#Biden ficará na História como o Grande Cobarde que é: Re-assinou o TWEA sobre #Cuba .

#Cuba #EstadosUnidos #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #ElBloqueoEsReal #PatriaOMuerte

A 7 de Setembro de 2021, a Casa Branca informou o Secretário de Estado, num Memorando assinado por Joe Biden, da Continuação do Exercício de Certos Poderes ao abrigo da Lei do Comércio com o Inimigo, ou TWEA. Explica que a sua continuação por 1 ano é do “interesse nacional dos Estados Unidos”.

LIE, Joe. Mente através dos dentes, como 11 dos seus antecessores fizeram. Desafio-vos a citar apenas um argumento que prova que a vossa infâmia contínua em relação a Cuba e que a reinvenção dessa Lei BENEFICIA o povo americano: aqueles a quem vendem democracia e liberdade, mas que os impedem de negociar com essa nação irmã e os impedem de viajar livremente como a Constituição que os Pais Fundadores redigiram com homens de decência e coragem em mente, é suposto estabelecer.

Biden Pasará a la Historia Como el Gran Cobarde Que es: Volvió a Firmar la TWEA Respecto a Cuba

Não é do “interesse nacional” dos EUA, mas do interesse exclusivo da ultra-direita cubana, aqueles que não votaram em si, que nunca votarão em si ou em qualquer candidato ou política democrática, que saem à rua com cartazes a dizer “Fuc@ Biden” e “Trump é o meu Presidente”, mas o UM VOCÊ É FEITO, aquele que lhe falta as calças para enfrentar, e que prefere espezinhar as esperanças e a vontade dos cubanos, anglo-americanos e amigos hispânicos de Cuba, que votámos em si e que agora iremos PARA O IMPOSSÍVEL, para que não receba MAIS UM VOTO de nós ou dos nossos amigos.

É bom, e garanto-vos que faremos com que a grande massa democrata dos Estados Unidos saiba como se vende a uma minoria republicana e trompetista que colocou todos os seus esforços, o seu poder económico e o seu capital político na infame tarefa de entregar um povo digno e corajoso, que deu amor e solidariedade a tantos povos do mundo, através da fome e da falta de medicamentos.

É bom que saibam que preferem pôr em risco o apoio E VOTAÇÃO de milhares, centenas de milhares, ou talvez milhões – se a nossa voz for tão longe como planeamos – de democratas, liberais, progressistas e pessoas de boa vontade apenas para jogar o jogo daqueles que não são apenas inimigos do povo cubano, mas de tudo o que representa ou cheira a PROGRESSO nos Estados Unidos.

O Bloqueio Cubano MATARIA, Joe. Há crianças inocentes e pessoas idosas sem medicamentos e alimentos suficientes. Se mata, – e mata muitos – então estamos na presença de um MURDERFUL BLOCKADE, pelo qual está a ser cometido um MURDER, e um MURDER maciço. Vamos chamar as coisas pelos seus nomes, Joe. E mesmo que não se preocupem muito com o destino de Cuba, recomendo que comecem a preocupar-se com aquilo a que nós americanos chamamos os COLLICANOS do assassinato. E como a História os julga!

Não faremos mais REQUISITOS: não os ouvimos. Não faremos mais apelos à sua TUDO, ou à sua FÉ CATÓLICA, porque é claro para nós que é pura hipocrisia, ainda mais barata que a de Trump, porque pelo menos ele é mais sincero na execução do seu MAL e na divulgação do seu POISONO.

Não apelaremos mais a si. Mas APELAMOS à OPINIÃO PÚBLICA Americana, ao CONGRESSO ESTRANGEIROS, ao Conselho de Segurança da ONU e ao VATICANO através do Papa Francisco com DUAS exigências: que nos ajudem a remover o Bloqueio a Cuba, e que o excomunguem dos HEAVENS que cada um deles representa e defende.

Somos um povo cheio de AMOR, pronto a construir BRIDGES com esse ingrediente mágico…, mas o MELHOR de todos nós avisou há mais de um século, que o amor pela Pátria, além do amor, é também “ódio invencível por aqueles que a oprimem” e “rancor eterno por aqueles que a atacam”.

Foi mal aconselhado, esperemos que outros sejam melhor aconselhados. Não quis compreender, mas talvez compreendam o extraordinário significado humano, o valor histórico e o potencial mobilizador deste slogan que foi outrora o património exclusivo de Cuba, mas hoje atravessa fronteiras e já é multiplicado e repetido por muitos na América Latina, na Europa e nos próprios Estados Unidos.

Um slogan que, na situação actual, está muito acima de qualquer adesão ou preferência ideológica ou partidária pelo “socialismo” ou “capitalismo”:

PATRIOTO ou MORTE, Joe, PATRIOTO OU MORTE.

Uma que deixou de ser um baluarte exclusivamente revolucionário para se tornar um grito tremendo de soberania e justiça. É por isso que, perante a sua cobardia e a sua infame actuação de ontem, milhões de pessoas gritam:

PATRIOTO ou MORTE, Joe, PATRIOTO OU MORTE!

Perante aqueles que sonham iludidamente poder subjugar um povo cujo único pecado tem sido não curvar a cabeça ou beijar a bota imperial, milhões gritam: “PATRIA o MUERTE, Joe, PATRIA O MUERTE”:

PATRIOTO OU MORTE, Joe, PATRIOTO OU MORTE

Perante aqueles que mentem, manipulam informações, distorcem números, factos e circunstâncias… Perante aqueles que pedem mais bloqueio, mais fome ou invasão; e mesmo perante os cobardes, os indecisos ou os “moderados” que continuam a chamar “irmãos” àqueles que querem mudar com bombas imperiais o que não tiveram a decência de mudar com a sua coragem, milhões gritam:

PATRIOTO ou MORTE, Joe, PATRIOTO OU MORTE.

E se, numa exibição franca da utopia do impossível, alguém conseguir apagar do mapa aquela Ilha Bonita, e limpar do planeta aqueles de nós que a amamos bem, milhões de fragmentos de cinza e pó erguer-se-ão em avanço destemido, e continuarão a proclamar, da ilustre humanidade dos tempos:

PATRIOTO ou MORTE

Um ‘furacão de ultra-direita’? Como um partido espanhol pretende combater a esquerda na América Latina (e enfrentar o Fórum de São Paulo)

#AmericaLatina #CELAC #GrupoDeLima #EstadosUnidos #DonaldTrump #ManipulacionPolitica

O avanço da esquerda na América Latina preocupa a extrema direita espanhola. Ou pelo menos é isso que parece estar por detrás do anúncio feito pelo líder do partido Vox, Santiago Abascal, que anunciou que esta formação política irá criar uma instituição internacional para combater a “deriva comunista”.

“Estamos fundamentalmente a estabelecer relações para criar um fórum organizado para nos opormos ao que tem sido o fórum de São Paulo e o Grupo Puebla”, disse Abascal numa conferência de imprensa na segunda-feira.

Embora não tenha dado mais pormenores sobre a forma como a instituição irá funcionar, deixou claro que é “uma estrutura internacional” que irá funcionar “como uma autêntica oposição em defesa das liberdades e da democracia”, no que Vox chama “a Iberosfera”.

O político salientou que a intenção é ir além de uma declaração de intenções: nem uma carta nem um manifesto. O objectivo, segundo Abascal, é formar um fórum que reúna visões que se opõem à alegada “deriva comunista” na região.

Iberosfera?
Não é a primeira vez que este tipo de iniciativa internacional é lançada pelo partido espanhol de extrema-direita, que este ano lançou uma série de bolsas de estudo destinadas a jovens líderes através da fundação Disenso, liderada pela Abascal, para “formar futuros líderes na esfera pública e social que estejam dispostos a defender a Liberdade em ambos os lados do Atlântico”.

Contudo, a inegável mudança do tabuleiro de xadrez político na América Latina encorajou o partido de extrema-direita a colocar o pé no acelerador. A recente vitória do esquerdista Pedro Castillo no Peru; o reforço das lideranças de Andrés Manuel López Obrador e Alberto Fernández no México e na Argentina; e o ressurgimento de iniciativas de integração como a Comunidade dos Estados Americanos e das Caraíbas (Celac), juntamente com o enfraquecimento de fóruns como o Grupo Lima (nascido no seio da Organização dos Estados Americanos), são sinais de que a Vox encara com preocupação.

De facto, no final do ano passado, o partido de Abascal promoveu a assinatura da Carta de Madrid, um documento assinado por líderes da direita espanhola e latino-americana que, entre outros pontos, advertia que a região era supostamente “sequestrada por regimes totalitários de inspiração comunista”, que “infiltram-se nos centros do poder” através de iniciativas “como o Fórum de São Paulo e o Grupo Puebla” para impor a sua “agenda ideológica”.

Nesta carta, os signatários propõem “trabalhar em conjunto na defesa” dos seus valores e princípios, por outras palavras: a promoção de políticas anti-imigrantes, anti-feministas, homofóbicas e ultra-conservadoras. O objectivo? Para combater a esquerda na América Latina e rotulá-la como uma “ameaça”.

A lista de políticos que assinaram o documento incluía o ex-ministro de facto boliviano Arturo Murillo, actualmente preso nos EUA por corrupção; o ex-prefeito metropolitano de Caracas e fugitivo da justiça venezuelana, Antonio Ledezma; bem como líderes de direita em países como o Peru, Argentina, Equador, Paraguai, El Salvador, Chile, Brasil, Costa Rica, México, Espanha, Estados Unidos e Colômbia.

Quase um ano após a Carta de Madrid, o anúncio da Abascal mostra que a declaração de intenções já se transformou em acções concretas. Uma delas seria esta nova estrutura internacional destinada à ‘Iberosfera’, como Vox chama aos países “que partilham um património cultural profundamente enraizado”, que inclui os EUA e o Canadá.

É provável que o ambicioso projecto tenha amplo apoio financeiro, a julgar pelas recentes revelações sobre a ascensão do Partido Verde, cuja ascensão foi promovida com um financiamento suculento de “grandes fortunas”, de acordo com a fuga de mais de 17.000 documentos internos e confidenciais de organizações espanholas ultra-católicas reveladas pelo Wikileaks.

Regressão democrática?
No mesmo dia que o anúncio sem convicção do líder da Vox, foi publicado um artigo no website da Fundação Disenso, que afirma que “a erosão democrática é mais palpável em nações governadas por uma ala de esquerda semelhante ao Fórum de São Paulo”.

A lista de nações ‘demonizadas’ pelo autor do artigo é encabeçada, como habitualmente, pela Venezuela, Bolívia e Nicarágua, embora com a inclusão do México em quinto lugar, depois das Honduras. A conclusão não é gratuita, uma vez que Caracas foi acusada de trazer o “furacão bolivariano” para a região, através do fórum de São Paulo, e o presidente mexicano foi responsável pela revitalização do Grupo Puebla, juntamente com o presidente da Argentina, ao mesmo tempo que o declínio do Grupo Lima.

Para a ultra-direita, estes movimentos, que promovem a união regional e tendem para a esquerda mais progressista, causam “grandes danos institucionais às democracias latino-americanas” e são supostamente dirigidos a partir de Cuba para que o espectro do “comunismo” afugente os sistemas políticos “liberais”.

“Se as forças do Fórum ganharem terreno, uma transição para o autoritarismo parece inevitável”, afirma o autor do texto. A aposta de Vox é evitar que isto aconteça e impedir que a mudança na região se aproxime do Brasil de Jair Bolsonaro ou dos EUA expulsos de Donald Trump, desencadeando uma tempestade ideológica inversa na América Latina que iria confrontar o Fórum de São Paulo numa espécie de ‘furacão de ultra-direita’.

#Cuba reconhece acções a nível mundial para exigir o fim do bloqueio dos #EstadosUnidos.

#CubaSalva #EEUUBloquea #ElBloqueoEsReal #PuentesDeAmor #EstadosUnidos #JoeBiden #Sanciones #DonaldTrumpCulpable #Asia #Oceanía #África #América #Europa.

Autor: Granma | internet@granma.cu

O Presidente da República de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, elogiou as mais de 21.000 assinaturas que apelam à administração de Joe Biden para pôr fim ao bloqueio dos EUA contra a maior das Antilhas.

Através da sua conta oficial no Twitter, o chefe de estado destacou o apoio a esta iniciativa do projecto Pontes de Amor nos Estados Unidos, promovido por cubanos que vivem no estrangeiro.

bloqueo

A carta aberta a Biden, para além de exigir o fim do bloqueio comercial e financeiro imposto à ilha durante mais de 60 anos, solicita a reabertura da embaixada de Washington em Havana e a restauração do programa de reunificação familiar, suspenso pelo antigo Presidente Donald Trump desde 2017.

Defende também o estabelecimento de “políticas compassivas e humanas” em relação a Cuba, autorizando remessas ilimitadas e encorajando as relações financeiras e comerciais, entre outras propostas.

Por outro lado, o canal YouTube Europa para Cuba confirmou a 21 de Março que o seu apelo à solidariedade com a ilha terá lugar a 27 e 28 de Março em cerca de 40 nações em todo o mundo, exigindo o fim do cerco económico dos EUA.

Os dias de solidariedade serão alargados a toda a Ásia, Oceânia, África, América e Europa.

O bloqueio é o maior obstáculo ao desenvolvimento de Cuba e uma violação dos direitos humanos. Os prejuízos acumulados em seis décadas ascendem a 144,413 milhões de dólares, e entre Abril de 2019 e Março de 2020, a acção causou prejuízos da ordem dos 5,570 milhões de dólares, um valor recorde durante um ano.

Traduzido com a versão gratuita do tradutor – http://www.DeepL.com/Translator

#BobMenéndez exige que #Biden coloque condições políticas em #Cuba.

#Cuba #RevolucionCubana #PuentesDeAmor #ElBloqueoEsReal #EstadosUnidos #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #Congreso #Capitolio #DonaldTrumpCulpable #FakeNewsVsCuba #Cuba SeRespeta #PatriaOMuerte #CubaNoEsMiami

Autor: Raúl Antonio Capote | internacionales@granma.cu

Enquanto 80 congressistas democratas, autoridades de mais de 15 cidades, organizações religiosas, acadêmicos e movimentos sociais americanos pediam expressamente ao presidente Joe Biden que normalizasse as relações de seu governo com Cuba, o senador Bob Menéndez exigia que o presidente condicionasse uma eventual negociação com ele. “melhorias na situação dos direitos humanos e das liberdades políticas”.

Menéndez, novo presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, foi um dos principais críticos, dentro do Partido Democrata, da aproximação entre as duas nações promovida pelo governo Barack Obama.

O pronunciamento do político anticubano ocorreu em recente evento organizado pela Fundação Inspire America, instituição sem fins lucrativos cujo objetivo é “promover a mudança de regime em Cuba”.

robert menendez

A atividade contou com a presença dos mais proeminentes animais de direita de Miami, incluindo o senador republicano da Flórida, Marco Rubio; o deputado republicano Mario Díaz-Balart, e a também republicana María Elvira Salazar, que, segundo a carta dos 80 deputados democratas a Biden, reagiu com o tom típico de sua obstinação contra a Revolução: o que eles “têm que enviar é um carta exigindo o fim da repressão ”, disse, referindo-se ao mais desgastado dos argumentos fabricados pela máfia política anticubana.

Bob Menéndez, considerado “o mais republicano dos democratas”, tem se destacado por suas ações contra Cuba e Venezuela, sendo o arquiteto, junto com Marco Rubio, de muitas das “iniciativas” propostas para prejudicar as duas nações.

Nos últimos sete anos, Robert tem estado na mira das autoridades norte-americanas por crimes de conspiração, tráfico sexual, fraude e suborno.

Em 2017, ele foi acusado de 18 acusações de fraude e suborno. Segundo o Ministério Público, o senador recebeu US $ 750 mil em doações, brindes, viagens de avião particular e férias luxuosas pagas por um benfeitor.

Anteriormente, o político ultraconservador se envolveu em um escândalo com prostitutas dominicanas. Segundo um remetente, identificado como Peter Williams, que alertou o FBI, Menéndez contratou e fez sexo com quatro adolescentes naquele país.

Os autos de acusação indicam que, entre agosto de 2006 e janeiro de 2013, o político se hospedou várias vezes em um resort na República Dominicana, conhecido por ser um refúgio exclusivo do Caribe na província de La Romana, na costa sudeste daquele país, onde Acredita-se que ele teve o referido encontro com prostitutas.

Um grande júri federal concluiu que o político usou seu gabinete senatorial para favorecer projetos “em troca de doações e favores”, para motivar declarações falsas sob juramento de trabalhadoras sexuais menores de idade e para defraudar o sistema de saúde dos Estados Unidos.

Bob também tem um histórico de permitir a propagação da prostituição, jogos de azar e extorsão de gângsteres, enquanto era prefeito de Union City, uma cidade perto de Nova York.

Recentemente, alguns meios de comunicação dos Estados Unidos classificaram o colega cubano-americano Ted Cruz, senador pelo estado do Texas, como o pior dos políticos cubano-americanos, ainda “pior que Marco Rubio”, embora, sem dúvida, entre “joias”. Como. é você, é difícil escolher.

#Miami ataca #Cuba, mas não olha seus problemas internos.

#EstadosUnidos #CubaSeRespeta #CubaNoEsMiami # #MafiaCubanoAmericana #MercenariosYDelincuentes #RedesSociales #SubversionContraCuba

Retirado do razones de Cuba . Por Arthur González

É conhecida a virulência que muitos em Miami sentem contra Cuba, atacando-a por tudo o que acontece na ilha, quase sempre com mentiras políticas forjadas para suas campanhas na mídia, mas nenhuma reclamação sobre o que lhes acontece, porque nem mesmo a USAID e Sem o NED, ou o Departamento de Estado, eles atribuem orçamentos milionários para isso.

É o caso do alvoroço criado com os lacaios de San Isidro ou aqueles que foram intimados perante o Ministério da Cultura, para reclamar pelo primeiro, que se diziam em “greve de fome” e “reprimidos” pela Segurança do Estado ., omitindo o total apoio da embaixada dos Estados Unidos em Havana, como prova dos responsáveis ​​pelo assunto.

No entanto, o governador da Flórida, Ron DeSantis, está promovendo uma Lei que criminaliza os protestos pacíficos nos dias de hoje, portanto, se aprovada, aumentaria as sanções para as pessoas envolvidas nesses protestos e todos aqueles que reivindicam os direitos dos latinos, imigrantes, a discriminação racial, as injustiças políticas e sociais, junto com a brutalidade policial, algo que aqueles que constantemente acusam Cuba de “cortar” a liberdade de expressão não têm saído para combater.

Por que não há manifestações de protesto contra essa lei que limita a liberdade e a democracia nos Estados Unidos, que eles tanto proclamam?

Lá, não são coletadas assinaturas para demonstrar seu desacordo e exigir a renúncia do governador, já que os cubanos são incentivados pelas redes sociais contra o ministro da cultura, uma cruzada organizada para demonizar um funcionário que só tirou um telefone de seu rosto, sem lhe dar uma surra qualquer um dos funcionários do NED, como a polícia ianque teria executado.

Além da proposta de lei mencionada, sabe-se da péssima gestão do governador diante da pandemia Covid-19, que fez da Flórida a capital do coronavírus, que causou um perigoso colapso da economia, um enorme aumento do desemprego, o aumento das ameaças de despejo devido ao não pagamento de aluguéis e à fome de muitas famílias de baixa renda, algo que DeSantis não aborda adequadamente.

A Flórida informou, em 14 de fevereiro de 2021, a cifra de 5 mil 436 novos casos confirmados de Covid-19, acumulando um milhão 827 mil 373 pacientes, desde que os primeiros casos foram detectados em março de 2020, aos quais se somam 28 mil. apenas nesse estado.

O péssimo manejo do governador apóia qualquer pedido de renúncia, mas não é promovido pelas redes sociais nem nas cruzadas da imprensa, porque a alardeada “liberdade de expressão” parece estar apenas voltada contra Cuba.

Hoje boa parte dos moradores daquele estado enfrenta problemas com sistema de saúde, emprego, moradia, educação e alimentação, entre eles latinos, negros e os moradores de Liberty City, realidade que a imprensa não menciona.

Em vez de gastar tempo e dinheiro tentando subverter a ordem interna cubana, em Miami eles deveriam olhar para seus graves problemas, para tentar encontrar uma solução e uma forma de sustentar a frágil democracia, como afirmou o presidente Joe Biden, a que pretendem Vender para o mundo como A maioria, quando a realidade é muito diferente, por violência racial, assassinatos nas mãos da polícia, massacres em escolas por compra de armas, a situação dos imigrantes, o desemprego e sua elevada dívida externa dos quais eles nunca mencionam.

José Martí foi preciso quando expressou:

“A sociedade autoritária é aquela baseada no conceito de desigualdade humana”.

Do sonoro ao cínico: a infâmia naufragou novamente.

#Cuba #RedesSociales #ManipulacionMediatica #EstadosUnidos #DonaldTrumpCulpable #FalsosAtaquesSonicos #Washintong #MafiaCubanoAmericana #MarcoRubio #CIA

Autor: Francisco Arias Fernández | internet@granma.cu

Relatório provisório da Divisão de Operações Tecnológicas do Federal Bureau of Investigation (FBI) dos Estados Unidos de 4 de junho de 2017, citado meses depois pela agência norte-americana AP, afirmou que aquela entidade não encontrou nenhuma prova do alegado “” ataques sônicos “contra pessoal diplomático norte-americano em Cuba, após meses de investigações e quatro viagens a Havana.

O relatório acrescenta: “As conclusões dos investigadores norte-americanos coincidem com as do Comitê Cubano de Peritos, que realizou uma exaustiva investigação sobre os supostos incidentes, indicados pela mais alta liderança governamental”.

Resultado de imagen de imagenes sobre el maine sonico

As conclusões preliminares da investigação realizada por Cuba, publicadas na Mesa Redonda, em outubro de 2017, afirmam:

Foi demonstrado que NÃO existem evidências que indiquem a ocorrência dos alegados ataques acústicos;
Não foi possível estabelecer hipóteses investigativas sobre a origem desses eventos, que por sua natureza são eminentemente sensoriais e não deixam rastros nem rastros, aspecto sustentado pelos representantes das agências especializadas dos Estados Unidos que viajaram a Cuba.
Também não foram identificados possíveis autores ou pessoas com motivação, intenção ou meios para realizar este tipo de ação. No trabalho realizado pela equipe de investigadores cubanos e nas informações prestadas por funcionários norte-americanos, não foi constatada a incidência de pessoas suspeitas ou meios de comunicação nos locais de ocorrência ou em seu entorno.
A equipe de médicos e cientistas cubanos, após análise técnica especializada das amostras de som entregues pelos Estados Unidos, atestou a impossibilidade de causar os efeitos à saúde descritos pelos diplomatas.
Nenhuma evidência foi obtida da existência no país de qualquer equipamento emissor de som, como o descrito pelos Estados Unidos. Não foram detectadas intenções, planos ou a introdução em território nacional destas equipas por via aérea ou marítima.
Os painelistas cubanos destacaram que os resultados obtidos pelas autoridades norte-americanas são coincidentes, pois não definem uma causa que alega estarmos na presença de um ataque ou agressão desta natureza.

Pretexto para quebrar a ponte ou a primeira grande mentira

Após as declarações ofensivas e desrespeitosas de Donald Trump, na sequência da morte do Comandante-em-Chefe Fidel Castro Ruz; de um discurso anticubano, do começo ao fim, em Miami; de seu compromisso com a máfia e seus chefes mais notórios no Congresso dos Estados Unidos, e de suas vanglórias imediatas de que o que havia sido alcançado em termos de normalização das relações bilaterais do governo de Barack Obama com o governo cubano foi “um mau negócio” , da retórica copiada por Marco Rubio e comparsa, entrava em cena o “Maine sonico”, a primeira grande mentira contra Cuba, para desencadear a mais virulenta e hostil diretriz política para a Ilha.

Com ódio e sem provas, Washington tomou medidas unilaterais e retirou a maior parte de seus diplomatas da ilha, paralisando o processamento de vistos em Havana. Da mesma forma, exigiu a retirada de 17 funcionários cubanos nos Estados Unidos, enquanto uma audiência no Congresso era planejada, dirigida e organizada pelo senador da Flórida, Marco Rubio, que – revelou ap – “tenta manipular o caso para desmontar os pequenos progressos alcançados nas relações bilaterais.

O professor americano Philip Brenner, da American University, considerou, naquela época, que o Governo da Ilha não tinha responsabilidade nos incidentes de saúde relatados por diplomatas norte-americanos, e que, com a notícia, o assunto se tornou uma oportunidade para representantes de uma linha dura nos Estados Unidos, interessados ​​em reverter os laços. O especialista americano acredita que quando Marco Rubio e outros legisladores aprenderam sobre o Maine acústico, aproveitaram para promover seus interesses na política para Cuba.

Outros especularam que poderia ser uma operação premeditada para desmantelar a política de Obama, uma versão que coincide totalmente com as afirmações do legislador de extrema direita, e que a trapalhada, agora em evidência por um documento recentemente desclassificado, poderia alimentar o desespero de tomar aproveitar o impacto dessa notícia falsa, ampliada e globalizada em questão de segundos para vitimar diplomatas norte-americanos e atacar Cuba, tomando como pretexto uma questão hipersensível, com a falta de escrúpulos que caracterizava os conselheiros mais próximos de Trump.

Naufrágio de uma infâmia

Esta semana, um documento divulgado do Departamento de Estado revela os erros e excessos de Trump na gestão do suposto “ataque sônico” em Havana, e censura o fechamento da embaixada, considerando-o uma “resposta” política atormentada por má gestão. e não cumprimento de procedimentos.

O documento secreto revela que Trump tomou a decisão de reduzir 60% do pessoal consular em Havana e, na prática, desativar o funcionamento da embaixada, sem ter nenhuma prova de que Cuba estava por trás dos misteriosos problemas de saúde que afetavam seus funcionários.

«O mecanismo da causa das lesões é atualmente desconhecido. Não sabemos o motivo desses incidentes, quando realmente começaram, nem quem os fez “, diz relatório interno do Departamento de Estado, elaborado em 2018, após quatro meses de trabalho, segundo reportagem publicada nesta quinta-feira pelo Jornal espanhol El País.

O documento questiona o ex-secretário de Estado, Rex Tillerson, por não ter nomeado “um oficial sênior como responsável geral” pela investigação, e também critica “o sigilo excessivo” da CIA por não compartilhar informações com o Departamento de Estado. Isso “atrasou” a coordenação de uma “resposta adequada”. Ele garante que a reação norte-americana foi deficiente, pois foi “caracterizada pela falta de liderança de alto nível, comunicações ineficazes e desorganização sistêmica”.

“A decisão de reduzir o pessoal em Havana não parece ter seguido os procedimentos padrão do Departamento de Estado e não foi precedida ou seguida por qualquer análise formal dos riscos e benefícios da presença física contínua de funcionários do governo dos Estados Unidos em Havana”, Diz o relatório.

O jornal espanhol comenta que “o modus operandi de Donald Trump para encurralar Cuba e acabar com a política de Barack Obama continua a cair lama, poucas semanas depois de ter sido criticado por incluir a ilha na lista dos países que patrocinam o terrorismo, dias antes de deixar o Branco Casa.

Enquanto a máfia anticubana dos Estados Unidos não desiste da obsessão histérica de semear obstáculos em todas as direções para minar o caminho das relações normais e civilizadas entre os dois países, e fabrica novas provocações e pretextos, a partir da máquina de subversão e genocídio, visando um maior endurecimento do bloqueio, as verdades flutuam e as vozes se multiplicam apelando ao governo Biden para tomar medidas imediatas para normalizar as relações bilaterais.

Nesta quarta-feira, 10 de fevereiro, 56 organizações, incluindo grupos de advogados, direitos humanos, organizações religiosas, grupos cubano-americanos, organizações ambientais e acadêmicas e grupos empresariais, enviaram uma carta ao governo Biden-Harris, instando-o a tomar medidas imediatas para cumprir uma promessa de campanha para reverter as políticas fracassadas de Trump, que continuam a causar danos aos cubanos e suas famílias.

Recentemente Ines Pohl, correspondente do serviço de radiodifusão alemão Deutsche Welle (DW), em Washington, testemunha ocular do discurso de Trump no qual incitou a insurreição e o assalto ao Capitólio, refletiu sobre a dimensão e o impacto da mentira sobre os quatro anos da administração cessante. E afirmou categoricamente: “Não, os acontecimentos de 6 de janeiro não foram um lapso, nem foram um acidente. Foram a consequência inevitável de uma presidência de quatro anos baseada na raiva e não na verdade, e que conseguiu transformar as posições políticas de seus seguidores em ódio uns aos outros.

Por quatro anos, Donald Trump preparou o terreno para o ataque ao Capitólio com mentiras e agitação. Sua política contra Cuba, também envenenada por maus conselhos e assessores, teve a mesma sorte.

Ontem o ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, foi explícito em mensagem nas redes sociais: “Uma séria desclassificação de informações sobre os supostos incidentes de saúde de diplomatas norte-americanos nos permitirá saber até onde foram Trump, Pompeo e Marco Rubio para justificar artificialmente um retrocesso nas relações bilaterais.

E concluiu: “Algum dia será possível esclarecer o que aconteceu e o que não aconteceu. Cuba reitera sua disposição de cooperar efetivamente, tanto política como cientificamente, para encontrar uma solução para esta questão.

#Guaidó e a rota do dinheiro da #Venezuela.

#EstadosUnidos #Venezuela #AmericaLatina #AutoproclamadoGuaido #PDVSA #InjerenciaDeEEUU #DonaldTrumpCulpable #MikePompeo #BCV #ElBloqueoEsReal

Autor: Elson Concepción Pérez | internet@granma.cu

Um personagem como Juan Guaidó só poderia ser fabricado pelo governo dos Estados Unidos. O montante multimilionário de dinheiro necessário ao projeto, elaborado no Departamento de Estado, foi concebido, desde o início, com base na apropriação do patrimônio do Estado venezuelano, depositado em bancos daquele país, bem como na subsidiária do petroleira PDVSA, que, sob o nome de Citgo, reside nos Estados Unidos.

Tratava-se de criar uma espécie de “governo paralelo” e ignorar e torpedear o legítimo, chefiado por Nicolás Maduro; desenvolver uma guerra econômica de possível alcance militar, e que o dinheiro para este andaime intervencionista venha dos recursos do país bolivariano.

O ex-presidente Donald Trump, e seu colaborador mais próximo, Mike Pompeo, sabiam que privar a Venezuela do dinheiro obtido com seu petróleo era a melhor maneira de deter o boom revolucionário, o desenvolvimento social e, de acordo com seus planos, o caminho para o colapso da Revolução Bolivariana .

Para se ter uma ideia de até onde chegaram os Estados Unidos e Juan Guaidó, tomemos um exemplo: A petroleira PDVSA tinha um acordo com a Itália para que, no país europeu, fossem realizados transplantes de medula óssea em crianças venezuelanas como único caminho para salvar suas vidas. Porém, quatro deles morreram enquanto aguardavam a viagem, já que o dinheiro para custear essas operações deveria ser enviado pela subsidiária da Citgo, mas como Trump o apreendeu e proibiu o uso de seus recursos, o único destino dos bebês era o morte.

“Aquele programa de Saúde com a Itália era executado pela Citgo, confiscado pelos EUA, a Venezuela mandou os fundos pela PDVSA e eles ficaram retidos no Novo Banco, em Portugal, graças às sanções e ao bloqueio criminoso”, relatou então, em um tweet, o Ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza.

Na mensagem, publicou também as ordens de pagamento emitidas pela estatal venezuelana e os recibos das operações rejeitados pelo banco português. A vice-presidente, Delcy Rodríguez, apontou diretamente para Juan Guaidó ter entregue o Citgo aos Estados Unidos. “Esse roubo levou ao assassinato de crianças beneficiadas por nobres programas de saúde”, afirmou.

Muitos outros danos têm causado o desfalque ou congelamento de dinheiro venezuelano por entidades estrangeiras, e milhões desses recursos foram para o bolso de Guaidó e seus acólitos e, sobretudo, para as carteiras de seus promotores.

La CNN recuerda que el 25 de enero de 2019, EE. UU. «autorizó a Juan Guaidó para controlar las cuentas del Gobierno o del Banco Central de Venezuela, depositadas en el Banco de la Reserva Federal en Nueva York u otra institución bancaria asegurada en Estados Unidos”. Foram 340 milhões de dólares confiscados ao executivo de Caracas.

A própria fonte cita que “assim que Juan Guaidó se autoproclamou presidente interino da Venezuela, em 23 de janeiro de 2019, o secretário de Estado, Mike Pompeo, emitiu um comunicado oferecendo apoio à transição na Venezuela”. Como essa empreitada não poderia ser realizada com os cofres vazios, o próprio Departamento de Estado concedeu 20 milhões de dólares ao “governo de Guaidó”, que jamais poderia influir internamente, mas que foi sacado internacionalmente com o saque de contas do país, no meio da guerra que é travada sobre ele.

O Washington Post revelou uma investigação que vincula o círculo de oposição venezuelana a atos de corrupção nos Estados Unidos, como ações vinculadas ao manejo irregular de ativos venezuelanos no exterior, recuperadas em aliança com o governo Trump.

Outra direção da busca do dinheiro venezuelano nos bancos estrangeiros foi encenada com as 31 toneladas de lingotes de ouro (2 bilhões de dólares) do país sul-americano mantidas no Banco da Inglaterra. Essa entidade recusou entregá-los ao Banco Central da Venezuela, com base no reconhecimento, pelo governo britânico, de Guaidó como presidente interino.

O litígio continua e, junto com a rota do dinheiro venezuelano confiscado ou roubado pelos Estados Unidos, o povo daquele país está privado de usar seus recursos para adquirir medicamentos e alimentos, em meio a uma pandemia que, junto com O bloqueio Os avanços econômicos da América entraram em colapso nas últimas duas décadas.

Sem Trump na Casa Branca, a comunidade internacional espera que o novo governo reprima essa posição criminosa e intrometida.

Mais de 50 organizações pedem que Biden mude a política com Cuba.#ElBloqueoEsReal

#ElBloqueoEsReal #Cuba #CubaSAlva #EEUUBloquea #PuentesDeAmor #JoeBiden #EstadosUnidos #SolidaridadConCuba #BloqueoNoSolidaridadSi #DonaldTrumpCulpable #Sanciones #LeyHelmsBurton

Autor: Raúl Antonio Capote | internacionales@granma.cu

Uma carta enviada na terça-feira por mais de 50 organizações norte-americanas exorta o governo do presidente Joe Biden a cumprir a promessa de campanha de reverter as políticas fracassadas de Trump em relação a Cuba.

A carta, assinada por grupos ambientalistas, acadêmicos, organizações religiosas, defensores dos direitos humanos e empresariais, pede ao governo Biden-Harris que inicie uma política mais construtiva em relação às Grandes Antilhas, e afirma que é do interesse dos Estados Unidos e do povo cubano caminha rapidamente para uma normalização das relações.

“O embargo de quase 60 anos é uma relíquia do passado que deve ser substituída por uma política de engajamento mais construtiva que nos permita abordar tanto nossos interesses comuns quanto nossas diferenças”, diz ele.

Caricatura bloqueo contra Cuba

O texto insta o Congresso a implementar ações legislativas que acabem com as restrições e abram o caminho para o fim total do embargo norte-americano.

Quanto às medidas arbitrárias e unilaterais tomadas pelo governo Trump, sugerem que o atual governo “pode ​​e deve simplesmente reverter essas medidas” e qualificar como ações mal consideradas e prejudiciais, a decisão de permitir ações judiciais privadas contra investidores de terceiros países em Cuba sob Título III da Lei de Liberdade Cubana e Solidariedade Democrática de 1996, bem como a decisão de reincorporar Cuba à lista de Estados que Patrocinam o Terrorismo.

Lisa Haugaard, codiretora da Força-Tarefa para a América Latina, garantiu que o governo Biden-Harris “tem o poder de colocar a política cubana de volta no caminho certo de uma só vez”.

A esse respeito, Geoff Thale, presidente do Escritório de Washington para a América Latina, disse que “as políticas da era Trump nada faziam para promover nem a relação entre os Estados Unidos e Cuba nem o bem-estar do povo cubano”.

O académico americano referiu ainda o crescente apoio que existe no seu país a favor da normalização das relações entre os dois países, o que “abriria um espaço de cooperação e diálogo em questões que vão desde o ambiente e as alterações climáticas à aplicação da lei, saúde cooperação e direitos humanos.

Os signatários destacaram seu apoio ao documento, que faz parte do esforço para normalizar as relações entre os Estados Unidos e Cuba.

Desde a chegada à Casa Branca do governo democrata, inúmeras personalidades, das artes, da política, dos empresários e de outros diversos setores daquele país, manifestaram o desejo de retomar os laços iniciados pelo presidente Barack Obama e acabar com o bloqueio , que há mais de 60 anos causa enormes prejuízos ao povo cubano.

Os Estados Unidos não têm credibilidade para condenar ninguém.

#Congreso #Capitolio #TerrorismoMadeInUSA #EEUUPatrocinaElTerrorismo #CubaSalva #EEUUBloquea #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #MikePompeo #DonaldTrumpCulpable #ForaTrump #NoMoretRump

Por Arthur González

Com tantos problemas internos que têm os Estados Unidos, ainda tentam condenar Cuba em demonstração do ódio que sentem por sua resistência vitoriosa, suportando por 62 anos uma guerra implacável para destruir sua Revolução.

Em 11 de janeiro de 2021, o Departamento de Estado anunciou que mais uma vez colocou Cuba na lista de países “Patrocinadores do Terrorismo”, na qual foi incluída em 1982 pelo presidente Ronald Reagan e retirada em 2015 por Barack Obama, um nome ridículo e nada credível pelos cidadãos decentes deste mundo.

Mike Pompeo negó el triunfo de Biden y habló de "una segunda administración  Trump"

Parece que Mike Pompeo e Donald Trump ainda não internalizaram que os Estados Unidos não têm mais autoridade moral para qualificar ninguém, depois do que o mundo observou em 6 de janeiro com os atos terroristas no Capitólio Nacional, cometidos por elementos ideologicamente formados por grupos que espalham o terror entre latinos e negros, assassinam e atropelam todos os não-brancos e fanáticos religiosos.

Cuba não invade nenhum país, nem paga por ações desestabilizadoras de governos não vinculados, como fazem os ianques todos os dias, situação dominada por milhões de pessoas no mundo.

Pompeo não sabe que os Estados Unidos causaram a morte de milhares de cubanos devido aos atos terroristas perpetrados pela CIA desde 1959? Quem eles estão tentando enganar com sua lista espúria?

A veinte años del asesinato del muchacho del Copacabana (+Audio)

Os Estados Unidos são o maior refúgio de terroristas internacionais, cubanos e outros países, autores de crimes hediondos como a queda de um avião civil cubano em pleno vôo com 73 pessoas e os responsáveis ​​residiram livremente em Miami até a morte.

Participantes do bombardeio de shopping centers, escolas, cinemas e teatros percorrem as ruas da Flórida e são até homenageados por seus assassinatos.

Querem apagar da história daquela Nação a investigação realizada pelo Comitê Seleto do Senado sobre os planos de assassinato do líder cubano Fidel Castro, conhecido como Comissão da Igreja, onde altos funcionários da CIA reconheceram quase uma dúzia deles, sem o menos se arrepende ou recebe alguma condenação?

Y Fabio nos inspira Vida - Cuba en Noticias

Isso não é prova de terrorismo de estado?

Com total cinismo, Mike Pompeo justificou a incorporação de Cuba, com a mentira de que “durante décadas, o governo cubano alimentou, abrigou e prestou atendimento médico a assassinos, fabricantes de bombas e sequestradores, enquanto muitos cubanos passam fome, vivem sem teto sem medicamentos básicos ”.

Por que o Secretário de Estado não diz que são os Estados Unidos que abrigam os terroristas assassinos mais implacáveis ​​do mundo, como Luis Posada Carriles, Orlando Bosch, Orlando Masferrer, Esteban Ventura, Guillermo Novo Sampol, Gaspar Jiménez, Hugo Acha Melgar, Joaquín Chaffardet, José Antonio Colina Pulido, Patricia Poleo, Reinaldo Rodríguez, José Guillermo Gracia, Michael Townley, Santiago Álvarez Fernández-Magriña, Oswaldo Mitat, Rodolfo Frómeta, José Basulto, José Dionisio Suuarez Orlando, Jaime García Covarrubias, In Esquivel e Carlos Alberto Montaner, entre outros, todos com as mãos manchadas de sangue?

La vieja historia del terrorismo contra Cuba... y las listas arbitrarias |  Razones de Cuba

A única razão para incluir Cuba nessa lista é aumentar as medidas de guerra econômica, com o antigo sonho de derrubar a Revolução pela fome, doença e irritação dos cidadãos, como proposto em abril de 1960 pelo então O subsecretário de Estado Lester Mallory, quando escreveu:

“O único meio previsível que temos hoje para alienar o apoio interno à Revolução é através do desencanto e do desânimo, com base na insatisfação e nas dificuldades econômicas. Qualquer meio concebível de enfraquecer a vida econômica de Cuba deve ser usado imediatamente; negando-lhe dinheiro e suprimentos para baixar os salários reais e monetários, a fim de causar fome, desespero e a derrubada do governo.

O governo Trump tem sido cruel com o povo cubano com uma centena de sanções econômicas, justamente por não concordar em se ajoelhar diante daquele império, algo inédito que não é condenado pelo Conselho de Segurança, apesar de ser um crime contra a humanidade.

Conoce a <a href='/es/s/luis posada carriles'><u>Luis  Posada Carriles</u></a>, uno de los más acérrimos enemigos de  <a href='/e... | 24 HORAS | Scoopnest

Todos sabem que estar nessa lista permite aos Estados Unidos penalizar pessoas e países que façam comércio de qualquer natureza com Cuba, restringir a ajuda externa dos Estados Unidos, proibir as exportações e vendas de defesa e impor mais controles às exportações de Cuba. artigos.

Essa é a verdade que procuram disfarçar com a suposta “luta contra o terrorismo”.

Em vez de perder tempo perseguindo a Revolução Socialista Cubana, os ianques devem cuidar de encarcerar seus terroristas que, instigados por seu desequilibrado Presidente Trump, colocaram em risco a vida de senadores, deputados e seguranças durante a tentativa de golpe. Estadual, em 6 de janeiro de 2021, com a invasão do Capitólio buscando capturar o vice-presidente Mike Pence, a fim de evitar a contagem dos votos eleitorais.

Confirma-se que este violento assalto foi realizado por grupos conspiratórios, extremistas e movimentos marginais constituídos por terroristas, dispostos a tudo para manter o seu ídolo Donald Trump na presidência.

Podrá Trump revertir el legado de Obama en Cuba? | Foreign Affairs  Latinoamérica |

Os grupos QAnon e Proud Boys são terroristas e suas ações provam isso.

Jake Angeli, conhecido como QAnon Shaman (o Shaman de QAnon), deve ser julgado por terrorismo, por ser um perigo para a segurança nacional e até internacional. No entanto, ele é considerado por muitos um “patriota”.

Nick Ochs, fundador do Proud Boys Hawaii, é outro terrorista que vive e age com total impunidade, como os de origem cubana e latino-americana que os ianques protegem.

Tim Gionet, conhecido como Baked Alaska, transmitiu ao vivo um vídeo dele dentro do Capitólio e o compartilhou nas redes sociais, um terrorista que não foi reprimido por suas ações.

Proud Boys (Chicos Orgullosos)
Música para los Proud Boys, el violento grupo de ultraderecha que apoya a  Trump | A vivir | 45RPM | Cadena SER
QAnon y los Proud Boys, los grupos radicales que lideraron el asalto - El  Día

Richard (Bigo) Barnett, é o líder de um grupo pelos direitos das armas em Gravette, Arkansas. Esse terrorista invadiu o escritório de Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes, de onde roubou informações confidenciais.

A lista é extensa e mostra onde estão os verdadeiros terroristas, o que não é exatamente em Cuba.

Mas como José Martí assegurou:

“Tumbas largas são construídas com os males das próprias mãos.”

Outra lista: Terroristas e seus cúmplices.#CubaNoEsMiami

#CubaNoEsMiami #EEUUBloquea #CubaSalva #SomosCuba #SomosContinuidad #TerrorismoNuncaMas #TerrorismoMadeInUSA #IdeasQueSonBanderas #SubversionContraCuba #MafiaCubanoAmericana #ManipulacionMediatica #Venezuela #MikePompeo #DonaldTrumpCulpable #ElBloqueoEsReal

%d bloggers like this: