Para aqueles que ficaram com dúvidas sobre o acolhimento do presidente cubano #DiasCanelEnMexico .

#DiazCanelEnMexico #CubaEnMexico #BienvenidosDiazCanel

Porta-vozes da OEA .

#DiazCanelEnMexico #CubaEnMexico #CELAC #OEA #ManipulacionPolitica #EEUUBloquea #BastaDeHipicresia #NoMasMentiras #LetCubaLive

Estou cansado da HP. Isto é o que significa ser cubano . CARAJOOOOOOOOO

#CubaEnMexico #DiazCanelEnMexico #SolidaridConCuba

O final da OEA .

#OEA #EstadosUnidos #ManipulacionPolitica #ElCaminoEsLaPaz #CELAC

Lo vuelve hacer, no te lo pierdas .

#CubaEnMexico #DiazCanelEnMexico #AMLO #EstadosUnidos #ElBloqueoEsReal

Desafios enfrentados pelo CELAC na sua VI Cimeira.

#CubaEnMexico #AMLO #CELAC #Covid-19

A criação da Comunidade de Estados da América Latina e Caraíbas (CELAC) permitiu reactivar este mecanismo de integração política, numa situação regional que sabemos ser complexa, disse Anayansi Rodríguez Camejo, vice-ministro cubano dos Negócios Estrangeiros.

Antes da 6ª Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da CELAC no México, o vice-ministro do Ministério dos Negócios Estrangeiros (Minrex) partilhou com a imprensa os desafios e as principais questões que serão abordadas na reunião.

Segundo o sítio Web da Presidência cubana de hoje, Rodríguez Camejo reconheceu que a CELAC passou por momentos complexos em certas ocasiões, no entanto, considerou um facto fundamental o facto de ter sido capaz de preservar o seu acervo ao longo de todos estes anos de existência, nos quais o México desempenhou um papel essencial nos últimos 20 meses em que exerceu a presidência pro tempore.

O diplomata recordou que a unidade tornou possível enfrentar cenários complexos e superá-los como um todo, e valorizou que, no meio das dificuldades, esta Comunidade de Estados, fundada em Fevereiro de 2010, não deixou de cumprir o seu papel de mecanismo de integração genuinamente latino-americano e caribenho.

O facto de a VI Cimeira se realizar desta vez na Cidade do México é também um sinal de que retomámos a cooperação regional a alto nível, embora nos últimos anos as reuniões não tenham deixado de se realizar a diferentes níveis, incluindo parceiros extra-regionais, em particular com a China e a União Africana, disse ele.

No que diz respeito aos principais temas da agenda, Rodríguez Camejo salientou que a pandemia da COVID-19, “estará no centro das nossas discussões, que se concentrarão na procura do que podemos fazer como região para alcançarmos a auto-suficiência em saúde”.

Também estarão em discussão questões transcendentais como a preservação da região como Zona de Paz; a primeira região densamente povoada do planeta livre de armas nucleares; desarmamento geral; a luta contra a pobreza, a desigualdade e as alterações climáticas em preparação para a 26ª Conferência das Partes a ter lugar no Reino Unido.

Da mesma forma, procurará reforçar o papel do CELAC, para que possa ser o verdadeiro e legítimo representante da América Latina e das Caraíbas, através de um debate transparente, aberto e franco entre todas as nações.

Relativamente à participação de Cuba na Cimeira, o chefe adjunto da Minrex confirmou que Cuba está disposta a contribuir para estes esforços do CELAC para que a região possa ter um projecto e iniciativas que permitam o acesso universal às vacinas a preços acessíveis.

Cuba tem toda a disposição para participar neste esforço regional colectivo e contribuir assim para a distribuição e fornecimento de vacinas e serviços a preços acessíveis que garantam o acesso universal para todos, afirmou.

Desde a sua fundação a 23 de Fevereiro de 2010, o CELAC é o fórum mais representativo da região, reunindo os 33 países da América Latina e das Caraíbas, e é o espaço por excelência de diálogo, consulta e cooperação para resolver os desafios enfrentados pela comunidade como um todo.

(Com informação da ACN)

Cuba e México: Mais de um século de Solidariedade .

#CubaEnMexico #DiazCanelEnMexico #AMLOLujoDePresidente #CELAC #OEA #EstadosUnidos #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana

Por Alejandra Brito Blanco

A relação bilateral entre Cuba e o México remonta ao alvorecer do século passado. Os laços de amizade estão enraizados na história e na proximidade geográfica de ambos os países.

“A influência da política externa dos EUA é predominante nas Américas. Há apenas um caso especial: o de Cuba, o país que durante mais de meio século afirmou a sua independência ao confrontar politicamente os Estados Unidos”, disse o presidente da nação asteca, Andrés Manuel López Obrador, na XXI Reunião dos Ministros dos Negócios Estrangeiros da CELAC. A AMLO convidou recentemente o líder cubano a fazer um discurso como parte das celebrações do Grito de Dolores. A 20 de Maio, os laços oficiais entre os dois países atingiram 120 anos de existência ininterrupta.

Um olhar para trás na história revela a importância das ligações entre os dois estados americanos. Os veteranos cubanos Gabriel González e Felipe Herrero desempenharam um papel importante nas guerras de independência cubanas. Do mesmo modo, o líder independentista mexicano Benito Juárez, confrontado com o avanço do conservadorismo em 1853, viajou para as Grandes Antilhas, onde aprendeu o ofício de tabaqueira twister. No seu regresso a casa, os seus amigos cubanos apoiaram-no com navios e material de guerra, relata o artigo Benito Juárez ainda está vivo no México e em Cuba.

No México, o Apóstolo José Martí e Julio Antonio Mella levaram a cabo grande parte da sua vida e obra patriótica. A primeira metade do século XX foi marcada por relações cordiais e cooperativas, com algum distanciamento durante o Machadato e o pentarchismo de 1933. Durante o governo de Lázaro Cárdenas, os laços culturais foram reforçados e ainda hoje estão de boa saúde.

Um marco significativo ocorreu no contexto do golpe de Estado de Fulgencio Batista. Embora o México tenha permanecido fiel aos princípios de não intervenção e autodeterminação consagrados na Doutrina Estrada, abriu as suas portas aos revolucionários que fugiam da ditadura.

Foi precisamente a partir daí que o iate Granma, símbolo da luta insurrecional que abriu as portas ao triunfo da Revolução Cubana a 1 de Janeiro de 1959, zarpou. Foi lá que os 82 membros da tripulação foram treinados e onde Fidel e Ernesto “Che” Guevara se encontraram pela primeira vez.

Legenda: O iate Granma partiu de Tuxpan, México, a 25 de Novembro de 1956. Foto tirada da Radio Rebelde.

Durante o período revolucionário, houve também inúmeros momentos significativos. Após a declaração do carácter socialista da transformação social em Cuba, quando os Estados Unidos promoveram a expulsão da ilha da Organização dos Estados Americanos (OEA), a nação asteca foi a única a opor-se a esta posição e a manter as suas relações com a ilha das Caraíbas.

Após um período de arrefecimento, em 2013 os presidentes Raúl Castro e Enrique Peña Nieto anunciaram um “relançamento” das relações entre os dois países. No final do mesmo ano, o ministro dos negócios estrangeiros da ilha, Bruno Rodríguez Parrilla, assinou oito acordos com representantes da América Central.

Legenda: López Obrador manifestou em várias ocasiões a sua rejeição do bloqueio imposto a Cuba pelos Estados Unidos. Foto tirada da Revista Afal.

Os laços diplomáticos, comerciais e culturais entre os dois povos são uma referência a nível continental. O México reafirmou em organizações internacionais a sua rejeição do bloqueio imposto pelos Estados Unidos à maior das Antilhas. Este governo liderou as doações de alimentos, medicamentos e material médico para lidar com o surto de Covid-19. Anteriormente, os médicos cubanos tinham prestado assistência ao país vizinho para combater a pandemia.

Imagen
Falámos com o Presidente cubano Miguel Díaz-Canel; agradecemos-lhe o apoio que recebemos de enfermeiras e médicos cubanos para lidar com a pandemia. O México e Cuba são geminados pela história e pela solidariedade.

O respeito e a solidariedade têm sido as chaves para uma relação tão duradoura. Isto é expresso nas palavras de Andrés Manuel López Obrador na XXI Reunião dos Ministros dos Negócios Estrangeiros da CELAC: “Creio que, pela sua luta em defesa da soberania do seu país, o povo cubano merece o prémio da dignidade”. Cuba é um exemplo de resistência e “por isso mesmo, deveria ser declarada património mundial”, concluiu o presidente.

Nova operação contra Cuba .

#AMLO #Mexico #CubaEsBienvenida #CubaEnMexico #DiazCanelEnMexico #CELAC #ONU #EstadosUnidos #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana

Ao império genocida do norte.

#AMLO #Mexico #CubaEnMexico #CubaEsBienvenida #DiazCanelEnMexico

AMLO: “Aqui, para aprenderem”.

#CubaEnMexico #CubaEsBienvenida #DiazCanelEnMexico #AMLO #Solidaridad #ElCaminoEsLaPaz

Por Redacción Razones de Cuba

Andrés Manuel López Obrador dá sempre notícias que são caras à maioria dos mexicanos, aqueles que votaram nele em 2018; que as massas da oposição, aliadas à oligarquia e ao imperialismo, estão a tentar desacreditar e obrigá-lo a demitir-se na votação de retirada na primeira metade de 2022.

AMLO, como lhe chamam, não só tem sido coerente na sua política externa, dizendo o que pensa ao denunciar o bloqueio criminoso dos Estados Unidos contra Cuba, mas na sua política interna tem estabelecido precedentes que são muito difíceis de ultrapassar para qualquer futuro presidente, independentemente do sector a que pertença.

Tem um dia de trabalho duplo, e os seus colaboradores são obrigados a segui-lo, de modo que a meio do seu mandato, no seu terceiro relatório governamental, apresentou factos tão eloquentes e palpáveis que não podem ser refutados por aquela oposição que defende interesses estrangeiros – e beneficia deles – e não os do povo mexicano.

Apesar da pandemia e da recessão económica, nunca houve uma crise de consumo graças às remessas enviadas pelos emigrantes mexicanos nos Estados Unidos e ao apoio de programas sociais que agora atingem 70% da população mexicana, incluindo a Pensão Universal para Idosos, cujo montante aumentará para o dobro do montante actual até 2024, com uma idade de elegibilidade que foi reduzida de 68 para 65 anos.

Além disso, uma cobrança fiscal histórica que foi reconhecida a nível nacional mesmo pelos seus opositores mais ferrenhos e organizações internacionais pouco amistosas, tais como o Fundo Monetário Internacional.

O salário mínimo foi aumentado em 44%, algo que não acontecia há mais de três décadas. Foi também aprovada uma reforma laboral que significará que mais de quatro milhões de trabalhadores que estavam empregados sem direitos laborais os terão agora.

Noutros governos, as desvalorizações eram comuns, enquanto que agora tem sido o oposto, e neste período o peso mexicano apreciou-se em relação ao dólar americano, derrubando assim uma das previsões mais amplamente defendidas pela oposição e pelos detractores da AMLO.

O governo está a tentar reduzir os preços da gasolina e do gás, incluindo um gás estatal chamado Gas Bienestar, que começou a ser distribuído há alguns dias.

Registos históricos de remessas, investimento estrangeiro, aumento do salário mínimo, nenhuma desvalorização do peso, nenhum aumento da dívida histórica, aumento do índice bolsista e das reservas do Banco do México são realizações importantes que devem ser reiteradas.

Portanto, na sua terceira mensagem à nação, vale a pena a mensagem que ele deu, rindo, aos inimigos do povo, com um ditado mexicano:

“Tengan, para que aprendan”.

Tirada de CubaSí