A ALBA-TCP questiona as acusações dos EUA e da UE contra Cuba.

#ALBA-TCP #AmericaUnida #InjerenciaDeEEUU #UniãoEuropeia #ParaQueSirveLaOEA

Caracas, 11 de Julho (Prensa Latina) O Secretário da ALBA-TCP, Sacha Llorenti, questionou hoje as declarações sobre Cuba emitidas pelo Secretário de Estado norte-americano Antony Blinken e pelo Alto Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros, Josep Borrell.

Cuba rejeita declarações da Secretária de Estado dos EUA

Através da sua conta na rede social, Llorenti afirmou que ambos os funcionários não têm o direito ou autoridade “de tentar dar lições a Cuba sobre qualquer coisa”, em referência a declarações emitidas sobre os motins e actos de vandalismo registados na ilha a 11 de Julho de 2021 como parte de um plano de desestabilização.

“Devem olhar para si próprios no espelho do cumprimento das suas responsabilidades perante o direito internacional e a Carta das Nações Unidas”, disse o chefe da Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América – Tratado Comercial do Povo.

Anteriormente, o Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano Bruno Rodríguez rejeitou as declarações feitas pelo Secretário de Estado Anthony Blinken, nas quais reiterou o apoio de Washington aos acontecimentos que tiveram lugar na ilha em Julho do ano passado.

Numa mensagem publicada no Twitter, o ministro dos negócios estrangeiros disse que as declarações de Blinken confirmam o envolvimento do governo dos EUA nas tentativas falhadas de subverter a ordem e a paz em Cuba.

Nos últimos dias, o Departamento de Estado norte-americano emitiu várias comunicações descritas em Havana como interferências, bem como o anúncio de novas restrições de vistos para cerca de vinte funcionários governamentais na ilha.

Em relação às declarações emitidas pelo Alto Representante da União Europeia (UE) para os Negócios Estrangeiros, o Ministro dos Negócios Estrangeiros Bruno Rodríguez declarou que ao bloco da UE falta a autoridade moral para fazer juízos de valor sobre a situação cubana.

Acrescentou que a UE deveria preocupar-se com os seus próprios problemas e com as frequentes violações dos direitos humanos nos seus estados membros.

Este fim-de-semana, o Presidente cubano Miguel Díaz-Canel disse à imprensa que a 11 de Julho os cubanos estão a celebrar a vitória sobre uma tentativa de golpe de vandalismo e reafirmou que as pessoas perseguidas criminalmente por estes actos tinham todas as garantias constitucionais.

oda/wup

A OEA em declínio.

#OEA #InjerenciaDeEEUU #ManipulaciónMediática #UniónEuropea #ParaQueSirveLaOEA

A Nicarágua expulsa a OEA do seu território.

#OEA #Nicaragua

PSUV: Os observadores da UE já têm um relatório que desacredita as eleições regionais da Venezuela .

#Venezuela #Elecciones #UnionEuropea #Subversion #ManipulacionPolitica

A campanha de solidariedade do MESC face ao 15N.

#CubaSeRespeta #CubaNoEstaSola #CubaEsUnContinente #XCubaYo #DefendiendoCuba

Quem é Alex Saab e como é que a sua extradição para os EUA afecta a Venezuela?

#Venezuela #InjerenciaDeEEUU #NicolasMaduro #AlexSaab

O final da OEA .

#OEA #EstadosUnidos #ManipulacionPolitica #ElCaminoEsLaPaz #CELAC

Um fim ao domínio da OEA na América Latina? O México acolhe uma nova cimeira Celac marcada por lideranças progressistas .

#CELAC #OEA #AMLO #CubaEnMexico #ElCaminoEsLaPaz #PuentesDeAmor

A sexta cimeira da Comunidade dos Estados da América Latina e Caraíbas (CELAC) terá lugar este fim-de-semana na Cidade do México, com a presença de 17 chefes de estado ou de governo, dois vice-presidentes e delegações de todos os países membros.

Entre os presidentes que já confirmaram a sua participação estão o argentino Alberto Fernández, o equatoriano Guillermo Lasso, o cubano Miguel Díaz-Canel, o costa-riquenho Carlos Alvarado e o uruguaio Luis Lacalle Pou, bem como o líder do país anfitrião, Andrés Manuel López Obrador.

O Celac foi formado em 2010 pelos 33 países da região com o objectivo de promover uma agenda latino-americana e caribenha e acordar passos concretos para a integração regional.

¿Fin al dominio de la OEA sobre América Latina? México acoge una nueva cumbre de la Celac marcada por los liderazgos progresistas

Na sua fundação, impulsionada por uma onda de governos progressistas, produziu uma mudança política continental, devido à sua tentativa de substituir a Organização dos Estados Americanos (OEA) em importância multilateral, excluindo os EUA e o Canadá e incluindo Cuba, que foi expulsa da primeira em 1962.

Contudo, em meados da década, a chegada dos governos de direita, bem como a morte em 2013 do seu principal promotor, o Presidente venezuelano Hugo Chávez, produziram um enfraquecimento significativo que o levou a desvanecer-se no mapa político do continente. Foi em Janeiro de 2017 quando se realizou a sua última cimeira em Punta Cana (República Dominicana).

O Celac regressa com uma OEA enfraquecida e com novas lideranças regionais como a do presidente anfitrião, Andrés Manuel López Obrador, e mudanças nos governos de países importantes como o Peru e a Argentina.

Nesses anos, a OEA tomou um novo sopro de ar fresco. Com a assunção de Luis Almagro como secretário-geral, levou a cabo uma vigorosa acção contra os governos da Bolívia e da Venezuela da qual não saiu bem devido aos resultados embaraçosos de ambas as campanhas: um golpe de Estado no primeiro (cujo executor Jeanine Añez está na prisão) e a imposição de um bloqueio financeiro e de um governo interino no segundo (cujo executor Juan Guaidó teve de restabelecer as negociações com o governo existente apesar da recusa de Almagro).

Agora, o Celac regressa com uma OEA enfraquecida e com a emergência de novas lideranças regionais como a do presidente anfitrião, Andrés Manuel López Obrador, e as mudanças de sinal nos governos de países importantes como o Peru e Argentina .

López Obrador tem sido um apoiante entusiasta do Celac e é possível que o seu papel como anfitrião lhe permita dar-lhe um impulso.

A 24 de Julho, o presidente mexicano foi particularmente duro nas suas críticas a Almagro e na sua abordagem à OEA, anunciando que pretendia conceber um plano para substituir a organização por um “organismo verdadeiramente autónomo” que fosse “o lacaio de ninguém”.

Revitalizou também o corpo. A 7 de Setembro, e pela primeira vez desde 2014, todos os países tomaram uma posição conjunta no Dia Internacional contra os Testes Nucleares. A presidência pro tempore do México tirou o Celac do seu silêncio.

Independentemente dos resultados, o cenário servirá para visualizar os novos realinhamentos políticos na região.

Agora vem a Cimeira, e todos esperam um evento que assinalará uma mudança ideológica na região, mesmo que não radical, pelo menos altamente simbólica, e um compromisso conjunto com o futuro.

Agenda da Cimeira
O Secretário dos Negócios Estrangeiros do México, Marcelo Ebrard, indicou que a questão da pandemia estaria na vanguarda, mas que havia também dois projectos em cima da mesa: a criação de uma agência inter-espacial da América Latina e das Caraíbas e a criação de um fundo para catástrofes.

No entanto, o governo boliviano propôs discutir a questão da OEA e a necessidade de reforçar o CELAC.

A questão da pandemia é de particular importância, dado que apesar da gravidade económica e da morte de mais de um milhão de pessoas na região, nem a OEA nem o Celac (nem o Grupo de Lima) tentaram, pelo menos, coordenar políticas para abordar conjuntamente a situação.

Independentemente dos resultados, o cenário servirá para visualizar os novos realinhamentos políticos na região.

Ociel Alí López: Ociel Alí López é sociólogo, analista político e professor na Universidade Central da Venezuela. Ganhou o Prémio Municipal de Literatura 2015 com o seu livro Dale más gasolina e o prémio Clacso/Asdi para jovens investigadores em 2004. É um colaborador de vários meios de comunicação social na Europa, Estados Unidos e América Latina.

Cuba e México: Mais de um século de Solidariedade .

#CubaEnMexico #DiazCanelEnMexico #AMLOLujoDePresidente #CELAC #OEA #EstadosUnidos #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana

Por Alejandra Brito Blanco

A relação bilateral entre Cuba e o México remonta ao alvorecer do século passado. Os laços de amizade estão enraizados na história e na proximidade geográfica de ambos os países.

“A influência da política externa dos EUA é predominante nas Américas. Há apenas um caso especial: o de Cuba, o país que durante mais de meio século afirmou a sua independência ao confrontar politicamente os Estados Unidos”, disse o presidente da nação asteca, Andrés Manuel López Obrador, na XXI Reunião dos Ministros dos Negócios Estrangeiros da CELAC. A AMLO convidou recentemente o líder cubano a fazer um discurso como parte das celebrações do Grito de Dolores. A 20 de Maio, os laços oficiais entre os dois países atingiram 120 anos de existência ininterrupta.

Um olhar para trás na história revela a importância das ligações entre os dois estados americanos. Os veteranos cubanos Gabriel González e Felipe Herrero desempenharam um papel importante nas guerras de independência cubanas. Do mesmo modo, o líder independentista mexicano Benito Juárez, confrontado com o avanço do conservadorismo em 1853, viajou para as Grandes Antilhas, onde aprendeu o ofício de tabaqueira twister. No seu regresso a casa, os seus amigos cubanos apoiaram-no com navios e material de guerra, relata o artigo Benito Juárez ainda está vivo no México e em Cuba.

No México, o Apóstolo José Martí e Julio Antonio Mella levaram a cabo grande parte da sua vida e obra patriótica. A primeira metade do século XX foi marcada por relações cordiais e cooperativas, com algum distanciamento durante o Machadato e o pentarchismo de 1933. Durante o governo de Lázaro Cárdenas, os laços culturais foram reforçados e ainda hoje estão de boa saúde.

Um marco significativo ocorreu no contexto do golpe de Estado de Fulgencio Batista. Embora o México tenha permanecido fiel aos princípios de não intervenção e autodeterminação consagrados na Doutrina Estrada, abriu as suas portas aos revolucionários que fugiam da ditadura.

Foi precisamente a partir daí que o iate Granma, símbolo da luta insurrecional que abriu as portas ao triunfo da Revolução Cubana a 1 de Janeiro de 1959, zarpou. Foi lá que os 82 membros da tripulação foram treinados e onde Fidel e Ernesto “Che” Guevara se encontraram pela primeira vez.

Legenda: O iate Granma partiu de Tuxpan, México, a 25 de Novembro de 1956. Foto tirada da Radio Rebelde.

Durante o período revolucionário, houve também inúmeros momentos significativos. Após a declaração do carácter socialista da transformação social em Cuba, quando os Estados Unidos promoveram a expulsão da ilha da Organização dos Estados Americanos (OEA), a nação asteca foi a única a opor-se a esta posição e a manter as suas relações com a ilha das Caraíbas.

Após um período de arrefecimento, em 2013 os presidentes Raúl Castro e Enrique Peña Nieto anunciaram um “relançamento” das relações entre os dois países. No final do mesmo ano, o ministro dos negócios estrangeiros da ilha, Bruno Rodríguez Parrilla, assinou oito acordos com representantes da América Central.

Legenda: López Obrador manifestou em várias ocasiões a sua rejeição do bloqueio imposto a Cuba pelos Estados Unidos. Foto tirada da Revista Afal.

Os laços diplomáticos, comerciais e culturais entre os dois povos são uma referência a nível continental. O México reafirmou em organizações internacionais a sua rejeição do bloqueio imposto pelos Estados Unidos à maior das Antilhas. Este governo liderou as doações de alimentos, medicamentos e material médico para lidar com o surto de Covid-19. Anteriormente, os médicos cubanos tinham prestado assistência ao país vizinho para combater a pandemia.

Imagen
Falámos com o Presidente cubano Miguel Díaz-Canel; agradecemos-lhe o apoio que recebemos de enfermeiras e médicos cubanos para lidar com a pandemia. O México e Cuba são geminados pela história e pela solidariedade.

O respeito e a solidariedade têm sido as chaves para uma relação tão duradoura. Isto é expresso nas palavras de Andrés Manuel López Obrador na XXI Reunião dos Ministros dos Negócios Estrangeiros da CELAC: “Creio que, pela sua luta em defesa da soberania do seu país, o povo cubano merece o prémio da dignidade”. Cuba é um exemplo de resistência e “por isso mesmo, deveria ser declarada património mundial”, concluiu o presidente.

Nova operação contra Cuba .

#AMLO #Mexico #CubaEsBienvenida #CubaEnMexico #DiazCanelEnMexico #CELAC #ONU #EstadosUnidos #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana

%d bloggers like this: