeno a assinalar nesta batalha é a participação voluntária de milhares de jovens no trabalho de apoio em hospitais e centros de isolamento.

Parece apropriado fornecer alguns dados que mostram o enorme esforço do país e o que foi alcançado nesta batalha:

Desde Março de 2021, o país acumulou 946 960 casos de contágio, actualmente existem 5761 casos, o que significa que 98% dos doentes recuperaram.
Neste momento 71,3% da população está vacinada e, em geral, 100% da população elegível para a vacina (9.795.606 pessoas) recebeu pelo menos uma dose de uma das vacinas; além disso, Cuba foi o primeiro país a vacinar a sua população pediátrica, dos 2 aos 18 anos de idade, e um milhão de crianças e adolescentes já receberam a segunda dose da vacina[6].
Actualmente, o número de infecções é inferior a 600 por dia, com uma tendência descendente, e está em curso uma estratégia para assegurar que a abertura das fronteiras do país não conduza a um ressurgimento.

Durante este tempo de combate à epidemia, a solidariedade tem estado presente, um total de 57 brigadas do Contingente Henry Reeve apoiaram a luta contra a COVID-19 em 41 países e dentro do país, em tempos difíceis[7]. Por outro lado, a combinação do aperto do bloqueio e da pandemia desencadeou uma crise económica notável e as carências estão presentes.

Além disso, a combinação do bloqueio apertado e da pandemia desencadeou uma crise económica notável e as carências estão presentes,

Os dois factores acima mencionados mais alguns problemas já presentes no desempenho económico levaram o país a uma situação extremamente difícil, o Produto Interno Bruto caiu 13%, entre 2020 e 2021, mais de 3 mil milhões de dólares em receitas foram perdidos. A dependência alimentar permanece elevada, foram investidos este ano 1,348 milhões de dólares em importações de alimentos, e estão em curso trabalhos para aumentar a capacidade interna de produção alimentar, mas os resultados não serão a curto prazo.

A 1 de Janeiro de 2021, teve início um processo de reformas económicas, sob o nome de Tarea Ordenamiento, cujo objectivo central é actualizar a economia do país com as actuais condições mundiais, mantendo ao mesmo tempo o projecto socialista.

Entre as medidas tomadas estão a eliminação da dupla moeda e taxa de câmbio, estabelecendo o peso cubano como a única moeda em circulação, que foi desvalorizada para 24 dólares, a expansão do espaço para actividades privadas e cooperativas, bem como a procura de ligações entre as diferentes formas de gestão económica, tanto na economia urbana como na agricultura, e a criação de MPMEs, tanto privadas como estatais.

Esta reforma económica demorou demasiado tempo a ser iniciada, e isto foi feito quando não pôde ser adiada, mas foi um período complicado devido à pandemia e à intensificação do bloqueio. É claro que na implementação inicial houve erros de cálculo e lentidão na implementação de algumas medidas que tinham sido propostas durante anos, tais como a criação de MPMEs e a promoção de cooperativas urbanas, às quais se deve acrescentar a burocracia que, sistematicamente denunciada pelo Presidente da República, não é fácil de eliminar.

Na minha opinião, o projecto de reforma em curso visa criar aquilo a que chamo uma economia socialista, ou seja, uma economia de mercado com um sector estatal dominante que se articula com os sectores privado e cooperativo sob a liderança de um Estado revolucionário guiado por uma vanguarda revolucionária que, em interacção com o povo, promove a realização do projecto socialista.

Embora a primeira coisa que se destaca seja a situação de escassez generalizada e o aparecimento de fenómenos como as filas e o mercado negro, o apoio à Revolução não foi prejudicado.

Coincidindo com estes processos, houve uma mudança geracional na liderança do país, o que resultou numa nova liderança política que agora lidera a Revolução. Creio que a equipa de liderança do país reagiu à nova situação não só com firmeza face à agressão, mas também com criatividade e inteligência face às dificuldades, sempre na lógica das maiorias.

Para argumentar isto, referir-nos-emos a algumas das actividades realizadas.

As doações de produtos médicos e alimentares foram enviadas de vários países e organizações de solidariedade; estas últimas foram distribuídas gratuitamente a toda a população através da organização de módulos de produtos que permitiram a todas as famílias do país beneficiarem.

Uma cadeia de lojas operava no país com o objectivo de recolher moeda estrangeira, denominada Tiendas Recaudadoras de Divisas (TRD), para a qual foi criada uma moeda, o peso convertível cubano (CUC). Quando as moedas eram unificadas e apenas circulava o peso cubano, uma parte destas lojas vendidas em moeda livremente convertível, os cubanos podiam comprar nestas lojas com cartões magnéticos nestas moedas, suportados por contas que podiam ser abertas na rede bancária do país.

Parte destas receitas é investida para vender produtos em pesos que beneficiam toda a população, que este ano atingiu mais de 300 milhões de dólares.

Um elemento importante que caracteriza a nova liderança é a política de diálogo. O Presidente da República e as mais altas autoridades reuniram-se com diferentes sectores do país: jovens, estudantes, artistas e escritores, denominações religiosas, a comunidade LGBQI+, e outros, em suma, um amplo espectro da sociedade, para ouvir as suas propostas e problemas e trabalhar em conjunto na busca de soluções, o que não significa que sejam resolvidos da noite para o dia.

Um problema que tem sido negligenciado é o dos bairros com vulnerabilidade social e habitacional. A atenção a estes bairros tem sido priorizada com uma política de apoio à participação e decisão dos seus habitantes na resolução dos problemas que os afligem. De facto, o empoderamento participativo da comunidade é prosseguido. Poderia enumerar outras actividades, mas vou resumi-las numa frase popular: “O governo está no topo da bola”.

Observo de passagem que a participação popular e o empowerment não são processos automáticos, mas sim processos de aprendizagem e práticas que conduzem à sua cristalização. Fiz avançar estas referências para mostrar que em Cuba existe uma liderança política e estatal que funciona de acordo com a lógica das maiorias, e é desta política que deriva a força da Revolução.

O lado daqueles que Odeiam e DESCATAM.

#TuMarchaNoMeConvence #NosVemosEl15 #XCubaYo #PasionXCuba #LaRazonEsNuestroEscudo

11 de Julho e as zonas vermelhas da realidade .

#Cuba #Periodismo #RevolucionCubana #ManipulacionPolitica

Por Redacción Razones de Cuba

O 11 de Julho fez-nos sair das zonas vermelhas da crise sanitária da COVID-19 e entrar nas zonas vermelhas da realidade. Os acontecimentos inesperados dessa data colocaram a sociedade cubana, como nunca antes, perante o dilema da “crise total” em que a pandemia está a sujeitar a nossa civilização.

Um dos mais notáveis colunistas do nosso jornalismo, José Alejandro Rodríguez, alertou para este facto numa recente reunião com o Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez. Fê-lo com a alma endurecida de alguém que dirige uma secção de leitores no diário Juventud Rebelde há mais de 20 anos, contra a maré de reviravoltas sociais, burocracia, negligência e outros fardos.

O que José Alejandro não teve tempo para narrar, em mais de quatro horas de uma reunião tão profunda como estava comprometido com o destino de Cuba, foram os tempos em que os burocratas habilitados tentavam silenciar ou mediatizar o seu Reconhecimento de Recepção. Os tempos em que, por revelarem injustiças ou marginalização entristecedora, ao contrário do sentido da Revolução, tentavam cortar ou subjugar esta prestigiosa coluna.

A importância do facto de o espaço ter sobrevivido a numerosos “golpes suaves” e outros nem tanto, em benefício do cumprimento da responsabilidade social dos media no socialismo, foi reconhecida pelo próprio Presidente da República nesse diálogo, quando comentou que usava o que ali estava exposto para o exercício do seu governo, que só pagava manipuladores e mercenários ignorariam que ele está a tentar responder ao bater do coração do povo.

E esta convergência entre a missão do jornalismo e os interesses de um Estado e de um executivo em Revolução lembra-nos que o primeiro só atingirá o seu verdadeiro significado e cumprirá a sua responsabilidade se funcionar como contrapeso e equilíbrio na sociedade, algo que não é suficientemente compreendido em todos os modelos conhecidos de socialismo, incluindo o nosso na rectificação.

Qual seria a utilidade social, ou para a irreversibilidade do projecto cubano de independência nacional e justiça social, de um modelo de jornalismo apologético ou triunfalista, alienado dos dilemas do cidadão comum ou de deformações de vários tipos, para o qual foram dirigidas as críticas dos últimos congressos do Partido Comunista de Cuba?

Reconheçamos que o derrotismo que o mecanismo de ódio e deturpação desencadeado contra Cuba tenta semear, com o seu permanente bombardeamento de desânimo, numa guerra que não tem limites éticos ou humanos, pode ser tão destrutivo como o triunfalismo ou a vanglória excessiva que altera a interpretação da realidade.

Daí a necessidade inevitável de superar o modelo de “jornalismo de Estado”, de elevada dependência institucional que a Revolução foi forçada a erguer em circunstâncias históricas muito específicas – excelentemente descrito pelo falecido Julio García Luis, vencedor do Prémio Nacional de Jornalismo no seu texto Jornalismo, Socialismo, Jornalismo: A imprensa cubana e os jornalistas no século XXI – pelo que conceptualmente chamou um modelo de auto-regulação responsável dos meios de comunicação social.

Como Díaz-Canel correctamente salientou na reunião, não se trata agora de ter vergonha do modelo jornalístico que permitiu à Revolução construir o grande consenso social num país sujeito a assédio e agressão permanentes desde 1959, face a um modelo de comunicação global profundamente injusto e assimétrico, perfidamente articulado e concebido para os interesses das elites económicas e políticas.

Seria tão absurdo rotular o modelo de imprensa revolucionário cubano de fracasso como seria irresponsável persistir na sua inalterável permanência. A este respeito, Julio García Luis demonstrou suficientemente que a resolução dos problemas do jornalismo não é suficiente para resolver os défices do nosso socialismo, mas sem o fazer seria impossível fazer este último.

É necessário compreender que estes consensos, assim como a hegemonia dos ideais revolucionários que levaram a Revolução até agora vitoriosa, não são construídos da mesma forma no século XXI. Isto é muito mais complexo numa sociedade em transformações radicais, com pesadas dívidas sociais acumuladas apesar do seu imenso trabalho de justiça, e sujeita à asfixia de um bloqueio imperial levado ao paroxismo.

Daí a necessidade inescapável, como declarou Ariel Terrero Escalante, vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas Cubanos (UPEC), no diálogo, de promover novas formas de comunicação política e mediática. Isto exige que se evite qualquer tipo de confusão entre os dois, numa era de expansão acelerada da Internet e a perda de hegemonia dos sistemas tradicionais face à expansão das redes sociais e à profunda segmentação dos públicos.

Um padrão actualizado de jornalismo exige um novo tipo de relação entre o sistema de instituições públicas e o sistema de meios de comunicação social, que visa tornar os meios de comunicação social parte dos mecanismos de controlo social, como o próprio Díaz-Canel reconhece.

A concretização do acima referido, incluindo formas modernas e transparentes de comunicação institucional, impede o que Rosa Miriam Elizalde, primeira vice-presidente da UPEC, chamou o choque telúrico de 11 de Julho, favorecido por problemas de gestão da comunicação num cenário clássico de guerra não convencional e o uso avassalador da ciência e da tecnologia.

Muitas das chaves da transformação emergiram de outras reflexões na reunião. Tanto Edda Diz Garcés, director da Agência Cubana de Notícias, como Armando Franco Senén, chefe da revista Alma Máter, destacaram o valor essencial do tempo no exercício jornalístico de hoje, a combinação de racionalidade e emoção, bem como os danos do silêncio, a falta de transparência institucional e mesmo os tons da comunicação. O director da Alma Máter insistiu na singularidade e urgência de um tipo de jornalismo feito para os jovens.

Os jovens colegas Lirians Gordillo e Cristina Escobar, da Editorial de la Mujer e do Sistema Informativo de la Televisión Cubana, respectivamente, sublinharam a franqueza do diálogo com aqueles que pensam de forma diferente, com aqueles que discordam da acomodação de ideias e não são, portanto, antagónicos, bem como o valor da controvérsia e da crítica. E tudo isto com um discurso renovado, moderno, cientificamente apoiado, muito longe do propagandismo ostensivo.

Enquanto os Estados Unidos e a direita mundial querem vender-nos a panaceia idílica do jornalismo privado, ao serviço dos poderosos e dos ricos, e pagam muito bem para estabelecer um sistema paralelo deste tipo em Cuba, não devemos deixar de insistir no contrário, um sistema nunca erguido até hoje, parte dos mecanismos de uma democracia verdadeiramente popular.

Para que o discurso revolucionário dos meios de comunicação social seja legitimado face à pluralidade de audiências e interesses actuais, deve estar especialmente ligado à realidade. Não pode ser alienado ou mudo perante as complexas geografias sociais que decidem a verdadeira plenitude da justiça no socialismo.

Um Instituto para uma comunicação socialista autêntica
O Instituto de Informação e Comunicação Social, cuja criação foi anunciada no jornal oficial na terça-feira, está em construção há vários anos e deverá contribuir para resolver os problemas estruturais da imprensa e da comunicação na sociedade cubana.

Espera-se que a instituição ofereça coerência ao cumprimento da Política de Comunicação do Estado e do Governo aprovada em 2018, a primeira do seu género após o triunfo da Revolução. Esta política reconhece a informação como um bem público e um direito do cidadão.

Embora com uma visão e missão muito mais abrangente e integradora, a emergência do Instituto deverá facilitar o progresso para novos modelos de imprensa e comunicação pública, uma necessidade acentuada pela rápida imersão de Cuba na chamada era de convergência e no cenário de guerra híbrida que o país enfrenta.

Em frente, com vista a resolver estes problemas estruturais, está a aprovação de um instrumento jurídico, já incluído no calendário parlamentar, que daria garantias para os direitos à liberdade de imprensa e à liberdade de expressão consagrados na nova Constituição.

No seu encontro com jornalistas, o Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, reiterou uma vontade política que já tinha sido salientada muitas vezes: compreender a gestão da comunicação como algo vital e, portanto, revolucionar a sua gestão. Salientou que é por isso que a comunicação é um dos três principais pilares do país, juntamente com a informatização, a ciência e a inovação.

Extraído de Juventud Rebelde

Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano rejeita novas medidas coercivas dos EUA.

#CubaSoberana #MiMoncadaEsHoy #AquiNoSeRindeNadie

O que deve ser um jovem comunista.

#ErnestoGuevara #RevolucionCubana #AmericaLatina

Por: Ernesto Guevara  Redacción Razones de Cuba

A Liga dos Jovens Comunistas tem de se definir com uma única palavra: vanguarda. Vós, camaradas, deveis ser a vanguarda de todos os movimentos. O primeiro a estar pronto para fazer os sacrifícios que a Revolução exige, qualquer que seja a natureza desses sacrifícios. O primeiro a trabalhar. O primeiro a estudar. O primeiro a defender o país.

Creio que a primeira coisa que deve caracterizar um jovem comunista é a honra que ele sente por ser um jovem comunista. Essa honra que o leva a mostrar perante todo o mundo que é um jovem comunista, que não o torna subterrâneo, que não o reduz a fórmulas, mas que o exprime a cada momento, que sai do seu espírito, que está interessado em mostrá-lo porque é o seu símbolo de orgulho.

Além disso, um grande sentido do dever para com a sociedade que estamos a construir, com os nossos semelhantes e com todos os homens e mulheres do mundo.

Isso é algo que deveria caracterizar o jovem comunista. Além disso, uma grande sensibilidade perante a injustiça; um espírito inconformista sempre que algo está errado, não importa quem o tenha dito. Questionar tudo o que não é compreendido; discutir e pedir esclarecimentos sobre o que não é claro; declarar guerra ao formalismo, a todos os tipos de formalismo. Estar sempre aberto para receber novas experiências, para compor a grande experiência da humanidade, que há anos avança para o caminho do socialismo, para as condições concretas do nosso país, para as realidades que existem em Cuba: e para pensar – cada um e cada um de nós – como mudar a realidade, como melhorá-la.

O jovem comunista deve ter sempre como objectivo ser o primeiro em tudo, lutar para ser o primeiro, e sentir-se incomodado se em algo ocupa outro lugar. Lutar para melhorar, para ser o primeiro. É claro que nem todos podem ser os primeiros, mas ele pode estar entre os primeiros, no grupo de vanguarda. Ser um exemplo vivo, ser o espelho onde os camaradas que não pertencem à juventude comunista podem olhar para si próprios, ser o exemplo onde homens e mulheres mais velhos que perderam um certo entusiasmo juvenil, que perderam a fé na vida e que reagem sempre bem ao estímulo de um exemplo podem olhar para si próprios. Esta é outra tarefa dos jovens comunistas.

Juntamente com isso, um grande espírito de sacrifício, um espírito de sacrifício não só para viagens heróicas, mas para cada momento. Sacrificar-se para ajudar o seu camarada em pequenas tarefas, para que possa fazer o seu trabalho, para que possa cumprir o seu dever na escola, nos seus estudos, para que possa melhorar a si próprio de qualquer forma. Estar sempre atento a toda a massa de pessoas que o rodeiam.

Ou seja: a cada jovem comunista é pedido que seja essencialmente humano, que seja tão humano que se aproxime do melhor do que é humano, que purifique o melhor do homem através do trabalho, do estudo, do exercício da solidariedade contínua.
desenvolver a sua sensibilidade ao ponto de se sentir angustiado quando um homem é assassinado em qualquer parte do mundo e de se sentir entusiasmado quando algures no mundo é hasteada uma nova bandeira da liberdade.

O jovem comunista não pode ser limitado pelas fronteiras de um território: o jovem comunista deve praticar o internacionalismo proletário e senti-lo como se fosse seu. Para recordar, como nós aspirantes a comunistas aqui em Cuba devemos recordar, que somos um exemplo real e palpável para toda a nossa América, e ainda mais para a nossa América, para outros países do mundo que também lutam noutros continentes pela sua liberdade, contra o colonialismo, contra o neocolonialismo, contra o imperialismo, contra todas as formas de opressão dos sistemas injustos; lembrar sempre que somos uma tocha ardente, que somos todos o mesmo espelho que cada um de nós individualmente é para o povo de Cuba, e somos esse espelho para os povos da América, os povos do mundo oprimido que lutam pela sua liberdade, para olhar para dentro. E devemos ser dignos desse exemplo. Em qualquer altura e em qualquer momento devemos ser dignos desse exemplo.

É isso que pensamos que um jovem comunista deve ser. E se nos dizem que somos quase românticos, que somos idealistas inveterados, que pensamos em coisas impossíveis, e que não é possível fazer com que a massa de um povo se torne quase um arquétipo humano, temos de responder, uma e mil vezes, que sim, é possível, que temos razão, que todo o povo pode avançar, que podem liquidar a mesquinhez humana (…); para nos aperfeiçoarmos como todos nós nos aperfeiçoamos dia após dia, liquidando intransigentemente todos aqueles que ficam para trás, que não são capazes de marchar ao ritmo que a Revolução Cubana está a marchar .

Sussurros, murmúrios e mais do mesmo.

#Cuba #RevolucionCuban #PatriaOMuerte #TridoresNoMeRepresentan #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #ElBloqueoEsReal

Autor: Pedro de la Hoz | pedro@granma.cu

A obsessão anticubana de alguns eurodeputados e o negócio com a contra-revolução que um astuto empresário nascido na Ilha, mas radicado em Espanha, vem trazendo há muito tempo, tentaram animar um espectáculo no Parlamento Europeu esta sexta-feira, que tentou vender um panorama apocalíptico e irreal em Cuba.

O roteiro velho e gasto, encorajado pela posição comum fracassada da época do alinhamento de Aznar com a Casa Branca, e a reciclagem de vozes antigas, como a de alguém que negou sua militância lutadora – ele até ofereceu uma festa no dia em que eles deram o cartão – e de outro que há anos vem cantando que chegará e nunca chegará, agora acrescentam algumas linhas, derivadas das ações mais recentes contra Cuba nascidas em Miami, que estão comprometidas com a nova administração dos Estados Unidos não só não inverter, se não apertar o bloqueio.

dinero

Mal murmura e sussurra em discursos com pouca imaginação e pouca solvência: um rapper que delira por se acreditar porta-voz de 11 milhões de cubanos, outro que mal sabe definir a democracia, um comediante que não tem muita credibilidade quando fala sério e, portanto, dois ou três a mais do que na soma não vai além de abundar mais sobre o mesmo. Todos em boa companhia, como quem não canta nem escreve e conta como carta de apresentação pedindo fogo, bloqueio, fome e morte para seus compatriotas, como foi documentado aos olhos de todos os habitantes desta terra.

Que distração foi introduzida no fórum de Bruxelas pelos eurodeputados Leopoldo López Gil, dos anfitriões do reacionário Partido Popular, da Espanha, e Dita Charanzova, da República Tcheca, ninguém menos que a vice-presidente do Parlamento Europeu, discípula de o bilionário Andrej Babis e porta-estandarte do neoconservadorismo populista. Com tantos temas úteis para enfrentar, como os programas de vacinação disponíveis para todos ou a recuperação econômica de um continente atingido pela pandemia, Charanzova e López Gil se permitem jogar a contra-revolução anticubana. Aliás, a tcheca é muito, muito próxima de Juan Guaidó, tanto que convidou o fantoche venezuelano para participar do evento.

A credencial do moderador do programa, Javier Larrondo, fala por si: foi ele quem deu assistência e corda à patética criatura que foi filmada enquanto se atacava contra uma mesa na montagem de uma Cuba violadora dos direitos humanos, e Ele aparece ao lado dele como co-fundador do grupo.

No chat que acompanhou a transmissão online do show, alguém escreveu: “Você não me representa”, E assinou: “Pátria ou Morte, Vamos vencer”.

Denunciam novas ações violentas contra #Cuba financiadas pelo exterior.

#Cuba #AccionesViolentas #RedesSociales #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #CubaSeRespeta #TerrorismoMadeInUSA

Muito desespero para ser este “O ESCOLHIDO”

#CubaNoEsMiami #vergüenza #COVID #Cuba #RedesSociales #ManipulacionmMediatica #MINTCULT #MercenariosYDelincuentes #TerrorismoMadeInUSA #Sanciones #MafiaCubanoAmericana #DonaldTrumpCulpable

Vendepatrias em frente ao Ministério da Cultura de Cuba, imitam os agressores do Capitólio de Washington.#GuerreroCubano

#GuerreroCubano #CubaSeRespeta #CubaViva #MINCUL #CubaEsCultura #ManipulacionMediatica #RedesSociales #SubversionContraCuba #MafiaCubanoAmericana #RevolucionCubana #MercenariosYDelincuentes #Washington

%d bloggers like this: