Cuba: a obsessão de EE. UU

Lista de Cuba sobre ações terroristas dos Estados Unidos.

Por Arthur González

Os Estados Unidos se reservam o direito de fazer listas para incluir nelas os países que não se ajoelham a seus pés, porém são os maiores terroristas e o abrigo seguro de centenas de assassinos.

Cuba também pode fazer uma lista de pessoas e entidades a serem sancionadas nos Estados Unidos por executar atos criminosos, hospedar terroristas e apoiar países como Israel e as ditaduras militares dos anos 60 e 70 do último século XX.

Washington deu apoio material e político ao regime sul-africano, quando executou o desprezível sistema do Apartheid e a outras ditaduras daquele continente que reprimiram de forma selvagem seus povos, com um fardo incomparável de crimes contra a humanidade.

Guerras imperiais como as da Coréia, Vietnã, o lançamento de duas bombas nucleares sobre a população civil do Japão, são ações históricas que, por si só, são suficientes para levar os ianques a um tribunal internacional.

Os atos de terrorismo dos Estados Unidos contra Cuba são inúmeros, desde a organização, treinamento e financiamento de terroristas assassinos, invasões mercenárias, até a concessão de refúgio legal a milhares de capangas ensanguentados, guiados por funcionários do FBI e da CIA.

No topo da lista devem estar os 12 presidentes dos últimos 62 anos, porque todos aprovaram planos terroristas contra o povo cubano.

Em 23 de dezembro de 1958, o presidente Dwight Eisenhower, com o apoio do então diretor da CIA, Allen Dulles, afirmou na reunião do Conselho de Segurança Nacional: “Devemos impedir a vitória de Fidel Castro”.

Em 1º de janeiro de 1959, os Estados Unidos protegeram os assassinos e torturadores do regime do ditador Fulgencio Batista, que fugiram da justiça cubana e, apesar das notas diplomáticas exigindo sua extradição, concederam-lhes a condição de “refugiados políticos”.

Em 28 de janeiro de 1959, a primeira organização contra-revolucionária a conspirar contra a revolução cubana vitoriosa, chamada La rosa blanca, liderada por Rafael Díaz-Balart, foi formada em Miami. Também não condenaram o americano Allen Mayer, que veio dos Estados Unidos naquele mês em um pequeno avião a Cuba com a intenção de assassinar Fidel Castro.

Cuba convoca a II Simposio Internacional sobre la Revolución | Cubadebate

Eles participaram da conhecida Conspiração Trujillista, que pretendia criar uma força militar nas províncias centrais para derrubar o governo revolucionário. Foi conhecido com antecedência e desmontado em 13 de agosto de 1959 na cidade de Trinidad.

Eisenhower e Allen Dulles autorizaram três ataques aéreos entre 11 e 21 de outubro de 1959, para bombardear engenhos de açúcar na ilha, além do executado em 21 de outubro em Havana, pelo traidor Pedro Díaz Lanz, ex-chefe da Força Aérea Cubana , protegido em Miami. No atentado houve uma morte e 45 feridos, situação que o FBI conhecia e não agiu contra o responsável.

Naquele ano, houve dezenas de atentados sem que as autoridades ianques agissem.

Em março de 1960, o presidente Eisenhower aprovou o primeiro Programa de Ação Secreta da CIA contra Cuba, responsável por tarefas subversivas como a Operação Peter Pan, que tirou 14,38 crianças desacompanhadas e desacompanhadas do país com o apoio da Igreja Católica. financiamento para invadir Cuba.

Em 4 de março, a CIA explodiu o navio francês La Coubre no porto de Havana, matando 101 pessoas, ferindo 200 e mutilando-as.

John F. Kennedy, em 20 de outubro de 1960, solicitou ajuda aos “lutadores pela liberdade cubanos”, o congelamento de todos os bens cubanos nos Estados Unidos e uma ação coletiva contra o comunismo, quando já sabia dos preparativos para a invasão do Ilha; Além disso, no final de janeiro de 1960, Richard Bissel, chefe das operações secretas da CIA, informou oficialmente McGeorge Bundy, conselheiro de Segurança Nacional de J.F. Kennedy e Sidney Gottlieh, o novo chefe da divisão de serviços técnicos da CIA encarregado do programa de experimentação de drogas, sobre planos para assassinar Fidel Castro.

A prova do terrorismo dos Estados Unidos contra Cuba foi a entrega, em fevereiro de 1961 a um dos assassinos selecionados, de uma caixa de charutos preferida por Fidel, contaminada com a letal toxina botulínica. Ao mesmo tempo, o coronel Sheffind, da CIA, forneceu ao mafioso John Rosselli várias pílulas envenenadas com objetivo semelhante.

China mató a 20 espías de la CIA entre 2010 y 2012

Em 22 de fevereiro, o professor voluntário Pedro Morejón é assassinado por elementos terroristas financiados pela CIA. Nesse período, a CIA aumentou os atos terroristas em Cuba, como incêndios em shopping centers, cinemas, ataques piratas contra usinas e refinarias de petróleo.

17 de abril de 1961 ocorre a invasão e é derrubado em apenas 67 horas. Kennedy presume o fracasso e demite o diretor da CIA, o vice-diretor geral Charles P. Cabell e Richard Bissel, chefe das operações secretas.

John Alex McCone é nomeado novo diretor, que recebe a ordem de Kennedy para fazer a conhecida Operação Mongoose, o programa subversivo mais abrangente contra Cuba, que contemplava uma invasão com o exército ianque, e fez a guerra econômica, comercial e financeira oficial, juntamente com a aplicação da Lei que proíbe o Comércio com o inimigo, de 1919. Ambos são mantidos.

Sob o governo Kennedy, vários planos de assassinato de Fidel e Raúl Castro foram planejados, incluindo em junho de 1963 Kennedy aprovou um novo Programa de Ação Secreta para a CIA, com atos terroristas contra a economia, que afirma:

“Só depois que os efeitos da retaliação econômica e das ações de sabotagem são profundamente sentidos na população e nos grupos de elite, pode-se esperar que o descontentamento nas forças armadas e outros centros de poder do regime em revoltas ativas contra o comunista castrista entourage ”.

José Martí - Detalle del autor - Enciclopedia de la Literatura en México -  FLM - CONACULTA

Esta é apenas uma amostra de por que sucessivas administrações mantêm a mesma linha de trabalho, que transborda em argumentos jurídicos as denúncias de inclusão dos Estados Unidos na lista cubana, onde milhares de pessoas, entidades governamentais e privadas, devem comparecer para serem sancionadas por sua crimes de sangue contra o povo cubano.

José Martí foi exatamente quando disse:

“Não há nada mais justo do que deixar as coisas da história em ponto da verdade”

Categories: # Cuba, #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #CIA, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Estados Unidos, #Fidel, #YoSoyFidel, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, CUBA - ESTADOS UNIDOS, Cuba: a obsessão de EE. UU, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, EUA avalia retornar a Cuba para lista de estados patrocinadores do terrorismo, FBI, FBI, James Comey., Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, HISTORIA DE CUBA, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, política dos Estados Unidos em relação a Cuba, Relações Estados Unidos Cuba, Terrorismo, TERRORISMO VS CUBA | Deixe um comentário

Alcântara deificada joga sujo para aqueles de San Isidro Otaola já está em mutação.

Categories: #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Trump, @Trump, A obsessão dos Estados Unidos, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contra-revolução cubana, Contrarevolución, Contrarrevolución, José Daniel Ferrer, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba: a obsessão de EE. UU, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, FORA TRUMP, inimigos da Revolução, Manipulacion, Manipulacion Politica, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, política dos Estados Unidos em relação a Cuba, relações bilaterais, o governo Donald Trump, Relações Estados Unidos Cuba, Relaciones Cuba Estados Unidos, Subversão contra Cuba, Subversión, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

Os Estados Unidos não têm credibilidade para condenar ninguém.

Por Arthur González

Com tantos problemas internos que têm os Estados Unidos, ainda tentam condenar Cuba em demonstração do ódio que sentem por sua resistência vitoriosa, suportando por 62 anos uma guerra implacável para destruir sua Revolução.

Em 11 de janeiro de 2021, o Departamento de Estado anunciou que mais uma vez colocou Cuba na lista de países “Patrocinadores do Terrorismo”, na qual foi incluída em 1982 pelo presidente Ronald Reagan e retirada em 2015 por Barack Obama, um nome ridículo e nada credível pelos cidadãos decentes deste mundo.

Mike Pompeo negó el triunfo de Biden y habló de "una segunda administración  Trump"

Parece que Mike Pompeo e Donald Trump ainda não internalizaram que os Estados Unidos não têm mais autoridade moral para qualificar ninguém, depois do que o mundo observou em 6 de janeiro com os atos terroristas no Capitólio Nacional, cometidos por elementos ideologicamente formados por grupos que espalham o terror entre latinos e negros, assassinam e atropelam todos os não-brancos e fanáticos religiosos.

Cuba não invade nenhum país, nem paga por ações desestabilizadoras de governos não vinculados, como fazem os ianques todos os dias, situação dominada por milhões de pessoas no mundo.

Pompeo não sabe que os Estados Unidos causaram a morte de milhares de cubanos devido aos atos terroristas perpetrados pela CIA desde 1959? Quem eles estão tentando enganar com sua lista espúria?

A veinte años del asesinato del muchacho del Copacabana (+Audio)

Os Estados Unidos são o maior refúgio de terroristas internacionais, cubanos e outros países, autores de crimes hediondos como a queda de um avião civil cubano em pleno vôo com 73 pessoas e os responsáveis ​​residiram livremente em Miami até a morte.

Participantes do bombardeio de shopping centers, escolas, cinemas e teatros percorrem as ruas da Flórida e são até homenageados por seus assassinatos.

Querem apagar da história daquela Nação a investigação realizada pelo Comitê Seleto do Senado sobre os planos de assassinato do líder cubano Fidel Castro, conhecido como Comissão da Igreja, onde altos funcionários da CIA reconheceram quase uma dúzia deles, sem o menos se arrepende ou recebe alguma condenação?

Y Fabio nos inspira Vida - Cuba en Noticias

Isso não é prova de terrorismo de estado?

Com total cinismo, Mike Pompeo justificou a incorporação de Cuba, com a mentira de que “durante décadas, o governo cubano alimentou, abrigou e prestou atendimento médico a assassinos, fabricantes de bombas e sequestradores, enquanto muitos cubanos passam fome, vivem sem teto sem medicamentos básicos ”.

Por que o Secretário de Estado não diz que são os Estados Unidos que abrigam os terroristas assassinos mais implacáveis ​​do mundo, como Luis Posada Carriles, Orlando Bosch, Orlando Masferrer, Esteban Ventura, Guillermo Novo Sampol, Gaspar Jiménez, Hugo Acha Melgar, Joaquín Chaffardet, José Antonio Colina Pulido, Patricia Poleo, Reinaldo Rodríguez, José Guillermo Gracia, Michael Townley, Santiago Álvarez Fernández-Magriña, Oswaldo Mitat, Rodolfo Frómeta, José Basulto, José Dionisio Suuarez Orlando, Jaime García Covarrubias, In Esquivel e Carlos Alberto Montaner, entre outros, todos com as mãos manchadas de sangue?

La vieja historia del terrorismo contra Cuba... y las listas arbitrarias |  Razones de Cuba

A única razão para incluir Cuba nessa lista é aumentar as medidas de guerra econômica, com o antigo sonho de derrubar a Revolução pela fome, doença e irritação dos cidadãos, como proposto em abril de 1960 pelo então O subsecretário de Estado Lester Mallory, quando escreveu:

“O único meio previsível que temos hoje para alienar o apoio interno à Revolução é através do desencanto e do desânimo, com base na insatisfação e nas dificuldades econômicas. Qualquer meio concebível de enfraquecer a vida econômica de Cuba deve ser usado imediatamente; negando-lhe dinheiro e suprimentos para baixar os salários reais e monetários, a fim de causar fome, desespero e a derrubada do governo.

O governo Trump tem sido cruel com o povo cubano com uma centena de sanções econômicas, justamente por não concordar em se ajoelhar diante daquele império, algo inédito que não é condenado pelo Conselho de Segurança, apesar de ser um crime contra a humanidade.

Conoce a <a href='/es/s/luis posada carriles'><u>Luis  Posada Carriles</u></a>, uno de los más acérrimos enemigos de  <a href='/e... | 24 HORAS | Scoopnest

Todos sabem que estar nessa lista permite aos Estados Unidos penalizar pessoas e países que façam comércio de qualquer natureza com Cuba, restringir a ajuda externa dos Estados Unidos, proibir as exportações e vendas de defesa e impor mais controles às exportações de Cuba. artigos.

Essa é a verdade que procuram disfarçar com a suposta “luta contra o terrorismo”.

Em vez de perder tempo perseguindo a Revolução Socialista Cubana, os ianques devem cuidar de encarcerar seus terroristas que, instigados por seu desequilibrado Presidente Trump, colocaram em risco a vida de senadores, deputados e seguranças durante a tentativa de golpe. Estadual, em 6 de janeiro de 2021, com a invasão do Capitólio buscando capturar o vice-presidente Mike Pence, a fim de evitar a contagem dos votos eleitorais.

Confirma-se que este violento assalto foi realizado por grupos conspiratórios, extremistas e movimentos marginais constituídos por terroristas, dispostos a tudo para manter o seu ídolo Donald Trump na presidência.

Podrá Trump revertir el legado de Obama en Cuba? | Foreign Affairs  Latinoamérica |

Os grupos QAnon e Proud Boys são terroristas e suas ações provam isso.

Jake Angeli, conhecido como QAnon Shaman (o Shaman de QAnon), deve ser julgado por terrorismo, por ser um perigo para a segurança nacional e até internacional. No entanto, ele é considerado por muitos um “patriota”.

Nick Ochs, fundador do Proud Boys Hawaii, é outro terrorista que vive e age com total impunidade, como os de origem cubana e latino-americana que os ianques protegem.

Tim Gionet, conhecido como Baked Alaska, transmitiu ao vivo um vídeo dele dentro do Capitólio e o compartilhou nas redes sociais, um terrorista que não foi reprimido por suas ações.

Proud Boys (Chicos Orgullosos)
Música para los Proud Boys, el violento grupo de ultraderecha que apoya a  Trump | A vivir | 45RPM | Cadena SER
QAnon y los Proud Boys, los grupos radicales que lideraron el asalto - El  Día

Richard (Bigo) Barnett, é o líder de um grupo pelos direitos das armas em Gravette, Arkansas. Esse terrorista invadiu o escritório de Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes, de onde roubou informações confidenciais.

A lista é extensa e mostra onde estão os verdadeiros terroristas, o que não é exatamente em Cuba.

Mas como José Martí assegurou:

“Tumbas largas são construídas com os males das próprias mãos.”

Categories: # Cuba, #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #Cuba, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Donald Trump, #Estados Unidos, A força-tarefa e a guerra na internet contra Cuba, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, Acciones contra Cuba, fake news, antilatinoamericana agenda geopolítica belicista e Donad Trump alinhados, ataques acusticos contra embajada EU, grillo, invasión por Bahía de Cochinos, Mike Pompeo, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Barack Obama Bruno Rodríguez ParrillaDonald Trumpoficina del Servicio de Ciudadanía e Inmi, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CIA Mike Pompeo, confrontar Donald Trump da câmara baixa, congresso, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Marco Rubio, Mario Díaz-Balart, Relaciones bilaterales., Cuba: a obsessão de EE. UU, Donald Trump, Donald Trump, Estados Unidos, Donald Trump, Estados Unidos, militares, República Democrática del #Congo, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, EUA avalia retornar a Cuba para lista de estados patrocinadores do terrorismo, FORA TRUMP, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, Pompeo,, relações bilaterais, o governo Donald Trump, secretario de Estado, Michael Pompeo, secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo,, Terrorismo, TERRORISMO VS CUBA, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

Divisão, a arma preferida do inimigo .

Por Arthur González

Añejo é o conceito de “dividir para conquistar” e o que os Estados Unidos tentam executar contra todos os movimentos revolucionários e Cuba tem sido um campo de batalha nesse sentido.

Desde antes do triunfo revolucionário de 1959, os Estados Unidos tentaram dividir as forças que lutavam contra a tirania de Fulgencio Batista, por isso promoveram a formação da 2ª Frente Nacional do Escambray e enviaram para ela o agente da CIA, o americano William Morgan e o oficial John Spiritto, com o objetivo de evitar a unidade entre o Movimento 26 de julho, o Diretório Estudantil 13 de março e o Partido Socialista Popular.

Esse propósito foi declarado pelo próprio Spirit ao ser preso em 5 de dezembro de 1962 pela Segurança do Estado cubana.

O governo espanhol também utilizou o mesmo método de divisão interna das forças revolucionárias, o que José Martí denunciou em 28 de maio de 1892 no jornal Pátria, onde afirmava:

“O governo espanhol se costurou na realidade, escolheu seus inimigos um a um, os segue com um homem nos calcanhares … divide os cubanos em que a distribuição pessoal se deve à calúnia e ao hábil cultivo das paixões humanas. ou uma obrigação de classe ou uma companhia mal compreendida, poderia fazer mais do que um dever para com o país ”.

E acrescentou:

“É um dever denunciar para que ninguém se engane, nem por paixão, onde o seu inimigo o queira levar, ou colabore com os pretextos do mal ou do orgulho, a desordem e a derrota do seu país, os métodos especiais e tenazes e ainda frutífero da campanha espanhola. Ninguém se surpreenderá com o mais sutil e eficaz desses métodos, pois, aproveitando as dissensões internas, a Espanha foi capaz de vencer uma guerra que nunca poderia vencer pelas armas.

Golpe blando en Cuba

A CIA nunca deixou de trabalhar neste sentido e já o tentou em várias ocasiões contra a Revolução, chegando mesmo a desenvolver um plano para dividir as Forças Armadas e os comunistas cubanos, pelo qual um suposto oficial da CIA vendeu informações falsas a respeito à suposta traição de um alto militar cubano, com o mesmo interesse da divisão interna, convencidos de que a arma fundamental dos cubanos é sua unidade.

Hoje o trabalho da CIA e de seus colaboradores é justamente erodir essa unidade, por isso seus esforços e o dinheiro aprovado se dirigem à juventude cubana, que segundo o relatório da “Comissão de Assistência a uma Cuba Livre”, conhecida como “Plano de transição para a democracia”, aprovado em 6 de maio de 2004 pelo presidente George W. Bush:

“Alcançar a juventude cubana representa uma das oportunidades mais significativas para precipitar o fim do regime. Esta geração tem o elo mais fraco com a Revolução, sua apatia e descontentamento são endêmicos. Continue isolando o regime de Castro ao mesmo tempo que apóia a oposição democrática e dá poder à sociedade civil emergente.

Os acontecimentos de novembro passado de 2020, realizados por um grupo de jovens em frente ao Ministério da Cultura, estimulados pela artista Tania Brugueras, a principal peça dos ianques para corroer por dentro o setor cultural, é uma amostra de como eles insistem em dividindo o povo cubano com as mesmas artimanhas, agora com o uso das redes sociais, que facilitam o alcance imediato e massivo de muita gente, o que, segundo José Martí, está dividido pela calúnia e pelo hábil cultivo das paixões humanas .

Não é por prazer que encontramos nas redes sociais alguns artigos que visam criar estados de opinião contra a Revolução, afirmando:

“O Estado deve resolver as contradições entre seu discurso político e sua projeção econômica. São os fatos que mostram a direção que as coisas realmente estão tomando. A presença militar na economia, sua impopular dolarização, o freio à iniciativa privada, os hotéis de luxo construídos entre bairros em ruínas e um investimento turístico muito superior ao da agricultura, são apenas algumas das contradições do reformas em um país com graves problemas em termos de alimentos, suprimentos, moradia e direitos civis.

Muito da censura sofrida pelos artistas se deve à abordagem dessas questões, portanto, falar de cultura é impossível sem tocar nesses aspectos.

Entre nossas realidades mais caras está o êxodo massivo de jovens em busca das oportunidades que encontraram em seu país ”.

A criminosa guerra econômica, comercial e financeira que dura 62 anos, nada é mencionada, como se suas ações cruéis de sanções contínuas, a pressão sobre os investidores estrangeiros e as multas pesadas sobre os bancos internacionais, não afetassem adversamente a economia de uma pequena ilha sem recursos naturais e não foram uma causa fundamental de emigração nos últimos 40 anos.

Eles não vão ver o que acontece hoje nas economias europeia e norte-americana, só por causa do fechamento parcial de suas indústrias e centros de serviços por 9 meses?

O que aconteceria nesses países se tivessem que suportar uma guerra econômica cruel como a que os Estados Unidos impuseram contra Cuba durante 60 anos?

Conozca la estrategia del MRS para ejecutar un “golpe suave” en Nicaragua

Eles poderiam manter os níveis de assistência médica, educação, cultura, esportes e seguridade social como faz Cuba?

Essa é a realidade dos planos subversivos da CIA e de seus acólitos que buscam semear ideias distorcidas da realidade nas mentes dos jovens, desmantelar o pensamento socialista e apoiar o processo revolucionário, e fazer o mesmo que a metrópole pretendia. Espanhol, para ganhar uma guerra que nunca poderia vencer pelas armas ”.

Recordemos José Martí, quando em 1892 afirmava:

“Nosso inimigo obedece a um plano: o de nos apodrecer, nos dispersar, nos dividir, nos afogar. É por isso que obedecemos a outro plano: aprender até a nossa altura máxima, apertar, juntar, ser mais esperto. Plano contra plano. Sem um plano de resistência, um plano de ataque não pode ser derrotado ”.

Categories: # Cuba, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, A obsessão dos Estados Unidos, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Cuba: a obsessão de EE. UU, Democracia, Golpe de Estado, Estados Unidos Gobiernos Paralelos Golpe de Estado Golpes Suaves, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Fidel, el ejemplo imperecedero de Maceo y Che,, Manipulacion, Manipulacion Politica, Manual do golpe de Estado, novas tentativas de golpe, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, política dos Estados Unidos em relação a Cuba, Relações Estados Unidos Cuba, Relaciones Cuba Estados Unidos, Revolução, Revolução Cubana, Revolução Cubana sobrevive a todas as agressões, Revolução Cubana,, sonhos de Fidel, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

CONRADO BENÍTEZ, exemplo inesquecível de professor e de fidelidade à Revolução.

Por Pedro Etcheverry Vázquez

Entre 1959 e 1961, 23 assassinatos e 37 feridos relacionados à alfabetização e ensino foram relatados em atos terroristas.

Em 22 de abril de 1960, durante uma aparição na televisão, nosso Comandante-em-Chefe Fidel Castro convocou os jovens cubanos a se unirem ao Movimento dos Professores Voluntários para ensinar a ler e escrever a todos que precisam.

Entre os milhares de jovens que se apresentaram, um negro chamado Conrado Benítez García, de família muito humilde, que estudava no Instituto Escola Secundária Matanzas, tomou a decisão de ingressar nessa bela tarefa.

Ele nasceu em 18 de fevereiro de 1942. Era filho de Diego Benítez e Eleuteria García. Seu pai trabalhava como operário de construção e sua mãe era dona de casa. Morava com a avó paterna María Luisa López, na rua San Francisco 58, bairro Pueblo Nuevo, em Matanzas. Durante a infância ganhava a vida engraxando sapatos, chegando à adolescência trabalhava de madrugada em uma padaria e durante o dia se superava culturalmente. Ele era conhecido como um jovem sério, respeitoso e honesto, que gostava do carinho de seus parentes e vizinhos.

Internet

Foi enviado para o campo El Meriño em Minas de Frío, no Leste, onde começou a receber a formação necessária para cumprir a missão e foi um dos primeiros a escalar o Pico Turquino.

No dia 29 de agosto, no teatro Auditório (hoje Amadeo Roldán), aconteceu a formatura do Primeiro Contingente de Professores Voluntários, quando Fidel fez o encerramento.

Em setembro, no final do curso, Conrado estava localizado na Serra da Reunião, Comunidade 24, adjacente à área de Gavilanes, no povoado La Sierrita, pertencente à Serra do Escambray.

Lá, o camponês Virgilio Madrigal ofereceu-lhe duas instalações em uma serraria. Em uma preparou uma sala de aula para ensinar leitura e escrita a 44 crianças de famílias camponesas e na outra instalou seu quarto. Durante os meses seguintes mergulhou no nobre trabalho de professor voluntário e nas horas de descanso colaborou com os camponeses nas tarefas habituais. Ele era um jovem muito amado pelas crianças.

Em 29 de dezembro de 1960, uma mensagem criptografada do agente da Agência Central de Inteligência Ramón Ruisánchez y Piedad (Comandante Augusto) nomeou Osvaldo Ramírez García como chefe de todos os bandos rebeldes em Escambray.

Com o indício de semear o pânico da população camponesa e frustrar os planos de desenvolvimento econômico e social da região, a CIA tinha o propósito de desestabilizar a situação interna de Cuba, o que serviria de pretexto para justificar perante a opinião pública internacional uma intervenção militar, mobilizando cerca de 1.500 emigrados cubanos que receberam treinamento rigoroso em campos montados no sul da Flórida e na Guatemala.

A 58 años del asesinato del maestro voluntario Conrado Benítez - tvsantiago

Mas Ramírez estava ansioso por cometer um ato terrorista que se espalhasse em todo o território nacional e se espalhasse, com o objetivo de fortalecer sua imagem como chefe de todas as gangues existentes no Escambray. Ele sabia que dessa forma poderia garantir que continuaria a receber fundos e suprimentos para a guerra.

No início de 1961, a CIA emitiu indicações de que os rebeldes deveriam permanecer inativos em toda a região de Escambray, de Topes de Collantes ao litoral, e não realizar ações que atraíssem as Forças Armadas.

Com a decisão, procuraram garantir que Ramírez recebesse com tranquilidade o primeiro carregamento de armas que a CIA lhe enviaria por via aérea no dia 6 de janeiro, como parte da chamada Operação Silêncio que incluía mais cinco sobrevôos, com os quais pretendia abastecer as gangues rebeldes. antes que ocorresse a invasão que estavam preparando.

Na tarde do dia 4 de janeiro, quando voltaram das férias, os jovens Conrado Benítez García e Magaly Olmos López foram para suas respectivas aulas rurais em Escambray, para retomar suas funções. Antes do anoitecer a moça decidiu ficar na casa de um camponês, mas Conrado optou por continuar seu caminho. Ele estava ansioso para ver a reação de seus alunos ao verem os brinquedos que ele havia comprado para eles.

Ao entardecer, quando Conrado estava prestes a entrar em seu quarto, foi surpreendido por vários rebeldes fortemente armados que começaram a insultá-lo, espancá-lo com violência, amarrar suas mãos atrás das costas e levá-lo para um destino desconhecido.

Depois de uma longa e tempestuosa jornada de La Sierrita a Las Tinajitas, em San Ambrosio, Trinidad, depois de caminhar uma longa distância por montanhas, eles chegaram ao acampamento principal dos rebeldes em Escambray.

CIA | Metal Gear Wiki | Fandom

Conrado foi introduzido em uma jaula rústica forrada de tela e arame onde já se encontrava o camponês Eleodoro Rodríguez Linares (Erineo). Os dois presos representavam as mudanças que estavam ocorrendo na região: alfabetização e reforma agrária. Em seu confinamento, foram objeto de inúmeras ofensas e humilhações, mas permaneceram firmes em seus princípios revolucionários, que ofendiam seus captores.

Pouco depois Osvaldo Ramírez se aproximou da jaula e prometeu a Conrado que se unisse suas forças pouparia a vida, mas o jovem professor respondeu com integridade que nunca abandonaria seus pequenos alunos e muito menos quando eles mais precisassem dele.

O líder não disse mais nada e deixou o local visivelmente insatisfeito com a firme decisão do jovem mestre. À meia-noite, escreveu um bilhete cujo texto revelava o comportamento de um homem cheio de ódio que, além de assassino, era racista e anticomunista, e onde assegurava o próximo enforcamento do professor.

Durante a madrugada, Reinerio Perdomo Sánchez, um dos homens que estava naquele acampamento, aproximou-se furtivamente da jaula para que o encarregado não o detectasse. Ele pôde ver que Conrado tinha um fio de sangue escorrendo pelo rosto dos golpes que havia recebido anteriormente. Em um tom muito baixo, ele se dirigiu aos dois prisioneiros e expressou sua vontade de abrir a porta para encorajar sua fuga.

Conrado tentou tranquilizá-lo, expressando que, dado o seu status de professor, não o prejudicariam. Erineo preferiu ficar em silêncio. Nenhum deles poderia imaginar que o indivíduo que estava tentando ajudá-los era na verdade Cabaiguán, um agente da Segurança do Estado, que agia secretamente dentro desses vermes, para saber de seus planos e facilitar sua captura.

A breve conversa foi interrompida pelo bandido que cobria o posto mais próximo e Cabaiguán teve que se retirar. Pelo resto daquela manhã fria, ele não conseguiu dormir pensando no que poderia acontecer no dia seguinte.

Na madrugada de 5 de janeiro, a situação no acampamento daqueles bandidos era muito tensa. Como expressão da brutalidade que o caracterizava – e esquecendo-se das instruções que recebera de não cometer nenhum ato que atraísse as milícias – Osvaldo Ramírez ordenou que os dois presos fossem libertados do confinamento.

Conrado Benítez – Radio Trinidad Digital

Imediatamente se formou uma espécie de “tribunal”, composto por Merejo Ramírez, Jesús Hernández e Leonel Martín, nenhum dos quais tinha formação profissional para administrar justiça, e representou-se um “julgamento” diabólico no qual três bandidos acusaram os prisioneiros de serem comunistas. apresentando como suposta evidência que Erineo havia sido combatente no Exército Rebelde e carteira de professor de Conrado. Os presos não tiveram oportunidade de apresentar seus argumentos. Quando consideraram que a encenação estava concluída, concluíram uma ata digitada e os membros do “tribunal” assinaram.

Ao meio-dia, quando Osvaldo Ramírez soube que as milícias estavam na área de Ciego Ponciano e avançavam rapidamente sobre San Ambrosio, ele decidiu deixar o campo e deu a ordem de matar os dois presos.

Por volta de uma e meia da tarde atacaram Conrado e depois de espancá-lo atirando pedras em seu rosto e cutucando-o com facas e baionetas, quando já estava em péssimo estado, o bandido Macario Quintana Carrero (Pata de Pancha) extraiu uma faca afiado e cortado seus órgãos genitais. Então, quando o viram morrendo, no meio de um espetáculo dantesco, colocaram uma corda em seu pescoço, passaram a corda por um galho de árvore, baixaram e escalaram várias vezes até que a vítima estava sem sangue. Mais tarde, Erineo também foi enforcado.

Depois de alguns minutos, o rebelde Idael Rodríguez Lasval (El Artillero) matou um de seus próprios comparsas, porque havia sido vítima de um súbito ataque de pânico ao testemunhar a crueldade com que aqueles dois indefesos foram assassinados. Seu corpo foi encontrado no dia seguinte próximo aos corpos de Conrado e Erineo.

Osvaldo Ramírez e seus seguidores puseram os pés na poeira imediatamente para evitar um confronto com as milícias.

Poucas horas depois, Fidel apareceu no local e ouviu o depoimento do agente Cabaiguán. Ao analisar a situação, ele decidiu operar na área de San Ambrosio e tinha razão, pois os assassinos estavam lá esperando o anunciado lançamento de armas.

Forças combinadas do Exército Rebelde e das Milícias atuaram naquela região, causando várias baixas aos bandidos e apreendendo deles documentos que transcendiam sua subordinação à CIA e a composição das gangues. No dia 6 de janeiro, os vinte pára-quedas lançados de um avião C-47 foram ocupados pelos milicianos com o apoio de vários camponeses.

Algum tempo depois, encontrando-se foragido, o oficial Mirio Pérez Venegas revelou a outro agente da Segurança do Estado os detalhes do ocorrido naquela tarde.

“No acampamento parecia que havia uma festa naquela noite. Os dois presos foram colocados em uma espécie de celeiro de malha e cerca de dois metros de altura. Todos nós costumávamos corar no curral e atirar pedras nele, cuspir e praguejar contra ele, até que Osvaldo chegou e disse a Conrado Benítez: “Se você se juntar a nós, eu te perdoo a vida”.

“Mas aquele homem, apesar de todo machucado pelos golpes, respondeu que era acima de tudo um revolucionário e que não traiu o seu povo, que eles podiam fazer o que quisessem com ele … Veja, diga isso a Osvaldo na cara dele … E você Você sabe, ele estava cheio de raiva e nos ordenou no dia 5 de janeiro para irmos todos para onde os comunistas estavam para que pudéssemos vê-lo em ação.

“Repito, parecia uma festa, primeiro tiraram o Conrado Benítez, que com uma corda ao pescoço tinha que andar depressa para não ser arrastado, enquanto todos os presentes batiam nele com paus e passavam facas para ele. Quando estava embaixo do arbusto escolhido para sua execução, a corda foi passada por um segmento, os olhos do brigadista o olharam como se perguntando se éramos animais. As pedras e os furos não pararam por um momento, até que Osvaldo mandou puxar a corda. O corpo foi suspenso e baixado várias vezes como se fosse uma boneca, até o fim da vida quando o deixamos em cima. Apesar de já estar bem morto, Osvaldo ordenou que continuássemos a espancá-lo e espancá-lo.

“Depois foi a vez do fazendeiro. Foi trazido nas mesmas condições. Fizemos com Eleodoro Rodríguez o mesmo que fizemos com o brigadista, liderado por Osvaldo, que sempre foi o primeiro a torturar e puxar a corda. Como o Danilo falou, eu participei diretamente de tudo isso. Eu tenho que deixar Cuba de qualquer maneira, se o G-2 me pegar, eles vão arrancá-lo de mim. “

Este ato terrorista suscitou uma onda espontânea de indignação e fervor patriótico e revolucionário em toda a cidade, que se manifestou de imediato na vontade de milhares de jovens de partirem imediatamente para as planícies e montanhas, organizados nas Brigadas “Conrado Benítez” constituídas em homenagem ao professor assassinado para realizar a Campanha Nacional de Alfabetização.

50 aniversario de la Campaña de Alfabetización: Algo más que soñar (+  Himno) | Cubadebate

Em 23 de janeiro de 1961, na solenidade de formatura do Segundo Contingente de Professores Voluntários realizada no teatro da Central de Trabalhadores de Cuba (CTC), Fidel proferiu um discurso no qual anunciou que mais de vinte integrantes da quadrilha de Osvaldo Ramírez haviam sido capturados e já haviam sido retirados o cartão do professor assassinado e a certidão assinada pelos bandidos.

Posteriormente, referindo-se a Conrado, acrescentou: “Ele não era filho de fazendeiro, não era filho de industrial, não era filho de grande comerciante; este jovem não foi para Miami, este jovem não foi para Paris, este jovem não tinha Cadillacs, era um jovem de dezoito anos que só conhecia de suor honesto, que só conhecia da pobreza um jovem professor que ensinava perto de Sancti Spíritus a 44 filhos de camponeses […] ele era pobre, era negro e era professor.

“Isso é fruto das campanhas anticomunistas, […] ou seja, eles transformaram o crime em sua conduta, inventaram a justificativa, e nela – o anticomunismo – se baseiam para perpetrar esse ato bárbaro.

“Mas o resultado deve ser inevitavelmente o triunfo de quem quer educar e a destruição de quem quer assassinar os professores. Como as forças do povo, amparadas por seu direito e razão, são mil vezes superiores às forças dos criminosos e mercenários, veremos como ensinamos até os últimos analfabetos e veremos como aniquilaremos o último criminoso contra-revolucionário. “

Os participantes deste evento horrível pagaram com a vida pelo crime cometido. Osvaldo Ramírez foi morto em 16 de abril de 1962 enquanto tentava fugir de um cerco da milícia.Júlio Emilio Carretero foi capturado em março de 1964 pela Operação Trasbordo e condenado à morte. Macario Quintana Carrero (Pata de Plancha), Aquilino Zerquera Conesa (Tito) e Ruperto Ulacia Mustelier (Gurupela) tiveram o mesmo destino. O restante foi morto em várias operações militares.

Participaram da Campanha Nacional de Alfabetização 34.772 professores voluntários, 120.632 alfabetizadores populares, 13.016 Brigadas “Pátria o Muerte” do setor trabalhista e 105.664 alunos das Brigadas Conrado Benítez (jovens entre 12 e 18 anos). Tiveram o apoio das organizações políticas e de massa, e com a colaboração do campesinato. Em menos de um ano, um total de 707.212 pessoas aprenderam a ler e a escrever, restando apenas as que não sabiam ler e escrever devido à idade avançada ou a alguma doença.

Em 22 de dezembro de 1961, na Plaza de la Revolución, em Havana, diante de uma grande concentração popular e em meio a uma ovação sem fim, nosso Comandante em Chefe Fidel Castro declarou Cuba um Território Livre de Analfabetismo.

Naquele momento comovente, em cada canto de nosso país e no coração de todos os cubanos, estavam presentes Conrado Benítez e todos os compatriotas que deram suas vidas em tão nobre empreendimento.

Campaña de Alfabetización: «Cuba escribió una página épica» | Cuba Si
Categories: "Liberdade", "democracia", "racismo" e "direitos humanos", # Cuba, #CIA, #CIA CONTRA EL CHE, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Fidel, #YoSoyFidel, A obsessão dos Estados Unidos, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), alfabetização, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Cuba: a obsessão de EE. UU, HEROES Y MARTIRES | Deixe um comentário

Cuba rejeita as sanções dos EUA contra o Banco Financiero Internacional.

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, @Trump, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Bruno Rodríguez Parrilla, Cuba, Daniel Ortega Saavedra, Governo, Ministério das Relações Exteriores (Minrex), Nicarágua, Cuba: a obsessão de EE. UU, Estados Unidos Vs Cuba, Estados Unidos,, EUA avalia retornar a Cuba para lista de estados patrocinadores do terrorismo, FORA TRUMP, MINREX, política dos Estados Unidos em relação a Cuba, Relações Estados Unidos Cuba, Relaciones Cuba Estados Unidos, TERRORISMO VS CUBA, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

Moderado e revolucionário.

Por Ernesto Estévez Rams Razonmes de Cuba .

Elihu Root era um advogado nova-iorquino nomeado Secretário da Guerra pelo presidente McKinley para administrar as novas colônias que haviam “caído” para os Estados Unidos: Porto Rico, Filipinas e Cuba. Foi Root quem propôs Leonardo Wood como governador da Ilha na primeira intervenção. O desprezo de Root pelos cubanos era evidente.

Quando a Assembleia Constituinte começou a redigir a carta que presidiria à República, Elihu escreveu a Wood para informar aos membros da assembléia que “se o povo americano passa a ter a impressão de que os cubanos são ingratos e irracionais, então o povo americano Não seria tão altruísta e sentimental na próxima vez que eles intervirem nos problemas cubanos … ». Isso acabou com a infâmia da Emenda Platt.

Anos depois, em 1929, Rafael Martínez Ortiz, que era Secretário de Estado da Ilha, explicou, ao falar dessas tarefas da Assembleia Constituinte, que nela “se impôs a realidade a todas as consciências capazes de avaliar a natureza do problema . Só os fanáticos continuaram a fazer barulho (…) o povo de pouca cultura; eles tinham que ver as coisas do ponto de vista de seu sentimentalismo. ‘ Para ele, os patriotas contrários à infâmia tinham pouco valor, eram “fanáticos”, ou seja, extremistas, guiados pelo sentimentalismo e não pela racionalidade.

Granma - Órgano oficial del PCC

O moderado Martínez Ortiz, alguns anos antes, ao inaugurar, em dezembro de 1924, a Primeira Conferência Pan-Americana sobre Eugenia e Homicultura, não teve escrúpulos em dizer que, para Cuba, toda imigração deve evitar a entrada de “pessoas ou raças impróprias”. , e concluiu que “duas raças superiores” deveriam ser favorecidas. Para ele, um deles era o Mediterrâneo europeu, e o outro, o saxão

Para o moderado Prío, a exemplo de seu tutor Grau San Martín, o discurso da soberania e do antiimperialismo “leve” durou apenas, como máscara, até chegar à presidência do país.

O jornalista Luis Ortega afirma que, ao entrevistar Prío nos dias posteriores ao golpe, pediu-lhe que intercedesse junto a Batista para que devolvesse um camarote que havia deixado em sua mesa presidencial. A caixa, ele confessou, continha, entre outras coisas, 250.000 pesos com os quais planejava reiniciar sua vida como exilado.

Aquele dirigente moderado que surgira na vida pública após a derrubada de Machado exclamou: “Diga a Batista para me devolver a caixa com tudo o que ela contém, confio no seu cavalheirismo”. Pelo menos já sabemos quanto valia o país para Prío Socarrás.

Fernando Martínez Heredia insistiu, até seus últimos escritos, em acompanhar a Revolução em sua condição de socialista e de “libertação nacional”. Tampouco deixou de convocar a República antes desse triunfo, de república neocolonial burguesa. Ao enfatizar seu caráter socialista, se justifica sua essência de classe, algo, em suma, típico de todo sistema social, mesmo quando os ideólogos capitalistas de vários tipos se esforçam tanto para não mencioná-lo.

Cito Martínez Heredia: «Em Cuba, os tremendos impactos da justiça social exercida e o fim da dominação neocolonial aconteceram juntos – só podiam acontecer juntos – e superaram os velhos discursos nacionalistas e as ideias e práticas reformistas. É por isso que chamo a revolução socialista de 1959 de libertação nacional.

Há pouco favor intelectual para aqueles que querem espanar “velhos discursos nacionalistas” e reformistas sem muita novidade na argumentação gasta, exceto pelo uso ocasional e espirituoso da palavra que esconde o que foi superado, para vendê-lo como uma ideia nova. Ao conseguir apresentar-se como o outro, a alternativa, a superior, ou aquela que se situa moderadamente no centro, trata-se, na realidade, de tornar potável a realidade cubana o retorno ao capitalismo colonizador que, em Cuba, seguirá necessariamente uma derrota da Revolução.

Não é honesto articular reveses em nome dos despossuídos, usando-os como máscaras. Aqueles que disfarçam a restauração capitalista com um ar de pós-modernidade me lembram do trabalho de um lavatório que busca higienizar as partes úmidas da República para realmente oferecê-la ao comprador mais poderoso da hegemonia capitalista global. Eles fazem essa manobra, enquanto acusam aqueles que defendem o radicalismo antiimperialista que reivindicam, por princípio, a soberania nacional como extremistas, como Martínez Ortiz.

Seis décadas de história vinculam nossa independência, como Martínez Heredia apontou, ao socialismo que proclamamos em nossas constituições após o triunfo revolucionário de 1959, endossado em um voto popular esmagador. Qualquer discurso que vise derrotar a revolução socialista de libertação nacional, o Estado que a representa e suas organizações, independentemente da linguagem dos diferentes signos ideológicos com que se reveste, é estritamente contra-revolucionário como manifestação de retrocesso.

A realidade é que o moderado, quer se autodenomine social-democracia, centro ou qualquer outro, nunca foi bom em anti-imperialismo. É por isso que evitam falar sobre isso. Mas é isso o que define a luta de classes em escala global hoje, continua sendo a aposta imperialista colonial contra a aspiração das maiorias a uma ordem socioeconômica que supere o capitalismo. Qualquer proposta que não enfrente este dilema e não tome o partido dos pobres é uma proposta de retrocesso e, portanto, do ponto de vista ideológico, contra-revolucionária.

Oscar Wilde encontrou a maior vileza naquele escravizador que fingia ser humano para tornar a vida mais aceitável para o servo, mas cujo objetivo era esconder a natureza exploradora do sistema de servidão. A relutância ao radicalismo, em nome de uma impossível reconciliação de classes, é exatamente isso: tornar sua condição de servo tolerável e natural para o colonizado.

Nós, revolucionários, também defendemos o fim do ódio, mas vemos que esse fim só é possível com o fim da injustiça social. Todos os nascidos em Cuba devem ser irmãos, mas com base em que ganhemos toda a justiça.

Antes de 1959, descobriu-se que alguns eram mais “irmãos” do que outros. O latifundiário cubano era mais irmão do latifundiário ianque do que do camponês cubano e, para ambos, a falsa condição de irmandade com o camponês acabou quando se trata de lhe pagar uma ninharia, ou quando o apetite incontrolável foi resolvido com o despejo.

A falsa irmandade do senhorio com o inquilino cubano acabou quando foi fixado o aluguel saqueador e, se não fosse pago, não havia nenhuma condição cubana que salvasse a família do despejo, incluindo os filhos, o avô, o cachorro e até o gato . Parece que alguns não gostariam que lembrássemos que a irmandade dos burgueses, por mais cubana que seja, só acontece com seus colegas de classe, sejam eles cubanos ou não.

Parece que alguns também gostariam que não lembrássemos que foram os moderados que se levantaram por conta própria da mesa da Revolução, em seus primeiros anos, assim que ficou claro que o único caminho para a verdadeira emancipação era através do antiimperialismo de raiz. , e quando o cheiro de humilde fortalecido provou ser demais para suas narinas refinadas. Uma coisa é falar da Revolução e outra é fazê-lo.

O bom moderado ensina um caminho de conciliações, enquanto nos diz que a solução para os problemas do mundo não é distribuir o peixe, mas ensinar a pescar. Mas não nos diz que, uma vez que você tenha habilidade para pescar, descubra que neste sistema-mundo capitalista, o dono da vara, do carretel, da rede e do anzol é 1% da população que, Feliz com a sua habilidade de criar riqueza, ela agora o força a entregar a maior parte da captura.

Em uma escala planetária, o sistema imperial global esgota os países pobres até o ponto em que sua capacidade coletiva de continuar entregando riqueza não está ameaçada, e quando eles saem do controle, há empréstimos financeiros de “resgate” para impedi-los de nosso colapso afeta a eficiência de pilhagem do sistema.

Mas o bom moderado não quer nos falar disso, assim como não quer nos dizer que nenhuma social-democracia jamais se ergueu organicamente, para denunciar e combater a depredação econômica imperialista sobre os países pobres. Pelo contrário, acomodam-se convenientemente ao mecanismo colonizador do imperialismo global, servindo-lhe de apoio como foro que necessita da sua cumplicidade ou, sem muito desgosto, pertencente ao exército imperial global, quer sob a sigla de OTAN, quer em alianças militares de “Aqueles dispostos” a atacar algum “canto escuro do planeta” infeliz.

O moderado, como o bom dono de escravos, quer naturalizar a pilhagem global de nós, dando-lhe roupas aceitáveis ​​ou convidando-nos, como se fosse possível para a maioria, fazer parte dos vencedores imperiais. Mas se uma nota dissonante ameaça a orquestra homogeneizadora capitalista, os moderados se afastam para que ganhe destaque o extremo que dizem abominar, mas que consideram necessário como corretivo aos radicais das revoluções. Sufocados os sons estridentes de Spartacus, sob a violência genocida, os piedosos moderados entram, para condenar os excessos dos dois extremos, igualando vítimas e perpetradores, e discursando, mais uma vez, sobre a necessidade da irmandade universal hipócrita dos democracia, assim, sem sobrenomes.

As Mediastintas deveriam implorar a seus aliados que tornassem as coisas mais fáceis para elas. Carlos Saldrigas, sobrinho burguês do ministro da ditadura de Batista, confessou publicamente, não faz muitos anos, como apostou sua fortuna para criar um “embrião de alternativa moderada e centrista” para Cuba. Curiosamente, alguns de seus anfitriões no pátio, durante a era Obama, reivindicaram “a mudança para o centro” como a forma de superar o radicalismo revolucionário anti-imperialista. Eles também precisam, como justificativa acadêmica, acusar a Revolução de ter sido presa no século XX, enquanto (ai, ironia, se houver) apelam para uma constituição da primeira metade do século passado, como referência intransponível. É uma pena que Martínez Heredia, Ana Cairo, Torres-Cuevas e tantos outros historiadores radicais “esmaguem” tantas vezes como, por uma revolução socialista de libertação nacional, o que, embora avançado em sua época, estava ancorado em um passado de reformismo que não conseguiu superar o capitalismo neocolonial.

O moderado de hoje, no campo de batalha da Revolução Cubana, submetido ao bombardeio criminoso do bloqueio que tudo condiciona, nos adverte com ar de sabedoria que a “Cuba possível” está longe dos extremos que, segundo eles, tocam. E enquanto as bombas caem como sanções, pregam que saímos das trincheiras sem armas, para chegarmos à metade, ali mesmo, onde o tiro do inimigo imperial é mais eficaz.

Deve-se lembrar aos moderados que Cuba é uma nação fundada no radicalismo de Martí, Mella, Guiteras e Fidel, e a esse radicalismo revolucionário que nos devemos aos humildes, pelos humildes e por todos os humildes deste planeta. E que, ao contrário da pregação conciliatória, em face do império que ameaça cobrir o sol com suas garras, esse povo radical, se necessário, em vez de se render, continuará lutando nas sombras.

Retirado do Jornal Granma

Categories: #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), Cuba: a obsessão de EE. UU, Diferendo Estados Unidos - Cuba, Relaciones Cuba-EE.UU, Estados Unidos contra Cuba, Estados Unidos Gobiernos Paralelos Golpe de Estado Golpes Suaves, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, O Serviço de Cidadania e Imigração dos Estados Unidos (USCIS) anunciou hoje o fechamento permanente de seu escritório local em Cuba,, Revolução Cubana sobrevive a todas as agressões, Revolução Cubana, | Deixe um comentário

Otaola, Marco Rubio e Telemundo 51, o triângulo das mentiras.

Categories: # Cuba, #Chile, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Donald Trump, #Estados Unidos, #EstadosUnidos, #Marco Rubio e #Bob Menendez ., A obsessão dos Estados Unidos, ações subversivas, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Marco Rubio, Mario Díaz-Balart, Relaciones bilaterales., Cuba: a obsessão de EE. UU, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, INTERVENÇÕES HUMANITÁRIAS DOS EUA, Manipulacion, Manipulacion Politica, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Subversão contra Cuba, Subversión, Telemundo 51 | Etiquetas: , | Deixe um comentário

Exigem os de San Isidro pelo fracasso do surto que pretendiam contra o MINCULT.

Categories: "Ataques acústicos" e meios de comunicação norte-americanos catalogado incidentes de saúde relatado por diplomatas dos EUA em Cuba, que disseram ter ouvido sons que, de acordo com um novo estudo c, # Cuba, # yo voto vs bloqueo, #solidaridadvs bloqueo, A obsessão dos Estados Unidos, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, Cuba, fake news, Cuba: a obsessão de EE. UU, CubavsBloqueo, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Fake news, INTERVENÇÕES HUMANITÁRIAS DOS EUA, Manipulacion Politica, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: