Cuba e México: Mais de um século de Solidariedade .

#CubaEnMexico #DiazCanelEnMexico #AMLOLujoDePresidente #CELAC #OEA #EstadosUnidos #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana

Por Alejandra Brito Blanco

A relação bilateral entre Cuba e o México remonta ao alvorecer do século passado. Os laços de amizade estão enraizados na história e na proximidade geográfica de ambos os países.

“A influência da política externa dos EUA é predominante nas Américas. Há apenas um caso especial: o de Cuba, o país que durante mais de meio século afirmou a sua independência ao confrontar politicamente os Estados Unidos”, disse o presidente da nação asteca, Andrés Manuel López Obrador, na XXI Reunião dos Ministros dos Negócios Estrangeiros da CELAC. A AMLO convidou recentemente o líder cubano a fazer um discurso como parte das celebrações do Grito de Dolores. A 20 de Maio, os laços oficiais entre os dois países atingiram 120 anos de existência ininterrupta.

Um olhar para trás na história revela a importância das ligações entre os dois estados americanos. Os veteranos cubanos Gabriel González e Felipe Herrero desempenharam um papel importante nas guerras de independência cubanas. Do mesmo modo, o líder independentista mexicano Benito Juárez, confrontado com o avanço do conservadorismo em 1853, viajou para as Grandes Antilhas, onde aprendeu o ofício de tabaqueira twister. No seu regresso a casa, os seus amigos cubanos apoiaram-no com navios e material de guerra, relata o artigo Benito Juárez ainda está vivo no México e em Cuba.

No México, o Apóstolo José Martí e Julio Antonio Mella levaram a cabo grande parte da sua vida e obra patriótica. A primeira metade do século XX foi marcada por relações cordiais e cooperativas, com algum distanciamento durante o Machadato e o pentarchismo de 1933. Durante o governo de Lázaro Cárdenas, os laços culturais foram reforçados e ainda hoje estão de boa saúde.

Um marco significativo ocorreu no contexto do golpe de Estado de Fulgencio Batista. Embora o México tenha permanecido fiel aos princípios de não intervenção e autodeterminação consagrados na Doutrina Estrada, abriu as suas portas aos revolucionários que fugiam da ditadura.

Foi precisamente a partir daí que o iate Granma, símbolo da luta insurrecional que abriu as portas ao triunfo da Revolução Cubana a 1 de Janeiro de 1959, zarpou. Foi lá que os 82 membros da tripulação foram treinados e onde Fidel e Ernesto “Che” Guevara se encontraram pela primeira vez.

Legenda: O iate Granma partiu de Tuxpan, México, a 25 de Novembro de 1956. Foto tirada da Radio Rebelde.

Durante o período revolucionário, houve também inúmeros momentos significativos. Após a declaração do carácter socialista da transformação social em Cuba, quando os Estados Unidos promoveram a expulsão da ilha da Organização dos Estados Americanos (OEA), a nação asteca foi a única a opor-se a esta posição e a manter as suas relações com a ilha das Caraíbas.

Após um período de arrefecimento, em 2013 os presidentes Raúl Castro e Enrique Peña Nieto anunciaram um “relançamento” das relações entre os dois países. No final do mesmo ano, o ministro dos negócios estrangeiros da ilha, Bruno Rodríguez Parrilla, assinou oito acordos com representantes da América Central.

Legenda: López Obrador manifestou em várias ocasiões a sua rejeição do bloqueio imposto a Cuba pelos Estados Unidos. Foto tirada da Revista Afal.

Os laços diplomáticos, comerciais e culturais entre os dois povos são uma referência a nível continental. O México reafirmou em organizações internacionais a sua rejeição do bloqueio imposto pelos Estados Unidos à maior das Antilhas. Este governo liderou as doações de alimentos, medicamentos e material médico para lidar com o surto de Covid-19. Anteriormente, os médicos cubanos tinham prestado assistência ao país vizinho para combater a pandemia.

Imagen
Falámos com o Presidente cubano Miguel Díaz-Canel; agradecemos-lhe o apoio que recebemos de enfermeiras e médicos cubanos para lidar com a pandemia. O México e Cuba são geminados pela história e pela solidariedade.

O respeito e a solidariedade têm sido as chaves para uma relação tão duradoura. Isto é expresso nas palavras de Andrés Manuel López Obrador na XXI Reunião dos Ministros dos Negócios Estrangeiros da CELAC: “Creio que, pela sua luta em defesa da soberania do seu país, o povo cubano merece o prémio da dignidade”. Cuba é um exemplo de resistência e “por isso mesmo, deveria ser declarada património mundial”, concluiu o presidente.

Celac no México: um Grito de Dor contra a OEA .

#EstadosUnidos #OEA #InjerenciadeEEUU #ElCaminoEsLaPaz #CELAC #CubaEnMexico #DiazCanelEnMexico

Por Enrique Milanés León

Apesar do flagelo da COVID-19 e outras calamidades naturais, 2021 mantém as suas celebrações como o “Ano da Independência e Grandeza do México”, enquanto comemora o 211º aniversário da independência da nação, a 15 de Setembro, e o 200º aniversário da sua consumação, no dia 21. Para acrescentar lustre, a 6ª Cimeira da Comunidade dos Estados da América Latina e Caraíbas (CELAC) terá lugar a meio destas datas na sua capital, no dia 18.

El Grito de Dolores es el gran canto de México.

Pelo segundo ano consecutivo, na terça-feira 15, a reencenação do Grito de Dolores, realizada por Miguel Hidalgo em 1810, irá considerar os protocolos exigidos pela situação sanitária, mas o Presidente Andrés Manuel López Obrador garantiu que seriam criadas condições para que “a maioria dos mexicanos possa participar a partir das suas casas”.

O modelo da pirâmide que comemora os 200 anos da fundação do México-Tenochtitlan permanece na imponente praça El Zócalo, o que significa que as celebrações do Dia da Independência complementarão as já realizadas em honra do nascimento e queda do México-Tenochtitlan.

López Obrador afirmou que o Governo Federal continuará a promover o Grito, considerado o festival cívico mais importante do país. “Temos de continuar a dar ao Grito de Independência, porque o México é um país livre, independente e soberano, e isso é motivo de orgulho”, disse ele.

O tradicional desfile de 16 de Setembro terá também lugar na capital, com as habituais precauções sanitárias. Alguns dos estados da nação não realizarão celebrações ou deslocá-las-ão para locais virtuais.

No início da manhã de 16 de Setembro de 1810, na cidade de Dolores, Guanajuato, Miguel Hidalgo lançou o Grito de Independência contra o governo colonial. O Pai da Nação Mexicana tocou à campainha da igreja chamando o povo a erguer-se em armas.

Uma vez terminada a guerra da Independência, o sino foi preservado como um dos símbolos do início do movimento e a 15 de Setembro de 1896 foi incorporado na celebração da Independência. Hoje, o sino das Dolores pode ser admirado, restaurado, num nicho localizado por cima da varanda central do Palácio Nacional.

Durante as festividades, o Presidente da República toca-a em homenagem ao grande apelo libertário. A celebração da data não foi interrompida, nem mesmo quando o país estava em guerra com os Estados Unidos. Agora não será excepção.

A agenda anunciada de López Obrador inclui o Grito de Independência na terça-feira 15; o desfile militar no dia 16; a recepção no dia 17 para presidentes e chefes de Estado para a Cimeira Celac, evento a realizar no dia 18. Um dia depois, o México hasteará a sua bandeira nacional a meia haste para recordar as vítimas mortais dos terramotos de 1985.

O Celac tem agora uma casa mexicana. Desde a Cimeira da Fundação, realizada em Caracas, Venezuela, a 3 de Dezembro de 2011, os Chefes de Estado e de Governo da região reúnem-se anualmente no país que detém a Presidência Pro Tempore e discutem as questões acordadas nas reuniões dos coordenadores nacionais.

Nesta sexta edição, será discutido um tema transcendental para a América Latina: o futuro da desacreditada Organização dos Estados Americanos (OEA), quer seja para ser completamente reformulada ou substituída.

Marcelo Ebrard, o ministro mexicano dos Negócios Estrangeiros, indicou que os líderes prepararão uma proposta para os Estados Unidos e Canadá, a fim de substituir a OEA interferente por um organismo regional de apoio.

Nicarágua: Argentina, os EUA virão por si a seguir.

#AmericaLatina #ManipulacionPolitica #OEA #EstadosUnidos #Argentina #Nicaragua

Por Redacción Razones de Cuba

É por isso que eles estão tão preocupados. Não devemos esquecer que o governo nicaraguense, juntamente com o governo chinês, está a construir o segundo canal interoceânico do continente.

Após sucessivas derrotas dos EUA na Nossa América, o império está a tentar concentrar a sua artilharia contra a Nicarágua. O objectivo é evitar as eleições presidenciais de Novembro: criar todo o tipo de notícias falsas, encorajar o descontentamento social, etc.

Para este fim, o imperialismo conta com a oligarquia parasitária nicaraguense: os partidos de direita, alguns deles vindos do Sandinismo e, como sempre, da OEA, apesar de ser moribundo.

O problema da Nicarágua não é uma questão menor; tem repercussões em toda a América Central e nas Caraíbas. Tem uma importância geopolítica da primeira ordem. Politicamente, o próximo triunfo do Sandinismo e possivelmente a vitória histórica do candidato esquerdista Xiomara Castro nas Honduras poderia tornar-se mais uma derrota dos EUA.

Ortega afirma que las recientes detenciones en Nicaragua fueron por atentar  contra la seguridad - 24.06.2021, Sputnik Mundo

É por isso que eles estão tão preocupados. Não devemos esquecer que o governo nicaraguense, juntamente com o governo chinês, está a construir o segundo canal interoceânico do continente.

Na Argentina, Alberto Fernández teve uma posição hesitante sobre a Nicarágua, talvez ele não compreenda o conselho de Brecht quando disse “Primeiro eles vieram pelos comunistas e eu não disse nada porque eu não era um…”. É evidente que agora vêm também para Alberto Fernández e para o governo democrático da Argentina.

Alberto Fernández e Andrés Manuel López Obrador (AMLO), Argentina e México chamaram os seus embaixadores na Nicarágua para consulta em repúdio às violações dos direitos humanos alegadamente cometidas na Nicarágua.

Alberto Fernández ordenou a Felipe Solá que fizesse o mesmo com Daniel Capitanich, que representa os interesses diplomáticos argentinos em Manágua.

A decisão de chamar o Embaixador Capitanich para consulta é o epílogo de uma sucessão de acções diplomáticas ordenadas por Alberto Fernández que Daniel Ortega rejeitou. O presidente deu instruções a Capitanich para visitar os “presos políticos” nicaraguenses e depois Felipe Solá solicitou a libertação imediata destes “presos políticos”.

Esta atitude é desrespeitosa de um tipo diferente de diplomacia, como o Ministro dos Negócios Estrangeiros peruano Héctor Béjar salientou no seu discurso de tomada de posse nos últimos dias.

É antiético e até imoral para a Argentina pedir a libertação dos “presos políticos” nicaraguenses, quando na Argentina ainda temos presos políticos da luta anti-neoliberal contra o Macrismo.

Em consequência desta situação, o governo nicaraguense recordou também recentemente o seu embaixador Orlando José Gómez para consulta.

Não seria mau se Daniel Ortega desse instruções ao representante diplomático nicaraguense em Buenos Aires para visitar Milagro Sala, Luis D’ Elia e o resto dos prisioneiros políticos argentinos.

Extraído da Telesur

Cachorrinho treinado.

#TenemosMemoria

Em resposta a
@Almagro_OAS2015
A sua subserviência ao Governo dos EUA é alarmante. Já chega de mentiras!

Que moral tem para fazer exigências a #Cuba?
Onde está a sua declaração sobre os assassinatos de líderes sociais na Colômbia?
O que estavam a fazer quando no Chile disparavam aos olhos do povo?

Imagem

Relatório demolidor sobre o governo de #LenínMoreno e os protestos de 2019 no #Equador .

#Ecuador #OEA #UnuionEuropea #InjerenciaDeEEUU #LeninMoreno

Almagro reconhece seu papel no golpe de 2019 na Bolívia.

#Bolivia #EvoMorales #OEA #EleccionesBolivia #LuisAlmagro #Fraude

O Secretário-Geral da OEA reconheceu que atuou para finalizar a destituição de Evo Morales.

O Secretário-Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, reconheceu seu papel no golpe na Bolívia que ocasionou a saída forçada do governo do ex-presidente Evo Morales.

O Secretário-Geral da OEA @ Almagro_OEA2015 admitiu que atuou para impedir a reeleição de @evoespueblo na Bolívia. Em livro que será publicado amanhã, ele disse que apoiava Morales para se candidatar à reeleição em 2019 “para ganhar sua confiança” …. (HILO) @teleSURtv

Imagen

Por meio do livro “Luis Almagro não pede perdão”, o representante da organização internacional relata como apoiou Morales para se candidatar à reeleição em 2019 “para ganhar sua confiança”.

O texto é resultado de mais de 100 entrevistas e 20 horas com Almagro nas quais se descreve sua trajetória política. Entre os eventos políticos mais significativos relatados está a estratégia para “derrubar Evo Morales”, convencendo os Estados Unidos a se aliarem a sua posição para ir contra o governo venezuelano ou seu apoio a Dilma Rouseff.

Os autores do livro mostram que o papel de Almagro na saída de Morales foi parte de uma estratégia premeditada, que começou em 2017 e culminou na Missão de Observação Eleitoral da OEA para apresentar supostas irregularidades na contagem de votos em 2019 e impedindo assim a reeleição do presidente, o que incentivou o golpe militar perpetrado.

Em relação a Evo Morales e às eleições de 2019, Almagro destacou que “abrimos uma possibilidade que era que Evo ganhasse legitimamente. Foi o custo disso. Para mim isso era impossível, impossível. Evo ainda tinha menos votos do que no referendo, então não tinha forma. Então abrimos a possibilidade de que a oposição boliviana ganhasse legitimamente. E fechamos a possibilidade de Evo roubar a eleição. “

EUA e Colômbia se opõem às próximas eleições legislativas na Venezuela.

#Venezuela #Colombia #OEA #GolpeDeEstado #InjerenciaDeEEUU #EleccionesVenezuela #LuisAlmagro #NicolazMaduro

Cuba na geopolítica imperial.

#Cuba #HistoriaDeCuba #RevolicionCubana #EstadosUnidos #Panama #OEA #CIA #AmericaLatina #CubaNoEsMiami #YoSigoAMiPresidente #AquiNoSeRindeNadie #VamosPorMas

Retirado do Jornal Granma .

Autor: Jorge Casals Llano | internet@granma.cu

Embora a geopolítica como disciplina tenha nascido apenas no final do século XIX e início do século XX na Europa, desde “as cruzadas” primeiro e com “as descobertas” e a conquista posterior, o capitalismo e os reinos europeus se expandiram, assumindo cada vez mais territórios que arrebataram, com sangue e fogo, em nome de Deus, os povos que neles viviam.

Seguindo o mesmo curso, mas desta vez por razões puramente “religiosas”, os peregrinos chegaram no Mayflower ao que viria a ser a Virgínia no Anno Domini de 1620, como atesta a história da nação que assim nasceu. Dez anos depois, um missionário afirmaria que “por um desígnio especial do céu”, “se os nativos agissem injustamente”, os recém-chegados teriam o “direito de guerrear legalmente com eles e subjugá-los”.

Então, os grandes proprietários, donos de escravos e traficantes, deram a si próprios uma Constituição que criaria uma república, um governo e instituições capazes de servir aos que detinham a riqueza; que cresceu roubando e massacrando populações indígenas e escravizando-as sob o pretexto de um modelo de democracia que adotou um nome que traía explicitamente seu destino: Estados Unidos da América. Em 1845, o “mandato divino” – já recebido do Mayflower – incluiria a ideia de Destino Manifesto para o país nascido em 1787, que não incluía entre seus cidadãos índios, escravos, pobres ou mulheres, e arrogou o direito, e até mesmo a obrigação, de se expandir para levar liberdade e progresso a todo o continente, como afirmava então um colunista de uma revista nova-iorquina, de ser transformado em símbolo e repetido geração após geração, até hoje. dias.

E ao sul do continente, o mar do Caribe, cujo controle garantia a segurança e a possibilidade de conexão com o mundo, e nele seu mare nostrum, Cuba, localizado na entrada do Golfo. E embora os conceitos de geoestratégia e geoeconomia também não tivessem sido formulados, e John Quincy Adams os entendesse, ele metaforicamente escreveu sobre “a fruta madura” e, sem metáfora, afirmou que: “Não há território estrangeiro que possa ser comparado aos Estados Unidos. como a ilha de Cuba … (que) quase à vista de nossas costas, adquiriu uma importância transcendental para os interesses políticos e comerciais de nossa união.

Quando em 1823 a Doutrina Monroe (América para os americanos) foi anunciada pelo agora quinto presidente da nação, e nela se estabeleceu a intenção dos Estados Unidos de não tolerar a intervenção europeia no continente, ao norte do Américas, uma república imperial com sua consequente presidência imperial; alguns anos depois, também a ditadura dos dois partidos que se alternariam no poder.

No final do século 19, os EUA intervieram na guerra hispano-cubana e a transformaram no que Lenin chamou de “a primeira guerra imperialista”. A intervenção na guerra, adequadamente rebatizada de hispano-americana, justificada por meio do engano e da manipulação da explosão do encouraçado norte-americano Maine, abriria as portas para a expansão imperial para além do continente.

O cientista político Zbigniew Brzezinski caracterizou esta disputa como: «… a primeira guerra de conquista dos Estados Unidos fora do seu território … Os Estados Unidos reivindicam um estatuto especial de único guardião da segurança do continente americano – anteriormente proclamado por a Doutrina Monroe e posteriormente justificada pelo suposto “destino manifesto” americano – tornou-se mais firme após a construção do Canal do Panamá … ”. Apenas Brzezinski percebeu que a construção do canal foi possibilitada pela independência do Panamá da Colômbia, muito “conveniente” para os Estados Unidos.

Depois da guerra – só possível devido à participação decisiva dos Mambises – foram criadas as condições para o império, por meio da Emenda Platt, inaugurar as medidas que mais tarde foram chamadas de neocolonialismo, aplicadas com a política do Grande Garrote, de Theodoro Roosevelt, e sua emenda à doutrina Monroe, o chamado “corolário” segundo o qual, se um país latino-americano-caribenho ameaçar ou colocar em perigo os direitos ou propriedades de cidadãos ou empresas norte-americanas, o governo deve intervir para restaurar os direitos de seus Cidadãos “americanos”. Para atingir o mesmo objetivo, com outros meios, outro Roosevelt (Franklin Delano) aplicaria a política da Boa Vizinhança, já na segunda década do século.

Assim, independentemente da cor do partido que governou os Estados Unidos (sete republicanos e três democratas de 1898 a 1958), seus representantes e embaixadores, atuando como procônsules, mantiveram Cuba sujeita ao império: 25 anos com três intervenções militar (1898-1902, 1906-1907, 1917-1923); uma Constituição (1901), mutilada por uma emenda; curtos períodos de democracia formal em que se impôs a participação do povo até a construção de uma Constituição progressista (1940), e ferozes ditaduras como as de Gerardo Machado (1924-1932) e Fulgencio Batista (1952-1958); que, protegido pelos EUA, massacrou o povo quando era necessário “restaurar a ordem” imperial, e a todo o tempo com uma corrupção generalizada que permeava o país e suas instituições, embora sem conseguir subjugar o povo e sua rebelião.


Com a derrubada da ditadura em 1959, a Cuba independente iniciaria a Revolução na mare nostrum de um império sólido. No que se refere à América Latina e Caribe, sempre considerada seu quintal, os Estados Unidos haviam assegurado desde a guerra fria, com a Doutrina Truman e o macarthismo, mecanismos e instituições que garantiam o controle absoluto da região: o Conselho Interamericano de Defesa ( JID), o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) e a Organização dos Estados Americanos (OEA), a notória Escola das Américas (desde 1946), especializada no treinamento de militares latino-americanos em técnicas que incluíam tortura e, para claro, também a CIA.

A Revolução Cubana triunfa naquilo que o império considerava seu hemisfério, feito pelas costas, sem consentimento, em um país cuja principal riqueza era propriedade de empresas estadunidenses, de eletricidade e telefonia a hotéis, empresas açucareiras, bancos e refinarias de petróleo, onde experimentavam tudo o que mais tarde aplicariam no mundo, onde iam beber se houvesse “lei seca” em seu país, jogar se o jogo fosse proibido, ter suas esposas abortadas, passar fins de semana longe de olhares indiscretos em clínicas, hotéis ou bordéis de luxo; onde os fuzileiros navais desembarcaram para pisotear a dignidade dos cubanos e cubanos.

A partir de 1959, a política dos Estados Unidos contra Cuba intensificou sua trajetória hostil, para além da cor do partido que governou “o gigante das sete ligas” e, durante o mandato dos 12 presidentes imperiais, a partir do 1º . De janeiro até hoje, cinco democratas (Kennedy, Johnson, Carter, Clinton e Obama) e sete republicanos (Eisenhower, Nixon, Ford, Reagan, Bush – pai e filho – e Trump) foram planejados e executados, por seus governos ou por os pistoleiros sob sua proteção, 681 ações terroristas, incluindo a invasão de Playa Girón, a explosão do avião de Cubana em Barbados e até o ataque à nossa embaixada em Washington, com um custo de 3.478 mortes e 2.099 Desativado.

Os republicanos iniciaram, a partir de março de 1959, as operações encobertas e, com base na antiga Lei do Comércio com o inimigo (data de 6 de outubro de 1917), iniciaram, com fúria e perversidade, o bloqueio econômico, comercial e financeiro que a cada ano todos os presidentes americanos sejam reativados. Da mesma forma, orquestraram campanhas para estreitar as relações com Cuba, que incluíam, desde a invenção de uma base de submarinos nucleares soviéticos na baía de Cienfuegos, até “ataques sônicos” a seus funcionários; financiaram, incentivaram ou permitiram que organizações terroristas agissem contra Cuba, como a criada em 1981 pela CIA, a Fundação Nacional Cubano-Americana; assinou uma Lei pela Democracia em Cuba, a Lei Torricelli, proposta por dois democratas, que evidencia a política de Estado, e não partidária, de relações, até que o atual presidente, Donald Trump, exacerbou os conflitos e multiplicou o uso de chantagem política contra parceiros, amigos ou adversários.

Os democratas, por sua vez, executaram os planos de invasão de Eisenhower por Cuba, que culminaram com a derrota dos mercenários em Playa Girón; iniciaram oficialmente o bloqueio econômico com a ordem executiva nº 3447; alimentaram as tensões que provocaram a chamada Crise de Outubro, que colocou o mundo à beira da guerra nuclear; fizeram a OEA aprovar uma resolução sobre o rompimento das relações diplomáticas com Cuba; Provocaram as ondas migratórias de Camarioca e Mariel, e até assinaram o que, por proposta dos republicanos, se chamou Lei da Liberdade e Solidariedade Democrática com Cuba, conhecida como Helms-Burton, que reiterou o caráter estatal da política em relação o Maior das Antilhas. E embora Obama em 2016 pedisse para deixar o passado e “olhar para o futuro”, ele não poderia esconder, disfarçadamente, o objetivo de seu governo: conseguir a tão almejada “mudança de regime”, que já havia explicado à contra-revolução cubana em Miami: “É hora de o dinheiro cubano-americano tornar suas famílias menos dependentes do regime de Castro.”

Independentemente de quem seja o presidente dos Estados Unidos nas eleições de novembro, uma coisa fica clara: a solução para o conflito Cuba-Estados Unidos. Só será possível quando o império reconhecer que nossa Ilha é uma nação livre, soberana e independente.

La OEA en el rol del Ju­das Iscariote de América

É hora de os povos da região acordarem e proporem desmascarar o ataque contra a Venezuela e a Nicarágua

OEA

Eu me pergunto: para que serve a OEA? Vale a pena pertencer a ela? Por que não fazer uma frente comum latino-americana e caribenha e desmascará-la junto com seu atual Secretário Geral, Luis Almagro?
O que está acontecendo hoje contra a Venezuela e a Nicarágua me lembra o ano de 1960, 12 meses depois do triunfo da Revolução Cubana, a mesma OEA de nossos dias, conivente e servil aos ditames dos Estados Unidos, se comprometeu contra Cuba.

Foi nessa data, na VII Reunião de Consulta dos Ministros das Relações Exteriores, convocada para San José, Costa Rica, quando se instou a condenar a ilha em uma ação em que o governo dos EUA pretendia criar um contexto político e diplomático favorável. para isolar nosso país e assim mascarar os planos de agressão militar preparados pela CIA, segundo o Programa de Ação Secreta contra o regime de Castro, contidos na diretriz secreta aprovada em 17 de março de 1960.

Como não lembrar nestes dias, quando Washington criou o mesmo cenário, desta vez acompanhado por uma feroz campanha midiática, contra nações latino-americanas como Venezuela e Nicarágua, a posição cubana presente na reunião da OEA na Costa Rica em 1960, em tom de voz. do chanceler da dignidade, Raúl Roa García. Como esquecer as exclamações de toda uma cidade «com a OEA e sem a OEA vamos vencer a luta».

Sobre a decisão de isolar Cuba, o comandante-em-chefe Fidel Castro disse que a reunião na Costa Rica foi uma lição para os povos da América, que nunca perdoarão a traição daqueles que, em uma bandeja de prata, foram trazer ao império os direitos da nação cubana.

Aqueles que assinaram o documento “ficarão na história como Judas Iscariotes da América”, disse Fidel referindo-se ao Judas que, segundo os Evangelhos canônicos, era o apóstolo traidor.

Exemplos abundam, o mesmo para demonstrar que o oea é apenas um instrumento imperial, que age de forma intervencionista contra os povos da região, que desmascarar um traidor como Luis Almagro, transformado no inimigo mais furioso da América Latina, ao tempo o mais submissa dos servidores dos governos americanos.

A última dessas campanhas das mais desacreditadas de todas as instituições tem sido o trabalho intervencionista contra dois governos democraticamente eleitos na região: o da Venezuela e o da Nicarágua.

Contra a nação bolivariana eles superaram qualquer prognóstico, eles ditaram resoluções desrespeitosas e grosseiras, eles lideraram uma guerra de mídia para desestabilizar o país e criar um verdadeiro caos na região.

O último, já completamente nu, o Sr. Luis Almagro escreveu em um tweet: “Congratulamo-nos com a suposição de Guaidó como presidente interino da Venezuela, nos termos do artigo 233 da Constituição. Tem o nosso apoio, o da comunidade internacional e o do povo venezuelano “.

Esta é a primeira reação da OEA e seu secretário geral às declarações do chefe da Assembléia Nacional da Venezuela (em desacato), Juan Guaidó, para assumir a presidência do país bolivariano, depois de descrever o presidente legítimo como “usurpador” , Nicolás Maduro.

É, sem dúvida, uma guerra cambaleante contra aquela nação e, por sua vez, uma maneira desavergonhada de interferir nos assuntos internos de um país.

CONTRA A NICARÁGUA

Quanto a outro estado soberano da região, a Nicarágua, a OEA empreendeu a aplicação da Carta Democrática, o que pode levar à suspensão da adesão do país centro-americano, segundo os relatórios.
O discurso Luis Almagro na última reunião da OEA, bem como de comprimento e intrometido, retratou-o como mentiroso é e, como fizeram há 60 anos contra Cuba, agora eles fizeram uma farsa intervencionista que que “a democracia não Pode haver repressão, nem violação dos direitos humanos a opositores, estudantes, políticos, camponeses, civis e menores “.

A coisa interessante sobre tudo isso é que lá, na sala onde é reciclado para uma falta de credibilidade da OEA, estavam representantes de países como Chile, Argentina, Brasil, Colômbia e outros, cenas diárias de repressão contra os estudantes, trabalhadores, professores, indígenas e onde centenas de líderes sociais morrem. Tudo isso é feito em nome de uma democracia como a defendida por Judas, de Luis Almagro.
Nossos povos, em alguns casos, confuso com a atual ofensiva reacionária montado a partir de Washington e apoiado pela OEA, sabe desmascarar os traidores que hoje voto contra Venezuela e Nicarágua, como fez contra Cuba, e tenho certeza que eles vão, no futuro, enquanto não agirmos a tempo e nos unirmos, desqualificaremos o mar, Luis Almagro e o autoproclamado Grupo de Lima.

Tirado de Granma

A CIA pretende perpetuar Luis Almagro na OEA

De Heraldocubano / Por Arthur González.

Enquanto nos Estados Unidos fabricados campanhas de difamação contra Nicolas Maduro e Evo Morales pela reeleição como presidente da Venezuela e da Bolívia, agora procuram fazer o mesmo com o agente secreto da CIA, Luis Almagro, atual Secretário-Geral da OEA e Spearhead Yankees em suas tentativas de cercar a Venezuela politicamente, e até mesmo a pretensão de apoiar uma invasão militar. Continuar a ler “A CIA pretende perpetuar Luis Almagro na OEA”