Qual é a base para o triunfo?

#CubaVive #CubaViveYRenace #ArtistasDelImperio #CubaNoEsMiami

Guille Vilar Por Redacción Razones de Cuba

Um dos momentos mais comoventes dos Jogos Olímpicos é ver os nossos atletas no pódio com as suas medalhas nas costas e cantar o Hino Nacional. Os músicos, embora não estejam no pódio, sabem que quando recebem prémios trazem consigo um ainda maior: o reconhecimento das pessoas que os admiram. Este sentimento vai muito além dos merecidos prémios Grammy, os numerosos Golden Records obtidos pelo elevado número de fonogramas vendidos, e é ainda mais importante do que jogar em palcos exclusivos na América do Norte ou na Europa.

Quando um artista cubano é capaz de alcançar tal reconhecimento, traz consigo aquele sentimento indescritível de ser respeitado pelas pessoas em que nasceu, as mesmas pessoas que contribuíram para a sua formação como profissional. É a conceptualização dos valores morais que não só aumenta a espiritualidade dos admiradores, mas ao mesmo tempo transborda a humanidade do músico enquanto pessoa.

É por isso que quando um músico se destaca pelos seus talentos profissionais nesta ilha das Caraíbas, sentimos um orgulho de que quase nunca se fala, porque do que se sabe não se fala.

Este orgulho patriótico faz-nos sentir que os cubanos são capazes de trazer ao mundo figuras de mestre em qualquer profissão, sejam eles músicos, dançarinos ou cientistas, entre tantos outros. Mas quando esta confiança elementar depositada em nós pelo povo é traída, testemunhamos a dramática perda do amor pela nossa nacionalidade, o apoio essencial sobre o qual assenta o talento e o virtuosismo do músico, o seu apoio emocional.

Numa altura em que a sobrevivência da nossa nação face à ameaça de uma potência estrangeira está em jogo, a questão não é simplesmente uma questão de assumir uma posição política particular – que poderia ser respeitável, uma vez que nem todos nós pensamos necessariamente da mesma maneira – mas agora apoiar aqueles que estão dispostos a cometer a maior inimaginável infâmia para derrotar a Revolução, implica jogar ao lado dos nossos inimigos, daqueles que querem afogar a resistência do povo cubano com sangue e fogo.

Numa sociedade onde o mercado domina, muitos músicos sentem-se estimulados na sua vida pessoal pela acumulação de figuras que indicam uma gama de valorização típica desse sistema. No entanto, em Cuba, sem negar o reconhecimento profissional obrigatório, o facto de um varredor de rua, um médico ou um camponês sentir o músico como algo muito próprio não tem preço. Desprezar o valor incalculável deste afecto é deitar fora a respiração nascida da seiva popular, sem a qual é impossível acreditar em triunfos.

Granma

RECONHEÇA……. QUE HOJE VENHO FAZER RAP …

#CubaNoEstaSola #AmericaLatina #EternoComandante #PorSiempreFidel #Musica #ManipulacuionMediatica

Vamos começar o dia ao ritmo desta melodia.

#CubaNoEstaSola #PuentesDeAmor #AmorYNoOdio

#Manolín y el #GuerreroCubano: Varrer o chão com Alexander Gente de Zona .

#CubaNoEsMiami #GuerreroCubano #ArtistasDelImperio #PatriaOMuerte #SubversionCntraCuba #MafiaCubanoAmericana #MusicaCubana

Liberdade de expressão em Miami? Com uma arma para o templo #5Mar

#CubaNoEsMiami #CubaSeRespeta #DerechosHumanos #FalsaLibertadDeExpresion #CubaSalva #EEUUBloquea #SubversionContraCuba

Nos últimos meses, artistas de Cuba fizeram vários vídeos musicais de tema político. “Unblock me”, de Raúl Torres, denuncia o bloqueio dos Estados Unidos. (1). “No te metas”, do humorista Virulo, denuncia a interferência da Casa Branca na ilha (2). Mas será que interessaram à imprensa internacional, à imprensa espanhola, por exemplo? De modo algum.

Mas se, de Miami, lançam uma canção contra o governo cubano, então sim.

Temos inúmeras notícias e uma semana inteira de entrevistas em jornais, rádio e televisão (3) (4). Este é o caso de “Patria y Vida”, cujo autor, Yotuel Romero, foi convidado para uma sessão do Parlamento Europeu por dois deputados de direita que defendem a destruição do actual Acordo de Diálogo e Cooperação União Europeia-Cuba (5). Romero anunciou que o faria – ouve bem, isto não é brincadeira – “em nome de toda a Cuba” (6).

La imagen tiene un atributo ALT vacío; su nombre de archivo es censura_libertad_expresion-2-820x400.jpg

Foi também recebido no Congresso espanhol (7), e afirmou que “tudo o que aprendi sobre a liberdade de expressão foi em Espanha” (8). Foi na mesma semana em que o rapper catalão Elgio (9) foi condenado a seis meses de prisão, e continuaram os protestos contra a prisão de outro artista, Pablo Hasél (10). Yotuel Romero deu dezenas de entrevistas: acha que alguém lhe perguntou sobre isso?

“Patria y Vida” é uma operação mista de marketing discográfico e propaganda política: alguns artistas cubanos, baseados em Miami, procuram um impulso económico para as suas carreiras num ano sem concertos; por outro lado, a ultra-direita cubano-americana está a utilizá-los para continuar a pressionar Joe Biden e evitar uma repetição do “caminho Obama” do diálogo com Havana (11).

“Patria y Vida” é uma operação mista de marketing recorde e propaganda política. Fotos: Internet

As petições do sinal contrário nos EUA, as que lhe pedem para levantar as sanções contra Cuba, são muitas mais: organizações religiosas (12), emigração cubana (13), ONGs e grupos de solidariedade (14), gabinetes de prefeitos (15), congressistas (16) … Mas há notícias ou entrevistas sobre o assunto na imprensa corporativa? Praticamente nenhum.

Lemos manchetes que confundem desejo e realidade (17): “‘Patria y vida’, la canción que ha puesto contra las cuerdas al gobierno cubano” (18), “La controversa canción que puso a temblar al régimen cubano” (19) (20). O mesmo anúncio de Willy Chirino quando lançou a sua canção “Nuestro día ya viene llegando” (O nosso dia está a chegar) … 30 anos atrás! (21).

E muita, muita vitimização: “A imprensa estatal cubana ataca a canção que apela à mudança na ilha” (22), “O governo chama a Yotuel Romero um ‘jinetero'” (23). Uma mentira absoluta, porque o termo “jinetero” pertence a um meme, muito retweetado na ilha, vindo de uma conta privada, não do governo (24). “Se algo acontecer à minha família, responsabilizo o governo cubano”, titulava vários meios de comunicação social, criando uma notícia sobre algo – alegadas “represálias” – que não aconteceu (25). (25) Os mesmos meios de comunicação social que não publicaram uma linha sobre a perseguição sistemática, em Miami, de artistas da ilha. No ano passado, o gabinete do presidente da câmara dessa cidade declarou dois cantores de salsa, Paulito FG (26) e Haila María Mompié (27), persona non grata, causando o cancelamento dos seus concertos nos EUA (28). (28). Tudo por iniciativa do apresentador e youtuber Alex Otaola (29). Uma personagem chave para compreender a participação no clip “Patria y Vida” de Gente de Zona e Descemer Bueno. Recordar.

“As petições de levantamento das sanções contra Cuba, há muitas mais (…) Mas há alguma notícia ou entrevista
sobre o assunto na imprensa empresarial? Praticamente nenhum”.

Há um ano, Alex Otaola lançou uma campanha de assinatura para os EUA para retirar a carta verde ou residência permanente aos membros da dupla Gente de Zona (30), que também foram vetados pelo Presidente da Câmara de Miami no concerto de Ano Novo (31). Em Outubro, Otaola conseguiu entrevistar, para o seu programa, o próprio Presidente Donald Trump (32), e deu-lhe uma “lista vermelha” de cubanos a serem impedidos de entrar no país (33). Entre eles, os membros de Gente de Zona e as suas famílias. O pecado? Tendo saudado o Presidente Miguel Diaz-Canel durante um concerto em Havana (34). Durante a noite, a dupla – que tinha dupla residência em Miami e Havana – perdeu tudo. A sua participação na canção “Patria y Vida” é agora a sua “expurgo”. Tal como as suas declarações, vindas do nada, contra o governo cubano: “Quando se cresce num regime como o cubano, habituamo-nos a viver com medo”, acabam de declarar (35). Compreendem “viver com medo”, não é verdade?

O caso de Descemer Bueno, outro dos intérpretes do clip, é quase idêntico. Os seus elogios à cooperação médica de Cuba e a sua condenação do bloqueio dos EUA (36) colocaram-no, há um ano atrás, no alvo de Alex Otaola. (36) colocaram-no, há um ano, na mira de Alex Otaola que, em meses, conseguiu boicotar os seus concertos em Miami e destruir a sua carreira (37). Descemer Bueno resistiu, levou o apresentador a tribunal… (38). Mas ele perdeu a batalha (39). E depois veio a expurgo: sem um único acontecimento, começou a atacar o governo cubano (40) e ajoelhou-se perante Otaola, felicitando-o mesmo pela sua entrevista com Donald Trump e pela sua luta pela “liberdade de Cuba” (41). E agora vem… “Patria y Vida”.

Outro dos artistas, Maykel Osorbo, não se parece com um convertido. Há alguns meses atrás, sabe o que ele perguntou a Donald Trump? Ouça: “Sou a favor de uma invasão neste momento. Vai invadir Cuba? Vem para aqui” (42). É por isso que declarou, aos mesmos meios de comunicação social que silenciam as suas desculpas pelo terrorismo mais atroz contra o seu país, que a canção “Patria y Vida” é “um hino de guerra” (43).

Outro dos intérpretes (…) declarou aos mesmos meios de comunicação que silencia o seu pedido de desculpas pelo terrorismo mais atroz contra o seu país, que a canção “Patria y Vida” é “um hino de guerra” (43).
o terrorismo mais atroz contra o seu país, que a canção “Patria y Vida” é “um hino de guerra” (43).

“Vou dizer-vos algo, nesta foto (a foto promocional de “Patria y Vida” com Descemer Bueno, Gente de Zona e Yotuel Romero) resume o trabalho que temos vindo a fazer neste programa durante quatro anos”: foi assim que Alex Otaola mostrou, no seu programa, exultante, o resultado da sua persistência mafiosa.

Quer que seja mais claro?

José Manzaneda – Cuba

%d bloggers like this: