As condições em casa e em outras potências emergentes estão a minar as ambições imperialistas.

#EstadosUnidos #Sanciones #Bloqueo #EconomíaMundial

De acordo com o jornal, os objectivos das conversações entre Biden e Zelenski eram diferentes.

#Ucrania #InjerenciaDeEEUU #Política

O Presidente ucraniano Vladimir Zelensky não conseguiu atingir o objectivo da sua visita de quarta-feira aos EUA para obter armamento mais avançado para operações ofensivas, relata o The Washington Post.

De acordo com o jornal, os objectivos das conversações entre os dois chefes de Estado eram diferentes. Assim, Zelenski procurou obter “armas mais poderosas e aumentar a capacidade da Ucrânia para lançar grandes operações ofensivas” no próximo ano. “Havia poucos indícios de que o conseguiria, pelo menos a curto prazo”, escreve o WP.

Entretanto, o Presidente dos EUA Joe Biden quis “discutir [o de Zelenski] pensando na diplomacia, onde está e o que precisa de fazer para garantir que Kiev esteja na posição mais forte possível para que possamos acelerar a emergência de uma mesa de negociações”, disse um funcionário dos EUA que não queria ser identificado.

El presidente de Ucrania, Vladímir Zelenski, y su homólogo estadounidense, Joe Biden, en Washington, el 21 de diciembre de 2022.
Patrick Semansky / AP

“Foi uma oportunidade para Biden e Zelenski terem uma conversa séria sobre para onde vamos […] para garantir que estamos alinhados com os objectivos gerais e que nos entendemos”, salientou Ivo Daalder, antigo embaixador dos EUA na OTAN. Observou também que “Biden continua preocupado em não ir demasiado longe, demasiado depressa, por medo de uma escalada”.

De facto, durante a conferência de imprensa conjunta com Zelenski, Biden advertiu que o fornecimento de armamento “que é fundamentalmente diferente” do que já está a ser enviado poderia destruir a unidade da OTAN e da União Europeia.

Apoio da nova Câmara dos Representantes

Os dois líderes estavam também a procurar consolidar o apoio da nova Câmara dos Representantes dos EUA liderada pelos Republicanos, que toma posse no próximo mês, disse o jornal. Uma fonte disse que era importante para Zelenski usar o seu carisma pessoal para explicar aos legisladores “que esta é realmente uma luta pela democracia”.

O funcionário não nomeado disse que o novo Congresso dos EUA terá mais opositores a prestar ajuda militar a Kiev. “Haverá vozes fortes, não particularmente influentes, mas vozes fortes, argumentando que este dinheiro deve ser gasto noutro lugar, que estamos a desperdiçar recursos preciosos em aventuras estrangeiras”, disse ele.

https://vk.com/video-211725988_456239183?t=17s

À procura de uma estalagem.

#EstadosUnidosEstadoFallido #CrisisMigratoria #SueñoAmericano

Por David Brooks

Os Estados Unidos estão presos entre a sua identidade como “país de imigrantes” e um país envenenado com xenofobia e racismo históricos que foram elevados a níveis alarmantes por forças neofascistas nos últimos anos. Imaginado há alguns dias, um imigrante latino a dormir nas ruas de Los Angeles.

Há um número sem precedentes de peregrinos no mundo – refugiados, migrantes, exilados – que foram forçados a despedir-se das suas casas, das suas famílias, dos seus entes queridos, dos seus mundos, a procurar abrigo, muitos em países que partilham a responsabilidade de provocar o êxodo através de políticas económicas, guerras, a sua contribuição para as alterações climáticas e muito mais.

Os Estados Unidos estão presos entre a sua identidade como “país de imigrantes” e um país envenenado com xenofobia e racismo históricos que foram elevados a níveis alarmantes por forças neofascistas nos últimos anos. Imaginado há alguns dias, um imigrante latino a dormir nas ruas de Los Angeles.

John Berger tinha dito que o século XXI era o século em que nunca antes tantas pessoas tiveram de dizer adeus, que este é o século dos desaparecimentos. O século das pessoas que, sem ajuda, observavam os outros, que lhes eram próximos, desapareceram no horizonte. O século XXI continua a ser marcado pelo longo adeus com a ONU a estimar que mais de 100 milhões de pessoas foram deslocadas à força das suas casas (https://www.acnur.org/datos-basicos.html).

Nos Estados Unidos, que está agora preso entre a sua identidade como país de imigrantes e um país envenenado com xenofobia e racismo históricos que foram elevados a níveis alarmantes pelas forças neofascistas nos últimos anos.

Entretanto, há uma luta para ver como continuar a limitar o direito de asilo, um sucesso da administração Trump que quase o conseguiu subverter por completo. Os políticos, com as suas notáveis excepções, continuam a utilizar os migrantes como peões no seu obsceno jogo de xadrez, alguns construindo novas paredes ou raptando-os para os enviar para outros estados, enquanto que os defensores expressam preocupação pelos migrantes e oferecem propostas para lidar de forma responsável com este fluxo humano, incluindo o que dizem ser um presente para os chamados sonhadores, mas até agora, apenas conseguiram prolongar um pesadelo para os requerentes de asilo.

A grande iniciativa da administração Biden de identificar e abordar algumas das causas fundamentais continua a evitar uma das principais causas: os próprios Estados Unidos têm alimentado o êxodo durante décadas como resultado das suas intervenções e guerras, da sua falhada guerra contra a droga, da sua promoção de políticas neoliberais e da sua contribuição histórica importante para as alterações climáticas.

Tudo isto enquanto seres humanos – talvez até um terço deles menores – procuram formas de sobreviver mais uma noite, mais um rapto, mais uma ameaça, mais um dia frio na zona fronteiriça e a caminho do país da estátua que diz acolher os sem-abrigo do mundo.

Já para não falar dos deslocados e sem-abrigo dentro do país. Vale a pena recordar que parte da história desta nação foi a deslocação e o exílio interno de milhões de povos indígenas por colonos europeus – os primeiros imigrantes indocumentados – e os seus descendentes. Os índios americanos ainda vivem de reservas que em alguns casos poderiam ser caracterizadas como campos de refugiados. E no país mais rico do mundo, há também pelo menos 580.000 pessoas sem abrigo em constante procura de abrigo. Entre eles encontram-se milhares de veteranos militares que participaram nas intervenções e invasões de outros países, provocando deslocações e êxodos em várias partes do mundo (https://endhomelessness.org/homelessness-in-america/homelessness-statistics/state-of-homelessness/).

Dos campos de refugiados do outro lado do rio, do interior deste país onde mais de 11 milhões vivem na sombra porque não têm papéis, das ruas debaixo de caixas de cartão ou no Metro, onde centenas de milhares de cidadãos dormem, árvores de Natal e outras decorações podem ser vistas em casas, lojas, igrejas e escritórios recordando a procura de abrigo por parte de migrantes/refugiados para o nascimento do seu filho que mais tarde se tornaria um trabalhador perseguido (carpinteiro) marcado como ilegal.

Haverá um milagre? Perante a despedida prolongada, haverá finalmente uma grande saudação de boas-vindas? Quem conseguirá este milagre? Dizem, para citar Junho Jordan, que somos nós que temos estado à espera.

Billy Bragg & Wilco. Cristo para Presidente (Woody Guthrie). https://www.youtube.com/watch?v=n9rVeyPifwY

Evangelho em Colonus. Levantem-no. https://open.spotify.com/track/3m2UlF4XPLDjDinsqauLMY?si=3e9c78d2930c4727

Fonte: https://www.jornada.com.mx/2022/12/19/opinion/035o1mun

Extraído de Rebelión.

Receitas falhadas.

#Política #Cuba #EstadosUnidos

Por Arthur González

Aqueles que conhecem a história e a luta desesperada para encontrar dinheiro a todo o custo, fazendo da política anti-cubana uma profissão lucrativa, sabem que as receitas utilizadas falharam durante 63 anos.

Um destes hustlers é Manuel Cuesta Morúa, que, tal como o velho hustler Elizardo Sánchez Santacruz y Pacheco, tem estado em numerosos grupos contra-revolucionários, com o único objectivo de encher os seus bolsos com dólares que lhe foram dados pelos Yankees.

Viagens a diferentes países, incluindo alojamento, compõem o seu curriculum vitae ao longo dos últimos 30 anos, sem que até à data tenha sido capaz de demonstrar quaisquer resultados credíveis.

Um destes hustlers é Manuel Cuesta Morúa, que, tal como o velho hustler Elizardo Sánchez Santacruz y Pacheco, tem estado em numerosos grupos contra-revolucionários, com o único objectivo de encher os seus bolsos com dólares que lhe foram dados pelos Yankees.

A invenção mais recente é a chamada “Plataforma D Frente”, que de acordo com este prostituto “reúne activistas, intelectuais e grupos da oposição cubana”, que ninguém conhece na ilha.

Na sua tentativa de dar alguma publicidade à monstruosidade, enviou uma carta ao Papa Francisco a pedir a sua mediação para a liberdade dos “presos políticos” em Cuba, acusando o Santo Padre de esquecer os cubanos nas suas petições e dando prioridade aos cubanos em África, Ucrânia e outros países, em vez de exigir a libertação dos cubanos.

O Papa conhece perfeitamente o negócio da contra-revolução e também o trabalho da Revolução, punido pelos Estados Unidos com uma criminosa guerra económica, comercial e financeira que durou mais de meio século, para causar fome e doenças entre o povo, com o objectivo marcado de desencorajar o povo e culpar o governo pelas dificuldades produzidas pelas sanções ianques.

Como as mentiras têm pernas muito curtas, a carta da vívida Cuesta Morúa nada mais é do que parte da orientação recebida e a prova é que “por coincidência”, vários congressistas norte-americanos também exigem que o Vaticano intervenha em nome dos cubanos “que se sentem abandonados pela hierarquia da Igreja”.

Os prisioneiros em Cuba cometeram crimes comuns, todos eles ainda estão sob a orientação dos EUA e recebem bastantes dólares pelas suas provocações e acções contra a ordem interna cubana.

Porque é que estes “preocupados” congressistas americanos não apelam à libertação de Julian Assange e ao fim da sua perseguição por expor ao mundo as violações dos direitos humanos que os Estados Unidos praticam sistematicamente, incluindo a espionagem de altos funcionários estrangeiros?

Antes de pedirmos ao Papa para falar sobre os cubanos, devemos pedir-lhe que se preocupe com os mais de 39.000 reclusos nas 36 prisões do Equador (segundo números oficiais), onde mais de 400 reclusos morreram desde 2020, uma situação que não existe em Cuba.

Os reclusos nestas prisões vivem um inferno permanente, devido às más condições, rodeados de máfias que controlam os centros; não têm direito a ver televisão, há sobrelotação, faltam-lhes programas de reeducação, não há duches colectivos e, onde existem, são impedidos de os utilizar, tendo de se lavar nas suas celas.

Uma elevada percentagem entra nas prisões sem julgamento, expondo-as a conflitos com aqueles que controlam e extorquem dinheiro da população prisional, o que muitas vezes leva a massacres, uma situação que os Yankees não condenam.

A contra-revolucionária Cuesta Morúa não sabe o que está a acontecer nas prisões de El Salvador, com mais de 55 000 detidos detidos sem serem sancionados pelos tribunais e com pouca esperança de que os juízes ouçam os seus casos individualmente, porque realizam audiências com até 300 arguidos de cada vez, com advogados nomeados pelos tribunais que não conhecem os casos porque estão sobrecarregados e não têm tempo para preparar a defesa?

Não há uma única condenação no Parlamento Europeu destas violações dos direitos humanos nas prisões daquele país. Os Estados Unidos também não elaboram listas negras para incluir juízes, como fazem contra Cuba, onde os detidos têm todas as garantias de um processo justo, apesar das falsas campanhas forjadas.

De acordo com uma rede de organizações não governamentais que investigam a situação nas prisões salvadorenhas, não menos de 80 prisioneiros morreram sem julgamento. O governo não fornece números, negou informações públicas sobre as mortes e afirma que estas só serão tornadas públicas dentro de sete anos.

Os legisladores salvadorenhos suspenderam o acesso dos detidos aos advogados, prolongaram o tempo que uma pessoa pode ser detida sem acusação, e aumentaram o período que os detidos podem passar antes do julgamento.

E quanto ao Chile, onde há uma massa de mais de 200 pessoas detidas por protestos que exigem melhores condições de vida, especialmente os jovens, selvagemmente reprimidos pela polícia, dezenas deles perderam um ou dois olhos, as mulheres ficaram indignadas e os espancamentos foram impiedosos no melhor estilo nazi.

A actual Ministra da Justiça, Marcela Ríos, salientou que 20% destes reclusos são inocentes e reconheceu que nos últimos anos a população prisional chilena cresceu 30%, onde 40% são acusados de uma medida cautelar, sem ainda serem sancionados pelos tribunais, algo que ela considera gerar uma contaminação criminológica, devido ao aumento da população prisional que carece de programas de reeducação, algo que o sistema penal cubano tem tido durante 60 anos.

Até há poucos meses atrás, o Chile não dispunha de uma Lei de Garantias para Crianças, pelo que as crianças e adolescentes a cumprir penas nas prisões chilenas enfrentavam processos judiciais sem protecção legal e sem programas de reeducação.

O sistema prisional chileno tem 83 prisões, 45 das quais estão sobrelotadas. Especificamente, 19 unidades excedem 140% de ocupação, incluindo Tatal (265,6%), Copiapó (220%), Santiago Sur (203,8%) e Petorca (200%).

Segundo o ministro, muitas prisões nas regiões de Valparaíso, Metropolitana, O’Higgins, BioBío e La Araucanía não têm condições de higiene adequadas. Das 44 prisões, em 11 não há camas para todos os reclusos, e em 23 não há acesso 24 horas a água potável, e não há privacidade na utilização de casas de banho. Além disso, há infestações de percevejos, ratos, percevejos, pulgas, pombos e/ou baratas.

Em 20 das 44 unidades visitadas, os reclusos não dispõem de pratos, bandejas ou talheres para comer. Longos períodos de tempo entre as refeições, até mesmo até 20 horas. Noutros casos, a comida é inadequada, ao ponto de incluir matéria fecal em muitas das refeições.

Reconheceu que o Chile tem o maior número de prisioneiros da América do Sul, 279 prisioneiros por 100.000 habitantes. No século XXI, o castigo é a superlotação e a reintegração social é inexistente. Jaime Gajardo, Subsecretário de Justiça, diz que no Chile há 42.000 pessoas a cumprir pena nas 88 prisões do país.

Jeannette Vega, Ministra do Desenvolvimento Social, assegurou num programa de televisão que há prisioneiros políticos e que nos últimos dois anos os jovens que têm estado em prisão preventiva ainda não foram julgados.

Antes de criminalizar Cuba, os Estados Unidos e os grupos contra-revolucionários deveriam analisar onde os direitos humanos estão a ser violados, algo que não mencionam na sua carta ao Papa, porque, como disse José Martí, “Um princípio justo de baixo para cima é o princípio da justiça:

“Um princípio justo do fundo de uma caverna, pode fazer mais do que um exército”.

Angola manifesta intenção de Coordenador Residente das Nações Unidas.

#Angola #EstadosUnidos #ONU #Política

JA Online

O ministro das Relações Exteriores, Téte António, manifestou, esta segunda-feira em Nova Iorque, a intenção de Angola apresentar candidaturas para o posto de Coordenador Residente das Nações Unidas.

© Fotografia por: Cedida

O tema foi abordado durante o encontro que o chefe da diplomacia angolana manteve com a secretária-geral adjunta da ONU, Amina Mohammed, na sede daquela organização, informa uma nota de imprensa do Ministério das Relações Exteriores enviada ao JA Online.

“Temas como paz e segurança no Leste da República Democrática do Congo, a Cimeira de Chefes de Estado e Governo da Organização dos Estados de África, Caraíbas e Pacífico (OEACP), realizada de 6 a 10 do corrente mês em Luanda, bem como as reformas da ONU e as relações com Angola, dominaram o encontro entre as duas entidades”, lê-se no comunicado. 

Amina Mohammed é a primeira mulher a exercer o cargo de Secretaria-Geral Adjunta da ONU*. Foi nomeada em 2017  Secretário-Geral da ONU, António Guterres, que a reconduziu para o segundo mandato iniciado em Janeiro de 2022.

Não têm forma de o refutar, muito duramente!

#ElBloqueoEsReal #EliminaElBloqueo #CubaÚnica #MejorSinBloqueo #Sanciones #CubaViveYTrabaja

Chefes de Estado analisam paz na Região dos Grandes Lagos.

#EstadosUnidos #África #Economía #Política

JA Online

Uma reunião de alto nível decorreu, esta quarta-feira, em Washington, Estados Unidos da América (EUA), com a participação dos Presidentes de Angola, Rwanda, Burundi, Uganda, Tanzânia e Quénia. A RDC foi representada pelo seu Primeiro-Ministro.

© Fotografia por: CIPRA

O encontro, que decorreu à margem da Cimeira EUA-África, é uma iniciativa do Presidente João Lourenço, na sua qualidade de mediador da União Africana para o conflito no Leste da RDC visou analisar a paz na Região dos Grandes Lagos.

Chefe de Estado informa que produção energética do país já é menos poluente.

#África #EstadosUnidos #Economía

César Esteves

O Presidente da República, João Lourenço, assegurou, quarta-feira, aqui em Washington, Estados Unidos da América, que a energia eléctrica produzida, neste momento, no país, já é menos proveniente de fontes poluentes, como de centrais térmicas movidas a diesel ou a gás, estando, agora, a privilegiar, cada vez mais, a de centrais hidroeléctricas.

Presidente da República discursou no painel que analisou o tema “Construindo um futuro sustentável: parcerias para financiar infra-estruturas e a transição energética” © Fotografia por: Dombele Bernardo| Edições de Novembro

O Presidente avançou a informação durante a intervenção no segundo painel do Fórum de Negócios da Cimeira EUA-África, que analisou o tema “Construindo um futuro sustentável: parcerias para financiar infra-estruturas africanas e a transição energética”.

O estadista angolano referiu que o país já deu início, há algum tempo, ao processo de transição energética, abandonando, parcialmente, as fontes de produção de energia eléctrica poluentes, no caso as centrais térmicas, para investir, fortemente, na produção de energia hidroeléctrica.

“Pretendemos atingir 80 por cento de energia limpa dentro de três anos”, realçou o Presidente. O Chefe de Estado fez saber que, além das barragens de Laúca e de Cambambe, o país está a construir, com previsão de conclusão de três anos, a de Caculo Cabaça que, segundo sublinhou, vai produzir, sozinha, cerca de 2.1 gigawatts de energia e, nessa altura (dentro dos três anos), o país passará a produzir, aproximadamente, 9 gigawatts de energia eléctrica.

Na sequência disso, o Presidente disse estar, igualmente, em construção, com alguma parte já concluída, a rede de distribuição dessa energia, que está a ser produzida na Bacia do Rio Kwanza, para ser levada a todos os cantos do país. O Chefe de Estado referiu que essa energia já cobre todo o Norte e o Centro do país, nomeadamente, as províncias do Huambo e do Bié, estando-se, neste momento, a trabalhar no sentido de conseguir financiamentos para transportá-la ao Sul, para cobrir as províncias da Huíla, Namibe, Cunene e, no Leste, as províncias da Lunda-Norte, Lunda-Sul, Moxico e Cuando Cubango.

Paralelamente a isso, o Presidente referiu que já se começou a produzir, no país, energia solar, com a construção de parques fotovoltaicos, sendo que dois deles já se encontram a fornecer energia à Rede Eléctrica Nacional.

“Há dois parques que inauguramos este ano, sendo um no Biópio e outro na Baía Farta, ambos na província de Benguela, que foram construídos por um consórcio que engloba, também, a empresa americana Sun Africa”, realçou o Presidente, acrescentando que estes dois projectos já estão a contribuir no aumento da oferta de energia para a indústria e a população.

O Presidente assegurou que o projecto de produção de energia solar vai continuar e adiantou que um deles será o maior que o país vai conhecer. “Vai ser construído no Sul de Angola, para beneficiar, essencialmente, quatro províncias, nomeadamente, o Namibe, Huíla, Cunene e Cuando Cubango”, destacou. Fez saber que este projecto, que vai ser, igualmente, executado pela empresa americana Sun Africa, conta com um financiamento de 2 mil milhões, garantido pelo Exim Bank.

O Fórum de Negócios reuniu líderes empresariais e governamentais, para promover parcerias mutuamente benéficas, de modo a criar empregos e impulsionar o crescimento inclusivo e sustentável em ambos os lados do Atlântico. O Fórum foi organizado pelo Departamento de Comércio dos EUA, Câmara de Comércio dos EUA e Conselho Corporativo para África, em parceria com a iniciativa “Prosper Africa”.

O evento contou com uma sala de negócios, organizada pela “Prosper Africa”, onde empresas e investidores dos EUA e de África acordaram novos compromissos.

Conflito no Leste da RDC abordado em Washington

Por iniciativa do Presidente João Lourenço, na qualidade de mediador da União Africana para o conflito no Leste da República Democrática do Congo (RDC), aconteceu, ontem, em Washington, uma reunião de alto nível com a participação dos Chefes de Estado de Angola, Burindi, Uganda, Tanzânia e do Quénia.

Uma nota da Presidência da República, na sua página do Facebook, que anuncia a RDC foi representada no encontro pelo seu Primeiro-Ministro. Ainda ontem, o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken reuniu-se com os Presidentes da Namíbia, Hage Geingob, e da Zâmbia, Hakainde Hichilema, bem como o ministro das Relações Exteriores da África do Sul, Naledi Pandor, cujos países representam o órgão de Política, Defesa e Segurança da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

De acordo com Ned Price, porta-voz do secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken e os membros do Órgão Troika enfatizaram a importância de fortes relações entre os EUA e a SADC e destacaram a necessidade de maior cooperação em desafios compartilhados na região e além.

%d bloggers gostam disto: