“O sistema está construído”: na Rússia eles estão prontos para lançar uma alternativa ao Apple Pay

© Sputnik / Ruslan Krivobok
/ Abrir banco de fotos

A maioria dos grandes bancos russos está pronta para o lançamento de um sistema nacional de pagamento móvel alternativo ao já conhecido Apple Pay ou Google Pay. Como o Sputnik conseguiu coletar, a iniciativa busca aproveitar o vácuo gerado pela cessação das operações da Apple Pay no território do país.

Após o reconhecimento da independência de Donetsk e Lugansk e a intervenção de Moscovo no conflito ucraniano, várias empresas anunciaram a cessação total ou parcial dos seus serviços na Rússia. É o caso da americana Apple, que bloqueou a possibilidade de efetuar pagamentos através do seu sistema Apple Pay em solo russo.
No entanto, uma pesquisa do Sputnik revela que a maioria dos bancos russos está pronta para o lançamento de uma alternativa nacional a partir de 1º de abril. É o Sistema de Pagamento Instantâneo do Banco da Rússia ou SBPay, por sua sigla em russo, que permitirá que os usuários paguem em qualquer lugar simplesmente colando o telefone na caixa por meio da tecnologia NFC.

“O Sistema de Pagamento Instantâneo (SBPay) foi desenvolvido mesmo quando Visa, Mastercard, Apple Pay operavam na Rússia. É possível introduzi-lo tão rapidamente porque o sistema foi construído muito antes de essas empresas cessarem suas operações na Rússia”, explicou à Sputnik a presidente do conselho de administração do Conselho Nacional de Pagamentos, Alma Abáyeva.

O especialista lembrou que, de acordo com dados recentes do Banco Central da Rússia, o número de transferências instantâneas que já são feitas entre usuários é estimado em bilhões por ano. “Apoiamos muito a segurança de nossos pagamentos”, diz Abáyeva.
Vale lembrar que o sistema anunciado não é o primeiro desenvolvido na Rússia. Serviços similares SberPay, do maior banco russo Sberbank, e Yandex Pay, da gigante tecnológica Yandex, já operam no país.

Tirado de Sputnik

Embaixador russo acusa EUA de inflar baixas militares russas na Ucrânia

WASHINGTON (Sputnik) – O embaixador russo em Washington, Anatoli Antonov, acusou o Departamento de Estado de inflar as baixas militares russas na Ucrânia para provocar agitação social.
A secretária de Estado adjunta dos EUA para Assuntos Políticos, Victoria Nuland, estimou o número de mortos que as tropas russas sofreram em cinco semanas de hostilidades na Ucrânia em “mais de 10.000”. O Ministério da Defesa da Rússia publicou baixas apenas duas vezes, a última vez em 25 de março, quando confirmou 1.351 mortos e 3.825 feridos durante a operação especial.

O representante do Departamento de Estado infla deliberadamente as baixas militares da Rússia na Ucrânia. Por trás dessas declarações há um propósito cínico que é provocar descontentamento social em nosso país, mas não vai funcionar”, disse Antonov, citado pela embaixada russa na rede social Telegram.

O diplomata expressou a convicção de que seus concidadãos “estão cientes de que se trata de proteger os interesses nacionais” da Rússia e recomendou a todos que usem dados de fontes oficiais russas.
O presidente russo, Vladimir Putin, anunciou em 24 de fevereiro uma “operação militar especial” na Ucrânia, alegando que as Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk, anteriormente reconhecidas por Moscou como estados soberanos, precisam de ajuda diante do “genocídio” de Kiev.

Um dos objetivos fundamentais desta operação, segundo o presidente Vladimir Putin, é “a desmilitarização e desnazificação” da Ucrânia.
De acordo com o Ministério da Defesa russo, os ataques militares não são dirigidos contra instalações civis, mas buscam desativar a infraestrutura de guerra.
De 24 de fevereiro a 29 de março, as hostilidades na Ucrânia mataram pelo menos 1.189 civis e feriram outros 1.901, mas o número real é muito maior, segundo a ONU. A maioria dessas baixas civis, incluindo 108 crianças mortas e 142 feridas, é resultado de ataques aéreos e de artilharia.
Mais de quatro milhões de ucranianos buscaram refúgio em países vizinhos, aos quais se somam cerca de 6,5 milhões de deslocados dentro da Ucrânia.

Em 29 de março, ao final das negociações russo-ucranianas em Istambul, o Ministério da Defesa russo reafirmou que considerava cumpridos os objetivos essenciais da primeira fase da operação na Ucrânia e que, doravante, se concentrará na “libertação de Donbass”. . “. A entidade militar prometeu reduzir drasticamente a intensidade de sua ofensiva em Kiev e Chernigov, no norte da Ucrânia, mas esclareceu que não haverá cessar-fogo. Alguns países, como os EUA, atribuíram este anúncio à intenção de reagrupar forças.

Tirado de Sputnik

De vermes e outras flatulências

A histeria contra a Revolução Cubana permanece no mais alto nível nos Estados Unidos, onde os legisladores dessa origem e o verme rico que controla a Flórida continuam a se enfurecer com seu desrespeito, e ainda mais quando empunham de vez em quando essa declaração de A vice-presidente Kamala Harris de que só levantarão o bloqueio criminoso contra a Ilha, quando esses elementos criminosos o permitirem.

Esses legisladores também têm outros da mesma origem na mira, como o secretário do Departamento de Segurança Interna, Alejandro Mayorkas, também de origem cubana, que tenta manter a política oficial de imigração e fez inimigos ao impedir que os cubanos emigrassem entrar ilegalmente nos Estados Unidos, ressaltando que a lei do pé molhado/pé seco não existe há cinco anos, o que causou tantas mortes, embora estas continuem a ocorrer.

A mídia e os elementos reacionários chegaram a criticar Mayorkas, quando, como resultado da turba contra-revolucionária de julho do ano passado, não só não se solidarizou com os participantes, como foi muito mais severo do que com os centro-americanos: «Permitir Claro que, se forem lançados ao mar, não virão para os Estados Unidos.

Assim, Mayorkas, que foi funcionário durante o governo Obama e ajudou a eliminar tal lei, com a satisfação do então vice-presidente Joe Biden, tem estado indiretamente sob o escrutínio de legisladores de origem cubana, que lideram o constante boicote às tentativas de funcionários para aliviar um pouco a situação de quem emigra.

A nata da safra do mal nesse sentido é composta pelos legisladores Ted Cruz, Marco Rubio -ambos com ares presidenciais- e Bob Menéndez, com outras vestimentas semelhantes, que assumiram a liderança ao se recusar a debater um plano de reforma migratória que oferecia um caminho de oito anos para a cidadania, o primeiro desses esforços, todos fracassados, em um Congresso dominado por lobistas e dinheiro vivo.

Mas, realmente, na minha opinião, esse funcionário não é realmente a aberração que Ted, Bob e Marco estrelam, os melhores exemplos dos piores.

Eles não apenas maltratam, como Ted, aqueles que têm que aturar isso em um ou mais

mas sim, em sua arrogância, estão na primeira fila da política intrusiva que exige mais sanções contra a Nicarágua, apontam todas as suas armas contra o atual governo mexicano e, como se verificou, tiveram uma importante participação no golpe d’état de 2019 contra o governo de Evo Morales na Bolívia.

REIS DO MIASMO

Marco Rubio e Bob Menéndez estão mais uma vez no centro das atenções por tentarem renovar oficialmente o programa que patrocina a fuga de cérebros contra Cuba, principalmente contra médicos, que teve seu momento mais relevante durante o governo de Donald Trump, e que agora, de uma forma ou outro, conta com a cumplicidade da atual administração.

Sem dúvida, junto com Ted Cruz, eles são os reis do miasma, embora não possam adormecer sobre seus “louros”, porque há algum tempo há um forte concorrente no lobby anticubano com a deputada María Elvira Salazar, que ocupa a 27ª sede distrital de Miami.

Concorreu “para evitar que o socialismo se estabeleça e arruíne os Estados Unidos”, declarou em sua campanha, algo realmente absurdo, mas parte do discurso da extrema direita americana.
Junto com Carlos Giménez, Nicole Malliotakis, Albido Sires, Mario Díaz-Balar, Alex Nonell, Anthony González e os já citados senadores Marco Rubio, Ted Cruz e Bob Menéndez, a deputada integra o grupo de dez cubano-americanos nos Estados Unidos Congresso.

Mas estes três últimos são os que lideram tudo o que podem fazer contra a Revolução Cubana e aqueles que acreditam que a apoiam.

Assim, chegaram a dizer que o México abriga numerosos espiões russos, atacaram violentamente os congressistas mexicanos que criaram um comitê para apoiar a Rússia e acusaram o presidente Andrés Manuel López Obrador de estar com Moscou e não com Washington.

Nesse contexto, foi lembrado que o México se opôs à operação militar especial russa contra a Ucrânia, pois, por mais válida que seja, a nação latino-americana acredita que nenhum país deve invadir outro, já que o berço dos astecas sofreu quatro invasões, duas delas dos Estados Unidos, que roubaram mais da metade de seu território.

López Obrador, que diz o que pensa, criticou os legisladores de origem cubana, porque sempre atacam e fazem inimigos aqueles que mantêm relações com Cuba, lembrando que sofre um bloqueio injusto dos Estados Unidos.

A posição de Bob Menéndez, especialmente, foi tão absurda que foi criticada até por meios de comunicação que não se relacionavam com ideias progressistas, como MSN e AP, que chegaram a perguntar por que estão lançando contra o México, quando há outros países que se afastaram. .

Também se buscou a opinião de Bob sobre se parece haver uma espécie de “lobby” anti-México entre os políticos norte-americanos com herança cubano-americana, como delineado por outros congressistas, como uma espécie de punição por sua relação histórica com o México.Cuba. O senador Menéndez escolheu o silêncio.

ALARME PARA RIQUEZAS PERDIDAS

Por sua vez, Ted Cruz expressou sua preocupação com a “tentativa sistemática” e “hostilidade aberta” do governo mexicano de minar as empresas norte-americanas, especialmente as do setor petrolífero, revertendo “a reforma energética liberalizante” do presidente anterior, Enrique Peña Nieto, que entregou a riqueza do país a consórcios estrangeiros, principalmente norte-americanos.

Você poderia citar grandes e pequenas coisas desprezíveis sobre esses assuntos, como o mais recente de Ted Cruz abusando verbalmente de um funcionário de uma companhia aérea por não atrasar um voo que ele finalmente perdeu, o que fez os agentes de segurança intervirem; bem como o movimento do senador do Texas de deixar seu estado durante um congelamento maciço que causou inúmeras mortes a voar para uma fuga da família em Cancun.

Mas essas são minúcias que desaparecem diante de ações vis, como a participação comprovada de Cruz, Menéndez e Rubio no golpe de 2019 contra Evo Morales na Bolívia.

Nada mais e nada menos do que existem 16 gravações que suportam o acima. Nos áudios, é revelado o quadro da conspiração contra o governo boliviano que contemplava a separação e divisão do exército boliviano e da polícia nacional.

O plano se concentrava no fato de que, se Evo vencesse as eleições de 20 de outubro, seria estabelecido um governo de transição cívico-militar, que alegaria fraude e não reconheceria sua vitória.

Além disso, previa a manipulação de setores estratégicos da sociedade boliviana para criar um clima de caos e desestabilização, a fim de pressionar o governo boliviano a renunciar.

Os áudios revelam a interferência dos EUA e o uso das embaixadas credenciadas no país e da Igreja Evangélica, para inserir os recursos que serviriam de motor para executar a operação.

Menciona-se também os compromissos dos conhecidos senadores norte-americanos de origem cubana Ted Cruz, Marco Rubio e Bob Menéndez, que estariam em contato direto com a oposição na Bolívia para promover mudanças, bem como garantir o fornecimento dos fundos que seriam enviados dos Estados Unidos para a conspiração e o golpe subsequente.

Verdades irrenunciáveis sobre a manipulação da emigração cubana.

#Cuba #LeyesMigratorias #LeyDeAjusteCubano #EEUUBloquea

PorArthur González

A partir de 1 de Janeiro de 1959, o governo americano começou a manipular a questão da migração cubana, aceitando assassinos, torturadores e ladrões do governo do ditador Fulgencio Batista que fugiram da justiça, apesar das reivindicações oficiais de Cuba para os casos pendentes que tinham. Todos eles eram considerados refugiados, apesar de muitos terem chegado ilegalmente, o que foi o início deste termo para aqueles que deixaram a ilha.

Após a ruptura das relações diplomáticas a 3 de Janeiro de 1961, os cubanos que desejavam viajar para os Estados Unidos estavam isentos de vistos turísticos e/ou de emigração, e a utilização dos chamados vistos “Waiver” (vistos de voo) foi aprovada, porque estavam “em fuga do comunismo”. Quando os voos entre os dois países foram proibidos, as partidas ilegais começaram e qualquer cubano que chegasse ao território dos EUA foi imediatamente aceite.

Como resultado desta política, diz-se que 49,961 pessoas emigraram para os Estados Unidos em 1961 e no ano seguinte 78,611.
Esta situação mantém-se ainda como parte da manipulação dos meios de comunicação social contra a Revolução. A CIA rapidamente começou a recrutar cubanos para a invasão e outras actividades subversivas.

Face a esta situação migratória, o Presidente John Kennedy, em 1961, aprovou o Programa Cubano para os Refugiados, destinado a facilitar a integração dos “exilados” cubanos na sociedade norte-americana, sob o pretexto de “ajudar qualquer pessoa que fuja do regime comunista” e colocá-la nas melhores condições possíveis para se adaptar e ter um melhor nível de vida.

Este programa continha nove pontos e um dos objectivos colaterais era financiar os contra-revolucionários cubanos que já estavam a realizar acções terroristas contra Cuba, graças à guerra clandestina promovida em 1960 pelo Presidente Dwight Eisenhower, com o objectivo de derrubar o governo revolucionário com a utilização dos chamados “refugiados”.

O orçamento inicial do Programa Cubano para os Refugiados era de $4 milhões em 1961, $38 milhões em 1962, e atingiu $144 milhões em 1972. Durou 15 anos, custando ao Tesouro dos EUA 727 milhões de dólares.

Em 28 de Junho de 1962, os EUA aprovaram a Lei Pública 87-520, sob a designação “Lei de Migração e Assistência aos Refugiados”, restringindo a definição de “refugiado” apenas ao Hemisfério Ocidental.

A 3 de Outubro de 1965, o Presidente Lyndon Johnson assinou a “Lei de Imigração e Naturalização”, que não resolveu o problema do estatuto legal dos emigrantes cubanos, mas criou uma Comissão Seleccionada de 15 membros sobre Imigração para o Hemisfério Ocidental para estudar a adaptação do estatuto legal dos cubanos.

Em 2 de Novembro de 1966, Johnson aprovou a Lei Pública 89-732, conhecida como a “Lei de Ajuste Cubano”, que mudou o estatuto legal apenas dos cubanos que entraram nos Estados Unidos sem visto após 1 de Janeiro de 1959, porque milhares de cubanos estavam “em liberdade condicional” e eram considerados “refugiados políticos”, embora a sua partida de Cuba fosse por razões familiares.

A lei beneficiou os cubanos que podiam solicitar automaticamente uma autorização de trabalho e 366 dias após a entrada no país, solicitar a residência permanente sem formalidades especiais, porque os cubanos estavam “em fuga do comunismo” e estavam especialmente protegidos.

Para dar mais privilégios aos cubanos “em fuga do comunismo”, o Presidente Ronald Reagan em 1986, aprovou a Lei Pública 99-603, chamada “Lei de Reforma e Controlo da Imigração”, que incluía na Secção 202 um “Ajuste para cubanos e haitianos”. Esta secção permitiu aos cubanos que chegaram por via de Mariel em 1980 solicitarem residência após terem permanecido mais de 6 anos nos Estados Unidos sem terem um estatuto definido, porque os “Marielitos” não receberam o estatuto de refugiados, uma vez que não foram contemplados na carta da “Lei dos Refugiados”, aprovada a 17 de Março de 1980, Lei Pública 96-212.

Ronald Reagan quis alterar a decisão tomada em 20 de Junho de 1980 pelo Presidente James Carter de atribuir o estatuto de imigração a este grupo de cubanos e haitianos que chegaram aos Estados Unidos entre 21 de Abril e 19 de Junho de 1980.

Em Maio de 1995, quando foi assinado um novo Acordo Migratório entre os Estados Unidos e Cuba sob a administração do Presidente William Clinton, a Lei de Ajuste Cubano sofreu a sua primeira reforma, com o estabelecimento da conhecida política do “pé molhado e seco”, em que qualquer pessoa que seja detida em alto mar é devolvida a Cuba, e só são aceites aqueles que conseguem desembarcar em terra seca.

A 30 de Setembro de 1996, o Congresso dos EUA aprovou a Lei Pública 104-208, a Reforma da Imigração Legal e a Lei de Responsabilidade dos Imigrantes Ilegais, que na sua Secção 606 declara:

“A eliminação da Lei de Ajuste Cubano está condicionada apenas à determinação do Presidente dos Estados Unidos ao abrigo da Secção 203(c)(3) da Lei da Liberdade e Solidariedade Cubana de 1996, Lei Pública 104-114, conhecida como Lei Helms-Burton, quando um Governo democraticamente eleito está no poder em Cuba”.

Em Novembro de 1997, o Congresso dos EUA aprovou a Lei Pública 105-00, a Nicaraguan Adjustment and Central American Relief Act (NACARA), que na Secção 202 define um “ajustamento de estatuto para certos nicaraguenses e cubanos”, onde estabelece os requisitos necessários para que certas pessoas de origem nicaraguense e cubana se candidatem a residência permanente nos Estados Unidos.

A prova da mesquinhez da manipulação da imigração contra Cuba foi a liberdade condicional dos profissionais médicos cubanos, posta em prática em Setembro de 2006. Este programa, coordenado pelo Departamento de Estado norte-americano e pelo Departamento de Segurança Interna, destinava-se à deserção e aquisição de profissionais de saúde cubanos que constituem as brigadas de solidariedade em todo o mundo.

A 31 de Julho de 2007, o governo norte-americano anunciou a segunda reforma da Lei de Ajuste Cubano, na qual apoia a decisão das autoridades federais de imigração de permitir às pessoas nascidas fora de Cuba obter residência permanente nos Estados Unidos se pelo menos um dos seus pais tivesse nascido em Cuba, reafirmando a manipulação política da questão da migração contra a Revolução Cubana.

A migração cubana é a única que recebe este tratamento político para fins subversivos, ao contrário dos milhões de latino-americanos que anualmente caminham milhares de quilómetros para entrar nos Estados Unidos, fugindo da miséria, fome, doença e morte, em países com sistemas capitalistas “democráticos”.

Foi por isso que José Martí disse: “Vê se julgas mais tarde”.

Pela paz e pela abolição das bases militares estrangeiras

Picasso. Pomba da Paz (1949) Foto: ONU

Combatentes da paz, ativistas antiguerra e amigos de Cuba se reunirão novamente em Guantánamo, de 4 a 6 de maio, para exigir a eliminação de bases e instalações estrangeiras nos países de nossa região e do mundo.

Combatentes da paz, ativistas antiguerra e amigos de Cuba se reunirão novamente em Guantánamo, de 4 a 6 de maio, para exigir a eliminação de bases e instalações estrangeiras nos países de nossa região e do mundo.

Com este propósito, o Instituto Cubano de Amizade com os Povos (ICAP) e o Conselho Mundial da Paz (CMP) convocaram a participação no VII Seminário Internacional sobre a Paz e a Abolição das Bases Militares Estrangeiras dos Estados Unidos e da OTAN, já histórico por seu impacto global e sua implementação a partir do mesmo território onde os ianques mantêm uma base naval sem amparo legal há mais de um século.

O evento reiterará a importância e validade da Proclamação da América Latina e do Caribe como Zona de Paz, aprovada por todos os Chefes de Estado e de Governo da região, durante a II Cúpula da CELAC em 2014, em Havana.

A China apela à cooperação com o Afeganistão para o desenvolvimento regional.

#China #Afganistán #Pakistán #EconomíaMundial #RutaDeLaSeda #PazMundial

Contra a #Venezuela unida eles não servem cavalos de Tróia

Foto: AFP

Contra o povo de Chávez, cada agressão inimiga faz água diante do escudo cívico-militar bolivariano. O ataque a Termozulia não prosperou. Em Apure os terroristas acabaram novamente em apuros e sem acampamento

APURE, Venezuela.– Pouco tempo se passou entre os eventos registrados aqui, durante o fim de semana, e os de horas anteriores no estado de Zulia, que também – que coincidência! – faz fronteira com a Colômbia.

Mais uma vez o arranjo traz entorpecentes e tiros, entra pelo sudoeste da Venezuela e se depara com uma barreira de pessoas e das Forças Armadas Nacionais Bolivarianas (FANB) nesses mais de 2.200 quilômetros de fronteira.

Nas primeiras horas do dia 25, o terrorismo estrangeiro teve como alvo o complexo termoelétrico Rafael Urdaneta em Zulia. Conforme relatado no Twitter pelo ministro do Poder Popular para a Energia Elétrica, Néstor Reverol, “um grupo de indivíduos armados tentou atingir a máquina nº 7 da Termozulia”, uma instalação sensível, enquanto gera eletricidade; um alvo escolhido para causar o maior dano possível à Venezuela.

Mais tarde, nesse mesmo fim de semana, o chefe do Comando Operacional Estratégico da FANB, Domingo Hernández Lárez, informou sobre uma operação em Apure, que desmantelou terroristas do narcotráfico colombianos que “assassinam nosso povo e traficam drogas em nossa fronteira”.

Segundo Hernández Lárez, a FANB localizou outro acampamento semelhante em solo venezuelano, “cheio de materiais de morte e destruição, fabricados na Colômbia”. No inventário do que foi apreendido, “15.000 detonadores, incluindo não-elétricos e fósforo branco, além de um volume significativo de pólvora negra, pavio lento, estilhaços, etc., todos fabricados na Colômbia!”

A FANB, nas últimas semanas, fez várias prisões de terroristas armados em propriedades de fronteira e apreendeu milhares de explosivos e drogas. Um capítulo em outra história sombria de conspirações, aquela que envolve a Colômbia como um ramo de crimes cuja equipe está localizada a milhares de quilômetros de distância, em uma certa capital do mundo “civilizado” e esquecido, que não aprende com seus fracassos.

Contra o povo de Chávez, cada agressão inimiga faz água diante do escudo cívico-militar bolivariano. O ataque a Termozulia não prosperou. Em Apure os terroristas acabaram novamente em apuros e sem acampamento.

Da Colômbia partem os cavalos de Tróia para a guerra criminosa contra a Venezuela. Os impérios têm garras longas e poderosas, mas contra um povo unido não podem.

Confirmado: A ligação Biden a biolabs militares na Ucrânia .

#JoeBiden #EstadosUnidos #LaboratoriosBiológicos #Ucrania #CIA

PorMisión Verdad

A revelação pelo Ministério da Defesa russo de um programa biológico militar do Pentágono na Ucrânia, numa escala sem precedentes, voltou a levantar as sobrancelhas, agora que se sabe que o financiamento foi concedido através de estruturas associadas ao filho do Presidente dos EUA, Joe Biden.

Não é pouco que os detalhes tenham sido publicados pelo The New York Post e The Daily Mail, depois de o governo dos EUA ter tratado as acusações da Rússia como teorias da conspiração.

CAÇADOR BIDEN ENVOLVIDO EM LABORATÓRIOS BIOLÓGICOS UCRANIANOS
A Ucrânia tem figurado nos negócios obscuros de Hunter Biden há vários anos. Em 2014, o filho do então vice-presidente dos EUA tornou-se membro da direcção da empresa de energia ucraniana Burisma Holdings. O caso tornou-se rapidamente um escândalo de corrupção e, em 2016, Biden senior exigiu a demissão do procurador-geral ucraniano Viktor Shokin, que estava a investigar as actividades do Burisma.

Mas os interesses financeiros de Hunter Biden afectaram não só o sector do petróleo e gás, mas também desenvolvimentos militares secretos.

O New York Post e o Daily Mail confirmaram a acusação russa de que a Hunter Biden estava envolvida no financiamento de laboratórios biológicos secretos dos EUA na Ucrânia. Ele, de acordo com e-mails e cartas obtidas do seu portátil (cuja autenticidade foi recentemente confirmada pelo New York Times), ajudou a empresa médica Metabiota a celebrar um contrato multimilionário com o governo dos EUA. Metabiota prestou serviços à Black and Veatch, outro empreiteiro do Pentágono que construiu uma série de biolabs na Ucrânia para “estudar agentes infecciosos ou toxinas que se podem tornar transmissível pelo ar e causar infecções com risco de vida”, de acordo com documentos analisados por jornais ocidentais.

Outros factos que expõem Hunter Biden:

O filho do Presidente Biden e os seus sócios investiram 500.000 dólares em Metabiota através da Rosemont Seneca Technology Partners (RSTP), uma subsidiária do fundo de investimento Rosemont Capital, que foi fundado pela Hunter e antigo enteado do Secretário de Estado John Kerry, Chris Heinz, em 2009. A RSTP ajudou a canalizar milhões de dólares durante a primeira ronda de financiamento do Metabiota.
A Hunter também juntou representantes da Metabiota à liderança da Burisma para implementar um “projecto científico” envolvendo laboratórios de biossegurança de alto nível na Ucrânia.
Em 2014 (após a anexação da Crimea à Rússia), um dos gestores superiores da Metabiota abordou Hunter Biden sugerindo que a empresa poderia contribuir para a “independência cultural e económica” da Rússia, o que, como nota a publicação do Daily Mail, é “um objectivo invulgar para uma empresa de biotecnologia”.
EMPREITEIROS DO PENTÁGONO LIVRES PARA EXPERIMENTAR AGENTES PATOGÉNICOS PERIGOSOS
Pelo menos três laboratórios estrangeiros privados são conhecidos por operar na Ucrânia e estão ligados ao Pentágono: Metabiota Inc, Black & Veatch e o Instituto de Investigação do Sul. Também lideram projectos federais de investigação biológica para outras agências governamentais tais como a CIA. Um artigo da agência noticiosa Sputnik expande os detalhes de como eles funcionam.

Os laboratórios biológicos são operados pela Agência de Redução de Ameaças de Defesa dos EUA, ou DTRA, programa. Além disso, o pessoal civil destas empresas privadas pode operar em nome do governo dos EUA sob cobertura diplomática.

Metabiota é uma empresa especializada na identificação, rastreio e análise de potenciais surtos de doenças. Em 2014 assinou um contrato federal de $18,4 milhões como subcontratante da Black & Veatch na Geórgia e Ucrânia. A empresa recebeu mais 3,1 milhões de dólares (2012-2015) pelo seu trabalho na Serra Leoa, um dos países mais afectados pela infecção grave pelo vírus Ebola.

Metabiota também foi ligada ao Instituto Wuhan de Virologia através do projecto PREDICT do programa Ameaças Pandémicas Emergentes (EPT) da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID). Juntamente com Metabiota e EcoHealth Alliance, o instituto publicou em 2014 um estudo colaborativo sobre a transmissão de doenças infecciosas a partir de morcegos na China.

A EcoHealth Alliance e a Metabiota trabalharam noutras ocasiões na investigação que ligava os surtos de doenças infecciosas ao comércio da vida selvagem.

A Black & Veatch Special Project Corp. assinou um contrato de $198,7 milhões com a DTRA para formar e equipar biólogos na Ucrânia, bem como na Alemanha, Azerbaijão, Camarões, Tailândia, Etiópia, Vietname e Arménia. A empresa, especializada em mineração, centros de dados, cidades inteligentes, bancos e mercados financeiros, esteve sempre ligada aos militares e agências de inteligência dos EUA.

Em 2020, a Black & Veatch gerou receitas de 3,7 mil milhões de dólares e classificou-se como a sétima maior empresa dos EUA. Tem mais de 100 escritórios espalhados por todo o mundo.

O Southern Research Institute tem sido o principal subempreiteiro do programa ucraniano desde 2008. A empresa foi fundada como uma organização sem fins lucrativos no Alabama em 1941, e tem vindo a trabalhar na investigação relacionada com a defesa nacional há 70 anos. Entre 1951 e 1962, assinou 16 contratos com o Programa de Armas Biológicas dos EUA. Além disso, o Southern Research Institute foi subempreiteiro do projecto de investigação do anthrax militar em 2001.

Segundo a publicação do Sputnik, o DTRA “financia cerca de 15 laboratórios biológicos na Ucrânia”. Foram recolhidas informações de 10 deles.

A Ucrânia não tem controlo sobre os laboratórios biológicos militares no seu território, nos termos de um acordo entre o Departamento de Defesa dos EUA e o Ministério da Saúde ucraniano, assinado em 2005. Os termos do acordo incluem que o governo ucraniano não tem o direito de divulgar publicamente “informações classificadas” sobre o programa dos EUA e concorda em enviar agentes patogénicos para o Departamento de Defesa dos EUA para investigação biológica. Por seu lado, o Pentágono tem acesso aos segredos de estado ucranianos.

Outro acordo entre Washington e Kiev é a criação do Centro de Ciência e Tecnologia na Ucrânia (STCU), uma organização internacional cujo principal financiador é o governo dos EUA, e que tem estatuto diplomático. O STCU patrocina oficialmente os projectos de cientistas que faziam parte do Programa de Armas Biológicas Soviéticas. Nos últimos 20 anos, o centro concedeu 285 milhões de dólares aos projectos de 1.850 cientistas envolvidos na produção de armas de destruição maciça no passado.

SOBRE AGENTES BIOLÓGICOS EM LABORATÓRIOS UCRANIANOS
Jeffrey Kaye, investigador e autor do encobrimento de Guantánamo, discute num longo artigo o que se sabe até agora sobre os bioagentes e agentes patogénicos encontrados nos biolabs ucranianos, expondo os meios de comunicação ocidentais que tentaram minimizar as revelações russas, argumentando falsamente que os agentes patogénicos encontrados nos laboratórios não são perigosos e não envolvem o desenvolvimento de armas biológicas.

A maioria depende de uma carta aberta de “biólogos, licenciados de universidades russas” enviada à RIA Novosti e a outros meios de comunicação social russos que publicaram a lista de estirpes destruídas no laboratório de Kharkov. Os “cientistas” afirmam que os testes patogénicos são falsos e que o que estava no laboratório era completamente inofensivo. Não há informação sobre as pessoas que assinaram a carta aberta, mas Kaye observa que esta “foi iniciada como uma petição Change.org pelo Dr. Eugene V. Koonin, que se formou na Universidade Estatal de Moscovo e é agora um distinto investigador nos Institutos Nacionais de Saúde [agência governamental dos EUA] no Centro Nacional de Informação Biotecnológica.

No artigo, Kaye examina dados sobre os bioagentes destruídos no Centro Laboratorial Oblast, na cidade ucraniana de Kharkov. “Cinco deles são considerados agentes de bioterrorismo de Categoria B ou doenças pelos Centros de Controlo de Doenças dos EUA, logo abaixo dos agentes patogénicos de Categoria A como o antraz, peste e varíola”, diz ele.

A investigação fornece uma lista dos agentes patogénicos enumerados no artigo da RIA Novosti. Destes, Kaye indica que ou são potencialmente perigosos (marcados com um asterisco) ou pertencem à categoria B de agentes bioterroristas (marcados com dois asteriscos).

**Shigella sonnei: Segundo a Organização Mundial de Saúde, “todas as espécies de Shigella causam diarreia aguda e sangrenta ao invadirem e causarem a destruição irregular do epitélio do cólon” (p. 2). S. sonnei causa uma forma relativamente suave da shigellosis da doença, também conhecida como disenteria bacteriana. Os Shigella são todos altamente infecciosos. Não há vacina para nenhum serotipo de Shigella.

**Shigella flexneria: S. flexneria é a segunda forma mais virulenta de Shigella. Embora a Shigella dysenteriae cause a doença mais grave, uma fonte afirma: “A Shigella flexneria serotipo 2a [é] a espécie e serotipo mais comum que causa disenteria bacilar ou shigellosis nos humanos. As espécies de Shigella são consideradas ameaças de bioterrorismo de Categoria B. Segundo a OMS, S. flexneria “é a principal causa de shigellosis endémica nos países em desenvolvimento” (p. 2). Segundo o manual militar Aspectos Médicos da Guerra Biológica [MABW] (2018, p. 4) , Shigella foi um dos agentes patogénicos que a Unidade 731 do Japão utilizou no seu ataque às cidades chinesas durante a Segunda Guerra Mundial. A mesma fonte afirma que Shigella “causa cerca de 165 milhões de casos [de shigellosis] por ano”, com “25.000 casos de doença por ano nos Estados Unidos” (p. 74).

**Salmonella typhimurium: S. typhimurium foi investigado no [laboratório do Pentágono] Fort Detrick no final da década de 1940 e início da década de 1950. O agente patogénico foi infamemente utilizado pelo culto Rajneesh em vários ataques com agentes biológicos no condado de Wasco, Oregon, no Verão de 1984. Uma série de ataques em Setembro de 1984 a estabelecimentos alimentares em The Dalles “causou 751 casos de enterite e pelo menos 45 hospitalizações” (p. 13, MABW ). Os surtos de salmonela são relativamente comuns nos Estados Unidos, com “1,4 milhões de infecções por salmonela… anualmente nos Estados Unidos, resultando em 15.000 hospitalizações e 400 mortes” (p. 44, MABW). A sua utilização como arma biológica data pelo menos da Segunda Guerra Mundial, quando a Unidade de Guerra Biológica do Japão 731 utilizou S. typhimurium e muitas outras bactérias e vírus para envenenar experimentalmente prisioneiros, bem como “poços contaminados com S. typhimurium ao longo da fronteira russa na Mongólia” (p. 73, MABW). A Salmonella é considerada uma ameaça bioterrorista de categoria B. Há uma estirpe de S. typhimurium a ser investigada como uma vacina contra a peste. Mas este não parece ser o tipo encontrado no laboratório de Kharkov. Além disso, S. typhimurium infecta aves selvagens e “as aves infectadas podem transmitir a infecção aos seres humanos, quer directamente como resultado da manipulação ou, mais comummente, como resultado da exposição a gatos domésticos infectados quando se alimentam de aves doentes e moribundas”, de acordo com um artigo de 2004 em Seminários em Medicina Aviária e de Animais Exóticos.

*Proteus vulgaris: P. vulgaris pode causar doenças em humanos. Existe no tracto intestinal e pode causar infecções graves do tracto urinário. Como os ensaios de anticorpos contra a tularemia podem ser confundidos com os de P. vulgaris, a sua presença no laboratório pode ser relevante para o estudo da tularémia. Embora a tularemia não tenha sido listada pela RIA Novosti, sabe-se pela literatura publicada que laboratórios em Kharkov e outros laboratórios na Ucrânia estavam a realizar investigação sobre a tularemia selvagem. Segundo uma ficha informativa do governo canadiano, Proteus pode também causar outras infecções, tais como septicemia e infecções de feridas.

*IM. coli O55: menos virulento e não tóxico, ao contrário do seu primo mais letal E. coli O157:H7, E. coli O55 ainda pode causar doenças graves. Em 2014 e 2015, houve uma série de pequenos surtos em Dorset, Inglaterra, e algumas crianças foram hospitalizadas. Enquanto a maioria das E. coli são inofensivas, a estirpe O55 é uma das que causam doenças intestinais e outras doenças, incluindo, em casos raros, insuficiência renal. A E. coli é geralmente transmitida através de alimentos ou água contaminados.

*Proteus mirabilis: de acordo com Jules J. Berman, no Taxonomic Guide to Infectious Diseases (2ª edição), 2019, P. mirabilis é a “espécie mais comumente encontrada em infecções causadas por Proteus”. É transmitido por contacto com materiais infectados. P. mirabilis está mais frequentemente associado a infecções do tracto urinário e formação de cálculos renais, mas também pode causar peritonite e, raramente, envenenamento do sangue.

*Klebsiella pneumoniae [pneumoniae]: K. pneumoniae está frequentemente associada a ambientes de cuidados de saúde. Vive nos intestinos e fezes, e pode ser espalhada por contacto pessoal ou por materiais contaminados, tais como um cateter num hospital. Pode causar infecções do tracto urinário; pneumonia; infecções da corrente sanguínea (também chamadas sepsis); infecções de feridas ou sítios cirúrgicos; e meningite. As pessoas saudáveis têm menos probabilidades de contrair infecções, mas se infectadas, o patogénico pode mesmo ser fatal se entrar na corrente sanguínea. Recentemente, Klebsiella multirresistente começou a aparecer em alguns hospitais dos EUA no início dos anos 2000. Um artigo de uma revista médica de 2019 afirmava categoricamente que K. pneumoniae “tem altos níveis de resistência aos antibióticos”. Até agora, este agente patogénico não tem qualquer história conhecida como uma potencial arma biológica. No entanto, uma lista de agentes de armas biológicas numa apresentação Fort Detrick 2003, “Real-time PCR diagnostics to detect and identify potential bioweapons”, enumera Klebsiella pneumoniae, bem como outros agentes patogénicos na lista Kharkov discutidos neste artigo, incluindo Proteus mirabilis, espécies de Corynebacterium, e Shigella flexneri e sonnei. Parece que o Instituto de Investigação Médica do Exército dos EUA de Doenças Infecciosas em Fort Detrick considerou pelo menos o K. pneumoniae como uma arma biológica.

*C. xerosis 12078: O Comité Consultivo do Reino Unido sobre Patogénios Perigosos (ACDP) listou a C. xerosis como um agente patogénico de Categoria 2. “Pode causar doenças humanas e pode ser um perigo para os empregados; é pouco provável que se propague à comunidade e é geralmente disponível uma profilaxia ou tratamento eficaz”. A xerose de C. é encontrada na pele e membranas mucosas humanas. Um artigo de 2016 na BMC Research Notes comenta: “É considerado um agente patogénico invulgar e raramente é encontrado em espécimes clínicos humanos e animais”. Além disso, “tem sido relatada como uma causa rara mas grave de bacteremia, septicemia, pneumonia, artrite séptica, osteomielite vertebral, meningite e, mais frequentemente, endocardite em adultos”. Mais recentemente, houve um relatório de C. xerosis causando abcessos subcutâneos nos ovinos e, portanto, poderia apresentar “um factor de risco zoonótico para a infecção humana nas explorações de ovinos”. Não o vi listado em qualquer pesquisa ou artigos relacionados com armas biológicas.

**Corynebacterium diphtheriae, var gravis: De acordo com o CDC, “a difteria é uma infecção grave causada por estirpes de bactérias chamadas Corynebacterium diphtheriae que produzem toxinas (veneno). Pode causar dificuldades respiratórias, insuficiência cardíaca, paralisia e mesmo morte. O CDC recomenda vacinas para lactentes, crianças, adolescentes e adultos para prevenir a difteria. É um agente de bioterrorismo de categoria B. “Gravis é a forma mais severa de C. diphthereriae”. Foi associado a casos passados de bioterrorismo ou de biocrime (ver link, p. 16). Foi também uma das doenças estudadas pelos cientistas da guerra biológica do Japão Imperial (p. 480). A toxina da difteria tem sido objecto de investigação em Fort Detrick no passado, como atesta este relatório de 1978. Curiosamente, a difteria foi o primeiro caso documentado de uma infecção adquirida em laboratório, em 1898 (ver link, pp. 4-8).

**Corynebacterium diphtheriae, var mitis: C. diphtheriae mitis pode causar uma forma ligeira de doença de difteria.

O relatório de Kaye apenas confirma em pormenor o facto de que estava a ser desenvolvido um programa biológico em solo ucraniano que já tinha prequelas noutras instalações dominadas pelos EUA, e cuja investigação foi militarizada pelo Pentágono para utilização noutros conflitos e contextos favoráveis aos seus interesses belicistas.

Num futuro próximo, o Ministério da Defesa russo irá apresentar novos dados sobre as experiências dos EUA. E a comissão parlamentar russa para investigar as actividades dos laboratórios biológicos na Ucrânia considerará como prioridade o envolvimento das instituições parceiras da Hunter Biden nas mesmas.

A SUCESSÃO DO TERCEIRO REICH ATRAVÉS DOS ESTADOS UNIDOS
Na segunda-feira 28 de Março, o Secretário do Conselho de Segurança russo, Nikolay Patrushev, após reunião com o Director-Geral da Direcção de Segurança Estrangeira e Documentação da Argélia, Major-General Noureddine Mokri, declarou que “neste momento, estamos a concluir o trabalho de recolha da base de provas sobre a actividade militar-biológica dos EUA na Ucrânia. Todo o mundo civilizado acabará por ver que os Estados Unidos se tornaram um sucessor “digno” das tradições do Terceiro Reich, onde foram praticadas experiências desumanas com pessoas”.

Reiterou que “os Estados Unidos e a Ucrânia foram os únicos países do mundo que votaram contra a resolução da Assembleia Geral da ONU sobre o combate à glorificação do nazismo e outras iniciativas semelhantes”.

“Além disso, o desenvolvimento do movimento nacionalista na Ucrânia esteve também sob a coordenação e apoio geral dos Estados Unidos”, salientou Patrushev. Este movimento na Ucrânia “transbordou como resultado de manifestações abertas de ódio em 2014, quando nazis ucranianos reprimiram a população de língua russa na Ucrânia com particular crueldade e cinismo”.

O dossier das bio-armas será um motivo importante na acusação de crimes de guerra e crimes contra a humanidade perpetrados na Ucrânia com o apoio dos EUA, e mesmo com o apoio directo do outro lado do Atlântico. A informação que os russos estão a recolher mal tem sido mostrada nos meios de comunicação social e através de porta-vozes políticos. A cronologia oferecida por Maria Zakharova, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, numa op-ed recentemente publicada, é apenas um instantâneo do envolvimento da família Biden nestas práticas criminosas que abriram uma caixa de Pandora geopolítica sem precedentes.

EUA. Ele vem pressionando governos da região contra o viajante cubano há semanas, denunciam autoridades

Os EUA não cumprem sua obrigação legal de conceder nada menos que 20.000 vistos por ano

Bruno Rodríguez Parrilla, membro do Birô Político e Ministro das Relações Exteriores de Cuba, reiterou sua denúncia na rede social Twitter ao governo dos Estados Unidos por estimular a emigração cubana irregular.

Ele afirmou que os Estados Unidos não cumprem sua obrigação legal de conceder nada menos que 20.000 vistos por ano, impõem o peso do brutal bloqueio econômico e pressionam os governos da região a exigir vistos de trânsito para migrantes e viajantes cubanos.

Ele também assegurou que o lado cubano alertou repetidamente o governo dos EUA sobre sua responsabilidade – que descumpriu unilateral e injustificadamente desde 2017 – de facilitar a emigração regular, segura e ordenada.

“Os Estados Unidos pressionam os governos da região há semanas para que tomem medidas contra os viajantes cubanos, em um esforço cínico para fechar as portas à emigração que estimula há décadas”, acrescentou o chanceler da ilha.

O país do norte, em sua ânsia de usar a população cubana como “refém de sua ambição hegemônica”, viola os direitos humanos de nossos cidadãos e mantém uma política desestabilizadora contra Cuba que viola o Direito Internacional.

Nesta terça-feira, também no Twitter, Ernesto Soberón, diretor-geral de Assuntos Consulares e Residentes Cubanos no Exterior (DACCRE), comentou que o Ministério das Relações Exteriores vem abordando as preocupações dos cidadãos cubanos relacionadas à decisão do governo panamenho de estabelecer a exigência de visto de trânsito aos nossos compatriotas.

O governo cubano continua tomando medidas, em Cuba e no Panamá, com o objetivo de garantir que a implementação da medida mencionada também leve em conta os interesses de nossos cidadãos, acrescentou. Da mesma forma, a ilha elevou a responsabilidade do governo dos EUA pela essência do problema e chamou a atenção para a pressão sobre os governos da região.

O Minrex, em comunicado oficial de 24 de março, lembrou que, devido ao encerramento dos procedimentos de imigração da Embaixada dos Estados Unidos em Cuba, os cidadãos que as autoridades norte-americanas admitem todos os anos são obrigados a viajar para a Guiana para realizar tais procedimentos, sem outorgar garantias e com a consequente despesa e encargo que isso significa para cada potencial migrante.

Esta postura abusiva é produto de um desprezo histórico pelos países da região latino-americana, que pretende utilizar para pressionar Cuba e enfrentar em ano eleitoral o desafio migratório presente em sua fronteira sul, e cujos imigrantes submete, como prática habitual, ao tratamento discriminatório, racista e degradante.

%d bloggers like this: