11 de Julho e as zonas vermelhas da realidade .

#Cuba #Periodismo #RevolucionCubana #ManipulacionPolitica

Por Redacción Razones de Cuba

O 11 de Julho fez-nos sair das zonas vermelhas da crise sanitária da COVID-19 e entrar nas zonas vermelhas da realidade. Os acontecimentos inesperados dessa data colocaram a sociedade cubana, como nunca antes, perante o dilema da “crise total” em que a pandemia está a sujeitar a nossa civilização.

Um dos mais notáveis colunistas do nosso jornalismo, José Alejandro Rodríguez, alertou para este facto numa recente reunião com o Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez. Fê-lo com a alma endurecida de alguém que dirige uma secção de leitores no diário Juventud Rebelde há mais de 20 anos, contra a maré de reviravoltas sociais, burocracia, negligência e outros fardos.

O que José Alejandro não teve tempo para narrar, em mais de quatro horas de uma reunião tão profunda como estava comprometido com o destino de Cuba, foram os tempos em que os burocratas habilitados tentavam silenciar ou mediatizar o seu Reconhecimento de Recepção. Os tempos em que, por revelarem injustiças ou marginalização entristecedora, ao contrário do sentido da Revolução, tentavam cortar ou subjugar esta prestigiosa coluna.

A importância do facto de o espaço ter sobrevivido a numerosos “golpes suaves” e outros nem tanto, em benefício do cumprimento da responsabilidade social dos media no socialismo, foi reconhecida pelo próprio Presidente da República nesse diálogo, quando comentou que usava o que ali estava exposto para o exercício do seu governo, que só pagava manipuladores e mercenários ignorariam que ele está a tentar responder ao bater do coração do povo.

E esta convergência entre a missão do jornalismo e os interesses de um Estado e de um executivo em Revolução lembra-nos que o primeiro só atingirá o seu verdadeiro significado e cumprirá a sua responsabilidade se funcionar como contrapeso e equilíbrio na sociedade, algo que não é suficientemente compreendido em todos os modelos conhecidos de socialismo, incluindo o nosso na rectificação.

Qual seria a utilidade social, ou para a irreversibilidade do projecto cubano de independência nacional e justiça social, de um modelo de jornalismo apologético ou triunfalista, alienado dos dilemas do cidadão comum ou de deformações de vários tipos, para o qual foram dirigidas as críticas dos últimos congressos do Partido Comunista de Cuba?

Reconheçamos que o derrotismo que o mecanismo de ódio e deturpação desencadeado contra Cuba tenta semear, com o seu permanente bombardeamento de desânimo, numa guerra que não tem limites éticos ou humanos, pode ser tão destrutivo como o triunfalismo ou a vanglória excessiva que altera a interpretação da realidade.

Daí a necessidade inevitável de superar o modelo de “jornalismo de Estado”, de elevada dependência institucional que a Revolução foi forçada a erguer em circunstâncias históricas muito específicas – excelentemente descrito pelo falecido Julio García Luis, vencedor do Prémio Nacional de Jornalismo no seu texto Jornalismo, Socialismo, Jornalismo: A imprensa cubana e os jornalistas no século XXI – pelo que conceptualmente chamou um modelo de auto-regulação responsável dos meios de comunicação social.

Como Díaz-Canel correctamente salientou na reunião, não se trata agora de ter vergonha do modelo jornalístico que permitiu à Revolução construir o grande consenso social num país sujeito a assédio e agressão permanentes desde 1959, face a um modelo de comunicação global profundamente injusto e assimétrico, perfidamente articulado e concebido para os interesses das elites económicas e políticas.

Seria tão absurdo rotular o modelo de imprensa revolucionário cubano de fracasso como seria irresponsável persistir na sua inalterável permanência. A este respeito, Julio García Luis demonstrou suficientemente que a resolução dos problemas do jornalismo não é suficiente para resolver os défices do nosso socialismo, mas sem o fazer seria impossível fazer este último.

É necessário compreender que estes consensos, assim como a hegemonia dos ideais revolucionários que levaram a Revolução até agora vitoriosa, não são construídos da mesma forma no século XXI. Isto é muito mais complexo numa sociedade em transformações radicais, com pesadas dívidas sociais acumuladas apesar do seu imenso trabalho de justiça, e sujeita à asfixia de um bloqueio imperial levado ao paroxismo.

Daí a necessidade inescapável, como declarou Ariel Terrero Escalante, vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas Cubanos (UPEC), no diálogo, de promover novas formas de comunicação política e mediática. Isto exige que se evite qualquer tipo de confusão entre os dois, numa era de expansão acelerada da Internet e a perda de hegemonia dos sistemas tradicionais face à expansão das redes sociais e à profunda segmentação dos públicos.

Um padrão actualizado de jornalismo exige um novo tipo de relação entre o sistema de instituições públicas e o sistema de meios de comunicação social, que visa tornar os meios de comunicação social parte dos mecanismos de controlo social, como o próprio Díaz-Canel reconhece.

A concretização do acima referido, incluindo formas modernas e transparentes de comunicação institucional, impede o que Rosa Miriam Elizalde, primeira vice-presidente da UPEC, chamou o choque telúrico de 11 de Julho, favorecido por problemas de gestão da comunicação num cenário clássico de guerra não convencional e o uso avassalador da ciência e da tecnologia.

Muitas das chaves da transformação emergiram de outras reflexões na reunião. Tanto Edda Diz Garcés, director da Agência Cubana de Notícias, como Armando Franco Senén, chefe da revista Alma Máter, destacaram o valor essencial do tempo no exercício jornalístico de hoje, a combinação de racionalidade e emoção, bem como os danos do silêncio, a falta de transparência institucional e mesmo os tons da comunicação. O director da Alma Máter insistiu na singularidade e urgência de um tipo de jornalismo feito para os jovens.

Os jovens colegas Lirians Gordillo e Cristina Escobar, da Editorial de la Mujer e do Sistema Informativo de la Televisión Cubana, respectivamente, sublinharam a franqueza do diálogo com aqueles que pensam de forma diferente, com aqueles que discordam da acomodação de ideias e não são, portanto, antagónicos, bem como o valor da controvérsia e da crítica. E tudo isto com um discurso renovado, moderno, cientificamente apoiado, muito longe do propagandismo ostensivo.

Enquanto os Estados Unidos e a direita mundial querem vender-nos a panaceia idílica do jornalismo privado, ao serviço dos poderosos e dos ricos, e pagam muito bem para estabelecer um sistema paralelo deste tipo em Cuba, não devemos deixar de insistir no contrário, um sistema nunca erguido até hoje, parte dos mecanismos de uma democracia verdadeiramente popular.

Para que o discurso revolucionário dos meios de comunicação social seja legitimado face à pluralidade de audiências e interesses actuais, deve estar especialmente ligado à realidade. Não pode ser alienado ou mudo perante as complexas geografias sociais que decidem a verdadeira plenitude da justiça no socialismo.

Um Instituto para uma comunicação socialista autêntica
O Instituto de Informação e Comunicação Social, cuja criação foi anunciada no jornal oficial na terça-feira, está em construção há vários anos e deverá contribuir para resolver os problemas estruturais da imprensa e da comunicação na sociedade cubana.

Espera-se que a instituição ofereça coerência ao cumprimento da Política de Comunicação do Estado e do Governo aprovada em 2018, a primeira do seu género após o triunfo da Revolução. Esta política reconhece a informação como um bem público e um direito do cidadão.

Embora com uma visão e missão muito mais abrangente e integradora, a emergência do Instituto deverá facilitar o progresso para novos modelos de imprensa e comunicação pública, uma necessidade acentuada pela rápida imersão de Cuba na chamada era de convergência e no cenário de guerra híbrida que o país enfrenta.

Em frente, com vista a resolver estes problemas estruturais, está a aprovação de um instrumento jurídico, já incluído no calendário parlamentar, que daria garantias para os direitos à liberdade de imprensa e à liberdade de expressão consagrados na nova Constituição.

No seu encontro com jornalistas, o Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, reiterou uma vontade política que já tinha sido salientada muitas vezes: compreender a gestão da comunicação como algo vital e, portanto, revolucionar a sua gestão. Salientou que é por isso que a comunicação é um dos três principais pilares do país, juntamente com a informatização, a ciência e a inovação.

Extraído de Juventud Rebelde

Vendepatrias em frente ao Ministério da Cultura de Cuba, imitam os agressores do Capitólio de Washington.#GuerreroCubano

#GuerreroCubano #CubaSeRespeta #CubaViva #MINCUL #CubaEsCultura #ManipulacionMediatica #RedesSociales #SubversionContraCuba #MafiaCubanoAmericana #RevolucionCubana #MercenariosYDelincuentes #Washington

O verdadeiro pano de fundo das provocações na sede do Ministério da Cultura .

#MINCULT #RevoluciónCubana #Cuba #FakeNewsVSCuba #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana #SubversionContraCuba #CubaEsCultura #CubaSeRespeta

Divisão, a arma preferida do inimigo .

#Cuba #RevolucionCubana #FidelEntreNosotros #IdeasQueSonBanderas #SubversionContraCuba #CubaSeRespeta #ManipulacionMediatica #MafiaCubanoAmericana

Por Arthur González

Añejo é o conceito de “dividir para conquistar” e o que os Estados Unidos tentam executar contra todos os movimentos revolucionários e Cuba tem sido um campo de batalha nesse sentido.

Desde antes do triunfo revolucionário de 1959, os Estados Unidos tentaram dividir as forças que lutavam contra a tirania de Fulgencio Batista, por isso promoveram a formação da 2ª Frente Nacional do Escambray e enviaram para ela o agente da CIA, o americano William Morgan e o oficial John Spiritto, com o objetivo de evitar a unidade entre o Movimento 26 de julho, o Diretório Estudantil 13 de março e o Partido Socialista Popular.

Esse propósito foi declarado pelo próprio Spirit ao ser preso em 5 de dezembro de 1962 pela Segurança do Estado cubana.

O governo espanhol também utilizou o mesmo método de divisão interna das forças revolucionárias, o que José Martí denunciou em 28 de maio de 1892 no jornal Pátria, onde afirmava:

“O governo espanhol se costurou na realidade, escolheu seus inimigos um a um, os segue com um homem nos calcanhares … divide os cubanos em que a distribuição pessoal se deve à calúnia e ao hábil cultivo das paixões humanas. ou uma obrigação de classe ou uma companhia mal compreendida, poderia fazer mais do que um dever para com o país ”.

E acrescentou:

“É um dever denunciar para que ninguém se engane, nem por paixão, onde o seu inimigo o queira levar, ou colabore com os pretextos do mal ou do orgulho, a desordem e a derrota do seu país, os métodos especiais e tenazes e ainda frutífero da campanha espanhola. Ninguém se surpreenderá com o mais sutil e eficaz desses métodos, pois, aproveitando as dissensões internas, a Espanha foi capaz de vencer uma guerra que nunca poderia vencer pelas armas.

Golpe blando en Cuba

A CIA nunca deixou de trabalhar neste sentido e já o tentou em várias ocasiões contra a Revolução, chegando mesmo a desenvolver um plano para dividir as Forças Armadas e os comunistas cubanos, pelo qual um suposto oficial da CIA vendeu informações falsas a respeito à suposta traição de um alto militar cubano, com o mesmo interesse da divisão interna, convencidos de que a arma fundamental dos cubanos é sua unidade.

Hoje o trabalho da CIA e de seus colaboradores é justamente erodir essa unidade, por isso seus esforços e o dinheiro aprovado se dirigem à juventude cubana, que segundo o relatório da “Comissão de Assistência a uma Cuba Livre”, conhecida como “Plano de transição para a democracia”, aprovado em 6 de maio de 2004 pelo presidente George W. Bush:

“Alcançar a juventude cubana representa uma das oportunidades mais significativas para precipitar o fim do regime. Esta geração tem o elo mais fraco com a Revolução, sua apatia e descontentamento são endêmicos. Continue isolando o regime de Castro ao mesmo tempo que apóia a oposição democrática e dá poder à sociedade civil emergente.

Os acontecimentos de novembro passado de 2020, realizados por um grupo de jovens em frente ao Ministério da Cultura, estimulados pela artista Tania Brugueras, a principal peça dos ianques para corroer por dentro o setor cultural, é uma amostra de como eles insistem em dividindo o povo cubano com as mesmas artimanhas, agora com o uso das redes sociais, que facilitam o alcance imediato e massivo de muita gente, o que, segundo José Martí, está dividido pela calúnia e pelo hábil cultivo das paixões humanas .

Não é por prazer que encontramos nas redes sociais alguns artigos que visam criar estados de opinião contra a Revolução, afirmando:

“O Estado deve resolver as contradições entre seu discurso político e sua projeção econômica. São os fatos que mostram a direção que as coisas realmente estão tomando. A presença militar na economia, sua impopular dolarização, o freio à iniciativa privada, os hotéis de luxo construídos entre bairros em ruínas e um investimento turístico muito superior ao da agricultura, são apenas algumas das contradições do reformas em um país com graves problemas em termos de alimentos, suprimentos, moradia e direitos civis.

Muito da censura sofrida pelos artistas se deve à abordagem dessas questões, portanto, falar de cultura é impossível sem tocar nesses aspectos.

Entre nossas realidades mais caras está o êxodo massivo de jovens em busca das oportunidades que encontraram em seu país ”.

A criminosa guerra econômica, comercial e financeira que dura 62 anos, nada é mencionada, como se suas ações cruéis de sanções contínuas, a pressão sobre os investidores estrangeiros e as multas pesadas sobre os bancos internacionais, não afetassem adversamente a economia de uma pequena ilha sem recursos naturais e não foram uma causa fundamental de emigração nos últimos 40 anos.

Eles não vão ver o que acontece hoje nas economias europeia e norte-americana, só por causa do fechamento parcial de suas indústrias e centros de serviços por 9 meses?

O que aconteceria nesses países se tivessem que suportar uma guerra econômica cruel como a que os Estados Unidos impuseram contra Cuba durante 60 anos?

Conozca la estrategia del MRS para ejecutar un “golpe suave” en Nicaragua

Eles poderiam manter os níveis de assistência médica, educação, cultura, esportes e seguridade social como faz Cuba?

Essa é a realidade dos planos subversivos da CIA e de seus acólitos que buscam semear ideias distorcidas da realidade nas mentes dos jovens, desmantelar o pensamento socialista e apoiar o processo revolucionário, e fazer o mesmo que a metrópole pretendia. Espanhol, para ganhar uma guerra que nunca poderia vencer pelas armas ”.

Recordemos José Martí, quando em 1892 afirmava:

“Nosso inimigo obedece a um plano: o de nos apodrecer, nos dispersar, nos dividir, nos afogar. É por isso que obedecemos a outro plano: aprender até a nossa altura máxima, apertar, juntar, ser mais esperto. Plano contra plano. Sem um plano de resistência, um plano de ataque não pode ser derrotado ”.

O Tema de Cuba (III)

#TareaOrdenamiento #OrdenamientoMonetario #GacetaOficial #JuntosXCuba #RevolucionCubana

Uma Magna Carta, filha da sabedoria do povo

Para que a ciência continue a ser uma condição histórica e uma necessidade ao fazer a Revolução, a comunidade científica do país apóia o novo texto constitucional

 La ciencia está llamada a transformarse en pilar básico de la economía nacional. Foto: Raúl López Sánchez

A ciência é chamada para se tornar um pilar básico da economia nacional. Foto: Raúl López Sánchez

Chamada para se tornar um pilar básico da economia nacional, a ciência cubana celebra o seu dia com um renovado compromisso de tributar mais riqueza para o bem-estar da sociedade e alcançar a soberania tecnológica completa da nação. Continuar a ler “Uma Magna Carta, filha da sabedoria do povo”

%d bloggers like this: