Boa Fé: Continuamos com a nossa vergonha limpa e a nossa cabeça erguida.

#Cuba #Cultura #RevoluciónCubana

Por Maitte Marrero Canda

Correspondente na Guatemala

Em 1999, Israel Rojas (vocais principais) e Joel Martínez (guitarra acústica e segundo vocal) deram os seus primeiros passos na música na sua terra natal, Guantánamo, e por sorte, pela terceira vez na terra do Quetzal estão a celebrar um novo aniversário de sucesso, mas também de controvérsia, uma vez que o seu trabalho é uma crónica da época em que vivem. Numa entrevista exclusiva com Prensa Latina, Rojas confessou ter “o afecto que merecemos e os inimigos que merecemos, e nesse sentido estamos muito felizes”.

“Para além dos prémios e reconhecimentos, o importante é o aplauso do povo, é que a canção é útil, que identifica um grupo que faz coisas boas, que acompanha o emigrante na sua viagem, que faz de um pai um pai melhor… Esse foi e é o objectivo do que fazemos e espero que continue a ser assim”, disse ele com convicção.

Imagen de Razones de Cuba

Nesse sentido, salientou, vai ter pessoas que vão ficar deslumbradas com isso, e pessoas que, no processo, na sua maneira de ver o mundo, vão assumir uma posição que contradiz a sua.

Perguntados como se vêem a si próprios num rápido olhar para trás no tempo, a resposta foi contundente: “Vemo-nos felizes, com a nossa vergonha limpa e os nossos olhos para cima, sem a necessidade de baixar a cabeça diante do mundo”.

“É por isso que continuamos a fazer o projecto e acreditamos que vale a pena apostar na arte e na canção mesmo nestes tempos de grande confusão”, salientou Rojas.

“Como nos vemos a nós próprios, vemos-nos saudáveis, com muitas canções novas a serem lançadas do próximo álbum, e vemo-nos felizes, também como seres humanos”, resumiu o cantor.

Buena Fe, disse ele, tem sido a nossa plataforma musical e de vida, e também para alimentar os nossos filhos.

Àqueles que os acusam de serem oportunistas e de um discurso complacente com as autoridades e o governo para terem sucesso, Rojas argumentou que a própria música do grupo é a prova de que não é esse o caso.

“Ninguém pode provar que a nossa arte foi flertada com uma causa específica e para um benefício específico”.

A FAVOR DE PROJECTOS SOCIAIS

As nossas causas, explicou, são a favor de projectos sociais como a luta contra o HIV, a doação de órgãos, a favor do movimento LGBT, a favor de pais responsáveis, com estudantes universitários e em todo o trabalho em que temos acreditado dentro e fora de Cuba.

Duas noites de concertos esgotados no espaço cultural Trovajazz da capital e outra na cidade colonial de Antígua, reuniram Buena Fe pela terceira vez com a terra do Quetzal graças “a um bando de loucos, verdadeiros amigos e não homens de negócios, que decidiram juntar esta história”.

“Estamos encantados por poder vir e mostrar-lhes um pouco dos 23 anos de carreira, já estamos no nosso 13º álbum, “Morada”, que será lançado em todas as plataformas digitais a 7 de Fevereiro”, disse Rojas.

“Obrigado do fundo do meu coração por demonstrar que as canções também nos podem fazer sonhar”, disse a uma audiência que não deixou de entoar canções emblemáticas como “No juegues con mi soledad”, “Pi 3,14”, “Arsenal”, “Papel en blanco”, “Catalejo” e “Valientes”, uma letra que se tornou quase um hino durante a luta contra a pandemia de Covid-19 em Cuba.

A revisão da sua discografia também incluiu canções como “Dame guerra”, “Nalgas”, “Cámara lenta”, “Bodas” e “Sin arrepentimiento”, entre outras que foram deixadas para um novo encontro, talvez com o sonho de trazer toda a banda.

Como habitualmente, trocaram com o projecto “Los Patojos”, um modelo de educação alternativa na Guatemala, e participaram no evento “A música como instrumento de transformação social” juntamente com jovens criadores.

Também partilharam com membros da Brigada Médica Cubana, que está a celebrar 24 anos de presença ininterrupta nos lugares mais remotos do país.

Em cada concerto, Buena Fe confessou ao público parte da sua filosofia de trabalho: “Vivemos atrás da cortina da indústria cultural, vivemos com o prazer de fazer canções que vêm dos nossos corações, vivemos felizes atrás das cortinas e das difamações, e também as consequências das inconsistências, e aqui estamos nós”.

Concertos de fim-de-semana em Miami pulverizam carraças Como poderia sequer pensar em desafiar o Guerreiro? #GuerreroCubano

#SubversiónContraCuba #ManipulaciónMediática #MafiaCubanoAmericana #CubaNoEsMiami #CubaViveYTrabaja #GuerreroCubano

Não à benevolência do agressor.

#Cuba #EstadosUnidos #SubversiónMediática #MartíVive

🖋️ Israel Rojas

Se amanhã o governo dos EUA regressar a uma política de aproximação e de diálogo construtivo com #Cuba, é de notar que foi graças à nossa resistência.

Suicidas.

#ConFilo #CubaViveYTrabaja #Chacumbeles #RedesSociales #ManipulaciónMediática #MafiaCubanoAmericana

San Remo Music Awards Cuba VS Free Cuba Fest Miami Otaola chivatea a Diaz Balart.

#CubaEsCultura #SanRemo #CubaViveYTrabaja #VamosConTodo #ManipulacionMediática #MafiaCubanoAmericana #CubaEsJusta

Matriz Peter Pan.

#ConFilo #RedesSociales #MafiaCubanoAmericana #ManipulaciónMediática #CubaNoEsMiami

%d bloggers gostam disto: