Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela

Uma análise desde a Linguística até à #SubversãoPolítica ideológica em #Cuba .

Por Francisco Grass

O linguista Noam Chomsky, EUA, 1928, é considerado um dos pensadores mais renomados da actualidade. O seu trabalho abrangente mergulha-nos numa grande variedade de teorias, estudos e conhecimentos relacionados com a linguística, psicologia do desenvolvimento, filosofia e análise política.

Tendo em conta os estudos de Chomsky, e as suas 10 estratégias de manipulação dos media, este artigo enfatiza o caso de Cuba, uma ilha bloqueada e sujeita dos meios de comunicação social a uma agressão constante e a uma guerra mediática que se constrói a partir do conhecimento da linguística e da psicologia para influenciar os pensamentos dos seus habitantes e as suas acções.

Cuba tem estado permanentemente sujeita às acções subversivas dos serviços especiais americanos e dos seus aliados, que há mais de 60 anos têm planeado, promovido, financiado e dirigido actividades deste tipo com objectivos desestabilizadores contra a ilha, utilizando mercenários e pessoas que coincidem com os seus interesses na cena doméstica, que têm levado a cabo acções destinadas a obstruir o desenvolvimento e a boa governação, ao mesmo tempo que tentam manipular sectores vulneráveis da sociedade para confrontar o Estado e as suas instituições.

Estas actividades são reflectidas e amplificadas pelos meios de comunicação social, “santificadas” por instituições internacionais, “ONG”, fundações e outras organizações sob o seu controlo, e difundidas em redes sociais através de campanhas mediáticas de apoio às mesmas. Desta forma, influenciam a opinião pública internacional a procurar o consentimento que legitima as suas actividades contra Cuba, enquanto bombardeiam o povo cubano com campanhas de guerra psicológica e de desinformação. Desta forma, distorcem as realidades, cavalgam sobre problemas existentes para fomentar o ódio, o desespero, a desconfiança, o anarquismo, e para provocar uma explosão social que levará ao colapso da Revolução e porá um fim ao socialismo na nossa nação.

Com base no acima exposto, tomamos como elemento de análise a campanha subversiva desencadeada pelo grupo de falsários de San Isidro e os de 27-N, bem como o movimento anti-cultura que é promovido a partir dos círculos de poder em Washington e da extrema-direita cubano-americana, visando quebrar o moral e a dignidade dos artistas, escritores e jornalistas cubanos, visando quebrar o moral e a dignidade dos artistas, escritores e jornalistas cubanos, Escritores e jornalistas cubanos, a fim de os utilizar como instrumentos da sua guerra suja contra a nação antilhana, ao mesmo tempo que dificultam contratos, negam vistos e transformam-se em objectos de perseguição e linchamento dos meios de comunicação que não cedem às suas pressões, nem se deixam comprar.

A estratégia parece ser parcialmente eficaz, uma vez que não é segredo que vários artistas de música popular como Alexander e Randy Malcom, membros da dupla “Gente de Zona”, Yotuel do “Orishas”, e o rapper urbano “El Micha” cederam às pressões e ao capital.

Estes artistas foram transformados em fiéis vassalos, que por uma ninharia e para preservar o seu status quo, acesso à nação americana e à indústria musical de Miami, concordaram em tornar-se geradores de conteúdo subversivo contra o governo estabelecido em Cuba, a institucionalidade, a Constituição e o socialismo, inserindo nas suas canções conteúdos destinados a provocar mudanças no pensamento e comportamento do povo.

É claro que estes artistas só estão interessados em dinheiro e não em perder os seus vistos, todos os bons cubanos sabem disso. É a mesma agenda, que, a partir de outro contexto, e por outros meios, mas essencialmente, é aproveitar os problemas reais sofridos pelos cubanos comuns, para gerar confusão a partir do afectivo, obviando às verdadeiras causas do mesmo, e incitando ao caos e ao anarquismo, desunião e ódio entre os compatriotas.

Surpreenda-se ao saber que não propõem nada de específico, apenas falam de mudança, claro que uma mudança seria bem-vinda, uma mudança de política hegemónica, interferência, bloqueio, colonização cultural por parte do governo dos Estados Unidos. É por isso que desejamos, um diálogo respeitável, entre iguais, e num clima de respeito mútuo.

Por outro lado, nem sequer ouçam o que estes chamados artistas dizem, porque são instrumentos utilizados pelo império para manipular a população e subverter a ordem em Cuba, tal como fizeram na URSS.

Neste momento, é apropriado recordar o que Allen Dulles, Director-CIA (1953-1961) disse sobre a estratégia subversiva e manipuladora levada a cabo contra a URSS:

“Semeando o caos na URSS, vamos substituir os seus valores, despercebidos, por valores falsos e forçá-los a acreditar neles. Da literatura e da arte faremos desaparecer a sua carga social; a literatura, o cinema, o teatro reflectirão e exaltarão os sentimentos humanos mais básicos; apoiaremos os artistas que começam a semear e inculcar na consciência humana o culto do sexo, da violência, da traição. Na liderança do Estado vamos criar caos e confusão, vamos encorajar o despotismo dos funcionários, suborno, corrupção, falta de princípios. Honestidade e honestidade serão ridicularizadas. Faremos com que as fundações da moralidade pareçam ter um aspecto de desonestidade, destruindo-as.

Esta estratégia, com nuances que a adaptam aos tempos actuais, é semelhante em muitos aspectos à que estão a aplicar hoje contra Cuba, que é apresentada a partir de um contexto linguístico e psicológico. É a especialidade do inimigo, entrar na psique do povo, de um povo específico, estudar em profundidade as suas aspirações e sofrimentos, a sua cultura, a fim de semear a partir daquilo a que chamam “fissuras” as sementes do neoliberalismo, da privatização, da prostituição, da droga, da guerra, da pobreza, da incultura, da eterna mediocridade, do vazio, da sociedade do consumo excessivo, em busca de criar as condições que permitam o domínio dos países que lhes interessam.

Para compreender o processo de manipulação a partir dos conhecimentos linguísticos e psicológicos, tomemos como exemplo a nova canção subversiva “Un Sueño” (Cuba Grita Libertad) do rapper El Micha, que do seu título já denota manipulação, porque Cuba é um país livre e soberano.

A estratégia de distracção escondida na canção.

Evidentemente, esta canção desvia a atenção do público para a suposta responsabilidade do governo cubano pela situação actual na ilha, sem ter em conta que os problemas de Cuba são o produto de um bloqueio de ferro estabelecido e consolidado há mais de meio século, nem menciona a intensificação do bloqueio no meio do Covid-19, nem a crise económica global que este provocou.

Ele canta do próprio país que está a bloquear o seu povo, aquele que ele ama e defende tanto, algo que não faz sentido. Se ele está tão preocupado com o povo, porque não canta de Cuba contra o governo dos Estados Unidos e o bloqueio desumano que nos impõe, que não faz qualquer menção na sua canção subversiva. Mas é verdade que existe um povo, que resistiu, resiste, e não vende a sua liberdade. Evidentemente, este cavalheiro só está interessado no dinheiro que as elites políticas e económicas do vizinho do Norte lhe vão pagar; ele é, sem dúvida, um manipulador que se junta àqueles que vivem à custa do sofrimento do seu próprio povo.

*Manter o público ocupado, ocupado, ocupado, sem tempo para pensar; de volta à quinta como os outros animais (citação do texto “Silent Weapons for Quiet Wars”)”.

Resolução de problemas-reacções.

Aqui é evidente como é feita uma tentativa de criar uma situação fictícia ou imprecisa destinada a provocar uma certa reacção na audiência, e a audiência enquanto tal assume um papel determinante no problema e na sua solução. A canção incita a uma rápida mudança de regime, o que implica deixar que a violência urbana se desenvolva ou intensifique, ou que ocorra derramamento de sangue, para que o público seja aquele que exige leis e políticas de segurança em detrimento da liberdade.

Subsequentemente, sob certo gradualismo, o pretexto de uma economia subdesenvolvida (produto do bloqueio e das sanções económicas) ou de uma crise económica seria utilizado para fazer o público aceitar como um mal necessário a regressão dos direitos sociais e o desmantelamento dos serviços públicos. Naturalmente, isto é omitido por razões óbvias.

A estratégia do gradualismo.

Como mencionei anteriormente, o gradualismo é a chave do sucesso, para que condições sócio-económicas radicalmente novas (neoliberalismo) possam ser impostas a partir de uma mudança de regime.

  1. a estratégia de adiamento.

De um contexto social cheio de nuances, reflectem apenas o que entendem ser negativo ou problemático. Eles sabem que a maioria apoia o governo e o sistema social existente, e por isso aludem à necessidade de uma mudança de regime como algo doloroso e necessário. Para dar credibilidade ao mensageiro, vestem-no como um cubano do povo que ele não tem, e embora ele peça uma mudança rápida, e assegure que Cuba está pronta para uma “mudança”, estas estratégias visam ganhar tempo para que o público se habitue à ideia de mudança e a aceite com resignação se a altura chegar.

  1. dirigir-se ao público como criaturas de pouca idade.

No texto da canção, tentando manipular os sentimentos do público cubano, cometem o erro de a abordar como alguém com falta de conhecimento, cultura, capacidade analítica e pensamento crítico. É a aplicação mecânica de métodos de influência psicológica sem considerar as características do sujeito sobre o qual actuam ou a ignorância que os leva a confundir os desejos com as realidades.

  1. usar o aspecto emocional muito mais do que a reflexão.

O uso do emocional é uma técnica mais do que eficaz para suprimir a análise racional e, finalmente, para o sentido crítico do povo. Além disso, a utilização do registo emocional permite abrir a porta de acesso ao inconsciente a fim de implantar ideias, desejos, medos, e induzir comportamentos.

Segundo o texto da canção colocada na boca do agora mensageiro do império, ele canta por 11 milhões, algo que é mentira, ele canta em nome da capital do império, o que garante o seu pagamento, e o seu visto. Do mesmo modo, fala das necessidades que as pessoas sofrem, para o que utiliza na sua fala questões sensíveis como a falta de medicamentos, alimentos, recursos, e a situação que tem sido gerada pelo Covid-19.

Não menciona os cinco candidatos cubanos à vacina que em breve estarão disponíveis para o povo, não fala da estratégia eficaz de Cuba na luta contra a pandemia, não fala do esforço que o governo está a fazer para garantir o essencial ao povo no meio do aperto do bloqueio, não fala do esforço que os professores cubanos estão a fazer para garantir a educação de milhões de estudantes.

Os problemas são abandonados, e de uma forma subtil estão ligados a uma suposta falta de vontade do Estado para com o seu povo, e omitem as causas reais dos problemas, o que indica que o seu discurso visa a manipulação, desinformação, e subversão. É a manipulação da realidade em busca de interesses espúrios.

7.manter o público na ignorância e na mediocridade.

Promover este pensamento medíocre, a análise plana dos problemas que afectam a nossa sociedade, promover a anti-cultura, o banal, o consumismo e o conteúdo vazio, é encorajar a ignorância e a mediocridade.

O rapper vende pátrias, não estimula o público a questionar-se sobre as questões que menciona, não lhe convém. É evidente a intenção manipuladora da sua “canção” que depende da ignorância ou contra-revolução para propagar o seu conteúdo incoerente e manipulado.

Estimular o público a ser complacente com a mediocridade.

Semear na juventude a ideia de se opor ao governo como uma moda, aproveitando a sua rebeldia, é estimulá-los a serem complacentes com qualquer conteúdo incoerente desta natureza. Promover esse sentimento, de não querer pensar, ou analisar as verdadeiras causas dos problemas, é promover a mediocridade.

O Reggaeton, considerado por muitos como um género musical banal e medíocre devido à pobreza do seu conteúdo, é utilizado nesta ocasião, aproveitando a sua aceitação pelos mais jovens, como um meio de inserir conteúdos intencionais, adaptados, modificados e dirigidos a este sector da população, que consideram ter sido doutrinado para agir sem pensar, uma espécie de autómato cujo comportamento responde a estímulos ou motivos intencionais inseridos na sua psique por outros.

9- Reforçar a auto-criminação.

Evidentemente, eles tentam fazer-nos acreditar que nós cubanos somos responsáveis pela nossa própria desgraça, uma vez que decidimos seguir o caminho do socialismo, sob a orientação de Fidel. A Revolução é culpada por todos os males sofridos pelo povo. Sem dúvida, o Judas Iscariotes, um mero fantoche sem intelecto, vende a sua dignidade e ataca a sua pátria pelos presentes que lhe são oferecidos por aqueles que ele adoptou como patronos.

Não importa se ele age por ignorância ou imoralidade, na minha opinião, o que é verdadeiramente importante são as intenções das mensagens que ele transmite, que na essência distorcem a realidade para criar uma desconexão com ela, e uma nova ligação com o criado para manipular. Os propósitos políticos, a influência para: fomentar a rejeição do governo, incitar à violência e criar estados de pânico são prioridades da “canção” apócrifa.

10- Conhecer os indivíduos melhor do que eles próprios se conhecem.

É evidente que um cubano de origem humilde é a melhor forma de levar a mensagem modificada para subverter o povo, que também está na sua essência humilde. É por isso que o “rapper” se apresenta como alguém que sofre com o povo, mas não menciona que agora ganha dinheiro à custa disso, ou que os traiu para obter um visto e para cantar em discotecas em Miami.

Se ele é comunista ou não é da sua conta, mas também menciona este facto com orgulho, o que significa encorajar o ódio por aqueles que o são.

Finalmente, no que respeita à manipulação, conhece a realidade e o sofrimento do povo, está agora em Miami, e mostra-se como aliado daqueles que querem uma invasão militar de Cuba. É esta a mudança de que fala na sua “canção”? Penso que, se ele dissesse a verdade escondida entre tantas mentiras e estratégias de influência psicológica, a canção teria o título: “Quero o meu visto e o meu dinheiro”, e o refrão seria: “Cuba fode-te, estou a foder contigo, estou a foder contigo, estou a foder contigo, estou a foder contigo, estou a foder contigo, estou a foder contigo! Cuba fode-te, estou a vender-te, que me importa a pátria se tenho um visto, agora é tempo de invasão militar e sangue inocente ….

Se colocar a verdade, como ela é, não seria muito bem aceite, seria melhor dizer: mude agora! Mas: Como seria a mudança? O que está por detrás dessa palavra? Resposta: ele não diz, diz apenas que quer ver o povo a governar-se a si próprio. Não compreendo, porque na Cuba de hoje, são as pessoas que estão no poder.

Finalmente, gostaria de falar sobre um linguista americano chamado George Lakoff (Berkeley, 1941), que é um investigador em linguística cognitiva. Dentro do seu trabalho é necessário destacar a “teoria dos quadros cognitivos”.

As estruturas cognitivas são estruturas mentais que moldam a nossa percepção da realidade, moldando assim o nosso conhecimento enciclopédico social. Isto significa que cada palavra que o indivíduo descodifica no processo de comunicação passa por um filtro ou frame correspondente, uma acção que está relacionada com a capacidade de interpretação que um indivíduo pode fazer das mensagens que recebe. Neste quadro aparecem informações sobre as experiências do indivíduo em torno da palavra em questão e a aprendizagem social da mesma, ou seja, o contexto.

Em suma, cada indivíduo, de acordo com a sua experiência e socialização, interpreta os termos aos quais atribui diferentes significados, conotações e emoções.

Selecção lexical, “palavras talismãs”, e estruturas cognitivas

Na canção subversiva do rapper “Micha” é feita uma selecção léxica de palavras-chave que englobam um significado social especial, aquilo a que chamaremos “palavras de talismã”. Palavras talismãs” são palavras que historicamente têm sido carregadas de prestígio e, portanto, têm um significado especial para as pessoas. Podem tanto prestigiar como desacreditar as palavras que lhes são apresentadas. Para melhor compreender isto, podemos destacar “palavras talismãs” utilizadas pelo rapper na sua canção tais como: liberdade (de expressão), sonho, povo, solução, verdade, mãe, santos, igreja, esperança, coração, vizinhança, melhorar.

Tendo em conta o acima mencionado, é interessante ver a desconexão destas palavras com a realidade, e o uso de palavras carregadas de um significado sensível como: pior, pandemia, fome, necessidade, sofrimento, mudança, balsa, repressão, abuso, angústia, problema, separação, desespero, depressão, repressão, mau, matar, crime, dor, governo, caro, transporte, choro, censura, casinos, hotéis, político, comunista.

Após a análise feita, pode-se observar claramente como artistas de baixo custo para o império são por ele utilizados para subverter a ordem institucional em Cuba, utilizando os avanços da ciência, especialmente nas tecnologias de informação e telecomunicações, bem como os experientes no campo da linguística, psicologia e neurociência.

É por isso que Fidel, que previu o futuro com clareza e interpretou as intenções pérfidas do inimigo como ninguém, disse: “O futuro da nossa pátria deve ser necessariamente um futuro de homens de ciência, deve ser um futuro de homens de pensamento…”. Ele, da clarividência do seu pensamento, avisou-nos dos perigos que nos esperariam no caminho e da necessidade de levar essa cultura científica ao povo, para que ninguém os possa confundir, nem os falsos profetas os manipulem.

Categories: #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, fake news, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, fake news, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, Manipulacion, Manipulacion Politica, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

#Yomil terminado com #Otaola. Graças aos amigos de #Cuba por essas manifestações sinceras Vs o #Bloqueio.#GuerreroCubano

Categories: # yo voto vs bloqueo, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #solidaridadvs bloqueo, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, bloqueio econômico, BLOQUEIO VS CUBA, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, CubavsBloqueo, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, La Unión Europea se posiciona contra el bloqueo, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, Redes sociais, Trump procura reforçar o bloqueio | Deixe um comentário

Muito sério! #Otaola compara os opositores em #Cuba a uma vaca.#GuerreroCubano

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contra-revolução cubana, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, Redes sociais | Deixe um comentário

O relatório do Departamento de #Saúde dos #E.U.A. reconhece que fez lobby para impedir a vacina #Sputnik, ajuda #MédicaCubana.

Por Redacción Razones de Cuba

Também insistiu na presença de médicos cubanos, que se deslocam a diferentes países para prestar assistência.

Os dados, tal como revelados hoje em Buenos Aires pelo jornal Página 12, aparecem no relatório anual do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (OGA, pela sua sigla em inglês, o equivalente a um ministério).

“A OGA coordenou com outras agências governamentais dos EUA para reforçar as relações diplomáticas e oferecer assistência técnica e humanitária para dissuadir os países da região de aceitar a ajuda destes Estados mal-intencionados”, afirma o relatório.

O relatório, por exemplo, reconhece ter apelado às “relações diplomáticas” bilaterais entre Washington e Brasília para forçar o gigante sul-americano, um dos mais afectados pela pandemia de Covid-19, a recusar a autorização de utilização do Sputnik V, do centro russo Gamaleya.

De acordo com o documento dos EUA, as suas recomendações destinavam-se a evitar que a Rússia “aumentasse a sua influência” na região da América Latina e das Caraíbas, informou a Telesur, embora não tenham sido fornecidos mais pormenores. Numa secção do relatório intitulada “Combater as influências malignas nas Américas”, revelada na Página 12, o relatório explicava que o objectivo era evitar que países como a Rússia, Venezuela e Cuba “aumentassem a sua influência” na região através da vacina anti-covida russa e das brigadas médicas internacionalistas de Cuba.

A vacina e os médicos cubanos actuariam “em detrimento da segurança dos Estados Unidos”, de acordo com o documento.

O relatório foi divulgado esta semana enquanto os Estados Unidos pairavam em torno do número de meio milhão de mortos da pandemia como resultado da política do ex-Presidente Donald Trump, um apoiante de “deixar morrer aqueles que têm de morrer”, como ele disse.

E o Brasil, por seu lado, com a política de saúde do Presidente Jair Bolsonaro alinhada com a de Trump, atingiu esta semana o número arrepiante de 290.000 mortes por coronavírus no total e 3.150 mortes por dia, em média.

No caso do Panamá, os Estados Unidos teriam oferecido assistência técnica do Centro de Controlo de Doenças (CDC) ao país centro-americano para rejeitar uma oferta de médicos cubanos para combater a epidemia de Covid-19.

Segundo o Telesur da Venezuela, apesar da oposição geopolítica à sua utilização, a vacina russa Gamaleya foi autorizada em cerca de 24 países, vários dos quais na América Latina e nas Caraíbas.

Também apesar da campanha contra, a cooperação médica cubana espalhou-se por três continentes e cerca de 30 países durante a pandemia de Covid-19.

“Que morram os que têm de morrer”.
Pressões dos EUA sobre a América Latina na pandemia.

Como Washington se manobrou para impedir a venda da vacina Sputnik na região e para bloquear as actividades das brigadas médicas cubanas. As coincidências de Trump e Bolsonaro e os guinchos de Mauricio Macri.

Luis Bruschtein – Página 12

Com o aumento de onze por cento de contágios em todo o país e de 19 por cento no CABA, os infectologistas que aconselham o governo avisaram que a Argentina pode estar às portas de uma segunda vaga de infecções, como aconteceu na Europa no final do Verão e ainda está a acontecer em alguns países. A chegada dos primeiros carregamentos de vacinas flexibilizou as medidas de precaução no país e a vigilância sanitária nas fronteiras. Embora não tenha anunciado quaisquer medidas concretas, o Presidente Alberto Fernandez utilizou a rede de rádio e televisão na quinta-feira para emitir um aviso aos argentinos. Se o número de contágios aumentar, terão de ser tomadas novas precauções sanitárias.

Durante as férias, muitos argentinos viajaram para o Uruguai, Brasil e Chile, que estão a viver uma onda muito forte de contágios. O perito sanitário José Carlos Escudero segue os índices mundiais da epidemia, tomando como base os relatórios periódicos publicados pelo Washington Post e pelo The New York Times.

Para descrever situações é por vezes conveniente não usar números”, diz Escudero na sua parede FB. Para o dizer sem números: hoje em dia, o risco de adoecer de coronavírus é duas vezes maior no Uruguai do que na Argentina. O risco de morrer de coronavírus é duas vezes maior no Chile do que na Argentina. O risco de morrer de coronavírus é mais de três vezes maior no Brasil do que na Argentina.

No Brasil há ainda mais de 7.000 argentinos que foram de férias no meio da epidemia, e muitos mais viajaram desde Dezembro. O próprio chefe do governo da CABA, Horacio Rodríguez Larreta, tirou ali as suas férias, num exemplo do que um político que normalmente é tomado como referência pelos seus seguidores não deve fazer.

Como no início da epidemia do ano passado, os distritos CABA com mais infecções não são os mais pobres, mas os mais ricos: Recoleta, Palermo e Belgrano, onde vivem aqueles que viajaram para o estrangeiro. Isto inclui o México, de onde os 77 estudantes infectados com o coronavírus voltaram da sua viagem de graduação.

As ramificações políticas relacionadas com a epidemia têm sido chocantes. Durante a semana, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (equivalente ao Ministério da Saúde) divulgou um relatório no qual reconhece que durante 2020 pressionou os governos latino-americanos a não comprar a vacina russa Sputnik V e menciona os governos do Panamá e do Brasil.

Numa secção do relatório, intitulada: “Combater as influências malignas nas Américas”, explicam que utilizaram a diplomacia para impedir países como a Rússia, Venezuela ou Cuba, “aumentar a sua situação difícil” na região através da vacina anti-vírus russa e das brigadas médicas internacionalistas de Cuba. A vacina e os médicos cubanos actuariam “em detrimento da segurança dos Estados Unidos”, de acordo com o documento.

O relatório foi divulgado esta semana enquanto os Estados Unidos pairavam em torno do meio milhão de mortos pandémicos em resultado da política “deixar morrer quem tem de morrer” de Donald Trump. E o Brasil, o país que a Casa Branca estava a bloquear o acesso a um remédio estratégico, atingiu esta semana o número arrepiante de 290.000 mortes do coronavírus no total e 3.150 mortes por dia.

A diplomacia de Donald Trump pressionou o governo de Jair Bolsonaro a aprofundar esta política de armas dobradas face à pandemia, graças à qual aquele país é o terceiro no mundo em termos do número de infecções (depois dos Estados Unidos e da Índia) e o segundo em termos do número de mortes (depois dos Estados Unidos).

O país que foi pressionado a não comprar vacinas está a sofrer “o maior colapso sanitário e hospitalar da sua história”, de acordo com a Fundação Oswaldo Cruz, o maior centro de investigação científica da América Latina. Em 19 capitais brasileiras, as unidades terapêuticas já ultrapassaram 90 por cento da sua capacidade e as mortes aceleraram devido à falta de espaço. A crise levou Bolsonaro a ceder e a mudar o seu ministro da saúde. Retirou o General Eduardo Pazuello, que nada sabia sobre o assunto, e substituiu-o pelo cardiologista Marcelo Quiroga.

Trump e Bolsonaro concordaram naquela frase tremenda sobre a morte daqueles que têm de morrer. Uma metáfora malthusiana para justificar o sacrifício (evitável) de milhares de pessoas, entre pessoas saudáveis de todas as idades, com mais de 60 anos e pacientes com doenças como diabetes, coronárias, respiratórias ou imunocomprometidas.

Esta frase tinha estatuto local na altura, quando no meio da quarentena rigorosa da primeira fase, o ex-Presidente Mauricio Macri comunicou com o Presidente Alberto Fernandez para expressar o seu desacordo com a quarentena porque aqueles que tinham de morrer ainda iam morrer.

Quando se realizaram as primeiras marchas anti-quarantinas, Macri tinha dito que estava “orgulhoso dos milhares de argentinos que ontem saíram para dizer não ao medo e ao abuso, e sim ao trabalho, ao respeito e à liberdade”. No mesmo sentido, ele tinha feito declarações na Europa. As palavras de Macri a Alberto Fernández repetiram o que ele tinha dito: “deixemos todas as pessoas na rua, deixemos morrer aqueles que têm de morrer”. Esse parentesco ideológico entre Trump, Bolsonaro e Macri, induz a visualizar o Brasil e os Estados Unidos como o cenário de tragédia humanitária que poderia ter sido a Argentina se essa ideia tivesse prevalecido.

“Lamento por aqueles que perderam entes queridos, mas isso é vida”, respondeu o presidente brasileiro no ano passado a um grupo de jornalistas que lhe perguntou sobre as vítimas da epidemia. “Eu sou o Messias – pelo seu nome do meio – mas não faço milagres. É assim que é a vida. Amanhã serei eu e espero que venha da forma mais digna possível e deixe uma boa imagem”.

A divulgação do balanço anual do Departamento de Saúde dos EUA mostrou que a epidemia e as vacinas tornaram-se factores na geopolítica mundial. Face à aceitação mundial do Sputnik V, os Estados Unidos voltaram à língua da velha Guerra Fria e o Presidente Joe Biden chamou ao seu homólogo russo, Vladimir Putin, um assassino.

Assim como o Primeiro Ministro britânico Boris Johnson, que anunciou um aumento invulgar da presença militar do império nos seus 14 territórios ultramarinos, como chamam os seus enclaves coloniais, um dos quais são as Ilhas Malvinas. Estes são mecanismos que expõem a dificuldade das potências ocidentais face a um mundo cada vez mais multipolar com a Europa, Rússia e China a emergir face a um Estados Unidos enfraquecido.

Quando Trump descobriu que quanto menos a epidemia era combatida, mais ela afectava a economia, mudou a sua linha, encerrou a exportação de vacinas e começou a açambarcá-las. Sob Biden, essa política não mudou. Os Estados Unidos têm contratos para 1,5 mil milhões de vacinas e tem 300 milhões de habitantes. Os seus contratos com a Pfizer, Moderna e Johnson são cinco vezes superiores ao número de habitantes, no entanto, não permitem que nenhuma vacina saia das suas fronteiras.

A vacinação nos Estados Unidos é tão generosa que muitos mexicanos ricos viajam para o país vizinho para se vacinarem porque não requerem cidadania ou residência. O contraste com o México vizinho, que tem problemas em obter vacinas como a maior parte do resto do mundo, é acentuado. O Papa Francisco empenhou-se pessoalmente em conversações com Biden para que, no mínimo, as sobras de vacinas possam ser desviadas.

Na Argentina, o cenário continua: as autoridades do CABA afirmam que recebem menos vacinas do que outros distritos. Da província de Buenos Aires eles respondem que é o contrário porque recebem mais do que os outros. A realidade é que no distrito de Buenos Aires a vacinação progrediu nos anos 60, professores, trabalhadores da saúde e pessoal da polícia, enquanto que no CABA não se termina com os anos 80. A distribuição da vacina é super controlada e uma distribuição desigual seria muito fácil de detectar. Não há problemas de distribuição, mas sim diferentes políticas de saúde.

Extraído de Cubainformaciòn

Categories: #America Latina, #Brasil, #Brasil se alinha aos #EUA, #Brasil, Corrupción, #Jair Bolsonaro, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #salud, ações subversivas, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Injerencia De EEUU, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, Manipulacion, Manipulacion Politica, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Profesionales e la Salud, RUSSIA, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Cuba-USA: A indignidade de uns poucos não pode ser contra a boa vontade de muitos.

Autor: Raúl Antonio Capote | internacionales@granma.cu

Um espectáculo anti-cubano, preparado pela Comissão Interamericana dos Direitos Humanos da OEA, o mesmo que não disse uma palavra sobre os crimes dos golpistas que arrebataram a presidência ganha nas sondagens por Evo Morales na Bolívia, em 2019, e que é cego e surdo a todos os crimes cometidos pela ala direita na América Latina, vem juntar-se às tentativas de rarear e paralisar qualquer aproximação entre Cuba e os EUA.

Protagonistas bem conhecidos do negócio da contra-revolução foram convocados para o evento da OEA, um espectáculo deprimente de mentiras e manipulação que se repete, no meio de um clima que tende a forçar e a arrogância como método nas relações internacionais.

As sondagens, com intenções imparciais, promovem resultados desfavoráveis à aproximação, enquanto o povo cubano de ambos os lados do Estreito da Florida sofre as consequências de uma política incerta e perturbada devido às ambições de alguns políticos norte-americanos que se orgulham de continuar a apresentar-se como cubano-americanos.

cuba eeuu - NODAL

Propagam falácias, introduzem facturas contra Cuba, ameaçam, comprometem, compram consciências e fazem uso de todos os truques herdados dos seus antepassados na ilha, quando governavam os destinos do país como uma república das bananas antes de Janeiro de 1959.

Como culminação das indignidades, Marco Rubio e Bob Menendez apresentaram uma resolução bipartidária que presta homenagem aos mercenários da brigada 2506; algo inaudito se não tivesse vindo de tais personagens.

Ninguém no seu perfeito juízo pensaria em prestar homenagem à derrota. Não foi apenas a capitulação de um exército em combate, foi a indignidade de um grupo de mercenários que, se alguma coisa demonstraram, não foi exactamente coragem; a ignomínia de homens que, ao serviço de uma potência estrangeira, atacaram as suas terras em Abril de 1961; pessoas que, no momento amargo da rendição, fingiam ser cozinheiros e sacristas para tentarem esconder o seu papel de apóstatas disfarçados de soldados.

A sementeira intencional de ódio a que um grupo de políticos da máfia anti-cubana se tem dedicado contrasta com a posição demonstrada pelas cidades, organizações e políticos americanos que procuram uma aproximação entre as duas nações. Recentemente, líderes democratas e republicanos no Sul da Florida exortaram o Presidente Joe Biden a retomar o envio de remessas para Cuba.

Numa carta enviada à Casa Branca, os signatários, incluindo o Presidente da Câmara de Coral Gables Raul Valdes-Fauli, dizem que a questão requer “atenção urgente independentemente das tendências políticas” devido aos danos que causa ao povo cubano.

A soma das indignidades e dos ares de ódio soprados de Washington e Miami não pode extinguir a vontade da maioria dos cubanos e milhões de americanos que desejam uma melhoria nas relações entre Cuba e os EUA.

Categories: # yo voto vs bloqueo, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #OEA, #OEA,Luis Almagro, #solidaridadvs bloqueo, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, AmericaLatina, bloqueio econômico, BLOQUEIO VS CUBA, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (CELAC), Cuba, Organización de Estados Americanos (OEA), CubavsBloqueo, Derechos Humanos, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, La Unión Europea se posiciona contra el bloqueo, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, mentiras construídas em Washington contra Cuba, Organizacion e Estados Americanos (OEA), Trump procura reforçar o bloqueio, Washington | Deixe um comentário

A #Bolívia rejeita as acusações da #OEA e acusa #LuisAlmagro de polarizar o país com “mentiras”.

Categories: #Brasil, Corrupción, #Jair Bolsonaro, #Estados Unidos, #Luis Almagro, #OEA, #OEA,Luis Almagro, Almagro e a cloaca do império, bolivia, Brasil, Injerencia De EEUU, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, Proclamada Jeanine Áñez, Secretário Geral, Luis Almagro | Deixe um comentário

Falsas etapas de uma aliança contra a Venezuela.

Autor: Elson Concepción Pérez | internet@granma.cu

Con un amargo sabor injerencista y una política fracasada y cruel, Estados Unidos, la Unión Europea, el llamado Grupo de Lima y la desprestigiada OEA, continúan asumiendo posiciones contrarias al diálogo político auspiciado por el Gobierno venezolano y sectores opositores, apoyado por la mayoría de a população.

Os últimos passos, longe de contribuir para a paz, a reconciliação e o respeito a um país soberano, fogem de todas as normas internacionais.

Um exemplo da continuidade dessa política de intromissão nos assuntos internos de um Estado foi a mais recente decisão do novo governo de Washington de prorrogar por um ano a emergência nacional declarada pelos Estados Unidos, o que qualifica o país sul-americano como perigoso .

La mayoría de la población apoya el diálogo político auspiciado por el Gobierno venezolano.

O argumento não poderia ser menos crível: «A situação na Venezuela continua a representar uma ameaça incomum e extraordinária à segurança nacional e à política externa dos Estados Unidos, para a qual determinei que é necessário continuar com a emergência nacional declarada em o Decreto Executivo 13692 a respeito da situação na Venezuela “, disse o presidente em nota divulgada pela Casa Branca.

Outro exemplo do prolongamento do uso de uma política de oposição à soberania venezuelana está contido no diálogo telefônico mantido entre o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, e o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, cujo compromisso transcendeu os eua uu com a “promoção de uma transição democrática e pacífica” naquela nação, ignorando que há um governo e um presidente democraticamente eleito pela maioria do povo e reconhecido por grande parte da comunidade internacional.

Para realizar esse propósito, a Casa Branca publicou um documento no qual fala em “trabalhar com aliados com ideias semelhantes, incluindo a União Europeia, o Grupo de Lima e a OEA”.

É inédito que estas posições sejam tomadas em abertamente contra as regras internacionais de respeito mútuo, uma vez que nem Washington nem a UE mostram qualquer interesse no processo de diálogo que está a decorrer em Caracas. Ao contrário, as receitas continuam sendo as sanções econômicas em meio a uma pandemia sufocante e a intensificação da perseguição econômica e financeira, que inclui o confisco de milhões de dólares de dinheiro venezuelano em bancos americanos e europeus.

O oportuno, claro, seria o que hoje é o mais improvável, que a administração dos Estados Unidos e alguns governos da União Europeia coincidam em favorecer, politicamente, a realização de um diálogo governo-oposição e, economicamente, retirar as sanções arbitrárias e devolver a Caracas os recursos hipotecados que pertencem ao povo bolivariano.

Categories: # Argentina, #Canadá, #Caracas, #Colombia, Grupo de Lima, #Jorge Arreaza, #Perú, #venezuela, # OEA, # Venezuela, #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #Caracas, Golpe de Estado, Militar,#Nicolás Maduro Moros, #Venezuela, #Colombia, Ejército de Liberación Nacional (ELN), Guerrilla, Paz, #Venezuela, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosGrupo de LimaPalacio de Miraflores, #EUA contra uma possível intervenção militar na# Venezuela, #OEA,Luis Almagro, #Venezuela, A obsessão dos Estados Unidos, Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (CELAC), Cuba, Organización de Estados Americanos (OEA), Dança de máscaras na OEA, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Grupo de Lima, Injerencia De EEUU, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, UNION EUROPEA | Deixe um comentário

Alto e claro, Bonifacio Byrne.

Autor: Madeleine Sautié | madeleine@granma.cu

Ele era um poeta patriótico. Por isso, depois que estourou a Guerra Necessária, mudou o rumo de seus textos modernistas e escreveu sobre a luta Mambisa que Cuba travava contra a colônia espanhola.

Ele era jornalista e fundou jornais. Ele foi um narrador e também escreveu teatro. Por ser justo, elogiou a coragem de um amigo, também patriota, que foi baleado em 1895.

Para tomar partido, foi para o exílio e, dos Estados Unidos, participou de uma campanha de proselitismo em busca da independência. Em Tampa, ele criou o Clube Revolucionário e foi seu secretário. Colaborou em Patria, El Porvenir e El Expedicionario.

Sua natureza bárdica o levou ao soneto e ele foi o autor de muitos em que a façanha vibrou. Mas há um poema, que ele escreveu em serventesios de fogo, que o eternizou para sempre. Nele sintetiza os sentimentos de um povo que, por mais que ouça, recite, leia ou lembre, só sabe sentir mais profundamente.

Foi quando vinha de “uma costa distante, com a alma de luto e tristeza” que, procurando a sua bandeira, viu outra acenando ao seu lado.

Ao contemplar em El Morro que a bandeira americana estava sendo hasteada ao lado do cubano, o Poeta da Guerra trouxe à tona, como uma rajada imparável, a sensação mais limpa que se pode sentir quando um ser inteiro macula a terra onde nasceu.

Bonifacio Byrne, nascido há 160 anos hoje, disse então que sua bandeira era a mais bela que existia e argumentou com “profunda energia” que para representar Cuba bastava a estrela solitária.

Ele se lembrou dela nos campos com os heróis, e com orgulho extasiado disse que a nossa nunca tinha sido uma mercenária.

Como o poema termina não é necessário atestar. Guardamos em nossa memória aqueles versos como seus e como nossos.

Como se não bastasse, a voz de Camilo Cienfuegos, cantando-os, é um dos mais belos legados que temos.

Aliás, em dias em que se tentou indigná-la, as estrofes que nasceram de um poeta foram cantadas como nunca e hoje vivem no coração de um povo inteiro:

Se se partir em pedacinhos / um dia se tornar a minha bandeira … / os nossos mortos a levantar os braços / ainda saberão defendê-la …

Categories: # Cuba, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, Intelectuales, Política, Red de Intelectuales y Artistas en Defensa de la Humanidad (REDH), Soberanía, Venezuela, INTERVENÇÕES HUMANITÁRIAS DOS EUA, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI | Deixe um comentário

Acidente não acidental, confessa #Otaola 😜

Categories: ações subversivas, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

#ElGuerreroCubano.Veja evidências esmagadoras sobre os responsáveis ​​pela violenta provocação em frente ao Ministério.

Categories: #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, ações subversivas, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contra-revolução cubana, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, cultura, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, Manipulacion, Manipulacion Politica, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: