Total Energies investe 3 mil milhões de dólares na exploração petrolífera

#Angola #Francia #Economía #Petróleo

Garrido Fragoso

A petrolífera francesa Total Energies disponibilizou, recentemente, 3 mil milhões de dólares, para serem empregados em projectos ligados às energias renováveis em várias localidades do país, bem como de exploração de petróleo e gás na Bacia do Rio Kwanza, mais concretamente no Bloco 17. A petrolífera francesa Total Energies disponibilizou, recentemente, 3 mil milhões de dólares, para serem empregados em projectos ligados às energias renováveis em várias localidades do país, bem como de exploração de petróleo e gás na Bacia do Rio Kwanza, mais concretamente no Bloco 17.

O Presidente da República, João Lourenço, recebeu, ontem, o director- -geral da multinacional petrolífera francesa © Fotografia por: Dombele Bernardo | Edições Novembro

A informação foi prestada, esta terça-feira(01), em Luanda, à imprensa, pelo director-geral da multinacional francesa, Patrick Pouyanné, no final da audiência que lhe foi concedida pelo Presidente da República, João Lourenço, no Palácio Presidencial, na Cidade Alta.

“Disponibilizámos, no presente ano, 3 mil milhões de dólares que serão investidos em projectos petrolíferos específicos na Bacia do Rio Kwanza, como no projecto de exploração Begónia e outros de expansão do Bloco 17”, declarou Patrick Pouyanné, que sublinhou o desejo de ver operacionais tais projectos até 2024.

Patrick Pouyanné informou que, a partir de 2024, a Total Energies pensa criar novos projectos, como o de “Águas Profundas”, “Cameia”, “Golfinho”, que já estão a ser projectados na Bacia do Rio Kwanza.

“Estamos a trabalhar com as autoridades angolanas e caso cheguemos a um bom entendimento desejamos ver estes projectos em funcionamento até meados do próximo ano”, admitiu o gestor da multinacional francesa, que também avançou a intenção da empresa explorar, nos próximos tempos, um total de sete blocos, na mesma bacia.

O director-geral da Total Energies considerou “excelente” o ambiente de negócios com Angola.

Lembrou, a propósito, que a sua empresa opera há mais de 70 anos em Angola e desfruta de “grande apoio” do Executivo angolano, incluindo dos parceiros (Sonangol e Agência Nacional de Petróleo e Gás), para, cada vez mais, investir no território angolano.

A Total Energies produz, actualmente, 550 mil barris de petróleo por dia, o que representa quase 50 por cento da produção total no país.

Energia solar para a indústria mineira

Com o Chefe de Estado, o director-geral da Total Energies disse, também, ter analisado a possibilidade de a sua companhia fornecer energia solar à indústria mineira no país, com vista à redução dos custos no sector de Mineração.

Lembrou, a propósito, que em Junho do ano passado foi assinado um acordo, que resultou na criação do Parque Solar, na província da Huíla, que vai gerar 35 Megawatts para a rede nacional.

“Em Angola não estamos apenas focados no sector dos Petróleos e Gás como era tradição, mas também na área das Energias Renováveis”, informou Patrick Pouyanné, que admitiu o acréscimo de mais 8 Megawatts ao Parque Solar da Huíla, num investimento total de 100 milhões de dólares.

O Haiti ergue-se contra uma possível intervenção militar estrangeira

#InjerenciaDeEEUU #Francia #Canadá #ONG #Haití #Economía

É desta forma que a desordem pública no mundo é punida.

#LasLeyesSeCumplen

Por Redacción Razones de Cuba

A 3 de Agosto, realizou-se uma manifestação de apoio aos candidatos independentes ao Parlamento de Moscovo. O protesto anterior, que tinha tido lugar a 27 de Julho em Moscovo, provocou um alvoroço na imprensa mundial devido às detenções dos participantes. O Sputnik analisa a forma como a desordem pública é regulada noutros países em todo o mundo.

O protesto de 3 de Agosto careceu de autorização, tal como o anterior, porque os organizadores e as autoridades não tinham chegado a acordo sobre um local para a manifestação.

Imagen de Razones de Cuba

Obter autorização das autoridades para realizar uma manifestação é prática comum na maioria dos países, incluindo na UE e nos EUA, e, logicamente, também está a ser punido por realizar uma manifestação não autorizada num local não aprovado. Mas tudo isto só diz respeito aos organizadores.

Entretanto, os manifestantes detidos em Moscovo a 27 de Julho foram acusados de outro crime: perturbação da ordem pública e participação em distúrbios em massa – como estipulado na Secção 2 do Artigo 212 do Código Penal russo. A violação desta regra implica uma pena de prisão de três a oito anos.

“ESTES CIDADÃOS REALIZAVAM PROTESTOS NÃO AUTORIZADOS DURANTE VÁRIOS DIAS (…) A POLÍCIA PRATICAMENTE NÃO REAGIU, MAS OS ORGANIZADORES NÃO QUERIAM ESTA SITUAÇÃO. COMEÇARAM A AGIR: TENTARAM BLOQUEAR ESTRADAS, RUAS, PARA ATACAR A POLÍCIA. FORÇARAM A POLÍCIA A USAR A FORÇA, O QUE É ABSOLUTAMENTE APROPRIADO NESTA SITUAÇÃO”, DISSE O PRESIDENTE DA CÂMARA DE MOSCOVO SERGEY SOBYANIN À TVC.

As detenções por violação da ordem pública estão também previstas nas leis de muitos países de todo o mundo. No entanto, os principais meios de comunicação social bombardearam os seus leitores com artigos sobre crackdowns violentos por parte das autoridades russas. Para mostrar que esta retórica não é mais do que um padrão duplo, apresentamos as regras para a realização de manifestações em alguns países de todo o mundo e as punições pela sua violação.

Espanha
A realização de manifestações em Espanha deve ser comunicada por escrito pelos organizadores à autoridade governamental competente, de acordo com o Ministério do Interior do país.

Se a autoridade governamental considerar que existem razões bem fundamentadas para perturbar a ordem pública, com perigo para pessoas ou bens, pode proibir a manifestação ou propor a modificação da data, local, duração ou itinerário.

Os promotores ou directores que realizam uma manifestação previamente suspensa ou proibida, e desde que ao fazê-lo pretendam subverter a ordem constitucional ou perturbar seriamente a paz pública, são puníveis com pena de prisão de seis meses a um ano.

Quanto aos próprios manifestantes, o Artigo 557 do Código Penal menciona que aqueles que, agindo em grupo ou individualmente, mas sob a sua protecção, perturbem a paz pública praticando actos de violência contra pessoas ou coisas, ou ameaçando outros de as praticar, serão punidos com uma pena de prisão de seis meses a três anos.

E aqueles que transportam armas, praticam actos de pilhagem, escondem a cara, atiram objectos rombos ou líquidos inflamáveis, ateiam fogo ao mobiliário urbano e utilizam explosivos, enfrentarão um castigo de até seis anos de prisão.

Argentina
Na Argentina, as detenções também podem ocorrer durante as manifestações. De acordo com o Código Penal Nacional, os manifestantes podem ser acusados de acções graves, incluindo ferimentos, ameaças, ataques, intimidação pública, bem como bloqueios de estradas e resistência à autoridade.

Assim, por exemplo, o Artigo 194 estipula que “quem, sem criar uma situação de perigo comum, impedir, dificultar ou obstruir o funcionamento normal dos transportes por terra, água ou ar ou serviços públicos de comunicação, abastecimento de água, electricidade ou substâncias energéticas, será punido com pena de prisão de três meses a dois anos”.

EUA
Nos Estados Unidos, não existe legislação uniforme para todo o país; esta varia de estado para estado. Mas para todos eles é obrigatório obter uma licença para realizar uma demonstração. As autoridades reservam-se o direito de recusar a realização de um protesto no território onde seja necessário para a operação de transporte ou outras necessidades públicas. Um protesto que bloqueie o transporte ou o tráfego de peões sem licença é ilegal.

Se durante uma manifestação a ordem pública for perturbada que envolva actos de violência ou actos que apresentem perigo ou possam causar danos à propriedade de qualquer outra pessoa, os perpetradores destes crimes enfrentam até cinco anos de prisão.

Alemanha
A lei alemã estabelece que qualquer manifestação deve ser coordenada com as autoridades que a podem proibir se o evento representar uma ameaça directa à segurança e à ordem pública.

A polícia tem também amplos direitos para dispersar manifestações que ameacem a segurança dos cidadãos. Têm o direito de usar a força e de tomar medidas físicas: porretes de borracha, gás lacrimogéneo, canhões de água e, se necessário, armas de fogo.

França
Em França, cada manifestação deve também ser coordenada com as autoridades. Se as autoridades considerarem que uma manifestação é susceptível de perturbar a ordem pública, proíbem-na.

As manifestações de “coletes amarelos” servem de exemplo recente de como a polícia francesa actua durante protestos que perturbam a ordem pública: só em três meses de protestos, 8.400 manifestantes foram detidos. Os eventos foram acompanhados de fortes confrontos com agentes da polícia que utilizaram canhões de gás lacrimogéneo e água contra os participantes.

Extraído de Sputnik News

A França reitera o seu apelo à solidariedade com Cuba.

#CubaNoEstaSola #SolidaridadConCuba #FuerzaCuba #FuerzaMatanzas #CubaPorLaVida #AmorYNoOdio

Na sua publicação semanal, La lettre électronique Hebdo, exortou os amigos de Cuba e as pessoas que estão conscientes do grave acidente a darem uma contribuição monetária para uma campanha que acumulou 20.000 euros.

Cerca de 200 doadores já deram as suas contribuições de solidariedade através do sítio web da associação criada em 1995 para promover a cooperação económica entre os dois países.

Paris, 18 de Agosto (Prensa Latina) A associação Cuba Coopération France (CubaCoop) reiterou hoje o seu apelo à solidariedade com a ilha através de doações para apoiar os esforços de recuperação após o incêndio devastador que atingiu a zona industrial de Matanzas.

O presidente fundador do CubaCoop, Roger Grevoul, descreveu a resposta à colecção como encorajadora e destacou a participação de indivíduos e organizações como um sindicato departamental da Confederação Geral do Trabalho e a associação Cuba Linda.

Grevoul lamentou os consideráveis danos humanos e materiais causados pelo dramático acontecimento, que foi desencadeado a 5 de Agosto quando um raio atingiu um dos tanques de combustível na Base do Supertanker na província ocidental de Matanzas, causando explosões e um incêndio em fúria.

No total, através do CubaCoop, o dinheiro prometido para as acções de recuperação ascende até agora a 45.000 euros, 20.000 angariados através da campanha de doação, 10.000 dos quais foram contribuídos pela própria associação, e 25.000 euros que foram destinados ao Instituto Nacional de Recursos Hidráulicos e aos trabalhos relacionados com a água e o saneamento.

“Uma soma não negligenciável, mas que parece insignificante dada a magnitude dos danos”, disse o presidente fundador, que recordou aos leitores que a ilha está a sofrer as consequências do bloqueio económico, comercial e financeiro que lhe foi imposto pelos Estados Unidos durante mais de seis décadas.

No dia anterior, o embaixador cubano em França, Otto Vaillant, agradeceu à associação e a outras organizações e indivíduos em solo francês pelos seus gestos neste momento difícil para a nação antilhana.

jf/wmr

Os incêndios florestais deixam três feridos no sudeste da França.

#Francia #Incendio #DesastresMeteorológicos #MedioAmbiente

teleSUR

As autoridades francesas informaram terça-feira que os incêndios florestais que afectaram o sudeste da França feriram três bombeiros e evacuaram residentes da região.

O incêndio, que começou na sexta-feira passada nas montanhas de Diois, no departamento de Drome, ainda não foi apagado.

A seca extrema e a onda de calor em França também contribuíram para os incêndios florestais. | Foto: PL

De acordo com os media locais, o incêndio afectou 180 hectares, e 240 bombeiros foram mobilizados para operações destinadas a controlar os incêndios.

Noutro, os bombeiros da zona disseram que, devido à influência dos ventos, as chamas estão a alastrar para casas localizadas em declive.

“As chamas estavam a algumas centenas de metros, os gendarmes e bombeiros vieram dizer-nos que tínhamos de evacuar e que todos tínhamos de sair durante a noite”, recordou o proprietário de uma estalagem, Gabin Castro.

Outros incêndios florestais deflagraram na passada segunda-feira nos departamentos de Lozere e Aveyron, onde mais de 700 hectares de terra foram destruídos e 3.000 pessoas tiveram de ser evacuadas.

Tambores da NATO para #Suécia e #Finlândia

#OTAN #Francia #InjerenciaDeEEUU #España

Madrid, 29 de Junho (Prensa Latina) Os tambores da NATO e uma cimeira em Madrid que visa dar uma volta de 360 graus estão hoje a bater com tons mais militaristas e a abrir as portas à Suécia e à Finlândia.

Com esta notícia, que é praticamente um facto, a cimeira de dois dias da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) começa na quarta-feira no centro de exposições IFEMA-Madrid, onde os 30 membros do bloco e países associados ou observadores estão a cerrar fileiras com o Ocidente em meio às críticas internacionais.

Há algumas horas atrás ficou conhecido que a Turquia, que tinha levantado algumas dúvidas, concordou em abandonar a sua oposição à adesão da Suécia e da Finlândia à aliança, um desenvolvimento aplaudido pelos parceiros da Aliança.

Contudo, a perspectiva é ainda mais tensa pelos receios da Rússia de que dois países tão próximos um do outro sejam cercados pela adesão ao fórum militarista, de acordo com analistas locais.

O secretário-geral da aliança militar, Jens Stoltenberg, disse que após uma reunião de alto nível com os líderes dos três países, “temos agora um acordo que abre o caminho para a adesão da Finlândia e da Suécia à OTAN”.

A justificação para os finlandeses e suecos até agora não-alinhados é a alegada ameaça colocada pela operação militar russa na Ucrânia desde 24 de Fevereiro, que ainda está em curso.

A Finlândia, que partilha uma longa fronteira com a Rússia, é um caso especial. Se, como todas as indicações sugerem, se juntar ao bloco, terá as prerrogativas de, se for eventualmente atacado, será considerado um ataque a todos e desencadeará uma resposta militar de toda a aliança.

O Presidente turco Recep Tayyip Erdogan, devido à posição dos dois países nórdicos sobre os rebeldes curdos, ameaçou bloquear a adesão de ambos os países, o que foi resolvido através de diligências diplomáticas e das conversações de terça-feira.

O processo avançará agora rapidamente em Madrid quando os líderes das 30 nações membros emitirem um convite formal à Suécia e Finlândia na quarta-feira. No entanto, a decisão deve ser ratificada por todos individualmente, o que Stoltenberg disse que seria “absolutamente certo”.

No dia anterior, o Rei Felipe VI organizou um banquete de boas-vindas com os líderes presentes, incluindo os presidentes dos Estados Unidos, Joe Biden, e França, Emmanuel Macron, e os primeiros-ministros do Canadá, Justin Trudeau, e do Reino Unido, Boris Johnson. À sua chegada à capital, Biden foi recebido por Sua Majestade, e depois reuniu-se com o chefe do governo espanhol, Pedro Sánchez, durante uma hora e com um forte sotaque militar, de acordo com a cimeira.

Os Estados Unidos, que tem quatro destruidores na base naval Rota (sul de Espanha), disseram a Sánchez, através do ocupante da Casa Branca, que vão aumentar estes navios de guerra, que são partes essenciais do sistema anti-míssil da OTAN, para seis.

Esta oferta dos EUA, que reforça ainda mais as forças atlantistas em Espanha, terá de ser ratificada pelo Conselho de Ministros e subsequentemente pelo Congresso.

João Lourenço e Emmnuel Macron abordam questões sobre segurança alimentar.

#Angola #Francia #Política #EconomíaNacional

O Presidente da República, João Lourenço, abordou hoje o estado das relações entre Angola e a França numa conversa telefónica com o Chefe de Estado francês, Emmanuel Macron.

Presidente da República, João Lourenço © Fotografia por: CIPRA

No contacto, que aconteceu a meio da tarde desta quinta-feira, os dois Chefes de Estado trataram, também, de questões regionais e globais, principalmente as relacionadas com a segurança alimentar.

Em concreto, foi abordada a iniciativa FARM – FOOD AND AGRICULTURE RESILIENCE MISSION, um programa que tem como principal objectivo prevenir e colmatar efeitos catastróficos para a segurança alimentar resultante da situação global actual.  

Os Presidentes João Lourenço e Emmanuel Macrón falaram igualmente sobre os acordos financeiros firmados hoje pelos dois países no valor global de 200 milhões de Euros para financiar projectos na área da Agricultura, refere uma nota da Presidência da República enviada ao Jornal de Angola.

“Estão reunidas todas as condições para uma guerra tradicional”.

#InjerenciaDeEEUU #Rusia #Ucrania #Francia #OTAN

%d bloggers like this: