Quem ganhou as guerras no #Iraque e no #Afeganistão ?

#EUA #OTAN #ONU #DerechosHumanos #Democracia #Terrorismo #Afganistan #Irak

Por Redacción Razones de Cuba

Durante a guerra de 20 anos contra o Afeganistão, os EUA gastaram mais de 2,2 triliões de dólares em armas. Numa outra guerra, a guerra do Iraque, o Pentágono gastou mais de 1,7 triliões de dólares desde o seu início, em Março de 2003. Em ambos os países, mais de um milhão de pessoas já morreram nos combates e a destruição material inclui danos extensivos a Sítios do Património Mundial.

E tanto no Iraque como no Afeganistão, e acrescentamos a Líbia, também atacada por Washington e pela OTAN, a situação do pós-guerra é de instabilidade, grande afetação económica e social e apropriação dos seus recursos.

Enquanto isto acontece, a despesa militar mundial no ano passado foi de quase dois triliões de dólares, como denunciou o Primeiro Secretário do Partido Comunista de Cuba e Presidente da República, Miguel Díaz-Canel, perante a Assembleia Geral da ONU. “Quantas vidas teriam sido salvas se esses recursos tivessem sido atribuídos à saúde ou à produção e distribuição de vacinas”, perguntou ele. Argumentou: “As respostas possíveis a essa questão residem numa mudança de paradigma e na transformação de uma ordem internacional profundamente desigual e antidemocrática.

Os exemplos do que aconteceu no Iraque, como no Afeganistão, mostram que os únicos vencedores nestes conflitos foram o Complexo Industrial Militar e os contratantes privados que, sob a égide da CIA ou do Pentágono, enviam dezenas de milhares de mercenários para apoiar e fazer parte dos contingentes militares mobilizados por Washington e pela OTAN.

Quando o Pentágono, sob as ordens do então presidente George W. Bush, se lançou contra o Iraque com milhares de militares e meios de guerra que incluíam armas proibidas como o uso de urânio empobrecido nas suas bombas e foguetes, uma grande parte do investimento multimilionário dedicado à guerra foi parar às mãos de empresas privadas ou contratantes.

Sob o nome Blackwater, a empresa que era considerada o principal exército mercenário do mundo teve mesmo de mudar o seu patronímico face ao óbvio descrédito após o seu envolvimento no assassinato de civis – incluindo crianças iraquianas – e na tortura.

Em 2004, na cidade martirizada de Fallujah, quatro dos seus mercenários foram executados e enforcados na ponte à entrada da cidade, acção reivindicada pela resistência iraquiana, após o assassinato de 17 civis por estes empreiteiros.

Para o trabalho genocida na nação iraquiana, as empresas privadas contratadas receberam, só nos primeiros anos da guerra, mais de 85 mil milhões de dólares, de acordo com dados do Congresso dos EUA.

No Afeganistão, de onde as tropas dos EUA e da OTAN acabam de se retirar em derrota após 20 anos de guerra, os únicos vencedores têm sido os mesmos: empreiteiros privados e o Complexo Industrial Militar dos EUA.

Dos 2,3 triliões de dólares que esta guerra injusta custou aos contribuintes americanos, estima-se que pouco mais de um trilião de dólares foi para as várias empresas privadas que contrataram milhares de mercenários. As empresas com os maiores contratos no Afeganistão, segundo estimativas de Haidi Peltier, director do projecto “20 Anos de Guerra” da Universidade de Boston, citado pela bbc, foram: “14,4 mil milhões-Dyncorp International, 13,5 mil milhões-Fluor Corporation, 3,6 mil milhões-Kellogg Brown Root (kbr), 2,5 mil milhões-Raytheon Technologies e 1,2 mil milhões-Aegis llc”.

Os números cobrem essencialmente o período 2008-2021. Acrescente-se a isto que, entre 2008 e 2017, os EUA perderam, por utilização indevida ou fraude, cerca de 15,5 mil milhões de dólares destinados à reconstrução no Afeganistão, de acordo com o The New York Times.

Perito analisa o primeiro dia da 76ª sessão da Assembleia Geral da #ONU .

#ONU #AcuerdoClimatico #EstadosUnidos

Sessão da Assembleia Geral da ONU: Que vacinas serão admitidas?

#ONU #Vacunas #Covid-19

Assassinato do #EmbaixadorItaliano no #Congo investigado.

#NacionesUnidas #PMA #MuereEmjajadorItaliano #RepublicaDemocraticaDelCongo #LucasAttanasio #UNDSS #ONU

Retirado do teleSUR .

O Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) informou nesta quinta-feira em seu site oficial que três investigações estão em andamento para esclarecer o assassinato do embaixador italiano na República Democrática do Congo, Luca Atanassio, ocorrido na segunda-feira.

“Existem atualmente três investigações em andamento, examinando os eventos em torno do incidente na segunda-feira, 22 de fevereiro, em que o embaixador italiano na República Democrática do Congo, Luca Attanasio, sua escolta de segurança, Vittorio Iacovacci, e o motorista da PMA, Mustapha Milambo, “WFP relata em um comunicado.

Los otros cuatro empleados del PMA que se encontraban en el lugar de la tragedia y que fueron heridos, "están a salvo y continúan recuperándose".

“Apoiamos o apelo ao Governo da República Democrática do Congo para que investigue (…) e leve os perpetradores à justiça”, acrescenta o documento do referido organismo multilateral.

A entidade das Nações Unidas indica que as investigações são conduzidas, respetivamente, pelo Departamento de Segurança e Vigilância das Nações Unidas (UNDSS), pelas autoridades italianas e pela República Democrática do Congo; com os quais o WFP está disposto a colaborar.

Da mesma forma, o PMA agradeceu ao Secretário-Geral da ONU, António Guterres, o seu apoio. Também expressou solidariedade aos familiares, amigos e colegas das vítimas e insistiu na importância de se trabalhar com celeridade, para que os fatos sejam apurados com transparência e integridade.

“A família do PMA continua a chorar por todos os perdidos neste incidente, incluindo nosso amigo e colega Mustapha Milambo, que foi enterrado na cidade congolesa de Goma na terça-feira, 23 de fevereiro”, lamenta a nota oficial.

O texto especifica que os outros quatro funcionários do WFP que estiveram no local da tragédia e que foram feridos, “estão seguros e continuam a se recuperar em Goma”, conclui o relatório.

“Negativo e indiferente à dor”: Bolsonaro é denunciado perante a ONU e a OMS por ter lidado com a pandemia.

#Brasil #JairBolsonaro #Covid-19 #ONU #SaludMundial

Jair Bolsonaro e seu governo foram recentemente denunciados por entidades religiosas e indígenas perante os escritórios de Direitos Humanos da ONU e da Organização Mundial da Saúde (OMS) por uma possível má gestão da pandemia do coronavírus no Brasil, terceiro país com maior número de infecções.

O texto foi assinado pela Conferência Nacional dos Bispos, o Conselho Nacional das Igrejas Cristãs, o Conselho Indígena Missionário, o Grupo Franciscano Internacional e a Fundação Luterana Diaconia. A intenção dessas organizações era pedir aos organismos multilaterais algum tipo de pressão para que o Executivo revisse suas políticas de saúde.

"Negacionista e indiferente al dolor": Bolsonaro es denunciado ante la ONU y la OMS por su manejo de la pandemia

“De cada dez pessoas mortas no mundo pelo covid-19, uma delas é do Brasil”, destacaram na carta. Eles também alertaram sobre um aparente “comportamento político, econômico e social contraditório, negação e indiferença à dor, que vem ampliando profundas desigualdades”.

A esse respeito, ressaltaram que as pessoas mais afetadas por esta posição governamental são os indígenas e afrodescendentes, “fortalecendo o racismo estrutural”. Chegam a considerar que o agravamento da emergência se deve a cortes orçamentários anteriores: “A Lei de Teto de Gastos, por exemplo, atrapalha o investimento público e contribui para o aumento das desigualdades com a privatização de serviços essenciais”.
Pedido de maior transparência

Entre as perguntas a Bolsonaro e seu governo, a carta destaca “a indiferença dos poderes públicos federal, estadual e municipal aos acontecimentos atuais”. Com esse tom, esse grupo de críticos clama por “uma investigação para apurar possíveis responsabilidades”.

Uma das questões mais importantes incidiu sobre a alegada falta de “transparência nas informações e confiança nas decisões dos representantes políticos em relação à contenção do covid-19”.

Paralelamente, apoiaram “os mais de 60 pedidos de destituição do presidente, nomeadamente por crimes de responsabilidade no que diz respeito à política de saúde em tempos de pandemia”.

Por fim, destacaram que hoje no Brasil “as notícias falsas são amplamente utilizadas com o objetivo de reduzir a adesão popular às recomendações de saúde baseadas em evidências científicas e promover o ativismo político contra as medidas de saúde pública necessárias para conter o avanço da covid-19”.
Momento critico

HOY / Bolsonaro dice que desea asistir a la "nueva investidura" de Donald  Trump

Atualmente, a situação mais alarmante do ‘gigante sul-americano’ está no estado do Amazonas. Muitos hospitais estão saturados e há escassez de suprimentos básicos, como respiradores e tubos de oxigênio. Enquanto isso, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, está sendo investigado pelo Supremo Tribunal Federal por suspeita de não ter respondido a tempo à falta de oxigênio naquela jurisdição, após a morte de 50 pessoas em meio ao desabamento do hospital.

Sobre isso, Bolsonaro disse: “Não é nossa competência e não somos responsáveis ​​por trazer oxigênio para lá, demos a ele os meios.” Ele também disse que seu ministro fez um “trabalho excepcional”.

Dados oficiais do governo refletem que em nível nacional, um total de 9,2 milhões de infecções confirmadas e mais de 224.000 mortes já foram registradas. Por sua vez, pelo quinto dia consecutivo, o Brasil teve mais de mil mortes por dia. Durante a crise da saúde, a política oficial era priorizar o funcionamento da economia e a quarentena obrigatória nunca foi decretada em nível federal.

Secretário-geral da ONU critica a inclusão de Cuba na lista dos patrocinadores do terrorismo .

#Minrex #Cuba #ONU #TerrorismoMadeInUSA #DonaldTrumpCulpable #CubaSalva #EEUUBloquea

Autor: Granma | internet@granma.cu

O secretário-geral da ONU, António Guterres, espera que o novo governo dos Estados Unidos considere rescindir a inclusão de Cuba na lista unilateral de Washington de países que promovem o terrorismo, informou o Cubaminrex.

RCA : le secrétaire général de l'ONU Antonio Guterres condamne ...

Segundo o porta-voz do chefe da ONU, Stéphane Dujarric, Guterres expressou ao representante permanente de Cuba perante a organização internacional, Pedro Luis Pedroso, seu desacordo com a inclusão da ilha nessa relação. No início desta semana, em 26 de janeiro, o Secretário-Geral e o Embaixador cubano tiveram uma reunião em que trataram do assunto.

O Representante Permanente de Cuba junto à ONU assinalou, em diversas ocasiões, que nossa nação rejeita as ações terroristas em qualquer de suas formas e manifestações, em particular o terrorismo de Estado, como um dos princípios de política externa consagrados na Constituição.

Cuba denuncia violações contínuas de Israel na Palestina na ONU.

Retirado de Prensa Latina.

Em meio às difíceis condições causadas pela pandemia de Covid-19, Israel persiste hoje com suas contínuas violações do direito internacional ao tentar anexar o território palestino, denunciou Cuba na ONU.

Em um discurso enviado ao Conselho de Segurança, a missão cubana às Nações Unidas rejeitou a ocupação de Israel do território palestino, sua política de anexação e o aumento de práticas e medidas ilegais e colonizadoras.

Tais são a construção e expansão de assentamentos no território palestino ocupado, demolições punitivas, apreensões de recursos, o deslocamento forçado de centenas de civis e o bloqueio da Faixa de Gaza, acrescentou o documento.

Isso também ocorre em meio à pandemia de Covid-19, que agrava a situação de emergência do sistema público de saúde e o cenário socioeconômico e humanitário deprimido da Palestina, particularmente em Jerusalém Oriental e na Faixa de Gaza, destaca.

No documento registrado no Conselho de Segurança, Cuba reafirmou a preocupação de que, no último período, não tenham sido tomadas medidas para acabar com a agressão e ocupação militar israelense no território palestino, em conformidade com a própria resolução 2334 do Conselho.

Enquanto Tel Aviv, com impunidade, consolida sua política de expansão em assentamentos ilegais em território ocupado e ameaça anexar os territórios palestinos do Vale do Jordão e outras partes da Cisjordânia e Jerusalém Oriental, o Conselho permanece silencioso, enfatizou Cuba.

O discurso refere-se às ações agressivas, unilaterais e injustificadas dos Estados Unidos no Oriente Médio, que violam severamente os interesses legítimos das nações árabes e islâmicas e levam a uma escalada perigosa na região.

Eles vão desde a retirada do apoio financeiro à Agência das Nações Unidas para os Refugiados da Palestina, até o chamado ‘Acordo do século’, elaborado por Washington, no qual a solução de dois estados é desconhecida, conforme detalhado pela missão cubana.

Esse plano, rejeitado pela comunidade internacional e pela ONU, inclui a ação unilateral dos Estados Unidos para reconhecer Jerusalém como a capital de Israel e estabelecer sua onurepresentação diplomática naquela cidade.

‘Cuba apoiou sem reservas uma solução abrangente, justa e duradoura para o conflito israelense-palestino, que permite ao povo palestino exercer o direito à autodeterminação e ter um Estado independente e soberano nas fronteiras anteriores a 1967, com Jerusalém Oriental como sua capital e que garante o direito de retorno dos refugiados ‘, afirmou a representação daquela ilha perante a ONU.

ONU suspende implantação e rotação de suas tropas de manutenção da paz em todo o mundo devido à pandemia de coronavírus .

Na terça-feira, as Nações Unidas suspenderam novos destacamentos de suas tropas de manutenção da paz em todo o mundo, no contexto da contínua pandemia de coronavírus.

La ONU suspende el despliegue y rotación de sus tropas de mantenimiento de la paz en todo el mundo debido a la pandemia de coronavirus

A rotação e o destacamento das forças de paz da ONU e da polícia internacional serão suspensos até 30 de junho, anunciou o porta-voz do secretário geral da ONU, Stephane Dujarric.

“Não há movimento de tropas entrando ou saindo”, disse Dujarric, mas acrescentou que “algumas exceções limitadas podem ser consideradas”.

Em suas palavras, as 13 missões de manutenção da paz da ONU “estão trabalhando em tempo integral para conter e mitigar a disseminação da covid-19” e para garantir que o pessoal uniformizado que chega não tenha a doença.

“Nossas prioridades são garantir que o pessoal uniformizado que está entrando não tenha um covid-19 e mitigar o risco de que as forças de manutenção da paz da ONU possam ser um vetor de contágio, mantendo nossas capacidades operacionais”, disse Dujarric.

ONU pede para quebrar círculos viciosos de guerras, clima e pobreza

O Secretário Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, sublinhou nesta terça-feira a urgência de romper os “círculos viciosos que fazem as guerras perpetuarem, permitindo que as mudanças climáticas continuem avançando e não deixando de lado o pobreza para milhões de pessoas ”.

Durante uma conferência de imprensa, ele reiterou que essas são as prioridades da ONU para este 2020, quando a organização celebra seu 75º aniversário, e relatou os planos da organização internacional para este ano.

Guterres acredita que esses círculos viciosos são problemas que definem o mundo hoje e falou da necessidade de os líderes ouvirem os cidadãos e oferecerem respostas efetivas.

Respecto a los conflictos bélicos, dijo que las tensiones eran altas a finales de 2019, pero “estábamos avanzando en la dirección adecuada en un número de crisis. (…) Todo eso ha cambiado”.

En el caso de Siria, insistió en la necesidad de cesar las hostilidades en la provincia de Idlib, actual objetivo de una ofensiva del Gobierno sirio contra el terrorismo.

Además, se refirió a la decepción que le produce la evolución del tema Libia desde la conferencia internacional celebrada en Berlín (Alemania) el pasado 12 de enero, ya que la tregua pactada allí duró apenas unos pocos días, y señaló que parece que “todos los compromisos que se hicieron fueron sin intención de respetarlos”.

Asimismo, habló de la crisis climática que vive el mundo en estos momentos, destacando que el calentamiento de los océanos, la desaparición de capas de hielo, el aumento del nivel del mar, las precipitaciones extremas o los incendios forestales; por lo que instó a mantener la presión “para romper el círculo vicioso que está llevando tanto a la humanidad como a la naturaleza a un punto de no retorno”.

Sobre la desigualdad y la pobreza, precisó que es el otro gran pilar en el que trabajará la ONU, en pos de impulsar una “globalización justa que no deje a nadie atrás”.