Cuba, fake news

Cuba denuncia o uso do Clubhouse para organizar a contra-revolução.

Categories: #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, fake news, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulacion, Manipulacion Politica, MINREX, Redes sociais | Deixe um comentário

Cuba continua a desmascarar #FakeNews .

Categories: # Cuba, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contrarevolucion, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, fake news, Declaração do governo revolucionário, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Fake news, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, Redes sociais | Deixe um comentário

O governo cubano denunciou novas sanções coercivas dos EUA.

Categories: #Estados Unidos, #solidaridadvs bloqueo, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, fake news, bloqueio econômico, BLOQUEIO VS CUBA, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, Cuba, fake news, joe biden, Redes sociais, SANCIONES, solidariedade | Deixe um comentário

Face às interferências, pelo fim do #Bloqueio e pelo respeito da soberania de #Cuba.

A Comissão de Relações Internacionais da Assembleia Nacional do Poder Popular emitiu no sábado uma declaração na qual denuncia a interferência nos assuntos internos de Cuba e os apelos permanentes à subversão dos EUA, bem como o bloqueio que o povo cubano tem sofrido durante quase 60 anos por parte das sucessivas administrações da Casa Branca.

Abaixo está o texto completo do texto.

Dirigimo-nos aos Parlamentos, Grupos Parlamentares de Amizade e legisladores, para divulgar a nossa verdade face à imensa e brutal operação político-midiática contra Cuba, orientada e financiada pelos Estados Unidos, implantada através de redes sociais, com padrões automatizados com centenas de milhares de tweets e um número semelhante de seguidores, com o uso intensivo de robôs, algoritmos e contas recentemente criadas para a ocasião; tudo isto com o apoio dos meios de comunicação social internacionais e de empresas de informação transnacionais.

Banderas de Cuba

Incitaram a violência, o crime, a desordem e a indisciplina social, ao mesmo tempo que distorceram total e escandalosamente a nossa realidade para o mundo como parte da Guerra Não Convencional orientada e financiada pelos Estados Unidos contra o nosso país, para alcançar uma mudança no sistema livre e soberanamente escolhido pelo nosso povo, tal como aprovado pela Constituição aprovada a 10 de Abril de 2019 por 86,85% dos que votaram, numa eleição democrática com ampla participação popular.

Com absoluta descaramento, espalharam por todo o mundo imagens manipuladas de acontecimentos que ocorreram noutros países para reforçar, como os seus manuais exigem, que não existe governabilidade em Cuba, que existe caos nacional, ao mesmo tempo que espalham uma repressão interna que não existe.

No meio de uma pandemia que afecta tanto a humanidade e que em Cuba, como mostram as estatísticas, recebe a atenção permanente e devida; não contente por ter endurecido o bloqueio criminoso e genocida e a perseguição financeira até limites perversos e aplicado 243 medidas desumanas nos últimos quatro anos para tentar sufocar o nosso povo, o governo dos EUA está agora a tentar preparar o terreno para uma agressão militar, sob o pretexto da conhecida “intervenção humanitária”, que constitui uma violação das nossas leis, do Direito Internacional e da Carta das Nações Unidas.

Como se viu nas imagens transmitidas, ocorreram distúrbios, e vários grupos em algumas localidades cometeram actos de vandalismo, causaram danos materiais, fizeram ameaças de morte, e levaram a cabo graves agressões, alterando, com acções que constituem crimes flagrantes, a tranquilidade cívica que caracteriza o nosso país.

Em Cuba não tem havido a convulsão social que o governo dos EUA tem promovido e anseia.
Como resultado de mais de seis décadas de bloqueio, acumulámos problemas, agravados pela pandemia e pelas enormes despesas que ela implica, bem como pela crise económica que gera.

Cabe ao povo cubano, unido, resoluto e empreendedor, procurar soluções e, como sempre fizeram, enriquecer e cumprir as estratégias económicas e sociais, avançar com criatividade e rectificar o necessário, ao mesmo tempo que enfrenta com inteligência e audácia a guerra económica que lhe é imposta e que constitui o principal obstáculo ao desenvolvimento e ao pleno exercício dos direitos humanos.

Não se deixem enganar, o povo de Cuba avançará com o seu Partido e Governo liderado pelo Presidente Miguel Díaz-Canel Bermúdez, com a Assembleia Nacional do Poder Popular e o seu Conselho de Estado que o representam, e com as suas instituições e organizações da sociedade civil.
O nosso povo tem valores profundamente enraizados de unidade, paz, harmonia, respeito, solidariedade, amor e patriotismo para defender a sua independência e soberania com coragem e bravura, a qualquer custo que seja necessário.

Apelamos aos legisladores de todo o mundo para que levantem a sua voz para exigir o fim do bloqueio genocida e a aplicação do Título III da Lei Helms-Burton; para retirar Cuba da espúria e ilegal lista de países que patrocinam o terrorismo; para pôr fim à interferência, às tentativas de um golpe suave, a esta enorme campanha de mentiras para justificar os seus crimes, que neste caso contribuem para a proliferação da epidemia; para o respeito pela autodeterminação de Cuba, para o respeito pelo direito à autodeterminação, para o respeito pelo direito à autodeterminação, para o respeito pelo direito à autodeterminação, para o respeito pelo direito à autodeterminação, para o respeito pelo direito à autodeterminação, para o respeito pelo direito à autodeterminação, para o respeito pelo direito à autodeterminação, para o respeito pelo direito à autodeterminação, para o respeito pelo direito à autodeterminação; que a autodeterminação e a soberania do povo cubano sejam respeitadas; que os Estados Unidos ouçam a comunidade internacional que se expressou repetidamente nas Nações Unidas, os milhões de pessoas no mundo e o povo de Cuba, que exigem o levantamento do bloqueio económico, comercial e financeiro contra o nosso país.

“Ano 63 da Revolução”.

Comissão de Relações Internacionais
Assembleia Nacional do Poder Popular.

Categories: # Cuba, # OEA, #ONU, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, fake news, Fake news, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, Redes sociais | Deixe um comentário

A vacina cubana contra o coronavírus… é chinesa?

Categories: # Cuba, # yo voto vs bloqueo, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #salud, #Salud en Cuba, #solidaridadvs bloqueo, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, China, CIENCIA, Cientistas, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, Cuba, fake news, CubavsBloqueo, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulacion, Manipulacion Politica, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Profesionales e la Salud, Redes sociais, Vacinação | Deixe um comentário

SCANNER: Os caminhos do dinheiro para a #Subversão em #Cuba .

Por Redacción Razones de Cuba

Por Orlando Oramas León

A rota do dinheiro para a subversão em Cuba leva à Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) e a outras instituições e organizações que estão abrigadas sob o guarda-chuva da CIA.
A Agência Central de Inteligência dos EUA é considerada como responsável pelos esforços de desestabilização contra a pequena nação vizinha das Caraíbas.

Esta é a opinião do Dr. Manuel Hevia, director do Centro de Investigação Histórica sobre Segurança do Estado do Ministério do Interior cubano.

Hevia partilhou com Prensa Latina informações sobre os numerosos programas implementados a partir de Washington contra Havana, com a participação do que ele chama a “máfia terrorista de Miami”.

Ele reconhece que a história é muito longa e faz parte da política agressiva que a Revolução Cubana tem vindo a enfrentar há mais de seis décadas, que inclui, entre outras modalidades, acções terroristas, ataques armados e biológicos, cerco económico e programas dirigidos directamente à chamada sociedade civil.

USAID, PRINCIPAL FINANCIADOR DA CONTRA-REVOLUÇÃO

“A USAID é um dos pilares da subversão anti-cubana e principal financiador da contra-revolução”, diz, e recorda a implementação do Programa Cuba, que nasceu nos dias mais difíceis do que foi conhecido na ilha como o Período Especial após a queda do campo socialista e a desintegração da União Soviética.

Estávamos nos anos 90. As autoridades cubanas estavam a frustrar os planos de tentativa de vida de Fidel Castro, e em 1996 o Presidente William Clinton assinou a Lei Helms-Burton, o que reforçou o bloqueio económico, financeiro e comercial.

No ano seguinte explodiram bombas em hotéis de Havana, recorda o co-autor do livro The Hidden Face of the CIA.

Surgiu o Programa Cuba da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), que só entre 1998 e 1999 utilizou mais de seis milhões de dólares para realizar centenas de operações ilegais para financiar grupos mercenários.

Para este fim, foram introduzidos em território cubano uma variedade de recursos técnicos sob a forma de computadores, impressão digital, telecomunicações, equipamento de fax, vídeos, assim como literatura contra-revolucionária.

A história da sedição não acaba aí, nem os fundos que excedem os 300 milhões de dólares nas mais de duas décadas que passaram.

Segundo o investigador, entre os anos fiscais de 2001 e 2006, a USAID atribuiu contra Cuba 61 milhões de dólares para cerca de 142 projectos e actividades.

VÁRIAS ESTRATÉGIAS

Só em 2005, a U.S. Interests Section in Havana (USINT) divulgou a distribuição de 4.900 receptores de rádio para encorajar a audiência da chamada Radio Martí, outra estação de rádio norte-americana para subversão.

Além disso, dezenas de equipamentos de vídeo, suportes informáticos, milhares de discos compactos, mais de 100.000 livros e um milhão de panfletos e literatura de natureza contra-revolucionária, recebidos na sua mala diplomática.

Um relatório oficial reconheceu que o volume de importações do SINA entre 2000 e 2005 aumentou 200 por cento com um volume de 70,5 toneladas de carga. Entretanto, emissários de ONG e organizações anti-cubanas chegaram de Miami e fizeram grandes entregas pessoais de dinheiro.

O modus operandi, diz Hevia, tem sido semelhante até hoje, sob a estratégia do que chamam “luta não violenta”, ler golpes suaves, revoluções de cor ou ao estilo da chamada “Primavera Árabe” com a qual os Estados Unidos consolidaram o seu poder em vários países de África e do Médio Oriente.

OPERAÇÕES MILIONÁRIAS

Manuel Hevia insiste em não esquecer os canais de dinheiro. Afirma que entre 2007 e 2013 o Programa Cuba utilizou mais de 120 milhões de dólares para 315 projectos e falou da promoção de uma “Primavera Cubana”.

Com tais propósitos, o projecto ZunZuneo, subsidiado pela Usaid com o envolvimento de ONG, foi criado especialmente para Cuba com o objectivo de estabelecer, sem ser detectado, aquilo a que chamaram uma “plataforma de comunicação horizontal” entre grupos de utilizadores de telemóveis, capaz de os mobilizar num momento apropriado.

Após ter sido abortada, a Rádio e Televisão Martí, que transmitia programação para Cuba, anunciou em 2013 a operação Piramideo, destinada a criar um canal de comunicação entre grupos subversivos.

Seguiu-se a tentativa, também paga por Washington, de estabelecer ilegalmente uma extensa ligação sem fios WIFI dentro do território cubano para os mesmos fins.

O co-autor do livro Los intentos de desmontaje del socialismo en Cuba (Tentativas de desmantelar o socialismo em Cuba) disse que se tratava de operações de milhões de dólares com uma poderosa base tecnológica e um enfoque nos jovens. Uma Análise Crítica .

MÉDICOS CUBANOS NO COLIMADOR

Os Estados Unidos atribuem milhões de dólares num programa destinado a denegrir o trabalho dos cooperantes cubanos internacionais, em particular as brigadas médicas que combatem o Covid-19 no mundo.

Os pretextos, segundo Manuel Hevia, são grosseiros, entre eles colocando Cuba no nível três do tráfico de pessoas sob a alegação de trabalhos forçados de especialistas cubanos em saúde, para quem milhares em diferentes latitudes estão a solicitar o Prémio Nobel da Paz.

Trata-se de uma perseguição nos países que beneficiam da cooperação de Cuba, sob o controlo directo dos escritórios da USAID e das embaixadas dos EUA, em estreita ligação com a CIA e outros serviços especiais.

Inclui monitorização, provocações, incitações à deserção e mesmo ameaças e represálias como as sofridas pelo pessoal médico na Bolívia durante o golpe de estado contra o Presidente Evo Morales em Novembro de 2019.

Tal manobra intervencionista visa prejudicar acordos de cooperação internacional, como no Brasil, Equador e a própria Bolívia, para pressionar a partida de trabalhadores humanitários das Caraíbas, e prejudicar a imagem e prestígio de Cuba como exemplo de solidariedade e altruísmo, disse Hevia.

PODCAST

DESOBEDIÊNCIA CIVIL

Sob a supervisão e financiamento do USINT e mais tarde da Embaixada dos EUA, foram realizados “actos de conteúdo simbólico”, incluindo vigílias, marchas, planos de jejum e outros actos de desobediência civil.

“Muitas destas provocações, inclusive contra as forças da lei e da ordem, são planeadas em casas particulares de membros do grupo ou aproveitando actividades de rua e culturais, entre outras modalidades.

“Sempre com o acompanhamento dos chamados meios de comunicação social independentes, também promovidos e pagos a partir do estrangeiro”.

O director do Centro de Investigação Histórica da Segurança do Estado salienta que tais acções são amplificadas a partir dos Estados Unidos em redes sociais, hoje um dos principais cenários da guerra de ideias e da subversão contra o país das Caraíbas e cujos executores são receptores de fundos para tais fins.

Entre 1997 e 2018, o Programa Cuba da Usaid aprovou cerca de 900 projectos e actividades de amplo carácter contra-revolucionário, fundamentalmente destinados a subverter ideias, valores, símbolos e a instigar a actividade contra-revolucionária interna na juventude e na sua comunidade.

Para apoiar as reivindicações do investigador cubano, o website Cuba Money Project, da jornalista norte-americana Tracey Eaton, afirma que durante a administração do Presidente Donald Trump pelo menos 54 grupos operaram programas com dinheiro da USAID ou do National Endowment for Democracy (NED).

OS PAGAMENTOS NED

Um relatório recente publicado pela NED revela os elevados montantes que atribui a instituições e ONGs para subverter o sistema socialista cubano.

O relatório, publicado no seu website (https://www.ned.org/region/latin-america-and-caribbean/cuba-2020/), inclui instituições latino-americanas e americanas ligadas a elementos que promovem o terrorismo e várias acções para alcançar a mudança de regime.

Por exemplo, o Centro Latino-americano para a Não-Violência, sediado nos Estados Unidos, recebeu em 2020 um total de 48.597 dólares para divulgar as acções de uma organização chamada Coalizão de Trabalhadores Autónomos de Cuba.

É dirigido por Omar López Montenegro, um dos directores da Fundação Nacional Cubana Americana, financiador de actos terroristas e protector de Luis Posada Carriles e Orlando Bosch, responsável pela explosão de um avião cubano com 73 pessoas a bordo em pleno voo, em Outubro de 1976.

Também entre as entidades que recebem dinheiro da NED está Investigación e Innovación Factual A.C., com sede no México e beneficiária de 74.000 dólares em 2020, com o objectivo de seleccionar, formar, aconselhar e formar “jornalistas cubanos independentes”.

SUBVERSÃO por Isaura Diez

O NED é apontado como uma das frentes da CIA, canalizando fundos para grupos que se opõem ao governo em Havana. Para o efeito, distribuiu mais de cinco milhões de dólares em 2020, durante o mandato do Presidente Donald Trump (2017-Janeiro 20, 2021).

A combinação destes financiamentos e acções com as pressões económicas para o aperto do bloqueio, e outras medidas coercivas unilaterais contra Cuba, foram a aposta dessa administração para destruir o sistema social do país das Caraíbas. Todas elas são, e não as únicas formas de subversão.

arb/ lã

(*) Chefe de redacção da redacção nacional da Prensa Latina

Este artigo foi escrito em colaboração com Amelia Roque, editora; Isaura Diez, jornalista da National Newsroom; e o editor da Web Rey Dani Hernández Marreros.

Extraído de Prensa Latina

Categories: # yo voto vs bloqueo, #Daniel Ortega Saavedra, #Nicaragua, #USAID, #Donald Trump, #Estados Unidos, #EEUU#PNRAgencia Central de Inteligencia (CIA)National Endowment for Democracy (NED)The New York Times, #Estados Unidos, #solidaridadvs bloqueo, #USAID Dexis Consulting Group and ChemonicsFrente Sandinista de Liberación Nacional (FSLN)Fu, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, fake news, CubavsBloqueo, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, MIAMI, NED, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión, usaid | Deixe um comentário

A velha história da #FakeNews contra #Cuba.

Por Arthur González

As Falsas Notícias contra Cuba não começaram com a era da Internet, estão activas há 62 anos.

Em 1959, quando a Revolução Cubana liderada por Fidel Castro triunfou, o governo dos EUA iniciou a sua guerra mediática, com o objectivo de desinformar a opinião pública sobre o que estava a acontecer na ilha e demonizar aqueles que tinham derrubado o ditador Fulgencio Batista, apoiado política e militarmente por Washington.

Confrontado com a avalanche de mentiras, o próprio Castro convocou a imprensa nacional e estrangeira acreditada para desmascarar aqueles que tentaram acusar a Revolução, interessados em criar uma imagem distorcida e semear a rejeição da mesma, especialmente na América Latina.

O primeiro Programa de Acção de Cobertura da CIA, aprovado a 17 de Março de 1960 pelo Presidente Dwight Eisenhower, declara:

“Para que a oposição possa ser ouvida e a base de apoio popular a Castro enfraquecida, é necessário desenvolver os meios de informação ao povo cubano, a fim de iniciar uma poderosa ofensiva de propaganda em nome da oposição declarada”.

“Como principal voz da oposição, propõe-se a criação de uma estação de rádio “cinzenta”, controlada pelos Estados Unidos. Estaria provavelmente localizado na Ilha do Cisne e empregaria equipamento de potência substancial, tanto de banda de alta frequência como de rádio de radiodifusão. A preparação dos guiões (librettos) será feita nos Estados Unidos e transmitida electronicamente para o site da emissão”.

O orçamento aprovado para esta propaganda anti-cubana foi de 700.000 usd para operações e programação de rádio, e 500.000 usd para pagar os artigos na imprensa e outras publicações.

A CIA designou os oficiais David Alteé Phillips, como chefe de propaganda, pela sua experiência no golpe de Estado na Guatemala e Howard Hunt, para dirigir as acções políticas, o seu parceiro nesse evento, que viajou para Havana em Maio de 1960 para avaliar a atitude dos cubanos em relação à Revolução e observar os arredores das estações de rádio e televisão, propondo a sua destruição aquando do seu regresso.

A 17 de Maio desse ano, a Rádio Swan, localizada na ilha das Honduras, foi para o ar e, a 24 de Maio, o Director da CIA Allen Dulles informou o Conselho Nacional de Segurança das acções planeadas, incluindo a abertura de várias estações de rádio no Sul da Florida, que também transmitiriam notícias para Cuba, e a subvenção de jornais cubanos no exílio, que seriam vendidos na América Latina com informações anti-Castro.

A Rádio Cuba Independiente, La voz de Cuba libre e Massachusetts-Base Wrul, começaram as transmissões com mensagens contra-revolucionárias, carregadas de mentiras e deturpações, incluindo as que desencadearam, a 26 de Outubro de 1960, a infame Operação Peter Pan, através da Rádio Swan, que dizia:

“Mãe cubana, a próxima lei governamental será tirar-vos os vossos filhos a partir dos 5 anos de idade e devolvê-los aos 18, transformados em monstros do materialismo. Vá à igreja e siga as directrizes do clero”.

Em 28 de Janeiro de 1961, o Presidente John F. Kennedy autorizou a CIA a continuar as suas acções terroristas contra Cuba e a aumentar a propaganda, segundo um relatório do assistente especial McGeorge Bundy.

Nesse sentido, em 12 de Fevereiro, a chamada Voz da América anunciou uma série de programas contra a Revolução Cubana e o primeiro chamava-se A Anatomia de uma Promessa Quebrada, cujo objectivo era fazer os cubanos acreditar que Fidel Castro não estava a cumprir as suas promessas e estava a enganar o povo, desencadeando uma série de falsas notícias.

No mês seguinte, David Alteé Phillips apresentou um novo plano de propaganda para apoiar a invasão militar em preparação contra Cuba, com a ajuda de Howard Hunt, transferido de Miami para Washington. Entre as medidas levadas a cabo, contam-se: Divulgação da formação do Conselho Revolucionário Cubano, responsável por governar uma Cuba livre sem Castro.

As notícias falsas e distorcidas aumentaram no início de Abril, como prelúdio da invasão. A mais notável foi a expressa por Adlai Stevenson, embaixador dos EUA na ONU, sobre o bombardeamento dos aeroportos cubanos no dia 15 desse mês, assegurando que o evento foi levado a cabo por pilotos desertores cubanos da Força Aérea Revolucionária.

A mentira foi desmascarada pelo embaixador cubano Raul Roa, e Stevenson foi desacreditado perante a Assembleia Geral da ONU, uma vez que a CIA não o alertou para a operação.

A Fake News aumentou de tom antes e durante a invasão da Baía dos Porcos, preparada antecipadamente pela CIA para desinformar o povo cubano, incitar à rebelião em apoio aos mercenários e criar confusão entre os cidadãos.

Entre as mensagens falsas transmitidas pela Rádio Swan estavam:

“Alerta, alerta, vigia atentamente o arco-íris. O peixe vai levantar-se muito em breve, o rapaz está em casa. O peixe está vermelho e não vai demorar muito tempo a levantar-se”.

A 17 de Abril, começou o desembarque mercenário em Playa Giron e Playa Larga. Em nome do suposto Conselho Revolucionário, são transmitidas informações falsas, tais como estas:

“Antes do amanhecer, os patriotas cubanos nas cidades e nas montanhas, começaram a luta para libertar a nossa pátria do governo despótico de Fidel Castro e a libertação da opressão cruel do comunismo internacional”.

“A luta é inspirada pela gloriosa tradição de José Martí. O povo cubano levanta-se contra o tirano opressivo”.

“Os patriotas lutam para completar a tarefa de resgatar a Revolução, cinicamente traídos”.

“Os invasores fazem avanços constantes em todas as frentes em toda a Cuba. “O povo une as forças que lutam contra Fidel Castro”. “Raúl Castro é reportado como tendo cometido suicídio”.

“O tremendo exército de soldados patrióticos aguarda agora para dar o golpe vital para a liberdade da amada pátria”.

“A informação recebida indica que muitos milicianos abandonaram o exército de Castro”.

“Povo de Havana, ajuda os corajosos soldados do exército de libertação e realiza sabotagem contra as centrais eléctricas, acende todas as luzes da tua casa e o equipamento eléctrico, para que a procura cresça e as plantas deixem de poder gerar mais”.

Perante a derrota em apenas 62 horas, a rádio Swan transmite:

“Lamentamos ter de admitir perdas trágicas no stock. A maioria do nosso grupo chegará às Montanhas Escambray para continuar a luta”.

O mundo verificou a mentira ianque e o slogan “Pátria ou Morte” ressoou como um símbolo da soberania dos cubanos.

Nada mudou, eles não aprendem com os seus fracassos e continuam com as suas Falsas Notícias.

Foi por isso que José Martí disse:

“As trincheiras de ideias valem mais do que as trincheiras de pedras”.

Traduzido com a versão gratuita do tradutor – http://www.DeepL.com/Translator

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Estados Unidos, #Fidel, #YoSoyFidel, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, fake news, Cuba, fidel castro, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, Manipulacion, Manipulacion Politica, mentiras construídas em Washington contra Cuba, MIAMI, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Redes sociais, Relações Estados Unidos Cuba, sonhos de Fidel, Subversão contra Cuba, Subversión, Washington | Deixe um comentário

Osorbo reconhece que é atendido pela Segurança do Estado. El Gato de Cuba e os seus crimes. #GuerreroCubano

Categories: #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, ações subversivas, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, fake news, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Uma análise desde a Linguística até à #SubversãoPolítica ideológica em #Cuba .

Por Francisco Grass

O linguista Noam Chomsky, EUA, 1928, é considerado um dos pensadores mais renomados da actualidade. O seu trabalho abrangente mergulha-nos numa grande variedade de teorias, estudos e conhecimentos relacionados com a linguística, psicologia do desenvolvimento, filosofia e análise política.

Tendo em conta os estudos de Chomsky, e as suas 10 estratégias de manipulação dos media, este artigo enfatiza o caso de Cuba, uma ilha bloqueada e sujeita dos meios de comunicação social a uma agressão constante e a uma guerra mediática que se constrói a partir do conhecimento da linguística e da psicologia para influenciar os pensamentos dos seus habitantes e as suas acções.

Cuba tem estado permanentemente sujeita às acções subversivas dos serviços especiais americanos e dos seus aliados, que há mais de 60 anos têm planeado, promovido, financiado e dirigido actividades deste tipo com objectivos desestabilizadores contra a ilha, utilizando mercenários e pessoas que coincidem com os seus interesses na cena doméstica, que têm levado a cabo acções destinadas a obstruir o desenvolvimento e a boa governação, ao mesmo tempo que tentam manipular sectores vulneráveis da sociedade para confrontar o Estado e as suas instituições.

Estas actividades são reflectidas e amplificadas pelos meios de comunicação social, “santificadas” por instituições internacionais, “ONG”, fundações e outras organizações sob o seu controlo, e difundidas em redes sociais através de campanhas mediáticas de apoio às mesmas. Desta forma, influenciam a opinião pública internacional a procurar o consentimento que legitima as suas actividades contra Cuba, enquanto bombardeiam o povo cubano com campanhas de guerra psicológica e de desinformação. Desta forma, distorcem as realidades, cavalgam sobre problemas existentes para fomentar o ódio, o desespero, a desconfiança, o anarquismo, e para provocar uma explosão social que levará ao colapso da Revolução e porá um fim ao socialismo na nossa nação.

Com base no acima exposto, tomamos como elemento de análise a campanha subversiva desencadeada pelo grupo de falsários de San Isidro e os de 27-N, bem como o movimento anti-cultura que é promovido a partir dos círculos de poder em Washington e da extrema-direita cubano-americana, visando quebrar o moral e a dignidade dos artistas, escritores e jornalistas cubanos, visando quebrar o moral e a dignidade dos artistas, escritores e jornalistas cubanos, Escritores e jornalistas cubanos, a fim de os utilizar como instrumentos da sua guerra suja contra a nação antilhana, ao mesmo tempo que dificultam contratos, negam vistos e transformam-se em objectos de perseguição e linchamento dos meios de comunicação que não cedem às suas pressões, nem se deixam comprar.

A estratégia parece ser parcialmente eficaz, uma vez que não é segredo que vários artistas de música popular como Alexander e Randy Malcom, membros da dupla “Gente de Zona”, Yotuel do “Orishas”, e o rapper urbano “El Micha” cederam às pressões e ao capital.

Estes artistas foram transformados em fiéis vassalos, que por uma ninharia e para preservar o seu status quo, acesso à nação americana e à indústria musical de Miami, concordaram em tornar-se geradores de conteúdo subversivo contra o governo estabelecido em Cuba, a institucionalidade, a Constituição e o socialismo, inserindo nas suas canções conteúdos destinados a provocar mudanças no pensamento e comportamento do povo.

É claro que estes artistas só estão interessados em dinheiro e não em perder os seus vistos, todos os bons cubanos sabem disso. É a mesma agenda, que, a partir de outro contexto, e por outros meios, mas essencialmente, é aproveitar os problemas reais sofridos pelos cubanos comuns, para gerar confusão a partir do afectivo, obviando às verdadeiras causas do mesmo, e incitando ao caos e ao anarquismo, desunião e ódio entre os compatriotas.

Surpreenda-se ao saber que não propõem nada de específico, apenas falam de mudança, claro que uma mudança seria bem-vinda, uma mudança de política hegemónica, interferência, bloqueio, colonização cultural por parte do governo dos Estados Unidos. É por isso que desejamos, um diálogo respeitável, entre iguais, e num clima de respeito mútuo.

Por outro lado, nem sequer ouçam o que estes chamados artistas dizem, porque são instrumentos utilizados pelo império para manipular a população e subverter a ordem em Cuba, tal como fizeram na URSS.

Neste momento, é apropriado recordar o que Allen Dulles, Director-CIA (1953-1961) disse sobre a estratégia subversiva e manipuladora levada a cabo contra a URSS:

“Semeando o caos na URSS, vamos substituir os seus valores, despercebidos, por valores falsos e forçá-los a acreditar neles. Da literatura e da arte faremos desaparecer a sua carga social; a literatura, o cinema, o teatro reflectirão e exaltarão os sentimentos humanos mais básicos; apoiaremos os artistas que começam a semear e inculcar na consciência humana o culto do sexo, da violência, da traição. Na liderança do Estado vamos criar caos e confusão, vamos encorajar o despotismo dos funcionários, suborno, corrupção, falta de princípios. Honestidade e honestidade serão ridicularizadas. Faremos com que as fundações da moralidade pareçam ter um aspecto de desonestidade, destruindo-as.

Esta estratégia, com nuances que a adaptam aos tempos actuais, é semelhante em muitos aspectos à que estão a aplicar hoje contra Cuba, que é apresentada a partir de um contexto linguístico e psicológico. É a especialidade do inimigo, entrar na psique do povo, de um povo específico, estudar em profundidade as suas aspirações e sofrimentos, a sua cultura, a fim de semear a partir daquilo a que chamam “fissuras” as sementes do neoliberalismo, da privatização, da prostituição, da droga, da guerra, da pobreza, da incultura, da eterna mediocridade, do vazio, da sociedade do consumo excessivo, em busca de criar as condições que permitam o domínio dos países que lhes interessam.

Para compreender o processo de manipulação a partir dos conhecimentos linguísticos e psicológicos, tomemos como exemplo a nova canção subversiva “Un Sueño” (Cuba Grita Libertad) do rapper El Micha, que do seu título já denota manipulação, porque Cuba é um país livre e soberano.

A estratégia de distracção escondida na canção.

Evidentemente, esta canção desvia a atenção do público para a suposta responsabilidade do governo cubano pela situação actual na ilha, sem ter em conta que os problemas de Cuba são o produto de um bloqueio de ferro estabelecido e consolidado há mais de meio século, nem menciona a intensificação do bloqueio no meio do Covid-19, nem a crise económica global que este provocou.

Ele canta do próprio país que está a bloquear o seu povo, aquele que ele ama e defende tanto, algo que não faz sentido. Se ele está tão preocupado com o povo, porque não canta de Cuba contra o governo dos Estados Unidos e o bloqueio desumano que nos impõe, que não faz qualquer menção na sua canção subversiva. Mas é verdade que existe um povo, que resistiu, resiste, e não vende a sua liberdade. Evidentemente, este cavalheiro só está interessado no dinheiro que as elites políticas e económicas do vizinho do Norte lhe vão pagar; ele é, sem dúvida, um manipulador que se junta àqueles que vivem à custa do sofrimento do seu próprio povo.

*Manter o público ocupado, ocupado, ocupado, sem tempo para pensar; de volta à quinta como os outros animais (citação do texto “Silent Weapons for Quiet Wars”)”.

Resolução de problemas-reacções.

Aqui é evidente como é feita uma tentativa de criar uma situação fictícia ou imprecisa destinada a provocar uma certa reacção na audiência, e a audiência enquanto tal assume um papel determinante no problema e na sua solução. A canção incita a uma rápida mudança de regime, o que implica deixar que a violência urbana se desenvolva ou intensifique, ou que ocorra derramamento de sangue, para que o público seja aquele que exige leis e políticas de segurança em detrimento da liberdade.

Subsequentemente, sob certo gradualismo, o pretexto de uma economia subdesenvolvida (produto do bloqueio e das sanções económicas) ou de uma crise económica seria utilizado para fazer o público aceitar como um mal necessário a regressão dos direitos sociais e o desmantelamento dos serviços públicos. Naturalmente, isto é omitido por razões óbvias.

A estratégia do gradualismo.

Como mencionei anteriormente, o gradualismo é a chave do sucesso, para que condições sócio-económicas radicalmente novas (neoliberalismo) possam ser impostas a partir de uma mudança de regime.

  1. a estratégia de adiamento.

De um contexto social cheio de nuances, reflectem apenas o que entendem ser negativo ou problemático. Eles sabem que a maioria apoia o governo e o sistema social existente, e por isso aludem à necessidade de uma mudança de regime como algo doloroso e necessário. Para dar credibilidade ao mensageiro, vestem-no como um cubano do povo que ele não tem, e embora ele peça uma mudança rápida, e assegure que Cuba está pronta para uma “mudança”, estas estratégias visam ganhar tempo para que o público se habitue à ideia de mudança e a aceite com resignação se a altura chegar.

  1. dirigir-se ao público como criaturas de pouca idade.

No texto da canção, tentando manipular os sentimentos do público cubano, cometem o erro de a abordar como alguém com falta de conhecimento, cultura, capacidade analítica e pensamento crítico. É a aplicação mecânica de métodos de influência psicológica sem considerar as características do sujeito sobre o qual actuam ou a ignorância que os leva a confundir os desejos com as realidades.

  1. usar o aspecto emocional muito mais do que a reflexão.

O uso do emocional é uma técnica mais do que eficaz para suprimir a análise racional e, finalmente, para o sentido crítico do povo. Além disso, a utilização do registo emocional permite abrir a porta de acesso ao inconsciente a fim de implantar ideias, desejos, medos, e induzir comportamentos.

Segundo o texto da canção colocada na boca do agora mensageiro do império, ele canta por 11 milhões, algo que é mentira, ele canta em nome da capital do império, o que garante o seu pagamento, e o seu visto. Do mesmo modo, fala das necessidades que as pessoas sofrem, para o que utiliza na sua fala questões sensíveis como a falta de medicamentos, alimentos, recursos, e a situação que tem sido gerada pelo Covid-19.

Não menciona os cinco candidatos cubanos à vacina que em breve estarão disponíveis para o povo, não fala da estratégia eficaz de Cuba na luta contra a pandemia, não fala do esforço que o governo está a fazer para garantir o essencial ao povo no meio do aperto do bloqueio, não fala do esforço que os professores cubanos estão a fazer para garantir a educação de milhões de estudantes.

Os problemas são abandonados, e de uma forma subtil estão ligados a uma suposta falta de vontade do Estado para com o seu povo, e omitem as causas reais dos problemas, o que indica que o seu discurso visa a manipulação, desinformação, e subversão. É a manipulação da realidade em busca de interesses espúrios.

7.manter o público na ignorância e na mediocridade.

Promover este pensamento medíocre, a análise plana dos problemas que afectam a nossa sociedade, promover a anti-cultura, o banal, o consumismo e o conteúdo vazio, é encorajar a ignorância e a mediocridade.

O rapper vende pátrias, não estimula o público a questionar-se sobre as questões que menciona, não lhe convém. É evidente a intenção manipuladora da sua “canção” que depende da ignorância ou contra-revolução para propagar o seu conteúdo incoerente e manipulado.

Estimular o público a ser complacente com a mediocridade.

Semear na juventude a ideia de se opor ao governo como uma moda, aproveitando a sua rebeldia, é estimulá-los a serem complacentes com qualquer conteúdo incoerente desta natureza. Promover esse sentimento, de não querer pensar, ou analisar as verdadeiras causas dos problemas, é promover a mediocridade.

O Reggaeton, considerado por muitos como um género musical banal e medíocre devido à pobreza do seu conteúdo, é utilizado nesta ocasião, aproveitando a sua aceitação pelos mais jovens, como um meio de inserir conteúdos intencionais, adaptados, modificados e dirigidos a este sector da população, que consideram ter sido doutrinado para agir sem pensar, uma espécie de autómato cujo comportamento responde a estímulos ou motivos intencionais inseridos na sua psique por outros.

9- Reforçar a auto-criminação.

Evidentemente, eles tentam fazer-nos acreditar que nós cubanos somos responsáveis pela nossa própria desgraça, uma vez que decidimos seguir o caminho do socialismo, sob a orientação de Fidel. A Revolução é culpada por todos os males sofridos pelo povo. Sem dúvida, o Judas Iscariotes, um mero fantoche sem intelecto, vende a sua dignidade e ataca a sua pátria pelos presentes que lhe são oferecidos por aqueles que ele adoptou como patronos.

Não importa se ele age por ignorância ou imoralidade, na minha opinião, o que é verdadeiramente importante são as intenções das mensagens que ele transmite, que na essência distorcem a realidade para criar uma desconexão com ela, e uma nova ligação com o criado para manipular. Os propósitos políticos, a influência para: fomentar a rejeição do governo, incitar à violência e criar estados de pânico são prioridades da “canção” apócrifa.

10- Conhecer os indivíduos melhor do que eles próprios se conhecem.

É evidente que um cubano de origem humilde é a melhor forma de levar a mensagem modificada para subverter o povo, que também está na sua essência humilde. É por isso que o “rapper” se apresenta como alguém que sofre com o povo, mas não menciona que agora ganha dinheiro à custa disso, ou que os traiu para obter um visto e para cantar em discotecas em Miami.

Se ele é comunista ou não é da sua conta, mas também menciona este facto com orgulho, o que significa encorajar o ódio por aqueles que o são.

Finalmente, no que respeita à manipulação, conhece a realidade e o sofrimento do povo, está agora em Miami, e mostra-se como aliado daqueles que querem uma invasão militar de Cuba. É esta a mudança de que fala na sua “canção”? Penso que, se ele dissesse a verdade escondida entre tantas mentiras e estratégias de influência psicológica, a canção teria o título: “Quero o meu visto e o meu dinheiro”, e o refrão seria: “Cuba fode-te, estou a foder contigo, estou a foder contigo, estou a foder contigo, estou a foder contigo, estou a foder contigo, estou a foder contigo! Cuba fode-te, estou a vender-te, que me importa a pátria se tenho um visto, agora é tempo de invasão militar e sangue inocente ….

Se colocar a verdade, como ela é, não seria muito bem aceite, seria melhor dizer: mude agora! Mas: Como seria a mudança? O que está por detrás dessa palavra? Resposta: ele não diz, diz apenas que quer ver o povo a governar-se a si próprio. Não compreendo, porque na Cuba de hoje, são as pessoas que estão no poder.

Finalmente, gostaria de falar sobre um linguista americano chamado George Lakoff (Berkeley, 1941), que é um investigador em linguística cognitiva. Dentro do seu trabalho é necessário destacar a “teoria dos quadros cognitivos”.

As estruturas cognitivas são estruturas mentais que moldam a nossa percepção da realidade, moldando assim o nosso conhecimento enciclopédico social. Isto significa que cada palavra que o indivíduo descodifica no processo de comunicação passa por um filtro ou frame correspondente, uma acção que está relacionada com a capacidade de interpretação que um indivíduo pode fazer das mensagens que recebe. Neste quadro aparecem informações sobre as experiências do indivíduo em torno da palavra em questão e a aprendizagem social da mesma, ou seja, o contexto.

Em suma, cada indivíduo, de acordo com a sua experiência e socialização, interpreta os termos aos quais atribui diferentes significados, conotações e emoções.

Selecção lexical, “palavras talismãs”, e estruturas cognitivas

Na canção subversiva do rapper “Micha” é feita uma selecção léxica de palavras-chave que englobam um significado social especial, aquilo a que chamaremos “palavras de talismã”. Palavras talismãs” são palavras que historicamente têm sido carregadas de prestígio e, portanto, têm um significado especial para as pessoas. Podem tanto prestigiar como desacreditar as palavras que lhes são apresentadas. Para melhor compreender isto, podemos destacar “palavras talismãs” utilizadas pelo rapper na sua canção tais como: liberdade (de expressão), sonho, povo, solução, verdade, mãe, santos, igreja, esperança, coração, vizinhança, melhorar.

Tendo em conta o acima mencionado, é interessante ver a desconexão destas palavras com a realidade, e o uso de palavras carregadas de um significado sensível como: pior, pandemia, fome, necessidade, sofrimento, mudança, balsa, repressão, abuso, angústia, problema, separação, desespero, depressão, repressão, mau, matar, crime, dor, governo, caro, transporte, choro, censura, casinos, hotéis, político, comunista.

Após a análise feita, pode-se observar claramente como artistas de baixo custo para o império são por ele utilizados para subverter a ordem institucional em Cuba, utilizando os avanços da ciência, especialmente nas tecnologias de informação e telecomunicações, bem como os experientes no campo da linguística, psicologia e neurociência.

É por isso que Fidel, que previu o futuro com clareza e interpretou as intenções pérfidas do inimigo como ninguém, disse: “O futuro da nossa pátria deve ser necessariamente um futuro de homens de ciência, deve ser um futuro de homens de pensamento…”. Ele, da clarividência do seu pensamento, avisou-nos dos perigos que nos esperariam no caminho e da necessidade de levar essa cultura científica ao povo, para que ninguém os possa confundir, nem os falsos profetas os manipulem.

Categories: #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, fake news, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, fake news, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, Manipulacion, Manipulacion Politica, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: