#Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana

A velha história da #FakeNews contra #Cuba.

Por Arthur González

As Falsas Notícias contra Cuba não começaram com a era da Internet, estão activas há 62 anos.

Em 1959, quando a Revolução Cubana liderada por Fidel Castro triunfou, o governo dos EUA iniciou a sua guerra mediática, com o objectivo de desinformar a opinião pública sobre o que estava a acontecer na ilha e demonizar aqueles que tinham derrubado o ditador Fulgencio Batista, apoiado política e militarmente por Washington.

Confrontado com a avalanche de mentiras, o próprio Castro convocou a imprensa nacional e estrangeira acreditada para desmascarar aqueles que tentaram acusar a Revolução, interessados em criar uma imagem distorcida e semear a rejeição da mesma, especialmente na América Latina.

O primeiro Programa de Acção de Cobertura da CIA, aprovado a 17 de Março de 1960 pelo Presidente Dwight Eisenhower, declara:

“Para que a oposição possa ser ouvida e a base de apoio popular a Castro enfraquecida, é necessário desenvolver os meios de informação ao povo cubano, a fim de iniciar uma poderosa ofensiva de propaganda em nome da oposição declarada”.

“Como principal voz da oposição, propõe-se a criação de uma estação de rádio “cinzenta”, controlada pelos Estados Unidos. Estaria provavelmente localizado na Ilha do Cisne e empregaria equipamento de potência substancial, tanto de banda de alta frequência como de rádio de radiodifusão. A preparação dos guiões (librettos) será feita nos Estados Unidos e transmitida electronicamente para o site da emissão”.

O orçamento aprovado para esta propaganda anti-cubana foi de 700.000 usd para operações e programação de rádio, e 500.000 usd para pagar os artigos na imprensa e outras publicações.

A CIA designou os oficiais David Alteé Phillips, como chefe de propaganda, pela sua experiência no golpe de Estado na Guatemala e Howard Hunt, para dirigir as acções políticas, o seu parceiro nesse evento, que viajou para Havana em Maio de 1960 para avaliar a atitude dos cubanos em relação à Revolução e observar os arredores das estações de rádio e televisão, propondo a sua destruição aquando do seu regresso.

A 17 de Maio desse ano, a Rádio Swan, localizada na ilha das Honduras, foi para o ar e, a 24 de Maio, o Director da CIA Allen Dulles informou o Conselho Nacional de Segurança das acções planeadas, incluindo a abertura de várias estações de rádio no Sul da Florida, que também transmitiriam notícias para Cuba, e a subvenção de jornais cubanos no exílio, que seriam vendidos na América Latina com informações anti-Castro.

A Rádio Cuba Independiente, La voz de Cuba libre e Massachusetts-Base Wrul, começaram as transmissões com mensagens contra-revolucionárias, carregadas de mentiras e deturpações, incluindo as que desencadearam, a 26 de Outubro de 1960, a infame Operação Peter Pan, através da Rádio Swan, que dizia:

“Mãe cubana, a próxima lei governamental será tirar-vos os vossos filhos a partir dos 5 anos de idade e devolvê-los aos 18, transformados em monstros do materialismo. Vá à igreja e siga as directrizes do clero”.

Em 28 de Janeiro de 1961, o Presidente John F. Kennedy autorizou a CIA a continuar as suas acções terroristas contra Cuba e a aumentar a propaganda, segundo um relatório do assistente especial McGeorge Bundy.

Nesse sentido, em 12 de Fevereiro, a chamada Voz da América anunciou uma série de programas contra a Revolução Cubana e o primeiro chamava-se A Anatomia de uma Promessa Quebrada, cujo objectivo era fazer os cubanos acreditar que Fidel Castro não estava a cumprir as suas promessas e estava a enganar o povo, desencadeando uma série de falsas notícias.

No mês seguinte, David Alteé Phillips apresentou um novo plano de propaganda para apoiar a invasão militar em preparação contra Cuba, com a ajuda de Howard Hunt, transferido de Miami para Washington. Entre as medidas levadas a cabo, contam-se: Divulgação da formação do Conselho Revolucionário Cubano, responsável por governar uma Cuba livre sem Castro.

As notícias falsas e distorcidas aumentaram no início de Abril, como prelúdio da invasão. A mais notável foi a expressa por Adlai Stevenson, embaixador dos EUA na ONU, sobre o bombardeamento dos aeroportos cubanos no dia 15 desse mês, assegurando que o evento foi levado a cabo por pilotos desertores cubanos da Força Aérea Revolucionária.

A mentira foi desmascarada pelo embaixador cubano Raul Roa, e Stevenson foi desacreditado perante a Assembleia Geral da ONU, uma vez que a CIA não o alertou para a operação.

A Fake News aumentou de tom antes e durante a invasão da Baía dos Porcos, preparada antecipadamente pela CIA para desinformar o povo cubano, incitar à rebelião em apoio aos mercenários e criar confusão entre os cidadãos.

Entre as mensagens falsas transmitidas pela Rádio Swan estavam:

“Alerta, alerta, vigia atentamente o arco-íris. O peixe vai levantar-se muito em breve, o rapaz está em casa. O peixe está vermelho e não vai demorar muito tempo a levantar-se”.

A 17 de Abril, começou o desembarque mercenário em Playa Giron e Playa Larga. Em nome do suposto Conselho Revolucionário, são transmitidas informações falsas, tais como estas:

“Antes do amanhecer, os patriotas cubanos nas cidades e nas montanhas, começaram a luta para libertar a nossa pátria do governo despótico de Fidel Castro e a libertação da opressão cruel do comunismo internacional”.

“A luta é inspirada pela gloriosa tradição de José Martí. O povo cubano levanta-se contra o tirano opressivo”.

“Os patriotas lutam para completar a tarefa de resgatar a Revolução, cinicamente traídos”.

“Os invasores fazem avanços constantes em todas as frentes em toda a Cuba. “O povo une as forças que lutam contra Fidel Castro”. “Raúl Castro é reportado como tendo cometido suicídio”.

“O tremendo exército de soldados patrióticos aguarda agora para dar o golpe vital para a liberdade da amada pátria”.

“A informação recebida indica que muitos milicianos abandonaram o exército de Castro”.

“Povo de Havana, ajuda os corajosos soldados do exército de libertação e realiza sabotagem contra as centrais eléctricas, acende todas as luzes da tua casa e o equipamento eléctrico, para que a procura cresça e as plantas deixem de poder gerar mais”.

Perante a derrota em apenas 62 horas, a rádio Swan transmite:

“Lamentamos ter de admitir perdas trágicas no stock. A maioria do nosso grupo chegará às Montanhas Escambray para continuar a luta”.

O mundo verificou a mentira ianque e o slogan “Pátria ou Morte” ressoou como um símbolo da soberania dos cubanos.

Nada mudou, eles não aprendem com os seus fracassos e continuam com as suas Falsas Notícias.

Foi por isso que José Martí disse:

“As trincheiras de ideias valem mais do que as trincheiras de pedras”.

Traduzido com a versão gratuita do tradutor – http://www.DeepL.com/Translator

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Estados Unidos, #Fidel, #YoSoyFidel, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, fake news, Cuba, fidel castro, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, Manipulacion, Manipulacion Politica, mentiras construídas em Washington contra Cuba, MIAMI, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Redes sociais, Relações Estados Unidos Cuba, sonhos de Fidel, Subversão contra Cuba, Subversión, Washington | Deixe um comentário

#Cuba: Nota de #Prensa del #MINREX .

Categories: # Cuba, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, A força-tarefa e a guerra na internet contra Cuba, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, Acciones contra Cuba, fake news, BLOQUEIO VS CUBA, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, campanha anti-cubana, joe biden, MINREX, SANCIONES | Deixe um comentário

O que deve ser um jovem comunista.

Por: Ernesto Guevara  Redacción Razones de Cuba

A Liga dos Jovens Comunistas tem de se definir com uma única palavra: vanguarda. Vós, camaradas, deveis ser a vanguarda de todos os movimentos. O primeiro a estar pronto para fazer os sacrifícios que a Revolução exige, qualquer que seja a natureza desses sacrifícios. O primeiro a trabalhar. O primeiro a estudar. O primeiro a defender o país.

Creio que a primeira coisa que deve caracterizar um jovem comunista é a honra que ele sente por ser um jovem comunista. Essa honra que o leva a mostrar perante todo o mundo que é um jovem comunista, que não o torna subterrâneo, que não o reduz a fórmulas, mas que o exprime a cada momento, que sai do seu espírito, que está interessado em mostrá-lo porque é o seu símbolo de orgulho.

Além disso, um grande sentido do dever para com a sociedade que estamos a construir, com os nossos semelhantes e com todos os homens e mulheres do mundo.

Isso é algo que deveria caracterizar o jovem comunista. Além disso, uma grande sensibilidade perante a injustiça; um espírito inconformista sempre que algo está errado, não importa quem o tenha dito. Questionar tudo o que não é compreendido; discutir e pedir esclarecimentos sobre o que não é claro; declarar guerra ao formalismo, a todos os tipos de formalismo. Estar sempre aberto para receber novas experiências, para compor a grande experiência da humanidade, que há anos avança para o caminho do socialismo, para as condições concretas do nosso país, para as realidades que existem em Cuba: e para pensar – cada um e cada um de nós – como mudar a realidade, como melhorá-la.

O jovem comunista deve ter sempre como objectivo ser o primeiro em tudo, lutar para ser o primeiro, e sentir-se incomodado se em algo ocupa outro lugar. Lutar para melhorar, para ser o primeiro. É claro que nem todos podem ser os primeiros, mas ele pode estar entre os primeiros, no grupo de vanguarda. Ser um exemplo vivo, ser o espelho onde os camaradas que não pertencem à juventude comunista podem olhar para si próprios, ser o exemplo onde homens e mulheres mais velhos que perderam um certo entusiasmo juvenil, que perderam a fé na vida e que reagem sempre bem ao estímulo de um exemplo podem olhar para si próprios. Esta é outra tarefa dos jovens comunistas.

Juntamente com isso, um grande espírito de sacrifício, um espírito de sacrifício não só para viagens heróicas, mas para cada momento. Sacrificar-se para ajudar o seu camarada em pequenas tarefas, para que possa fazer o seu trabalho, para que possa cumprir o seu dever na escola, nos seus estudos, para que possa melhorar a si próprio de qualquer forma. Estar sempre atento a toda a massa de pessoas que o rodeiam.

Ou seja: a cada jovem comunista é pedido que seja essencialmente humano, que seja tão humano que se aproxime do melhor do que é humano, que purifique o melhor do homem através do trabalho, do estudo, do exercício da solidariedade contínua.
desenvolver a sua sensibilidade ao ponto de se sentir angustiado quando um homem é assassinado em qualquer parte do mundo e de se sentir entusiasmado quando algures no mundo é hasteada uma nova bandeira da liberdade.

O jovem comunista não pode ser limitado pelas fronteiras de um território: o jovem comunista deve praticar o internacionalismo proletário e senti-lo como se fosse seu. Para recordar, como nós aspirantes a comunistas aqui em Cuba devemos recordar, que somos um exemplo real e palpável para toda a nossa América, e ainda mais para a nossa América, para outros países do mundo que também lutam noutros continentes pela sua liberdade, contra o colonialismo, contra o neocolonialismo, contra o imperialismo, contra todas as formas de opressão dos sistemas injustos; lembrar sempre que somos uma tocha ardente, que somos todos o mesmo espelho que cada um de nós individualmente é para o povo de Cuba, e somos esse espelho para os povos da América, os povos do mundo oprimido que lutam pela sua liberdade, para olhar para dentro. E devemos ser dignos desse exemplo. Em qualquer altura e em qualquer momento devemos ser dignos desse exemplo.

É isso que pensamos que um jovem comunista deve ser. E se nos dizem que somos quase românticos, que somos idealistas inveterados, que pensamos em coisas impossíveis, e que não é possível fazer com que a massa de um povo se torne quase um arquétipo humano, temos de responder, uma e mil vezes, que sim, é possível, que temos razão, que todo o povo pode avançar, que podem liquidar a mesquinhez humana (…); para nos aperfeiçoarmos como todos nós nos aperfeiçoamos dia após dia, liquidando intransigentemente todos aqueles que ficam para trás, que não são capazes de marchar ao ritmo que a Revolução Cubana está a marchar .

Categories: # América Latina, # Cuba, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #CubaCoopera, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #Estados Unidos, A Força-Tarefa da Internet para Cuba do Departamento de Estado, A força-tarefa e a guerra na internet contra Cuba, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contra-revolução cubana, ernesto che guevara, Fidel, el ejemplo imperecedero de Maceo y Che,, HEROES Y MARTIRES, Revolução Cubana sobrevive a todas as agressões, Revolução Cubana, | Deixe um comentário

#Cuba – #Vacinas contra o #COVID19 Novo dilema?

Categories: #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #colaboracion medica cubana, #Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #Estados Unidos, #salud, China, CIENCIA, Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Prensa Capitalista, Profesionales e la Salud, RUSIA, Vacinação | Deixe um comentário

Muito sério! #Otaola compara os opositores em #Cuba a uma vaca.#GuerreroCubano

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contra-revolução cubana, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, Redes sociais | Deixe um comentário

#Cuba, #Biden e o idílio .

Por Redacción Razones de Cuba

Como é habitual na “democracia” liberal, após a contagem dos últimos votos, a campanha eleitoral e o que nela foi dito fica para trás. Embora nos seus comícios e entrevistas Biden tenha prometido relutantemente uma mudança de política em relação a Cuba e o regresso dos avanços de Barack Obama, a verdade é que, em relação a Cuba, o que realmente conta é a situação, os interesses políticos e os cálculos de governabilidade, especialmente no Congresso, ao que se junta a amargura histórica de ambos os partidos pela rebelião da ilha.

Quando as cortinas da era Trump começaram a fechar-se, os obstáculos que a direita mais reaccionária dos Estados Unidos estava a começar a interpor-se para impedir Washington de se virar para Havana já estavam à vista.

Todos nos Estados Unidos estavam cientes da firmeza de Cuba na defesa da sua soberania, e tudo o que restava era fabricar novos pretextos para, pelo menos, atrasar qualquer decisão de Biden relativamente às medidas criminosas de asfixia económica implementadas por Donald Trump contra o povo cubano.

Biden y Cuba

As acções foram concebidas em torno de dois eixos fundamentais: os direitos humanos e o terrorismo, temas profusamente de blockbuster na rede de meios de comunicação social articulados contra a ilha durante mais de 60 anos.

Em Havana, mesmo no meio da devastação causada pelos efeitos do bloqueio e da pandemia da COVID, num contexto também marcado pelos esforços de todo o país das Caraíbas para salvar vidas, não só cubanas mas de todo o mundo, grupos subversivos desenvolveram um espectáculo mediático para afectar a imagem do país e das suas instituições e “mostrar” ao mundo a “intolerância” do governo presidido por Miguel Díaz-Canel.

O esquálido grupo de San Isidro, constituído por elementos criminosos financiados pelo erário público norte-americano, criou as condições para a intervenção das autoridades cubanas, facto que foi demonstrado ao mundo como uma acção de alegada repressão. A verdade é que nem uma única pessoa foi torturada, nem uma única pessoa desapareceu, nem sequer uma delas foi julgada pelas suas acções mercenárias, provocatórias e ilegais.

Esta exposição foi a razão pela qual, através das redes sociais e seguindo os contornos mais básicos dos manuais de golpe suave, se tentou uma “demonstração”, que não foi além de algumas centenas de jovens e não tão jovens, em frente ao Ministério da Cultura de Cuba, “exigindo” mais facilidades para os “artistas”. O que pouco foi dito é que Cuba foi provavelmente o país da região que mais fez pela cultura do seu povo e que entre os promotores dessa segunda encenação anti-governamental e pró-EUA se encontravam funcionários reconhecidos das estruturas norte-americanas dedicadas ao financiamento da subversão na ilha, que chegaram ao ponto de apelar a uma intervenção armada contra o seu próprio povo.

Tudo para dar curso ao guião pré-estabelecido, destinado a alimentar o falso mito da violação dos direitos humanos em Cuba, um país do terceiro mundo onde os direitos fundamentais da população são mais respeitados e venerados.

O segundo eixo da campanha, o terrorismo, veio da mão do principal aliado dos EUA na América Latina: a Colômbia.

Após décadas de esforços de Cuba na busca da paz naquele país sul-americano, esforços reconhecidos pela ONU, União Europeia, Rússia, China e o resto dos países da região, o governo colombiano bateu a porta à ajuda da diplomacia da Índia Ocidental ao exigir a extradição da delegação de paz da guerrilha ELN, destacada em Cuba, sede das negociações, a pedido do governo que antecedeu o actual presidente colombiano, Ivan Duque.

O pedido invulgar e ilegal do presidente colombiano foi um dos argumentos “mais fortes” utilizados por Trump para devolver Cuba à lista de países que supostamente não colaboram na luta contra o terrorismo, o que implica consequências económicas e políticas adicionais para o povo cubano.

Face a estes factos consumados, todos milimetricamente construídos e com o apoio dos meios de comunicação social, a porta-voz da Casa Branca anunciou recentemente que uma mudança na política em relação à ilha não se encontra entre as prioridades da administração Biden.

Sem dúvida, Washington está a observar cuidadosamente a possibilidade de uma explosão social em Cuba no meio das duras limitações económicas e financeiras; e não querem deixar cair esta oportunidade de ver a ilha rebelde e digna. Em suma, Obama decidiu tomar as poucas medidas que tomou em relação a Cuba no último ano do seu segundo mandato, mas sem fazer uma única concessão.

A intenção de “democratizar” Cuba, que nada mais é do que destruir o mais belo e mais humano projecto socialista alternativo jamais construído no mundo, tem sido um anseio dos falcões democratas e republicanos, uma vez que era também um anseio da administração Obama, da qual Biden foi o seu vice-presidente.

Ao mesmo tempo, ouvem-se vozes que, como aconteceu nos anos 90 do século passado, exigem concessões de Cuba para aliviar o bloqueio e as medidas criminosas que dificultam a vida quotidiana dos cubanos, uma posição injusta, uma vez que a ilha é a atacada, a mesma ilha que, como nenhum outro país, estendeu a mão ao mundo durante os momentos mais duros da pandemia da COVID.

A guerra económica dos EUA contra Cuba tem de parar porque é criminosa e anacrónica e porque é eticamente insustentável. Esperemos que Biden, que acaba de autorizar um bombardeamento contra o povo sírio e adopta a mesma política que Trump em relação ao Irão, seja suficientemente honrado para pôr fim a este e outros crimes cometidos por sucessivas administrações do seu país. Entretanto, aqueles que acreditavam no idílio, terão de começar a abrir novamente os olhos e apostar na luta e resistência contra o império.

Extraído de La Pupila Insomne

Categories: # Cuba, #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #salud, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, fake news, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, joe biden, mentiras construídas em Washington contra Cuba, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Profesionales e la Salud, SANCIONES, Washington | Deixe um comentário

A continuidade cria raízes nos quadros do Partido.

Por Redacción Razones de Cuba

A obra emancipadora da Revolução Cubana sempre contou, em todas as suas fases, com mãos jovens para a sustentar e continuar, temperadas a cada circunstância histórica, mas sem se afastar um iota das essências, do que é genuíno e inabalável.

Foram os jovens, para citar apenas um exemplo, os da Geração Centenária, que acenderam a chama da Revolução triunfante de 1959. Foram os iniciadores, com Fidel na linha da frente, do que foi feito nestes 62 anos.

Assim, identificar, com responsabilidade, as forças que continuam, dando-lhes um rosto e um nome, ou o que é o mesmo, levando a cabo um processo de renovação gradual e ordenada dos quadros, especialmente do Partido Comunista de Cuba (PCC), recebeu uma atenção permanente durante o processo revolucionário, aumentado após a celebração, em 2012, da Primeira Conferência Nacional da organização política.

Entre os objectivos aprovados nesse evento, e que foram ratificados no 7º conclave do partido, estava precisamente o de renovar os quadros nas suas posições, uma tarefa transcendente e, ao mesmo tempo, natural.

Coerentemente, e como expressão exacta da sensibilidade e estratégia do processo, nos relatórios centrais apresentados ao 6º e 7º Congressos, o General do Exército Raúl Castro Ruz, Primeiro Secretário do Comité Central do Partido, alertou para os efeitos negativos da improvisação, bem como para a falta de previsão e de sistematização. Insistiu também na necessidade de preparar camaradas capazes de continuar o trabalho da Revolução e de assumir as principais posições da nação.

A existência, sem dúvida, de um potencial de mulheres e homens, incluindo jovens, com perspectivas de desenvolvimento e empenho no cumprimento de diferentes tarefas, tornou possível avançar neste esforço, em cuja realização a capacidade do Partido para enfrentar e superar desafios também foi decisiva.

Mas a construção da continuidade continua a ser um exercício diário, empreendido, apesar das suas complexidades, com confiança no futuro, porque, como disse o Comandante-Chefe Fidel Castro Ruz, na sua qualidade de Primeiro Secretário do Comité Central do PCC, durante a cerimónia de encerramento do 5º Congresso: O Partido não pode dar-se ao luxo de um dia ter a sua liderança falhada, porque o preço seria impagável.
Que o seguimento comece na base

A evolução da Revolução Cubana, e as condições complexas em que se está a desenvolver, permitem-nos prever, como já foi dito em outras ocasiões, um cenário ainda mais complexo e desafiante para os próximos anos.

Contudo, tendo contado com a presença activa, a liderança e o exemplo de lealdade e consagração da geração histórica nesta fase de transição, abriu o caminho.

A ratificação, durante o 7º Congresso, dos limites de permanência nos cargos por tempo e idade, e o estabelecimento de um vínculo laboral prévio, não inferior a cinco anos, como requisito para ser promovido a um quadro profissional do Partido, também lançou as bases para garantir o rejuvenescimento essencial da militância em cargos decisivos.

Também tem sido uma prioridade que os promovidos sejam caracterizados pela sua modéstia, simplicidade, humildade, empenho, lealdade à Revolução, sem vestígios de elitismo, ambição, auto-suficiência ou vanglória.

Com estas premissas como bússola, a direcção do Partido realiza uma avaliação sistemática do processo de renovação, que inclui visitas a todas as províncias do país, intercâmbios com os primeiros secretários, análise das projecções dos movimentos a realizar a curto e médio prazo, bem como a identificação dos camaradas que, devido às suas qualidades e desempenho, podem ocupar responsabilidades mais elevadas.

Os procedimentos de trabalho incluem também reuniões com as lideranças nacionais da Liga Comunista Jovem (YCL) e as organizações de massas, actividades que são constantemente monitorizadas.

A utilização destes e de outros mecanismos de controlo sistemático, bem como a implementação das medidas de renovação aprovadas, tornaram possível a realização de progressos neste importante domínio, e as estatísticas confirmam-no.

Actualmente, quase todos os líderes profissionais do Partido a nível municipal e provincial nasceram após o triunfo da Revolução. Portanto, a idade média de todos os quadros da organização política, hoje com 42,5 anos de idade, mostra uma tendência decrescente. Há 1.501 com menos de 40 anos de idade.

Outra linha de trabalho tem sido a aplicação de rotação selectiva destes camaradas através de diferentes responsabilidades partidárias, administrativas e governamentais, como complemento à sua formação abrangente. Além disso, 76,5% destes funcionários estão nos seus postos há menos de cinco anos, e apenas 6,9% estão nos seus postos há mais de 10 anos, concentrados a nível nacional.

A procura de uma composição por cor de pele, sexo e idade, de acordo com as características da sociedade cubana de hoje, é também uma prioridade. A este respeito, 54,2% dos quadros do partido são mulheres e 47,7% são negras e mulatas. Além disso, existem 75 primeiros secretários de comités municipais e distritais, ou seja, 42%.

Foi também estabelecido que todos os camaradas promovidos recebem formação, como fazem quando passam para responsabilidades mais elevadas dentro da organização.

Como resultado, aqueles que têm o potencial para ocupar posições de topo recebem formação em cursos com diploma ou certas especialidades.

Actualmente, 81% dos quadros do partido têm um diploma universitário, enquanto outros tiram partido das capacidades existentes nas escolas provinciais para o diploma universitário em Ciências Sociais.

Outro aspecto de interesse tem sido a contribuição crescente da UJC para o trabalho profissional no Partido, que permitiu a promoção de 470 camaradas nos últimos cinco anos. Em termos gerais, 23,5% dos quadros profissionais provêm da organização política juvenil e vários deles passaram para responsabilidades mais elevadas.

O facto de 47,6% dos funcionários que deixaram o Partido nos últimos cinco anos terem passado para posições de liderança no Estado, no governo e nas organizações de massas a diferentes níveis é também um resultado encorajador.

Na transição de uma geração histórica para outra, capaz de liderar o destino do país, há uma grande responsabilidade e, ao mesmo tempo, confiança, porque a continuidade se enraizou em tudo o que foi alcançado desde 1868 e sabe-se que será salvaguardado.

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #SomosContinuidad, CINCO HEROES, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, HISTORIA DE CUBA | Deixe um comentário

Martí e Mella: duas vidas ligadas num heroísmo exemplar .

Redacción Razones de Cuba Por: Yusuam Palacios Ortega

Há quanto tempo o conhecia, como descobriu o misticismo que o acompanhava, em que momento se declarou seu discípulo? Assim, sereno e ao mesmo tempo impetuoso, Apolo sentou-se ao lado do anjo que tinha de decifrar; o homem cujo espírito paradigmático voou sobre o presente convulsivo da década em que foi resgatado do pó e da epiderme, no século XX; aquele que tinha sido chamado Apóstolo. A vida intensa e curta de Júlio Antonio Mella leva-nos pela mão através da espiritualidade e do sacrifício desolador, aquele que o fez permanecer firme na defesa do ideal revolucionário, de uma existência plena de virtude, do nosso José Martí.

E o facto é que Julio Antonio era simplesmente um Martiano, ele compreendeu que viver à maneira marciana era um desafio e aceitou-o. Essa foi a sua escolha, a de um jovem marcado por uma força natural ainda hoje indescritível, a de um estudante universitário que, nos seus momentos de filosofia, meditou sobre como seria ser como Martí e pensou, por sua vez, sobre como lhe dar vida para além da sua inexistência física. Mella era um Martiano, poucos eram ou são tão numerosos como ele. Foi um dos primeiros a descobrir a utilidade da marcianidade e, como um tesouro valioso, fez uso dela para criar a sua bela e autêntica obra.

A sua autenticidade dotou-o de qualidades excepcionais; tal é a vida de Mella, agitado porque o tempo que pensava ter sido curto, e autêntico, porque a sua presença era genuína e a sua condição humana foi provada com um selo distintivo: o do Anjo Rebelde. De Martí herdou aquela natureza humana que o elevou, em poucos anos, a uma categoria superior de homem na terra; o novo homem, aquele que Che Guevara nos convidou a ser algum tempo mais tarde, aquele das forças morais como aprendemos com José Ingenieros, o paradigma de tantas gerações de jovens que nos sentimos muito próximos dele por causa do seu carácter, inteligência e espírito criativo.

Quanto de Martí existe em Mella? Todo um personagem baseado na ética, a questão moral que governou o seu comportamento, a decência do bom cidadão, que assume uma conduta moralmente superior numa sociedade que teve de ser transformada, que exigiu uma revolução em si mesma. E esse é o carácter revolucionário de ambos. Mella lançou as bases, a partir das raízes profundas de Marti, da revolução socialista em Cuba, fundador do marxismo latino-americano, original, inimigo dos cânones hackneyed, de um dogmatismo que nos era estranho na terra da nossa América.

Pensar por si próprio, ter critérios e defendê-los, une-os invariavelmente. Foi a Mella que nos pediu para sermos seres pensantes e não liderados. O ensaio A Nossa América foi para este jovem uma revelação, o quanto ele teria lido as palavras medulares: “(…) Os jovens da América puseram a camisa no cotovelo, afundaram as mãos na massa, e levantaram-na com o fermento do seu suor. Compreendem que imitam demasiado, e que a salvação reside na criação. Criar é a palavra desta geração. O vinho, da banana; e se sai azedo, é o nosso vinho”[1][1

Mella, Martí e Villena.

Mella tinha um pensamento dialéctico e, como Martí, militava pela justiça social. Como jovem cubano e da nossa América, sentiu as entranhas dos Caliban, e ficou ao lado dos pobres da terra. Tal como Martí, ele fez essa escolha, por isso ansiava pela verdadeira independência da Pátria, por isso lutou a partir da sua colina universitária, fundou o primeiro Partido Comunista de Cuba, a Liga Anti-Imperialista das Américas, a Universidade Popular José Martí e a heróica Federação de Estudantes Universitários. Mella foi um fundador, aprendeu-o com Martí, no calor das ideias, daquele viveiro de ideias que forja os revolucionários e os define como um artista que esculpe a escultura da dignidade.

Trabalhar com as suas próprias mãos e respeitar os direitos dos outros foram características que Mella descobriu na vida extraordinária de Martí; o nosso Anjo Rebelde foi às profundezas do Mestre, não permaneceu na epiderme, não foi superficial ou repetitivo. Mella partiu para descobrir Martí e era sua intenção ajudar o herói de Dos Ríos a ser verdadeiramente conhecido entre os cubanos. Com as suas palavras precisas e de acordo com as exigências da época histórica, escreveu aquelas notas que não ficaram nas páginas de um caderno, mas no pensamento e acção de gerações sucessivas até hoje. São os seus glosas ao pensamento de Martí, uma interpretação profunda que Mella fez de Martí, não terminada porque nos deixou um imenso desafio: continuar a decifrar o mistério do programa ultra-democrático do Partido Revolucionário Cubano criado por Martí.

Mella estava convencido da necessidade de escrever um livro sobre José Martí, e ele queria fazê-lo, mas não conseguiu; as suas palavras mostram quanto de Martí existe em Mella:

"Há muito tempo que tenho em mente um livro sobre José Martí, um livro que eu desejaria publicar. Posso dizer que este livro já está na minha memória. Pensei tanto nele, adorei-o tanto, que me parece ser como um livro antigo que li quando era adolescente. Duas coisas impediram que o sonho se tornasse realidade. Primeiro: a falta de tempo para as coisas de pensamento. Vivemos numa época que nos faz considerar que todo o tempo é curto para FAZER (...) Segunda razão: tenho medo de não fazer o que a memória do Apóstolo e a necessidade impõem. Longe de qualquer patriotismo, quando falo de José Martí, sinto a mesma emoção, o mesmo medo, que se sente perante coisas sobrenaturais..."[2] [2].

E esse acto contínuo de decifrar o mistério do programa ultra-democrático do Partido Revolucionário Cubano faz-nos pensar na consciência original e autêntica que forjámos desde os momentos fundadores da nossa nacionalidade. É o espírito cubano de resistência e ética. A justiça como o sol do mundo moral e uma cultura moralmente superior ao capitalismo, ligada ao pensamento e às ideias marxistas de Marti. Julio Antonio Mella é o filho desta tradição e o portador de uma visão do mundo capaz de unir, para o bem de Cuba, o pensamento de Marti e as ideias do socialismo. Mella revisitou o pensamento de Marti e assimilou-o criticamente, a partir de uma abordagem marxista.

As vidas de José Martí e Julio Antonio Mella estão ligadas por laços perpétuos e invisíveis. Desde muito cedo se opuseram à exploração, sentiram a injustiça cometida contra outros como se fosse contra eles, sofreram os horrores da prisão, partilharam a dor infinita, a mais desoladora, a mais terrível. Nas diferentes circunstâncias históricas em que cada um deles viveu, estavam unidos pela luta pelo bem da pátria, para eliminar o estado deplorável da sociedade cubana, para pensar num futuro para Cuba, livre de opróbrio e humilhação. Mella identificou-se com o nosso Martí, foi ao seu encontro épico como um filho que segue os passos do seu pai, que quer conhecê-lo e perguntar-lhe tantas coisas que precisa de saber para se melhorar desde a criação. Ele sabia que estaria em perigo se escolhesse percorrer os caminhos de Martí, mas correu o risco e superou-o. Desvendou o espírito de Martí e tornou-o parte da sua vida e obra; era como os Martí dos anos 20. O Apóstolo já não estava esquecido ou morto. Pudemos encontrá-lo em Mella e numa geração que despertou os adormecidos e que deu o sábio de Martí àquela outra geração que no ano do seu centenário tocou o céu da liberdade.

Tirada de CubaDebate

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Martí, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, HEROES Y MARTIRES, História de Cuba, #Julio Antonio Mella, HISTORIA DE CUBA, Jose Marti | Deixe um comentário

#Yotuel e #Alexander, parem de consumir e vejam a realidade daqueles que são vítimas da dor e do terror.#GuerreroCubano

Categories: #Bob Menéndez e #Marco Rubio, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Marco Rubio e #Bob Menendez ., Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Marco Rubio, Mario Díaz-Balart, Relaciones bilaterales., Cuba, fake news, Manipulacion Politica, MIAMI, Politica agressiva contra Cuba, Politica Exterior, Redes sociais | Deixe um comentário

“Agradeço à ABC por divulgar que existem 50 associações da emigração cubana com a Revolução”.

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, ações subversivas, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Cuba, fake news, España, ESPANA, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Injerencia De EEUU, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: