Presidente do Mexico

O mais longo túnel de tráfico de drogas já descoberto na fronteira com os EUA e México

O corredor subterrâneo começa em Tijuana e termina em San Diego, e foi equipado com um sistema de trilhos e carros, ventilação, eletricidade, elevador e um complexo sistema de drenagem.

VIDEO: El túnel de tráfico de drogas más largo jamás descubierto en la frontera entre EE.UU. y México

As autoridades de fronteira anunciaram quarta-feira a descoberta do maior túnel de contrabando de drogas já encontrado na fronteira sudoeste entre os EUA. e México

“Embora os túneis subterrâneos não sejam algo novo ao longo da fronteira entre a Califórnia e o México, a sofisticação e extensão deste em particular demonstram o trabalho árduo que as organizações criminosas transnacionais empreendem para facilitar o contrabando transfronteiriço.”

Sua entrada estava escondida em um pequeno prédio industrial. As dimensões do corredor são de aproximadamente 1,6 metros de altura por 0,6 metros de largura e foram construídas a uma profundidade média de cerca de 21,3 metros.
“A sofisticação deste túnel demonstra a determinação e os recursos monetários dos cartéis”

Embora não tenham sido realizadas prisões ou apreensões, as autoridades de fronteira indicaram que as investigações continuam e não descartam “futuras prisões e apreensões”.

Categories: AMLO, Andrés Manuel López Obrador, estados unidos, México, zona franca, drogas, eeuu, México, MEXICO, Presidente do Mexico, Uncategorized | Etiquetas: , , , | Deixe um comentário

Uma parte do muro da fronteira de Trump não pode resistir à força do vento e entra em colapso no território mexicano

Parte do muro de fronteira que o governo Trump está construindo entre os EUA e o México entrou em colapso na quarta-feira por causa do vento. No evento, que aconteceu entre a cidade californiana de Calexico e a cidade mexicana de Mexicali, painéis de aço com mais de 9 metros de altura acabaram caindo em árvores do lado mexicano.

VIDEO: Una parte del muro fronterizo de Trump no puede resistir a la fuerza del viento y se derrumba sobre territorio mexicano

Uma equipe de construção trabalha em uma seção caída do muro da fronteira, vista de Mexicali, México, em 29 de janeiro de 2020.
AFP

Segundo relatos, os painéis foram instalados recentemente e, como o concreto ainda não havia secado, eles não resistiam à força do vento, que atingia de 30 a 50 km / h no momento do colapso. As autoridades informaram que durante o incidente ninguém ficou ferido e nenhuma propriedade foi danificada, relata o LA Times.

“Felizmente, as autoridades mexicanas reagiram rapidamente e conseguiram desviar o tráfego da rua vizinha”, disse o agente da Patrulha da Fronteira da Califórnia, Carlos Pitones. Ele também informou que o Departamento de Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA (CBP) estava trabalhando para recuperar os painéis e reinstalá-los.

“O CBP trabalhará com o empreiteiro para mitigar o impacto dos ventos fortes à medida que o trabalho continuar”, disse Pitones.

A área afetada faz parte de um projeto de construção em andamento que visa melhorar as seções existentes do muro.

Foi relatado anteriormente que o presidente Donald Trump planeja investir US $ 7,2 bilhões adicionais na criação do muro de fronteira. A soma dos fundos gastos pela defesa dos EUA no projeto chegaria a 18,4 bilhões de dólares. Espera-se que esse valor seja suficiente para terminar, na primavera de 2022, 1.424 km da cerca, menos da metade do comprimento total da fronteira (3.145 km).

Categories: #Donald Trump, #Estados Unidos, #Trump, @Trump, AMLO, Andrés Manuel López Obrador, estados unidos, México, zona franca, Donald Trump, Donald Trump,, FORA TRUMP, México, MEXICO, Presidente do Mexico, relações bilaterais, o governo Donald Trump, Trump Google, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump, Uncategorized | Etiquetas: , , , , | Deixe um comentário

O Senado dos EUA aprova o T-MEC com o México e o Canadá

O líder da maioria republicana do Senado dos EUA, Mitch McConnell, destacou a medida. Ele disse que é uma “grande vitória” para “famílias americanas em todos os 50 estados”

Categories: #Donald Trump, #Estados Unidos, #Trump, @Trump, canadá, Donald Trump, Donald Trump,, Donald Trump, Estados Unidos, FORA TRUMP, México, MEXICO, Presidente do Mexico, relações bilaterais, o governo Donald Trump, Trump Google, Um bom filho ... de Trump, Uncategorized | Etiquetas: | Deixe um comentário

México assume presidência pro tempore da CELAC

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador (AMLO), assumiu quarta-feira a presidência pro tempore da Comunidade dos Estados da América Latina e do Caribe (CELAC), para o período 2020-2021.

El presidente mexicano se toma la fotografía oficial de la reunión de la CELAC junto a ministros de América Latina y el Caribe.

O presidente mexicano colocou uma mensagem na rede social do Twitter, na qual anunciou que o México assumiu a presidência da Comunidade dos Estados da América Latina e do Caribe na quarta-feira.

“Somos acompanhados por ministros, vice-ministros, embaixadores e representantes de 29 países e organizações regionais. Buscamos cooperação para o desenvolvimento de nossos povos”, afirmou López Obrador.

A partir da tarde, os representantes dos países se reuniram com o ministro das Relações Exteriores do México, Marcelo Ebrard, no Ministério da Educação, onde compartilharam o saldo do último ano da CELAC. O México recebeu a presidência pro tempore da Bolívia, o país que liderava a organização no ano passado.

Após essa reunião, os ministros e vice-ministros se mudaram para o Palácio Nacional, onde foram recebidos pelo chefe de estado mexicano.

Categories: CELAC, Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (CELAC), Cuba, Organización de Estados Americanos (OEA), Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), México, presidência pró-tempore #Celac, Presidente do Mexico, Uncategorized | Etiquetas: , , , | Deixe um comentário

Cúpula Celac no México, a utopia da integração regional

Por: Cecilia González

O México assumirá a presidência da Comunidade de Estados da América Latina e do Caribe (Celac) em meio às divisões ideológicas e crises internas existentes na região e à preocupação global gerada pelo renovado confronto entre os Estados Unidos e o Irã.

A cúpula do Celac, que será realizada na próxima quarta-feira na Cidade do México, será mais uma tentativa de fortalecer a América Latina em um ano em que Donald Trump pretende se reeleger como presidente, mesmo à custa de uma nova guerra no Oriente Médio.

A reunião será liderada por Andrés Manuel López Obrador, presidente que não viaja para o exterior e deixou completamente a diplomacia internacional nas mãos de seu ministro das Relações Exteriores, Marcelo Ebrard, que em setembro passado fez o México suceder à Bolívia na presidência pro tempore do Celac. Evo Morales ainda governou e a possibilidade de um golpe contra ele nem apareceu no horizonte. Na Argentina e no Uruguai, as eleições presidenciais não foram realizadas. E o Chile, ainda sem protestos em massa, continuou sendo o exemplo favorito do neoliberalismo. Na Colômbia, o resultado das eleições regionais em outubro era desconhecido.

Nestes escassos quatro meses, o cenário regional mudou completamente.

Morales foi deposto em novembro e está isolado na Argentina, depois de passar um mês como refugiado na capital mexicana e em escala médica em Cuba. De Buenos Aires, mantém uma estratégia de superexposição e reconhece que está fazendo campanha com vistas às eleições programadas para 3 de maio. Ele confia no triunfo do Movimento do Partido Socialista (MAS), mas sem ele como candidato.

Cecilia González, jornalista e escritora.
Cecilia González, jornalista e escritora.
O apoio que Fernández e López Obrador prestaram a Evo Morales ganhou dois presidentes críticos de setores da oposição que, ansiosos por repudiar qualquer medida, validaram a violenta interrupção de um governo democrático.
Na Argentina, o candidato peronista Alberto Fernández venceu as eleições com um discurso progressista contrário ao seu antecessor, o conservador Mauricio Macri. No Uruguai, aconteceu o contrário: o candidato Luis Alberto Lacalle Pou recuperou para a direita o governo que a esquerda Frente Amplio manteve por 15 anos.

Uma das grandes surpresas foi o surto social no Chile, que terminou com a miragem construída em todo o país por tantos anos. Encurralado, com alegações de crimes contra a humanidade envolvidos, e na tentativa de impedir a queda precoce de seu governo, o Presidente Sebastián Piñera convocou um plebiscito a ser realizado em 26 de abril, apenas uma semana antes das eleições presidenciais. da Bolivia. Nesse dia, os chilenos terão que decidir se querem uma nova Constituição.

Na Colômbia, o mapa político foi reconfigurado após as eleições regionais, que demonstraram o cansaço dos cidadãos com a classe política tradicional. Hoje, Bogotá é governado pela primeira vez por uma mulher, Claudia López, que também é a primeira prefeita abertamente gay da América Latina. Sua nova posição e seu casamento com a senadora Angélica Lozano se tornaram um símbolo poderoso para neutralizar o progresso de grupos conservadores que têm no Jair Bolsonaro brasileiro e no governo de fato da Bolívia liderado por Jeanine Añez a duas de suas máximas e Expressões mais perigosas.

Lances
No rearranjo do conselho regional, as propostas que precedem a cúpula do Celac estão na ordem do dia.

Alberto Fernández e Andrés Manuel López Obrador criaram uma aliança de governos progressistas no extremo norte e sul da América Latina que tiveram seu primeiro resultado concreto e positivo na ajuda prestada a Evo Morales, desde as alegações de anomalias e supostas fraudes em A eleição boliviana não poderia justificar o golpe contra ele. Esse apoio rendeu aos dois presidentes críticos dos setores da oposição que, ansiosos por repudiar qualquer medida, validaram a violenta interrupção de um governo democrático.

Cecilia González, jornalista e escritora.
Cecilia González, jornalista e escritora.
A Venezuela é outra questão de conflito permanente em que México e Argentina promovem uma terceira posição: nem apoio a Nicolás Maduro, nem intervenção estrangeira para a resolução da já longa e complexa crise social, política, econômica e humanitária naquele país.
Também lhes rendeu perguntas por parte de Trump, que, com a habitual posição intervencionista dos EUA, agora quer condicionar acordos políticos e comerciais com o México e a Argentina, porque está insatisfeito com o apoio de Morales a esses países.

A Venezuela é outra questão de conflito permanente em que México e Argentina promovem uma terceira posição: nem apoio a Nicolás Maduro, nem intervenção estrangeira para a resolução da já longa e complexa crise social, política, econômica e humanitária naquele país.

A estratégia foi evidenciada após as irregularidades sofridas ontem na Assembléia Nacional, que tiveram que se reunir fora dos muros para reeleger Juan Guaidó, o autoproclamado presidente da Venezuela, como líder do corpo legislativo, posição que o chavista Luis Parra havia assumido algumas horas antes . É apenas uma das muitas anomalias institucionais de um Estado em que a democracia há muito tempo é desconsiderada.

Em resposta, a maioria dos países do Grupo Lima, cujo monotema é a Venezuela, denunciou novamente o “regime ditatorial de Maduro”. Argentina e México não assinaram essa declaração e escolheram pronunciamentos individuais que surpreenderam seu tom crítico, mas sem obedecer à narrativa condenatória imposta pela chamada “comunidade internacional” em torno da Venezuela.

O Ministério das Relações Exteriores do México fez votos para que a Assembléia Nacional possa eleger democraticamente seu Conselho de Administração e alertou que “o funcionamento legítimo do Poder Legislativo é um pilar inviolável das democracias”. O Ministério das Relações Exteriores da Argentina, entretanto, considerou o que aconteceu ontem como “inadmissível para a coexistência democrática” e pediu a recuperação da “normalidade democrática” e da proteção da independência de poderes na Venezuela o mais rápido possível. A Argentina reconheceu, assim, tacitamente, que o governo de Maduro não é democrático. Por ser candidato, Alberto Fernández já o qualificou como “autoritário”, sem ceder à pressão de chamá-lo de “ditadura”.

Cecilia González, jornalista e escritora.
Cecilia González, jornalista e escritora.
O cenário internacional é atravessado pela incerteza de uma nova guerra com a qual Trump aspira a ganhar votos suficientes para ser reeleito e pelo medo da resposta do Irã e de seus aliados.
Como se a turbulência regional não fosse suficiente, o mundo ficou chocado na semana passada depois que os Estados Unidos mataram com drones, em uma operação em Bagdá, Qasem Soleimani, o mais poderoso líder militar e político do Irã depois do aiatolá Ali Khamenei. Hoje, o cenário internacional é atravessado pela incerteza de uma nova guerra com a qual Trump aspira a ganhar votos suficientes para ser reeleito e pelo medo da resposta do Irã e de seus aliados.

Além dos discursos públicos e oficiais, a cúpula do Celac também será manchada não oficialmente pela grade diplomática em torno da eleição da nova Secretaria-Geral da Organização dos Estados Americanos, que ocorrerá em 20 de março e em que o uruguaio Luis Almagro busca a reeleição. Tem a aprovação dos governos que receberam seu apoio ao golpe na Bolívia. Oposto é a equatoriana María Fernanda Espinosa e o peruano Hugo de Zela. Os votos de hoje ainda não marcam uma tendência decisiva.

Por outro lado, uma das principais ausências será a da Bolívia. O governo de fato já anunciou que não terá um representante na reunião do Celac. O relacionamento com o México é interrompido pela ajuda de López Obrador a Morales e o cerco da polícia e militares à embaixada mexicana em La Paz.

É outro sintoma da tensão que cobre os vínculos entre os países membros de uma organização nascida em 2010 em Playa de Carmen (México) com a intenção de fortalecer alianças que darão à América Latina e ao Caribe uma voz forte, protagonista e influente no debate global. Naquela época, era muito mais fácil criá-lo, porque os governos progressistas, geralmente resistentes à dependência americana à qual o direito é mais propenso, ainda eram maioria na América do Sul.

Mas o cenário mudou. E agora a Celac, com seus 33 países membros que representam 8,6% da população mundial e geram 7,1% do PIB global, novamente fará um novo compromisso com a integração regional no México. Essa utopia eterna.

Categories: #COLOMBIA#MéxicoCarlos MesaComandante Che GuevaraCompañía Minera Huanchaca, AMLO, Andrés Manuel López Obrador, estados unidos, México, zona franca, CELAC, Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (CELAC), Cuba, Organización de Estados Americanos (OEA), Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), MEXICO, presidência pró-tempore #Celac, Presidente do Mexico, Uncategorized | Etiquetas: , , , , | Deixe um comentário

O MAS rejeita a expulsão de diplomatas pelo governo de fato na Bolívia.

O presidente da Câmara dos Deputados e líder do banco majoritário do Movimento ao Socialismo (MAS), Sergio Choque, criticou nesta segunda-feira a expulsão de dois diplomatas espanhóis e mexicanos pela autoproclamada presidente da Bolívia,  Jeanine Áñez.

teleSUR –

El diputado indicó que el gobierno de facto actúa de manera hormonal e ilegal por pedir que se retiren del país diplomáticos extranjeros.

“Pedimos que Áñez retome sua posição sobre a expulsão de diplomatas espanhóis, isso pode causar danos às relações entre os dois países, a Espanha protege muitos compatriotas em seu território, a colaboração com este republicano tem sido importante”, afirmou. Deputado Choque.

Ele também disse que o governo de fato age de maneira hormonal e ilegal, solicitando que diplomatas estrangeiros se retirem do país “, essas ações causam rupturas diplomáticas com países que desempenharam um papel importante no apoio e desenvolvimento de nosso país”, acrescentou.

Imagem

O governo de fato na Bolívia declarou pessoas desagradáveis às diplomatas espanholas Cristina Borreguero e Álvaro Fernández, e à embaixadora mexicana em La Paz, Maria Teresa Mercado, bem como a um grupo de policiais espanhóis; o presidente de fato deu 72 horas às autoridades estrangeiras para deixar o país andino.

Por seu turno, o governo interino de Pedro Sánchez, em reciprocidade com o governo de fato boliviano, decidiu a expulsão de três altos funcionários da Embaixada da Bolívia em Madri. Este é o gerente de negócios, Luis Quispe Condori; o adido militar, Marcelo Vargas Barral e o policial Orso Fernando Oblitas Siles.

“Qualquer insinuação sobre uma suposta vontade de interferir nos assuntos políticos internos da Bolívia” e acrescentou que “qualquer reivindicação a esse respeito constitui uma calúnia destinada a prejudicar as relações bilaterais com falsas teorias da conspiração”, disse Sánchez.

O Ministério das Relações Exteriores do México, disse que espera calmamente antes de tomar uma decisão, “para proteger os mais de 10.000 mexicanos que vivem na Bolívia, seremos cautelosos”, acrescentam eles.

Categories: #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #Bolívia, #COLOMBIA#MéxicoCarlos MesaComandante Che GuevaraCompañía Minera Huanchaca, AMLO, Andrés Manuel López Obrador, estados unidos, México, zona franca, Bolívia, BOLIVIA Evo Morales Fidel Castro Hugo Chávez, España, ESPANA, Evo Moraless, Governo boliviano denuncia violência da direita contra instituições do Estado, México, Presidente do Mexico, Uncategorized | Etiquetas: , , , | Deixe um comentário

Espanha abrirá investigação após denúncia da Bolívia sobre eventos na embaixada mexicana em La Paz

Isso foi relatado pelo Ministério de Relações Exteriores, União Europeia e Cooperação em um comunicado de imprensa.

Categories: #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #Bolívia, AMLO, Andrés Manuel López Obrador, estados unidos, México, zona franca, Andrés Manuel López Obrador, Bolivia, estados unidos, Evo Morales, Grupo de Lima, Luis Almagro, Mexico, Nicolás Maduro, Red Europea de Solidaridad con la Revolución Bolivariana, venezuela, Bolívia, BOLIVIA Evo Morales Fidel Castro Hugo Chávez, ESPANA, Governo boliviano denuncia violência da direita contra instituições do Estado, México, Presidente do Mexico, Uncategorized | Etiquetas: , , , , | Deixe um comentário

Rejeição de cerco à Embaixada do México

O presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, rejeitou a operação policial excessiva em frente à embaixada mexicana em La Paz, Bolívia, vigiada 24 horas por dia por mais de 90 policiais e onde drones voam para fotografar o interior da cercado.

Autor:  | internet@granma.cu

Decenas de efectivos militares custodian la Embajada de México en Bolivia. foto: telesur

Dezenas de militares vigiam a Embaixada do México na Bolívia. Foto: TELESUR
O presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, rejeitou a operação policial excessiva em frente à embaixada mexicana em La Paz, Bolívia, vigiada 24 horas por dia por mais de 90 policiais e onde drones voam para fotografar o interior da cercado

Em sua conta no Twitter, o presidente escreveu: «A operação policial diante da embaixada mexicana na Bolívia está fora de proporção. Condenamos a agressão contra a embaixada do México ».

Em um comunicado de imprensa, o Partido Trabalhista mexicano condenou categoricamente as agressões e insultos do governo boliviano de fato contra o presidente Andrés Manuel López Obrador e rejeitou a ruptura da ordem institucional na Bolívia, também condenada pelo governo mexicano.

O texto, assinado pelo coordenador do Partido Trabalhista Nacional, Alberto Anaya Gutiérrez, afirma: «Nosso total apoio ao presidente López Obrador. As denostaciones e agressões contra um chefe de Estado são inadmissíveis, irresponsáveis ​​e carecem de maturidade diplomática ”e acrescenta:“ É lamentável que o direito no México apóie, zombe e faça eco dos insultos contra o chefe do Estado mexicano, É ultrajante e mesquinho.

A embaixadora mexicana, María Teresa Mercado, publicou em um tweet: «Estou com a gerente de negócios e o cônsul da Espanha em minha residência; eles pararam o carro com placas diplomáticas, além de os terem atacado». Diplomatas espanhóis permanecem protegidos em sua residência.

Por seu turno, o Prêmio Nobel da Paz de 1992, Rigoberta Menchú, guatemalteco, no Twitter condenou o cerco de diplomatas mexicanos e apelou à representação da União Europeia em La Paz para instar incondicionalmente a parar essas e outras violações flagrantes às normas, tratados e convenções do Direito Internacional.

Nos últimos dias, o México relatou um aumento no número de policiais e militares vigiando sua embaixada na Bolívia e na residência do embaixador. Lá, desde 11 de novembro, nove ex-oficiais e líderes do Partido do Movimento ao Socialismo esperam passagens seguras, depois do golpe de estado que forçou Evo Morales a renunciar à Presidência da Bolívia.

As autoridades mexicanas informaram que os militares monitoram a sede diplomática à distância, conhecendo a atividade dentro do recinto e perseguindo carros entrando ou saindo do prédio.

Categories: # Miguel Díaz-Canel, #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #Bolívia, #Díaz-Canel, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Trump, @Trump, AMLO, Andrés Manuel López Obrador, estados unidos, México, zona franca, Andrés Manuel López Obrador, Bolivia, estados unidos, Evo Morales, Grupo de Lima, Luis Almagro, Mexico, Nicolás Maduro, Red Europea de Solidaridad con la Revolución Bolivariana, venezuela, BOLIVIA Evo Morales Fidel Castro Hugo Chávez, CUBA-BOLÍVIA, Cuba-Mexico, México, O presidente de Cuba, Miguel Diaz-Canel, Presidente do Mexico, relações bilaterais, o governo Donald Trump, Trump Google, Um bom filho ... de Trump, Uncategorized | Etiquetas: , , , , | Deixe um comentário

México denuncia Bolívia perante o Tribunal Internacional de Justiça para o cerco da Embaixada

“É uma indignação e nunca permitiremos isso a nenhum país”, disse o ministro das Relações Exteriores Marcelo Ebrard em entrevista coletiva.

Marcelo Ebrard, chefe do Ministério das Relações Exteriores, informou que o México entrará com uma ação contra o governo de fato na Bolívia perante o Tribunal Internacional de Justiça pelo cerco contra a embaixada de seu país em La Paz e a residência do embaixador.

“Vamos interpor recurso ao Tribunal Internacional de Justiça para que o cerco policial e militar na sede da Embaixada do México na Bolívia seja suspenso. Exigimos respeito pela Convenção de Viena e pelo Pacto de Bogotá”, disse Ebrard.

Cerco às forças de segurança bolivianas na Embaixada do México em La Paz, Bolívia, em dezembro de 2019.
Twitter / @efrain_gp

A esse respeito, na conferência de imprensa da manhã de quinta-feira, o Ministro das Relações Exteriores do México disse que não há precedentes para o assédio a uma sede diplomática mexicana como a que está ocorrendo atualmente na Bolívia, que inclui drones voando e tirando fotos, bem como mais de 90 elementos da polícia e do exército nas imediações.

“Estamos estabelecendo uma conexão com a comunidade internacional porque, mesmo nos piores anos das ditaduras militares das décadas de 1970 e 1980, as instalações do México e sua residência estavam em risco”, disse Ebrard.

A SRE explicou que o México entrou com a ação depois que a Bolívia violou sistematicamente a Convenção de Viena, que estabelece mecanismos internacionais para conceder asilo a políticos perseguidos.

“É um dos poucos casos em que fizemos algo assim, por isso será um caso muito relevante”, acrescentou.

Medidas de emergência e apoio internacional
Ebrard também disse que, no momento, o México não planeja fechar sua embaixada na Bolívia, uma vez que existem cerca de 10.000 mexicanos naquele país e o fechamento colocaria em risco a população assentada em solo boliviano. Continuar a ler

Categories: #Bolívia, AMLO, Andrés Manuel López Obrador, estados unidos, México, zona franca, Bolívia, BOLIVIA Evo Morales Fidel Castro Hugo Chávez, México, MEXICO, Presidente do Mexico, Uncategorized | Etiquetas: , , , , | Deixe um comentário

López Obrador restringirá a privatização de eletricidade no México

A Comissão Federal de Eletricidade é uma das maiores empresas estatais da América Latina. Foto: CFE

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, disse no domingo que seu governo encerrará a “política de privatização” no setor elétrico nacional e fortalecerá a Comissão Federal de Eletricidade (CFE) do estado.

“A política de privatização não será mais aplicada no setor de eletricidade, (…) a Comissão Federal de Eletricidade será fortalecida”, disse López Obrador durante sua visita à usina termelétrica de Manzanillo, no estado ocidental de Colima. .

O anúncio ocorre um dia após o British Financial Times, com base em um relatório do CFE ao qual teve acesso, informou que a empresa busca coibir a participação privada no setor, aumentando os custos de transmissão cobrados dos operadores privados , que, segundo especialistas consultados pelo jornal, poderiam afetar a viabilidade econômica dos investimentos.

“Eu tenho lido as críticas dos conservadores que dizem que retornar à Comissão Federal de Eletricidade é um monopólio. Não, ele volta a cumprir sua função social”, disse o presidente da esquerda diante dos trabalhadores da usina termelétrica, operada pela A empresa estatal.

O CFE, uma das maiores empresas de eletricidade da América Latina, manteve o monopólio do setor desde sua nacionalização em 1960, mas duas reformas nos anos 90, bem como a aprovada pelo governo anterior de Enrique Peña Nieto (2012- 2018), aumentaram a participação de atores privados, principalmente na geração de eletricidade.

Segundo López Obrador, o plano traçado pela administração anterior contemplava reduzir a participação do CFE para 20% da geração nacional de eletricidade, deixando os 80% restantes para operadores privados.

“Isso já parou”, disse o chefe de Estado, que afirmou que a participação privada chegou a 44%, contra 56% do estado.

“Terminaremos o período de seis anos com a mesma proporção, 44-56, mas o CFE continuará sendo uma empresa pública majoritária na distribuição de eletricidade em nosso país”, acrescentou.

López Obrador criticou que a privatização do setor elétrico não alcançou melhores preços para os consumidores e prometeu que a empresa estatal compete “com um piso plano” contra indivíduos.

O presidente insistiu que seu governo planeja fortalecer todo o setor de energia, incluindo a estatal Pemex.

“O setor de energia será a alavanca do desenvolvimento nacional, por isso apoiaremos com investimento público suficiente”, concluiu.

(Com informações da AFP)

Categories: AMLO, AMLO, Andrés Manuel López Obrador, estados unidos, México, zona franca, Andrés Manuel López Obrador, Bolivia, estados unidos, Evo Morales, Grupo de Lima, Luis Almagro, Mexico, Nicolás Maduro, Red Europea de Solidaridad con la Revolución Bolivariana, venezuela, México, MEXICO, Presidente do Mexico, Uncategorized | Etiquetas: , , , , | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: