Biden, a sua Nova Ordem Mundial, a realidade, o Haiti e os senhores do petróleo.

#JoeBiden #InjerenciaDeEEUU #Petróleo #NovaOrdemMundial #OTAN

PorCubasí

A frase da Nova Ordem de Biden, “vai haver uma Nova Ordem Mundial, temos de a liderar e temos de unir o resto do mundo livre para o fazer”, foi imediatamente viralizada pelo aparelho de propaganda hegemónico dos meios de comunicação social. No entanto, o mesmo aparelho escondeu informações sobre as preliminares conflituosas, que levaram à humilhação de Biden e do Primeiro Ministro britânico Boris Johnson, que estavam empenhados em obter o apoio dos principais produtores de petróleo na sua cruzada contra a economia russa.

Embora não tenha especificado em que consistirá essa ordem, mencionou a OTAN e os aliados dos EUA no Pacífico durante o seu discurso, dizendo que eles apresentam “uma frente unida”. Agora é um momento em que as coisas estão a mudar. Vai haver uma nova ordem mundial e nós temos de a liderar, Biden continuou.

Violencia descontrolada en EE.UU.

Ele observou que “a OTAN nunca foi mais forte ou mais unida em toda a sua história do que é hoje, em grande parte devido a Vladimir Putin” e mencionou o grupo do Diálogo Quadrilateral de Segurança (Quadrilateral Security Dialogue), formado pelos EUA, Japão, Índia e Austrália e criticado por Pequim como uma ferramenta anti-China no Pacífico. “O Japão tem sido extremamente forte, tal como a Austrália, em termos de lidar com a agressão de Putin. Apresentamos uma frente unida através da OTAN e do Pacífico”, declarou Biden.

Certamente, quem escreveu o seu discurso já foi despedido. A frase começou rapidamente a ter tendências no Twitter, e os comentadores não perderam tempo em gabar-se do que viam como uma (acidental?) invocação de uma teoria conspiratória de que uma elite globalista que opera a partir das sombras está a conspirar para dividir o mundo e impor um regime totalitário.

O terror socializante
No seu discurso, Biden socializou o terror entre os homens de negócios presentes, avisando que a Rússia poderia retaliar com novos ciberataques contra o Ocidente e utilizar armas químicas contra civis ucranianos à medida que o conflito se torna uma guerra prolongada de atrito em vez de uma conquista rápida.

A frase “Nova Ordem Mundial” tem sido usada de forma muito semelhante à de Biden por Woodrow Wilson e Winston Churchill no rescaldo da Primeira e Segunda Guerra Mundial respectivamente e, mais recentemente, por George W. Bush em resposta ao colapso da União Soviética. Ainda assim, poucos no mundo compreenderam qual era a mensagem, para além da sua proclamação futura como um hegemonte.

A frase também tem sido utilizada num sentido muito menos optimista, promovendo os receios do “susto vermelho” sobre a propagação da “conspiração comunista internacional” nos anos 50, culminando nas vergonhosas perseguições do senador republicano Joseph McCarthy nesse período. Mas o guião é semelhante e também baseado em outro “eixo do mal”.

É verdade que os europeus preferem evitar situações irreversíveis, tais como os bombardeamentos de Belgrado ou agora de Kiev. E as palavras do quase octogenário Biden no primeiro dia de Primavera no hemisfério norte, perante o mundo dos negócios. Alguns analistas europeus interrogavam-se se se tratava de uma conspiração maçónica ou talvez Illuminati.

Adrian Mac Liman salienta que, num país como os Estados Unidos, onde supostamente proliferam sociedades secretas, as teorias da conspiração propagam-se a velocidades supersónicas. “O Imperador Biden lança a sua cruzada globalista, dá a entender círculos ultra-conservadores no seu país. Os europeus – alguns europeus – estão a segui-los”, disse ele.

Mas parece haver algumas falhas no sistema de comunicações, porque era impressionante que as dinastias de países tão “democráticos” como a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos nem sequer respondessem aos apelos de Biden ou dessem qualquer importância aos esforços de Johnson, que teve de admitir que no mundo do petróleo e do gás o espectro da Rússia é omnipresente.

Washington tinha-se comprometido a complementar as exportações russas de petróleo e gás para o Ocidente com produtos americanos ou de países amigos, mas os sauditas e os emiratis preferiram respeitar os seus compromissos para com os outros membros da OPEP+ que tinham concordado em não aumentar a produção de petróleo até à próxima Primavera. Não se deve esquecer que a Rússia é um membro da OPEP+.

Além disso, prometeu remover algumas sanções e bloqueios ao Irão e à Venezuela… mas não: nem cedeu à chantagem, enquanto os estudiosos da energia dos EUA tentaram adivinhar o que os sauditas e os emiratis iriam fazer com os seus excedentes. E no horizonte estava a China, que há seis anos vinha insistindo em abastecer-se a partir daí, mas pagando em yuan.

De acordo com o Wall Street Journal, a mudança ameaçaria seriamente o domínio global dos americanos no mercado petrolífero e afectaria a supremacia do dólar. Os sauditas já tinham apoio chinês para a produção de mísseis, desenvolvimento do programa nuclear, e outros investimentos na modernização do reino.

É verdade: os EUA tinham prometido apoio estratégico à Arábia Saudita, mas a monarquia está descontente com a falta de ajuda na guerra do Iémen, com o interesse de Washington em ressuscitar o acordo nuclear com Teerão, ou com a caótica e mal explicada retirada do Afeganistão. E embora ninguém se interrogue abertamente sobre o que fazer com tais amigos, a questão mantém-se.

Haiti Protegido?

O Presidente Joe Biden também confirmou a implementação da “Lei da Fragilidade Global”, que embora aprovada em 2019 começará a ser aplicada em pelo menos quatro países: Haiti, Líbia, Moçambique e Papua, e também na costa ocidental de África, incluindo Benim, Costa do Marfim, Gana, Guiné e Togo.

Biden argumentou que, como o mundo se encontra numa “década decisiva”, os EUA “devem liderar” neste ponto de viragem. Ele prometeu que a aplicação da lei será o roteiro para a nova estratégia de Washington de ser “um parceiro de confiança” na prevenção de conflitos e na promoção da estabilidade global.

É uma estratégia de dez anos que visa resolver conflitos nestas áreas enquanto “melhora o modo” de funcionamento do governo dos EUA “numa variedade de contextos”. Traduzido, isto significa que abafa o direito de intervir nos assuntos de outros países pobres mas estratégicos. “É um investimento na paz e segurança globais, um investimento que irá gerar benefícios críticos, não apenas nas nações com as quais iremos trabalhar, mas sobretudo aqui nos Estados Unidos”, disse ele.

Na prática, a nova estratégia de “abordagem multifacetada” repetirá a antiga tutela institucional dos EUA num contexto internacional volátil que deixa a estes países pouca margem de manobra. Para este fim, o Congresso afectará até 200 milhões de dólares por ano.

Esta não é a primeira vez que Washington tenta intervir no Haiti. As invasões de Porto Príncipe em 1915, 1994 e 2004 foram as mais escandalosas, mas também desenvolveram outras formas de interferência mais veladas, tais como a concessão de empréstimos não pagáveis ao Haiti para impossibilitar a sua saída dos seus credores ou a falência induzida da sua indústria do arroz no final do século passado, inundando o mercado com produtos americanos.

O Guardian revelou números oficiais dos EUA, que mostraram que dos 2,3 mil milhões de dólares destinados à ajuda ao Haiti até 2019, mais de metade acabou por regressar aos EUA.

O Centro de Investigação Económica e Política (CEPR) descobriu que apenas 0,6% dos fundos foram para organizações haitianas e 0,9% foram eventualmente entregues ao governo haitiano, antes do assassinato do Presidente Jovenel Moïse em Julho (no qual estão implicados dois americanos) e do impacto do terramoto um mês mais tarde. Ambos os acontecimentos consolidaram a liderança de bandos criminosos que controlam tudo, desde o fluxo de gasolina até à entrada de ajuda humanitária.

O Secretário de Estado Antony Blinken disse que a nova abordagem terá em conta “as duras lições aprendidas” nas décadas anteriores. O objectivo é “mitigar a propagação de ideologias extremistas, cultivar uma maior confiança entre as forças de segurança e os cidadãos, e proteger contra a ameaça desestabilizadora das alterações climáticas”. Neste “esforço” para salvaguardar os seus interesses, o país mais pobre da América Latina foi escolhido pelo antigo hegemonte para testar a sua nova estratégia.

Teorias da conspiração

As teorias da conspiração tornaram-se uma forma de entretenimento de massas nos meios de comunicação social, alimentadas por todo o tipo de conteúdos, culminando nas fantasias marginais de QAnon, uma das principais teorias de conspiração de extrema-direita dos EUA, detalhando uma alegada conspiração secreta organizada por um suposto “estado profundo” contra o antigo Presidente Donald Trump.

Gafes aparentes como os de Biden só servem para alimentar a grelha para o moinho daqueles que escolhem acreditar que na escuridão reúnem conspiradores inclinados para o domínio global. E se não for um deslize presidencial e for a imposição de um imaginário colectivo que realmente permite uma Nova Ordem Internacional?

Luanda e Dubai vão aumentar frequência de voos.

#Angola #EmiratosÁrabesUnidos #EconomíaNacional #Dubai

Jornalista: Isaque Lourenço | Dubai

As ligações aéreas entre Luanda e o Dubai podem, nos próximos dias, registar um aumento substancial na frequência com a entrada, ainda este ano, da Etihad Air Ways e juntar-se assim a Emirates.

Esta informação foi avançada na manhã desta quinta-feira pelo embaixador Residente e Plenipotenciário de Angola nos Emirados Árabes Unidos.

Albino Malungo discursou, hoje, na abertura do fórum de negócios, organizado pela Câmara de Comércio Angola – Emirados Árabes Unidos.

Na ocasião, o diplomata referiu, também, que os vistos para Angola já não são problemas e que o intetesse manifestado por investidores dos dois países é garantir ligações aéreas diárias para facilitar e acelerar as respectivas trocas comerciais.

O fórum decorre desde a última terça-feira à margem do Encontro Anual de Investidores (AIM, na sigla em Inglês), que hoje encerra com o fim da Expo 2020 Dubai.

O evento é iniciativa da Câmara de Comércio Angola – EAU, que trouxe pela primeira vez representação do país ao evento, depois da adesão em 2019 a Dubai Chambers, entidade responsável pela reunião das empresas com interesse em investir fora do seu território.

A Liga Árabe rejeita o ‘acordo do século’ de Trump

Trump está desesperado …

#EEUU “Chega de guerra”, o clamor dos americanos para parar #Trump

Milhares de pessoas foram às ruas em 70 cidades nos Estados Unidos para rejeitar a decisão do presidente Donald Trump de manter uma guerra entre países contra o Irã.

Fonte:Mi Cuba Por Siempre

“Não à guerra” é a lenda das centenas de pôsteres exibidos que exigem, além disso, a partida do exército americano do Oriente Médio.

Washington, Nova York e Detroit foram os lugares mais visíveis da reação auto-convocada que começou a tomar forma nas redes sociais. “Não permitiremos que nosso país seja arrastado para outra guerra inconsciente”, gritou um dos organizadores do grupo reunido em frente à Casa Branca.

A mobilização na sede do governo dos EUA foi para o Trump Hotel, de propriedade do empresário e chefe de Estado, que no início da sexta-feira ordenou o assassinato do general iraniano Qasem Soleimani, por meio de um bombardeio de drones no Oriente Médio.

“Não à guerra com o Irã”, foi o principal slogan que convocou milhares em diferentes partes do país. “Retirada dos Estados Unidos do Iraque agora!” E “Não à guerra e sanções contra o Irã!” Eles também exigiram.

Na icônica Times Square, em Nova York, os manifestantes exibiram faixas rejeitando o envio de cerca de 3.500 soldados ordenados pelo governo dos EUA.

Também houve protestos neste sábado em Chicago, em frente à Trump Tower, de propriedade do presidente, e em Los Angeles. “Você precisa desviar a atenção? Provoque uma guerra ”, disse a bandeira de Sam Crook, 66, no meio do processo de impeachment pelo qual o republicano está passando.

“Este país está nas mãos de alguém que não é mentalmente estável, Donald Trump”, disse a mulher. “Me assusta que isso cause inadvertidamente – acho que você realmente não quer – um verdadeiro surto no Oriente Médio”, acrescentou.

A comunidade internacional teme um extenso conflito após a morte do general Soleimani e Abu Mehdi al Muhandis, considerado o homem forte do Irã no Iraque.

Emirados Árabes concedem ajuda a Angola.

 

Angola recebeu ontem, em Luanda, dos Emirados Árabes Unidos medicamentos, equipamentos e mobiliários hospitalares, no âmbito da cooperação entre os dois países.

Os medicamentos doados ontem vão ser distribuídos às províncias mais carenciadas
A doação chegou por meio aéreo e foi entregue no Terminal Militar. No total, chegaram ontem a Luanda 49 toneladas de medicamentos e 110 paletas com equipamentos e mobiliário hospitalares.
Fátima Viegas, secretária dos Assuntos Sociais do Presidente da República, valorizou a ajuda humanitária vinda dos Emirados Árabes Unidos, na medida em que o sector da Saúde vive ainda dificuldades. Continuar a ler “Emirados Árabes concedem ajuda a Angola.”

%d bloggers like this: